Cronologia de Fortaleza

PRÉ HISTÓRIA – SÉCULO XV

 

1499

1499 – Quando Cristóvão Colombo descobriu, sem consciência disto, um novo continente em 1492, marcando o fim da Idade Média e o surgimento da Moderna, fazendo acontecer a ânsia de conquista de novas terras e com ela veio o pacto de Tordesilhas, assinado em 1494, que dava a Portugal o direito de posse de 370 léguas a oeste do arquipélago africano de Cabo Verde. Navegadores espanhóis que descobriam terras antes do novo meridiano, não podiam tomar posse. Foi o caso de Vicente Pinzon que partindo do porto de Palos em 1499, descobriu o Cabo de Santa Maria de la Consolación.

 

1500

1500 – janeiro – 26 – De acordo com o pensamento do historiador Francisco Adolfo de Varnhagen, o Cabo de Santa Maria de la Consolación, onde esteve a frota do navegador Vicente Yañez Pinzón (Vicente Pinzon), seria a ponta do Mucuripe. A tese é aceita e contestada por muitos historiadores. Um mês depois de Pinzón, Diogo Lepe avistava o Rostro Hermoso (ponta do Mucuripe) e em seguida tomava o rumo de Pinzón. Vicente Yañez Pinzón (Vicente Pinzón) era um navegador espanhol, que à procura de conquistas, riquezas e especiarias, aventurou-se pelos mares, em procura das Índias, por caminhos mais curtos, em direção ao por do sol e em fevereiro de 1500 aportou nas areias do nordeste do nosso continente, onde cavou o chão do futuro Brasil e ergueu aos ventos ocidentais a cruz que assinalava sua passagem. Hoje existe em Fortaleza um bairro com o nome de Vicente Pinzon.

 

SÉCULO XVI

 

1501

1501 – agosto – Expedição comandada por André Gonçalves e Gonçalo Coelho chega à enseada do Mucuripe, tendo entre seus tripulantes Américo Vespúcio.

 

1531

1531 – Martim Afonso de Sousa teria também estado por aqui.

 

1534

1534 – Quando da divisão por D. João III, do Brasil em Capitanias hereditárias, é doada a Antônio Cardoso de Barros, a que correspondia ao Ceará, ele porem não fez nenhum empenho em colonizá-la.

 

1536

1536 – Também aqui chega Aires da Cunha.

 

1555

1555 – Nossa costa foi dominada pelos franceses até 1600, sendo os primeiros a explorarem nossas riquezas.

 

SÉCULO XVII

 

1603

1603 – junho – A primeira vez que nosso solo teve contato realmente com a civilização foi quando Pero Coelho de Sousa aqui chega, não com intuito civilizador, mas à procura de riquezas para cobrir perdas que teve na Paraíba, juntamente com seu cunhado, Frutuoso Barbosa. Em sua andança, passa pelo Mucuripe, onde encontra uma tribo indígena, seguindo rumo a Ibiapaba, mas vendo fracassado o seu intuito, volta, fundando na barra do rio Ceará ou Itarema, um fortim ao qual batiza de São Tiago, chamando a região de Nova Lusitânia, que teria como capital Nova Lisboa. Era uma tosca paliçada de paus de quina e algumas casinhas de taipa. Mas logo Pero Coelho segue para o Recife, deixando aqui Simão Nunes Correia, com 45 soldados.

1603 – Ano de seca no Ceará, a primeira após a chegada do branco no Ceará.

 

1605

1605 – Pero Coelho de Sousa volta, trazendo sua mulher Tomázia e os filhos, mostrando querer estabelecer-se definitivamente, mas em pouco tempo tem que voltar, por terra, para o Rio Grande do Norte, em virtude da deslealdade de João Saromenho, que desviava os recursos enviados pelo governador e também pela grande seca daquele ano que o deixou totalmente sem água.

 

1606

1606 – Ano em que o restante da seca do ano anterior assola o Ceará e conseqüentemente também no local em que surgiria Fortaleza.

 

1607

1607 – setembro – Passagem do cometa Halley, que foi visto no Ceará, sendo chamado pelos índios de “Tatá-Bebê”, ou seja, fogo voador, conforme diário do padre missionário Luís Figueira. Foi o primeiro cometa visto por brancos em Fortaleza.

 

1608

1608 – janeiro – 11 – Assassinado pelos selvagens do Ceará, na Serra da Ibiapaba, o jesuíta Padre Francisco Pinto os quais ele procurava catequizar. É sepultado no sopé da Serra da Ibiapaba e hoje seus restos mortais se encontram em Parangaba.

 

1612

1612 – janeiro – 20 – Chega, do Rio Grande do Norte, com seis soldados e um padre, o açoriano Martin Soares Moreno que reconstrói a fortificação que é denominada Forte São Sebastião. Tinha amizade com os indígenas do Jaguaribe e depois foi até Camocim.

1613

1613 – Jerônimo d’Albuquerque vem encontrar-se com Martin Soares Moreno, e este segue para a conquista do Maranhão onde não foi feliz, sendo perseguido pelos franceses, chegando às Antilhas e dali seguindo para Sevilha. Em seu lugar, fica Manuel de Brito Freire, por 14 meses. Martim Soares Moreno volta em 1614 para o Recife, onde se junta a novas forças, para atacar o Maranhão, onde fica comandando o forte Cumá. Finda a missão, volta à Europa. Martim Soares Moreno é considerado o fundador do Ceará, pois começou aqui a colonização portuguesa, fixando-se por muito tempo na foz do rio Ceará, onde construiu o Forte de São Sebastião a partir de 1612, retirando-se em 1631, indo para Pernambuco combater os holandeses. De lá voltou a Portugal.

 

1614

1614 – Neste ano acontece a quarta seca que se tem conhecimento na história do Ceará.

 

1619

1619 – maio – 26 – Martim Soares Moreno é nomeado para dirigir a Capitania do Ceará, pelo prazo de dez anos, mas não tomaria posse naquele ano.

 

1621

1621 – setembro – 23 – Martim Soares Moreno toma posse e reconstrói o fortim de São Tiago, mas por falta de recursos, termina por abandonar o forte e em 1631 estava em Pernambuco, para expulsar os holandeses. No local deixado por Martim, ficou apenas uma pequena aldeia formada por casas de taipa, uma igrejinha e o fortim com quartel e armazém com um total de 30 pessoas, entre soldados e civis.

 

1630

1630 – julho – 19 – O Capitão-Mor Domingos de Veiga Cabral é nomeado capitão do forte.

 

1631

1631 – janeiro – 06 – Assume o cargo de capitão do forte, recebido das mãos de Matim Soares Moreno, seu tio, o Capitão-Mor Domingos de Veiga Cabral.

 

1637

1637 – outubro – 26 – Francisco Pereira da Cunha é nomeado governador, mas o Ceará se achava em poder dos holandeses e houve nova nomeação, no dia 03/01/1641, mas como o domínio holandês continuava, tudo ficou sem efeito.

1637 – outubro – 14 – Sai o parecer do Conselho Ultramarino, mandando extinguir o presídio do Ceará e levar os índios para o Maranhão.

1637 – outubro – 25 – Chega no forte e dele se apossa, uma expedição batava sob o comando do major Jorge Garstmann, com o auxílio do capitão Hendrick Van Hus, ficando no comando o tenente Van Ham, que é substituído por Gedeon Morris Jonge e em 1644, revolta indígena acaba por passá-los pelas armas.

 

1649

1649 – abril – 03 – Desembarca no Mucuripe a segunda ocupação holandesa, comandada por Matias Beck, mas impedido pela arrebentação do mar, logo decidiu estabelecer-se à margem esquerda do riacho Marajaitiba (Pajeú), sobre o morro Marajaik, onde constrói com traçado do engenheiro Ricardo Caar, um forte, batizando-o de Schoonenborch em homenagem ao governador holandês em Pernambuco, a quem era subordinado, Walter van Schoonenborch. A limpeza do terreno iniciou-se no dia nove e no dia 18 foi feita a planta.

1649 – agosto – 19 – Inicia-se a ampliação e reforço do forte, com planta feita também pelo engenheiro Ricardo Caar.

 

1652

1652 – Ano de grande seca em todo o Estado do Ceará e conseqüentemente no local onde surgiria Fortaleza.

 

1654

1654 – janeiro – 26 – Capitulação da Holanda, assinada na Campina do Taborda, entre os comissários mestre de campos general Francisco Barreto de Menezes e os do Supremo Conselho do Recife e do general em chefe holandês, sendo entregues as fortificações de Pernambuco, Paraíba, Rio Grande do Norte e Ceará.

1654 – maio – 20 – Realiza-se a entrega do forte pelo comandante Joris Garstman ao capitão português Álvaro de Azevedo Barreto, cumprindo o tratado de paz celebrado entre Portugal e Holanda, em 1º de junho do mesmo ano. Matias Beck era um jovem holandês que saiu de Amsterdam em abril de 1635 chegando no Recife como comerciante. No Recife tornou-se político e foi designado para vir tomar o posto em nossa terra, aqui chegando em 1639, construindo o forte Schoonenborch à margem do riacho Marajaitiba (Pajeú), com o intuito de prosseguir o domínio flamengo no Brasil e explorar as suas minas. Hábil aventureiro era comandante do Regimento dos Burgueses, deputado à Câmara dos Escabinos do Recife, agremiação semelhante às câmaras municipais portuguesas no Brasil, cujos membros eram recrutados entre os homens de bem mais respeitáveis da localidade “repúblicos”. Era casado com Ana Hack e pai de seis filhos. Quando deixou o Brasil foi para Curaçau onde ocupou o cargo de Vice-Governador, falecendo em 1668.Quando caíram os holandeses em Taborda, Pernambuco, fora nomeado o capitão-mor Álvaro de Azevedo Barreto, que aqui chegou em abril, com quatro companhias de soldados e duas de índios. Sua nomeação foi feita pelo general Francisco Barreto e confirmada por Ordem Régia de 23 de novembro, mas no ano seguinte, no dia 13 de setembro, o rei dom João IV expediu a patente de capitão da Fortaleza do Ceará a Domingos de Sá Barbosa. Recebeu o forte das mãos dos holandeses o português Álvaro de Azevedo Barreto, que fez alguns reparos e construiu uma ermida dedicada a Nossa Senhora d’Assunção, passando a chamar-se, o forte, Fortaleza de Nossa Senhora da Assunção – Foi projetada e construída pelo tenente-coronel de engenharia Antônio José da Silva Paulet, iniciando-se em 12/10/1812 (pedra fundamental), sendo inaugurada em 1817, sem estar ainda pronta, o que só aconteceu em 1823, quando houve outra inauguração. Na época, o Ceará era governado por Luís Barba Alardo de Menezes. Após Álvaro de Azevedo Barreto, seguiram-se vários comandantes. Em 1666, houve uma reforma feita por João Tavares de Almeida e em 1698 foi reconstruída com melhorias, pois até então era uma paliçada. Em 1816 transformou-se finalmente numa fortaleza, levantada que foi em alvenaria de tijolo e cal, projetada pelo engenheiro Silva Paulet, na administração do governador Manuel Inácio de Sampaio.

 

1656

1656 – junho – 27 – Pela Carta Régia, o Ceará passa do encargo da Capitania do Maranhão para a Capitania de Pernambuco.

 

1660

1660 – dezembro – 07 – A Rainha adota o parecer do Conselho Ultramarino, do dia 29 de novembro, concedendo permissão a João de Melo Gusmão para conduzir sua família ao Ceará, onde deveria assumir o governo.

 

1663

1663 – dezembro – 14 – Assume o governo da província do Ceará João de Melo Gusmão.

 

1667

1667 – março – 24 – Nomeado capitão-mor do Ceará João Tavares de Almeida.

 

1671

1671 – julho – 21 – Assume o governo da província do Ceará, Jorge Corrêa da Silva.

 

1674

1674 – novembro – 21 – Toma posse no Governo da província do Ceará Bento Correia de Figueiredo.

 

1678

1678 – setembro – 25 – Mais um governador assume no Ceará: Sebastião de Sá, em substituição a Bento Correia de Figueiredo.

1678 – Assume o governo da Província, em substituição a Sebastião Sá, Luís da Fonseca.

 

1682

1682 – novembro – 08 – Toma posse no governo da Província do Ceará, Bento de Macedo Farias, substituindo Luís da Fonseca.

 

1689

1689 – janeiro – 12 – Tomás Canral de Olival assume o governo da Província do Ceará, substituindo Bento de Macedo Farias.

 

1692

1692 – Outro ano de grande seca no Ceará e, conseqüentemente, no local em que seria Fortaleza.

 

1694

1694 – fevereiro – 22 – Assume o governo da Província do Ceará, em substituição a Tomás Canral de Olival, Fernão Carrilho.

 

1695

1695 – dezembro – 01 – Pedro Lelou assume o governo da Província, substituindo Fernão Carrilho.

 

1696

1696 – outubro – 09 – No comando da Província do Ceará, assume João de Freitas Cunha, em substituição a Pedro Leou.

 

1698

1698 – novembro – 04 – Toma posse, no governo da Província, em substituição a João de Freitas Cunha, Antônio Pinto Pereira.

 

1699

1699 – fevereiro – 16 – Ordem Régia resolvia sobre a construção de uma igreja, que foi a primeira capela-mor da Matriz de Fortaleza (Catedral), cuja construção foi autorizada por outra Ordem Régia, de 12/02/1746.

1699 – novembro – Mais um governador está à frente dos destinos da Província do Ceará, o capitão-mor pernambucano Francisco Gil Ribeiro, que substitui Antônio Pinto Pereira.

 

SÉCULO XVIII

 

1701

1701 – O novo século encontra a Província do Ceará com seus destinos entregues ao capitão-mor Francisco Gil Ribeiro, pernambucano.

1701 – Eleita a primeira Câmara no Iguape, tendo a denominação de São José de Ribamar, na foz do rio Pacoti. O crescimento do Ceará inicia-se no século XVIII, com a criação da Câmara, do culto e da justiça.

1701 – abril – 20 – A Câmara da vila de São José de Ribamar resolve mudar a vila do lugar junto a Fortaleza para a barra do Rio Ceará. A primeira vila do Ceará foi Aquiraz. A Ordem Régia de 16 de fevereiro de 1699 resolvia sobre a construção de uma igreja que foi a primeira capela-mor da Matriz de Fortaleza (Catedral), cuja construção foi autorizada por Ordem Régia de 12 de fevereiro de 1746. A igreja foi terminada por volta de 1795, mas em 1820 foi demolida e em seu lugar levantada uma outra que foi inaugurada após 34 anos, em 1854. A Ordem Régia de 16/02/1699 resolvia sobre a construção da primeira capela-mor de Fortaleza cuja construção foi autorizada em 12 de fevereiro de 1746 por outra Ordem Régia. A construção foi iniciada em 21 de outubro de 1753 e terminada em 1795, mas em 1820 a capela-mor foi vistoriada pelo mestre carpinteiro Francisco José da Silva, o mestre pedreiro Braz Quentão e o administrador das obras da Vila, Antônio Simões Ferreira de Faria, em virtude de rachaduras surgidas no arco, ficando resolvida sua demolição para construção de uma outra. As peças sagradas foram transferidas para a Igreja de Nossa Senhora do Rosário que só retornaram no dia do benzimento da nova matriz no dia dois de abril de 1854 era a igreja de São José, que serviu de Catedral quando houve o desmembramento da Diocese de Pernambuco e foi criada a do Ceará. Em 1938 novamente sob a alegação de que estava para cair, foi esta também demolida e a pedra fundamental da atual Catedral foi lançada em 15/08/1939 à época do arcebispado de Dom Manuel da Silva Gomes, que chegou a viajar a sua terra natal, Bahia, para não deixar derrubar uma igreja, mas nossa Sé ele demoliu sem pena, destruindo a “contemplação do cruzeiro de frei Serafim de Catania, onde os fiéis aprendiam simbolicamente os episódios da paixão e ao pé do qual toda a gente rezava comovida as ladainhas de Nossa Senhora, em maio, o responso das almas, em novembro. Não se concebe a destruição de uma obra dessa natureza”, disse Gustavo Barroso. Sua construção demorou mais do que o esperado, pois logo veio a Segunda Guerra Mundial, o castigo das grandes secas, a descrença do povo devido à demora, até que no dia 22/12/1978 inaugurou-se, tendo o padre Tito Guedes à frente de suas obras e como Arcebispo Metropolitano Dom Aloísio Lorscheider. É um templo neo-gótico, inspirado na catedral de Colônia, com capacidade para abrigar 5.000 pessoas.

 

1702

1702 – dezembro – 29 – Toma posse, no cargo de capitão-mor da Província do Ceará, Jorge de Barros Leite.

 

1704

1704 – agosto – 17 – Nomeado capitão-mor do Ceará, João da Mota, substituindo Jorge de Barros Leite.

 

1706

1706 – janeiro – 07 – Toma posse, no governo da Província, Gabriel da Silva Lagos.

1706 – outubro – 23 – A Vila de Fortaleza é transferida, para a Barra do Ceará, “donde não devera ter saído”, de acordo com a ordem do governador de Pernambuco.

1706 – Petição popular pede a mudança da sede da Capitania para a vila de Aquiraz, em 1706, petição aceita em 26 de fevereiro do mesmo ano.

 

1708

1708 – outubro – Volta a Vila de Fortaleza para as margens do Riacho Marajaig (hoje Pajeú).

 

1710

1710 – agosto – 25 – Mais um governador assume no Ceará, Francisco Duarte de Vasconcelos, em substituição a Gabriel Silva Lagos.

1710 – Um ano de grande seca em toda a Província do Ceará.

 

1711

1711 – Outro ano de grande seca em toda a Capitania do Ceará. A seca naquela época era muito mais danosa devido o isolamento em que viviam as fazendas, os sítios, as cidades, pois as estradas eram apenas caminhos, a locomoção era em cima de animais, pois não havia ainda o transporte ferroviário nem o rodoviário.

 

1713

1713 – junho – 27 – A sede da Capitania passa a ser a vila de Aquiraz, resultante da Petição popular de 1706, acima citada.

1713 – outubro – 08 – Toma posse, no cargo de governador da Província do Ceará, Plácido de Azevedo Falcão.

 

1715

1715 – agosto – 30 – Assume o governo da Província do Ceará, Manuel da Fonseca Jayme.

 

1718

1718 – novembro – 01 – Em substituição a Manuel da Fonseca Jayme, assume o governo da Província Salvador Alves da Silva.

 

1721

1721 – novembro – 09 – Assume o governo da Província do Ceará, Manuel Francês, substituindo Salvador Alves da Silva.

1721 – Mais um ano de grande seca na Província.

 

1723

1723 – janeiro – 07 – Criada a Ouvidoria Geral da Capitania do Ceará, juntamente com a Provedoria de Fazenda, com jurisdição até a Paraíba.

1723 – março – 11 – Criada a Vila da Fortaleza de Nossa Senhora d’Assunção do Ceará Grande.

1723 – abril – 03 – Nomeado o primeiro Ouvidor Geral da Capitania do Ceará, José Mendes Machado, conhecido por Tubarão. Tomou posse somente em setembro.

1723 – Ano de grande seca na província do Ceará, e conseqüentemente no local onde seria Fortaleza.

 

1724

1724 – A seca do ano anterior prossegue neste ano.

 

1725

1725 – Terceiro ano de grande seca no Nordeste, no Ceará e conseqüentemente no local onde seria Fortaleza.

 

1726

1726 – abril – 13 – Instalada a Vila da Fortaleza de Nossa Senhora d’Assunção do Ceará Grande, desmembrada do Aquiraz, pelo capitão-mor Manuel Francês, o qual elegeu para juizes ordinários e vereadores da Câmara Antônio Gomes Passos, Clemente de Quevedo, Jorge Corrêa da Silva, Pedro de Moraes e Souza e João da Fonseca Machado. Mas a disputa sobre qual vila seria a cabeça continuou. Em 1760 uma carta régia resolve que a vila de Aquiraz seria a cabeça da Comarca.

1726 – Quarto ano de grande seca que vinha desde 1723 até que grande seca ocorreu no ano de 1727 em todo o Ceará, trazendo grandes conseqüências à Província.

 

1727

1727 – janeiro – 11 – A província do Ceará tem novo governador quando assume João Batista Furtado.

1727 – Este ano experimentou o resta da grande seca de 1723, 1724, 1725 e 1726.

 

1729

1729 – junho – 05 – Toma posse o segundo Ouvidor Geral da Capitania do Ceará, Antônio de Loureiro Medeiros, em substituição a José Medes Machado “Tubarão”.

1729 – Um ano de grande inverno, tendo sido inundados vários povoados no interior.

 

1730

1730 – junho – 01 – O terceiro Ouvidor Geral da Capitania do Ceará foi nomeado por Provisão desta data: Pedro Cardoso de Novaes Pereira.

 

1731

1731 – fevereiro – 13 – Toma posse o capitão-mor Leonel de Abreu Lima.

 

1735

1735 – março – 11 – Toma posse o capitão mór Domingos Simões Jordão.

1735 – março – 31 – Provisão Régia nomeia 4º Ouvidor Geral da Capitania do Ceará, Victorino Pinto da Costa Mendonça.

 

1736

1736 – Ano de seca impiedosa após dez anos de boas chuvas.

 

1737

1737 – Ano de seca na província do Ceará e, conseqüentemente, em Fortaleza.

 

1738

1738 – Ano de chuvas muito fracas fraquíssimo ao ponto dos locais do interior que produzim qualquer coisa proibir a saída dos produtos.

 

1739

1739 – setembro – 07 – Assume, o governo da Província, Francisco Ximenes de Aragão.

1739 – Ano que trouxe à Capitania do Ceará novo Ouvidor, o quinto, Tomás da Silva Pereira.

 

1742

1742 – abril – 28 – O visitador Lino Gomes Correia, ao passar pela vila de Fortaleza, determinou que os senhores de escravos lhes dessem o dia de sábado livre para granjearem o sustento e nos dias santos para a Igreja de Nossa Senhora do Rosário. A igreja foi reformada em 1753.

1742 – outubro – 11 – Provisão Régia nomeia para 6º Ouvidor da Capitania do Ceará, Manuel José de Faria.

 

1743

1743 – fevereiro – 02 – Toma posse, no cargo de governador da Província, João de Teive Barreto de Menezes.

 

1744

1744 – Ano de seca no Ceará que se estendeu até o ano seguinte.

 

1745

1745 – Segundo ano consecutivo de seca na capitania do Ceará.

 

1746

1746 – agosto – 17 – Toma posse o capitão-mor Francisco de Miranda Costa.

 

1747

1747 – outubro – 27 – Realiza-se a primeira festa da Padroeira da Igreja de Nossa Senhora do Rosário.

 

1748

1748 – maio – 01 – Morre o ex-capitão-mor do Ceará, Manuel Francês, autor da primeira planta da cidade de Fortaleza. Estava exercendo, desde 03/04/1745, o cargo capitão-mor do Sergipe d’El Rey. Era natural de Beja.

1748 – outubro – 10 – Pedro de Moraes Magalhães assume o cargo de governador da Província do Ceará.

 

1749

1749 – janeiro – 18 – Toma posse, no cargo de capitão-mor, o ouvidor Alexandre de Proença Lemos, 7º Ouvidor Geral da Capitania.

 

1751

1751 – agosto 18 – Assume o cargo de capitão-mor e governador do Ceará, Luís Quaresma Dourado.

 

1753

1753 – É totalmente reformada a Igreja de Nossa Senhora do Rosário.

 

1754

1754 – Outra grande seca na capitania do Ceará neste ano.

 

1755

1755 – abril – 22 – Toma posse Francisco Xavier de Miranda Henrique, nos cargos de capitão-mor e governador do Ceará.

1755 – Os relatórios coloniais dizem que “houve seca na capitania do Ceará Grande” neste ano.

 

1756

1756 – junho – 27 – Toma posse o 8º Ouvidor da Capitania do Ceará, Vitorino Soares Barbosa.

 

1759

1759 – maio – 15 – A Missão da Paupina (Messejana) é elevada à vila por ato do capitão general governador de Pernambuco, sendo inaugurada no primeiro dia do ano seguinte.

1759 – junho – 09 – Abre-se a primeira escola pública do Ceará em Caucaia, sendo mestre escola Manuel Félix de Azevedo.

1759 – janeiro – 11 – Data em que tomou posse nos cargos de capitão-mor e governador, João Baltahazar de Quevedo Homem de Magalhães (João Baltazar Magalhães).

1759 – outubro – 25 – A aldeia de índios Porangaba ou Aldeia do Bom Jesus da Porangaba é elevada à vila, com o nome de Vila Nova de Arronches, com invocação a Bom Jesus dos Aflitos.

 

1760

1760 – janeiro – 01 – Erigida a aldeia de São Sebastião de Paupina, com o nome de Vila Nova de Messejana, pelo Ouvidor Gama Casco.

1760 – Ano de seca no Ceará.

 

1761

1761 – agosto – 06 – Criada a freguesia do Ceará ou Fortaleza, sob a invocação de São José de Ribamar e Nossa Senhora da Assunção.

 

1765

1765 – abril – 25 – Assume o governo da Província Antônio José Vitoriano Borges da Fonseca.

 

1769

1769 – abril – 06 – Carta Régia nomeando o nono Ouvidor geral do Ceará, João da Costa Carneiro e Sá.

 

1770

1770 – janeiro – 01 – Toma posse o nono Ouvidor geral do Ceará, João da Costa Carneiro e Sá, nomeado por Carta Régia.

 

1772

1772 – Outro ano de grande seca no Ceará.

 

1776

1776 – outubro – 04 – Nomeado por Carta Régia o 10º Ouvidor Geral do Ceará José da Costa Dias e Barros.

 

1777

1777 – março – 14 – Empossado o 10º Ouvidor Geral do Ceará, José da Costa Dias e Barros.

1777 – O Capitão-General José César de Menezes, mandou realizar um censo, que acusou uma população de 2.874 pessoas na Vila da Fortaleza.

1777 – A grande seca dizimou quase todo o rebanho de corte da Capitania, apelidada popularmente a “seca dos três setes”.

 

1778

1778 – A seca do ano anterior prosseguiu neste ano, trazendo os prejuízos que todas as secas anteriores trouxeram, inclusive várias doenças.

 

1779

1779 – Ano de bom inverno vem trazer paz ao Nordeste assolado pela seca durante os dois anos anteriores.

 

1780

1780 – Como o ano anterior, de ótimo inverno, com bastante chuvas, para compensar os dois anos de intensa seca.

1780 – outubro – Chegam em Arronches (hoje Parangaba), os índios expulsos no dia 16 da cidade do Crato.

 

1782

1782 – maio – 11 – Toma posse, no cargo de capitão-mor governador, João Batista de Azevedo Coutinho de Montaury.

1782 – maio – 26 – Empossado o 11º Ouvidor Geral do Ceará, André Ferreira de Almeida Guimarães, nomeado por Provisão de 05/05 ou 05/07/1781.

 

1784

1784 – Um ano de pouca chuva, podendo ser considerado de seca parcial.

 

1785

1785 – novembro – 08 – Nomeado por Provisão o 12º Ouvidor Geral do Ceará, Manuel de Magalhães Pinto e Avelar de Barbedo.

 

1786

1786 – janeiro – 24 – Empossado o 12º Ouvidor Geral do Ceará, Manuel de Magalhães Pinto e Avelar de Barbedo.

 

1789

1789 – novembro – 09 – Posse do capitão mór Luís da Motta Feo e Torres, oficial da marinha portuguesa, como governador do Ceará.

1789 – novembro – 25 – Provido o primeiro professor que teve Fortaleza, Manuel de Siqueira Braga.

 

1790

1790 – Ano do início de uma grande seca que só terminaria quatro anos depois.

 

1791

1791 – Também, como o ano anterior, foi seco, trazendo a fome, a sede e as doenças.

 

1792

1792 – novembro – 04 – Nomeado o 13º Ouvidor Geral do Ceará, José Victorino da Silveira.

1792 – Outro ano de rigorosa seca foi este, igualmente aos dois anos anteriores.

 

1793

1793 – novembro – 16 – Toma posse o 13º Ouvidor Geral do Ceará, José Victorino da Silveira.

1793 – Morre o compositor de peças litúrgicas Simplício Delfim Montenegro. Era cearense de Icó.

1793 – Ano de grande seca. Foi nos anos de 1790 a 1793 que se aniquilou a indústria de carne seca no Ceará (charqueadas).

 

1794

1794 – Ano em que finalmente caiu chuva no Ceará, refletindo na economia de Fortaleza que estava aniqüilada.

 

1796

1796 – Aberta a rua que ligava Fortaleza à estrada que ia para a Vila Nova de Messejana, hoje Avenida Visconde do Rio Branco. Antes era apenas veredas que beiravam o Riacho Pajeú e saíam em direção ao Rio Cocó.

 

1799

1799 – janeiro – 17 – Carta Régia de D. Maria I, que por um alvará, separa a capitania do Ceará Grande do Governo Geral de Pernambuco, criando, conseqüentemente, uma Junta de Fazenda subordinada diretamente ao Real Erário, tendo como primeiro juiz dos feitos Manuel Leocádio Rademaker. Antes era uma Provedoria, subordinada a uma junta de Pernambuco. Mas o Ceará continuava submisso à Relação de Pernambuco e ao Bispado de lá.

1799 – agosto – 21 – Deixa o governo o capitão-mór Luís da Mota Féo e Torres, oficial da marinha portuguesa que assumira em 09/11/1789.

1799 – setembro – 25 – Chega a Fortaleza o chefe-de-esquadra Bernardo Manuel de Vasconcelos.

1799 – setembro – 28 – Assume o primeiro governador do Ceará independente de Pernambuco, o chefe-de-esquadra Bernardo Manuel de Vasconcelos.

1799 – outubro – 24 – Chega a Fortaleza o coronel de engenheiros, natural do estado do Rio de Janeiro, naturalista João da Silva Feijó (Naturalista Feijó).

1799 – Construído no Mucuripe uma estacada de pau a pique em forma de octógono com 45m de comprimento, batizado por Fortim de São Luís.

 

1800

1800 – julho – 01 – Nomeado um arruador da Vila, Manuel Ferreira da Silva, para “arrumar” as construções de forma a ficarem as ruas alinhadas. Pode ser considerado o primeiro arquiteto de Fortaleza.

1800 – Deveria ter sido um ano bissexto, isto é com 366 dias, mas, não sabemos o porquê, não o foi, ficando o calendário atrasado em um dia até 1817, quando foi colocado um dia para compensar.

 

SÉCULO XIX

 

1801

1801 – janeiro – 01 – Empossado Juiz Ordinário da Vila de Fortaleza, Joaquim Lopes de Abreu.

1801 – fevereiro – 28 – Toma posse nos cargos de 14º Ouvidor Geral, Manuel Leocádio Rademaker.

1801 – abril – 13 – Toma posse como Provedor e Corregedor da Comarca, Manuel Leocádio Rademaker, que já exercia o cargo de Ouvidor.

1801 – outubro – 08 – Assume como 15º Ouvidor Geral do Ceará, Gregório José da Silva Coutinho, recebendo o cargo das mãos do interino José Antônio de Sousa Galvão.

1801 – O Fortim de São Luís, construído no Mucuripe, é reforçado, sendo levantadas três baterias em pedra e cal, trabalho feito pelo tenente artilheiro Francisco Xavier Torres.

 

1802

1802 – Em meados deste ano é levantada mais uma bateria do Fortim de São Luís, reforçando as defesas do Mucuripe, ocasião em que é rebatizado como Forte de São Pedro Príncipe, conhecido também por Fortim de São Luís, por ficar próximo ao porto de São Luís do Mucuripe.

1802 – setembro – 20 – Nomeado como 16º Ouvidor Geral do Ceará, Luís Manuel de Moura Cabral.

1802 – novembro – 08 – Morre, em pleno exercício do cargo de governador da Província, Bernardo Manuel de Vasconcelos, vítima de diabetes, ocasião em que foi formado um governo interino, composto pelo ouvidor Gregório José da Silva Coutinho, pelo capelão José Henrique Pereira, e pelo vereador Antônio Martins Ribeiro. Hoje existe, ligando o Cocorote ao Itaperi, a Rua Bernardo Manuel, em sua homenagem, continuação da Avenida dos Expedicionários. Foi o primeiro governador do Ceará depois de independente de Pernambuco.

 

1803

1803 – abril – 26 – Toma posse como 16º Ouvidor Geral do Ceará, Luís Manuel de Moura Cabral.

1803 – novembro – 12 – Teve o Ceará seu segundo governador, na pessoa do fidalgo da Corte João Carlos Augusto Oeynhausen e Grevembourg, depois Marquês de Aracati.

1803 – Ano de seca no Nordeste.

 

1804

1804 – Outro ano de seca no Nordeste brasileiro, que deixou o Ceará nos braços da fome e da sede.

 

1806

1806 – julho – 15 – Nomeado Ouvidor Geral do Ceará Francisco Afonso Ferreira, pernambucano que substituiu Luís Manuel de Moura Cabral.

 

1807

1807 – fevereiro – 14 – Formada uma junta composta pelo ouvidor Francisco Afonso Ferreira, o tenente Francisco Xavier Torres e o vigário de Aquiraz, José Pereira de Castro, que substitui João Carlos Augusto de Oeynhausen e Grevembourg, que foi nomeado Capitão da primeira plana da Corte.

 

1808

1808 – junho – 21 – Toma posse o fidalgo da Casa Real Luís Barba Alardo de Menezes, 3º governador do Ceará independente de Pernambuco, em cuja administração a Capitania teve grande impulso tanto no comércio interno como no externo, através da navegação direta para a Europa; deu grande incremento à indústria algodoeira, além de mandar proceder ao recenseamento geral da população da Capitania.

1808 – Não choveu, novamente, no Nordeste, no Ceará e em Fortaleza, caracterizando-se mais uma seca.

 

1809

1809 – janeiro – 11 – O Palácio da Luz, que foi residência do Capitão-mor Antônio de Castro Viana e onde funcionou a Câmara Municipal, é vendido ao Estado e passa a abrigar o Governo. Em 1892 foi gravemente danificado quando da deposição do presidente Clarindo de Queirós pela Escola Militar. Em fevereiro de 1960, na gestão do governador Parsifal Barroso, metade dele foi vendido, sendo aberta uma rua dividindo-o. Já abrigou a Biblioteca Pública, a Casa de Cultura Raimundo Cela (1975) e hoje abriga a Academia Cearense de Letras.

1809 – Novamente não choveu, caracterizando-se mais uma seca no Nordeste, no Ceará e conseqüentemente em Fortaleza.

 

1810

1810 – junho – 24 – Alvará criando um Juiz de Fora para a Vila da Fortaleza, com casa e aposentadoria e bom ordenado anual. Isto dava uma grande importância à vila.

1810 – dezembro – 16 – Chega em Fortaleza o viajante português filho de ingleses Henry Koster, que calculou a população de Fortaleza em torno de 1.200 pessoas.

1810 – Outro ano de seca no Ceará.

 

1811

1811 – maio – 13 – Nomeado Ajudante de Ordens do Governo do Ceará o coronel do Real Corpo de Engenheiros Antônio José da Silva Paulet.

1811 – novembro – 15 – Deixa o governo da Província, Luís Barba Alardo de Menezes.

 

1812

1812 – março – 19 – Assume o 4º governador do Ceará, Manuel Ignácio de Sampaio e Pina (Governador Sampaio), depois Visconde de Lançada. Também toma posse no cargo de Ajudante de Ordens do Governo do Ceará o coronel do Real Corpo de Engenheiros Antônio Joséda Silva Paulet.

1812 – maio – 01 – Instala-se no antigo edifício da Tesouraria da Fazenda ou Tesouraria Geral, na praça do Palácio (casa térrea hoje demolida), o Correio da Província, que depois funcionou em prédio na mesma praça nº 12, na Rua Floriano Peixoto nos baixos da Câmara Municipal (1851), no prédio de nº 56 na Rua Formosa (Rua Barão do Rio Branco), nos baixos do prédio da Assembleia, na Rua Dr. João Moreira, em frente ao Passeio Público e em 1935, em sede própria, na então Praça José de Alencar, hoje Largo do Correio com o endereço de Rua Senador Alencar nº 4.

1812 – julho – 01 – Instala-se a Alfândega de Fortaleza, criada por alvará de 1810, sendo logo suprimida em 20/09/1834. Mas a construção do prédio de pedras que hoje é ocupado pela Caixa Econômica Federal ainda não havia se iniciado, existindo no local apenas um terreno baldio cheio de árvores. Antes de o prédio ser construído, a Alfândega funcionou em prédio modesto na Praça Almirante Saldanha. A construção iniciou-se e o prédio foi inaugurado no dia 15/07/1891, passando a funcionar ali não apenas a Alfândega, mas também a Guardamoria do Estado. A construção esteve a cargo da Ceará Harbour Corporation Ltd., sob direção dos engenheiros Tobias Lauriano Figueira de Melo e Ricardo Lange. Posteriormente até o prédio foram levados trilhos dos bondes de tração animal e dos trens, para carga e descarga de mercadorias. A rua da frente que até então era apenas um caminho chamado “caminho da praia”, foi surgindo, passando a chamar-se Rua da Praia em 1932. Hoje se chama Avenida Pessoa Anta. Na administração do Interventor Luís Cavalcanti Sucupira (Luís Sucupira), entre 1941 e 1945, o prédio sofreu reformas, entre elas a construção do andar superior que existia apenas na parte dianteira. Lá passou a funcionar a Receita Federal, hoje na Rua Barão de Aracati.

1812 – outubro – 12 – Colocada a primeira pedra da Fortaleza de Nossa Senhora da Assunção no local do antigo Forte de Schoonenborch. A fortaleza foi projetada pelo tenente-coronel de engenharia Antônio José da Silva Paulet.

1812 – Construído o primeiro mercado de Fortaleza que foi um pavilhão de madeira, ou telheiro, no meio do cercado da Casa da Câmara. Em 1814 foi iniciada a construção de um mercado na Praça Carolina. No mesmo local foi construído um outro inaugurado em 1897. No centro da Praça Carolina – no local hoje ocupado pelo Palácio do Comércio, Praça Waldemar Falcão e Banco do Brasil – inaugurou-se em 1897 o Mercado de Ferro, para venda de carne fresca. o espaço chamou-se Praça Carolina e depois Praça José de Alencar (não é a atual). Em setembro de 1932 foi inaugurado o Mercado Central onde hoje está o Centro de Referência do Professor, entre as vias: Rua Coronel Bezerril (General Bezerril), Travessa Crato e Rua Conde D’Eu.

 

1813

1813 – julho – 31 – Reurbanizada a ruela que nascia no lado esquerdo da Igreja de São José, por Bernardo José Teixeira, que passa a chamar-se Rua do Sampaio, homenagem ao então governador. É hoje a Rua Governador Sampaio.

1813 – setembro – 08 – Inaugurado, com grande festa, o primeiro chafariz de Fortaleza, na Rua do Chafariz, na gestão de Manuel Ignácio de Sampaio e Pina (Governador Sampaio). O local hoje fica o nº 8 da Rua José Avelino.

1813 – outubro – 13 – Morre, no Campo de Santa Clara, Lisboa, Portugal, Luís da Mota Feo e Torres, que esteve à frente da Província do Ceará em 1789. Era nascido a 08/04/1732.

1813 – Contava Fortaleza neste ano com uma população de 12.810 habitantes, de acordo com censo mandado realizar pelo governador Manuel Ignácio de Sampaio e Pina (Governador Sampaio). Em toda a Província, 149.285 pessoas.

 

1814

1814 – outubro – 06 – Nomeado o 19º Ouvidor Geral do Ceará, João Antônio Rodrigues de Carvalho, que era Juiz de Fora de Goyana.

1814 – dezembro – Morre o poeta e comerciante português nascido na Ilha da madeira, José Pacheco Espinosa, que apesar de português, abraçou a causa brasileira da Independência.

 

1815

1815 – maio – 08 – Assume o cargo de Ouvidor Geral do Ceará, o bacharel em Direito João Antônio Rodrigues de Carvalho, sendo o último Ouvidor Geral, já que a Comarca de Crato separou-se durante sua gestão.

 

1816

1816 – junho – 27 – Alvará cria a nova comarca do Crato, dando a condição de cabeça de comarca do Ceará a Fortaleza e não Aquiraz como era até então. Ficavam assim anexadas ao Juizado de Fora de Fortaleza as vilas de Arronches (Parangaba), Messejana, Soure (Caucaia) e Aquiraz, ficando suprimidos nelas os lugares de Juizes Ordinários. Era assim dada a condição equivalente a Capital do Ceará Grande.

1816 – Esteve em Fortaleza o missionário metodista norte-americano Daniel P. Kidder, pioneiro do Protestantismo no Brasil.

1816 – Mais um ano de seca no Estado.

 

1817

1817 – Havia um atraso no calendário desde o ano de 1800, que deveria ter sido bissexto e não o foi e no ano de 1817 foi então colocado mais um dia no mês de fevereiro, para normalizar o calendário. Ficaram assim, juntos, dois anos bissextos, 1816 e 1817.

1817 – março – 18 – Na Câmara, em sessão realizada sob a presidência do Juiz de Fora Manuel José de Albuquerque, os vereadores José Augustinho Pinheiro, José Carneiro de Sousa e Francisco José de Sousa “acordarão em mandar por letreiro nas Ruas pelas suas denominações competentes”, decisão que foi observada, tanto que no ano seguinte foi paga ao Procurador Bernardo José Teixeira (vultosa soma) pelos letreiros das ruas”. Surgiram assim as primeiras placas de ruas.

1817 – Surge a Praça Carolina – Sua denominação foi uma homenagem à Arquiduquesa Maria Carolina Leopoldina, por ocasião do seu casamento com D. Pedro I – era um grande largo que ficava entre a atual Rua São Paulo, Rua Floriano Peixoto, Travessa Crato e Rua General Bezerril, onde foi inaugurado, em 18/04/1897, o Mercado de Ferro. Chamou-se, depois, Largo da Assembleia e Largo do Mercado. Quando dividida, já se chamou Praça José de Alencar (o lado norte) e Praça Capistrano de Abreu (o lado sul). Hoje, no local estão, o Palácio do Comércio, a Praça Waldemar Falcão, o Banco do Brasil (agência metropolitana) e a Empresa Brasileira de Correios e Telégrafos – EBCT. O Mercado de Ferro foi desmontado em 1939 sendo dividido em duas partes, indo uma para a Praça Paula Pessoa (São Sebastião) e a outra metade para a Aldeota, na Praça Visconde de Pelotas (Pinhões). A parte da Praça São Sebastião foi desmontada em 1968 e levada para a Aerolândia, onde ainda se encontra e no local foi levantado um galpão de alvenaria, com telhas de amianto, que já foi demolido, para a construção de uma praça para o novo mercado de São Sebastião, recentemente inaugurado. Ao lado da Praça Carolina, foi construído o Mercado Central, que agora tem novo prédio na Avenida Alberto Nepomuceno, sendo o velho prédio reformado funcionando hoje o Centro de Referência do Professor. Na parte norte da praça, existiam dois quiosques de ferro/madeira, a mercearia do João Aleixo e o Café Fênix, tendo por trás, um outro retangular, que abrigava o Engenho Bem Bem, que comercializava a garapa de cana, hoje chamada caldo de cana. A Praça Waldemar Falcão inaugurou-se em 1939.

1817 – maio – 03 – Proclamada a República, na vila do Crato pelo sub-diácono José Martiniano Pereira de Alencar (Senador Alencar), seu irmão Tristão Gonçalves de Alencar, frei Francisco de Sant’Ana Pessoa e Inácio Tavares Gondim, mas o movimento logo é sufocado, os líderes são feitos prisioneiros e são enviados para Fortaleza.

1817 – O Nordeste experimenta mais outro ano de seca.

 

1818

1818 – janeiro – 17 – A Câmara pagou ao procurador Bernardo José Teixeira, para que este colocasse placas com os nomes das ruas de Fortaleza.

1818 – setembro – 12 – Inaugurado o novo prédio do Mercado Público com planta do tenente-coronel Antônio José da Silva Paulet, ajudante de ordens do governador, no local onde esteve o Mercado Central até pouco tempo, na atual Rua General Bezerril.

1818 – novembro – 16 – Sai uma Provisão mandando transferir o pelourinho, que até então ficava na praça principal, que era a do Conselho (da Sé), para a Praça Carolina. Mas não foi mudado.

 

1819

1819 – março – 31 – Sai nova Provisão Régia mandando transferir o pelourinho da Vila de Fortaleza de junto da Igreja Matriz para a praça Carolina.

1819 – julho – 26 – Iniciada a obra de construção do Lazareto de Jacarecanga, em terrenos pertencentes ao brigadeiro Francisco Xavier Torres, mandado construir por ordem da Junta de Fazenda, de 29 de abril do mesmo ano, para abrigar os variolosos. Ficava onde hoje é o bairro de Carlito Pamplona, aproximadamente no encontro da Rua Dom Hélio Campos com Rua Frei Orlando. Ficou pronto no dia 27/05/1820.

 

1820

1820 – janeiro – 12 – Manuel Ignácio de Sampaio e Pina (Governador Sampaio) entrega o governo a uma junta formada pelo Juiz de Fora Adriano José Leal, pelo vereador Joaquim Lopes de Abreu e pelo Sargento-Mor Francisco Xavier Torres.

1820 – maio – 27 – Concluído, parcialmente, o edifício do Lazareto de Jacarecanga, mandado construir em 29/04/1819 em terreno pertencente ao brigadeiro Francisco Xavier Torres. A obra fora iniciada em 26/07/1819 e foi mandado construir por ordem da Junta de Fazenda em 29 de abril do mesmo ano, para abrigar os variolosos. Ficava onde hoje é o bairro de Carlito Pamplona, aproximadamente no encontro da Rua Dom Hélio Campos com Rua Frei Orlando.

1820 – julho – 13 – Toma posse o cavaleiro professo da Ordem de Cristo Francisco Alberto Rubim como Governador do Ceará, que era capitão de Mar e Guerra da Armada Real.

 

1821

1821 – fevereiro – 06 – É desta data o Alvará criando a Relação de Pernambuco que tem por sede a vila do Recife e seu distrito é formado pelas províncias de Pernambuco, Paraíba, Rio Grande do Norte e Ceará.

1821 – abril – 14 – O major Jerônimo Delgado Esteves à frente da tropa de linha e de parte da população de Fortaleza, exige obediência ao rei e à futura constituição, soldo dobrado aos militares, suspensão do importo da cachaça até decisão do rei. Todas as imposições foram aceitas pelo governador capitão de mar e guerra Francisco Alberto Rubim, vereadores e representantes principais da Cidade.

1821 – novembro – 03 – Deposto o governador, comendador Francisco Alberto Rubim, substituído por um governo provisório, composto por Francisco Xavier Torres, Adriano José Leal e Henrique José Leal, presidente, vice e secretário, respectivamente.

 

1822

1822 – fevereiro – 17 – Toma posse uma nova junta governativa, eleita a 15 de janeiro, constituída pelo Padre Francisco Gonçalves de Magalhães, negociante Mariano Gomes da Silva, lavrador José de Agrella Jardim, José de Castro e Silva, e José Raimundo do Paço de Porbem Barbosa. Este último tomou posse somente no dia 29 de março.

1822 – agosto – 17 – Ficam concluídas as obras da Fortaleza de Nossa Senhora da Assunção, pelo coronel de engenheiros Pedro José da Costa Barros. Um quadrado com quatro baluartes, guarnecida de 27 peças.

1822 – setembro – 23 – Assume a gestão administrativa de Fortaleza, em função de sua qualidade de Presidente da Câmara Municipal, Joaquim Lopes de Abreu que fica no cargo até o dia 03/02/1823.

1822 – novembro – 09 – Demite-se a Junta Provisória sob a presidência de José Raimundo do Paço de Porbem Barbosa e oficia o Colégio Eleitoral para que proceda a eleição de novo governo, assumindo a Província o comandante Francisco Xavier Torres.

1822 – novembro – 24 – Brasileiros e portugueses, em reunião na Câmara Municipal, subscrevem a aclamação de D. Pedro de Alcântara, como Imperador Constitucional e Defensor Perpétuo do Brasil, de acordo com a proclamação do Imperador, que ocorrera em 12 de outubro.

1822 – novembro – 27 – O ouvidor José Raimundo do Paço de Porbem Barbosa retira-se do governo e vai para o Rio de Janeiro.

1822 – dezembro – 04 – Assume o Governo da Província, Francisco Xavier Torres, sob protestos dos demais membros do Governo.

1822 – Neste ano o serviço de Correios tem novo administrador, Luís Liberato Barreiros de Sá, em substituição a José Alexandre de Amorim Garcia.

 

1823

1823 – janeiro – 02 – Fortaleza tem emancipação político-administrativa.

1823 – janeiro – 23 – Instala-se em Fortaleza o primeiro Governo Provisório no Ceará após a Independência, organizado em Icó, tendo como presidente o sergipano, comandante das armas José Pereira Filgueiras.

1823 – março – 04 – O padre Francisco Pinheiro Landim assume o Governo Provisório da Província.

1823 – março – 17 – A Vila de Fortaleza de Nossa Senhora da Assunção, é elevada à condição de cidade, por Carta Imperial de D. Pedro I, com o nome de Cidade da Fortaleza de Nova Bragança.

1823 – novembro – 15 – Toma posse, Ministro e Secretário dos Negócios da Marinha o coronel de engenheiros Pedro José da Costa Barros, que serviu apenas dois dias. Foi o primeiro cearense a fazer parte de um ministério.

1823 – novembro – 25 – Nomeado por Carta Imperial o tenente-coronel de engenheiros Pedro José da Costa Barros, primeiro presidente nomeado.

 

1824

1824 – março – 09 – Morre, na Capital do Império, aos 64 anos de idade, o coronel de engenheiros, naturalista João da Silva Feijó (Naturalista Feijó). Era nascido na Vila de Guaratiba, Rio de Janeiro em 1760. Estudou detalhadamente os recursos naturais do Ceará, deixando várias memórias a respeito e uma carta topográfica do Ceará. Hoje é nome de rua no Monte Castelo.

1824 – março – 25 – Promulgada a primeira Constituição Política do Brasil.

1824 – abril – 01 – Uma 5ª feira, sai às ruas o primeiro número do Diário do Governo do Ceará, o primeiro jornal que teve a Província, redatoriado pelo padre Gonçalo Inácio de Loiola Albuquerque e Melo Mororó (Padre Mororó). Embora estejamos registrando aqui, o acontecimento foi em Quixeramobim, que com a adesão à Confederação do Equador, fez às vezes da Capital da Província. Foi Manuel de Carvalho Paes de Andrade que, de Pernambuco enviou, pela escuna de guerra Maria Zeferina, o material tipográfico. Vinha assim datado: “Cidade do Ceará, Quinta-Feira, 1º de Abril de 1824”. Era impresso na “Tipografia Nacional do Ceará”, sendo tipógrafo Francisco José de Sales.

1824 – abril – 17 – Assume a Presidência do Ceará, nomeado por Carta Imperial de 25/11/1823, o tenente-coronel de engenheiros Pedro José da Costa Barros, primeiro presidente nomeado.

1824 – abril – 29 – Demitido, pela Junta Governativa, o presidente Pedro José da Costa Barros, sendo assim proclamada a república no Ceará, tendo como presidente Tristão Gonçalves de Alencar que assume nesta data. Eclode em 1824, no Ceará, o movimento de adesão à República do Equador, pois o espírito republicano de 1817 ainda estava latente. O movimento, que nasceu em Pernambuco, ia ganhando terreno, obtendo a adesão da Paraíba, Rio Grande do Norte e Ceará. D. Pedro I, declarando que a Constituinte havia perjurado ao juramento prestado à Nação, de defender a integridade do Império, sua independência e sua dinastia, dissolveu aquela assembleia. José Martiniano Pereira de Alencar (Senador Alencar), que fora deputado, volta ao Ceará, passando antes por Recife, onde após assistir a sessão do Grande Conselho, chega com o espírito revolucionário e aqui, o Grande Conselho elege seus membros, sendo o mais votado Tristão Gonçalves de Alencar.

1824 – agosto – 26 – Proclamada a República no Ceará, em um grande Conselho de 450 eleitores, presidido por Tristão Gonçalves, em adesão à República do Equador.

1824 – outubro – 05 – Nomeada a Comissão Militar para julgar os revoltosos republicanos cearenses, funcionando na casa dos governadores, na Rua Direita dos Mercadores, chefiada pelo tenente-coronel Conrado Jacob Niemayer, sendo arroladas 35 pessoas. Foram condenados ao bacamarte João de Andrade Pessoa Anta; padre Gonçalo Inácio de Loiola Albuquerque e Melo Mororó (Padre Mororó); tenente-coronel Francisco Miguel Pereira Ibiapina; tenente de milícias Luís Inácio de Azevedo (Azevedo Bolão); e o tenente-coronel Feliciano José da Silva Carapinima.

1824 – outubro – 12 – Chega ao porto de Fortaleza, a nau “Pedro I”, trazendo a bordo Lord Thomas Cochrane e os habitantes da Fortaleza, tendo à frente o coronel José Félix de Azevedo e Sá, que prestam juramento de fidelidade ao Imperador D. Pedro I.

1824 – outubro – 17 – Assume o governo da Província José Félix de Azevedo e Sá, substituindo interinamente Tristão Gonçalves de Alencar que viajara ao Aracati.

1824 – outubro – 31 – Chega a Fortaleza a notícia da morte de Tristão Gonçalves de Alencar Araripe, no combate de Santa Rosa, no vale do Jaguaribe.

1824 – dezembro – 17 – Volta ao Governo da Província o tenente. Coronel Pedro José da Costa Barros.

1824 – Os Correios neste ano têm novo administrador quando Antônio de Oliveira Coelho assume em substituição a Luís Liberato Marreiros e Sá.

1824 – Um ano bissexto, isto é, teve 366 dias, o mês de fevereiro teve 29 dias e cinco domingos, o que é um fato bastante raro.

1824 – Um ano totalmente seco na região, sendo muito forte no Ceará e, conseqüentemente em Fortaleza.

 

1825

1825 – janeiro – 12 – Circula o primeiro número de O Cearense, jornal semanário que foi o segundo periódico editado no Ceará.

1825 – janeiro – 13 – Toma posse como 2º presidente nomeado da província do Ceará, José Félix de Azevedo e Sá, nomeado a 01/12/1824.

1825 – Chega a Fortaleza o boticário Antônio Rodrigues Ferreira de Macedo (Boticário Ferreira) que teve enorme influência no desenvolvimento desta Cidade. Nasceu em Vila Real da Praia Grande, hoje Niterói, filho de Antônio Rodrigues Ferreira e Marcolina Rosa de Jesus. Seu pai fora soldado e desertara na campanha contra Artigas. Em 1824 foi recrutado para servir na Cisplatina e a exemplo de seu pai, desertou e foi para o Recife. Acolhido pelo comerciante Manuel Gonçalves da Silva, conheceu outro comerciante, este de Fortaleza, Antônio Caetano de Gouveia, cônsul de Portugal, o qual o trouxe para o Ceará. Tinha prática de farmácia e suas receitas salvaram a mulher do seu protetor que o ajudou a obter licença para montar botica. Seu estabelecimento ficava na Rua da Palma, em frente ao largo da Feira Nova, atual Rua Major Facundo, na Praça do Ferreira. Logo ficou conhecido na cidade por sua sociabilidade e competência. Casou-se em 1827 com Francisca Áurea de Macedo. Entrou na política em 1842, sendo vereador, chegando à presidência da casa. Foi reeleito por várias vezes, até sua morte ocorrida em 29/04/1859.

1825 – abril – 30 – Executados por sentença da Comissão Militar, o coronel de milícias João de Andrade Pessoa Anta, nascido em Granja, a 23/12/1787 e o padre Gonçalo Inácio de Loiola Albuquerque e Melo Mororó (Padre Mororó), nascido na povoação Riacho Guimarães (Groaíras) em 29/07/1778. Ambos hoje são nomes de vias públicas em Fortaleza, Avenida Pessoa Anta e Rua Padre Mororó.

1825 – maio – 07 – Arcabuzado o tenente coronel Francisco Miguel Pereira Ibiapina, chefe do Serviço de Fazenda. Era natural de Sobral, nascido em 08/05/1782. Era pai do Padre Ibiapina. Era membro ativo da República do Equador.

1825 – maio – 16 – Executado o carpina e tenente de milícias Luís Inácio de Azevedo (Azevedo Bolão), baiano de nascimento (1785). Hoje existe em sua homenagem a Rua Azevedo Bolão, no Parque Araxá, Alagadiço e São Gerardo.

1825 – maio – 28 – Executado o Coronel Feliciano José da Silva Carapinima, em frente ao Paiol da Pólvora. Era mineiro. Hoje é nome de avenida, prosseguimento da Avenida Tristão Gonçalves.

1825 – Construído em Fortaleza, um sobrado, pelo comendador José Antônio Machado (Comendador Machado), construção confiada ao engenheiro coronel Conrado Jacó de Niemeyer. Ficou conhecido como o Sobrado do Comendador Machado.

1825 – Mais uma vez muda de administrador a repartição do Correio, assumindo Jorge Acúrcio da Silveira, substituindo Antônio de Oliveira Coelho.

1825 – Mais uma vez a região atravessou uma grande seca que tantos prejuízos trouxe para o Ceará e para Fortaleza.

 

1826

1826 – fevereiro – 04 – Toma posse no cargo de Presidente da Província o coronel Antônio de Sales Nunes Berford, nomeado a 01/08/1825, meio à terrível seca.

1826 – janeiro – 22 – Escolhidos pelo imperador D. Pedro I os primeiros senadores que teve o Ceará, retirados de lista apresentada pelo corpo eleitoral: Oeynhausen e Grevembourg (Visconde, depois Marquês de Aracati), João Antônio Rodrigues de Carvalho, Pedro José da Costa Barros e Mota Teixeira.

1826 – agosto – 17 – Aprovado o plano do Farol do Mucuripe, por D. Pedro, sendo aberto o edital de concorrência a três de novembro, mas a construção só se iniciou em 1840, ficando pronto em 1846.

 

1827

1827 – janeiro – 10 – Joaquim Lopes de Abreu assume, pela segunda vez a Prefeitura de Fortaleza, permanecendo no cargo até 17 de julho do mesmo ano.

1827 – novembro – 07 – Morre, aos 46 anos de idade, o coronel José Félix de Azevedo e Sá, em seu sítio São Félix, em Soure (Caucaia). Fora o 2º Presidente do Ceará. Era nascido em Fortaleza em 25/03/1781, filho de pais agricultores.

1827 – Construído um mercado para Fortaleza em frente a Praça Carolina, mais conhecido como mercado da farinha. Era no local onde depois foi construído o Mercado Público, recentemente transformado no Centro de Referência do Professor.

1827 – Nova seca castiga o Nordeste e, conseqüentemente, o Ceará e Fortaleza.

 

1828

1828 – novembro – 15 – O Presidente da Província, Antônio de Sales Nunes Berford expede instruções dividindo o Ceará em oito distritos eleitorais.

 

1829

1829 – janeiro – 02 – Assume o cargo de Presidente da Província, o vice-presidente, coronel José Antônio Manuel Machado.

1829 – fevereiro – 05 – Inaugura-se o Ensino Mútuo de Fortaleza, em prédio no local onde hoje se ergue o Palacete Ceará, na Praça do Ferreira, na esquina da atual Rua Guilherme Rocha com Rua Floriano Peixoto.

1829 – março – 15 – Joaquim Lopes de Abreu assume, pela terceira vez, a Prefeitura de Fortaleza.

1829 – abril – 06 – Toma posse, na capela de Nossa Senhora do Rosário, como Presidente da Província o marechal de campo Manuel Joaquim Pereira da Silva, português, nomeado em 28/02/1829, que foi o quarto presidente do Ceará.

1829 – dezembro – 01 – Instalado o primeiro Conselho da Província, na Praça da Sé nº 34.

1829 – dezembro – 19 – Publicado o primeiro número do Diário do Conselho Geral da Província do Ceará, impresso na Tipografia Nacional, sendo o primeiro jornal de Fortaleza. Trazia no vértice a coroa imperial.

1829 – João Ferreira Pacheco é o novo administrador do Correio neste ano, em substituição a Jorge Acúrcio da Silveira.

 

1830

1830 – junho 29 – Inaugura-se o antigo Campo D’Amélia, uma homenagem à Imperatriz D. Amélia de Leuchtenberg, segunda esposa de D. Pedro I, chamou-se também Senador Carreira em 1882, Da Via Férrea em 1890 e a partir de 1932, Praça Castro Carreira. Popularmente, desde o advento da estação de trem (1871), chama-se Praça da Estação. No dia 24 de maio do ano de 1900, foi inaugurada no centro da praça a estátua do General Sampaio, sobre uma coluna de mármore. No mesmo ato foram inauguradas também a Rua 24 de Maio e Rua General Sampaio. No dia 24/05/1966 a estátua foi retirada e levada para a Avenida Bezerra de Menezes sem seu pedestal, que foi destruído, e juntados a ela os restos mortais do homenageado. Em 1981 foi estátua novamente deslocada, desta feita para a Avenida 13 de Maio, em frente ao 23º BC, sem que acompanhassem os seus restos mortuários. Em 1996 por iniciativa do Instituto do Ceará, tanto a estátua como os restos mortais do general foram transferidos e hoje se encontram em frente à 10ª Região Militar, na Avenida Alberto Nepomuceno.

1830 – julho – 08 – O presidente da província Manuel Joaquim Pereira da Silva é nomeado presidente da Paraíba, e passa o governo ao 1º vice-presidente, José de Castro e Silva.

1830 – julho – 23 – Tornada sem efeito a nomeação de Manuel Joaquim Pereira da Silva para presidente da Paraíba, voltando este a governar a província do Ceará.

1830 – setembro – 04 – O primeiro número do Semanário Constitucional, editado pela família Castro, saindo aos sábados, impresso na Tipografia Constitucional do Ceará, na Praça Carolina nº 33 (Rua Coronel Bezerril). Foi o primeiro jornal impresso em Fortaleza.

1830 – outubro – 08 – Assume a Presidência da Província Miguel Antônio da Rocha Lima.

1830 – Surge a primeira casa de espetáculos de Fortaleza, o Teatro Concórdia, chamado de casa da ópera, que ficava ao lado da Igreja de Nossa Senhora do Rosário. Depois mudou-se para a Rua Formosa (Rua Barão do Rio Branco), alterando o nome para Teatro Taliense. Fechou em 1872.

1830 – Outro ano de seca no Nordeste, Ceará e Fortaleza.

 

1831

1831 – janeiro – 24 – Data da escritura de compra e venda do sobrado do português Francisco José Pacheco de Medeiros, o Pachecão à Câmara Municipal. Seria a Intendência Municipal.

1831 – maio – 13 – Chega em Fortaleza o Brigue inglês “Atlas” capitão Edward Higginson, que trouxe a notícia da abdicação de Dom Pedro I, ocorrida em 7 de abril.

1831 – maio – 07 – Circula o primeiro número do jornal Cearense Jacaúna, redatoriado pelo padre José Ferreira Lima Sucupira.

1831 – outubro – 07 – Assume a Presidência da Província o 2º vice-presidente major João Facundo de Castro Menezes (Major Facundo), que governou apenas um dia, passando para o 3º vice, Miguel Antônio da Rocha Lima, no dia oito.

1831 – dezembro – 08 – Toma posse, no cargo de Presidente da Província do Ceará, o tenente José Mariano de Albuquerque Cavalcante, cearense de Santana do Acaraú, nomeado em 29/08/1831, substituindo José de Castro e Silva, recebendo o cargo das mãos do 3º vice. Miguel Antônio da Rocha Lima.

 

1832

1832 – setembro – 27 – Fundada em Fortaleza a sociedade Philopatria, que funcionava na casa do Conselho da Província, nº 34 da atual Praça Caio Prado. O presidente era José Mariano de Albuquerque Cavalcante.

 

1833

1833 – maio – 06 – Criada a comarca da Fortaleza, por ato do governo da Província, em conselho e foi dada execução à determinação.

1833 – maio – 06 – Extinto, pelo Conselho da Província, o município de Vila Nova de Messejana (Messejana) que fora inaugurado em 01/01/1760.

1833 – maio – 06 – Resolução do Conselho Provincial extingue a Vila de Arronches (Parangaba).

1833 – julho – 08 – Instalada a Tesouraria de Fazenda, criada pela Lei Imperial de 04/10/1831, destinada à arrecadação, administração, distribuição, contabilidade e fiscalização de todas as rendas públicas, substituindo a Junta de Fazenda.

1833 – novembro – 26 – Toma posse, na Presidência da Província, o tenente-coronel Inácio Corrêa de Vasconcelos, nomeado em 01/08/1833.

1833 – dezembro – 13 – Restaurado o município de Vila Nova de Messejana (Messejana).

1833 – dezembro – 13 – Fica sem efeito a Resolução do Conselho Provincial que extinguiu a Vila de Arronches (Parangaba).

1833 – Mais uma seca, desta feita, moderada, assola a região.

 

1834

1834 – janeiro – 25 – O Presidente da Província faz proposta à S. Majestade Imperial para iluminação de Fortaleza.

1834 – outubro – 06 – Inácio Corrêa de Vasconcelos passa as rédeas do governo da Província ao padre José Martiniano Pereira de Alencar (Senador Alencar), cearense de Barbalha, nomeado em 23/08/1833.

1834 – dezembro – 08 – Reune-se o colégio eleitoral para compor a mesa apuradora para formação da Assembleia Provincial. A mesa ficou composta por: Presidente – José Ferreira de Lima Sucupira; secretários: Joaquim José Barbosa e Antônio Luís da Silva Viana; os escrutinadores padre Domingos Carlos de Sabóia e Manuel José de Vasconcelos.

 

1835

1835 – março – 11 – Instala-se a primeira Assembleia Provincial Legislativa do Ceará.

1835 – abril – 07 – Realiza-se a primeira sessão da Assembleia Provincial Legislativa do Ceará (Assembleia Legislativa), em prédio na Praça da Sé, falando na oportunidade o presidente José Martiniano Pereira de Alencar (Senador Alencar), que proibiu, através da lei nº 10, do dia 24 de maio, que fossem construídos currais de pescaria nos rios navegáveis da província. Ainda no mesmo ano, Alencar é autorizado pela lei nº 18, de dois de junho, a adquirir lampiões para a iluminação pública da cidade. Também no mesmo ano, a sete de setembro, instala o Banco Provincial do Ceará. O primeiro prédio ocupado pela Assembleia Provincial data de 1829, ficava na Praça da Sé na esquina das hoje Rua Sobral com Rua Conde D’Eu. O segundo, foi o sobrado da Intendência Municipal, em 1856. Depois, foi construído o prédio da Assembleia Provincial (Palácio Senador Alencar), que é um quadrilátero entre a Rua São Paulo (frente principal), Rua General Bezerril, Rua Floriano Peixoto e Travessa Morada Nova, com planta do engenheiro Adolfo Herbster. Suas obras se iniciaram em outubro de 1856 e sua inauguração deu-se em março de 1871. Com a proclamação da República passou a ser Assembleia Legislativa. Quando da ditadura Getúlio Vargas (1937-1945), o prédio recebeu outro uso, pois as casas legislativas foram fechadas; a parte de cima ficou com o Tribunal de Contas e a de baixo com a Faculdade de Direito. Quando foi construído o atual prédio da Assembleia Legislativa na Avenida Desembargador Moreira (1977), o Palácio Senador Alencar ficou desocupado por algum tempo e depois foi ocupado pela Academia Cearense de Letras – ACL e hoje está abrigando o Museu do Ceará. O atual prédio da Assembleia Legislativa tem o nome de Palácio Deputado Adauto Bezerra e foi construído com planta dos arquitetos José da Rocha Furtado Filho e Roberto Martins Castelo, pela Secretaria de Obras e Serviços Públicos sob a direção do engenheiro Luís Gonzaga Nogueira Marques (Luiz Marques) e localiza-se na Avenida Desembargador Moreira. Adolfo Herbster – Engenheiro arquiteto a quem Fortaleza deve serviços de urbanização, nasceu em Pernambuco em 14/05/1826.

1835 – abril – Sai o primeiro número do Correio da Assembleia Provincial, semanário liberal impresso na Tipografia Patriótica, na Rua dos Mercadores nº 2, redatoriado por José Lourenço de Castro e Silva. Em outubro de 1840 transformou-se no Vinte e Três de Julho. Saía aos sábados.

1835 – maio – 13 – Suprimida pela lei provincial nº 2, a Vila Nova de Arronches (Parangaba).

1835 – maio – 24 – Criada, pela Lei nº 13, a Força Policial, que seria, depois de ter várias denominações, a Polícia Militar do Ceará. Seu primeiro comandante foi o tenente do Exército Tomás Lourenço da Silva Castro.

1835 – junho – 02 – Pela lei provincial nº 16, o território da antiga Vila Nova de Arronches (Parangaba) é anexado ao de Fortaleza.

1835 – setembro – 01 – Fundada em Fortaleza a filial da Casa Inglesa, de Liverpool, Inglaterra, da firma Singlehurst & Comp., que em 1892, foi substituída pela Holderness & Salgado, e em 1910, passou a ser Salgado, Rogers & Cia. e, finalmente, em 1921, mudou para Salgado, Filho & Cia. Fiava na Rua da Praia (depois Avenida Pessoa Anta) nº 1 a 13.

1835 – setembro – 09 – A Alfândega é reinstalada, sendo seu primeiro inspetor, Manuel do Nascimento Castro e Silva, que assume no dia 03/07/1837.

1835 – setembro – 25 – Sob o comando do major Luís Xavier Torres, parte de Fortaleza com destino a fronteira dos estados do Pará e Maranhão a Força Policial, para combater no episódio que ficou conhecido como “Cabanagem”.

1835 – Recenseamento acusa uma população de 240 mil habitantes, para todo o Estado do Ceará.

1835 – Ano de péssimo inverno, praticamente seco.

 

1836

1836 – maio – 11 – Iniciam-se os trabalhos de construção do Açude Pajeú, entre a Rua 25 de março e a Lagoa do Garrote (Parque da Liberdade), com o fim de abastecer os moradores da circunvizinhança e alimentar o chafariz do Largo do Palácio (hoje Praça General Tibúrcio).

1836 – setembro – 26 – A Lei nº 58, sancionada pelo presidente, padre José Martiniano Pereira de Alencar (Senador Alencar), cria a – Tesouraria Provincial.

 

1837

1837 – julho – 03 – Assume o cargo de Inspetor da Alfândega Manuel do Nascimento Castro e Silva. A Alfândega fora reinstalada no dia 09/09/1835.

1837 – novembro – 25 – O presidente, padre José Martiniano Pereira de Alencar (Senador Alencar), por motivo de doença, passa o Governo da Província ao vice-presidente major João Facundo de Castro Menezes (Major Facundo).

1837 – dezembro – 16 – O major João Facundo de Castro Menezes (Major Facundo) entrega o Governo da Província ao capitão engenheiro Manuel Felizardo de Souza e Melo, que fora nomeado no dia 16/101837.

1837 – Fica pronto o Açude Pajeú, no local onde hoje fica uma praça, chamada Avenida Pajeú entre a Rua 25 de Março, a Rua Pinto Madeira e a Vila Romero, na Avenida Visconde do Rio Branco.

1837 – Outro ano de seca, embora parcial, ataca a região.

 

1838

1838 – maio – 29 – Em Moçambique, na África, morre João Carlos Augusto de Oeynhausen e Grevembourg, militar que governou o Ceará de 1803 a 1807 e foi senador. Era português de Lisboa nascido em 12/10/1776. Foi Visconde e Marquês de Aracati.

1838 – julho – 01 – Publica-se, em Fortaleza, o jornal do Partido Conservador no Ceará, Dezesseis de Dezembro, referência à data de assunção do presidente Manuel Felizardo. Depois teria o nome de D. Pedro II e por fim Pedro II.

1838 – outubro – 11 – Publicado o primeiro número da revista Sentinela Cearense na Ponta do Mucuripe.

 

1839

1839 – janeiro – 19 – Assume o comando da Força Policial (atual Polícia Militar do Ceará) o alferes do Exército Manuel Franklin do Amaral, substituindo o tenente do Exército Tomás Lourenço da Silva Castro.

1839 – fevereiro – 15 – João Antônio de Miranda toma posse como Presidente da Província. Fora nomeado em 20/12/1838, substituindo Manuel Felizardo de Sousa e Melo.

1839 – abril – 21 – Morre no posto de tenente general graduado, Manuel Joaquim Pereira da Silva, que foi presidente da Província.

1839 – outubro – 20 – Morre, aos 60 anos de idade, no Rio de Janeiro, o antigo presidente da Província do Ceará, tenente. Coronel Pedro José da Costa Barros. Foi ministro e senador além de deputado às Cortes de Lisboa. Era cearense de Aracati onde nascera a 07/10/1779 e também poeta. É hoje nome de rua na Aldeota.

1839 – dezembro – 08 – São iniciadas as obras de construção da Igreja de Nossa Senhora da Conceição da Prainha (Igreja da Prainha), iniciativa de Antônio Joaquim Batista de Castro, o Galinha Branca.

1839 – dezembro – 22 – A Lei nº 188 desta data extingue mais uma vez o município de Vila Nova de Messejana (Messejana).

 

1840

1840 – fevereiro – 03 – João Antônio de Miranda governou apenas um ano, passando a Presidência da Província para Francisco de Sousa Martins, de Oeiras, PI, nomeado em 18/12/1839.

1840 – setembro – 09 – Assume mais uma vez a Presidência da Província, o vice-presidente major João Facundo de Castro Menezes (Major Facundo).

1840 – setembro – 12 – Circula o primeiro número do órgão conservador bi-semanal D. Pedro II, antigo Dezesseis de Dezembro, que saía às quartas-feiras e sábados, impresso por Galdino Marques de Carvalho e que depois se chamou apenas Pedro II. Após a Proclamação da República, circulou em nova fase com o nome de O Brasil.

1840 – outubro – 20 – Volta à Presidência da Província o padre José Martiniano Pereira de Alencar (Senador Alencar), nomeado em 10/09/1840, demorando apenas seis meses.

1840 – dezembro – 12 – Morre o bacharel em Direito e juiz João Antônio Rodrigues de Carvalho, último ouvidor geral do Ceará, senador pelo Ceará, carioca nascido em 1770.

 

1841

1841 – janeiro – 26 – Assume o comando da Força Policial (atual Polícia Militar do Ceará), o tenente do Exército Xilderico Cícero do A. Araripe, em substituição ao alferes do Exército Manuel Franklin do Amaral.

1841 – março – 05 – Morre, no Aracati, o ex-vice-presidente José de Castro e Silva (filho), cearense de Aracati nascido a 04/08/1776.

1841 – abril – 06 – Novamente assume o governo o major João Facundo de Castro Menezes (Major Facundo), que era vice-presidente.

1841 – maio – 09 – Assume o Governo da Província o brigadeiro José Joaquim Coelho, Barão de Vitória, português, nomeado em 01/04/1841.

1841 – dezembro 03 – Criada, pela Lei nº 261, Chefatura de Polícia do Ceará, equivalente hoje à Secretaria de Segurança Pública. Seria extinta em 24/09/1891.

1841 – dezembro – 08 – Assume o cargo de Chefe de Polícia, Miguel Fernandes Vieira, sendo o primeiro a ocupar o cargo após a criação da Chefatura de Polícia.

1841 – dezembro – 08 – Ao começar a noite, é assassinado o major João Facundo de Castro Menezes (Major Facundo), em sua residência, na esquina da Rua da Palma (hoje Rua Major Facundo), com Rua da Assembleia (hoje Rua São Paulo). Governou a Província por quatro vezes; ferrenho defensor da monarquia tendo lutado contra os republicanos. Tinha, ao falecer, 53 anos de idade. Seu corpo foi sepultado na Igreja de Nossa Senhora do Rosário. Nascera em Aracati no dia 12/07/1787.

1841 – dezembro – 08 – Realiza-se a primeira missa na Igreja de Nossa Senhora da Conceição da Prainha, inaugurando-a. Tem planta do engenheiro austríaco José Antônio Seifert.

 

1842

1842 – janeiro – 31 – Instalada a Chefatura de Polícia do Ceará criada por Lei de 03/01/1841, já com a denominação de Secretaria de Polícia do Ceará, no prédio assobradado entre a Rua Pará, Rua Floriano Peixoto e Rua Guilherme Rocha, onde funcionava a Intendência Municipal.

1842 – abril – 08 – Assume o cargo de Chefe de Polícia o jornalista, crítico e político Pedro Pereira da Silva Guimarães.

1842 – maio – 13 – Substituído o Chefe de Polícia, assumindo o desembargador Antônio Gonçalves Martins, baiano.

1842 – julho – 16 – Toma posse no comando da Força Policial (atual Polícia Militar do Ceará), o tenente do Exército João Domingos Torres, substituindo o tenente do Exército Xilderico Cícero do A. Araripe.

1842 – outubro – 06 – José Vieira Rodrigues de Carvalho e Silva é o novo Chefe de Polícia. O quartel da Polícia funcionava no prédio da Intendência Municipal, mudando-a para prédio em frente, na diagonal, onde hoje fica o Palacete Ceará.

1842 – novembro – 03 – O presidente, brigadeiro José Joaquim Coelho, adquire do coronel José Antônio Machado (Comendador Machado), casa, entre a Rua da Ponte (atual Avenida Alberto Nepomuceno), Travessa do Quartel (atual Rua Dr. João Moreira), Rua do Quartel (atual Rua General Bezerril e Praça Caio Prado – Praça da Sé), que fora construída por Joaquim Inácio da Costa Miranda, para instalação da Tesouraria Provincial. Lá estiveram, depois da Tesouraria Provincial, o Liceu do Ceará, os Correios, tipografia do Governo, o Arquivo Público, a Biblioteca Pública, a Secretaria da Fazenda, o Museu Histórico e o Instituto do Ceará. Era o prédio que foi demolido para construção do Fórum Clóvis Beviláqua que já foi implodido, na Avenida Alberto Nepomuceno nº 272. Hoje o local tem o prosseguimento da Praça Caio Prado (da Sé).

1842 – dezembro – 06 – A Lei nº 264 autoriza a Câmara a reformar o plano da cidade de Fortaleza. Existia no local da atual Praça do Ferreira o Beco do Cotovelo, que foi demolido por iniciativa do boticário Antônio Rodrigues Ferreira de Macedo (Boticário Ferreira) para construção da Praça Pedro II, que ficou mais conhecida como Feira Nova, mas então apenas um areal até 1902, com quatro quiosques nos cantos e uma cacimba (poço) no centro e vários “frades de pedra” (colunas feitas de pedra de Lisboa). Os quiosques eram o Café Java, no canto nordeste; o Café Elegante (assobradado), na esquina sudeste; o Restaurante Iracema, no canto sudoeste e o Café do Comércio (assobradado), no canto noroeste. O intendente coronel Guilherme César da Rocha (Guilherme Rocha) em 1902 procedeu a primeira urbanização parcial, fazendo em um trecho o belo Jardim 7 de Setembro, murado com grades de ferro, uma caixa d’água, conservando nos cantos os cafés, inaugurada no dia sete de setembro. Em outubro de 1920 o então prefeito Godofredo Maciel demoliu os quatro cafés, construiu um coreto sem coberta e mosaicou toda a praça. Em 1925 constrói o coreto coberto. Raimundo Girão em 1933 constrói a Coluna da Hora e derruba o coreto. No ano de 1949, gestão de Acrísio Moreira da Rocha, é construído, entre a Rua Floriano Peixoto, Rua Guilherme Rocha, Rua Major Facundo e Travessa Pará, o Abrigo Central. Em 1967 a Coluna da Hora é demolida na gestão de José Walter Barbosa Cavalcante, que destrói a Praça do Ferreira, derruba o Abrigo Central e faz uma nova praça terrivelmente feia e inadequada, com um subterrâneo incômodo e quente. Em 1991 o prefeito Juraci Vieira Magalhães manda derrubar a praça tão criticada pelo povo e pela imprensa e constrói uma nova com base na antiga praça, colocando uma nova versão da Coluna da Hora agora com fontes d’água e a antiga cacimba é redescoberta e conservada ao centro.

 

1843

1843 – março – 12 – Assume as rédeas do Governo Provincial o vice-presidente, coronel comandante superior da Guarda Nacional do Fortaleza Joaquim Mendes da Cruz Guimarães.

1843 – abril – 02 – O brigadeiro José Maria da Silva Bittancourt é o novo Presidente da Província do Ceará, cargo para o qual fora nomeado em 12/01/1843.

1843 – julho – 16 – Toma posse no comando da Força Policial – FP (atual Polícia Militar do Ceará) o tenente Florêncio Vieira Perdigão, substituindo o tenente do Exército João Domingos Torres.

1843 – novembro – 14 – Assume a Chefia da Polícia Civil, cargo equivalente ao hoje Secretário de Segurança, Miguel Fernandes Vieira.

 

1844

1844 – julho – 15 – Criado o Liceu do Ceará, pela lei nº 304, sancionada pelo presidente José Maria da Silva Bittancourt, e que se instalou no dia 19/10/1845, tendo como primeiro diretor Tomás Pompeu de Sousa Brasil. É, no gênero, o 4º estabelecimento de ensino mais antigo do Brasil. Em 1843 a Assembleia Legislativa Provincial votou o projeto que instituía o Liceu, sob nº 12. Foi-lhe negada sanção e o projeto voltou para a Assembleia. Novamente votada sem os artigos que a fizeram voltar, surge a Lei nº 304. Para instalar o Liceu era necessário um prédio e foi alugado um pertencente a Odorico Segismundo de Arnaut, na esquina da Rua Dr. João Moreira com Rua Major Facundo, local hoje ocupado pelo prédio da Associação Comercial do Ceará. Em seguida (1848) o Liceu passou para uma das frentes do prédio da Tesouraria Provincial, na antiga Avenida Sena Madureira, hoje Avenida Alberto Nepomuceno, entre o quartel e a praça, prédio onde funcionou uma tipografia do Governo, o Liceu do Ceará, o Correio e depois foi ocupado pela Biblioteca Pública, o Arquivo Público, o Museu Antropológico, Instituto do Ceará e, por fim, demolido para a construção do fórum Clóvis Beviláqua, que foi implodido, indo para a Avenida Washington Soares, na Água Fria, sendo construído no local o restante da Praça Caio Prado (da Sé). Até 1894 o Liceu andou por vários prédios públicos ou particulares, inclusive a Santa Casa e o antigo quartel da Força Policial até que no governo do coronel José Freire Bezerril Fontenele (General Bezerril) teve prédio próprio, inaugurado solenemente no dia 15 de março, na Praça dos Voluntários, embora fosse uma construção onde antes esteve o Batalhão da Força Policial. Em 07/09/1935 ganhou nova sede própria, a atual, na antiga Praça Fernandes Vieira, hoje Praça Gustavo Barroso, prédio construído pelo Escritório Clóvis de Araújo Janja.

1844 – agosto – 16 – Assume o cargo de Chefe de Polícia, o magistrado João Fernandes Barros.

1844 – agosto – 20 – Morre em Magé, RJ, aos 72 anos de idade, o ex-presidente da Província do Ceará, José Mariano de Albuquerque Cavalcante. Era cearense de Sant’Ana do Acaraú nascido em 20/05/1772.

1844 – outubro – 11 – Publicado, em Fortaleza, o primeiro número do jornal Equilíbrio, que trazia por epígrafe: “Ne quid nimis”. Era contra o predomínio da família Fernandes Vieira ou Carcará.

1844 – dezembro – 04 – Assume o novo Presidente da Província, o tenente-coronel Inácio Correia de Vasconcelos, no cargo pela segunda vez. Fora nomeado a 04/11/1844.

1844 – Outra grande seca no Ceará. Vieram ajudas tanto do Governo Central como das outras províncias.

 

1845

1845 – janeiro – 07 – São empossados os vereadores eleitos em 29/09/1844, entre eles Antônio Rodrigues Ferreira de Macedo, o Boticário Ferreira, que foi eleito presidente da Câmara.

1845 – março – 13 – Assume a Chefia da Polícia Joaquim José da Cruz Secco.

1845 – abril – 25 – Às 20h foi assassinado, com dois tiros, Pedro Rodrigues de Melo, Labatu, em sua própria residência, na Rua do Garrote. Nada foi apurado resultando impune o crime. Nascera em 1802 no Crato.

1845 – setembro – 05 – Assume o cargo de Chefe de Polícia o riograndense do sul, Joaquim José da Cruz Secco.

1845 – outubro – 19 – Instala-se, em casa pertencente a Odorico Segismundo de Arnaut, na esquina da Rua Dr. João Moreira com Rua Major Facundo, local hoje ocupado pelo prédio da Associação Comercial do Ceará, o Liceu do Ceará, criado pela Lei nº 304 de 15/07/1844.

1845 – dezembro – 13 – Assume o cargo de Chefe de Polícia, José Vieira Rodrigues de Carvalho e Silva.

1845 – A grande seca do ano anterior repete-se neste ano, quando sucumbem milhares de retirantes aglomerados em Fortaleza, devido não só à fome, mas a moléstias várias. Fica constatada a necessidade de um hospital de caridade (depois Santa Casa).

1845 – Neste ano a cidade de Fortaleza tem uma população estimada em 5.000 habitantes (sic).

 

1846

1846 – abril – 15 – Muda o Chefe de Polícia, assumindo Antônio Henrique de Miranda advogado pernambucano.

1846 – julho – 01 – Substitui, interinamente, Antônio Henrique de Miranda, no cargo de Chefe de Polícia, o major Luís Rodrigues Samico.

1846 – setembro – 06 – Volta o advogado Antônio Henrique de Miranda, no cargo de Chefe de Polícia.

1846 – outubro – 04 – Surge o jornal O Cearense, órgão do Partido Liberal, fundado por Frederico Augusto Pamplona (Frederico Pamplona), Tristão Araripe e Tomás Pompeu. Encerrou suas atividades em 1892, quando caiu o governo Clarindo de Queirós.

1846 – outubro – 19 – Iniciam-se, sobre o antigo quartel, as obras do Quartel da Tropa de Linha, por ordem do presidente tenente coronel Inácio Correia de Vasconcelos, sendo terminado em 1861.

1846 – outubro – 26 – Morre, no Rio de Janeiro, aos 57 anos de idade, o senador Manuel do Nascimento Castro e Silva, cearense de Aracati nascido a 25/12/1788, que foi deputado geral, Ministro do Império e presidiu o Rio Grande do Norte. Hoje é nome de rua que nasce na Catedral Metropolitana e termina no Cemitério de São João Batista, antiga Rua das Flores, no centro de Fortaleza.

1846 – novembro – 07 – Assume o cargo de Chefe de Polícia o desembargador Miguel Joaquim Aires do Nascimento.

1846 – novembro – 17 – O Farol do Mucuripe é terminado, construído pelos engenheiros Júlio Álvaro Teixeira de Macedo e Luís Albuquerque. Os planos para sua construção foram aprovados por Dom Pedro em 1826, mas sua construção só se iniciou em 1840. Hoje se encontra desativado, sendo ocupado por um museu. Sua localização é Avenida Vicente de Castro s/nº, na Ponta do Mucuripe.

1846 – Neste ano instala-se, em sítio da família Teles, no Maranguape, a fábrica de aguardente de cana depois denominada Ypióca. As máquinas e os tonéis foram preservados e hoje formam o Museu da Cachaça, fundado em 2000.

 

1847

1847 – fevereiro – 09 – Abre-se, em Fortaleza, na Rua Formosa (hoje Rua Barão do Rio Branco), defronte ao sobrado do Teles e na casa em que morou Henrique Francês, uma venda denominada O Bosque, com gêneros de estiva, vinhos, cervejas e licores.

1847 – março – 16 – Publicado em Fortaleza o jornal político Íris Cearense, impresso pela Tipografia de J. Antunes d’Oliveira, na Rua do Quartel (atual Rua General Bezerril) nº 3 (antigo). Tinha a epígrafe “Liberdade pela constituição e pelas leis”. Seus diretores eram: José Lourenço de Castro e Silva, cônego Antônio Pinto de Mendonça, Manuel Soares da Silva Bezerra e Manuel José d’Albuquerque. Foi substituído pelo Imparcial , que depois virou Saquarema.

1847 – abril – 01 – Morre, no Rio de Janeiro, o engenheiro João Vieira de Carvalho, Marquês de Lages, português de Olivença nascido em 16/11/1781, senador pelo Ceará.

1847 – maio – 09 – Inaugurado em Fortaleza o estabelecimento de jogos de bilhar Casa Oriente.

1847 – maio – 29 – Assume a Chefia de Polícia, o Conselheiro Tristão de Alencar Araripe.

1847 – junho – 02 – José Vieira Rodrigues de Carvalho e Silva assume mais uma vez o cargo de Chefe de Polícia, que equivale hoje ao cargo de Secretário de Segurança Pública e Defesa da Cidadania.

1847 – junho – 06 – Guilherme Frederico Volter, fotógrafo chegado do Maranhão, anuncia que está estabelecido na Cidade trabalhando com daguerreótipo. Não dá o endereço.

1847 – agosto – 02 – Assume a Presidência da Província o 1º vice-presidente João Crisóstomo de Oliveira.

1847 – agosto – 31 – Frederico Augusto Pamplona (Frederico Pamplona), vice-presidente da Província, assume o governo.

1847 – setembro – 02 – Toma posse no comando da Força Policial (atual Polícia Militar do Ceará), o major José Sabino de Oliveira, em substituição ao tenente Florêncio Vieira Perdigão.

1847 – setembro – 21 – Morre, em Fortaleza, o Padre Manuel Severino Duarte, professor de língua latina do Liceu do Ceará, sendo sepultado na Igreja do Rosário. Manuel era nascido no Aracati em 20/09/1792. Na ocasião usam da palavra Joaquim Saldanha Marinho, lente de geometria do mesmo Liceu.

1847 – outubro – 14 – Assume o novo Presidente da Província, Casimiro José de Moraes Sarmento, de Oeiras, PI, nomeado em 12/09/1847.

1847 – outubro – 29 – Sai o último número do jornal O Íris Cearense, editado duas vezes por semana por João Cordeiro cônego Antônio Pinto de Mendonça, Manuel Soares Bezerra, e Manuel José de Albuquerque.

1847 – outubro – 30 – Morre, aos 62 anos de idade, o comerciante Joaquim José Barbosa, que foi presidente do Poder Legislativo por duas vezes. Era aracatiense nascido a 08/10/1785.

1847 – Neste ano morre, em Fortaleza, Miguel Antônio da Rocha Lima, ex-deputado que ocupou a presidência da Câmara, ex-inspetor de rendas, ex-presidente da Província. Nascera em Baturité.

1847 – Escolhido o local para construção do Hospital de Caridade de Fortaleza, na gestão do presidente da Província Inácio Corrêa de Vasconcelos. O local era o hoje ocupado pela Santa Casa de Misericórdia.

 

1848

1848 – janeiro – 02 – Assentada a primeira pedra para construção do Cemitério de São Casemiro, no Morro do Croatá, em terreno doado pela família Braga Torres.

1848 – março – 01 – Inaugura-se o serviço de iluminação pública de Fortaleza a azeite de peixe, compondo-se de 44 lampiões de quatro faces, pendurados nas esquinas. O contratante era o português naturalizado brasileiro Vitoriano Augusto Borges e o presidente era Casemiro José de Moraes Sarmento.

1848 – abril – 14 – Casimiro José de Moraes Sarmento passa a Presidência da Província para o primeiro vice, major João Crisóstomo de Oliveira.

1848 – maio – 08 – Inaugura-se o Cemitério de São Casemiro, no Morro do Croatá, terreno doado pela família Braga Torres, edificado em virtude da Lei Provincial nº 319 de 01/08/1844 e que seria desativado em 1866 com a construção do Cemitério de São João Batista, para onde foram trasladados alguns corpos. A construção esteve a cargo do tenente Juvêncio Manuel Cabral de Menezes.

1848 – maio – 13 – Assume o cargo de Presidente da Província do Ceará o conselheiro Fausto Augusto de Aguiar, carioca, bacharel em direito. Fora nomeado em 05/04/1848.

1848 – setembro – 07 – Sai, em Fortaleza, o primeiro número de Sete de Setembro, órgão liberal radatoriado pelo padre Alexandre Francisco Cerbelon Verdeixa (Padre Verdeixa), impresso na tipografia de Paiva & Companhia.

1848 – setembro – 11 – Assume o cargo de Chefe de Polícia o coronel Joaquim Mendes da Cruz Guimarães, aracatiense chefe da Guarda Nacional de Fortaleza, que logo passa o cargo, dois dias depois para o juiz de direito Antônio José Machado.

1848 – setembro – 13 – O coronel Joaquim Mendes da Cruz Guimarães, passa o cargo de Chefe de Polícia para o juiz de direito Antônio José Machado.

1848 – outubro – 21 – Muda o Chefe de Polícia, assumindo o juiz Miguel Fernandes Vieira, vindo da Comarca de Granja.

1848 – dezembro – 05 – Assume a Chefia de Polícia, o juiz de direito Antônio José Machado.

1848 – outubro – 23 – Toma posse, no comando da Força Policial (atual Polícia Militar do Ceará), o tenente do Exército Raimundo Remígio de Melo, substituindo o major José Sabino de Oliveira.

1848 – A administração do Correio passa de João Ferreira Pacheco, para Manuel Caetano Nunes Pinto.

1848 – Publicado em Fortaleza o jornal Brasileiro, impresso em papel verde e amarelo e que saía da Tipografia do Cearense.

1848 – São colocados em Fortaleza, nas ruas, 25 lampiões pendentes, com iluminação a azeite.

 

1849

1849 – fevereiro – 15 – Assume a Chefia de Polícia em Fortaleza, o conselheiro Francisco Domingues da Silva, sobralense.

1849 – maio – 30 – Assume o cargo de Chefe de Polícia, o juiz de paz Vicente Ferreira Mendes Pereira.

1849 – julho – 21 – Publicado, em Fortaleza, o jornalzinho O Brado Natalense, para defesa dos interesses do Partido Conservador do vizinho estado do Rio Grande do Norte, tendo por divisa as palavras Acuit est penetret. Era impresso por Bernardo José de Melo e publicado na Tipografia Americana, na Rua do Quartel (hoje Rua General Bezerril).

1849 – agosto – 04 – Vicente Ferreira Mendes Pereira tem que viajar para o Rio de Janeiro e assumir o cargo de Chefe de Polícia o juiz Antônio José Machado.

1849 – setembro – 04 – Falece, em Fortaleza, Joaquim Lopes de Abreu, nascido em 1753, na Vila de Guimarães, em Portugal. Foi Juiz Ordinário (1801 e 1810). Juiz de Órfãos, (1806).

1849 – novembro – 20 – Assume a Chefia de Polícia, o magistrado Gonçalo da Silva Porto.

1849 – novembro – 26 – Sai o primeiro número do jornal Sempreviva, em Fortaleza, dirigido por Juvenal Galeno Teófilo da Costa e Silva e Gustavo Gurgulino de Sousa.

1849 – dezembro – 08 – Fundada em Fortaleza a Farmácia Mamede, em casa da Rua Formosa (atual Barão do Rio Branco), 13 (antigo), pelo farmacêutico Antonio de Pais da Cunha Mamede, fármaco pela antiga Escola de Farmácia de Lisboa. Cunha Mamede, sem dúvida um dos melhores farmacêuticos do seu tempo, deixou, além de honrosa tradição, um nome que o cearense jamais esquecerá.

1849 – Caíram em Fortaleza chuvas que mediram nos pluviômetros 1.907 milímetros.

 

1850

1850 – fevereiro – 02 – Lançada a pedra fundamental da Igreja do Patrocínio, na Praça Marquês do Herval (hoje Praça José de Alencar) que estaria pronta cinco anos depois. Em 1849 o cabo de esquadra Fortunato José da Rocha disparou um tiro contra o capitão Jacarandá, mas pegou no joelho do alferes Luís de França Carvalho que estava junto ao capitão. Vendo-se em grande perigo de vida, Luís de França fez voto a Nossa Senhora do Patrocínio que se escapasse faria uma igreja em sua devoção. Escapou, e no ano seguinte, no dia dois de fevereiro, lançou a pedra fundamental da igreja ao norte da Praça Marquês do Herval (hoje Praça José de Alencar). O oficial teve que deixar Fortaleza e os trabalhos da igreja passaram a ser muito lentos, apesar da ajuda de particulares. A planta do templo foi feita pelo mestre Antônio de Rosa e Oliveira. A igreja já deu nome à praça em que se encontra, que já foi Praça do Patrocínio.

1850 – julho – 02 – Assume, o cargo de Chefe de Polícia, o 2º suplente do juiz municipal Luís Vieira da Costa Delgado Perdigão.

1850 – agosto – 01 – Fausto Augusto de Aguiar passa o governo para o vice-presidente, Joaquim Mendes da Cruz Guimarães.

1850 – agosto – 26 – A Chefia de Polícia passa, para as mãos do comerciante português José Maria Eustáquio Vieira, que no dia seguinte passa o cargo ao juiz Luís Rodrigues Samico.

1850 – novembro – 16 – Toma posse como Presidente do Ceará, Inácio Francisco Silveira da Mota, Barão de Vila Franca, 17º presidente, recebendo o cargo das mãos do coronel Joaquim Mendes da Cruz Guimarães.

1850 – dezembro – 10 – Toma posse, comando da Força Policial (atual Polícia Militar do Ceará)- FP capitão FP Joaquim César de Melo Padilha, substituindo o tenente do Exército Raimundo Remígio de Melo.

1850 – Caíram em Fortaleza, chuvas em que pluviômetros acusaram apenas 1.022 milímetros.

 

1851

1851 – março – 18 – Toma posse, na Chefia de Polícia, José Maria Eustáquio Vieira.

1851 – junho – 05 – Chega ao porto de Fortaleza o navio São Sebastião, procedente do Maranhão, trazendo consigo a Febre Amarela. Poucos dias depois irrompe em Fortaleza uma epidemia da doença, falecendo 261 pessoas.

1851 – julho – 06 – O Ceará tem novo Presidente, o médico Joaquim Marcos de Almeida Rego. Como médico, chegara em tempo para debelar o surto de febre amarela que irrompeu em Fortaleza e que se propaga por outras cidades, vilas e povoados do Estado. Fora nomeado em 31/05/1851.

1851 – agosto – 01 – Assume o comando da Força Policial (atual Polícia Militar do Ceará), o capitão FP Antônio Gomes Ferreira, que substitui o capitão FP Joaquim César de Melo Padilha.

1851 – agosto – 25 – Toma posse, no cargo de Chefe de Polícia, o juiz Domingos José Nogueira Jaguaribe.

1851 – setembro – 01 – Tem novo comando a Força Policial (atual Polícia Militar do Ceará), quando assume o tenente do Exército João da Silva Pedreira que substitui o capitão FP Antônio Gomes Ferreira.

1851 – setembro – 01 – A repartição do Correio muda-se do antigo prédio que serviu a Tesouraria da Fazenda, para o de nº 12 na mesma Praça do Palácio. Depois passaria para o Paço da Câmara Municipal na Rua da Boa Vista, hoje Rua Floriano Peixoto.

1851 – outubro – 11 – Assume o cargo de Chefe de Polícia o boticário e urbanista Antônio Rodrigues Ferreira de Macedo (Boticário Ferreira).

1851 – novembro – 17 – A povoação de Maranguape é elevada a Vila por lei provincial.

1851 – Ano em que José Smith de Vasconcelos (futuro Barão de Vasconcelos) apelidado “Zé Barateiro”, inaugura a primeira padaria de Fortaleza, com o nome de O Barateiro, na Rua Major Facundo atual nº 126, esquina com Rua Castro e Silva, onde esteve depois o Hotel Internacional, a Fábrica Iracema de cigarros, a firma J. Tomé de Sabóia & Cia. E hoje ficam os Armazéns Guanabara.

1851 – Fortaleza foi banhada por chuvas que acusaram 1.414 milímetros.

 

1852

1852 – janeiro – 10 – Assume, pela segunda vez, o cargo de Chefe de Polícia em Fortaleza, o urbanista e boticário Antônio Rodrigues Ferreira de Macedo (Boticário Ferreira).

1852 – agosto – 22 – Mais uma vez ocupa o cargo de Chefe de Polícia, assumindo o boticário Antônio Rodrigues Ferreira de Macedo (Boticário Ferreira).

1852 – setembro – 12 – Muda o comando da Força Policial (atual Polícia Militar do Ceará) do Estado, assumindo o major da Força Policial Jerônimo Inácio dos Santos, em substituição ao tenente do Exército João da Silva Pedreira.

1852 – setembro – 25 – Toma posse, no cargo de Chefe de Polícia, o juiz Domingos José Nogueira Jaguaribe.

1852 – outubro – 02 – Na Chefia de Polícia assume José Maria Eustáquio Vieira.

1852 – outubro – 28 – Assume o cargo de Chefe de Polícia em Fortaleza, o médico Marcos José Teófilo.

1852 – A firma Albano, Irmão & Cia., dos irmãos José Francisco da Silva Albano (Barão de Aratanha) e Manuel Francisco da Silva Albano, surgiu com a Loja do Povo, depois Casa Albano, na Rua Pará, ocupando todo o quarteirão do lado norte, ou seja, da Rua Floriano Peixoto até a Rua Major Facundo. A Casa Albano era uma casa importadora, vendia miudezas, tecidos, vinho “Haut Sauternes” especial para missas, vinho Colares, whisky “Old Smugler”, etc. Nos altos ficava o Consulado da Alemanha, cujo cônsul era José Albano Filho, pai do poeta homônimo. Funcionaram ao longo do tempo na parte térrea a Livraria Araripe, a Casa Baiana e o Auto Elétrico. Depois o prédio foi demolido e em seu lugar levantados o Edifício Sul América e o Edifício Jereissati, este com as Lojas Brasileiras no térreo e o Hotel Savanah em cima.

1852 – Ano bissexto, ou seja, teve 366 dias. O mês de fevereiro teve 29 dias e cinco domingos, caso um tanto raro, pois no século XIX só em três anos isto aconteceu, em 1824, 1852 e 1880.

1852 – As observações meteorológicas das chuvas que banharam Fortaleza durante todo o ano apontaram 1.514 milímetros.

 

1853

1853 – março – 15 – Assume o cargo de Chefe de Polícia em Fortaleza, o comendador Antônio José Machado.

1853 – abril – 28 – Toma posse mais um Presidente da Província, o pernambucano Joaquim Vilela de Castro Tavares, nomeado em 21/03/1851, substituindo Joaquim Marcos de Almeida Rego.

1853 – agosto – 10 – Criado, pela Lei Estadual; nº 693, o Bispado do Ceará, confirmado pela bula Pro animarum salute, de 06/06/1854.

1853 – setembro – 13 – Assume o comando da Força Policial (atual Polícia Militar do Ceará), o capitão do Exército Luís Xavier Torres, substituindo o major da Força Policial Jerônimo Inácio dos Santos.

1853 – Fortaleza recebeu neste ano chuvas medidas num total de 1.005 milímetros.

 

1854

1854 – fevereiro – 20 – Toma posse, como Presidente da Província, o conselheiro padre Vicente Pires da Mota, nomeado em 12/01/1854. Foi o 20º presidente do Ceará.

1854 – abril – 20 – Toma posse no cargo de Chefe de Polícia, o conselheiro Vicente Alves de Paula Pessoa.

1854 – abril – 24 – Assume, o cargo de Chefe de Polícia, o desembargador André Bastos de Oliveira.

1854 – maio – 25 – Morre, às 12h, com a idade de 46 anos, o militar José Pio Machado, que foi presidente do Poder Legislativo em 1853-1854. Era nascido em Fortaleza a 05/05/1808.

1854 – junho – 06 – Confirmado pela bula Pro anumarum salute, o Bispado do Ceará, que fora criado pela Lei Estadual nº 693 de 10/08/1853.

1854 – abril – 02 – Dia de festa em Fortaleza quando é inaugurada a matriz (Catedral), a Igreja de São José, em frente à Praça Caio Prado (da Sé), que levou 30 anos para ser construída e quando inaugurada ainda não estava pronta.

1854 – agosto – 15 – Funda-se em Fortaleza a Casa Vilar, iniciativa do comerciante João da Silva Vilar, que ocupa todo o quarteirão da Rua São Paulo entre a Rua Major Facundo nº 72 (antigo, atual 336) e Rua Barão do Rio Branco até novembro de 1959 quando, já pertencendo à firma J. Torquato & Companhia Ltda., mudou-se para outro prédio na Rua Barão do Rio Branco, onde demorou pouco, fechando em seguida.

1854 – setembro – 10 – Sai a Lei nº 781, que reformou a Secretaria de Polícia do Ceará, criada em 31/01/1842.

1854 – outubro – 28 – Criação da Banda de Música da Força Policial (hoje Banda de Música da Polícia Militar do Ceará), pelo presidente Pires da Mota, pela lei nº 688.

1854 – dezembro – 24 – inaugara-se a Igreja de São Bernardo, na esquina da Rua Senador Pompeu com Rua Pedro Pereira, construída pelo engenheiro militar Bernardo José de Melo.

1854 – As chuvas caídas em Fortaleza durante o ano mediram 1.569 milímetros.

 

1855

1855 – abril – 12 – Assume o cargo de Chefe de Polícia em Fortaleza o conselheiro Vicente Alves de Paula Pessoa.

1855 – abril – 26 – A Chefia de Polícia sofre mudança quando assume Domingos José Nogueira Jaguaribe, responsável pela criação da primeira escola que funcionou na Cadeia de Fortaleza, onde os alunos eram os presos.

1855 – maio – 19 – Demolido o Paiol de Pólvora que ficava em frente ao canto esquerdo da Santa Casa de Misericórdia, construído em 1817.

1855 – julho – 14 – Toma posse novamente como Chefe de Polícia, o conselheiro Vicente Alves de Paula Pessoa.

1855 – outubro – 11 – Assume o governo da Província o vice-presidente coronel José Antônio Machado.

1855 – outubro – 13 – Francisco Xavier Pais Barreto toma posse no cargo de Presidente do Ceará, nomeado em 15/09/1855, em cuja administração foram colocados os primeiros calçamentos. Os primeiros calçamentos foram feitos com pedras toscas vindas do Mucuripe, eram a grês ferruginosa. As pedras poliédricas das serras de Maranguape e Tabatinga também foram usadas a partir da grande seca de 1877-1879. O meio-fio ou fio de pedra nas calçadas foi usado a partir de 1921. O paralelepípedo foi usado pela primeira vez em 1933, época em que foi também usado pela primeira vez o concreto como pavimentação.

1855 – outubro – 17 – Muda o Chefe de Polícia quando assume o cargo o conselheiro Raimundo Ferreira de Araújo Lima.

1855 – Ano em que se inaugura a Fundição Cearense, no então Boulevard Benfica nº 785 (Depois Boulevard Visconde de Cauípe e hoje Avenida da Universidade) hoje nº 2513, no Benfica. Na época deveria ser campo aberto sem rua definida. Hoje há no local uma outra firma. Pertencia a João Gurgel Nogueira.

1855 – Foram medidos 1.076 milímetros nas amostras de chuva em Fortaleza durante o ano.

 

1856

1856 – janeiro – 26 – O advogado Herculano Antônio Pereira da Cunha assume a Chefia de Polícia.

1856 – janeiro – 27 – Chega em Fortaleza, no vapor Marquês de Olinda, o engenheiro civil pernambucano Adolfo Herbster, que foi arquiteto da Câmara.

1856 – fevereiro – 06 – Assume a Chefia de Polícia o juiz de direito Francisco Gonçalves da Rocha, pernambucano.

1856 – março – 07 – Conclui-se o edifício do Lazareto da Lagoa Funda, a cerca de três quilômetros a noroeste da cidade, no Jacarecanga.

1856 – abril – 09 – Assume a presidência da Província o vice, coronel Joaquim Mendes da Cruz Guimarães.

1856 – maio – 10 – Assume o governo da Província o vice Herculano Antônio Pereira da Cunha, que estava no cargo de Chefe de Polícia.

1856 – maio – 10 – Assume a Chefia de Polícia, o conselheiro Vicente Alves de Paula Pessoa, em substituição a Herculano Antônio Pereira da Cunha.

1856 – maio – Sai o primeiro número do jornal O Comercial, semanário de Francisco Luís de Vasconcelos, impresso na Tipografia Brasiliense, na Rua Formosa (Rua Barão do Rio Branco). Saía às Quintas-feiras. Transformaria-se depois na Gazeta Oficial.

1856 – junho – 14 – Ao tempo de Antônio Rodrigues Ferreira de Macedo (Boticário Ferreira) na presidência da Câmara Municipal, o padre Manuel do Rego Medeiros faz uma planta da cidade de Fortaleza.

1856 – julho – 06 – Passa a responder pelo expediente da Chefia de Polícia o coronel Manuel Félix de Azevedo e Sá.

1856 – agosto – 05 – Criado em Fortaleza, pela Resolução Provincial nº 759, o Colégio dos Educandos Artífices.

1856 – agosto – 19 – Surge o primeiro número do jornal semanário O Sol, literário e político, fundado por Pedro Pereira da Silva Guimarães.

1856 – setembro – 04 – Toma posse no cargo de Chefe de Polícia o proprietário Antônio Joaquim de Oliveira Júnior.

1856 – setembro – 15 – Assume novamente o cargo de Chefe de Polícia o coronel Manuel Félix de Azevedo e Sá.

1856 – setembro – 25 – Está novamente à frente da Chefia de Polícia o juiz Francisco Gonçalves da Rocha.

1856 – outubro – 11 – Reassume o presidente da Província do Ceará, Francisco Xavier Paes Barreto.

1856 – outubro – 17 – Mais uma vez ocupa o cargo de Chefe de Polícia o coronel Manuel Félix de Azevedo e Sá.

1856 – outubro – 25 – Iniciam-se as obras de construção do prédio da Assembleia Provincial (Assembleia Legislativa), onde hoje está o Museu do Ceará. Havia uma igreja no mesmo local, mas foi demolida 34 anos antes. É o quadrilátero entre a Rua São Paulo (frente principal), Rua General Bezerril, Rua Floriano Peixoto e Travessa Morada Nova, planta do engenheiro Adolfo Herbster, e sua inauguração deu-se em março de 1871. O prédio seria para instalação da Assembleia e do Liceu.

1856 – novembro – 08 – Chega, à Cadeia Pública de Fortaleza Maria Francisca de Paula Lessa (Marica Lessa), acusada de haver mandado matar o marido, coronel Domingos Vítor de Abreu Vasconcelos, na Vila de Campo maior, Quixeramobim, crime que foi romanceado pelo escritor Manuel de Oliveira Paiva no seu livro Dona Guidinha do Poço.

1856 – As chuvas caídas sobre Fortaleza somaram nas medições meteorológicas um total de 1.760 milímetros durante todo o ano.

 

1857

1857 – janeiro – 10 – Toma posse na função de Chefe de Polícia, o advogado e político Abílio José Tavares da Silva.

1857 – fevereiro – 11 – A Fortaleza de Nossa Senhora da Assunção passou à categoria das fortificações de 2ª classe.

1857 – fevereiro – Tem início a colocação de calçamento nas ruas de Fortaleza por ordem do presidente conselheiro Paes Barreto.

1857 – março – 09 – Assume o comando da Força Policial (atual Polícia Militar do Ceará), o capitão FP Joaquim Antão da Fonseca Braga em substituição ao capitão do Exército Luís Xavier Torres.

1857 – março – 10 – Inaugura-se o Colégio de Educandos de Fortaleza, com apenas 10 alunos, depois se transformaria no Colégio da Imaculada Conceição.

1857 – março – 26 – O presidente Paes Barreto passa o governo ao vice-presidente Joaquim Mendes da Cruz Guimarães.

1857 – março – 30 – Assume o comando da Força Policial (atual Polícia Militar do Ceará) o capitão do Exército Manuel Moreira da Rocha substituindo o capitão FP Joaquim Antão da Fonseca Braga.

1857 – maio – 09 – Assume o comando da Força Policial (atual Polícia Militar do Ceará), o capitão da Guarda Nacional, José Fernandes de Araújo Viana, em substituição ao capitão do Exército Manuel Moreira da Rocha.

1857 – junho – 16 – Publica-se em Fortaleza o periódico religioso bi-mensal, O Cyrineu., impresso na Tipografia Braziliense, de Francisco Luís. Era redator o padre José Ferreira Lima Sucupira.

1857 – junho – 21 – Inaugurado o Trapiche de Desembarque, mandado construir em virtude da Lei nº 628 de 17/09/1851.

1857 – julho – 07 – Em virtude de epidemia de varíola, é criada a Enfermaria da Cadeia de Fortaleza, na gestão do Chefe de Polícia Abílio José Tavares da Silva.

1857 – julho – 11 – Criada a Capitania do Porto do Ceará, pelo Decreto nº 1.944, depois pluralizada para Capitania dos Portos do Ceará, sendo o primeiro Capitão do Porto, o capitão de fragata Antônio José Ferreira, que assumiu o cargo no dia 24 de novembro do mesmo ano.

1857 – julho – 27 – Toma posse como Presidente da Província, João Silveira de Souza, nomeado em 06/06/1857. Foi o 22º presidente da província.

1857 – agosto – 29 – O primeiro delegado Antônio Joaquim de Oliveira Júnior assume interinamente o cargo de Chefe de Polícia.

1857 – outubro – 02 – Criada a Repartição das Obras Públicas, depois (1927) Repartição das Obras Públicas, Água e Esgotos e por fim (1930) Diretoria Geral de Viação e Obras Públicas – DVOP.

1857 – novembro – 24 – Toma posse, no cargo de Capitão do Porto do Ceará, o capitão de fragata Antônio José Ferreira, que ficaria até 1863, e foi o primeiro a ocupar o cargo.

1857 – Concluído o edifício do Hospital de Caridade (Santa Casa), sendo posto em funcionamento com alguns índios enfermos, mas por falta de condições foi fechado pelo presidente que assumira o governo, João Silveira de Sousa. Foi o primeiro hospital de Fortaleza.

1857 – Em todo o ano Fortaleza foi banhada por chuvas que tiveram a medição de 1.746 milímetros.

 

1858

1858 – fevereiro – 03 – Assume o cargo de Chefe de Polícia o delegado Manuel de Sousa Garcia, que passa o cargo, no dia seguinte, ao coronel Manuel Félix de Azevedo e Sá.

1858 – fevereiro – 16 – Fortaleza tem novo Chefe de Polícia, quando assume Antônio Joaquim de Oliveira Júnior.

1858 – fevereiro – 24 – Assume o cargo de Chefe de Polícia o jurista Miguel Joaquim Aires do Nascimento.

1858 – março – 11 – Morre em Pernambuco Joaquim Vilela de Castro Tavares, que governou a Província do Ceará de 28/04/1853 a 20/02/1854.

1858 – outubro – 07 – Toma posse como Presidente do Ceará no dia sete de outubro de 1858, o Antônio Marcelino Nunes Gonçalves.

1858 – Muda neste ano a administração do Correio, assumindo Gustavo Gurgulino de Sousa, substituindo a Manuel Caetano Nunes Pinto.

1858 – Fortaleza durante todo o ano de 1858 recebeu precipitações de chuvas que mediram 1.305 milímetros.

 

1859

1859 – janeiro – 22 – Publicado o primeiro número do jornal A Semana, semanário literário, industrial, noticioso e comercial, impresso na Tipografia Brasiliense.

1859 – fevereiro – 04 – Desembarca em Fortaleza, vinda no paquete “Tocantins”, a Comissão Científica de Exploração, composta por Francisco Freire Alemão, presidente; Manuel Ferreira Lagos, chefe da Seção de Zoologia; Guilherme Schuch de Capanema, chefe da Seção Geológica e Mineralógica; Giácomo Raja Gabaglia, chefe da Seção de Astronomia; poeta Antônio Gonçalves Dias, chefe da Seção Antropológica; Joaquim José dos Reis Carvalho, professor de desenho da Escola da Marinha – autor do desenho que ilustra a capa deste trabalho – e outros, apelidada, “Comissão das Borboletas”, que tinha por missão estudar as causas das secas a fim de que fossem corrigidos seus efeitos. Uma das resoluções da comissão foi trazer da Argélia 14 dromedários para uso em nossos “desertos”. Em Fortaleza ficaram hospedados no sobrado do Comendador Machado, na Praça do Ferreira, no local onde hoje se levanta o Excelsior Hotel”.

1859 – abril – 29 – Falece, em Fortaleza, às 21h, o farmacêutico prático (boticário) Antônio Rodrigues Ferreira de Macedo (Boticário Ferreira), ex-vereador, ex-intendente, vítima de asfixia lenta devida à aneurisma da aorta pectoral. É o Patrono da principal praça de Fortaleza, a Praça do Ferreira. Foi sepultado no antigo Cemitério de São Casemiro (do Croatá). Nascera na Vila Real da Praia Grande, hoje Niterói, Rio de Janeiro.

1859 – abril – O primeiro levantamento preciso da cidade aparece em planta levantada pelo engenheiro Adolfo Herbster com o nome de “Planta Exacta da Capital do Ceará – abril de 1859”, feita com o auxílio de instrumentos topográficos.

1859 – maio – 16 – A Câmara Municipal dá o nome de Praça do Ferreira a Praça Municipal, onde morava o Boticário Antônio Rodrigues Ferreira de Macedo (Boticário Ferreira).

1859 – junho – 29 – Inaugurado o observatório astronômico da Comissão Científica de Exploração, que tinha à frente o astrônomo Giácomo Raja Gabaglia, chefe da Seção de Astronomia da referida comissão, localizado no Morro do Croatá.

1859 – julho – 24 – Chegam, procedentes da Argélia, a bordo da barca francesa “Splendide”, 14 dromedários, acompanhados de quatro beduínos. Foram adquiridos pelo governo imperial, tendo saído de Argel no dia 21/06/1859.

1859 – agosto – 15 – Morre, em Baturité, aos 43 anos de idade, o magistrado Manuel Teófilo Gaspar de Oliveira, que foi presidente do Poder Legislativo em 1852. Nascera em 17/03/1816.

1859 – agosto – 22 – O então presidente José Liberato Barroso assina contrato para iluminação pública de Fortaleza, a gás, com a firma Joaquim Cunha Freira & Irmão, contrato aprovado pela Lei nº 918 de 13/09/1859; Em 1864 outro contrato é assinado com o mesmo intuito, por gás hidrogêneo-carbonado. Os contratantes passam o privilégio para a firma Ceará Gás Company Ltd., sediada em Londres, no ano seguinte e em 17/09/1867 foi inaugurada a iluminação parcial da cidade. A iluminação elétrica iniciou suas experiências em 10/10/1933 e inaugurou-se no dia 08/12/1934. Mas a era do gás em Fortaleza terminou definitivamente no dia 25/10/1935 quando o último lampião foi apagado. A Ceará Gás tinha escritório na Rua Formosa nº 50 (antigo).

1859 – setembro – 12 – Aprovada por lei sancionada pelo presidente João Silveira de Sousa a nova planta da cidade de Fortaleza organizada pelo engenheiro Adolfo Herbster.

1859 – setembro – 15 – O vice-presidente Joaquim Mendes da Cruz Guimarães assume o governo da Província.

1859 – outubro – 05 – Instala-se a loja maçônica Fraternidade Cearense, sob o comando do venerável José Domingues do Couto. A loja fechou em 1905.

1859 – outubro – 07 – Antônio Marcelino Nunes Gonçalves, Visconde de São Luís do Maranhão, assume a Presidência do Ceará, para a qual fora nomeado em 04/07/1859.

1859 – novembro – 16 – Assume o cargo de Chefe de Polícia, o jurista Antônio de Brito de Sousa Gaioso.

1859 – A cidade de Fortaleza tinha neste ano uma população de, aproximadamente, 16 mil habitantes.

1859 – As chuvas caídas sobre Fortaleza somaram em todo o ano, nas amostragens meteorológicas, um total de 1.760 milímetros.

 

1860

1860 – fevereiro – 01 – Morre, em Angra dos Reis, RJ, aos 47 anos de idade, Casimiro José de Moraes Sarmento, antigo presidente da Província do Ceará.

1860 – fevereiro – 19, 20 e 21 – Ocorre o carnaval com préstitos pelas ruas de Fortaleza.

1860 – março – 15 – Morre, no Rio de Janeiro, com 65 anos de idade, o senador padre José Martiniano Pereira de Alencar (Senador Alencar), que presidiu por duas vezes a Província do Ceará. Era pai do escritor José de Alencar. Nascera no Sítio Lambedor, Barbalha, em 16/10/1794.

1860 – abril – 06 – Ganha o nome de Boulevard Duque de Caxias (hoje Avenida Duque de Caxias), a via antes denominada Rua Pedro I, que limitava a parte construída da Cidade.

1860 – abril – 21 – A Tesouraria da Fazenda adquiriu nesta data e posteriormente – em 1892 – fez entrega ao Episcopado, o Palácio do Bispo, na Rua São José. A casa fora construída no Século XIX pelo comerciante Antônio Francisco da Silva que a vendeu ao coronel Joaquim Mendes da Cruz Guimarães que por sua vez vendeu à Tesouraria da Fazenda. Posteriormente passou para o Bispado de Fortaleza e por fim veio parar nas mãos da Municipalidade, chamando-se hoje Palácio João Brígido e hoje é ocupado pelo pelo Paço Municipal.

1860 – junho – 23 – Criação da Caixa Filial do Banco do Brasil em Fortaleza, pelo decreto nº 2.604 que publica seus estatutos, mas sua instalação só aconteceria em 1913.

1860 – julho – 25 – O Presidente da Província cria o Termo Judiciário de Maranguape, da Comarca de Fortaleza.

1860 – agosto – 04 – Criada a Irmandade da Misericórdia pela Lei provincial nº 928, do presidente da Província Antônio Marcelino Nunes Gonçalves para administrar o Hospital que a partir de sua instalação passou a denominar-se Santa Casa de Misericórdia. Instalou-se em 14/03/1861 em virtude do Regulamento de 14/09/1847 e mandada começar sua construção pelo presidente Inácio Corrêa de Vasconcelos em 1847 sob o nome de Hospital de Caridade com os restos das esmolas conseguidas para as vítimas da seca de 1845. Em 1848 os trabalhos foram suspensos recomeçando no ano seguinte. A partir de 1854 a obra esteve em andamento graças ao cidadão Antônio Rodrigues Ferreira de Macedo, o Boticário. Toda a obra foi feita com recursos oriundos de ajuda da população e em 1857 o prédio ficou concluído. O prédio era somente a parte térrea. A Lei citada autorizou a presidência instalar a Irmandade da Misericórdia, a cujo cargo deveria ficar a administração do hospital. A Lei nº 1009 de 19/09/1861 mudou o nome de Hospital de Caridade para Santa Casa de Misericórdia. Em 1922 iniciaram-se as obras de reforma do prédio da Santa Casa, que passou a ter dois pavimentos. O prédio atual é projeto do arquiteto italiano P. Fiorillo. Desde o início até hoje a Santa Casa de Misericórdia tem vivido sempre com muita dificuldade e com a ajuda de toda a sociedade através de vários tipos de campanhas.

1860 – outubro – 07 – Assume o comando da Força Policial (atual Polícia Militar do Ceará), o capitão FP Antônio Maria de Castro que substitui o capitão da Guarda Nacional, José Fernandes de Araújo Viana.

1860 – outubro – 18 – Toma posse, no cargo de Chefe de Polícia, José Antônio Rodrigues.

1860 – Fortaleza tinha neste ano 35.373 habitantes, sendo 17.062 homens e 15.450 mulheres livres e 1.767 homens e 1.094 mulheres escravos, existindo apenas 71 eleitores.

1860 – As chuvas caídas em Fortaleza durante o ano, nas amostragens colhidas pelos pluviômetros das estações meteorológicas, mediram 1.753 milímetros.

 

1861

1861 – março – 18 – Toma posse, na Chefia de Polícia, o conselheiro Francisco de Faria Lemos.

1861 – abril – 09 – Assume a presidência da Província, o vice-presidente, cônego Antônio Pinto de Mendonça.

1861 – abril – 17 – Surge, em Fortaleza, o jornal A América, de propriedade de Manuel Soares da Silva Bezerra, impresso na Tipografia Social de Odorico Colas. Saía às quartas-feiras.

1861 – maio – 06 – Toma posse, na Presidência do Ceará, Manuel Antônio Duarte de Azevedo, bacharel em Direito, nomeado em 20/03/1861.

1861 – maio – 06 – Assume, o cargo de Chefe de Polícia, o conselheiro Francisco de Faria Lemos.

1861 – maio – 17 – Circula o primeiro número de A Fortaleza, impresso na Tipografia Social por Israel Bezerra de Menezes. Foi o primeiro periódico católico. Barão de Studart dá como de 17/05/1862.

1861 – junho – 16 – A instalação do Bispado do Ceará deu-se nesta data, quando na Catedral toma posse Dom Luís Antônio dos Santos, por procuração, substituindo-o na solenidade o revmo. Cônego Antônio Pinto de Mendonça. Dom Luís chegaria somente em setembro.

1861 – julho – 21 – Morre, no Rio de Janeiro, o senador Antônio José Machado, cearense de Fortaleza nascido em 14/10/1809 que foi Chefe de Polícia do Ceará por duas vezes. Foi deputado provincial e geral e senador do Império.

1861 – agosto – 01 – Sai, às ruas de Fortaleza, o primeiro número do jornal semanário O Monge, impresso na Tipografia Pedro II.

1861 – setembro – 19 – Chega em Fortaleza o primeiro bispo do Ceará, Dom Luís Antônio dos Santos. Com sua posse passou a antiga Matriz à Catedral. Pela Lei geral nº 693 de 18/08/1853 foi impetrado pelo governo Imperial ao Santo Padre uma Bula criando os bispados de Minas e do Ceará. Até então o do Ceará era subordinado ao do Maranhão e depois ao de Pernambuco. O desmembramento se deu pela Bula “Pro animarum salute” de 08/07/1854, do Papa Pio XI, sendo escolhido para ocupar o Bispado do Ceará o padre João Quirino Gomes que não aceitou. Foi então escolhido em 31/01/1859, e confirmado em 28/09/1861, Dom Luís Antônio dos Santos, que foi o primeiro bispo do Ceará, Marquês do Monte Pascoal e Arcebispo Primaz do Brasil. Era fluminense de Angra dos Reis.

1861 – outubro – 31 – Primeira eleição para deputados gerais, quando são eleitos Meton da Franca Alencar, José Pompeu de Albuquerque Cavalcante, Antônio Joaquim Rodrigues Júnior, Leandro Chaves de Melo Ratisbona (Dr. Ratisbona), Paulino Franklin do Amaral (Barão de Canindé), Álvaro Caminha Tavares da Silva, Tomás Pompeu de Sousa Brasil Filho, e Antônio Pinto de Mendonça.

1861 – novembro – 02 – Morre, na Corte, onde era senador do Império, o desembargador aposentado, João Antônio de Miranda, ex-presidente da Província do Ceará.

1861 – Os pluviômetros que mediram as chuvas caídas em Fortaleza durante todo o ano acusaram 1.408 milímetros.

1862

1862 – fevereiro – 12 – Toma posse na chefia do governo da Província do Ceará o 4º vice-presidente coronel José Antônio Machado.

1862 – março – 07 – Publicado em Fortaleza, impresso na Tipografia Brasileira, de Paiva & Companhia, o jornal O Artista, que saía às sextas-feiras, impresso por João Evangelista.

1862 – abril – 05 – Declara-se o cólera-morbus em Fortaleza, de onde se propaga para o Maranguape e Pacatuba. Veio da Paraíba entrando no Ceará pelo Icó.

1862 – abril – 09 – Assume o cargo de Senador da Província, o magistrado Miguel Fernandes Vieira, ex-Chefe de Polícia e ex-presidente do Poder Legislativo por duas legislaturas. Era filho do Visconde do Icó.

1862 – maio – 05 – Toma posse o bacharel José Bento da Cunha e Figueiredo Júnior na Presidência da Província, para a qual fora nomeado em 09/04/1862.

1862 – julho – 09 – Morre, em Fortaleza, aos 78 anos de idade, sendo sepultado no Cemitério de São Casemiro, Francisco Fernandes Vieira (pai) (Barão e Visconde do Icó), nascido em Saboeiro em 20/05/1784.

1862 – julho – 13 – Morre, aos 74 anos de idade, vítima do cólera-morbus, o poeta, cônego Antônio de Castro e Silva, em Arronches (Parangaba). Era sobralense nascido a 21/12/1787.

1862 – julho – 16 – Publicado, em Fortaleza, o jornal Gazeta Oficial, substituindo o Comercial, saindo às quartas-feiras e sábados, propriedade de Francisco Luís de Vasconcelos. Depois seria a Gazeta Oficial do Ceará.

1862 – agosto – 06 – Morre, no Rio de Janeiro, aos 46 anos de idade, o magistrado Miguel Fernandes Vieira, ex-Chefe de Polícia e ex-presidente do Poder Legislativo por duas legislaturas. Era cearense de Saboeiro onde nascera a 13/01/1816. Era filho do Visconde do Icó.

1862 – agosto – 16 – Morre, em Fortaleza, às 14h, aos 78 anos de idade, o padre Pedro Antunes de Alencar Rodovalho, nascido em Exu, Pernambuco, em 1784. Foi vigário de Maranguape e de Messejana.

1862 – novembro – 27 – Pela resolução nº 1.023 foi concedido a José Paulino Hoonholtz o privilégio de explorar por 50 anos o fornecimento de água em canecos, oriunda do Benfica, obrigando-se a instalar no mínimo quatro chafarizes na cidade. O mesmo contrato mandava fechar todas as cacimbas (poços) residenciais. No ano seguinte Hoonholtz transfere a concessão para a Ceará Water Company, de Londres, mas não funcionou. No dia 26/03/1867 inaugurou-se esse serviço. Só em 1911 o presidente do Estado inicia trabalhos de encanamento para água com duas caixas d’água na Praça Visconde de Pelotas (atual Praça Clóvis Beviláqua), mas em janeiro de 1912 o governador é deposto e as obras suspensas até 1922, quando novo presidente retoma as obras, que são finalmente terminadas e inauguradas em 1926.

1862 – As chuvas caídas sobre Fortaleza durante este ano acusaram um total de 1.466 milímetros.

 

1863

1863 – janeiro – 08 – Fundado o Ateneu Cearense, por João de Araújo Costa Mendes e Manuel Teófilo da Costa Mendes, irmãos, oriundos de Boa Viagem, na Praça do Ferreira.

1863 – março – 06 – Toma posse, no posto de Capitão do Porto do Ceará, o capitão de fragata Achiles Lacombe, em substituição a Antônio José Ferreira, que foi o primeiro a ocupar o cargo.

1863 – abril – 27 – Morre o escrivão do júri de Fortaleza Manuel Eugênio de Sousa, ex-secretário da Assembleia, capitão da Guarda Nacional, piauiense.

1863 – maio – 05 – A Presidência da Província tem novo nome à sua frente, José Bento da Cunha Figueiredo Júnior, que tomou posse nesta data.

1863 – fevereiro – 12 – o observatório astronômico deixado pela Comissão Científica Exploradora, já depredado e saqueado, é leiloado, e como não foi arrematado, o presidente José Bento da Cunha Figueiredo Júnior mandou desmontá-lo e recolher as peças para o depósito de obras públicas.

1863 – junho – 29 – Publicado, em Fortaleza, o jornal A Liberdade, político, literário e crítico, dirigido pelo Padre Alexandre Francisco Cerbelon Verdeixa (Padre Verdeixa), que era publicado duas vezes por semana.

1863 – julho – 17 – Sai às ruas de Fortaleza o jornal O Artilheiro, de Suitberto Padilha, impresso na Tipografia da Liberdade.

1863 – julho – 24 – Assume a administração do Correio, em substituição a Gustavo Gurgulino de Sousa, Francisco Irineu de Araújo.

1863 – agosto – 15 – Publicado, em Fortaleza, o jornal Gazeta Oficial do Ceará, que substitui a Gazeta Oficial, propriedade de Francisco Luís de Vasconcelos.

1863 – setembro – 24 – Sai o primeiro número do jornal A Constituição do Partido Conservador, sob direção de Domingos José Nogueira Jaguaribe. Saía uma vez por semana até 1865 quando passou a ser diário.

1863 – novembro – 17 – Deixa o cargo de Capitão do Porto do Ceará, o capitão de fragata Achilles Lacombe, passando a responder interinamente no cargo, o secretário Marcos Apolônio da Silva, que no dia 1º de dezembro do mesmo ano entrega ao novo titular, o capitão de fragata João Batista de Oliveira.

1863 – Os pluviômetros acusaram, durante todo o ano, 1.430 milímetros nas medições das chuvas caídas em Fortaleza.

 

1864

1864 – fevereiro – 19 – José Bento da Cunha Figueiredo Júnior passa o governo da Província ao 1º vice Presidente José Antônio Machado, que no dia 29 entrega ao 2º vice-presidente, Vicente Alves de Paula Pessoa.

1864 – abril – 04 – Assume a Presidência da Província do Ceará, o conselheiro Lafayette Rodrigues Pereira, mineiro, nomeado em 23 /01/1864.

1864 – abril – 17 – Toma posse, no cargo de Chefe de Polícia, o juiz Antônio Joaquim Buarque de Nazaré.

1864 – maio – 30 – Morre, vítima de colapso cardíaco, em Fortaleza, o inspetor da Alfândega, ex-tenente coronel da Guarda Nacional Luís Vieira da Costa Delgado Perdigão, fortalezense nascido em 1808.

1864 – outubro – 07 – Assume, o comando da Força Policial (atual Polícia Militar do Ceará), o tenente da Guarda Nacional, Iricleo Narbal Pamplona que substitui o capitão FP Antônio Maria de Castro.

1864 – outubro – 18 – Instalou-se, quando era bispo Dom Luís Antônio dos Santos, o bispo do Ceará e que foi o seu primeiro Reitor, o Seminário Diocesano ou Seminário Episcopal, criado pela lei nº 1.144 de 27/09/1864. Pela Lei nº 1.140 de 27/09/1860, foi autorizada a criação. O primeiro prédio a abrigar o Seminário foi o do atual Colégio da Imaculada Conceição, então Colégio das Órfãs. Estavam sendo construídos o prédio do Seminário e a Igreja de Nossa Senhora da Conceição da Prainha. Quando ficou concluído o prédio da Prainha o Seminário transferiu-se. Foi confiada administração aos padres lazaristas, sendo seu primeiro reitor o Padre Pierre Auguste Chevalier, que ali permaneceu por quase 20 anos.

1864 – novembro – 26 – A Escola de Aprendizes Marinheiros do Ceará é criada pelo decreto nº 3.347 assinado pelo então ministro da Marinha Francisco Xavier Pinto Lima e pelo Imperador D. Pedro II, com o nome de Companhia de Aprendizes Marinheiros. Sua instalação deu-se a 31/03/1865 na Rua da Praia (Pessoa Anta) em casas pertencentes ao Barão de Ibiapaba. Depois se mudou para a Avenida Alberto Nepomuceno. Em 1908 foi para o Jacarecanga, no local onde hoje se encontra. Foi extinta pelo decreto 20.607 de 05/11/1931, sendo restaurada em 1940.

1864 – dezembro – 31 – Assume como Chefe de Polícia o procurador João Francisco Sampaio.

1864 – Iniciada a construção do Passeio Público no Largo da Fortaleza ou Campo da Pólvora, que era a primeira praça da povoação, na gestão do presidente da Província Fausto Augusto de Aguiar, compreendendo três planos, destinados às classes rica, média e pobre;o atual e outros dois mais abaixo, hoje tomados pela Avenida Marechal Castelo Branco (Avenida Leste-Oeste). O Passeio Público já foi Campo da Pólvora, Largo da Fortaleza, Largo do Paiol, Largo do Hospital de Caridade, Praça da Misericórdia e, a partir de 03/01/1879, Praça dos Mártires. Por volta de 1879 as duas praças mais baixas foram desativadas e a atual foi dividida em três setores com a mesma finalidade, ficando os ricos com a avenida do lado da praia, a classe média com a do lado da Rua Dr. João Moreira e os pobres com a central. Foi nesta época que o passeio recebeu as bonitas grades de ferro que o rodeavam e que foram retiradas em 1939 e recentemente feitas novas de acordo com as antigas. O nome de Praça dos Mártires é uma homenagem aos heróis tombados ali, pertencentes ao movimento República do Equador, que foram arcabuzados: João de Andrade Pessoa Anta, tenente-coronel Francisco Miguel Pereira Ibiapina, padre Gonçalo Inácio de Loiola Albuquerque e Melo Mororó, tenente de milícias Luís Inácio de Azevedo e o tenente-coronel Feliciano José da Silva Carapinima.

1864 – As chuvas caídas sobre Fortaleza tiveram uma medição de 1.097 milímetros durante todo o ano.

 

1865

1865 – janeiro – 02 – Morre, em luta no Uruguai, na Tomada de Paissandu, o cearense nascido às margens do Rio Mossoró – quando este era a divisória entre o Ceará e o Rio Grande do Norte – Alexandre Baraúna Mossoró, que era soldado da 5ª Companhia do 3º Batalhão de Infantaria do Exército Brasileiro. Existe hoje uma rua com seu nome em Fortaleza.

1865 – janeiro – 10 – Assume a Chefia de Polícia o jornalista e militar José Nunes de Melo.

1865 – janeiro – 28 – Israel Bezerra de Menezes apresenta-se como voluntário à Guerra do Paraguai, após tomar conhecimento da declaração de guerra publicada no Jornal do Comércio, sendo o primeiro voluntário.

1865 – fevereiro – 26 – O primeiro tenente Carlos Ramel assume o comando da Companhia de Aprendizes Marinheiros, hoje Escola de Aprendizes Marinheiros do Ceará, antes mesmo de sua instalação, que se deu em 31/03/1865 em casa na Rua da Praia (Avenida Pessoa Anta), de propriedade do Barão de Ibiapaba.

1865 – março – 31 – Instala-se, em casas de propriedade de Joaquim da Cunha Freire (Barão de Ibiapaba), na Rua da Praia (Avenida Pessoa Anta), a Escola de Aprendizes Marinheiros – EAM, criada em 26/11/1864.

1865 – março – A partir deste mês as casas de Fortaleza passam a ter numeração. Até então as indicações eram de referências a vizinhos famosos, casas onde tinham nascido pessoas conhecidas, cor da fachada, árvores em frente, etc.

1865 – abril – 06 – Embarca no vapor Jaguaribe o primeiro corpo de Voluntários da Pátria, num total de 466 praças, comandados pelo coronel da Guarda Nacional José Nunes de Melo, com destino à campanha da Guerra do Paraguai. Entre eles o primeiro voluntário, Israel Bezerra de Menezes.

1865 – abril – 13 – Segue no vapor Tocantins tropa da Força Policial formada por 170 praças e 9 oficiais, sob o comando do major José Fernandes de Araújo Viana rumo à Campanha do Paraguai.

1865 – maio – 20 – o vapor Cruzeiro do Sul parte rumo ao sul com mais 200 voluntários da Pátria.

1865 – junho – 10 – Assume o comando da Província, Francisco Inácio Marcondes Homem de Melo (Barão Homem de Melo), paulista de Pindamonhangaba, nomeado no dia 08/04/1865.

1865 – julho – 01 – Inaugurada a Capela de São Francisco de Paula, na Avenida Bezerra de Menezes nº2590, na Vila Góis, mandada erigir por Antônio Francisco de Góes e sua esposa Angelina Castro Góes, cumprindo uma promessa quando nenhum membro de sua família morreu durante quando grassou o cólera. Posteriormente a capela foi reformada.

1865 – julho – 13 – Assume o cargo de Chefe de Polícia, o capitão Francisco Manuel Alves.

1865 – julho – 18 – Assume a Chefia de Polícia, o comendador Joaquim Jorge dos Santos, baiano de Salvador.

1865 – agosto – 03 – O primeiro Código de Obras e Posturas da Câmara Municipal é aprovado pelo presidente da Província através da Resolução nº 1162. O Código, entre outras coisas, aprovava o sistema métrico decimal, sendo Fortaleza a primeira cidade brasileira onde foi operada essa substituição sem o menor constrangimento por parte da população.

1865 – agosto – 15 – Deu-se a instalação do Colégio da Imaculada Conceição, administrado por Irmãs de Caridade.

1865 – setembro – 08 – Fundada, quando era diretor da Instrução o monsenhor Hipólito Gomes Brasil, a Biblioteca Provincial do Ceará (Biblioteca Pública), que seria inaugurada em 25/03/1867.

1865 – outubro – 02 – Embarcam mais 211 praças e 12 oficiais no vapor Paraná, para combater no Paraguai.

1865 – outubro – 11 – Morre, no Rio de Janeiro, aos 51 anos de idade, o político e jornalista Frederico Augusto Pamplona (Frederico Pamplona), Aracatiense nascido em 1814.

1865 – outubro – 27 – Vão mais 160 soldados e 8 oficiais com destino ao conflito com o Paraguai.

1865 – As chuvas caídas sobre Fortaleza durante todo o ano foram medidas nos pluviômetros das estações meteorológicas, constatando-se um índice de 1.233 milímetros.

1865 – Este ano esteve em Fortaleza o casal de naturalistas Jean Louis Rodolphe Agassiz e sua esposa Elisabeth Cabot Cary que ficou conhecida por Elisabeth Agassiz.

1865 – A cidade de Fortaleza tinha uma população de 19.264 habitantes.

 

1866

1866 – abril – 05 – Bênção do Cemitério de São João Batista, construído no local conhecido por Tijubana, que substituiu o Cemitério de São Casemiro.

1866 – abril – 08 – A Associação de Instruções Religiosas de Fortaleza lança o primeiro número de seu jornal Tribuna Católica, impresso na Tipografia Industrial.

1866 – abril – 13 – Surge a Associação Comercial do Ceará, presidida por Henrique Kalkmann.

1866 – maio – 24 – Acontece a Batalha de Tuiuti, no conflito contra o Paraguai, onde 21.000 brasileiros comandados por Osório, entre eles o nosso Antônio de Sampaio (General Sampaio), que foi mortalmente ferido. No cômputo geral os paraguaios foram derrotados.

1866 – maio – 27 – Vai às ruas o primeiro número do jornal literário Aurora Cearense, de oito páginas, impresso na Tipografia Aurora Cearense.

1866 – julho – 06 – Falece, a bordo do navio Eponina, próximo a Buenos Ayres, vítima de um ferimento recebido na batalha de 24 de maio, o brigadeiro Antônio de Sampaio (General Sampaio). Em sua homenagem existe em Fortaleza a Rua General Sampaio e a Rua 24 de Maio, data em que ele foi ferido mortalmente.

1866 – agosto – 25 – Morre, em Fortaleza, José Antônio da Silva Viana, doutor em Medicina pela Academia do Rio de Janeiro, natural de Maranguape, onde nascera a 15/08/1842.

1866 – setembro – 28 – Assume o novo Chefe de Polícia, advogado José Venceslau Marques da Cruz.

1866 – outubro – 09 – Chega o material para montagem do gasômetro que fornecerá gás para iluminação da cidade.

1866 – novembro – 06 – Toma posse no cargo de Presidente da Província do Ceará, o tenente-coronel de engenharia João de Sousa Melo e Alvim, catarinense, nomeado a 22/09/1866.

1866 – novembro – 15 – Morre, em Fortaleza, o sacerdote, professor, escritor e político Carlos Augusto Peixoto de Alencar. Dirigiu o Liceu do Ceará, deixou  várias publicações sobre religião, educação e política. Nascera no Crato em 11/04/1805.

1866 – dezembro – 29 – Extinto, por ato executivo, o Colégio de Educandos Artífices de Fortaleza, criado em 05/08/1856 e instalado em 10 de maio do ano seguinte.

1866 – dezembro – 13 – Circula o primeiro número do jornal O Progressista, dirigido por José Avelino Gurgel do Amaral.

1866 – Os pluviômetros das estações meteorológicas de Fortaleza acusaram que as chuvas caídas sobre a cidade durante o ano tiveram índice de 2.453 milímetros.

 

1867

1867 – janeiro – 02 – Assume a Chefia de Polícia o desembargador Francisco de Assis Bezerra de Menezes.

1867 – janeiro – 25 – Morre em Fortaleza, o padre José Ferreira Lima Sucupira, ex-deputado ao Congresso da República do Equador, político, jornalista. Cearense do Crato nascido a 08/09/1781.

1867 – janeiro – 29 – Assume a Capitania do Porto do Ceará, o capitão de fragata Achiles Lacombe, pela segunda vez, substituindo João Batista de Oliveira, do mesmo posto.

1867 – fevereiro – 03, 04 e 05 – Dias dedicados ao carnaval.

1867 – fevereiro – 04 – São vendidos por hasta pública, os quatro dromedários restantes dos 14 aqui chegados em 1859, procedentes da Argélia.

1867 – março – 02 – Assume o cargo de Chefe de Polícia o conselheiro Salustiano Orlando de Araújo Costa.

1867 – março – 25 – A Biblioteca Provincial (Biblioteca Pública) e o Arquivo Público se instalaram, no governo João de Sousa Melo de Oliveira, em prédio na Praça Marquês de Herval (hoje Praça José de Alencar), esquina da Rua General Sampaio com Rua Liberato Barroso, passando depois por várias sedes, sendo separado o arquivo da biblioteca. Nesse dia inaugurou-se também o prédio, que abrigaria depois o Batalhão de Segurança, e a Escola Aprendizes Artífices. Na ocasião da inauguração era dirigida pelo bibliotecário José Barcelos.

1867 – março – 26 – Há o benzimento do poço de água do Benfica, e inaugura-se o Serviço de Distribuição de Água à capital. Foi o primeiro serviço de abastecimento d’água de Fortaleza. Pela resolução nº 1.023 fora concedido a José Paulino Hoonholtz o privilégio de explorar por 50 anos o fornecimento de água em canecos, oriunda do Benfica, obrigando-se a instalar no mínimo quatro chafarizes na cidade. O mesmo contrato mandava fechar todas as cacimbas (poços) residenciais. No ano seguinte Hoonholtz transfere a concessão para a Ceará Water Company, de Londres, mas não funcionou.

1867 – abril – 19 – Surge o Clube Cearense na Rua Formosa (Rua Barão do Rio Branco) nº 50 (antigo), iniciando suas festas no dia sete de setembro num sobrado da Rua Senador Pompeu, pertencente a Manuela Vieira. Depois esteve no prédio da esquina da Rua João Moreira com Rua Major Facundo (hoje Associação Comercial) e depois na esquina da mesma Rua João Moreira com Rua Floriano Peixoto (hoje em reforma). Seu primeiro presidente foi Vitoriano Augusto Borges.

1867 – abril – 20 – Publicado em Fortaleza, o jornal O Carapuça, impresso por Raimundo de Paula Lima, na Tipografia Cearense.

1867 – abril – 27 – A Chefia de Polícia recebe o novo titular Sebastião Gonçalves da Silva, advogado.

1867 – maio – 05 – Assume o cargo de Chefe de Polícia, Salustiano Orlando de Araújo Costa.

1867 – maio – 06 – Assume a Presidência da Província, o vice-presidente Sebastião Gonçalves da Silva, que governa até 16 de outubro.

1867 – agosto – 04 – Publicado em Fortaleza o Jornal do Domingo, impresso na Tipografia na Rua da Cadeia nº 48, com oito páginas, tendo como redator José de Barcelos da Silva Sobrinho, que era também o compositor do jornal. Teve apenas 24 números.

1867 – setembro – 07 – Primeira festa realizada pelo Clube Cearense, no sobrado na esquina da Rua da Misericórdia (hoje Rua João Moreira) com Rua Boa Vista (hoje Rua Floriano Peixoto). Sua sede ficava na Rua Formosa (hoje Rua Barão do Rio Branco) nº 50, ocasião em que houve a primeira experiência com a iluminação com lampiões a gás hidrogênio carbonado.

1867 – agosto – 25 – Publicado em Fortaleza, no dia, impresso na tipografia da Aurora Cearense, por Francisco Vieira da Silva, o jornal O Almanak, trazendo abaixo do nome: Late jusum opus est et multiplex et prope quotidie novam. Quinetil.

1867 – setembro – 13 – Assume a Chefia de Polícia o comendador Joaquim Jorge dos Santos.

1867 – setembro – 17 – Inaugurada a iluminação a gás carbônico (hidrogêneo-carbonado) em Fortaleza.

1867 – outubro – 16 – Toma posse o bacharel Pedro Leão Veloso, no cargo de Presidente da Província do Ceará.

1867 – outubro – 17 – O novo presidente da Província convida o desembargador Hipólito Cassiano Pamplona para o cargo de Chefe de Polícia.

1867 – novembro – 21 – O prédio da Cadeia Pública, na Rua da Misericórdia (Rua Dr. João Moreira), cujas obras se iniciaram em 1851, fica pronto, quando os presos são transferidos dos xadrezes que ficavam em baixo da Casa da Câmara, na Rua Floriano Peixoto. Construído pelo engenheiro Manuel Caetano de Gouveia.

1867 – novembro – 26 – Assume a Chefia de Polícia o conselheiro João Florentino Meira de Vasconcelos.

1867 – dezembro – 13 – Inaugura-se o serviço de iluminação pública, a gás, parcial, da Cidade e de alguns edifícios. Em 1864 o negociante Joaquim da Cunha Freire (depois Barão de Ibiapaba) assinara em nome de Thomaz Rich Brandt e em seu próprio dois contratos para iluminação da Cidade por meio de gás hidrogêneo-carbonado, com duração de 59 anos, de acordo com a Lei Provincial nº 1099 de 07/01/1864. O material chegou em 09/10/1866, quando os contratos já haviam sido transferidos para a Ceará Gás Company Ltd., incorporada em Londres. A sede ficava no terreno vizinho à Santa Casa de Misericórdia onde ficava o gasômetro e o prédio da administração, recentemente demolido. Depois tudo passou para as mãos da The Ceará Tramway Ligth and Power Co. Ltd. A Ceará Gás Company Ltd. Tinha loja na Rua Floriano Peixoto nº203, na Praça do Ferreira, onde vendia fogões e aquecedores a gás.

1867 – Surge o jornal Echo do Norte, literário e noticioso.

1867 – 1.390 milímetros foi o índice de chuvas caídas, alcançado pelos pluviômetros instalados em Fortaleza neste ano.

 

1868

1868 – janeiro – 01 – Morre, em Fortaleza, o comerciante português Francisco Luís Salgado, proprietário da Casa Bordalo, na esquina da Rua Boa Vista (hoje Rua Floriano Peixoto) com Rua da Assembleia (hoje Rua São Paulo), local onde esteve depois o Banco do Brasil, o Banco de Crédito Comercial, o Bradesco e hoje se encontra abandonado. Com sua morte, a viúva Virgínia da Rocha constitui nova firma sob a razão social de Viúva Salgado, Sousa & Companhia, continuando os negócios do marido.

1868 – janeiro – 03 – Publica-se, em Fortaleza, o primeiro número do Jornal da Fortaleza, órgão liberal em substituição ao Progressista, com a mesma redação. Era impresso na Tipografia União.

1868 – fevereiro – 08 – Assume o comando da Força Policial (atual Polícia Militar do Ceará), o alferes adjunto Alexandre de Brito Paiva em substituição ao o tenente da Guarda Nacional, Iricleo Narbal Pamplona.

1868 – 23, 24 e 25 – Ocorre um Carnaval muito fraco em Fortaleza.

1868 – abril – 15 – Assume a Presidência da Província, o 1º vice, conselheiro Antônio Joaquim Rodrigues Júnior, que passou para o 2º vice, bacharel Gonçalo Batista Vieira (depois Barão de Aquiraz).

1868 – julho – 12 – Morre o comerciante José Antônio Machado (Comendador Machado), português de Ervededo, Chaves, nascido a 25/03/1872, chegado no Ceará em 1800. Na condição de vice-presidente, assumiu por cinco vezes como administrador da Província. Era Comendador da Ordem de Cristo. Foi proprietário de um dos mais antigos sobrado de Fortaleza, na Praça do Ferreira, no local onde hoje está o Excelsior Hotel.

1868 – agosto – 27 – Diogo Velho Cavalcanti de Albuquerque é o novo Presidente do Ceará a partir desta data.

1868 – setembro – 23 – Assume a Chefia de Polícia em Fortaleza, o desembargador Esmerino Gomes Parente.

1868 – novembro – 01 – Publicado, em Fortaleza, o primeiro número do jornal Democracia, destinado a defender as idéias republicanas. Saía aos domingos e era impresso na Tipografia Universal na Rua Formosa nº 89, por Delfino Cavalcante de Moraes.

1868 – novembro – 12 – Fundada em Fortaleza a Associação Comercial do Ceará.

1868 – dezembro – 11 – Acontece a Batalha do Avaí, no conflito contra o Paraguai, que embora com a vitória brasileira, deixa um saldo negativo de 297 brasileiros mortos, entre eles o bravo João Sorongo, encontrado morto, sem os braços, com a bandeira nacional nos dentes.

1868 – Instala-se em Fortaleza a firma Machado Coelho & Cia., casa importadora localizada em prédio da Rua Major Facundo na Praça do Ferreira com frente correspondente também para a Rua Formosa (Barão do Rio Branco). O prédio foi depois adquirido pela Empresa Luiz Severiano Ribeiro.

1868 – Fortaleza durante o ano recebeu chuvas que foram medidas pelos pluviômetros resultando na amostragem de 1.390 milímetros.

 

1869

1869 – fevereiro – 28 – Publicou-se, em Fortaleza, o primeiro número do jornalzinho O Balão, impresso na Tipografia de José Lino de Paula Barros.

1869 – abril – 24 – O 2º vice-presidente, coronel Joaquim da Cunha Freire, assume a Presidência da Província.

1869 – julho – 26 – Assume o cargo de Presidente da Província o desembargador João Antônio de Araújo Freitas Henriques em substituição ao coronel Joaquim da Cunha Freire.

1869 – julho – 26 – Assume o cargo de Chefe de Polícia o jurista Henrique Pereira de Lucena, substituindo a Esmerino Gomes Parente.

1869 – setembro – 01 – Concedido, pelo Decreto nº 4.407, o funcionamento da Companhia União Cearense, sob a presidência de Gonçalo Batista Vieira (depois Barão de Aquiraz).

1869 – Neste ano foi fundada a Casa Boris, da firma Théodore Boris & Irmão, depois Boris Fréres & Cie. Ltd., em prédio próprio na Rua Boris nº 10.

1869 – As chuvas caídas sobre Fortaleza, durante todo o ano foram medidas nos pluviômetros das estações meteorológicas, constatando-se um índice de 1.534 milímetros.

 

1870

1870 – janeiro – 05 – O Colégio Partenon Cearense instalou-se na Rua Formosa (Rua Barão do Rio Branco) nº 61 (antigo), sob a direção do professor Pedro da Silva Sena. Depois foi dirigido pelo Professor Lino de Sousa Encarnação, funcionando na Praça do Patrocínio (Praça José de Alencar) nº 2.

1870 – abril – 01 – Chega a Fortaleza – e é verdade – a notícia do término da Guerra do Paraguai, havendo muitas festas por esse motivo.

1870 – abril – 06 – A praça conhecida popularmente como Praça do Patrocínio, por ficar em frente à Igreja de Nossa Senhora do Patrocínio, passa a chamar-se Praça Marquês do Herval. Hoje se chama Praça José de Alencar.

1870 – abril – 06 – A velha Rua de Baixo, Rua Nova dos Mercadores, Rua da Matriz ou Rua do Riacho Pajeú recebe o nome oficial de Avenida Sena Madureira.

1870 – abril – 30 – Desembarcam em Fortaleza as tropas do 26º Batalhão de Voluntários da Pátria comandadas pelo coronel Antônio Tibúrcio Ferreira de Souza (General Tibúrcio), constituído de 28 oficiais e 402 praças, vindos da Guerra do Paraguai.

1870 – junho – 01 – Assume o comando da Escola de Aprendizes Marinheiros do Ceará, o capitão-tenente José da Cunha Moreira, em substituição ao 1º tenente Carlos Ramel.

1870 – julho – 25 – O Senador Tomás Pompeu de Sousa Brasil (Senador Pompeu), o coronel Joaquim da Cunha Freire (depois Barão de Ibiapaba), o bacharel Gonçalo Batista Vieira (depois Barão de Aquiraz), o engenheiro José Pompeu de Albuquerque Cavalcante, e o negociante inglês Henry Blockhurst, da firma inglesa R. Singlereust & Companhia contrataram a construção de uma ferrovia para trazer a produção da serra de Baturité para a Capital. A iniciativa foi do jornalista João Brígido dos Santos. Era a Companhia Cearense da Via Férrea de Baturité, ou simplesmente Estrada de Ferro de Baturité – EFB. Iniciou-se o tráfego quando a locomotiva “Fortaleza” fez o percurso da Estação até a “parada do Chico Manuel”, na hoje Avenida Tristão Gonçalves esquina com Rua Liberato Barroso. Em seguida foi inaugurado o trecho até a estação de Porangaba, em 30/09/1873. Quando do falecimento do Senador Pompeu, em 1878, a estrada de ferro passou para o Governo Imperial, transação passada em 3 de setembro do mesmo ano. A Estação Central da Estrada de Ferro de Baturité, ao norte da Praça do Senador Castro Carreira (Praça da Estação), fica a 15,23m acima do nível do mar e está situada a 3º, 42’54” de latitude sul e 40º, 51’28” de longitude oeste do meridiano de Paris. Sua construção iniciou-se em 1879 com projeto do engenheiro Henrique Foglare e sua conclusão deu-se em 1880. O seu estilo é dórico-romano, tendo de comprimento 46,5m por 12,7m de largura com uma altura de 8,55m.

1870 – agosto – 25 – Muda de comando a Força Policial (atual Polícia Militar do Ceará), assumindo o tenente-coronel do exército, José Nunes de Melo, cargo antes ocupado pelo alferes adjunto Alexandre de Brito Paiva.

1870 – outubro – 11 – A Assembleia Provincial através da Resolução nº 1.132, autoriza o contrato de construção da Estrada de Ferro d Baturité.

1870 – outubro – 13 – Assume a Presidência do Ceará o vice Presidente Joaquim da Cunha Freire.

1870 – outubro – 23 – Publica-se em Fortaleza o jornal Careca, semanário impresso na Tipografia Americana de Teodoro Esteves, na Rua da Palma nº 116. Seus redatores eram Ramalho Refrigério da Paixão e Gregório Geremias da Lapa.

1870 – dezembro – 25 – Morre, logo após a missa do galo, o alferes do Exército Manuel Franklin do Amaral, ex-comandante da Força Policial. Nascera a 27/08/1801. Era pai de Paulino Franklin do Amaral, o Barão de Canindé.

1870 – Surge neste ano o Almanaque Administrativo, Mercantil e Industrial da Província do Ceará, impresso pelo editor João Batista Pereira, na Tipografia Comercial, na Rua Formosa nº 63 (Barão do Rio do Rio Branco), dirigido por Joaquim Mendes da Cruz Guimarães. Só saíram dois números.

1870 – Surge em Fortaleza a Joalharia e Ótica C. Mesiano, depois Casa Mesiano, na Rua Major Facundo nº 134 (antigo, atual nº 364), quase esquina com Rua São Paulo.

1870 – O índice das chuvas caídas em Fortaleza, encontrado pelas estações de meteorologia durante o ano foi de 1.614 milímetros.

 

1871

1871 – janeiro – 20 – Toma posse como 32º Presidente da Província, o bacharel José Fernandes da Costa Pereira Júnior.

1871 – janeiro – 20 – Morre o coronel Manuel Félix de Azevedo e Sá, que foi Chefe de Polícia, diretor do Colégio dos Educandos, Tesoureiro da Fazenda, deputado, tesoureiro da Alfândega e Mordomo da Santa Casa. Era cearense de Caucaia.

1871 – fevereiro – 19 a 21 – O carnaval em Fortaleza ocorre normalmente.

1871 – março – Com a data deste mês que surgiu o jornal O Oriente, científico, literário e recreativo, redatoriado por Pedro da Silva Sena, mas foi publicado apenas o primeiro número.

1871 – abril – 26 – O 2º vice-presidente coronel Joaquim da Cunha Freire assume a presidência da Província.

1871 – junho – 04 – Inaugura-se o prédio da Assembleia Provincial, depois Assembleia Legislativa, hoje Museu do Ceará, na Rua São Paulo, em frente ao Palácio do Comércio, prédio iniciado em 25/10/1856, planta do engenheiro Adolfo Herbster. Havia uma igreja no mesmo local, mas fora demolida 34 anos antes. Hoje se chama Palácio Senador Alencar.

1871 – junho – 29 – A Província do Ceará está com novo Presidente, José Antônio de Calazans Rodrigues (Barão de Taquari).

1871 – julho – 03 – Alguns cidadãos se reuniram, entre eles o poeta Firmino Cândido de Figueiredo e Estêvam José de Almeida, contratando com o presidente da Província o assentamento de linhas de ferro para bondes de tração animal de Fortaleza a Messejana, com o direito de exploração por 60 anos, mas não houve execução dos trabalhos.

1871 – julho – 29 – Começa a funcionar o novo farol giratório do Mucuripe (Farol do Mucuripe). O Farol foi mandado construir, em virtude da lei nº 60 de 20/10/1838, artigo cinco, § 14 e iniciada a construção, no dia 01/05/1840 e concluído em 17/11/1846, sob a orientação dos engenheiros Júlio Álvaro Teixeira de Macedo e Luís Manuel de Albuquerque Galvão e do Maquinista Trumbull (Truberel). O farol tem a localização: Latitude sul 3º, 45’10 “e longitude oeste de Greenwich 38º, 35’nove”. Sua luz era visível a 24km de distância, piscando a cada minuto. O foco luminoso elevava-se a 33m26, ao nível da preamar e contava com três faroleiros. Sua inauguração teve lugar no dia 29/07/1872. O primeiro faroleiro foi João Rodrigues de Freitas. Foi desativado em 1958, quando foi inaugurado o novo farol. Abandonado, foi restaurado em 1981/82, pela Divisão do Patrimônio Histórico e Artístico da Secretaria de Cultura e Desporto do Estado do Ceará. Hoje serve de museu. Localiza-se na Avenida Vicente de Castro s/nº, na Ponta do Mucuripe.

1871 – outubro – 18 – A Câmara Municipal autoriza as obras de alargamento da rua por onde passará os trilhos da Estrada de Ferro de Baturité, atual Avenida Tristão Gonçalves.

1871 – Em Fortaleza caíram, durante o ano, chuvas que foram medidas nos pluviômetros, resultando um índice de 1.440 milímetros.

 

1872

1872 – janeiro – 08 – José Antônio de Calazans Rodrigues deixa o governo, assumindo o 2º vice, coronel Joaquim da Cunha Freire.

1872 – janeiro – 12 – Toma posse o 34º Presidente da Província, o comendador João Wilkens de Matos, paraense, depois Barão de Muruiá.

1872 – janeiro – 20 – Às 17h são inaugurados os trabalhos da Estrada de Ferro de Baturité – EFB com a presença do comendador João Wilkens de Matos, presidente da Província e do seu antecessor, o conselheiro José Antônio de Calazans Rodrigues (Barão de Taquari) e autoridades civis e militares. Os trabalhos consistiam na preparação do terreno (nivelamento) e obras de arte na responsabilidade do engenheiro Jerônimo Luís Ribeiro.

1872 – fevereiro – 02 – A colônia portuguesa em Fortaleza funda a sociedade Beneficente Portuguesa Dous de Fevereiro, tendo como primeiro presidente o comendador Luís Ribeiro da Cunha; primeiro vice-presidente, Francisco Joaquim da Rocha; segundo vice-presidente, Antônio Coelho da Fonseca; tesoureiro, Antônio Fernandes de Farias; primeiro secretário, Bernardino Plácido de Carvalho; segundo secretário, Ernesto Adolfo de Pina Vidal; fiscal, João Anastácio Gomes; e procurador, Manuel Pereira Valente.

1872 – fevereiro – 05 – Instala-se em Fortaleza, no Largo do Palácio (atual Praça General Tibúrcio), o Circo Olímpico, de propriedade de Augusto R. Duarte. No anúncio vem: “Roga-se às famílias trazerem as cadeiras”.

1872 – março – 02 – Publica-se em Fortaleza o primeiro número do jornal O Carcará, que só volta a circular nove anos depois, em 09/07/1881.

1872 – abril – 15 – Falecimento do cônego Antônio Pinto de Mendonça, sacerdote, jornalista, deputado, secretário de governo, deputado provincial, vice presidente e senador. Nacera em Aracati em 1803.

1872 – junho – 13 – Abre-se a Fábrica de Moagem de Cereais a Vapor, de propriedade de Manuel Cesário Mendes, em Maranguape, transferida depois para Maracanaú.

1872 – julho – 05 – Assume o cargo de Chefe de Polícia, o desembargador Manuel da Silva Rego. Equivale hoje ao Secretário de Segurança Pública e Defesa da Cidadania.

1872 – julho – 29 – Inaugurado o Farol do Mucuripe, comemorando o aniversário da Princesa Imperial, na Ponta do Mucuripe. Hoje está desativado.

1872 – agosto – 01 – Publica-se em Fortaleza o jornal político O Futuro, sob a redação de José Avelino Gurgel do Amaral e Augusto Gurgel do Amaral, com redação na Rua Boa Vista (Floriano Peixoto) nº 29.

1872 – agosto – 25 – O major da Guarda Nacional, Franklin de Alencar Lima, assume o comando da Força Policial (atual Polícia Militar do Ceará), em substituição ao tenente-coronel do Exército José Nunes de Melo

1872 – setembro – 05 – Morre em Fortaleza Joaquim Mendes da Cruz Guimarães, coronel Comandante Superior da Guarda Nacional de Fortaleza. Ex-vice-presidente da Província, Oficial da Ordem da Rosa. Nascera no Aracati em 12/01/1799.

1872 – outubro – 18 – Morre, aos 68 anos de idade, em Fortaleza, Alexandre Francisco Cerbelon Verdeixa, o famoso Padre Verdeixa, na Santa Casa de Misericórdia de Fortaleza. Abolicionista jornalista e panfletista, veterano da Guerra do Paraguai, nascera no Crato no dia 03/01/1803.

1872 – outubro – 30 – João Wilkens de Matos governou até esta data, quando passou para o 1º vice, Joaquim da Cunha Freire que no mesmo dia entregou ao 2º vice, Manuel Soares da Silva Bezerra, que só ficou até quatro de novembro, passando para o 3º vice, Esmerino Gomes Parente.

1872 – novembro – 27 – O contrato assinado com o presidente da Província em 03/07/1871 de assentamento de trilhos de ferro de Fortaleza a Messejana para bondes de tração animal ficou suspenso sendo aprovado nesta data, sendo transferido para Henrique Foster & Companhia, passando depois para Eduardo Will, De Brwce e outros.

1872 – dezembro – 07 – Novo Presidente da Província, toma posse, o desembargador Francisco de Assis Oliveira Maciel.

1872 – dezembro – 30 – Mais uma vez assume a Presidência da Província o 1º vice Presidente Joaquim da Cunha Freire logo passando para o 3º vice Presidente Manuel Soares da Silva Bezerra.

1872 – Neste ano é fundada em Fortaleza, a Drogaria Central, de Guilherme Fonseca & Companhia, na Rua Formosa (Barão do Rio Branco) nº 71, depois 144 (antigos). Em 1924 vamos encontrá-la pertencendo a Silvino Silva e Guilherme Studart.

1872 – Funda-se neste ano a Academia Francesa do Ceará abrindo uma fase de grandes realizações intelectuais no Ceará. Do movimento faziam parte Tomás Pompeu de Sousa Brasil (Senador Pompeu), Raimundo Antônio da Rocha Lima, João Capistrano Honório de Abreu (Capistrano de Abreu), Tristão de Alencar Araripe Júnior, João Lopes e Xilderico Araripe de Faria (Xilderico de Faria). Extingüiu-se em 1875.

1872 – As chuvas caídas sobre Fortaleza durante todo o ano foram medidas pelas estações meteorológicas, nos pluviômetros, constatando-se o alto índice de 2.290 milímetros, tendo havido inundações em várias localidades.

1872 – Fortaleza contava neste ano com uma população de 42.458 habitantes, de acordo com o Censo Oficial que foi o primeiro realizado no País.

 

1873

1873 – março – 25 – Morre, no Rio de Janeiro, aos 70 anos de idade, o brigadeiro Francisco Xavier Torres (Brigadeiro Torres), natural de Fortaleza onde nascera em 1803. Existe em Fortaleza, no Pici, uma rua com seu nome.

1873 – abril – 24 – Inicia seus trabalhos a American Telegraph and Cable Cº., que depois chamou-se The Western Telegraph Company Limited., com um contrato de cem anos.

1873 – maio – 20 – Morre em Fortaleza, na mais completa pobreza, o oficial reformado do Exército, João Zeferino de Holanda Cavalcante, ex-proprietário do Sítio Aguanambi. Era Cavaleiro das Ordens Imperiais de Cristo e da Rosa.

1873 – julho – 01 – Iniciam-se os trabalhos de assentamento dos primeiros trilhos da Estrada de Ferro de Baturité – EFB.

1873 – agosto – 03 – Domingo, realiza-se a experiência com a locomotiva Runster Leeds Fortaleza com a presença de uma grande multidão. O maquinista era José da Rocha e Silva, o foguista, Henrique Pedro da Silva e chefe de trem, Eloi Alves Ribeiro. A locomotiva fez cinco viagens de ida e volta da Estação Central (ainda não era a atual) até a Parada do Chico Manuel. Tal parada ficava exatamente no local onde hoje é o cruzamento da Avenida Tristão Gonçalves com Rua Liberato Barroso.

1873 – agosto – 06 – Sai o Decreto nº 2.342, que cria sete Relações no Império, sendo a 3ª a do Ceará e Rio Grande do Norte, com sede na cidade de Fortaleza.

1873 – setembro – 11 – Francisco de Assis Oliveira Maciel deixa o governo, assumindo o vice, coronel Joaquim da Cunha Freire.

1873 – setembro – 14 – Aberta ao tráfego a linha entre Fortaleza e Arronches (Parangaba) com extensão de 7km, sendo a Estação Ferroviária de Arronches inaugurada somente em 29/11.

1873 outubro – 17 – O major Joaquim Carneiro vende à Fazenda Pública Geral, um terreno localizado entre a Rua Conde D’Eu (Avenida Sena Madureira), travessa São Bernardo (Rua Monsenhor Luís Rocha) e Lagoa do Garrote, para armazenamento de artigos bélicos. (Seria depois a 25ª Circunscrição de Recrutamento do Exército). No local hoje está o Edifício General Clóvis Alexandrino Nogueira, da Telemar, na Rua Sena Madureira.

1873 – outubro – 24 – Dá-se, nesta data, o primeiro descarrilamento de trem em Fortaleza, quando a composição puxada pela locomotiva Maranguape sai dos trilhos no lugar denominado Porangabuçu, próximo à parada Amaral, hoje divisa dos bairros Benfica e Rodolfo Teófilo (atual), no cruzamento da Avenida José Bastos com Rua Padre Cícero (atual), terrenos do abolicionista José Corrêa do Amaral (José do Amaral).

1873 – novembro – 04 – Vai às ruas o primeiro número do jornal Fraternidade, impresso na Tipografia Brasileira.

1873 – novembro – 13 – O bacharel Francisco Teixeira de Sá é o novo Presidente do Ceará. Foi 35º Presidente efetivo da Província.

1873 – novembro – 29 – Inauguram-se as estações ferroviárias de Fortaleza (provisória) e de Porangaba (Parangaba), antiga Arronches. O trem inaugural foi puxado pela máquina Fortaleza dirigida pelo maquinista José da Rocha e Silva – Mestre Rocha, formado pelo Arsenal de Marinha da Corte. No mesmo dia inicia-se a circulação normal do trem no percurso. O edifício da Estação Central da Via Férrea de Baturité no então Campo da Amélia, atual Praça Castro Carreira, no local antes ocupado pelo Cemitério de São Casemiro, que se chama atualmente Estação Central Engenheiro João Felipe, ainda não havia sido construído, sendo usado o galpão que ficava no local hoje ocupado pela administração da CBTU. Estação Ferroviária de Porangaba sim foi a que existiu até uns trinta anos atrás.

1873 – novembro – 29 – O Ministro da Justiça nomeia o bacharel Praxedes Teódulo da Silva para Secretário do Tribunal da Relação no Ceará.

1873 – dezembro – 21 – A Escola de Aprendizes Marinheiros do Ceará tem novo comando quando o capitão-tenente Achiles Lacombe substitui o capitão-tenente José da Cunha Moreira.

1873 – De 2.042 milímetros, o índice de chuvas caídas em Fortaleza, durante o ano, conforme dados das estações meteorológicas. Houve inundações em várias localidades.

 

1874

1874 – janeiro – 02 – A Força Policial – FP tem novo comandante. Assume o major FP Prudente Gomes Brasil.

1874 – fevereiro – 03 – Instalou-se o Tribunal da Relação do Ceará, desmembrado de Pernambuco – A Justiça no Ceará esteve sujeita à Relação da Bahia, à do Maranhão e à de Pernambuco – aqui Ficava na Rua da Amélia (Rua Senador Pompeu) nº 28, (atual 512) no local onde esteve depois a Imprensa Oficial, e hoje está uma das dependências da Sefaz. A primeira sessão realizou-se, no dia sete do mesmo mês e ano. Em 1890, passou a denominar-se Tribunal de Apelação, voltando em 1892 ao nome primitivo. Em 1912 passou a ser Supremo Tribunal de Justiça até 1934, quando passou a ser Corte de Apelação. Em 1937 voltou a ser Tribunal de Apelação e em 1947, mudou para Tribunal de Justiça.

1874 – fevereiro – 15 a 17 – Os festejos carnavalescos em Fortaleza ocorreram tranqüilamente.

1874 – março – 12 – Francisco Teixeira de Sá entrega o governo ao vice Joaquim da Cunha Freire.

1874 – março – 19 – Inaugurada a Igreja de São José, no Maracanaú.

1874 – março – 21 – O capitão de fragata Achiles Lacombe, ocupante do cargo de Capitão do Porto do Ceará, deixa aquele comando nas mãos de João Joaquim Rodrigues Pinto, interinamente.

1874 – maio – 15 – Em seção realizada na sede da Estrada de Ferro de Baturité – EFB, é aceito o oferecimento do médico Meton da Franca Alencar para prestar serviços médicos gratuitos ao pessoal da empresa.

1874 – maio – 21 – A Escola de Aprendizes Marinheiros do Ceará muda de comando quando o capitão de fragata Achiles Lacombe passa o cargo ao capitão-tenente João Joaquim Rodrigues Pinto.

1874 – agosto – 13 – Falece em Fortaleza o jornalista, político e médico José Lourenço de Castro e Silva, formado no Rio de Janeiro, ex-deputado, médico dos pobres por duas vezes, aracatiense nascido em 03/08/1805. Hoje é nome de rua no Meireles, Aldeota e Dionísio Torres.

1874 – outubro – 15 – Morre em Fortaleza, aos 85 anos de idade, Ana Porcina de Alencar, a Ana Triste de Alencar Araripe, cearense nascida no Crato em 16/02/1789. Era viúva de Tristão Gonçalves, o malfadado presidente da República do Equador. Após a morte do marido, mudou o nome para Ana Triste.

1874 – outubro – 23 – Novo Presidente da Província assume o cargo, Heráclito de Alencastro Pereira da Graça (Heráclito Graça), cearense do Icó.

1874 – novembro – 26 – Assume o cargo de Capitão do Porto do Ceará, o capitão-tenente José da Cunha Moreira.

1874 – Estabeleceu-se este ano a firma Cruz & Irmão, na Rua Formosa (Rua Barão do Rio Branco) esquina com Travessa das Trincheiras (Rua Liberato Barroso) tendo à frente Antônio Cruz, com importação de ferragens, comestíveis, fazendas e utensílios domésticos.

1874 – As chuvas que caíram sobre Fortaleza durante o ano foram medidas nos pluviômetros, resultando um índice de 1.153 milímetros, o que resultou muitas inundações.

 

1875

1875 – janeiro – 14 – Inaugurada e aberta ao tráfego a subseção da Estrada de Ferro de Baturité – EFB, Arronches-Maracanaú e ainda a Estação Ferroviária do Mondubim.

1875 – fevereiro – 04 – Esta data marca o dia da abertura do Colégio Universal em Fortaleza.

1875 – fevereiro – 18 – A Farmácia Mamede, fundada por Francisco Antônio Mamede e que na época era da firma Mamede & Filho, formada pelo farmacêutico Francisco Antônio Mamede e seu filho Catão Paes da Cunha Mamede (Catão Mamede), passa a pertencer à firma Mamede & Irmão, formada por Catão Paes da Cunha Mamede (Catão Mamede) e Antônio Paes da Cunha Mamede Júnior.

1875 – fevereiro – 21 – Tem novo comando a Escola de Aprendizes Marinheiros do Ceará – EAM, é o 1º tenente Pedro Pinto da Veiga, que substitui o capitão-tenente João Joaquim Rodrigues Pinto.

1875 – março – 01 – Assume a Presidência da Província o vice, desembargador Esmerino Gomes Parente.

1875 – março – 31 – Fundada em Fortaleza a sociedade dramática Recreio Familiar.

1875 – abril – 30 – Sai em Fortaleza o jornal E Pur Si Muove, tendo por redatores Pedro Tomás de Queirós Ferreira (Pedro de Queirós), Clóvis Beviláqua, Francisco de Paula Ney, Gil Amora e João Edmundo.

1875 – maio – 02 – Surge o primeiro número do jornal semanário recreativo e noticioso A Brisa. Saía aos domingos.

1875 – maio – 02 – Morre em Fortaleza, aos 45 anos de idade, o doutor em medicina Joaquim Antônio Alves Ribeiro, cearense de Icó nascido em 09/01/1830. O Ceará deve a ele seu primeiro museu. Exerceu sua profissão na Santa Casa de Misericórdia. Era Cavaleiro da Ordem de Cristo. Hoje é nome de rua em Fortaleza.

1875 – junho – 30 – Muda o comando da Escola de Aprendizes Marinheiros do Ceará – EAM, entrando o 1º tenente Rodrigo Nunes da Costa, em substituição ao 1º tenente Pedro Pinto da Veiga.

1875 – julho – 06 – Sai às ruas de Fortaleza o primeiro número do jornalzinho crítico e noticioso Caninana.

1875 – agosto – 19 – A Biblioteca Provincial do Ceará (Biblioteca Pública) muda-se para a Rua Formosa (Rua Barão do Rio Branco) nº 92 (antigo), onde funcionou o Gabinete de Leitura.

1875 – agosto – 22 – Finalmente assinado o contrato para assentamento dos trilhos dos carris de ferro (bondes de tração animal) com Coelho da Fonseca e Alfredo Garcia, não mais de Fortaleza a Messejana, mas para ligação do centro de Fortaleza com seus bairros.

1875 – setembro – 07 – Inaugurada e aberta ao tráfego a subseção da Estrada de Ferro de Baturité – EFB, ligando Maracanaú a Maranguape, no ramal de Maranguape, a Estação Ferroviária de Maranguape.

1875 – novembro – 03 – Lançada a pedra fundamental do teatro municipal de Fortaleza, no centro da Praça Marquês do Herval, hoje Praça José de Alencar.

1875 – dezembro – 02 – Instala-se o Gabinete Cearense de Leitura, por Fausto Domingues da Silva e João da Rocha Moreira.

1875 – dezembro – 09 – Morre, na Corte, o brigadeiro José Maria da Silva Bittencourt, que governou o Ceará em 1843.

1875 – Inaugura-se neste ano o primeiro grande trecho da Companhia Cearense da Via Férrea de Baturité, depois Estrada de Ferro de Baturité – EFB, depois Rede de Viação Cearense – RVC que foi subordinada à Inspetoria Federal de Obras Contra as Secas – IFOCS, hoje DNOCS, de 1920 a 1924. Teve ligação com Sobral e Campina Grande em 1957; passa a ser subordinada ao Departamento Nacional de Estradas de Ferro em 1941 e em 1957 a fazer parte da Rede Ferroviária Federal S. A. – RFFSA. Atualmente denomina-se Companhia Ferroviária do Nordeste – CFN.

1875 – Deu-se a confecção da “Planta da Cidade de Fortaleza e Subúrbios, Organizada por Adolfo Herbster, Arquiteto da Câmara Municipal – 1875”.

1875 – Fundada em Fortaleza a firma J. Lopes & Cia. (Casa J. Lopes), do coronel Jesuíno Lopes de Maria, na Praça do Ferreira nº 50 (antigo), e Rua da Alfândega (Pessoa Anta) nºs 25/27, importadores e exportadores. Depois (1937) mudou-se para edifício próprio na mesma rua nº 290, entre a Rua São Paulo e Rua Senador Alencar, com frente também para a Rua Barão do Rio Branco nº 795, projeto do arquiteto Emílio Hinko e construção do engenheiro Alberto Façanha de Sá (Alberto Sá).

1875 – Surge a fábrica de produtos alimentícios que deu origem à Padaria e Confeitaria Lisbonense, que terminou seus dias na Rua Pedro Borges nº 151/157 em 10/10/1983.

1875 – O censo de 1875 contou 21.372 habitantes em Fortaleza.

1875 – Fortaleza durante o ano teve suas chuvas medidas pelos pluviômetros que acusaram um índice de 1.614 milímetros, causando sérios transtornos.

 

1876

1876 – janeiro – 09 – Inaugura-se a Estação Ferroviária de Monguba e a parada de Pacatuba, da Estrada de Ferro de Baturité – EFB.

1876 – fevereiro – 01 – Instala-se, em prédio com fachada de azulejo, na Rua Formosa (Barão do Rio Branco) nº 100, o Colégio São José, no mesmo local esteve depois o Colégio Santa Rosa de Lima. Hoje no lugar existem os sobrados de nºs 1026 e 1030 que já abrigaram a loja A Cruzeiro e depois as Lojas de Variedades.

1876 – fevereiro – 15 – Publica-se em Fortaleza a Gazeta Forense (Legislação, doutrina, e jurisprudência), periódico redatoriado por Virgílio Augusto de Moraes e Pergentino da Costa Lobo, impresso por Joaquim Lopes Verçosa.

1876 – março – 22 – Toma posse, no cargo de Presidente da Província do Ceará, o desembargador Francisco de Faria Lemos, pernambucano do Recife.

1876 – abril – 13 – Morre, em Fortaleza, aos 61 anos de idade, o bacharel e literato Pedro Pereira da Silva Guimarães, cearense de Aracati nascido em 29/06/1814, que foi presidente do Poder Legislativo em 1855.

1876 – maio – 24 – Assume, a Capitania do Porto do Ceará, interinamente, o 1º tenente Rodrigo Nunes da Costa, substituindo o capitão-tenente José da Cunha Moreira, e no dia 30/6 do mesmo ano entrega ao novo titular, capitão-tenente Manuel Soares Pinto.

1876 – junho – 14 – Assume o novo Chefe de Polícia da Província, o jurista Vicente de Paula Cascaes Teles.

1876 – julho – 12 – Morre em Fortaleza, o médico Antônio Domingues da Silva, ex-deputado provincial, nascido em Sobral a 25/07/1817. Formou-se em Direito e em Medicina na França.

1876 – agosto – 18 – Pela lei provincial nº 1.728 foi novamente criada a freguesia de Porangaba (Parangaba), antiga Arronches.

1876 – setembro – 06 – Suicida-se, no Rio de Janeiro, lançando-se de uma barca na Baía de Guanabara, o poeta cearense Joaquim Francisco de Sousa (Joaquim de Sousa), com apenas 21 anos de idade. Nascera em Fortaleza em 1855.

1876 – outubro – 22 – Surge a Fraternidade e Trabalho, entidade associativa de trabalhadores que se instalou no dia 05/11 do mesmo ano.

1876 – outubro – 22 – Estréia, em Fortaleza, o Grande Circo das Quatro Nações, da família espanhola Blas Otero.

1876 – novembro – 11 – Publica-se o primeiro número do jornal noticioso, crítico e literário Século XIX, impresso na Tribuna Católica. Era seu editor, Florêncio Ribeiro Brito.

1876 – dezembro – 15 – Suicida-se, atirando-se ao mar, aos 24 anos de idade, o bacharel Xilderico Araripe de Faria (Xilderico de Faria), orador, poeta e folclorista. Nascera no dia 02/08/1851 em Fortaleza. Pertencia à Academia Francesa.

1876 – 1.637 milímetros de chuva foi o índice medido pelas estações meteorológicas de Fortaleza durante o ano de 1876, tendo havido inundações em várias localidades.

 

1877

1877 – janeiro – 10 – Assume a Presidência da Província o desembargador Caetano Estelita Cavalcanti Pessoa (Conselheiro Estelita), pernambucano de Igaraçu. Foi o 39º presidente.

1877 – janeiro – 21 – Publicado o jornal O Lince, impresso na Tipografia do Mercantil.

1877 – janeiro – 21 – Inaugura-se o Teatro de Variedades na esquina da Rua Formosa (Barão do Rio Branco) com Rua da Misericórdia (Dr. João Moreira). Era ao ar livre.

1877 – fevereiro – 03 – Fundada em Fortaleza a Companhia Ferro-Carril do Ceará (de bondes de tração animal) por Alfredo Henrique Garcia (Alfredo Garcia) e o comendador Francisco Coelho da Fonseca.

1877 – fevereiro – Fortaleza é visitada pelo Grande Circo Eqüestre dos Estados Unidos, de propriedade de Howes & Cashings.

1877 – março – 12 – Toma posse, na Chefia de Polícia da Província, o advogado Francisco José de Sousa Nogueira.

1877 – março – 16 – Instituída pelo bispo Dom Luís Antônio dos Santos a Freguesia de Arronches (Paróquia da Parangaba), sob a invocação do Senhor Bom Jesus dos Aflitos, que fora fundada no Século XVII por Antônio Felipe Camarão, mas que fora desativada, sendo vigário o padre José Teixeira da Graça (Padre Graça), que lá ficou até 1882. Na época o templo (Igreja) foi reformado e ampliado.

1877 – março – 22 – Tem novo comandante a Escola de Aprendizes Marinheiros do Ceará – EAM, quando assume o 1º tenente Manuel Lourenço de Castro Rocha, em substituição ao 1º tenente Rodrigo Nunes da Costa.

1877 – maio – 09 – Instala-se, em Fortaleza, a Junta Comercial da Praça da Cidade de Fortaleza, hoje Junta Comercial do Ceará, atendendo Aviso do Ministério da Justiça do Império, do dia 16/12/1876.

1877 – junho – 24 – O primeiro número do jornal O Retirante sai sob direção de Luís Francisco de Miranda (Luís de Miranda), impresso na Tipografia Imparcial. Era semanário saindo aos domingos.

1877 – junho – 27 – Tristão de Alencar Araripe diz em discurso sobre as “Providências relativas às secas do Ceará” que necessita de emenda orçamentária para “levantar a planta e orçamento de um canal que abra comunicação do rio São Francisco com os rios Salgado e Jaguaribe, criando uma corrente perene”.

1877 – setembro – 02 – Morre, aos 59 anos, em Fortaleza, o senador Tomás Pompeu de Sousa Brasil (Senador Pompeu), cearense de Santa Quitéria onde nascera a 06/06/1818. Hoje é nome de rua no Centro de Fortaleza e nome de municípo no Ceará. Patrono da Cadeira nº36 da Academia Cearense de Letras – ACL.

1877 – setembro – 07 – Lançamento da pedra fundamental do prédio do Asilo de Alienados de Arronches (Parangaba), iniciativa do filantropo Severiano Ribeiro da Cunha, (Visconde de Cauípe).

1877 – novembro – 03 – A Capitania do Porto do Ceará tem novo comandante quando assume o 1º tenente Manuel Lourenço de Castro Rocha, que substitui o capitão-tenente Manuel Soares Pinto.

1877 – novembro – 22 – O comerciante Joaquim da Cunha Freire (Barão de Ibiapaba) faz doação da quantia de dez contos de réis e de um terreno entre a Rua do Sol (Rua Costa Barros), Rua Dona Leopoldina, Rua da Soledade (Rua Nogueira Acioli) e Rua do Colégio das Órfãs (Avenida Santos Dumont), para a construção de um prédio destinado a um Asilo de Mendicidade. O prédio foi construído, mas a tal entidade nunca funcionou. Depois de dois anos de abandono, o prédio foi doado pelo Presidente do Ceará ao Governo Federal para instalação da Escola Militar, que funcionou de 1889 a 1897, passando a ser ocupado pelo Colégio Nossa Senhora de Lourdes. Lá esteve, de 1911 a 1917, a Força Pública do Estado. Em 1917 foi ocupado pelo 9º Regimento de Artilharia Montada que ficou até 1919. Com a criação do Colégio Militar o prédio foi entregue a ele, que em 1938 foi transformado em Colégio Floriano, ficando ali até 1941. Em 1942, foi criada a Escola Preparatória de Fortaleza, que foi extinta em 1961, quando foi restabelecido o Colégio Militar que iniciou suas atividades em 1962.

1877 – novembro – 24 – Toma posse como Presidente do Ceará o conselheiro João José Ferreira de Aguiar.

1877 – dezembro – 02 – Lançada a pedra fundamental do Asilo de Mendicidade, começado por subscrição pública, promovida pelo Barão de Ibiapaba. Foi demarcado grande terreno no Outeiro, futura Aldeota, que recebe o nome de Praça Barão de Ibiapaba, que naquele local começou a erguer o Asilo de Mendicidade. Depois foi Praça do Asilo, Do Colégio Militar, Benjamin Constant, e hoje é Praça da Bandeira, conhecida por “Praça do Cristo-Rei” por nela ficar a Igreja do Cristo Rei.

1877 – dezembro – 12 – Morre, no Rio de Janeiro, o escritor cearense José Martiniano de Alencar (José de Alencar), aos 48 anos de idade. Seu nome hoje está perpetuado em praça, teatro, e na casa onde nasceu no Sítio Alagadiço Novo, em Messejana, em 01/03/1829.

1877 – O farmacêutico Rodolfo Marcos Teófilo (Rodolfo Teófilo) abre uma farmácia na Rua Formosa (hoje Rua Barão do Rio Branco) nº 56/58, que foi depois (1921) vendida à firma A. Gonzaga & Filho do também farmacêutico Antônio Gonzaga Cordeiro de Almeida, e seu filho Francisco Gonzaga Cordeiro de Almeida que colocou o nome de Drogaria Gonzaga, que depois de muitos anos passou a ser Farmácia Pontes, de Afonso de Pontes Medeiros.

1877 – Inicia-se a maior seca do Século XIX, que iria até 1879, mais prejudicial que as pestes do cólera e a febre amarela.

1877 – Baixíssimo o índice de chuvas em Fortaleza durante este ano. Os pluviômetros das estações meteorológicas acusaram apenas 469 milímetros, o que significa seca.

 

1878

1878 – fevereiro – 21 – José Pereira de Aguiar deixa o governo, assumindo o 3º vice-presidente Paulino Nogueira Borges da Fonseca, que no dia quatro de março passou para o 1º vice, Antônio Pinto Nogueira Acioli que governou somente cinco dias.

1878 – março – 08 – Assume como 41º Presidente da Província o conselheiro José Júlio de Albuquerque Barros, (Barão de Sobral). Era cearense de Sobral.

1878 – março – 13 – Assume o cargo de Chefe de Polícia, equivalente hoje a Secretário de Segurança Pública e Defesa da Cidadania, o desembargador Antônio Sabino do Monte.

1878 – maio – 05 – Falece, aos 58 anos de idade, em sua casa no Porangabuçu, conhecida como Chácara Amaral, o comerciante português João Antônio de Amaral.

1878 – maio – 10 – Morre o médico Antônio Mendes da Cruz Guimarães, venerável da maçonaria, aos 40 anos de idade. Era cearense de Fortaleza nascido a 28/02/1838.

1878 – maio – 12 – Publicado em Fortaleza o primeiro número do jornal O Independente, do coronel José Nunes de Melo, em oposição ao governo de José Júlio. Era impresso na Tipografia Industrial por João Alves de Vasconcelos.

1878 – junho – 01 – Assinado o contrato de encampação da Estrada de Ferro de Baturité – EFB pelo governo Imperial em execução ao decreto 6.919 de 01/06.1878.

1878 – junho – 12 – Morre, em Baturité, vítima de congestão cerebral, o desembargador Francisco de Assis Bezerra de Menezes, ex-chefe de polícia, cearense nascido na Fazenda Bárbara, na freguesia do Riacho do Sangue, em 04/10/1814.

1878 – junho – 24 – Toma posse no cargo de Capitão do Porto, o capitão-tenente cearense Antônio Pompeu de Albuquerque Cavalcante, interinamente, quando deixou o cargo, o 1º tenente Manuel Lourenço de Castro Rocha, que acumulava a função de comandante da Escola de Aprendizes Marinheiros do Ceará – EAM.

1878 – junho – 24 – Assume o comando da Escola de Aprendizes Marinheiros do Ceará o capitão-tenente Antônio Severiano Nunes, em substituição ao 1º tenente Manuel Lourenço de Castro Rocha, que acumulava a função de Capitão do Porto.

1878 – julho – 01 – A Via Férrea de Baturité é encampada pelo Governo Imperial.

1878 – julho – 07 – Assume a direção da Estrada de Ferro de Baturité – EFB o engenheiro Carlos Alberto Morsing, primeiro dirigente após a encampação pelo Governo Imperial.

1878 – julho – 28 – Morre, aos 23 anos de idade, o escritor Raimundo Antônio da Rocha Lima, crítico literário, membro da Academia Francesa do Ceará. Era fortalezense nascido em 1855. Existe em Fortaleza uma rua com seu nome.

1878 – julho – 29 – Sai às ruas o jornal O Colossal, literário e crítico impresso na Tipografia Colossal, na Rua Major Facundo nº 34 (antigo).

1878 – julho – Morre em Fortaleza o primeiro operário a ter assento na Assembleia Legislativa, ourives José Flamino Benevides, um dos fundadores da Sociedade União Artística e editor do jornal da entidade. Era alferes da Guarda Nacional e também ourives. Foi o primeiro proprietário da Relojoaria A Hora Certa, que ficava na Rua Guilherme Rocha nº 36, em 1868.

1878 – agosto – 20 – Morre, no Rio de Janeiro, aos 69 anos de idade, o senador Jerônimo Martiniano Figueira de Melo, advogado e juiz. Hoje é nome de praça em Fortaleza. Era cearense de Sobral, nascido a 19/04/1809.

1878 – setembro – 06 – Assume o comando da Força Policial (atual Polícia Militar do Ceará), o alferes do Exército Canuto José de Aguiar (Canuto de Aguiar), substituindo o major da Guarda Nacional, Franklin de Alencar Lima.

1878 – outubro – 15 – A Câmara Municipal de Fortaleza muda o nome da Rua d’Amélia para Rua do Senador Pompeu, por ter ali morado e falecido o homenageado.

1878 – outubro – 19 – A Câmara Municipal de Fortaleza mudou o nome da Rua do Patrocínio para Rua 24 de Janeiro (hoje Rua Guilherme Rocha) e a Rua das Hortas muda para Rua Senador Alencar.

1878 – novembro – 23 – O município de Vila Nova de Messejana é restaurado mais uma vez pela Lei nº 1773, que eleva a povoação à categoria de Vila.

1878 – dezembro – 08 – Lançamento da pedra fundamental da Igreja de Nossa Senhora dos Remédios, no Benfica, pelo bispo Dom Luís Antônio dos Santos.

1878 – dezembro – 17 – Terminada o ramal ferroviário ligando o porto (Poço da Draga) à Estação Central da Estrada de Ferro de Baturité – EFB.

1878 – dezembro – 20 – Em substituição ao capitão tenente Antônio Pompeu de Albuquerque Cavalcante, na Capitania do Porto, assume Francisco Forjes de Lacerda.

1878 – dezembro – 21 – Criada, pela Lei Provincial nº1790, a Escola Normal, que seis anos depois estaria em sede própria na Praça Márquez do Herval.

1878 – dezembro – 30 – Morre no Meireles, Fortaleza, vítima de ataxia locomotriz, o comerciante Antônio Gonçalves da Justa (filho) ex-vereador que ocupou a Presidência da Câmara, foi vice-presidente da Província e era tenente-coronel do Corpo de Cavalaria da Guarda Nacional em Fortaleza. Era cearense de Fortaleza nascido a 21/08/1831.

1878 – As chuvas caídas sobre Fortaleza durante todo o ano foram medidas nos pluviômetros das estações meteorológicas, constatando-se um índice de apenas 507 milímetros, caracterizando forte seca.

 

1879

1879 – janeiro 11 – A Câmara Municipal de Fortaleza muda o nome da Praça da Misericórdia para Praça dos Mártires (Passeio Público), homenagem aos heróis ali sacrificados e dá à Rua da Palma novo nome, Rua do Major Facundo (Rua Major Facundo).

1879 – fevereiro – 01 – Surge o Instituto Cearense de Humanidades do Padre Bruno para alunos de primeiras letras. Era internato, semi-internato e externato. Estava a cargo do Padre Bruno Rodrigues da Silva Figueiredo, depois Monsenhor Bruno e do Padre João Cordeiro da Cruz Saldanha. A sede ficava na Rua Senador Pompeu, mudando-se depois para a Rua de Baixo (Conde D’Eu). Os alunos editavam o jornalzinho Filomático. Depois a direção foi transferida para os padres Antônio de Sousa Barros e Antônio Lopes de Araújo, no dia 04/12/1884, passando a chamar-se Colégio São Luís.

1879 – fevereiro – 16 – Instala-se em Fortaleza a Caixa Econômica do Ceará.

1879 – fevereiro – 23 a 25 – Ocorrem os festejos carnavalescos ou como era chamado, entrudo.

1879 – junho – 01 – Publica-se em Fortaleza o primeiro número do jornal Município, que trazia por lema “Liberdade, Ordem, Progresso”, impresso em Tipografia na Rua Formosa nº 41. Era editado por José Lino de Paula Barros, tendo como redatores Júlio César da Fonseca, João Lopes e João Cordeiro. Foi o primeiro jornal de Fortaleza que foi vendido nas ruas.

1879 – junho – 10 – Assume o comando da Força Policial (atual Polícia Militar do Ceará), o capitão FP Antônio de Vasconcelos que substitui o alferes do Exército Canuto José de Aguiar (Canuto de Aguiar).

1879 – junho – 10 – Morre, no Rio de Janeiro, aos 59 anos de idade, o magistrado Manuel Fernandes Vieira, ex-deputado, sendo sepultado no Cemitério de São João Batista. Era natural de Saboeiro nascido a 19/09/1819. Era filho do Visconde de Icó.

1879 – junho – 14 – Inaugurada a Estação Ferroviária de Guaiuba.

1879 – junho – 24 – Publica-se em Fortaleza o jornal Echo do Povo, redatoriado por Antônio José de Melo, João Cordeiro e Vicente Linhares. Era impresso na Tipografia Imparcial, na Rua Major Facundo nº 46, e o impressor era Francisco Perdigão.

1879 – julho – 16 – Morre, em Sobral, aos 84 anos de idade, o senador Francisco de Paula Pessoa, cearense de Granja nascido em 24/03/1795. Ex-deputado provincial, ex-vice-presidente da Província e ex-senador do Império. Figura de destaque da República do Equador.

1879 – julho – 29 – O presidente da Província autoriza o funcionamento da Sociedade Recreio Familiar.

1879 – setembro – 07 – Inaugurado e entregue ao tráfego o ramal da Estação Central da Estrada de Ferro de Baturité até a Alfândega, numa extensão de 1,62km.

1879 – setembro – 28 – No 8º aniversário da Lei do Ventre Livre, funda-se, em Fortaleza, na casa nº 100 da Rua Formosa, a Sociedade Perseverança e Porvir, de objetivos comerciais, mas que também visava à emancipação dos escravos. Mantinha fundo para alforrias de escravos e alimentava o objetivo de fundar outra entidade, que tomasse para si a empresa de arrebentar o ferro das algemas. Era composta de 10 membros: José Corrêa do Amaral (José do Amaral) (presidente), José Teodorico de Castro (vice-presidente), Alfredo da Rocha Salgado (Alfredo Salgado) (secretário), Joaquim José de Oliveira Filho (tesoureiro), Antônio Dias Martins Júnior (Antônio Martins), Antônio Cruz Saldanha, José Barros da Silva, Francisco Florêncio de Araújo, Antônio Soares Teixeira Júnior e Manuel Albano Filho. Foi assim que nasceu outra sociedade, em 08/12/1880, a Cearense Libertadora.

1879 – outubro – 30 – A capela de Nossa Senhora do Patrocínio é elevada à freguesia, sob a orientação do padre João Paulo Barbosa.

1879 – novembro – 29 – Iniciam-se os trabalhos de assentamento dos trilhos de ferro para os bondes de tração animal da Companhia Ferro-Carril do Ceará. Os primeiros assentados foram em frente ao mercado, na Praça Carolina.

1879 – dezembro – 01 – Instalado, no alto da fachada principal da Estação Central da Estrada de Ferro de Baturité – EFB, o relógio de fabricação norte-americana Seth Thomas Clock Company, ainda existente, embora com outro mostrador. Hoje a estação tem o nome de Estação Professor João Felipe.

1879 – O Açude Pajeú é reconstruído e aumentado, na administração de José Júlio de Albuquerque Barros. Ficava onde atualmente é uma praça com o nome de Avenida Pajeú, entre a Rua Pinto Madeira, a Vila Romero e a Rua 25 de Março.

1879 – Depois de dois anos praticamente sem chuvas, Fortaleza recebeu neste ano precipitações que medidas nas estações meteorológicas deram um índice de 1.320 milímetros.

 

1880

1880 – janeiro – 02 – Assume o comando da Força Policial (atual Polícia Militar do Ceará), o tenente FP Francisco Luís de Vasconcelos em substituição ao capitão FP Antônio de Vasconcelos.

1880 – janeiro – 20 – Toma posse, no cargo de Capitão do Porto, o capitão-tenente e capitão de fragata Antônio Severiano Nunes, em substituição a Francisco Forjes de Lacerda.

1880 – fevereiro – 12 – Assume o cargo de Chefe de Polícia da Província o desembargador Augusto Barbosa de Castro e Silva.

1880 – fevereiro – Este mês teve cinco domingos, pois o ano foi bissexto, ou seja, fevereiro teve 29 dias. Apenas em três anos no século XIX isto aconteceu, em 1824, 1852 e 1880.

1880 – abril – 12 – Iniciada a trasladação dos ossos exumados do antigo Cemitério de São Casemiro para o Cemitério de São João Batista, pela Mesa Regedora da Santa Casa de Misericórdia.

1880 – abril – 14 – Assume a direção da Estrada de Ferro de Baturité – EFB o engenheiro Amarílio Olinda de Vasconcelos, em substituição ao também engenheiro Carlos Alberto Morsing.

1880 – abril – 24 – Inaugura-se, em Fortaleza, a Companhia Ferro-carril do Ceará, com 4.210 metros de linha de bondes de tração animal. Em 1912 os direitos são transferidos para a companhia inglesa The Ceará Light & Power Cº Ltd., que passa a explorar os bondes puxados a burro e ao mesmo tempo instala os de tração elétrica, que começam a circular a partir de 1913 e vão até 1947 quando desapareceram do cenário.

1880 – maio – 07 – Fortaleza e o Ceará, como todo o País são abalados com a notícia da morte de Luís Alves de Lima e Silva, o Duque de Caxias, aos 86 anos de idade.

1880 – junho – 05 – Inaugura-se também a Avenida Central ou Avenida Mororó, no centro do Passeio Público de Fortaleza.

1880 – junho – 08 – Publicado em Fortaleza o jornal Gazeta do Norte, órgão político da facção liberal conhecida na Província como Pompeus. Redatores: Tomás Pompeu de Sousa Brasil Filho, João Eduardo Torres Câmara (João Câmara), João Brígido dos Santos, João Lopes, Virgílio Brígido e Júlio César. Tinha redação e oficinas na Rua Senador Pompeu nº 100. Seria depois o Estado do Ceará.

1880 – junho – 09 – Inaugurado o prédio sede da Estação da Estrada de Ferro de Baturité – EFB (hoje Estação João Felipe), no Campo da Amélia (Praça Castro Carreira) no local do antigo Cemitério de São Casemiro, com planta do engenheiro austríaco Henrique Foglare. Na mesma data é também inaugurado o edifício das oficinas de carpintaria e ferraria, também construído pelo mesmo engenheiro, com material adquirido na Inglaterra pelo engenheiro maquinista H. Stanger.

1880 – junho – 19 – Falecimento, aos 47 anos de idade, em Paris, de Bernardo Duarte Brandão (Barão do Crato), cearense de Icó, bacharel em ciências jurídicas e sociais. Foi deputado da Província e nomeado 4º vice-presidente. Seu corpo foi embalsamado e enviado a Fortaleza onde foi sepultado no Cemitério de São João Batista. Hoje é nome de rua na Floresta (Álvaro Weyne) e Monte Castelo.

1880 – junho – 20 – Inaugurada a linha de bondes de tração animal que saía da Travessa Morada Nova indo até a Alfândega. Era a linha da Praia.

1880 – junho – 21 – Morre, no Recife, PE, aos 40 anos, o maestro Victor Augusto Nepomuceno (Victor Nepomuceno), pai do também maestro Alberto Nepomuceno.

1880 – julho – 02 – O conselheiro André Augusto de Pádua Fleury, matogrossense, toma posse como Presidente do Ceará.

1880 – julho – 02 – Assume o novo Chefe de Polícia, desembargador Gonçalo Paes de Azevedo Faro.

1880 – agosto – 05 – Morre, aos 55 anos de idade, o conselheiro Caetano Estelita Cavalcante Pessoa (Conselheiro Estelita), que governou o Ceará de janeiro a outubro de 1877. Nascera em 1824 em Pernambuco. Hoje é nome de rua no Jacarecanga, em Fortaleza.

1880 – julho – 07 – Morre, aos 63 anos de idade, o médico-cirurgião e político Francisco Alves Pontes, cearense de Sobral nascido em 1817. Atuou como médico na campanha do Paraguai. Foi deputado provincial.

1880 – setembro – 03 – Criada, pela Lei nº 1.903, a Guarda Cívica de Fortaleza, destinada ao policiamento da Capital. Iniciou com 63 homens.

1880 – outubro – 25 – Muda-se, da Rua Formosa nº 56 (antigo), para o andar térreo da Assembleia Provincial, a Repartição dos Correios.

1880 – dezembro – 08 – Instala-se a Sociedade Cearense Libertadora, para a libertação dos escravos, promovida sob os auspícios da associação comercial “Perseverança e Porvir”, iniciativa de Antônio da Cruz Saldanha, que teve como primeira diretoria provisória: João Cordeiro “Juarez” (presidente), José Corrêa do Amaral (José do Amaral) “César” (vice-presidente), Frederico Augusto Borges “Spartacus” (1º secretário), Antônio Bezerra de Sousa Menezes “Risakoff” (2º Secretário), Manuel Ambrósio da Silveira Torres Portugal e capitão Justino Francisco Xavier (advogados), João Crisóstomo da Silva Jatahy (tesoureiro), João Martins “Pery”, José Joaquim Teles Marrocos (José Marrocos) “Ó Conell”, José Caetano da Costa, João Carlos da Silva Jatahy, João Batista Perdigão de Oliveira e Eugênio Marçal. Por tratar-se de um movimento muito perigoso, cada um tinha seu pseudônimo, que pusemos logo após o nome. Durante o tempo de duração das sociedades vários outros vultos ingressaram, chegando a 225 associados só na Cearense Libertadora. A fundação deu-se na casa Rocha Negra, residência da família Marçal, na Rua Formosa (Rua Barão do Rio Branco) hoje nº 1201.

1880 – dezembro – 16 – Morre, em Fortaleza, aos 59 anos de idade, vítima de beribéri, o magistrado Manuel Franco Fernandes Vieira, que exerceu a presidência do Poder Legislativo em 1856-1857. Hoje é nome de bairro em Fortaleza. Nascera em Maranguape, no dia 18/09/1821.

1880 – O comerciante João Otávio Vieira Filho transferiu sua Padaria Americana do Aracati para Fortaleza, instalando-a em prédio na Rua General Sampaio nº 68-A, depois 130 (antigos). Foi a primeira fábrica de biscoitos e bolachas do Ceará. Em 1923 vamos encontrá-la pertencendo a J. Fontenele e em 1940 a José Teixeira de Abreu, já na Avenida da Universidade nº 2293. Surgira no Aracati em 1864.

1880 – Fundada em Fortaleza a Serraria Ponte, na esquina da Avenida Tristão Gonçalves nº 427 com Guilherme Rocha nº 177 (antigo, atual 707), na Praça da Lagoinha ou Praça Comendador Teodorico (atualmente Praça Capistrano de Abreu).

1880 – Instala-se o estabelecimento do italiano Antônio Russo Italiano, uma fábrica de produtos alimentícios (padaria) e confeitaria, além de loja de estivas, cereais e miudezas, na Rua Dr. Pedro Borges nº 19 (antigo).

1880 – Instala-se, em Fortaleza, a casa Leite Barbosa & Companhia, importadores e exportadores, na Rua Major Facundo nº 108 (antigo, atual 278), de Maximiano Leite Barbosa.

1880 – Abre-se em Fortaleza A Libertadora, de João Tibúrcio Albano, na Rua Floriano Peixoto esquina com Rua Pará.

1880 – O índice de chuvas caídas em Fortaleza foi de 1.539 milímetros, o que foi considerado excessivo.

 

1881

1881 – janeiro – 01 – Circula o primeiro número do jornal Libertador, órgão da Sociedade Cearense Libertadora. Era redatoriado por Antônio Dias Martins Júnior (Antônio Martins), Antônio Bezerra de Sousa Menezes e José Joaquim Teles Marrocos (José Marrocos). Foi quinzenal até o número 7, passando a semanal até o nº 18, quando passou a sair irregularmente.

1881 – janeiro – 22 – Alguns logradouros de Fortaleza têm seus nomes alterados, conforme listagem abaixo:

Praça da Lagoinha                                                                                     muda para          Praça Comendador Teodorico;

Praça da Boa Vista (Coração de Jesus)                                                         ‘’                        Praça Dr. José Júlio;

Praça de Jacarecanga (do Liceu)                                                                  ‘’                        Praça Senador Fernandes Vieira.

1881 – fevereiro – 03 – Sob a orientação de Júlia Corrêa do Amaral (Júlia Amaral) e sua irmã Judite Corrêa do Amaral (Judite Amaral), surge o Colégio Santa Rosa de Lima, conhecido como colégio das Amarais, no mesmo prédio da Rua Formosa nº 100, onde esteve o Colégio São José e hoje são dois sobrados (nºs 1026 e 1030). Auxiliavam Júlia Amaral, Cândida Argentina da Frota, Elvira Pinho e Carolina Albernaz de Matos. Depois se mudou para a Chácara dos Amarais, no Benfica.

1881 – abril – 01 – Assume a Presidência da Província, o senador Pedro Leão Veloso, pela segunda vez, incompatibilizado com os abolicionistas.

1881 – abril – 03 – Morre em Maranguape, no seu Sítio Ipioca, o português da Ilha de São Jorge Antônio José Correia. Nascera em 17/05/1839.

1881 – maio – 06 – Publicado em Fortaleza, por João Cordeiro, o jornal Alcoviteiro, número único.

1881 – junho – 09 – Assume o desembargador Torquato Mendes Viana o cargo de Chefe de Polícia da Província.

1881 – junho – 13 – Morre, em Ipu, aos 67 anos de idade, o padre Francisco Correia de Carvalho e Silva, cearense de Aracati nascido em 10/01/1814, que exerceu a presidência do Poder legislativo em 1866.

1881 – julho – 09 – Publicado em Fortaleza o primeiro número do jornal O Carcará, cronista, noticioso e crítico, dito 2ª Edição de número publicado em 1872.

1881 – agosto – 30 – O movimento abolicionista fecha o porto de Fortaleza ao embarque de escravos, tendo à frente o jangadeiro Francisco José do Nascimento, o Dragão do Mar, também conhecido por Chico da Matilde.

1881 – setembro – 12 – A antiga Praça Carolina, que ficava entre a Rua da Assembleia (Rua São Paulo), Rua do Quartel (Rua General Bezerril), Rua Boa Vista (Rua Floriano Peixoto) e Travessa do Mercado (Travessa Crato), recebe, no dia 12 de setembro de 1881, o nome oficial de Praça José de Alencar (não é a atual). Hoje parte dela é Largo do Mercado e outra, Praça Waldemar Falcão.

1881 – setembro – 15 – Publicado em Fortaleza o jornal Equador. Era impresso na tipografia do Jornal do Comércio, por Merandolino Ferreira Façanha.

1881 – outubro – 02 – Lançada a pedra fundamental do prédio da Escola Normal, na Praça Marquês do Herval (Praça José de Alencar), onde hoje está o IPHAN.

1881 – outubro – 15 – Morre José Alexandre de Amorim Garcia, magistrado e deputado provincial no Rio Grande do Norte. Era cearense de Fortaleza nascido em 02/061834.

1881 – novembro – 01 – Fundada, em Fortaleza, a Associação das Filhas de Maria da Santa Casa, com autorização do Bispo Dom Luís Antônio dos Santos.

1881 – dezembro – 26 – Pedro Leão Veloso deixa o governo, assumindo o vice Presidente Torquato Mendes Viana.

1881 – 1.412 milímetros de chuva foi o índice do ano em Fortaleza.

 

1882

1882 – janeiro – 06 – Inicia seu funcionamento a Escola Cristã do então padre depois monsenhor Liberato Dionísio da Costa. Ficava na Rua do Sampaio.

1882 – janeiro – 28 – A sociedade Reform Club muda-se e inaugura sua nova sede, às 20h, na Rua Formosa (Rua Barão do Rio Branco) nº 187 (antigo), onde depois funcionou o Clube Iracema.

1882 – fevereiro – 09 – Por proposta do vereador Antônio Cirilo Freire, o Campo da Amélia, que fora inaugurado no dia 29/06/1830, passa a denominar-se Praça Senador Carreira.  Hoje é Praça Castro Carreira, conhecida como Praça da Estação.

1882 – fevereiro – 21 – Morre o comendador João Antônio Machado (Comendador Machado), inspetor da Alfândega em Fortaleza, ex-comandante da Guarda Nacional e ex-deputado provincial. Era proprietário do sobrado na Praça do Ferreira no local onde hoje está o Edifício Excelsior, na Rua Major Facundo esquina com Rua Guilherme Rocha nº 172. Era cearense de Fortaleza nascido em 12/04/1824.

1882 – fevereiro – 24 – Morre o coronel José Nunes de Melo, ex-comandante da Força Policial (hoje Polícia Militar do Ceará – PMC) e ex-deputado estadual. Comandou o 1º Batalhão de Voluntários na Guerra do Paraguai. Nascera em Fortaleza em 08/06/1823. É hoje nome de rua no Rodolfo Teófilo e Bela Vista.

1882 – março – 22 – Assume a Presidência da Província, o sergipano Sancho de Barros Pimentel.

1882 – março – 22 – A Rua São Bernardo passa a chamar-se Rua do Dr. Pedro Pereira, homenagem a Pedro Pereira da Silva Guimarães, o primeiro deputado que apresentou na Câmara o projeto de emancipação do ventre escravo. Atualmente é somente Rua Pedro Pereira.

1882 – março – 18 – Sai o Decreto Imperial nº 8.460, que dá direito à cidade de Fortaleza a possuir telefones, sendo concedida permissão à firma Morris N. Kohn.

1882 – março – 30 – O Cabo Submarino ligando Fortaleza ao Sul do País é inaugurado pela firma American Telegraph and Cable Cº. e em 30 de maio ligando Fortaleza à Europa. Depois a firma chamou-se The Western Telegraph Company Limited.

1882 – maio – 14 – Acontece a primeira extração da primeira Loteria Cearense, em benefício da Santa Casa de Misericórdia, Igreja de São Benedito e Colônia Cristina.

1882 – maio – 19 – Assume a direção da Estrada de Ferro de Baturité – EFB o engenheiro Ernesto Antônio de Lassance Cunha, substituindo Amarílio Olinda de Vasconcelos.

1882 – junho – 03 – A Câmara Municipal de Fortaleza muda o nome da Rua d’Assembleia para Rua do Dr. José Lourenço. Hoje se chama Rua São Paulo.

1882 – junho – 03 – Toma posse, no cargo de Chefe de Polícia da Província, o jurista e artista Joaquim Lopes de Alcântara Bilhar.

1882 – junho – 14 – Sai, em Fortaleza, o primeiro número do jornal A Greve, redatoriado por Xico Greve, com redação na Rua do Cajueiro nº 22.

1882 – junho – 27 – Inaugura-se a Augusta e Benemérita Loja Capitular Igualdade, do Grande Oriente do Brasil, em sua sede própria na Rua Senador Pompeu 578, onde ainda hoje se encontra. Seu venerável era José Mariano da Costa Nunes.

1882 – julho – 21 – Encontra-se em Fortaleza, no Teatro São Luís, na esquina da Rua da Misericórdia (Rua João Moreira) com Rua Formosa (Rua Barão do Rio Branco), o maestro Antônio Carlos Gomes, de fama internacional.

1882 – julho – 23 – Publicado em Fortaleza, o jornal Cri-Cri, de propriedade da Associação Cavaleiros Negros, tendo como editor-proprietário, Antônio de Lafayette.

1882 – agosto – 30 – Assume a Chefia de Polícia o promotor público Francisco Leal de Miranda.

1882 – setembro – 17 – Publicado, em Fortaleza, o primeiro número do jornalzinho O Batel, redatoriado por Álvaro Dias Martins (Álvaro Martins) “Alvarins” e Gulpio.

1882 – outubro – 31 – O sergipano Sancho de Barros Pimentel passa as rédeas do governo para o segundo vice, comendador Antônio Teodorico da Costa (pai).

1882 – novembro – 22 – Instala-se em Fortaleza, no sobrado na esquina da Rua Floriano Peixoto com Rua Dr. João Moreira, o Grande Hotel do Norte, de Silvestre Rendall, que no mesmo ano recebeu como hóspede ilustre o libertador José Carlos do Patrocínio (José do Patrocínio) e sua esposa D. Maria do Patrocínio. Depois o hotel pertenceu ao francês Norberto Paulo Golignac (Norberto Golignac). O prédio construído em 1872 abrigou a Sociedade União Cearense e foi alugado pelo Correio em 04/03/1895 que lá ficou até 1935 quando se mudou para sede própria e o prédio foi vendido a Light, que nacionalizada em 1948 passou a ser Serviluz, Conefor, Coelce, no correr do tempo. Em abril de 2001 desmoronou-se parcialmente e no final do ano foi adquirido pela Federação das Indústrias do Estado do Ceará – Fiec.

1882 – dezembro – 01 – Chega em Fortaleza o abolicionista José Carlos do Patrocínio (José do Patrocínio) e sua esposa Maria do Patrocínio, que se hospedam no Grande Hotel do Norte, de Silvestre Rendall, na esquina da Rua Floriano Peixoto com Rua Dr. João Moreira.

1882 – dezembro – 12 – Deixa o cargo de Presidente da Província, Antônio Teodorico da Costa (pai).

1882 – dezembro – 19 – Toma posse o paraense Domingos Antônio Raiol no cargo de Presidente da Província do Ceará.

1882 – dezembro – 19 – Fundado o Centro Abolicionista 25 de Dezembro, trazendo em sua diretoria João Lopes Ferreira Filho, Júlio César da Fonseca Filho, Joaquim Domingues da Silva, Antônio Leal de Miranda, cônego João Paulo Barbosa, Afonso d’Albuquerque, Narciso A. Vieira da Cunha, José Martiniano Peixoto de Alencar, Joaquim Januário J. de Araújo, Guilherme Chambly Studart (Barão de Studart), major Bento Luís da Gama e Meton da Franca Alencar.

1882 – Inaugura-se o último trecho da Estrada de Ferro de Baturité, ligando Canoa a Baturité, ficando entregue ao tráfego a linha Fortaleza-Baturité.

1882 – Fundada a Serraria Rodolfo F. da Silva, de Rodolfo Ferreira da Silva, empreiteiro e construtor, na Rua General Sampaio nº 321/327 (antigo, atual nº 1263). Depois a firma mudou para Rodolfo F. da Silva & Filho, com a Serraria a Vapor. A firma foi a construtora do Edifício Brasil, na Rua General Bezerril, no Largo do Palácio (atual Praça General Tibúrcio), de propriedade de José Gentil Alves de Carvalho e do Instituto Epitácio Pessoa, na Rua Barão do Rio Branco.

1882 – Fortaleza era formada por 51 vias (45 ruas, duas travessas e quatro avenidas) e 16 praças, com 3.889 prédios (3.855 casas, 10 igrejas e 24 edifícios públicos).

1882 – As chuvas que banharam Fortaleza durante todo o ano foram medidas nos pluviômetros das estações meteorológicas, constatando-se um índice de 1.250 milímetros.

 

1883

1883 – janeiro – 01 – Com a presença de José do Patrocínio, que aqui chegara no dia 1º de dezembro do ano anterior, a vila do Acarape concede plena liberdade a todos os seus escravos, antecipando-se a todas as cidades e vilas do País; e a 24 de maio, grandiosas festas pela libertação dos escravos na Capital da Província. Em todo o Estado, a libertação se daria no ano seguinte.

1883 – janeiro – 04 – Instala-se, no prédio do Reform Club, a sociedade Centro Abolicionista 25 de Dezembro, fundada em 19/12/1882. Mais uma fonte de luta contra a escravatura.

1883 – janeiro – 24 – Morre, em Fortaleza, na Santa Casa de Misericórdia, com a idade de 23 anos, o poeta Antônio Barbosa de Freitas, cearense da cidade de Jardim, onde nascera a 22/01/1860. Hoje seu nome é rua que corta os bairros do Meireles e Dionísio Torres, em Fortaleza.

1883 – janeiro – 28 – Chega a Fortaleza o telefone a manivela, com primeira experiência realizada nesta data.

1883 – fevereiro – 11 – Inaugurada a primeira linha telefônica de Fortaleza, entre o estabelecimento comercial de Confúcio Augusto Pamplona (Confúcio Pamplona), na Rua do Major Facundo nº 59 (antigo) e a casa de José Joaquim de Farias, no Largo da Alfândega.

1883 – fevereiro – 19 – Morre, aos 77 anos de idade, na Casa de Caridade de Bananeiras, Paraíba, o padre José Antônio de Maria Ibiapina (Padre Ibiapina), cearense de Sobral onde nascera na Fazenda Morro da Jaibara, no dia 05/08/1806. Foi Patrono na Academia Cearense de Letras – ACL e é nome de rua no Jacarecanga.

1883 – março – 04 – Desembarca em Fortaleza o 11º Batalhão de Infantaria, vindo de Belém do Pará, para substituir o 15º BI, que estava de viagem para Belém. Seu comandante era o coronel Joaquim José de Magalhães.

1883 – março – 07 – Embarca, com destino a Belém do Pará, o 15º Batalhão de Infantaria, por ter-se incorporado à luta abolicionista.

1883 – abril – 11 – Assume, o cargo de Chefe de Polícia, o advogado Benjamin Franklin de Oliveira e Melo.

1883 – maio – 17 – O paraense Domingos Antônio Raiol, (já Barão de Guajará), transfere o governo ao vice, Antônio Teodorico da Costa (pai).

1883 – maio – 24 – Grande regozijo em Fortaleza, pela libertação total dos escravos na Capital.

1883 – junho – 24 – Surge o primeiro número de A Luz, jornal literário, crítico, semanário, impresso em tipografia própria, na Rua Senador Pompeu nº 124(antigo).

1883 – julho – 08 – Nasce em Fortaleza a Igreja Evangélica e a Igreja Presbiteriana, tendo à frente o missionário norte-americano Lacy Wardlou, que naquele dia batizou na Fé Evangélica os 12 primeiros pioneiros.

1883 – agosto – 21 – Toma posse como Presidente da Província do Ceará, o médico Manuel Sátiro de Oliveira Dias (Sátiro Dias) Em sua administração houve a total libertação dos escravos da Província.

1883 – outubro – 11 – Assume, o cargo de Chefe de Polícia, o advogado João dos Reis de Sousa Dantas Filho.

1883 – novembro – 24 – A primeira fábrica de tecidos de algodão em Fortaleza é instalada, na Rua Santa Isabel (hoje Rua Princesa Isabel) com fundos para a hoje Avenida Tristão Gonçalves, com a razão social Pompeu & Irmão. Era a Fábrica de Fiação e Tecidos Cearenses, de Antônio Pompeu de Sousa Brasil, Tomás Pompeu de Sousa Brasil (Senador Pompeu) e Antônio Pinto Nogueira Acioli. Fora registrada na Junta Comercial em 20/01/1881.

1883 – dezembro – 18 – Fundada, na casa de José Corrêa do Amaral (José do Amaral), com a presença de José do Patrocínio, a Sociedade das Cearenses Libertadoras, dirigida por Maria Tomásia Filgueira Lima.

1883 – Fortaleza recebeu durante o ano chuvas que foram medidas em índice de 1.440 milímetros.

 

1884

1884 – janeiro – 06 – Instala-se, solenemente, a Sociedade das Cearenses Libertadoras, dirigida por Maria Tomásia Filgueira Lima, fundada em 18 de dezembro do ano anterior.

1884 – fevereiro – 04 – Morre a abolicionista Carolina Carlota de Castro Cordeiro, casada com João Cordeiro. Nascera a 19/06/1852, filha do médico José Lourenço de Castro e Silva.

1884 – fevereiro – 23 a 25 – O entrudo, ou como ficou depois conhecido, carnaval teve suas apresentações pelas ruas da Cidade.

1884 – fevereiro – 24 – Chega a Fortaleza, Dom Joaquim José Vieira, no vapor “Espírito Santo” sendo o segundo Bispo do Ceará, sagrado a 09/12/1883. Nascera em Itapetininga, SP.

1884 – março – 23 – A Escola Normal instalou-se na Rua Liberato Barroso nº 525, esquina com Rua 24 de Maio, na então Praça Marquês do Herval (hoje Praça José de Alencar), em prédio próprio, projetado pelo engenheiro civil, austríaco, Henrique Foglare, construído pelo engenheiro Henrique Théberge, sendo executante o mestre pedreiro Francisco de Sousa Brasil. Fora criada pela Lei provincial nº 1.790, de 21/12/1878. O local onde se instalou foi depois o Grupo do Norte da Cidade, Grupo Escolar José de Alencar, a Faculdade de Farmácia e Odontologia, a Faculdade de Medicina e desde 1987 é ocupado pelo Instituto do Patrimônio Histórico e Artístico Nacional – IPHAN. A pedra fundamental havia sido lançada no dia 02/10/1881. Quando a Escola Normal saiu de lá, o prédio sofreu reforma em seu telhado e em toda a sua fachada. Em 23/12/1923, mudou-se para a Praça Figueira de Melo, para novo prédio, cuja construção havia se iniciado no dia 11/08/1922, na administração do presidente Justiniano de Serpa e sua inauguração, já na administração de Ildefonso Albano. Mas o prédio só foi concluído no governo revolucionário de 1933-1934. O projeto foi do arquiteto José Gonçalves da Justa, no estilo flamengo moderno. Depois, a Escola Normal passou a denominar-se Escola Normal Pedro II (28/08/1925); Escola Normal Justiniano de Serpa (02/04/1939); Instituto de Educação do Estado do Ceará (07/02/1947); Instituto de Educação Justiniano de Serpa (06/01/1952); Colégio Estadual de Fortaleza (15/01/1960) sendo desmembrados os cursos primário e normal que vão para prédio no bairro de Fátima, recebendo a denominação de Centro Educacional do Ceará; e hoje chama-se Colégio Estadual Justiniano de Serpa (26/01/1961).

1884 – março – 25 – O presidente da Província, Manuel Sátiro de Oliveira Dias (Sátiro Dias), decreta a Abolição dos escravos, em todo o território do Ceará em sessão realizada em pavilhão armado na Praça Castro Carreira. Em Fortaleza foram quatro dias de festas, mas em alguns lugares houve resistência e demorou ainda a libertação geral.

1884 – março – 30 – Surge em Fortaleza, a União do Clero, associação eclesiástica beneficente.

1884 – maio – 10 – Assume o comando da Força Policial (atual Polícia Militar do Ceará), o capitão da Guarda Nacional Trajano Antunes de Alencar Rodovalho que substitui o tenente FP Francisco Luís de Vasconcelos.

1884 – maio – 25 – Sai às ruas, impresso nas oficinas da Gazeta do Norte, o jornalzinho satírico O Porvir.

1884 – maio – 31 – O Presidente da Província, Manuel Sátiro de Oliveira Dias (Sátiro Dias), passa o governo para o vice-presidente, comendador Antônio Pinto Nogueira Acioli.

1884 – junho – 08 – Publicam-se em Fortaleza dois jornalecos, O Trovão e O Carnaúba.

1884 – junho – 08 – Morre em Fortaleza o abolicionista, militar reformado do Exército Júlio César da Fonseca (pai), aracatiense nascido em 24/08/1828.

1884 – junho – 09 – Sai às ruas de Fortaleza mais uma publicação, o jornal O Colibri.

1884 – junho – 22 – Violento incêndio irrompe em prédio da Rua Major Facundo de nº 93, esquina com a Rua Guilherme Rocha, na Praça do Ferreira, de propriedade da Câmara Municipal de Fortaleza, deixando somente as cinzas.

1884 – junho – 28 – Surge mais um clube diversional em Fortaleza, quando é fundado o Clube Iracema, que inaugura-se no dia 19 de julho. Funcionou no início em prédio na esquina da Rua Senador Pompeu com Rua Guilherme Rocha (atualmente Edifício Santa Elisa). Mudou-se depois para a Rua Barão do Rio Branco nº 1321, onde foi depois a Faculdade de Farmácia e Odontologia, Faculdade de Comunicação, uma loja do Grupo Romcy e hoje é uma agência do Banco do Brasil. Depois mudou-se para o Palacete Ceará e posteriormente para prédio próprio na Praça dos Voluntários, o Palacete Iracema que foi vendido para a Prefeitura Municipal que hoje nele abriga seu setor de finanças. Depois uniu-se ao Clube dos Diários, tendo o nome de Clube Diários-Iracema com sede na Praia de Iracema na Avenida Beira Mar nº 2120.

1884 – julho – 12 – Assume o novo Presidente da Província, o mineiro Carlos Honório Benedito Otoni, sendo o 47º.

1884 – julho – 30 – Publicado em Fortaleza o jornalzinho O Bond.

1884 – agosto – 06 – A Sociedade Cearense Libertadora, tendo cumprido sua missão, dissolve-se.

1884 – agosto – 21 – Morre, em Mombaça, o padre João Antônio do Nascimento e Sá, que exerceu a presidência do Poder legislativo do Ceará em 1883. Nascera em Souza, Paraíba, em 26/09/1839.

1884 – agosto – 26 – Publicado o primeiro número do jornal Infância, em Fortaleza.

1884 – setembro – 01 – Funda-se em Fortaleza a firma Conrado Cabral & Cia., importadores estabelecidos em prédio na Rua Major Facundo nº 59, depois nº 116 (atual 302/306), representantes das máquinas de costuras New Home, Iracema, Ligeira, Vibratoria, Combate, Familiar, Jacy, Vibrante.

1884 – setembro – 25 – Publica-se em Fortaleza o Jornalzinho, periódico cujo editor-proprietário era Antônio Ferreira de Lafayette (Antônio Lafayette).

1884 – outubro – 14 – Lançada, a pedra fundamental para construção do viaduto, nas obras do porto de Fortaleza, a cargo da firma Ceará Harbour Corporation Limited. Era a construção do paredão de pedra que teria um viaduto para separá-lo da praia, deixando a passagem livre da água.

1884 – novembro – 08 – Publica-se, o primeiro número do jornal chamado Revista Contemporânea, dedicada à família cearense. Muitos anos depois, em 1939, surge uma revista homônima.

1884 – dezembro – 04 – Surge o Colégio São Luís, sucessor do Instituto Cearense de Humanidades do Padre Bruno Rodrigues da Silva Figueiredo, depois Monsenhor Bruno, sob a direção dos padres Antônio de Souza Barros e Antônio Lopes de Araújo.

1884 – Teve Fortaleza, durante o ano, chuvas que foram medidas por meteorologistas, que encontraram um índice de 1.175 milímetros.

 

1885

1885 – fevereiro – 12 – Assume, sucedendo a Carlos Honório Benedito Otoni o conselheiro Sinval Odorico de Moura, maranhense, como Presidente do Ceará.

1885 – fevereiro – 15 – Funda-se, em Fortaleza, a sociedade carnavalesca Conspiradores Infernais, cujos estatutos são aprovados no dia 21/02/1888.

1885 – fevereiro – 23 – Distribuído em Fortaleza o jornal Província do Ceará, que substitui o jornal Libertador, que deixa de circular.

1885 – março – 14 – Começa a circular em Fortaleza o jornal Parafuso.

1885 – março – 28 – Morre, aos 47 anos de idade, em Fortaleza, às 20h, o brigadeiro Antônio Tibúrcio Ferreira de Sousa (General Tibúrcio), cearense de Viçosa do Ceará nascido em 11/08/1837, vítima de lesão cardíaca. Hoje é nome de praça no Centro de Fortaleza onde ao centro tem sua estátua (a primeira erigida na Cidade) e seus restos mortais. Hoje, infelizmente, a praça é chamada de “dos leões”.

1885 – março – 29 – No lugar Papicu, um violento incêndio destrói a casa de José Esteves, reduzindo a cinzas tudo, em pouco tempo, deixando carbonizados os cadáveres de seus três filhos.

1885 – março – 30 – Assume o cargo de Chefe de Polícia, o juiz Agostinho Júlio do Couto Belmonte.

1885 – abril – 08 – Pela manhã, tem lugar a inauguração e bênção da Igreja de São Benedito, na Avenida do Imperador. À tarde acontece a trasladação das imagens de S. Benedito, Sta. Tereza de Jesus, S. Roque e S. Caetano, da Igreja do Patrocínio para o novo templo. Essa igreja foi construida pelo abolicionista José Joaquim Telles Marrocos, para que os “pretos” tivessem assistência religiosa. Ela deve ter sido construida entre 1881 e 1882. Pena que tenha sido destruído na década de 1970.

1885 – abril – 09 – Concluído o edifício destinado ao Paiol da Pólvora, construído em terreno adquirido à viúva do brigadeiro Francisco Xavier Torres, na Lagoa Seca. Desde 05/11/1884 o paiol vinha sendo usado, mas suas obras não estavam concluídas. Hoje o local é o bairro do Pirambu.

1885 – abril – 15 – Sai às ruas de Fortaleza o primeiro número do periódico Pacotilha.

1885 – junho 13 – Irrompe um incêndio no estabelecimento comercial de Conrado de Oliveira Cabral (Conrado Cabral), na Rua Major Facundo nº 63 (antigo, atual 302).

1885 – junho – 13 – O Museu da Província, que funcionava no Gabinete Cearense de Leitura, é transferido para o edifício onde funcionou a Escola Normal, na esquina da Rua 24 de Maio com Rua Liberato Barroso.

1885 – julho – 21 – A Capitania do Porto tem novo comandante, assume o capitão-tenente Manuel Augusto de Castro Menezes, substituindo o capitão de fragata Antônio Severiano Nunes.

1885 – julho – 22 – Reaparece, em Fortaleza, o jornal Libertador, que volta pela 3ª vez.

1885 – julho – 22 – O capitão-tenente Manuel Augusto de Castro Menezes assume, cumulativamente, o posto de comandante da Escola de Aprendizes Marinheiros do Ceará, substituindo o capitão-tenente Antônio Severiano Nunes.

1885 – julho – 25 – Morre o jornalista e poeta Antônio Olímpio da Rocha, que deixou três livros inéditos, Farfalhas, Musa Antiga e Fagulhas. Era cearense de Fortaleza nascido em 1863.

1885 – agosto – 02 – Publica-se em Fortaleza o primeiro número do jornal Sentinela.

1885 – agosto – 26 – Muda novamente de comando, a Escola de Aprendizes Marinheiros do Ceará, saindo o capitão-tenente Manuel Augusto de Castro Menezes e entrando o 1º tenente Carlos Vidal de Oliveira Freitas.

1885 – setembro – 16 – Assume o cargo de Chefe de Polícia, em substituição a Júlio de Couto Belmonte, o desembargador Joaquim Pauleta Bastos de Oliveira, formado no Recife.

1885 – outubro – 01 – Miguel Calmon Du Pin e Almeida toma posse como Presidente da Província, substituindo Sinval Odorico de Moura.

1885 – outubro – 02 – Morre, no Rio de Janeiro, o conselheiro do Império, bacharel em Direito José Liberato Barroso, ex-deputado, ex-senador, cearense de Aracati onde nasceu no dia 21/09/1830. Existe no Centro de Fortaleza uma rua com seu nome, antiga Rua das Trincheiras.

1885 – outubro – 25 – Morre, aos 68 anos de idade, Antônio Joaquim Batista de Castro (Galinha Branca), fundador da Igreja de Nossa Senhora da Conceição da Prainha (Igreja da Prainha), deixando-a quase pronta. Nascera em 1816.

1885 – novembro – 25 – Sai a Lei provincial nº 2.097, que cria novamente a antiga Vila de Arronches com o nome de Vila de Porangaba, que só seria inaugurada em 1888.

1885 – dezembro – 15 – Toma posse, no comando da Força Policial (atual Polícia Militar do Ceará), o major do Exército Coriolano de Castro e Silva, em substituição ao capitão da Guarda Nacional Trajano Antunes de Alencar Rodovalho.

1885 – O índice de chuvas caídas sobre Fortaleza neste ano foi de 1.215 milímetros.

 

1886

1886 – janeiro – 05 – Morre em Fortaleza o major Luís Xavier Torres, conhecido carinhosamente por major Lulu Torres, comandante da Fortaleza de Nossa Senhora da Assunção. Ex-comandante da Força Policial (Polícia Militar do Ceará – PMC). Nascera a 01/05/1809 em Fortaleza. Hoje é nome de rua na Maraponga.

1886 – janeiro – 08 – Funda-se o Externato Santa Teresa de Jesus, de Rufina Maria Rosas, na Rua Senador Pompeu nº 143-A (antigo).

1886 – janeiro – 26 – Morre, aos 34 anos de idade, vítima de aneurisma na aorta, o médico Antônio Pompeu de Sousa Brasil (pai), cearense pioneiro da indústria de tecidos. Sócio efetivo do Instituto Acadêmico. É hoje nome de rua no centro de Fortaleza. Era cearense de Fortaleza, nascido no dia 29/03/1851.

1886 – março – 01 – O Asilo de Alienados São Vicente de Paulo é inaugurado, com 14 internos, por inspiração do comendador Severiano Ribeiro da Cunha, em terreno doado por José Francisco da Silva Albano (Barão de Aratanha), conhecido por Asilo de Porangaba. Hoje se chama Hospital Psiquiátrico São Vicente de Paulo. Seu primeiro diretor foi José Teófilo Ribeiro e o primeiro médico foi Meton da Franca Alencar (Meton de Alencar).

1886 – março – 25 – Inaugura-se a Igreja do Sagrado Coração de Jesus, sendo sagrado seu altar, pelo Bispo Dom Joaquim José Vieira. Sua pedra fundamental tinha sido assentada em 25/09/1878, logo após o término da seca de 1877, uma das razões da construção do templo: para aproveitar a mão de obra do flagelado. A iniciativa da construção foi do casal José Francisco da Silva Albano (Barão de Aratanha) e Liberalina Angélica da Silva Albano (Baronesa de Aratanha), secundado pelo concurso de Dom Luís Antônio dos Santos. Ficou conhecida como Igreja dos Albanos. As obras se iniciaram em 25/09/1878. O templo era singelo, em linhas neoclássicas e neogóticas. A grande seca de 1875-1877 deixou um grande número de flagelados em Fortaleza, e para dar trabalho a essa gente é que foi construída a igreja em frente à Lagoa do Garrote (Parque da Liberdade, Parque da Independência, Cidade da Criança), no “Morro do Pecado”, onde existia uma capela dedicada a Nossa Senhora das Dores, em 1848, cuidada pelo padre Alencarino. A igreja teve como primeiro administrador o padre Antônio Xisto Albano, filho do Barão de Aratanha, que ali ficou até 1901, quando foi transferido para o Maranhão, ocasião em que o bispo Joaquim José Vieira resolveu entregar a administração à Ordem Seráfica dos Capuchinhos da Missão do Maranhão, o que foi feito no dia 01/06/1901, mas a transferência só se deu no dia três. No início da década de 50, a torre, que era de zinco sobre armação de madeira, foi retirada, e em seu lugar foi levantado, sobre a velha alvenaria de tijolo da Tabatinga (branco), um bloco de concreto com um relógio de 4 faces e sobre ela a imagem de Jesus Cristo, que antes se achava no frontal do templo, causando o esmagamento das velhas paredes, que ruíram às 13h20min do dia 15/03/1957. Ao invés de reconstruírem a igreja, pois apenas ruíra a torre, os capuchinhos acharam por bem derrubar toda a igreja, para construírem uma maior, que é a que atualmente lá está, mas a arquitetura usada é mista, feia, cheia de “combogós”, e tem na sua fachada uma parede reta como se fora um oitão, além de rampas para subida de carros, uma torre vazada e uma grande cúpula sobre a nave principal. A pedra fundamental da nova igreja foi lançada em 1958 e sua inauguração se deu em 1961.

1886 – março – 25 – A praça onde ficava a Igreja do Coração de Jesus recebe o nome de Praça Coração de Jesus.

1886 – abril – 09 – Assume a Presidência da Província do Ceará o desembargador Joaquim da Costa Barradas.

1886 – abril – 21 – Morre, aos 55 anos de idade, em Pacatuba, o militar, agrônomo e político José Antônio da Justa, que exerceu a presidência do Poder Legislativo em 1882. Era cearense de Pacatuba nascido em 1831.

1886 – junho – 10 – Assume o comando da Fortaleza de Nossa Senhora da Assunção, o major reformado Antônio Joaquim Guedes de Miranda, nomeado por portaria de cinco de maio.

1886 – julho – 05 – O Gabinete Cearense de Leitura encerra suas atividades, passando seu acervo à Biblioteca Pública do Ceará, solicitando apenas uma coisa em troca: que seu nome seja perpetuado em uma sala daquela instituição.

1886 – julho – 11 – Muda de comando a Escola de Aprendizes Marinheiros do Ceará, quando entra o 1º tenente Raimundo Frederico Kiape da Costa Rubim (Almirante Rubim), que substitui o 1º tenente Carlos Vidal de Oliveira Freitas.

1886 – julho – 13 – Assume o comando da Escola de Aprendizes Marinheiros do Ceará o capitão-tenente Manuel Pereira Pinto Bravo, em substituição ao 1º tenente Raimundo Frederico Kiape da Costa Rubim (Almirante Rubim).

1886 – agosto – 10 – Inauguram-se os serviços da nova Alfândega de Fortaleza.

1886 – agosto – 31 – Grande incêndio destrói a casa de negócios de José Pinto Coelho, na esquina da Rua do Major Facundo com a Travessa das Trincheiras (Rua Liberato Barroso).

1886 – setembro – 07 – A Escola de Aprendizes Marinheiros do Ceará inaugura-se em prédio na Rua da Praia, pertencente ao negociante José Maria da Silveira, onde depois funcionou a Escola de Aprendizes Artífices e desde 1927 funciona em novo prédio, a Recebedoria do Estado, hoje Secretaria da Fazenda.

1886 – setembro – 21 – Toma posse, como 50º Presidente da Província, o desembargador Enéas de Araújo Torreão, riograndense do norte da cidade de Goianinha. Hoje é nome de rua no Parque Iracema em Messejana.

1886 – setembro – 29 – A Chefia de Polícia tem novo titular, o desembargador Olímpio Manuel dos Santos Vital, substituindo a Joaquim Pauleta Bastos de Oliveira.

1886 – novembro – 06 – Iniciadas as obras do viaduto do Porto de Fortaleza, a cargo da Ceará Harbour Corporation Limited. Era a construção de um quebra-mar feito de pedras, com um viaduto separando-o da praia, para deixar uma passagem livre para a água.

1886 – novembro – 15 – Instala-se o Clube Literário, tendo à frente João Lopes, vindo da Academia Francesa. O clube editou a revista A Quinzena.

1886 – dezembro – 02 – Inaugura-se o ramal da linha de bondes de tração animal que vai até o matadouro público (hoje a I Regional da Prefeitura).

1886 – dezembro – 30 – Morre Miguel Calmon Du Pin e Almeida, que no ano anterior esteve à frente da administração do Ceará. Era baiano de Santo Amaro onde nascera a 22/12/1796.

1886 – Surge a firma O. Veríssimo & Irmão, exportadora de peles, algodão, couros, cera e borracha.

1886 – As chuvas caídas sobre Fortaleza, durante todo o ano, foram medidas nos pluviômetros das estações meteorológicas, constatando-se um índice de 1.395 milímetros.

 

1887

1887 – janeiro – 07 – Funda-se o Ginásio Cearense, conhecido como Colégio Anacleto, por ser dirigido pelo professor Anacleto Pereira Cavalcante de Queirós, na Rua Senador Pompeu nº 24 (hoje nº 512), quase esquina com a Rua Castro e Silva, local onde em 1933 foi construído o prédio para a Imprensa Oficial do Ceará, hoje pertence a Sefaz.

1887 – janeiro – 10 – As irmãs Maria Tereza Maia (Dedê), Isabel Maia e Júlia Maia, todas professoras, fundam e dirigem o Colégio da Assunção, na Rua Senador Pompeu nº 60 (antigo).

1887 – janeiro – 15 – Sai o primeiro número do jornal A Quinzena, do Clube Literário, redatoriada por João Lopes, Antônio Dias Martins Júnior (Antônio Martins), Abel de Sousa Garcia (Abel Garcia), José de Barcelos da Silva Sobrinho e José Olímpio.

1887 – fevereiro – 02 – Resolução da Câmara dá ao Largo do Palácio, ou Praça do Palácio o nome de Praça General Tibúrcio, onde seria depois erigida a estátua daquele militar. Infelizmente hoje é chamada de “Praça dos Leões”.

1887 – março – 03 – Fundado o Instituto Histórico Geográfico e Antropológico do Ceará (Instituto do Ceará), sob inspiração do médico Guilherme Chambly Studart (Barão de Studart) e mais 11 (onze) importantes vultos de nossa sociedade.

1887 – março – 04 – Assumiram os 12 (doze) sócios fundadores do Instituto do Ceará (Histórico, Geográfico e Antropológico): Paulino Nogueira Borges da Fonseca – 45 anos, Guilherme Chambly Studart (Barão de Studart) – 31 anos, Joaquim de Oliveira Catunda (Senador Catunda), Padre João Augusto da Frota, João Batista Perdigão de Oliveira – 33 anos, Antônio Augusto de Vasconcelos, Antônio Bezerra de Sousa Menezes, Júlio César da Fonseca Filho, Juvenal Galeno Teófilo da Costa e Silva – 50 anos, José Sombra, Virgílio Brígido e Virgílio Augusto de Moraes. Na Presidência do Instituto do Ceará (Histórico, Geográfico e Antropológico) fica Paulino Nogueira Borges da Fonseca.

1887 – abril – 27 – O presidente de Estado, Enéas Torreão pôs à disposição do Instituto do Ceará (Histórico, Geográfico e Antropológico) o compartimento oriental da Biblioteca Pública, antigo Teatro Concórdia, onde ele funcionou até março de 1896, ocasião em que se transferiu para o pavimento térreo do Palacete da Assembleia Estadual, cedido que foi pelo presidente Antônio Pinto Nogueira Acioli. Em muitos prédios esteve o Instituto do Ceará, até que recebeu a sede definitiva, na Rua Barão do Rio Branco nº 1594, na Praça do Carmo, construída em 1921, por Jeremias Gervásio Vasconcelos Arruda (Jeremias Arruda), onde se instalou depois a Chefia de Polícia do Estado, Prefeitura Municipal de Fortaleza e o Ginásio Municipal. Depois foi o prédio incorporado ao patrimônio da família Gentil, que fora adquirido pela Universidade Federal do Ceará – UFC, que trocou com o Instituto do Ceará pelo prédio da Avenida Visconde de Cauípe, 2.431 (atual da Universidade), escritura lavrada no Cartório Martins às folhas 59 verso do livro nº 148, tudo de conformidade com autorização dada pela Lei nº 8.692, de 28/12/1966.

1887 – maio – 16 – Publicado em Fortaleza o periódico Fortaleza, propriedade e redação de Aleixo Anastácio Gomes, com escritório na Praça dos Mártires nº 21.

1887 – maio – 16 – A Câmara Municipal de Fortaleza, dá novas denominações a algumas ruas e logradouros:

A rua ao lado esquerdo da Santa Casa                                               passa a chamar-se                            Avenida Senador Jaguaribe;

O bairro que ficava por trás da Estação de trens                                  passa a denominar-se                                             Moura Brasil;

A rua ao lado da Fábrica Progresso                                                    muda para                                                  Rua Antônio Pompeu;

A Rua da Concórdia (atual Agapito dos Santos)                                   passa a ser                                                         Rua Filgueiras;

E a antiga Rua Alagoinha ou Trilho de Ferro                                        recebe o nome de                                     Rua Tristão Gonçalves.

1887 – junho – 23 – Abre-se, no canto nordeste da Praça do Ferreira, o Café Java, ponto de encontro da intelectualidade cearense, de propriedade de Manuel Pereira dos Santos (Manuel Coco) aracatiense.

1887 – julho – 10 – Publica-se em Fortaleza, Gazetinha, revista literária redatoriada por Eduardo Nogueira, João Lopes de Abreu Lage (Lopes Filho), Antônio Ramos, Antônio Ayres, Ribeiro Guimarães e Jorge Studart.

1887 – julho – 10 – Sai o primeiro tomo da Revista Trimestral do Instituto do Ceará (Histórico, Geográfico e Antropológico), redatoriada pelos sócios Paulino Nogueira Borges da Fonseca, Virgílio Augusto de Moraes e Antônio Augusto de Vasconcelos.

1887 – julho – 18 – Morre, aos 65 anos de idade, a superiora do Colégio da Imaculada Conceição, irmã Marguerite Bazet (Irmã Bazet). Chegara em Fortaleza no dia 24/07/1865. É hoje nome de rua no Montese.

1887 – agosto – 01 – Publicado em Fortaleza o primeiro número do jornal Frivolité.

1887 – agosto – 08 – Morre em Fortaleza Manuel Albano Filho, o “Manezinho”, abolicionista que nascera em Pacatuba em 09/03/1858.

1887 – agosto – 10 – Após algumas modificações, reinaugura-se o ramal da Estrada de Ferro de Baturité – EFB que vai até a Alfândega (atual Caixa Econômica, na Avenida Pessoa Anta).

1887 – Funda-se, em Fortaleza, o Museu Rocha, pelo esforço do naturalista cearense, farmacêutico Francisco Dias da Rocha, diretor proprietário, mantendo-o em sua residência, na Avenida Tristão Gonçalves nº 15-L (antigo).

1887 – Surge em Fortaleza mais uma casa comercial, a Mercearia Arruda, na Rua Formosa (Barão do Rio Branco) nº 43 (antigo), esquina com a Rua Senador Alencar nº 9 (antigo), de propriedade de Arruda Câmara.

1887 – Fortaleza tinha neste ano 26.943 habitantes, 72 sobrados, 4.386 casas térreas, 1.178 choupanas, 10 igrejas e 26 edifícios públicos.

1887 – Fortaleza recebeu, durante o ano, chuvas que medidas por aparelhos, mostraram um índice de 1.320 milímetros.

 

1888

1888 – janeiro – 31 – Realiza-se, sob a presidência de Dom Joaquim José Vieira, o I Sínodo da Diocese de Fortaleza.

1888 – fevereiro – 24 – Assume, pela segunda vez o cargo de Chefe de Polícia, o desembargador Joaquim Pauleta Bastos de Oliveira.

1888 – março – 16 – Morre, com apenas 36 anos de idade, o médico e filólogo José da Cunha Sombra (José Sombra), membro do Instituto do Ceará (Histórico, Geográfico e Antropológico), tendo sido um de seus fundadores. Nascera em 21/03/1852 em Viena, Áustria. É hoje nome de rua no Aladiço e Parque Araxá.

1888 – março – Sai, em Fortaleza, o primeiro número do jornal O Cacete, noticioso, crítico e literário.

1888 – abril – 08 – Inaugurada a primeira estátua erigida em Fortaleza, a do general Antônio Tibúrcio Ferreira de Souza (General Tibúrcio), que ainda hoje está no centro da praça que tem o seu nome e que o povo apelidou de Praça dos Leões. O general cearense havia falecido no ano anterior, no dia 28 de março. A segunda estátua foi a do General Sampaio (1900), na Praça Castro Carreira, e a terceira a de Pedro II (1913) na Praça da Sé. Em 1847 grandes chuvas causaram escavações no largo do Palácio e o presidente Inácio Corrêa de Vasconcelos mandou fazer uma enorme muralha, para sustentar o aterro, dotando a Capital de um local aprazível, de passeio público, pois foram levantados pilares e gradarias de ferro e foram feitas escadarias para descida à Rua de Baixo. Nascia assim, a futura Praça General Tibúrcio, que foi Largo do Palácio, Pátio do Palácio, Praça do Palácio, conhecida hoje como Praça dos Leões, que tem o privilégio de abrigar a primeira estátua erigida em Fortaleza, assentada em pedestal de granito do Estado, de 2,50m; é de bronze fundido e tem dois metros de altura. A estátua foi fundida nas oficinas de Thiebaut Fréres, e o pedestal de mármore foi esculpido, em Fortaleza, pelo artista Frederico Skinner, e foi inaugurada quando a praça já era General Tibúrcio, há um ano. Em 1891, por iniciativa do vereador José Albano, a praça teve um alinhamento iniciado. Em 16 de fevereiro de 1892, uma revolta do Colégio Militar iniciou um bombardeio contra o Palácio da Luz, ocupando a praça, e um tiro acertou a estátua, que caiu de pé. Foi deposto o presidente do Estado, José Clarindo de Queirós. A estátua voltou ao seu lugar, sobre um pedestal mais elegante, em 24/05/1893. Em 1912, quando da deposição do comendador Antônio Pinto Nogueira Acioli e conseqüente deposição do intendente coronel Guilherme César da Rocha (Guilherme Rocha), assumiu o filho de José Albano, Ildefonso Albano, que logo cuidou de prosseguir o trabalho de seu pai, desapropriando várias casas em redor da praça e formando o atual quadrilátero, obra iniciada em 1913 e terminada em 1914.

1888 – abril – 21 – Assume a Presidência da Província Antônio Caio da Silva Prado (Caio Prado), paulista que faleceu em pleno exercício do mandato. Existe, em sua homenagem, a Avenida Caio Prado, no Passeio Público e a Praça Caio Prado, em frente à Catedral Metropolitana.

1888 – abril – 22 – Funda-se, em Fortaleza, a Conferência da Imaculada Conceição.

1888 – abril – 29 – Deixa a Chefia de Polícia o desembargador Joaquim Pauleta Bastos de Oliveira.

1888 – abril – 30 – Assume, a Chefia de Polícia da Província, o juiz de Direito José Novaes de Sousa Carvalho.

1888 – maio – 13 – Grandes festas populares, em Fortaleza, motivadas pela sanção da Lei Áurea, que libertou os escravos em todo o território nacional.

1888 – maio – 20 – Publicado, em Fortaleza, o primeiro número do jornal O Domingo, folha literária, crítica e científica que tinha como redatores José Martins, Antônio Papi Júnior, Jorge de Miranda, José Olímpio e Joaquim Olímpio da Rocha A redação ficava na Rua Senador Pompeu nº 166. Eram gerentes os dois Olímpios.

1888 – maio – 21 – Assume o cargo de Capitão do Porto do Ceará, o capitão-tenente Alexandre Faria de Alencar (Almirante Alexandrino), em substituição ao também capitão-tenente Manuel Augusto de Castro Menezes. Foi na gestão do capitão-tenente Alexandre Faria de Alencar (Almirante Alexandrino) que foi organizada a primeira Banda de Música da Escola de Aprendizes Marinheiros do Ceará.

1888 – julho – 19 – Publica-se em Fortaleza o jornal científico e literário Evolução, pelo capitão Antônio Duarte Bezerra, Francisca Clotilde Barbosa Lima e Joaquim Fabrício de Barros.

1888 – julho – 29 – Inaugurada, no Passeio Público, a Avenida Caio Prado, do lado do mar, com gradil de ferro separando do 2º plano e dezenas de combustores. Foram colocadas também dezenas de cadeiras.

1888 – agosto – 01 – A Força Policial (atual Polícia Militar do Ceará) tem novo comando, assume o major do Exército Manuel Bezerra de Albuquerque, veterano da Guerra do Paraguai no cargo antes ocupado pelo major do Exército Coriolano de Castro e Silva.

1888 – agosto – 18 – Morre, no Rio de Janeiro, RJ, aos 46 anos de idade, o escritor João Franklin da Silveira Távora (Franklin Távora), cearense de Baturité nascido a 13/01/1842 no Sítio Serrinha da Glória. Hoje é nome de Rua no centro de Fortaleza.

1888 – setembro – 02 – Sai o primeiro número do jornal Charuto, semanário fundado e dirigido pelo escritor José dos Santos.

1888 – setembro – 02 – Publica-se em Fortaleza o primeiro número do periódico Ceará, redatoriado por Antônio Augusto de Vasconcelos, Francisco Ferreira do Vale e Guilherme Chambly Studart (Guilherme Studart).

1888 – setembro – 22 – Toma posse o juiz Cândido Valeriano da Silva Freire no cargo de Chefe de Polícia da Província.

1888 – outubro – 01 – Chega a Fortaleza e se instala na Rua Senador Pompeu, o Circo Chileno, sob direção de Honório Palácios.

1888 – outubro – 28 – Morre, às 8h30min, em Arronches (Parangaba), aos 33 anos de idade, vítima de apoplexia fulminante, o advogado e jornalista Gil Amora, cearense de Aquiraz nascido a 14/05/1855. É hoje nome de rua no Alagadiço.

1888 – novembro – 29 – Morre, em Fortaleza, o escritor e professor Manuel Soares da Silva Bezerra, nascido no Riacho do Sangue, hoje Jaguaretama, em 1810.

1888 – novembro – A Inspetoria Geral de Higiene licencia sob nº 123, as Pílulas Purgativas do Cirurgião Matos, que ficaram conhecidas por Pílulas de Matos ou “Píula do Mato”. Eram fabricadas pelo farmacêutico Francisco José de Matos.

1888 – dezembro – 31 – Inaugura-se a Vila de Porangaba, hoje Parangaba, antiga Arronches, criada pela Lei provincial nº 2.097, de 25/11/1885.

1888 – Aparece a “Planta da Cidade da Fortaleza Capital da Província do Ceará”levantada por Adolfo Herbster Ex-Engenheiro da Província e Arquiteto aposentado da Câmara Municipal – 1888”, terceira planta da cidade feita por aquele técnico.

1888 – Publica-se o Almanaque da Província do Ceará, organizado por Alfredo Bomílcar da Cunha. Não passou do primeiro número, que foi impresso na Tipografia do Libertador, na Rua Major Facundo.

1888 – Baixo o índice de chuvas em Fortaleza durante o ano, sendo registrado nos pluviômetros apenas 741 milímetros.

1888 – Este ano foi de forte seca em toda a região Nordeste, trazendo muitos prejuízos para o Ceará e Fortaleza. Ficou conhecida como “a seca dos três oitos”.

 

1889

1889 – janeiro 29 – Morre, no Rio de Janeiro, aos 76 anos de idade, o magistrado José Pereira da Graça Filho (Barão de Aracati), deputado provincial, deputado geral e efetivo. Era aracatiense nascido em 14/03/1812. Pai de Heráclito de Alencastro Pereira da Graça (Heráclito Graça). Hoje é nome de rua na Aldeota.

1889 – janeiro – 31 – Publicado, em Fortaleza, o primeiro número de Tribuna Comercial, órgão do Clube Comercial Cearense, Editado por Cunha Ferro & Companhia, dirigido por Sérvulo Juaçaba e redatoriada por Manuel Simões e João Joaquim Simões. Tinha tipografia própria na Rua Formosa nº 33 (hoje Rua Barão do Rio Branco)

1889 – fevereiro – 01 – Criada, em Fortaleza, a Escola Militar do Ceará, que se instalou em 01/05/1889, em prédio entre a Rua do Sol (Rua Costa Barros), Rua Dona Leopoldina, Rua da Soledade (Rua Nogueira Acioli) e Rua do Colégio das Órfãs (Avenida Santos Dumont).

1889 – fevereiro – 14 – Trocam de comando, a Capitania do Porto do Ceará e a Escola de Aprendizes Marinheiros do Ceará. Assume a Capitania o capitão-tenente Manuel Pereira Pinto Bravo, substituindo o também capitão-tenente Alexandre Faria de Alencar (Almirante Alexandrino), que assume a Escola, em substituição ao capitão-tenente Manuel Pereira Pinto Bravo.

1889 – março – 10 a 12 – Este ano o carnaval não ocorre em fevereiro como de costume, mas no mês seguinte.

1889 – março – 11 – Morre, em Fortaleza, aos 83 anos incompletos, o Padre Antonino Pereira de Alencar, pernambucano de Exu nascido em 15/03/1860, que exerceu a presidência do Poder Legislativo em 1867-1868. Existe no Joaquim Távora uma rua com seu nome.

1889 – março – 12 – Toma posse no Instituto do Ceará (Histórico, Geográfico e Antropológico), Thomaz Pompeu de Sousa Brasil (Senador Pompeu), que fora eleito no dia 27 de fevereiro.

1889 – março – 31 – Morre, em Sobral, sua cidade natal, aos 61 anos de idade, o senador Vicente Alves de Paula Pessoa que nascera em 29/03/1828. Hoje é nome de Praça em Fortaleza, conhecida por Praça São Sebastião.

1889 – maio – 01 – Inaugura-se, em Fortaleza, a Escola Militar do Ceará, com grande solenidade, comandada pelo tenente-coronel João Nepomuceno de Medeiros Mallet, fora criada pelo decreto imperial nº 10.177, de 01/02/1889.

1889 – maio – 01 – Assume o cargo de Chefe de Polícia da Província, o desembargador Antônio Firmo Figueira de Sabóia.

1889 – maio – 21 – O Correio tem novo administrador, quando assume Antônio Moreira de Sousa, em substituição a Francisco Irineu de Araújo.

1889 – maio – 25 – Morre o presidente Antônio Caio da Silva Prado (Caio Prado), aos 30 anos incompletos, sendo sepultado no Cemitério de São João Batista. Era paulista nascido a 03/06/1853. Existe hoje em Parangaba uma rua com seu nome e no Passeio Público, uma avenida e no centro de Fortaleza, uma praça.

1889 – maio – 26 – Pela morte do titular, assume a presidência do Ceará, o vice-presidente, desembargador Américo Militão de Freitas Guimarães.

1889 – junho – 03 – O capitão-tenente Manuel Pereira Pinto Bravo assume o comando da Escola de Aprendizes Marinheiros do Ceará, substituindo o capitão-tenente Alexandre Faria de Alencar (Almirante Alexandrino).

1889 – junho – 04 – Dado à Praça da Sé o nome oficial de Praça Caio Prado, proposição do vereador Paulino Joaquim Barroso.

1889 – junho – 07 – O capitão FP Martiniano José de Farias, assume o comando da Força Policial (atual Polícia Militar do Ceará), substituindo o major do Exército Manuel Bezerra de Albuquerque.

1889 – junho – 09 – Fundado em Fortaleza, por Antônio Sales, Virgílio Brígido, José Carlos, Jovino Guedes Alcoforado e Antônio Papi Júnior, o jornal semanário A Avenida, crítico e literário.

1889 – junho – 22 – Desembarca no viaduto em construção na Praia do Peixe, em Fortaleza, vindo no paquete Alagoas, o Conde D’Eu, em visita ao Ceará, sendo recebido pelas autoridades civis, militares e eclesiásticas.

1889 – julho – 01 – Fundado, em Fortaleza, o Centro Republicano, que se instalaria no dia 26.

1889 – julho – 10 – Toma posse o senador Henrique Francisco d’Ávila, gaúcho, no cargo de Presidente da Província do Ceará, em substituição a Caio Prado.

1889 – julho – 26 – Instala-se, nesta Capital, o Centro Republicano, formado pelo capitão Alfredo Barbosa, Honório Moreira, Henrique Cals, Antônio Sales, Jovino Guedes Alcoforado, João Lopes, Antônio Cruz, Luís Felix Sá (Luís Sá), João Freire, tenente Floriano Florambel, João Cordeiro, Gonçalo de Lagos Fernandes Bastos, Joaquim de Oliveira Catunda (Senador Catunda), capitão R. Amorim Figueira, Antônio Papi Júnior e José Corrêa do Amaral (José do Amaral), fora fundado no dia primeiro.

1889 – agosto – 10 – O último Chefe de Polícia do regime monárquico, Antônio Firmo Figueira de Sabóia, deixa o cargo nas mãos do interino, desembargador Pedro Tomás de Queirós Ferreira (Pedro de Queirós), de Beberibe, Cascavel.

1889 – agosto – 19 – Lançado um manifesto do Centro Republicano de Fortaleza, que foi publicado no jornal Libertador do dia 23/08/1889, assinado por Joaquim de Oliveira Catunda (Senador Catunda), João Cordeiro, Antônio Cruz, José Corrêa do Amaral (José Amaral), João Lopes, Gonçalo de Lages, Antônio Papi, Honório Moreira, Tristão Faria e Jerônimo Moraes.

1889 – agosto – 24 – Publicado em Fortaleza o jornalzinho crítico O Cabeleira, “órgão dos barbeiros refratários”.

1889 – agosto – 30 – Assume interinamente a direção da Estrada de Ferro de Baturité – EFB o engenheiro Henrique Álvares Delgado.

1889 – setembro – 06 – Falece em Fortaleza o coronel Canuto José de Aguiar (Canuto de Aguiar), militar e ex-deputado nascido em São João do Rio do Peixe, Paraíba, em 06/03/1802.

1889 – setembro – 09 – O vereador Arnulfo Pamplona propõe a mudança do nome da Ladeira do Solon para Rua Boris.

1889 – outubro – 11 – Assume o último Presidente da Província do Ceará, coronel Jerônimo Rodrigues de Moraes Jardim, que governou até o advento da República.

1889 – outubro – 19 – Assume interinamente a direção da Estrada de Ferro de Baturité – EFB o engenheiro João Augusto César de Sousa.

1889 – outubro – 23 – Francisco Irineu de Araújo é reintegrado no cargo de administrador do Correio, substituindo Antônio Moreira de Sousa.

1889 – outubro – 28 – Publicado o jornal Correio do Povo, que tem como redatores Fausto Sobreira e Câmara Filho.

1889 – novembro – 03 – Morre em Fortaleza o escritor Vicente Linhares, que fez parte do corpo redatorial do jornal Echo do Povo. Era pai do escritor Mário Linhares.

1889 – novembro – 03 – Morre o advogado senador Luís Antônio Vieira e Silva, aos 61 anos de idade. Era cearense de Fortaleza nascido a 02/10/1928.

1889 – novembro – 06 – Assume a direção da Estrada de Ferro de Baturité – EFB o engenheiro Manuel Vicente do Nascimento Feitosa.

1889 – novembro – 15 – A proclamação da República no Rio de Janeiro, com a assunção do marechal Manuel Deodoro da Fonseca como chefe do governo provisório, é comunicada por telegrama chegado às 16h, repercutindo no Ceará, sendo deposto no dia seguinte, do cargo de Presidente da Província, o coronel Jerônimo Rodrigues de Moraes Jardim, assumindo o tenente-coronel Luís Antônio Ferraz, comandante do 11º Batalhão de Infantaria em Fortaleza. Na Vice-Presidência o marechal Floriano Viana Peixoto (Floriano Peixoto).

1889 – novembro – 16 – O coronel Luís Antônio Ferraz publica ato de adesão à República, e comunicando ter assumido o governo como chefe provisório do poder.

1889 – novembro – 16 – Assume a Chefia de Polícia o político Valdemiro Moreira, sendo o primeiro Chefe de Polícia do regime republicano.

1889 – novembro – 16 – Entre muitas outras nomeações, para os Negócios da Fazenda o nome escolhido pelo Presidente da Província foi o de João Cordeiro.

1889 – novembro – 24 – O jornal Pedro II é publicado com o nome de O Brasil, saindo seu último número no dia 10/01/1890.

1889 – novembro – 28 – Redatoriado por Barbosa Lima, Justiniano José de Serpa (Justiniano de Serpa), Martinho Rodrigues de Sousa e Ferreira Santiago, é publicado o jornal político A Pátria.

1889 – novembro – 30 – O Centro Republicano transforma-se no Partido Republicano Cearense.

1889 – dezembro – 01 – Toma posse, oficialmente, no exercício de Governador Provisório do Estado do Ceará, o tenente-coronel Luís Antônio Ferraz, nomeado pelo governo Federal.

1889 – dezembro – 03 – Votada a lei orgânica do Partido Republicano Cearense, em que se transformou o Centro Republicano, conforme resolução tomada em 30/11/1889.

1889 – dezembro – 04 – Eleita a diretoria do Partido Republicano Cearense, que tinha como presidente Joaquim de Oliveira Catunda (Senador Catunda); vice-presidente Gonçalo de Lages; tesoureiro Antônio Cruz; 1º secretário Justiniano José de Serpa (Justiniano de Serpa); tesoureiro Abel de Sousa Garcia (Abel Garcia).

1889 – dezembro – 08 – Fundado, na Casa da Câmara Municipal da Vila de Messejana, o Clube Republicano de Messejana, sob a presidência de Tristão Antunes de Alencar Rodovalho.

1889 – dezembro – 24 – Assume a Chefia da Polícia do Estado (seria hoje a Secretaria de Segurança Pública e Defesa da Cidadania) o advogado Custódio Alves dos Santos.

1889 – dezembro – 31 – A Força Policial muda de denominação, passando a ser Corpo de Segurança Pública. Hoje é Polícia Militar do Ceará. No mesmo dia assume seu comando o tenente-coronel da Guarda Nacional, Antônio Felino Barroso em substituição ao capitão FP Martiniano José de Farias.

1889 – As chuvas caídas sobre Fortaleza, durante o ano, foram medidas nos pluviômetros das estações meteorológicas, constatando-se um baixo índice, de apenas 777 milímetros, o que pode ser considerado seca.

 

1890

1890 – janeiro – 04 – Todos os componentes da Câmara Municipal renunciaram, por acharem que com a proclamação da República os cargos deviam ser revistos e o governador Luís Antônio Ferraz institui o Conselho da Intendência, formado por cinco membros nomeados pelo governo do Estado.

1890 – janeiro – 07 – Assume, como primeiro Intendente de Fortaleza, o capitão, depois general, José Freire Bezerril Fontenele (General Bezerril).

1890 – janeiro – 07 – A Estrada de Ferro de Baturité – EFB tem nova direção, quando assume interinamente o cargo de diretor, o engenheiro Abel F. de Matos.

1890 – janeiro – Muda-se, para o prédio onde funcionou o Ensino Mútuo de Fortaleza, na esquina da Rua Floriano Peixoto com Rua Guilherme Rocha, onde hoje está o Palacete Ceará, a Polícia Civil.

1890 – janeiro – 25 – O governo federal julga sem efeito o decreto que nomeara Custódio Alves dos Santos Chefe de Polícia, assumindo em substituição José Carlos da Costa Ribeiro Júnior, interinamente.

1890 – fevereiro – 06 – Às 12h, na sala de honra da Escola Militar de Fortaleza, instala-se o Clube Militar Cearense, tendo na presidência o coronel Inocêncio Galvão de Queirós.

1890 – fevereiro – 07 – Toma posse na direção da Estrada de Ferro de Baturité – EFB, interinamente, o engenheiro João Câncio Teixeira da Silva.

1890 – fevereiro – 12 – Toma posse, pela segunda vez, no cargo de Capitão do Porto do Ceará, o agora capitão de fragata Manuel Lourenço de Castro Rocha, em substituição ao capitão-tenente Manuel Pereira Pinto Bravo. Na primeira vez ele era 1º tenente.

1890 – fevereiro – 19 – Fundado, em Fortaleza, o Clube Democrático, tendo na presidência o conselheiro Antônio Joaquim Rodrigues Júnior.

1890 – março – 11 – Assume a direção da Estrada de Ferro de Baturité – EFB, em caráter efetivo, o engenheiro Domingos Gonçalves de Azevedo.

1890 – março – 19 – Fundado, em Parangaba, o Clube Literário Democrata, presidido por Júlio Cícero Monteiro.

1890 – março – 25 – Assume, o comando da Escola de Aprendizes Marinheiros do Ceará, o capitão-tenente Leôncio Rosa, em substituição ao capitão-tenente Manuel Pereira Pinto Bravo.

1890 – março – 31 – O Corpo de Segurança Pública (atual Polícia Militar do Ceará) tem novo comandante, o tenente-coronel do Exército José Florêncio de Carvalho que assume o cargo antes ocupado pelo tenente-coronel da Guarda Nacional Antônio Felino Barroso.

1890 – abril – 27 – Morre, em Maranguape, o farmacêutico e literato Pedro Correia Sombra (Pedro Sombra), cultor das línguas estrangeiras, aos 35 anos de idade. Era maranguapense nascido em 03/10/1854.

1890 – maio – 13 – Entregue ao público um novo logradouro, ou seja, a urbanização da Lagoa do Garrote, sob a orientação do engenheiro Romualdo de Carvalho Barros e seu auxiliar Isaac Corrêa do Amaral (Isaac Amaral), na administração estadual do coronel Luís Antônio Ferraz. Recebia águas de alguns riachos, inclusive do que vinha da lagoa existente na atual Praça da Lagoinha (oficialmente é Praça Capistrano de Abreu) e sangrava para o riacho Pajeú. Foi chamada de Parque da Liberdade, em homenagem à abolição da escravatura e depois Parque da Independência, em 1922, no Centenário da Independência do Brasil, quando recebeu em sua entrada principal a grande estátua do índio, representando o Brasil quebrando os grilhões que o prendiam a Portugal. Foi na administração municipal de Ildefonso Albano. Depois, em 1937, ali se instalou a Cidade da Criança, dirigida pela professora Zilda Martins Rodrigues e, recentemente, a escola mudou-se para a praça que fica no riacho Pajeú, na Rua 25 de Março. Em 21/10/1948 o prefeito Acrísio Moreira da Rocha sanciona a Lei nº 84, que foi publicada no dia seguinte no Diário Oficial do Município nº 4.391, mudando o nome do Parque da Independência, para Parque da Liberdade, restaurando assim o primeiro nome. Memoráveis festas ali já aconteceram, como a Festa da Imprensa, promovida pela Associação Cearense de Imprensa – ACI, feiras industriais e comerciais, parques de diversões, etc. O povo confunde as denominações, misturando o parque e a escola, chamando-o, erradamente de “Parque das Crianças”.

1890 – maio – 19 – Publica-se em Fortaleza o primeiro número do jornal O Bond, de Rocha, Santos e Brito. Dizia-se o jornal das moças.

1890 – junho – 03 – Assume o cargo de Chefe de Polícia do Estado o comendador Samuel Felipe de Sousa Uchoa (Samuel Uchoa), magistrado.

1890 – junho – 05 – Morre, no Rio de Janeiro, aos 69 anos de idade, o ex-senador Domingos José Nogueira Jaguaribe, Visconde de Jaguaribe, ex-chefe de Polícia, juiz, deputado provincial que foi presidente do Poder Legislativo. Era cearense de Aracati, nascido a 14/09/1820.

1890 – junho – 10 – Valdemiro Moreira é nomeado para Inspetor do Tesouro do Estado.

1890 – junho – 15 – Funda-se, em Fortaleza, o Partido do Operário, sob a direção do cirurgião dentista Aderson Ferro, que prometia lutar pela jornada de 8 horas, democratização do capital, além de lutar contra o analfabetismo. O Partido do Operário manteve por algum tempo o jornal O Combate.

1890 – julho – 08 – Instala-se o Partido Católico do Ceará, sob a presidência do Bispo Diocesano, no Clube Iracema.

1890 – julho – 21 – Publicado, em Fortaleza, o jornal político O Estado do Ceará, em substituição à Gazeta do Norte. Foi órgão da União Republicana, partido da coligação Acioly-Aquiraz. Depois se fundiu com o Libertador, transformando-se no A República. Funcionava na Rua Senador Pompeu nº 100.

1890 – julho – 27 – Publica-se em Fortaleza o primeiro número de A Verdade, semanário católico sob os auspícios do Bispo Diocesano, redatoriado por Francisco de Assis Pinheiro. Era impresso na Tipografia Universal.

1890 – julho – Instala-se, em Fortaleza, a companhia de navegação Lloyd Brasileiro, sob a direção de Joaquim da Cunha Freire, o Barão de Ibiapaba.

1890 – agosto – 23 – O Partido Católico, organizado no Rio de Janeiro, lança manifesto em Fortaleza, assinado pelo filantropo José Francisco da Silva Albano (Barão de Aratanha) entre outros, indicando os candidatos locais, o que confirma a existência da seção local.

1890 – agosto – 24 – Morre em Fortaleza o Padre Luís Vieira da Costa Delgado Perdigão, aos 62 anos de idade, sendo sepultado no Cemitério de São João Batista. Nascera em Fortaleza em 13/04/1828.

1890 – agosto – 25 – Publicado, em Fortaleza, o Manifesto Eleitoral do Partido Operário do Estado do Ceará.

1890 – setembro – 09 – A Escola de Aprendizes Marinheiros do Ceará muda de comando. O capitão-tenente Sabino de Azeredo Coutinho substitui o capitão-tenente Leôncio Rosa.

1890 – setembro – 30 – Sai o número um do periódico Martin Soares, redatoriado por João Brígido dos Santos.

1890 – outubro – 08 – A Intendência Municipal de Fortaleza concede permissão a Arnulfo Pamplona para explorar a telefonia em Fortaleza.

1890 – outubro – 08 – Morre, em Fortaleza, vítima de suicídio, aos 67 anos de idade, o cônego Francisco Ribeiro Bessa (Cônego Bessa), vigário de freguesia de Beberibe, que se encontrava em tratamento em Fortaleza. Foi sepultado no mesmo dia no Cemitério São João Batista. Nascera em Alto Santo em 12/11/1823.

1890 – outubro – 09 – Assume a Intendência Municipal, o capitão Manuel Nogueira Borges.

1890 – outubro – 20 – A Capitania do Porto do Ceará muda de comando, quando assume o capitão-tenente Raimundo de Melo Furtado de Mendonça, que substituiu o capitão de fragata Manuel Lourenço de Castro Rocha.

1890 – outubro – 29 – Todas as ruas e avenidas de Fortaleza, por resolução do Conselho da Intendência Municipal, passam a ter números no lugar de nomes, modismo que durou alguns meses. Por exemplo: a Rua Formosa (Rua Barão do Rio Branco) passou a ser a Rua Nº 1; o Boulevard Duque de Caxias, Travessa Nº 1, etc. No dia 29/04/1891, as ruas voltam aos seus primitivos nomes. Assim como as ruas, as praças também tiveram seus nomes alterados. Parece que o intuito era retirar todos os nomes próprios de todos os logradouros públicos. Para exemplificar damos alguns nomes que foram trocados:

Rua Formosa (Rua Barão do Rio Branco)                                          mudou para                                                            Rua Nº 1;

Boulevard do Livramento (Av. Duque de Caxias)                                       “                                                             Travessa Nº 1;

Rua do Livramento (Clarindo de Queirós)                                                 “                                                             Travessa Nº 2;

Rua do Major Facundo (Major Facundo)                                                                                                                       Rua Nº 3;

Rua da Cadeia (General Sampaio)                                                           “                                                                    Rua Nº 4;

Rua da Boa Vista (Floriano Peixoto)                                                        “                                                                    Rua Nº 5;

Rua São Bernardo (Pedro Pereira)                                                           “                                                             Travessa Nº 5;

Rua do Quartel (Rua Coronel Bezerril)                                                     “                                                                 Rua Nº 5-A,

Rua da Alfândega (Dragão do Mar)                                                          “                                                          Travessa Nº 5-B;

Rua do Cajueiro (Pedro Borges)                                                              “                                                          Travessa Nº 7-B;

Rua Sena Madureira (Conde D’Eu)                                                          “                                                                  Rua Nº 7-C

Rua da Lagoinha (Av. Tristão Gonçalves)                                                 “                                                                    Rua Nº 8;

Rua dos Coelhos (Domingos Olímpio)                                                     “                                                             Travessa Nº 8;

Rua Municipal (Guilherme Rocha)                                                           “                                                             Travessa Nº 9;

Rua da Assembleia (São Paulo)                                                              “                                                           Travessa Nº 11;

Rua do Sol (Costa Barros)                                                                     “                                                        Travessa Nº 11-A;

Boulevard Visconde do Rio Branco,                                                                                                                         Rua Nº 13-A;

Rua das Flores (Castro e Silva)                                                              “                                                           Travessa Nº 15;

Rua da Ponte (Rufino de Alencar)                                                           “                                                        Travessa Nº 15-B;

Rua da Cruz (Conselheiro Tristão)                                                          “                                                                   Rua Nº 16;

Rua da Misericórdia (João Moreira)                                                         “                                                           Travessa Nº 17;

Etc.

Na mesma lei que mudou os nomes das ruas para números, houve mudanças nos nomes das praças, como pode ser visto abaixo:

Praça Barão de Ibiapaba                                                    mudou para                                                                 Praça do Asilo;

Praça Caio Prado                                                                                                                                                  Praça da Sé;

Praça Comendador Coelho (da Polícia Militar)                               “                                                                      Praça 24 de Maio

Praça Coronel Teodorico (Lagoinha)                                            “                                                             Praça 16 de Novembro;

Praça do Coração de Jesus                                                                                                                         Praça da Liberdade;

Praça do Senador Figueira de Melo                                                                                                            Praça dos Educandos;

Praça Nossa Senhora do Livramento (Carmo)                               “                                                                Praça do Livramento;

Praça Pedro II (do Ferreira)                                                        “                                                                       Praça Municipal;

Praça Senador Fernandes Vieira (do Liceu)                                   “                                                                   Praça 14 de Março;

Praça Senador Machado (Cristo Redentor)                                   “                                                                 Praça da Conceição;

Praça Senador Paula Pessoa (São Sebastião)                               “                                                                   Praça 25 de Março;

Mas, assim como as ruas numeradas, os velhos nomes voltaram.

1890 – novembro – 05 – Sai publicado em Fortaleza, em edição única, o jornal General Rui Barbosa, homenagem dos empregados da Fazenda do Ceará. Foi impresso na Tipografia Universal de Cunha Ferro & Companhia, na Rua Formosa (Barão do Rio Branco) nº 23.

1890 – dezembro – 14 – Publicado, em Fortaleza, o primeiro número do periódico O Patusco.

1890 – dezembro – 19 – Assume mais uma vez, interinamente, a direção da Estrada de Ferro de Baturité – EFB, o engenheiro João Câncio Teixeira da Silva.

1890 – dezembro – 23 – O Tribunal da Relação passa a denominar-se, de acordo com o texto constitucional, Tribunal de Apelação. Hoje é o Tribunal de Justiça.

1890 – dezembro – 28 – Inauguração da Igreja de São João Batista, em Messejana, que foi reformada e aumentada por iniciativa do vigário padre Luís Barbosa Moreira, que oficiou a bênção e sagração.

1890 – dezembro – 31 – Divulgado o resultado do Recenseamento feito em todo o Ceará, resultando entre centenas de revelações, que a população do Estado é composta de 44,5 brancos, 29,7 mestiços, 17,2 caboclos e 8,6 pretos. Fortaleza tinha 6.845 prédios, dos quais sete são federais, 11 estaduais e 44 municipais, sem contar três mil choupanas e palhoças. Fortaleza contava, em 1890, com 40.902 habitantes.

1890 – Durante todo o ano Fortaleza foi banhada por chuvas, que foram medidas por técnicos, que constataram 1.530 milímetros.

 

1891

1891 – janeiro – 11 – Luís Antônio Ferraz afasta-se do governo, em virtude de enfermidade mortal, já tendo recebido os sacramentos da Igreja, assumindo seu lugar o 1º vice-governador João Cordeiro.

1891 – janeiro – 15 – O Externato Santa Clotilde é fundado pela professora Francisca Clotilde Barbosa Lima, na Praça Marquês do Herval (hoje Praça José de Alencar).

1891 – janeiro – 17 – Confirmado, através do Decreto nº 1.290, a concessão feita pela Intendência Municipal de Fortaleza a Arnulfo Pamplona, com prazo de 15 anos, para exploração de telefones.

1891 – janeiro – 21 – Morre, vítima de uma pleurisia, em Fortaleza, o educador Manuel Teófilo da Costa Mendes.

1891 – janeiro – 22 – Assume o governo do Estado o major Benjamin Liberato Barroso (Benjamin Barroso), capitão de engenheiros.

1891 – janeiro – 27 – Toma posse, em caráter efetivo, na direção da Estrada de Ferro de Baturité – EFB, o engenheiro Ernesto Antônio Lassance Cunha, pela segunda vez.

1891 – janeiro – Adolfo Ferreira Caminha (Adolfo Caminha) funda, em Fortaleza, a Revista Moderna, de crítica literária.

1891 – fevereiro – 8, 9 e 10 – Ocorrem os festejos carnavalescos em Fortaleza.

1891 – fevereiro – 09 – Assume, em pleno carnaval, o cargo de Chefe de Polícia do Ceará o desembargador pernambucano de Olinda Manuel Hemetério Raposo de Melo.

1891 – fevereiro – 10 – Procede-se no Ceará a primeira eleição no regime republicano, em pleno carnaval.

1891 – fevereiro – 10 – Morre, em Pernambuco, aos 58 anos de idade, o coronel Luís Antônio Ferraz, primeiro governador que teve o Ceará Republicano. Nascera a 07/05/1833 no Rio de Janeiro. Hoje existe em sua homenagem a Rua Coronel Ferraz, que passa ao lado da Igreja do pequeno-Grande, no Centro de Fortaleza.

1891 – fevereiro – 19 – Nomeado comandante do 11º Batalhão de Infantaria, estacionado no Ceará, o tenente-coronel Zeferino José Teixeira Campos.

1891 – março – 08 – Funda-se a primeira litografia do Ceará, a Tipo-Litografia a Vapor, de José Marçal, Manuel Rocha, Francisco Teófilo, Alberto Ferreira e J. Costa Sousa, na Rua Formosa (Barão do Rio Branco) nº 68 (antigo).

1891 – março – 11 – Morre, em Salvador, Bahia, aos 74 anos incompletos, o primeiro Bispo do Ceará, Dom Luís Antônio dos Santos, Marquês do Monte Pascoal, Arcebispo resignatário da Bahia. Hoje é nome de avenida em Fortaleza. Nascera em Angra dos Reis, província do Rio de Janeiro a 13/03/1817.

1891 – março – 23 – Assume, interinamente, o cargo de Capitão do Porto, o capitão-tenente Sabino de Azeredo Coutinho, quando o titular Raimundo de Melo Furtado de Mendonça deixou o cargo.

1891 – abril – 04 – O general José Clarindo de Queirós, é nomeado, pelo Governo Federal, governador do Ceará, assumindo no dia 28 de maio do mesmo ano.

1891 – abril – 05 – Publica-se, em Fortaleza, o primeiro número de O Combate, jornal do Partido Operário, que tem como redatores o cirurgião dentista Aderson Ferro e o capitão Antônio Duarte Bezerra. Tinha redação na Rua Senador Pompeu nº 8 (antigo). Saía três vezes na semana.

1891 – abril – 06 – Assume o governo do Estado o vice-governador tenente coronel de engenheiros comandante da Escola Militar do Ceará, Feliciano Antônio Benjamin, na ausência do presidente Clarindo.

1891 – abril – 14 – Registrada, na Junta Comercial, a Fábrica de Fiação e Tecidos União Comercial, com 19 sócios.

1891 – abril – 14 – Assume a Capitania do Porto do Ceará, no dia 14 de abril de 1891, o capitão-tenente Silvino José de Carvalho Rocha, que substitui o também capitão-tenente Sabino de Azeredo Coutinho, que respondia interinamente por aquele comando.

1891 – abril – 14 – Publicado o primeiro número do jornal O Norte, impresso na Tipografia Econômica, redatoriado por Martinho Rodrigues de Sousa, Justiniano José de Serpa (Justiniano de Serpa) e Gonçalo de Lagos Fernandes Bastos.

1891 – abril – 18 – Tem novo comandante o Corpo de Segurança Pública (atual Polícia Militar do Ceará). Assume o major Quintino Aderaldo Maia, daquela corporação em substituição ao tenente-coronel do Exército José Florêncio de Carvalho.

1891 – abril – 27 – A função de Intendente Municipal de Fortaleza passa das mãos do capitão Manuel Nogueira Borges, para as de Joaquim de Oliveira Catunda (Senador Catunda).

1891 – abril – 28 – Sessão do Conselho torna sem efeito a resolução do dia 29/10 do ano anterior, que mudou os nomes das praças e ruas, retirando nomes próprios e colocando nas ruas números, voltando todos os nomes anteriores.

1891 – abril – 28 – Perante a Intendência Municipal toma posse, como governador, o general José Clarindo de Queirós, que fora nomeado por decreto do dia quatro.

1891 – abril – 29 – Assume o comando do Corpo de Segurança Pública (atual Polícia Militar do Ceará), o tenente-coronel do Exército, Olímpio Agobar de Oliveira em substituição ao o major Quintino Aderaldo Maia.

1891 – abril – 29 – Toma posse no cargo de Chefe de Polícia do Estado, o advogado e desembargador Pedro Tomás de Queirós Ferreira (Pedo de Queirós), que exercera o cargo no regime monárquico.

1891 – maio – 07 – Instalado o Congresso Cearense Constituinte, que elege sua mesa diretora, o governador e o vice-governador do Estado. O presidente é o desembargador José Joaquim Domingues Carneiro. São eleitos governador o general de divisão José Clarindo de Queirós e o vice-governador major Benjamin Liberato Barroso (Benjamin Barroso).

1891 – maio – 07 – Publicado, em Fortaleza, o jornalzinho Bilontra, que saía aos domingos e quintas-feiras.

1891 – maio – 12 – Iniciam-se os trabalhos da Companhia de Melhoramentos do Ceará, sob direção do engenheiro Joaquim Francisco de Paula.

1891 – maio – 17 – Sai, em Fortaleza, o jornalzinho Bacalhau, crítico.

1891 – maio – 24 – Fundada, em Fortaleza, a Sociedade Fênix Caixeiral, que se instalaria em junho. Foi uma iniciativa de Miguel Teixeira da Costa Sobrinho, Benvindo Alves Pereira, Heráclito Domingues da Silva, Benvindo Alves Pereira, Raimundo Cabral, Januário Augusto Fernandes, Miguel Teixeira da Costa e César A. da Silva, funcionando em casa da Rua Major Facundo nº 2 (antigo), esquina com Rua da Misericórdia (Rua João Moreira).

1891 – maio – 24 – Publicado em Fortaleza o primeiro número do jornal Correio Oficial, impresso na Tipografia do Estado do Ceará, tendo como redator Manuel de Oliveira Paiva. Transformou-se depois no Libertador.

1891 – maio – 24 – Funda-se, em Fortaleza, a associação Congresso de Ciências Práticas.

1891 – maio – 28 – Assume o governo do Estado o general de divisão José Clarindo de Queirós, eleito pelo Congresso Constituinte.

1891 – junho – 06 – Constituída a Companhia Cearense de Curtume, de grupo que tinha à frente o capitalista Manuel Gomes Barbosa, seguido do farmacêutico Carlos Studart e o capitalista José Joaquim Simões.

1891 – junho – 10 – São levantados pelo negociante Pedro Ribeiro Filho, na Praça do Ferreira, os quiosques com o Café do Comércio e o Café Elegante, o primeiro, pertencente a José Brasil de Matos, no canto noroeste e o outro no canto sudeste, pertencente a Arnaud Cavalcante Rocha.

1891 – junho – 15 – Publicado em Fortaleza o primeiro número do jornal Atleta, dos alunos da Escola Militar e da classe comerciaria, com publicação quinzenal, redatoriado por José Tobias Coelho, A. Freitas e José Horácio Coelho da Frota. Posteriormente denominou-se Fênix Caixeiral.

1891 – junho – 16 – Promulgada, pelo Congresso Cearense Constituinte, a primeira Constituição Política do Estado do Ceará.

1891 – junho – 22 – Morre, vítima de suicídio, no Rio de Janeiro, o dramaturgo, poeta e escritor Francisco de Paula Barros, ex-oficial da Marinha e negociante. Era nascido em Fortaleza.

1891 – junho – 23 – A data da instalação em Fortaleza, da Companhia Fabril Cearense de Meias, a 3ª fábrica de Fortaleza.

1891 – junho – 24 – Instala-se, em Fortaleza, a Sociedade Fênix Caixeiral, iniciativa de Miguel Teixeira da Costa Sobrinho, Benvindo Alves Pereira, Heráclito Domingues da Silva, Raimundo Cabral, Januário Augusto Fernandes e César A. da Silva, funcionando em casa da Rua Major Facundo nº 2 (antigo), esquina com Rua da Misericórdia. Sua fundação fora no dia 24 de maio do mesmo ano, em prédio na esquina da Rua São Paulo com Rua Floriano Peixoto.

1891 – junho – 24 – Instalação do Congresso de Ciências Práticas, associação fundada em 24/05/1891. Sua sede era em prédio na Rua Senador Pompeu nº 100 (antigo).

1891 – julho – 10 – Publica-se, em Fortaleza, o primeiro número do jornal 19 de Outubro, órgão da Sociedade 19 de Outubro.

1891 – julho – 14 – Morre, no Rio de Janeiro, aos 52 anos de idade, o engenheiro militar José Pompeu de Albuquerque Cavalcante, ex-deputado e ex-vereador; foi presidente do Poder Legislativo em 1878-1880. Nascera a 10/04/1839 em Fortaleza.

1891 – julho – 15 – Inaugura-se o prédio de pedra executado por Tobias Lauriano Figueira de Melo e Ricardo Lange da firma empresária Ceará Harbour Corporation Ltd., sendo construtora a firma Punchard M. Taggart Muntz & Companhia representada por E. Jackson & P. O. Meara, sendo engenheiro chefe George Barclay Bruce. Depois o prédio seria ocupado pela Alfândega, Receita Federal e hoje é da Caixa Econômica Federal.

1891 – julho – 16 – Assume o cargo de Chefe de Polícia do Estado, o magistrado Antero Severiano Ribeiro.

1891 – julho – 20 – Publicado em Fortaleza, o jornal Eco Estudantal, tendo por redatores Meton Filho, G. Augusto B. Vieira, Francisco Ângelo Santiago, João Coelho B. Fonseca e José Luís de Sousa.

1891 – agosto – 01 – A Fênix Caixeiral funda sua Escola de Comércio, para o aperfeiçoamento profissional da classe dos caixeiros.

1891 – agosto – 01 – Assume o comando do Corpo de Segurança Pública do Ceará (atual Polícia Militar do Ceará), o major Eufrásio Nogueira de Sousa, daquela corporação, que substitui o tenente-coronel do Exército, Olímpio Agobar de Oliveira.

1891 – setembro – 10 – Inaugura-se a Empresa Telefônica do Ceará, de Pamplona, Irmão & Cia., que tinha à frente o comerciante Confúcio Augusto Pamplona (Confúcio Pamplona), com a presença do governador José Clarindo de Queirós e a oficialidade do Batalhão de Segurança. Começou com 60 aparelhos em assinaturas mensais.

1891 – setembro – 24 – José Clarindo de Queirós divide a Secretaria da Fazenda, em cinco seções, sendo secretário interino, Valdemiro Moreira.

1891 – setembro – 24 – Extinta a Chefatura de Polícia do Ceará, sendo suas atribuições transferidas para a Secretaria de Justiça.

1891 – setembro – 26 – Valdemiro Moreira, que vinha respondendo interinamente pela Secretaria da Fazenda, é nomeado titular.

1891 – outubro – 02 – Aberta à subscrição popular o capital da Companhia Cerâmica Industrial do Ceará, de Antônio Domingos dos Santos e Silva. Instalaria em Fortaleza uma olaria a vapor com fornos especiais para o fabrico de cal e uma linha de produção de tijolos, telhas, ladrilhos, tubos, azulejos, carvão, etc.

1891 – outubro – 31 – Toma posse, no comando do Corpo de Segurança Pública, atual Polícia Militar do Ceará, o capitão do exército, Bonifácio Antônio Borba no cargo antes ocupado pelo major Eufrásio Nogueira de Sousa.

1891 – novembro – 20 – Morre, em Fortaleza, aos 48 anos de idade, o livreiro Guálter Rodrigues da Silva, vítima de ruptura de aneurisma. Existe em sua homenagem na Vila União, a Rua Livreiro Guálter.

1891 – novembro – 23 – Assume a Presidência da República o marechal Floriano Viana Peixoto (Floriano Peixoto), vice-Presidente, substituindo o marechal Manoel Deodoro da Fonseca, chefe do governo provisório e proclamador da República e presidente eleito pelo Congresso. Demite todos os presidentes de Estados fiéis a Deodoro da Fonseca.

1891 – dezembro – 07 – Tem lugar em Fortaleza, a primeira apresentação do fonógrafo, pelo Sr. Frederico Figner (Fred Figner), tchecoslovaco proprietário da Casa Edison, no Rio de Janeiro.

1891 – dezembro – 15 – Toma posse, no comando da Escola de Aprendizes Marinheiros do Ceará, o 1º tenente José Tomás Lobato de Castro, substituindo o capitão-tenente Sabino de Azeredo Coutinho.

1891 – Instala-se, na Rua da Praia (Avenida Pessoa Anta) nºs 1/13, esquina com Avenida Almirante Tamandaré, na Praça Almirante Saldanha, a firma Holderness & Salgado, sucessores de Singlehurst & Comp., que depois mudou para Salgado, Rogers & Cia. e em 1921 passou a denominar-se Salgado, Filho & Cia. São exportadores de peles de cabra e carneiro, algodão e cera de carnaúba.

1891 – Volta a baixar o índice pluviométrico em Fortaleza. Durante todo o ano caíram chuvas, que na medição técnica, obtiveram o índice de 870 milímetros, sendo considerado um ano de grande estiagem.

 

1892

1892 – janeiro – 01 – Publicado em Fortaleza o jornalzinho A Cartola, com as indicações: “Redator: vago – responsáveis, Os Sete Fantasmas – Tipografia Estrada de Messejana.

1892 – janeiro – 07 – Funda-se o Instituto de Humanidades, do cônego Vicente Salazar da Cunha (Monsenhor Salazar) e de Antônio Augusto de Vasconcelos, que inicia suas atividades no dia 15. Ficava na Rua Sena Madureira, esquina com Beco dos Pocinhos, local ocupado hoje pelo edifício do Centro Empresarial Clóvis Rolim.

1892 – janeiro – 19 – Assume, o cargo de Capitão do Porto do Ceará, o 1º tenente José Tomás Lobato de Castro, interinamente, quando deixa o cargo o capitão-tenente Silvino José de Carvalho Rocha.

1892 – fevereiro – 11 – Criada, pela Lei nº 7, a Inspetoria de Higiene.

1892 – fevereiro – 16 – Cadetes da Escola Militar do Ceará, revoltam-se contra o governador do Estado, José Clarindo de Queirós, obtendo adesão das forças federais, e o depõem na manhã do dia seguinte. Os tiros de canhões derrubam a estátua do general Tibúrcio na Praça do Palácio, mas ela cai de pé. O motivo foi que Clarindo de Queirós era aliado de Deodoro da Fonseca e o golpe dado por Floriano Peixoto determinou a deposição de todos os governadores que apoiavam Deodoro. Assume o governo o coronel José Freire Bezerril Fontenele (General Bezerril), que passou o governo para o vice-major Benjamin Liberato Barroso (Benjamin Barroso) no dia 18 de fevereiro de 1892. O Palácio da Luz foi residência do Capitão-mor Antônio de Castro Viana. Lá funcionou a Câmara Municipal. Foi depois (11/01/1809) vendido ao Estado e passou a abrigar o Governo. Em 1892 foi gravemente danificado quando da deposição do presidente Clarindo de Queirós pela Escola Militar do Ceará. Em fevereiro de 1960, na gestão do governador José Parsifal Barroso, metade dele foi vendido, sendo aberta uma rua dividindo-o. Já abrigou a Biblioteca Pública, a Casa de Cultura Raimundo Cela (1975) e hoje abriga a Academia Cearense de Letras.

1892 – fevereiro – 17 – Toma posse, no cargo de Chefe de Polícia do Estado, o major Antônio Joaquim Guedes de Miranda.

1892 – fevereiro – 28 – Sai o primeiro número do jornal O Operário, defensor da classe operária, redatoriado por João da Rocha e João Benevides.

1892 – fevereiro – 28 e 29 – O carnaval foi comemorado normalmente.

1892 – março – 01 – O Corpo de Segurança Pública passa a denominar-se Batalhão de Segurança do Ceará. Hoje é a Polícia Militar do Ceará.

1892 – março – 03 – Assume o comando do Batalhão de Segurança do Ceará (hoje Polícia Militar do Ceará), o alferes do exército, Abílio Augusto de Nossa e Silva.

1892 – março – 14 – Assume o comando da Escola de Aprendizes Marinheiros do Ceará, o capitão-tenente Sabino de Azeredo Coutinho, substituindo o 1º tenente José Tomás Lobato de Castro.

1892 – março – 15 – Inaugura-se a firma de Guálter Rodrigues da Silva a qual mantinha a Libro Papelaria Guálter. Ganhou depois o nome de Tipografia Minerva, que fechou há pouco tempo e foi de grande importância para Fortaleza. Ficava na Travessa da Assembleia (Rua São Paulo), nº 41(antigo). Quando fechou estava na Rua Barão do Rio Branco.

1892 – março – 17 – Assume, o cargo de Chefe de Polícia do Estado, o coronel Valdemiro Moreira.

1892 – março – 25 – Morre, no Rio de Janeiro, o médico e ex-deputado geral Paulino Franklin do Amaral (Barão de Canindé), cearense de Fortaleza nascido a 24/12/1870 e hoje é nome rua em Montese e Parangaba.

1892 – abril – 12 – Morre, em Fortaleza, o senador Manuel Bezerra de Albuquerque Júnior, aos 48 anos de idade. Como militar participou na luta contra o Paraguai. Nascera a 23/08/1843.

1892 – abril – 18 – Aparece o jornal O Besouro, em Fortaleza, saído das oficinas de O Norte. Dizia-se “ógão prosaico”.

1892 – abril – 19 – Surge o jornal República, fusão dos jornais Libertador e O Estado do Ceará.

1892 – abril – Joaquim Sá abre em Fortaleza a Fábrica Santa Isabel, de beneficiamento de café, açúcar e milho, localizada na Rua Floriano Peixoto nº 233 (antigo, atual 703).

1892 – maio – 14 – Na Capitania do Porto, respondia interinamente o 1º tenente José Thomaz Lobato de Castro, que passa, o cargo para o capitão-tenente Sabino de Azeredo Coutinho, que também responderá interinamente pelo cargo de Capitão do Porto, pela segunda vez.

1892 – maio – 16 – Funda-se, em Fortaleza, o jornal O Diário, redatoriado por Adolfo Ferreira Caminha (Adolfo Caminha) e R. d’Oliveira e Silva. Tinha redação na Rua Formosa nº 88.

1892 – maio – 26 – Toma posse, no comando do Batalhão de Segurança do Ceará, o alferes do Exército José Ribeiro Pereira.

1892 – maio – 26 – Publicado em Fortaleza o jornal O Canudo, redatoriado por José dos Santos.

1892 – maio – 30 – Esta data marca a fundação do mais importante movimento cultural de nossa terra, a Padaria Espiritual, que tinha sede na Rua Formosa (Rua Barão do Rio Branco) e que ficou conhecida nacionalmente “pela inédita bizarria de seu programa”, como afirma Rafael Sânzio de Azevedo. Outro local de reunião dos “padeiros” era no Café Java, na Praça do Ferreira. Faziam parte da agremiação Jovino Guedes Alcoforado, Antônio Sales, Luís Tibúrcio de Freitas, Ulisses Bezerra, Carlos Vítor, Moura Cavalcanti, Teófilo de Moura, Álvaro Dias Martins (Álvaro Martins) “Alvarins”, João Lopes de Abreu Lage (Lopes Filho), Temístocles Machado, Manuel Sabino Batista, José Maria Brígido, Henrique Jorge Ferreira Lopes (Sarasate Mirim), Lívio Barreto, Luís Félix de Sá, Joaquim Vitoriano de Almeida Pinheiro, Antônio de Castro Vidal Barbosa, Adolfo Ferreira Caminha (Adolfo Caminha), José dos Santos e João Paiva, todos fundadores. Depois ingressaram muitos outros. Publicava o jornal O Pão. A Padaria Espiritual extinguiu-se em 1897.

1892 – junho – 27 – Morre, vítima de apoplexia fulminante, em São Sebastião do Paraíso, MG, o bacharel em Ciências Jurídicas e Sociais Alfredo Bomílcar da Cunha. Era natural do Crato onde nascera a 30/10/1858.

1892 – julho – 10 – Sai o primeiro número do jornal O Pão, da Padaria Espiritual.

1892 – julho – 12 – Liberato Barroso é substituído, no Governo do Estado, pelo comendador Antônio Pinto Nogueira Acioli. Os intendentes passam a ser nomeados diretamente pelo chefe do executivo estadual e a primeira nomeação recai no coronel Guilherme César da Rocha (Guilherme Rocha), que assume no mesmo dia.

1892 – julho – 12 – Promulgada a segunda Constituição efetiva do Ceará.

1892 – julho – 12 – A nova Constituição, muda o nome do Tribunal de Apelação, para o antigo nome: Tribunal da Relação.

1892 – julho – 20 – Inaugura-se, no local da antiga parada, a Estação Ferroviária de Pacatuba, no km. 34,901 da Rede Ferroviária de Baturité.

1892 – agosto – 01 – Fundada por Amâncio Holanda Cavalcante a Alfaiataria Amâncio, na Rua Pedro Borges nº 34, na Praça do Ferreira. Depois Pertenceu a J. França.

1892 – agosto – 27 – Assume o primeiro Presidente eleito do Ceará, coronel José Freire Bezerril Fontenele (General Bezerril).

1892 – setembro – 18 – Publica-se em Fortaleza o primeiro número do periódico literário José de Alencar, em honra do romancista cearense, editado pela classe estudantal, tendo como redatores A. C. Queirós Facó, Antônio Benício, Frota Pessoa e J. Coelho Miranda.

1892 – setembro – 29 – Morre, em Fortaleza, aos 31 anos de idade, vítima de tuberculose, o escritor cearense, de Fortaleza, onde nascera em 02/07/1861, Manuel de Oliveira Paiva, autor de Dona Guidinha do Poço. Era oficial da Secretaria do Governo e jornalista, abolicionista membro da “Cearense Libertadora”. Hoje é nome de avenida na Cidade do Funcionário.

1892 – novembro – 07 – O 1º tenente José Thomaz Lobato de Castro reassume os cargos de Capitão do Porto do Ceará, interinamente, e comandante da Escola de Aprendizes Marinheiros do Ceará, recebendo ambos das mãos do capitão-tenente Sabino de Azeredo Coutinho.

1892 – dezembro – 01 – Assume a Capitania do Porto do Ceará, interinamente, o 1º tenente Manuel da Silva Lopes, substituindo o 1º tenente José Thomaz Lobato de Castro.

1892 – dezembro – 06 – Sai, em Fortaleza, o jornal Corsário Marietista, gerenciado por João Martins.

1892 – Fundação da Padaria Emílio Sá, movida a vapor, na Rua do Livramento (Rua Clarindo de Queirós) nº 39, 41 e 43, de propriedade do coronel Emílio Sá.

1892 – Funda-se a Casa Leitão, de Francisco Ribeiro Leitão, na Rua Floriano Peixoto nº 209 (antigo), na Praça do Ferreira, com vendas em grosso e a retalho de vinhos e mantimentos em geral.

1892 – Chove em Fortaleza o equivalente a 1.271 milímetros.

 

1893

1893 – janeiro – 01 – Inaugura-se o quartel do Batalhão de Segurança do Estado (Polícia Militar), na Praça Marquês do Herval, atual José de Alencar, esquina da Rua General Sampaio com Rua Liberato Barroso, no local hoje ocupado pelos jardins do Theatro José de Alencar, no antigo prédio provincial no qual funcionaram o Liceu do Ceará e a Biblioteca Pública.

1893 – janeiro – 16 – Assume os cargos de Capitão do Porto do Ceará, e de comandante da Escola de Aprendizes Marinheiros do Ceará, o 1º tenente Caio Pinheiro de Vasconcelos, recebendo os cargos das mãos do 1º tenente Manuel da Silva Lopes e do 1º tenente José Tomás Lobato de Castro, respectivamente.

1893 – fevereiro – 21 – Morre, aos 49 anos de idade, o doutor em medicina Meton da Franca Alencar, que representou o Ceará na Câmara dos Deputados. Nascera em Messejana em 07/09/1843. Hoje é nome de rua no Centro de Fortaleza.

1893 – fevereiro – 24 a 26 – Os festejos carnavalescos ocorrem normalmente em Fortaleza.

1893 – março – 02 – Surge em Fortaleza a frma comercial F. Philomeno, vendendo mercadorias e miudezas nacionais e estrangeiras, na Rua Boa Vista, 47 (hoje Floriano Peixoto, 407), com o nome fantasia de Formosa Cearense.

1893 – abril – 01 – A Alfândega de Fortaleza passa a funcionar em prédio construído pela empresa Ceará Harbour Corporation Ltd. O prédio todo de pedra, hoje ocupado pela Caixa Econômica Federal, foi construído por Tobias Lauriano Figueira de Melo e Ricardo Lange. O prédio havia sido inaugurado no dia 15/07/1891.

1893 – abril – 15 – Ocorre um eclipse total do sol, ao meio dia. Para observar o fenômeno, aqui esteve uma comissão da Real Sociedade Astronômica de Londres, dirigida pelo astrônomo Sir Albert Taylor, e uma comissão brasileira, chefiada por Henrique Morize, do Observatório Astronômico do Rio de Janeiro.

1893 – maio – 17 – Publicado em Fortaleza o jornal Comércio, que depois foi substituído pelo Diário do Ceará.

1893 – julho – 20 – Publica-se em Fortaleza a revista literária científica e crítica Evolução, que tinha por redatores Luís Agassis, Flávio Beleza, Viana de Carvalho, Leite de Berredo, Francisco Barreto, Côrtes Guimarães, Euthychio Galvão e José da Penha. Era impresso na Tipografia Universal, de Cunha Ferro & Companhia.

1893 – julho – 24 – Assume a Capitania do Porto do Ceará, e a Escola de Aprendizes Marinheiros do Ceará, o capitão-tenente Eduardo Augusto Veríssimo de Matos, em substituição ao 1º tenente Caio Pinheiro de Vasconcelos.

1893 – julho – 26 – Instala-se em Fortaleza a Caixa Filial de Fortaleza do Banco de Pernambuco, sob a gerência de F. H. Harding.

1893 – agosto – 11 – Morre, em Friburgo, RJ, o senador Teodureto Carlos de Farias Souto (Teodureto Souto), cearense do Ipu nascido em 04/11/1841. Existe hoje uma rua com seu nome no Rodolfo Teófilo.

1893 – agosto – 17 – Assume interinamente a direção da Estrada de Ferro de Baturité – EFB, o engenheiro Lúcio Freitas do Amaral.

1893 – agosto – 18 – Morre o marechal José Antônio Correia da Câmara (Visconde de Pelotas), veterano da Guerra do Paraguai, ex-senador do Império, ex-Ministro da Guerra, gaúcho nascido a 17/02/1824.

1893 – agosto – 31 – Morre no Rio de Janeiro, aos 52 anos de idade, José Júlio de Albuquerque Barros, (Barão de Sobral) que fora o 41º presidente da província. Exercia na ocasião o cargo de Procurador-Geral da República. Nascera em Sobral no dia 11/05/1841.

1893 – setembro – 06 – A Estrada de Ferro de Baturité – EFB tem novo comando, assume sua direção o engenheiro Diogo Ferreira de Almeida.

1893 – setembro – 12 – Morre, aos 67 anos de idade, o engenheiro-arquiteto Adolfo Herbster, sepultado no Cemitério de São João Batista. É hoje nome de rua em Fortaleza. Engenheiro arquiteto a quem Fortaleza deve serviços de urbanização, descendente de suíços, nascera em Pernambuco em 14/05/1826. OU 12 DE NOVEMBRO?

1893 – setembro – 14 – Morre na Bahia o ex-guarda mor da Alfândega em Fortaleza, Vitoriano Augusto Borges, nascido em Lisboa, Portugal em 08/08/1821 e naturalizado brasileiro. Hoje é nome de rua na Serrinha, em Fortaleza.

1893 – outubro – 09 – Sai o Código de Obras e Posturas do Município de Fortaleza, decretado pela Câmara Municipal de Fortaleza.

1893 – novembro – 12 – Morre em Fortaleza, vítima de diabetis, o engenheiro Adolfo Herbster, pernambucano nascido em 14/05/1826. Chegara no Ceará em 1855, autor da Planta topográfica da cidade de Fortaleza e subúrbios em 1875. OU 12 DE SETEMBRO?

1893 – novembro – 18 – Fundada em Fortaleza a Cal-Marmórea Cearense, de Álvaro Teixeira de Souza Mendes e Manuel Vila Nova, na Rua Padre Mororó nº 27/29 (antigos), em frente ao Cemitério de São João Batista e também no km 73 da Estrada de Ferro de Baturité em frente à estação de Itapaí.

1893 – dezembro – 28 – Morre, no Rio de Janeiro, aos 52 anos, o general José Clarindo de Queirós, ex-governador do Ceará. Nascera em Fortaleza a 22/01/1841. Existe no Centro de Fortaleza uma rua em sua homenagem.

1893 – Fundada em Fortaleza, a Casa Bancária Frota & Gentil, que tinha como sócios o coronel José Gentil Alves de Carvalho, Raimundo da Silva Frota, Antônio da Frota Gentil e João da Frota Gentil. Depois se transformaria no Banco Frota & Gentil, que inaugurou seu novo prédio em 1925, na Rua Floriano Peixoto nº 324/6, esquina com a Rua Senador Alencar.

1893 – Choveu em Fortaleza 1.565 milímetros durante todo o ano.

 

1894

1894 – janeiro – 20 – Surge em Fortaleza a revista artística, literária e científica, Ceará Ilustrado, que saía duas vezes no mês, com gravuras feitas na Litografia Cearense dos irmãos Costa Sousa, dirigida por Antônio Papi Júnior, Pedro Moniz e José Olímpio.

1894 – fevereiro – 03 – Morre, em Fortaleza, Francisco Ferreira do Vale, o Flávio Boicininga da Padaria Espiritual.

1894 – fevereiro – 16 – Assassinado por José Vidal, em Fortaleza, Joaquim Vitoriano, um dos fundadores da Padaria Espiritual onde usava o pseudônimo de Paulo Kandalaskaia.

1894 – fevereiro – 19 – Angélica de Melo declara, através de nota publicada em jornal, que pretende instalar em sua residência, na Rua Formosa nº 31 (Rua Barão do Rio Branco), um atelier fotográfico, estava aguardando a chegada do material que viria do Exterior. Seria assim a primeira mulher fotógrafa profissional de Fortaleza.

1894 – março – 15 – O Liceu do Ceará inaugura sua nova sede, na Rua do Rosário, na Praça dos Voluntários, com frente também para a Rua Sena Madureira, construído pelo tenente de engenheiros João Arnoso. Foi demolido em 1937. No local esteve antes o quartel da Polícia e hoje se levanta o edifício da Polícia Civil.

1894 – maio – 26 – Morre em Parangaba o bacharel em direito Esmerino Gomes Parente, ex-chefe de polícia, ex-presidente do Estado, cearense de Sobral nascido a 01/11/1831.

1894 – junho – 03 – Publicado o jornal de propaganda da casa comercial Estrela do Oriente, de Fortaleza, A Alvorada, único número, impresso na Tipografia Universal.

1894 – junho – 07 – Parte do Seminário Episcopal desmorona-se na madrugada em virtude das fortes chuvas que caem em Fortaleza.

1894 – junho – 09 – Morre, em Fortaleza, aos 77 anos de idade, Leonardo Marques Brasil (Barão de São Leonardo), que foi capitão na Guerra dos Balaios, foi coronel da antiga Guarda Nacional e era Comendador da Ordem da Rosa. Nascera em Mombaça e é hoje nome de rua no Pici, em Fortaleza.

1894 – junho – 24 – Surge em Fortaleza sua primeira fábrica de meias.

1894 – julho – 24 – Morre, em Fortaleza, aos 41 anos de idade, o padre José Teixeira da Graça (Padre Graça), cura da Sé, cearense de Aracati nascido em 30/11/1853 e que exerceu a presidência do Poder Legislativo em 1886. Hoje é nome de rua em Fortaleza (Rua Padre Graça).

1894 – agosto – 14 – Chega a Fortaleza o poeta Raimundo Correia.

1894 – agosto – 15 – Funda-se, em Fortaleza, a Academia Cearense, mais tarde Academia Cearense de Letras, iniciada com Guilherme Chambly Studart (Barão de Studart), Justiniano José de Serpa (Justiniano de Serpa), Raimundo de Farias Brito, Antônio Luís Drummond da Costa (Antônio Drummond), José Domingues Fontenele (José Fontenele), Álvaro Gurgel de Alencar (Álvaro de Alencar), Benedito Façanha Sidou (Benedito Sidou), Marcos Franco Rabelo, Antônio Augusto de Vasconcelos, Pedro Tomás de Queirós Ferreira (Pedro de Queirós), Francisco Alves Lima, Valdemiro Cavalcante, Tomás Pompeu de Sousa Brasil Filho, Raimundo de Arruda, Álvaro Teixeira de Sousa Mendes (Álvaro Mendes), José Carlos da Costa Ribeiro Júnior (José Carlos Júnior), Virgílio Augusto de Moraes, José de Barcelos da Silva Sobrinho, Antônio Bezerra de Sousa Menezes, Eduardo Guilherme Osvaldo Studart (Eduardo Studart), Adolfo Frederico. Luna Freire (Adolfo Luna Freire), Eduardo da Rocha Salgado (Eduardo Salgado), Joaquim Lopes de Alcântara Bilhar, Antonino da Cunha Fontenele (Antonino Fontenele), Antônio Teodorico da Costa (pai), Francisco Valdivino Nogueira e Henrique Théberge (fundadores). Depois entraram outros nas duas outras fases. Sua fundação deu-se na Fênix Caixeiral, na época ocupando o andar superior do sobrado da esquina da Rua São Paulo com Rua Floriano Peixoto, mesmo sobrado onde depois estariam a Casa Bordalo, o Banco do Brasil, o Banco de Crédito Comercial, o Bradesco e hoje são algumas lojinhas de venda de quinquilharia após vários anos abandonado.

1894 – agosto – 26 – Inaugura-se nesta Capital a Fábrica de Cortumes (Cortume Cearense), no bairro do Jacarecanga, no local onde hoje fica a Escola de Aprendizes Marinheiros, na Avenida Filomeno Gomes nº 30.

1894 – setembro – 18 – Tem nova direção a Estrada de Ferro de Baturité – EFB quando assume o engenheiro militar José Faustino da Silva, substituindo o engenheiro Diogo Ferreira de Almeida.

1894 – setembro – 19 – Fundada, na Rua Major Facundo nº 16 (antigo, atual 538), na Praça do Ferreira, a Farmácia Pasteur por Leopoldo Domingues, que após nove anos vendeu ao farmacêutico Francisco Alves Linhares Filho, que por sua vez vendeu ao Sr. Eduardo de Castro Bezerra em 1905.

1894 – setembro – 27 – Criado o Centro Literário, que teve em seu seio nomes como Antônio Papi Júnior, Juvenal Galeno Teófilo da Costa e Silva, Raimundo de Farias Brito, Pedro Moniz, José Quintino da Cunha (Quintino Cunha), Temístocles Machado, Álvaro Dias Martins (Álvaro Martins) “Alvarins”, Guilherme Chambly Studart (Barão de Studart), José da Silva Bonfim Sobrinho, Frota Pessoa, Ulisses Sarmento, Francisco Alves Lima, José Pedro Soares Bulcão, José Albano, entre muitos outros.

1894 – outubro – 18 – Fundada a Companhia Ferro-Carril de Arronches (Porangaba, depois Parangaba), por uma sociedade anônima que depois passou para a firma Gondim & Filhos, dirigida pelo coronel Arlindo Gondim. A linha partia de Parangaba e vinha até o final da linha do Benfica, em frente ao café do Pedro Eugênio, em frente à Chácara dos Amaral, hoje cruzamento da Avenida 13 de Maio com Rua Marechal Deodoro.

1894 – novembro – 04 – Publicado em Fortaleza o jornal Diário do Ceará, que foi uma continuação do jornal Comércio. Era de propriedade de Teodomiro de Brito & Companhia, tendo como redatores Justiniano José de Serpa (Justiniano de Serpa), Álvaro Teixeira de Sousa Mendes (Álvaro Mendes), Roberto de Alencar e José Lino da Justa.

1894 – novembro – 09 – Muda de comando o Batalhão de Segurança do Ceará, saindo o alferes do Exército José Ribeiro Pereira e entrando o major Antônio Emílio Pereira, daquela corporação.

1894 – novembro – 15 – Toma posse, no Rio de Janeiro, José Prudente de Moraes e Barros, primeiro presidente da República eleito pelo povo. Substitui o marechal Floriano Viana Peixoto (Floriano Peixoto). Na Vice-Presidência Manoel Vitoriano Pereira

1894 – novembro – 28 – Novamente é mudado o comando do Batalhão de Segurança do Ceará quando assume o coronel do Exército Francisco Cabral da Silveira.

1894 – dezembro – 09 – Morre, em Fortaleza, aos 43 anos de idade, Fausto Domingues da Silva, ex-diretor da Biblioteca Pública e um dos fundadores do Gabinete Cearense de Leitura.

1894 – dezembro – 17 – Assume a direção da Estrada de Ferro de Baturité – EFB, em substituição ao engenheiro militar José Faustino da Silva, o engenheiro Hildebrando Pompeu de Sousa Brasil.

1894 – dezembro – 21 – Assume a Capitania do Porto do Ceará e a Escola de Aprendizes Marinheiros do Ceará, interinamente, o 1º tenente Dr. João Guilherme Studart, pela saída do titular, capitão-tenente Eduardo Augusto Veríssimo de Matos.

1894 – dezembro – 25 – Publica-se, em Fortaleza, o jornalzinho A Giririca, dizendo-se impresso pela tipografia de onde saiu à rua das casas nº 1111.

1894 – Choveu durante todo o ano, em Fortaleza, 2.719 milímetros, havendo inundações em muitas localidades.

 

1895

1895 – janeiro – 05 – Assume, o cargo de Capitão do Porto do Ceará, o capitão-tenente Augusto Guedes de Carvalho, substituindo o 1º tenente Dr. João Guilherme Studart, que respondia interinamente.

1895 – janeiro – 08 – Falece, pela madrugada, aos 70 anos de idade, o conselheiro Adriano José Leal, ministro aposentado do extinto Tribunal de Justiça, baiano de nascimento.

1895 – janeiro – 13 – Publicado em Fortaleza o jornalzinho O Diabo, que se dizia “órgão infernal”.

1895 – janeiro – 15 – O capitão-tenente Augusto Guedes de Carvalho recebe das mãos do 1º tenente João Guilherme Studart o comando da Escola de Aprendizes Marinheiros do Ceará.

1895 – fevereiro – 24, 25 e 26 – Acontecem em Fortaleza os festejos carnavalescos.

1895 – março – 04 – Prédio da sociedade anônima União Cearense é alugado para o Correio, por contrato e muda-se, do térreo do prédio da Assembleia, no dia nove de março do mesmo ano. Ficava na Rua da Misericórdia (atual Dr. João Moreira), em frente ao Passeio Público. Depois o prédio foi sede da “Light”, Serviluz, Conefor, e hoje faz parte do patrimônio da Coelce. No inverno de 2001 desabou parcialmente. Seu endereço atual é Rua João Moreira nº 143. A construção do prédio data de 1872.

1895 – março – 29 – Funda-se em Fortaleza o Recreio Militar, sob direção de João Bartolomeu Klier.

1895 – março – 31 – Falece em Fortaleza, aos 42 anos de idade, o abolicionista, jornalista e poeta Antônio Dias Martins Júnior (Antônio Martins), ex-senador estadual. Membro da Cearense Libertadora era cearense de Fortaleza, onde nascera a 16/06/1852, e hoje é nome de rua no Rodolfo Teófilo e Damas.

1895 – abril – 30 – Morre, em Fortaleza, com apenas 37 anos de idade, o poeta Augusto Xavier de Castro (X. de Castro), autor de “Chromos”, era membro do Centro Literário e da Padaria Espiritual, nesta usava o pseudônimo de Bento Pesqueiro. Nascera no dia 30/01/1858 em Fortaleza.

1895 – maio – 05 – Publicado em Fortaleza o periódico humorístico O Figarino, fundado por Antônio de Lafayete, João de Albuquerque e Nicéforo Moreira.

1895 – maio – 10 – Morre, aos 76 anos de idade, o magistrado Hipólito Cassiano Pamplona, ex-presidente do Poder Legislativo do Ceará, ex-Chefe de Polícia. Era cearense de Aracati nascido a 02/03/1819.

1895 – maio – 19 – Falece, em Fortaleza, o jornalista e professor Francisco de Oliveira Conde, autor de um Resumo de Aritmética para uso das escolas primárias. Foi redator do jornal “Maranguapense”, periódico existente no final do século XX, no qual escreviam Capistrano de Abreu, José Sombra e Martinho Rodrigues. Era também taquigrafo, tendo deixado inédito um trabalho manuscrito, intitulado “A arte da taquigrafia”. Era também poeta e charadista. Nascera em 1842 em Fortaleza.

1895 – maio – 24 – Fundado, em Fortaleza, o Dispensário dos Pobres, a cargo da Sociedade de São Vicente de Paulo.

1895 – junho – 01 – Instala-se em Fortaleza o Dispensário dos Pobres, em prédio na Rua Formosa nº 48 (antigo), sob a presidência de Solon da Costa e Silva. Posteriormente mudou-se para a Rua Jaime Benévolo, vizinho ao prédio da Sociedade de São Vicente de Paulo, a quem pertence.

1895 – julho – 08 – Morre, aos 70 anos de idade, o tenente-coronel honorário do Exército José Fernandes de Araújo Viana, que comandou a Força Policial do Estado na época em que participou da Guerra do Paraguai. Ex-deputado provincial. Era cearense de Fortaleza nascido em 13/12/1824.

1895 – setembro – 29 – Publicada em Fortaleza a revista mensal Galeria Cearense, com redação de Antônio Augusto de Vasconcelos, com colaboração de Tomás Pompeu de Sousa Brasil Filho, Guilherme Chambly Studart (Barão de Studart), Hildebrando Pompeu de Sousa Brasil, Pedro Tomás de Queirós Ferreira (Pedro de Queirós), José Lino da Justa, Antônio Teodorico da Costa (pai), Lopes Ribeiro e Enéas Pires. Era impresso na Tipografia Universal com gravuras da Litografia dos Irmãos Costa Sousa.

1895 – setembro – 29 – Morre, na cidade de Camocim, onde era guarda-livros da Agência da Companhia Maranhense de navegação a vapor, com apenas 25 anos de idade, o poeta cearense Lívio Barreto, vítima de congestão cerebral. Era membro da Padaria Espiritual e é Patrono da Cadeira nº 24, na Academia Cearense de Letras – ACL. Hoje é nome de rua em Fortaleza. Era natural da Fazenda Angicos, distrito de Iboaçu, em Granja, onde nascera a 18/02/1870.

1895 – setembro – Chega em Fortaleza o funcionário da Inspetoria de Fazenda, Luís de França de Almeida e Sá, carioca que aqui assume o cargo de Inspetor da Alfândega, aqui ficando dois anos.

1895 – outubro – 15 – Sai a revista literária e científica A Pena, que tinha como fundadores Marcolino Fernandes, Graco Cardoso e Júlio Olímpio da Rocha.

1895 – outubro – 19 – Morre em Fortaleza, onde residia ha pouco tempo, o chefe político de grande influência em Cascavel e Aquiraz, João Sigismundo Liberal, nascido em Cascavel em 11/11/1822.

1895 – novembro – 18 – Fundado em Fortaleza o Grupo Espírita Fé e Caridade, pelo espírita carioca Luís de França de Almeida e Sá, primeira sociedade espírita cearense. Da sociedade faziam parte também Demétrio de Castro Menezes e Lino Encarnação.

1895 – dezembro – 07 – Morre, em Fortaleza, aos 77 anos de idade, o mestre construtor Antônio da Rosa e Oliveira (Mestre Rosa). Existe no bairro José Bonifácio a Rua Mestre Rosa, em sua homenagem.

1895 – dezembro – 31 – Assume os cargos de Capitão do Porto do Ceará e comandante da Escola de Aprendizes Marinheiros do Ceará, como titular, em substituição ao capitão-tenente Augusto Guedes de Carvalho, o também capitão-tenente Sabino de Azeredo Coutinho, que já havia ocupado o cargo por mais duas oportunidades, interinamente.

1895 – Instala-se em Fortaleza a primeira fábrica de massas alimentícias e macarrão no Ceará, a Fábrica Italiana a Vapor de Massa Alimentícia e Padaria, fundada por Antônio Russo Italiano. Funcionava na esquina da Rua Pedro Borges nºs 34/38 (antigos, atual 108) com Rua General Bezerril nºs 196/206 (antigos, atual 552), depois se transformou em Fábrica Italiana, Padaria Italiana, e Padaria Nordestina, transformada em Nordestina Supermercados que não mais existe.

1895 – O jornalista João Eduardo Torres Câmara (João Câmara) funda o Almanaque da Cidade de Fortaleza, que a partir do ano seguinte seria Almanaque Administrativo, Estatístico, Mercantil, Industrial e Literário do Estado do Ceará, ou simplesmente Almanaque do Ceará, de João Câmara, dirigido por este até 1906, quando faleceu, ficando a cargo de seu filho Sófocles Torres Câmara, até 1931, quando passou para Joaquim da Silveira Marinho, que em 1941 entregou à dupla Raimundo Girão e Antônio Martins Filho, passando em 1947 para Antônio Batista Fontenele (A. Batista Fontenele) e Leopoldo C. Fontenele, que o editou até 1961.

1895 – Caíram em Fortaleza, durante o ano, chuvas que tiveram na medição o índice de 2.408 milímetros, o que foi considerado excesso.

1895 – Registradas as firma Nahum J. Rabay & Irmão, de venda de tecidos e miudezas em grosso e Jacob Elias & Irmão, importadora de tecidos e miudezas.

 

1896

1896 – janeiro – 01 – Fundada em Fortaleza a sociedade Auxiliadora Postal.

1896 – janeiro – 10 – Demonstração do fonógrafo no Café Caio Prado, no Passeio Público, pelo professor Augusto Lennep, que esteve hospedado no Hotel de France.

1896 – janeiro – 27 – Morre, em Fortaleza, o farmacêutico João da Rocha Moreira, fundador do Gabinete Cearense de Leitura. Era cearense de Fortaleza nascido em 17/01/1838.

1896 – fevereiro – 05 – Iniciada a construção do Mercado de Ferro ou Mercado Público de Fortaleza na antiga Praça Carolina.

1896 – fevereiro – 13 – Surge em Fortaleza o Grêmio Fotográfico, primeira associação de amadores fotográficos, iniciativa de José Irineu e Moura Quineau.

1896 – fevereiro – 16 a 18 – O carnaval é comemorado em Fortaleza com relativa animação.

1896 – março – 04 – São inaugurados os trilhos que vão da estação de bondes até a fábrica de tijolos do Cocó, da firma Moura & Companhia, para uso exclusivamente por troleys daquela companhia.

1896 – março – 08 – Publicado em Fortaleza o primeiro número do jornal crítico A Palestra, sob a responsabilidade de Fernando da Costa Weyne (Fernando Weyne) e impresso pelo proprietário João Leal que era impresso na Tipografia Universal, de Cunha, Ferro & Companhia.

1896 – março – 10 – Morre, em Fortaleza, no seu palacete, na Rua Major Facundo, na Praça do Ferreira, onde hoje fica a loja “Marisa”, aos 76 anos de idade, o bacharel em direito Gonçalo Batista Vieira (Barão de Aquiraz), cearense de São Mateus, Jucás, CE., onde nascera a 17/05/1819. Foi presidente do Poder Legislativo por duas vezes.

1896 – março – 17 – A Tipo-Litografia a Vapor passa a pertencer a Diva de Alencar Gadelha.

1896 – abril – 18 – Colocada a pedra fundamental do Mercado de Ferro, na antiga Praça Carolina, quadrilátero rodeado pelas hoje Rua General Bezerril, Rua São Paulo, Rua Floriano Peixoto e Travessa Crato.

1896 – abril – 21 – Organiza-se em Fortaleza o clube União Militar.

1896 – abril – 24 – Fundada em Fortaleza a Companhia Ferro-Carril do Outeiro (Aldeota), que inaugurou sua primeira linha no dia 12 de outubro. Era dirigida por F. H. Harding.

1896 – maio – 03 – Sai às ruas de Fortaleza o jornal Alvorada, literário, recreativo e noticioso de Francisco M. F. T. de Sousa, Higino Batista, Jovelino de Sousa e Francisco Machado.

1896 – maio – 13 – Inicia-se o assentamento dos trilhos dos bondes da Companhia Ferro-Carril do Outeiro (Aldeota).

1896 – maio – 29 – Morre, aos 35 anos de idade, o magistrado, professor, poeta, escritor, contista e historiador José Carlos da Costa Ribeiro Júnior (José Carlos Júnior), o Bruno Jaci, da Padaria Espiritual. Foi fundador da Academia Cearense de Letras – ACL. Era paraibano da cidade da Paraíba, (hoje João Pessoa), onde nascera a 24/07/1860.

1896 – julho – 12 – Toma posse, no cargo de Presidente do Estado do Ceará, o comendador Antônio Pinto Nogueira Acioli, tendo como 1º vice-presidente o coronel Carlos Felipe Rabelo de Miranda; 2º vice-presidente o coronel Ernesto Deocleciano de Albuquerque e como 3º vice-presidente Cornélio José Fernandes.

1896 – julho – 13 – Assume o cargo de Chefe de Polícia do Estado, o desembargador Antônio Sabino do Monte.

1896 – julho – 17 – Morre, em Fortaleza, o deputado federal Gonçalo de Lagos Fernandes Bastos, bacharel em Direito, jornalista e abolicionista. Nascera em Fortaleza a 16/11/1842.

1896 – julho – 26 – Publicado em Fortaleza o jornalzinho O Garoto, dizendo-se “órgão das moças e jacobino até a gata miar”.

1896 – agosto – Sai o primeiro número da revista A Jandaia, da classe estudantil dirigida por Joaquim C. Fontenele e tendo por redatores Joaquim Carneiro, Bohemundo Afonso, Otávio Mendes e Gervásio Nogueira. Era mensal, impressa na Tipografia Universal de Cunha Ferro & Companhia.

1896 – setembro – 28 – Morre, vítima de uma intoxicação urêmica, o desembargador Américo Militão de Freitas Guimarães, aos 71 anos de idade. Governou o Ceará, na condição de vice-presidente, substituiu Caio Prado quando este faleceu. Era cearense de Quixeramobim, onde nascera a 10/03/1825.

1896 – outubro – 01 – Começam as atividades, em Fortaleza, do Colégio Nossa Senhora de Lourdes, criado por Ana Lopes de Alcântara Bilhar (Ana Bilhar) e sua irmã Branca Lopes de Alcântara Bilhar (Branca Bilhar), em 1889, na serra de Guaramiranga. Em Fortaleza, instalou-se em prédio na Rua 24 de Maio nº 92 (antigo), esquina com Rua São Paulo, mudando-se, em 1898, para o prédio do Colégio Militar, na Praça Benjamim Constant (hoje Praça da Bandeira), na Avenida Santos Dumont. Compunha-se do curso primário, secundário, complementar e o curso de artes, com o ensino de música, piano, bandolim, canto, desenho, pintura e caligrafia.

1896 – outubro – 12 – Inaugura-se a Ferro-Carril do Outeiro (Aldeiota, depois Aldeota), com linha ligando a Praça Benjamin Constant (atual Praça da Bandeira) à Praça do Ferreira. Pertencia a membros da família Acioli.

1896 – outubro – 17 – Morre, na Rua das Flores (Rua Castro e Silva), aos 47 anos de idade, Antônio Ferreira de Lafayete (Antônio de Lafayette), boêmio, poeta e tipógrafo que editou vários jornais, sendo o primeiro Meirinho, que redigia, imprimia e distribuía. Era cearense de Aquiraz nascido a 10/07/1849. Hoje é nome de rua na Cachoeirinha e Alagadiço.

1896 – novembro – Assume a Presidência da República o vice-presidente Manuel Vitoriano Pereira, por doença de Prudente de Moraes. Reformulou todo o ministério na tentativa de ficar no poder.

1896 – novembro – 20 – Iniciado, em Fortaleza, o funcionamento da Empresa Funerária.

1896 – novembro – 27 – Sagração e assentamento da pedra fundamental da Igreja do Pequeno-Grande.

1896 – Fundada em Fortaleza a firma Joaquim Gonçalves & Companhia, exportadora de algodão em rama, cera de carnaúba, peles, polvilho, milho, etc., na Rua Dragão do Mar.

1896 – A firma Lopes Sá & Cia, do Rio de Janeiro, que já vinha fabricando cigarros no Ceará, abre em Fortaleza a Fábrica São Lourenço na Rua Tristão Gonçalves nº 66 (antigo), com as marcas “3 Tango”, “44” entre outras.

1896 – Caíram, durante o ano, em Fortaleza, chuvas que tiveram a medida nas amostragens de 1.909 milímetros.

1896 – Registraram-se em Fortaleza 1.737 nascimentos, 315 casamentos, 1.416 óbitos.

 

1897

1897 – janeiro – 01 – Morre, aos 29 anos, no Rio de Janeiro, vítima de tuberculose pulmonar, o oficial da Marinha e escritor Adolfo Ferreira Caminha (Adolfo Caminha), cearense de Aracati nascido em 29/05/1867, autor de A Normalista, membro da Padaria Espiritual. Foi sepultado no Cemitério de São Francisco Xavier. Hoje é nome de rua em Fortaleza e Patrono da Cadeira nº1 da Academia Cearense de Letras – ACL.

1897 – janeiro – 10 – Publicado em Fortaleza o jornalzinho caricato O Frivolino.

1897 – fevereiro – 01 – Muda de comando a Capitania do Porto do Ceará, quando assume o 1º tenente José Paulino Rodrigues, interinamente, substituindo o capitão-tenente Sabino de Azeredo Coutinho.

1897 – fevereiro – 01 – Morre, em Fortaleza, João Francisco Sampaio, farmacêutico, lente de História geral do Liceu, jornalista e deputado estadual. Nascera em Aracati, a 27/05/1847.

1897 – fevereiro – 13 – Criado em Fortaleza o Grêmio de Propaganda Fotográfica, que seria fundido com a Sociedade Cearense de Amadores Fotográficos resultando no Foto Clube Cearense.

1897 – fevereiro – 14 – Suicida-se, com um tiro no ouvido, à noite, em sua residência, na Rua Tristão Gonçalves atual nº 596, aos 29 anos de idade, o poeta Paulo de Castro Laranjeira (Paulo Laranjeira), engenheiro fiscal das obras do Porto, motivado por uma paixão não correspondida. Deixou a modinha “Teu desprezo”, com música de Raimundo Nonato (pai). Nascera a 08/06/1868.

1897 – fevereiro 22 – Assume o novo Capitão do Porto, titular, capitão-tenente Veríssimo José da Costa Júnior, recebendo o cargo do 1º tenente José Paulino Rodrigues. O mesmo assume também, na mesma data, o comando da Escola de Aprendizes Marinheiros do Ceará.

1897 – fevereiro – 28 – Início do período carnavalesco em Fortaleza.

1897 – março – 01 e 02 – Prosseguem os festejos carnavalescos em Fortaleza nas ruas e nos clubes.

1897 – março – 04 – Reassume a Presidência da República José Prudente de Moraes Barros, que estivera doente, substituído por Manuel Vitoriano Pereira.

1897 – abril – 10 – Assume, interinamente, a direção da Estrada de Ferro de Baturité – EFB o engenheiro Francisco Marcondes Pereira.

1897 – abril – 18 – Inaugurado, na então Praça Carolina depois Praça José de Alencar (hoje Palácio do Comércio, Praça Waldemar Falcão, Banco do Brasil e Correios), o Mercado de Ferro. A Praça Carolina já foi Praça José de Alencar e Praça Capistrano de Abreu. O Mercado de Ferro foi construído com dinheiro conseguido através dos bilhetes de crédito conhecidos como borós. Era a administração do intendente (prefeito) Guilherme César da Rocha e do presidente (governador) comendador Antônio Pinto Nogueira Acioli. O Mercado de Ferro era destinado à venda de carne verde (fresca), e de verdura, sendo a obra contratada com o mestre Álvaro Teixeira de Sousa Mendes (Álvaro Mendes), que utilizou nas calçadas granito cearense. Sua estrutura metálica foi fabricada na França por Guillot Pelletier, de Orleans, obedecendo a projeto de Lefevre. O Mercado de Ferro foi desmontado em 1937 sendo dividido em duas partes indo uma para a Praça Paula Pessoa (Praça São Sebastião) e a outra metade para a Aldeota, na Praça Visconde de Pelotas (Praça dos Pinhões). A parte da Praça São Sebastião foi desmontada em 1968 e levada para a Aerolândia onde ainda se encontra, e no local foi levantado um galpão de alvenaria com telhas de amianto que já foi demolido para a construção da praça para o novo mercado de São Sebastião.

1897 – abril – 20 – Morre, em Fortaleza, aos 65 anos de idade, o bacharel em Direito Joaquim Mendes da Cruz Guimarães Júnior, jornalista e político. Era cearense de Aracati nascido a 13/02/1831.

1897 – abril – 27 – Assume a direção da Estrada de Ferro de Baturité – EFB, o engenheiro Bernardo Piquet Carneiro.

1897 – maio – 02 – Publicada em Fortaleza a revista caricata O Ceará Moleque.

1897 – maio – 18 – Publica-se, em Fortaleza, o primeiro número do jornal ilustrado O Independente, de propriedade de João Carlos Nepomuceno d Silva. Era impresso na Rua Major Facundo nº 21.

1897 – maio – 23 – Toma posse, na Academia Cearense de Letras – ACL, o poeta José Rodrigues de Carvalho, sendo saudado pelo Padre Francisco Valdivino Nogueira. Ocupa a vaga deixada pela morte de José Carlos da Costa Ribeiro Júnior (José Carlos Júnior), fundador.

1897 – junho – 01 – Publica-se em Fortaleza, O Ceará Filatélico, dirigido por Júlio Fabrício Silva & Companhia.

1897 – julho – 04 – Publicado em Fortaleza o primeiro número do jornal Badalo.

1897 – julho – 15 – Assume os cargos de Capitão do Porto e comandante da Escola de Aprendizes Marinheiros do Ceará, o 1º tenente João de Lima Franco.

1897 – julho – 22 – Publica-se, em Fortaleza, o jornalzinho Chapéu de Couro.

1897 – setembro – 22 – O Presidente do Estado, comendador Antônio Pinto Nogueira Acioli, sanciona o Decreto Legislativo nº 393, de 11/09/1897, que cria as Armas do Ceará (escudo).

1897 – setembro – 25 – Morre, aos 69 anos de idade, o farmacêutico, comendador Antônio Teodorico da Costa (pai). Era membro da Academia Cearense de Letras – ACL. Nascera em Aracati a 15/07/1828.

1897 – outubro – 04 – Morre, em Fortaleza, aos 53 anos incompletos, o bacharel em Direito, herói da Guerra do Paraguai, Francisco Antônio de Oliveira Sobrinho, conhecido como o poeta da abolição, cearense de Baturité, onde nascera a 23/10/1844.

1897 – outubro – 06 – Morre, em Canudos, BA, o cearense de Quixeramobim Antônio Vicente Mendes Maciel, nascido em 13/03/1828, conhecido por Antônio Conselheiro, líder religioso. Foi massacrado pelo Exército Brasileiro juntamente com centenas de adeptos.

1897 – outubro – 13 – Morre, no Rio de Janeiro, o cearense de Aracati, nascido em 02/02/1858, poeta Francisco de Paula Ney, aos 39 anos, vítima de tuberculose pulmonar. Hoje é nome de rua em Fortaleza. É um dos Patronos na Academia Cearense de Letras – ACL.

1897 – outubro – 06 – Constituída em Fortaleza a Sociedade Cearense de Amadores Fotográficos, que fundida ao Grêmio de Propaganda Fotográfiica resultou na criação do Foto Clube Cearense. A reunião inaugural realizou-se na residência do fotógrafo Moura Quineau.

1897 – outubro – 17 – No salão da antiga Fênix Caixeiral, inaugura-se a Associação Comercial do Ceará, que depois funcionaria no Palácio Guarani, na esquina da Rua Senador Alencar com Rua Senador Pompeu.

1897 – dezembro – 06 – Morre, em Fortaleza, Roberto de Alencar, membro da Padaria Espiritual, onde usou o pseudônimo de Benjamin Cajuhy.

1897 – dezembro – 16 – Extinta a Escola Militar do Ceará.

1897 – Surgem três novos fabricantes de cigarros em Fortaleza, João da Costa Vieira, com endereço na Rua Formosa (Rua Barão do Rio Branco) nº 131 (antigo); Francisco Moraes, na mesma rua nº 158; e Teodósio Freire & Companhia, na Rua Pedro Borges nº 41, Praça do Ferreira.

1897 – Durante o ano caíram chuvas sobre Fortaleza, medidas em amostragens, que acusaram 1.921 milímetros.

 

1898

1898 – fevereiro – 06 – Um domingo, é inaugurada a Biblioteca da Sociedade Fênix Caixeiral, na esquina da Rua Floriano Peixoto com Rua São Paulo, altos.

1898 – fevereiro – 15 – Publicado em Fortaleza o primeiro número do jornalzinho O Cuco.

1898 – fevereiro – 20 a 22 – Ocorrem em Fortaleza, nos clubes e nas ruas, os festejos carnavalescos.

1898 – fevereiro – 28 – Morre, em Fortaleza, o comerciante Natalino Levy, o iniciador em Fortaleza da comercialização de couros de bodes e carneiros.

1898 – março – 01 – Publica-se, em Fortaleza, o primeiro número do jornal A Estréia, órgão do Clube Adamantino de Fortaleza, saindo mensalmente. Publicado na Tipografia Apolo, era redatoriado por J. de P. Medeiros e J. C. Albuquerque e tinha como diretor Carlos Eduardo Torres Câmara.

1898 – março – 01 – Instala-se, em Fortaleza, na Rua Floriano Peixoto, esquina com Rua Senador Alencar, na então Praça José de Alencar, hoje Largo do Correio, o Banco do Ceará, que tinha na presidência Thomaz Pompeu de Sousa Brasil (Senador Pompeu).

1898 – março – 08 – Publicado em Fortaleza o jornalzinho O Belecho, “órgão da rapaziada”.

1898 – março – 27 – Sai o primeiro número de O Rebate, jornal dirigido por Tibúrcio Rodrigues e José Martins, com redação à Rua Major Facundo nº 138 (antigo). Saíram apenas 22 números, sendo empastelado.

1898 – março – 28 – O capitão-tenente Ludgero Bento da Cunha Mota assume o exercício dos cargos de Capitão do Porto e Comandante da Escola de Aprendizes Marinheiros do Ceará, em substituição ao 1º tenente João de Lima Franco.

1898 – março – José da Cunha Acioli (Zuca Acioli) funda uma loja de artigos de viagem, esportivos, arreios e malas, a Casa Zuca Acioli, na Rua Floriano Peixoto nº 138 (antigo). Depois se mudou para a Rua Major Facundo nº 644.

1898 – abril – 23 – Publicado, em Fortaleza, o jornalzinho O Genro, que se dizia “semanário humorístico apimentado. Era redatoriado por Meton de Alencar e José Nava.

1898 – maio – 01 – Em virtude da encampação da Estrada de Ferro de Baturité – EFB, que passa a ser administrada pela firma Novis & Porto, deixa a direção o engenheiro Bernardo Piquet Carneiro, sendo substituído pelo também engenheiro Alfredo Novis.

1898 – maio – 03 – Publicado, em Fortaleza, o jornal semanal A Agulha, crítico, “um pouco literário” e sem opinião política.

1898 – junho – 16 – O tenente-coronel do Exército Alfredo da Costa, assume o comando do Batalhão de Segurança do Ceará. Hoje Polícia Militar do Ceará – PM.

1898 – junho – 25 – Morre em Fortaleza, com a idade de 32 anos, Pedro Moniz, vítima de enfermidade adquirida em Manaus. Escritor e poeta foi um dos fundadores do Centro Literário. Foi um dos baluartes da Fênix Caixeiral chegando a presidi-la. Nascera em Aracati, CE., em 15/12/1866.

1898 – julho – 09 – Publicado em Fortaleza o jornal político O Estado, que veio substituir o jornal O Ceará. Era redatoriado pelo conselheiro Antônio Joaquim Rodrigues Júnior, João Othon e Manuel Solon Rodrigues Pinheiro (Solon Pinheiro).

1898 – julho – 14 – Funda-se o Grêmio Taliense de Amadores, que estreou no dia 28 do mês subseqüente, no Teatro de Variedades, com o drama Nódoas de Sangue.

1898 – julho – 20 – Morre, em Santana do Acaraú, aos 73 anos de idade, o padre Francisco Xavier Nogueira, cearense de Fortaleza, que exerceu a presidência do Poder Legislativo por três vezes. Nascera a 25/03/1825.

1898 – agosto – 14 – O jornal crítico, literário e noticioso A Capital, sai pela primeira vez, impresso pela Tipografia Minerva, na Rua da Assembleia nº 41. Eram redatores Juarez Amaral e Geminiano Bezerra. Apesar de anunciar sair duas vezes por mês, não passou do primeiro número.

1898 – agosto – 21 – Sai, em Fortaleza, o jornal O Baluarte, propriedade de uma associação. Era trimestral e era impresso na Tipografia Apolo.

1898 – agosto – 31 – A redação do jornal O Rebate, sita à Rua Major Facundo nº 138 (antigo), é invadida pela Força Policial sob o comando do major Pedro de Araújo Sampaio, sendo totalmente empastelado.

1898 – setembro – 25 – Publicado o jornalzinho O Corisco, “órgão contra os bochecheiros”, trazendo na primeira página foto do generalíssimo Deodoro da Fonseca.

1898 – setembro – 27 – Morre em Fortaleza, aos 29 anos de idade, vítima de traumatismo moral, o jornalista Tibúrcio Rodrigues, que juntamente com seu irmão, mantinha o jornal político O Rebate, que foi empastelado pelo governo. Hoje é nome de rua no São João do Tauape. Era cearense de Ipu onde nascera a 11/08/1869.

1898 – outubro – 12 – Assentada a pedra fundamental da Igreja Presbiteriana de Fortaleza, na Rua Sena Madureira nº 840, esquina com Rua Pedro Borges, da qual são diretores Reynold Price Baird, pastor; Albino Farias e José João C. Lima, presbíteros. O culto Presbiteriano havia se iniciado no Ceará em 1883, organizado pelo reverendo De Lacy Wardlou, missionário norte-americano.

1898 – outubro – 18 – A Conferência de Nossa Senhora de Lourdes é fundada, em Fortaleza.

1898 – outubro – 22 – José Brasil de Matos comunica ao público a abertura do Café Baturité, nas dependências da Estação Central da Estrada de Ferro de Baturité – EFB, no salão onde funcionou a pagadoria.

1898 – novembro – 02 – Publicado em Fortaleza o primeiro número do jornal Palavra, redatoriado por Walfrido Ribeiro, R. Pimenta d’Oliveira e Gustavo Rodrigues, com o lema “Derrame-se a instrucção sobre a cabeça do Povo: deve-se-lhe este baptismo”.

1898 – novembro – 12 – Sai em Fortaleza o jornalzinho crítico Chocalho, impresso na Tipografia Apolo.

1898 – novembro – 14 – Abre-se o atelier de fabricação e conserto de pianos de Tibúrcio Targino, na Rua Formosa nº 129-A (atual Rua Barão do Rio Branco).

1898 – novembro – 15 – Assume a Presidência da República, Manuel Ferraz de Campos Sales, que implantou a política “café com leite”, que alternava os presidentes entre São Paulo e Minas Gerais. Substituiu José Prudente de Moraes Barros. Seu vice-Presidente foi Francisco de Assis Rosa e Silva.

1898 – novembro – 15 – O Hotel Silvestre, de Tristão Faria, passa a pertencer a Boa Ventura de Freitas Barbosa.

1898 – dezembro – 01 – Armado na Praça Castro Carreira, lado da Rua Castro e Silva, estréia, às 20h30min o Circo Americano, companhia dirigida por Maximiliano Rukstukl, trazendo macacos, cavalos e cachorros amestrados.

1898 – dezembro – 20 – Encerram-se as atividades da Padaria Espiritual, o mais importante movimento literário cearense e um dos mais importantes do País.

1898 – dezembro – 23 – Morre, em Fortaleza, o desenhista e cenógrafo, Luís Felix Sá (Luís Sá), professor de desenho da Escola Normal. Foi membro da Padaria Espiritual, usando o pseudônimo de Corregio del Sarto. Era filho de Fortaleza nascido a 09/01/1845. Posteriormente seu filho homônimo seria conhecido nacionalmente pelo mesmo nome.

1898 – A Tipografia Minerva, da Viúva Guálter Rodrigues da Silva é vendida a Francisco de Assis Bezerra de Menezes.

1898 – A Companhia Ferro-Carril do Ceará, juntamente com as outras duas, de Porangaba (Parangaba) e do Outeiro, são adquiridas pela firma J. Pontes & Cia.

1898 – Surgem mais duas fábricas de cigarros em Fortaleza, Francisco Torres de Vasconcelos na Rua da Glória (atual Rua Rodrigues Júnior), e Freire & Azevedo, na Rua Senador Pompeu nº 241(antigo).

1898 – As chuvas caídas em Fortaleza, durante o ano foram muito poucas. A medição pluviométrica acusou apenas 511 milímetros, caracterizando forte seca.

 

1899

1899 – janeiro – 01 – Publicado em Fortaleza o jornalzinho D. Quixote, redatoriado por José Odorico de Moraes. Sua redação ficava na Rua 24 de Maio nº 123.

1899 – janeiro – 09 – Assume o comando do Batalhão de Segurança do Ceará o coronel do Exército Raimundo Augusto Borges.

1899 – janeiro – 21 – Sai às ruas de Fortaleza o primeiro número do jornalzinho O Divulgador, órgão de propaganda da Farmácia Gonzaga, com distribuição gratuita.

1899 – fevereiro – 12 a 14 – O carnaval nos clubes e nas ruas da Cidade ocorre normalmente.

1899 – fevereiro – 14 – Terça-feira de carnaval, morre, em Fortaleza, Almino Álvares Afonso (Almino Afonso), abolicionista e senador pelo Rio Grande do Norte. Era latinista nascido em Patu, hoje Almino Afonso, RN, no dia 17/04/1840. Foi sepultado no Cemitério São João Batista.

1899 – março – 12 – O Batalhão de Segurança do Ceará passa a denominar-se apenas Batalhão de Segurança. Hoje é a Polícia Militar do Ceará.

1899 – março – 20 – Dificuldades financeiras fazem com que a Empresa Telefônica do Ceará seja transferida para seus credores, formando-se uma sociedade anônima tendo à frente G. Gradhvoll & Filhos e Boris Fréres & Companhia, sendo primeiro gerente o coronel reformado Antônio Joaquim Guedes de Miranda.

1899 – março – 26 – Sai em Fortaleza o primeiro número do jornal crítico Janota.

1899 – abril – 11 – Funda-se em Fortaleza o Clube Filarmônico de Amadores, dirigida por José da Cunha Sombra Filho (José Sombra).

1899 – abril – 23 – Instala-se, em Fortaleza, a Iracema Literária, com a participação de vários intelectuais.

1899 – julho – 04 – Fundado em Fortaleza o Foto Clube Cearense, com diretoria formada assim: Presidente, Maria da Glória Rabelo Barroso, vice-presidente, João de Melo Rabelo; secretário, capitão Raimundo Guilherme; tesoureiro, tenente. Antônio Barroso de Sousa Sobrinho; e bibliotecário, alferes Luís Irineu Ferreira Mendonça. A agremiação era resultado da fusão do Grêmio de Propaganda Fotográfica e a Sociedade Cearense de Amadores Fotográficos.

1899 – agosto – 02 – Sepultado, no Cemitério de São João Batista, o escritor e jornalista Artur Teófilo, que pertenceu à Padaria Espiritual, onde usava o pseudônimo de Lopo de Mendoza. Morrera a bordo do navio Cabral, quase chegando em Fortaleza.

1899 – agosto – 16 – Falece, com 31 anos de idade, vítima de varíola hemorrágica, o poeta Sabino Batista, também pertencente à Padaria Espiritual, onde usou o pseudônimo de Sátiro Alegrete.

1899 – setembro – 16 – Surge em Fortaleza o jornal de modas O Chapéu Elegante, propriedade da loja do mesmo nome, de A. Ferreira Braga.

1899 – setembro – 29 – Publicado em Fortaleza o jornal O Engrossa.

1899 – outubro – 01 – Começam a funcionar as pequenas caixas postais do Correio, de ferro, distribuídas por vários pontos de Fortaleza.

1899 – outubro – 22 – Morre em Fortaleza o Monsenhor Hipólito Gomes Brasil. Foi o segundo Vigário Geral do Bispado do Ceará de 1865 a 1899. Era cearense de Aracati nascido a 06/06/1822.

1899 – outubro – 28 – Sai em Fortaleza o jornalzinho crítico O Belechinho, dizendo-se “órgão dos netos de Candinha”, trazendo por epígrafe ”A seriedade só se deixou para os defuntos”.

1899 – novembro – 13 – Observada, em Fortaleza, por Hildebrando Pompeu de Sousa Brasil, uma chuva meteorítica, dos restos do cometa de Biela, que se dividiu e desintegrou-se.

1899 – novembro – 16 – Morre em Fortaleza o servidor público, deputado em seis legislaturas, João Severiano Ribeiro, cearense de Cascavel nascido a 22/05/1817.

1899 – dezembro – 07 – Surge em Fortaleza o jornalzinho Bicudo, satírico, crítico e noticioso.

1899 – dezembro – 09 – Publicado em Fortaleza o jornalzinho Careca, impresso na Tipografia Gutemberg. Dizia-se “órgão dos pelados contra os cabeleiras”.

1899 – Tomás Pompeu de Sousa Brasil Filho funda a Fábrica Progresso, exclusivamente para fabricação de redes e que se fundiria com a Fábrica de Fiação e Tecidos Cearenses. Era localizada na esquina da Rua Santa Izabel (hoje Rua Dona Isabel) esquina com Rua Antônio Pompeu.

1899 – Surge em Fortaleza mais uma fábrica de cigarros, de André Avelino de Moraes, com endereço na Rua Guilherme Rocha nº 14 (antigo), na Praça do Ferreira.

1899 – Volta a chover muito em Fortaleza. As Estações meteorológicas acusaram um índice de 2.768 milímetros, durante o ano.

 

1900

1900 – fevereiro – 20 – O Decreto nº 3.602 passa para o encargo do Governo as obras do Porto do Ceará, que eram contratadas com a Ceará Harbour Corporation Limited. Era a construção do paredão de pedras com o viaduto separando-o da praia.

1900 – fevereiro – 25 a 27 – O carnaval, neste último ano do século XIX, ocorre nos clubes e nas ruas de Fortaleza em perfeita normalidade.

1900 – março – 20 – Morre, no Rio de Janeiro, aos 47 anos de idade, o major do Exército Carlos Augusto Peixoto de Alencar, abolicionista nascido em 22/10/1852 em Fortaleza.

1900 – março – 30 – O coronel Francisco Filomeno Ferreira Gomes, adquire uma fábrica de cigarros a Teodósio Freire, que ficava na Rua Pedro Pereira, e transforma-a na Fábrica Iracema de Cigarros, da firma Gomes & Reishofer, formada por Francisco Philomeno Ferreira Gomes e Charles Reishofer, na Praça do Ferreira nº 11. Depois mudou, em 1914, a razão social para Philomeno Gomes & Filhos e em 01/05/1924, para Beleza & Garcez, quando já estava no Jacarecanga, desde 1920.

1900 – abril – 03 – Morre, no Rio de Janeiro, vítima de lesão cardíaca, aos 40 anos de idade, o lazarista, monsenhor José Albano, que fora pároco de Parangaba, sendo sepultado no Cemitério de São João Batista na Capital Federal. Era cearense de Fortaleza onde nascera a 01/08/1859.

1900 – abril – 03 – Acontece a primeira exposição hemerográfica do Ceará, organizada por João Batista Perdigão de Oliveira.

1900 – maio – 24 – Inaugura-se, na Praça Castro Carreira, em frente à Estação Central da Estrada de Ferro, a estátua do General Sampaio, sobre uma coluna. No mesmo dia são inauguradas a Rua 24 de Maio e a Rua General Sampaio. Na ocasião foi executado o Hino ao General Sampaio, de autoria de José Rodrigues de Carvalho, membro da Academia Cearense de Letras – ACL. A estátua do General Sampaio foi a segunda estátua a ser erigida em Fortaleza e a primeira aqui fabricada. Foi transferida para a Avenida Bezerra de Menezes em frente ao CPOR (NPOR) em 24/05/1966; ocasião em que a coluna que era sua base foi destruída; em 1981 foi novamente transferida para a pracinha na Avenida 13 de Maio em frente ao 23º BC e em 1996 foi levada, por iniciativa do Instituto do Ceará, para os jardins do quartel da 10ª RM onde ainda se encontra. A rua que tem o seu nome, infelizmente, nas placas vem erradamente “Rua Gal. Sampaio”, quando a abreviatura de general é gen. No mesmo dia da inauguração foi distribuída uma poliantéia sobre o General Sampaio. A Rua 24 de Maio tem esse nome lembrando a Batalha de Tuiuti, na Guerra do Paraguai, em 1866, ocasião em que foi mortalmente ferido o general Antônio de Sampaio.

1900 – maio – 24 – Publicado em Fortaleza o jornalzinho O João Cotoco, redatoriado por José Carolino. Dizia-se “jornal da rua e origem apimentada”. Foi substituído pelo O Vapor e depois pelo Charutinho.

1900 – junho – 01 – Fundado, com a denominação de Instituto Miguel Borges, pelo professor Odorico Castelo Branco, o Colégio Castelo Branco que recebeu o atual nome em homenagem a seu fundador, falecido em 1921 e que ficou conhecido até hoje pelo nome de Colégio Castelo. Ocupou um prédio da Rua Major Facundo nº 156-B (hoje 716 a 724). Em 1910 mudou-se para a Rua Senador Pompeu nº 24 (hoje 512 – prédio da Sefaz que foi da Imprensa Oficial) e depois foi para a Praça Senador José Júlio (Praça Coração de Jesus), onde ficou até a morte de Odorico. Teve mudado o nome para Colégio Castelo Branco, foi alienado seu patrimônio para a Arquidiocese de Fortaleza e mudou-se para a Avenida Dom Luís nº 265 (atual Dom Manuel nº 339). Hoje o prédio está ocupado pelo Centro Pastoral Maria Mãe da Igreja.

1900 – junho – 05 – Publicado o Boletim Eclesiástico da Diocese de Fortaleza, impresso na Tipografia Minerva. Depois foi impresso no Atelier Louis.

1900 – junho – 22 – Morre, aos 25 anos de idade, em um hospital em Belém do Pará, o poeta José da Silva Bonfim Sobrinho, que pertenceu ao Centro Literário. Nascera em Fortaleza a 19/03/1875. Hoje é nome de rua no Bairro de Fátima.

1900 – junho – 27 – Morre, aos 77 anos de idade, o ex-deputado e ex-senador, engenheiro e matemático João Ernesto Viriato de Medeiros, nascido em Sobral em 23/06/1823. É hoje nome de Rua na Bela Vista.

1900 – julho – 01 – Fundada em Fortaleza, a Fábrica Proença, de Bernardino Proença na esquina da Rua General Sampaio nº 4 a 10, depois 48 (antigos), com Rua Castro e Silva nº 47, depois 183 (antigos), na Praça Castro Carreira (Praça da Estação). A firma tinha surgido em Baturité, em 1885, com a firma Proença & Companhia.

1900 – julho – 12 – Assume a Presidência do Estado o médico militar Pedro Augusto Borges (Pedro Borges), doutor em medicina pela Faculdade da Bahia e tenente-coronel do Corpo de Saúde do Exército.

1900 – julho – 13 – Assume, a administração do Correio, vindo do Paraná, Joaquim Pinto Chichorro Júnior, em substituição a Francisco Irineu de Araújo.

1900 – julho – 19 – Morre, aos 28 anos de idade, João Lopes de Abreu Lage (Lopes Filho), funcionário da Alfândega. Era membro da Padaria Espiritual e do Centro Literário. Hoje é nome de rua no Amadeu Furtado. Nascera no dia 07/04/1868 em Fortaleza.

1900 – agosto – 09 – Sai às ruas de Fortaleza o jornalzinho A Coisa.

1900 – agosto – 26 – Publicado em Fortaleza o jornalzinho amolecado O Charutinho, por José Carolino.

1900 – setembro – 20 – Publicado em Fortaleza o primeiro número do jornal A Gazetinha, literário e noticioso de José Carolino.

1900 – outubro – 17 – Assume a Presidência da República o vice Francisco de Assis Rosa e Silva.

1900 – outubro – 19 – Publicada em Fortaleza, a Praça do Ferreira, revista literária, humorística, ilustrada, dirigida por Odorico de Moraes, secretariada por Paulo de Aguiar e gerenciada por Almir Madeira.

1900 – novembro – 01 – Às 8h da manhã tem lugar a bênção e inauguração do novo Altar-mor da Igreja do Coração de Jesus, de Fortaleza.

1900 – novembro – 08 – Reassume a Presidência da República Manoel Ferraz de Campos Sales.

1900 – dezembro – 22 – Morre na Paraíba do Sul, Estado do Rio de Janeiro, aos 76 anos de idade, o advogado e professor Leandro Chaves de Melo Ratisbona (Dr. Ratisbona), cearense do Crato nascido a 01/05/1824, que foi professor do Liceu e deputado provincial e do Império. É hoje nome de rua no Bairro de Fátima.

1900 – dezembro – Fundada, na hoje Avenida João Pessoa, Parangaba, a Associação das Filhas de Maria Imaculada da Capela do Sagrado Coração de Jesus, do Hospital São Vicente de Paulo, pela Irmã Thomas.

1900 – Surge em Fortaleza a firma M. Alencar, Laboratório de Especialidades Médicas, de Meton da Franca Alencar (Meton de Alencar).

1900 – Aparecimento da firma A. Fiúza Pequeno, agentes de seguros, comerciantes de móveis, máquinas, cofres, fogões, etc., de Antônio Fiúza Pequeno.

1900 – Surge em Fortaleza a firma de Ovídio Leopoldino da Silva, fabricando cigarros, com endereço na Rua Pedro Borges nº 7, Praça do Ferreira.

1900 – Logo nos primeiros meses surgiu a firma de Kalil Otoch, que negociava com móveis. Depois se transformou na Otoch S. A. – Indústria de Móveis, com fábrica na atual Avenida Francisco Sá nº 5992 e escritórios na Rua Pedro I nº 1278.

1900 – Também é fundada a firma de ferragens, máquinas, materiais elétricos, óleos e lubrificantes, Quixadá & Companhia, na Rua Major Facundo nº 80 (antigo, depois 424, atual 933/941), casa que tinha no topo da fachada a estátua de Mercúrio, com aquele capacete com asas, asa nos calcanhares e com seios como mulher. Pertencia a Vicente Alves Quixadá Linhares, José Meneleu de Pontes Filho e Moacir Cruz. Depois passou a representar os produtos Ypiranga e transformou-se na Casa Ypiranga, ou Companhia Quixadá.

1900 – A população de Fortaleza, de acordo com recenseamento oficial, era de 48.369 habitantes.

1900 – As chuvas caídas em Fortaleza no ano, foram medidas, dando um índice de apenas 566 milímetros o que pode ser considerado seca.

1900 – dezembro – 31 – Ocorrem extraordinárias festas pela passagem do Século.

 

SÉCULO XX

 

1901

1901 – janeiro – 01 – Ocorrem eleições para Deputados Estaduais.

1901 – janeiro – 01 – Fundado o Vacinogênio Rodolfo Teófilo, iniciativa particular do farmacêutico Rodolfo Marcos Teófilo (Rodolfo Teófilo) que contou com a perseguição do governo aciolino.

1901 – janeiro – 07 – Fundado, pela professora Etelvina de Albuquerque o Colégio Santa Cecília, em Quixadá, que funcionou até 1907, sendo reaberto em 15/01/1911, em Maranguape, agora sob a direção da professora Almerinda de Albuquerque, ficando até 1922, ano em que se transferiu para Fortaleza, funcionando primeiramente na antiga Praça José de Alencar (Largo do Correio) nº 293 (antigo), mudando-se para a Rua Sena Madureira e depois para a Rua 24 de Maio. Em 1928, muda-se para a Avenida Visconde de Cauípe (da Universidade) nº 2854, local hoje ocupado pelo Museu de Arte da UFC, e finalmente para Avenida Estados Unidos (hoje Avenida Senador Virgílio Távora) na Aldeota.

1901 – janeiro – 24 – Morre, em Fortaleza, o magistrado João Paulo Gomes de Matos, abolicionista, cearense de Icó nascido a 26/06/1842.

1901 – janeiro – Extingue-se o Clube Cearense, que fora fundado em 19/04/1867 e inaugurado em 07/09/1867.

1901 – fevereiro – 13 – Mandado fechar, definitivamente, como imprestável, o Lazareto da Lagoa Funda, que servia de enfermaria aos variolosos.

1901 – fevereiro – 17 a 19 – Ocorrem os festejos carnavalescos nas ruas e nos clubes de Fortaleza.

1901 – março – 02 – Sai às ruas, em Fortaleza, o jornalzinho Aurora, dirigido por Raul Uchoa, tendo por gerente Edgar Ferreira e redatores José Lopes de Aguiar, José Marinho de Vasconcelos e João B. Leite.

1901 – março – 19 – Morre, aos 57 anos de idade, o comerciante e abolicionista José Teodorico de Castro, natural do Aracati onde nascera a 08/10/1843. Foi sepultado no Cemitério de Parangaba.

1901 – abril – 11 – Morre, aos 63 anos de idade, a irmã de Caridade Maria Chouzioux, superiora da Santa Casa de Misericórdia desde 1879.

1901 – maio – 04 – Assume o cargo de Capitão do Porto do Ceará o capitão-tenente Luís Lopes da Cruz, substituindo Ludgero Bento da Cunha Mota, do mesmo posto.

1901 – maio – 27 – Inaugura-se, em Fortaleza, a loja maçônica Liberdade IV.

1901 – junho – 02 – Fundada em Fortaleza a Sociedade Mutuária Cearense, com o fim de garantir o patrimônio às famílias de seus associados, Seus estatutos foram publicados no dia sete e a diretoria eleita no dia nove, sendo o primeiro presidente Francisco de Assis Bezerra de Menezes.

1901 – junho – 04 – Assume os cargos de Capitão do Porto e Comandante da Escola de Aprendizes Marinheiros do Ceará, o capitão-tenente Luís Lopes da Cruz, substituindo o capitão-tenente Ludgero Bento da Cunha Mota.

1901 – junho – 13 – Também é fundada a Sociedade Protetora Cearense, seguradora de pecúlios para brasileiros e estrangeiros, instalada a nove de dezembro.

1901 – junho – 13 – Morre em Fortaleza, aos 71 anos de idade, o coronel José Francisco da Silva Albano (Barão de Aratanha), capitalista e filantropo fortalezense nascido em 21/05/1830. É hoje nome de rua no centro, José Bonifácio e Bairro de Fátima.

1901 – junho – 17 – Falece em Fortaleza, aos 70 anos de idade, 36 dos quais no Ceará, o padre lazarista Pedro Augusto Chevalier (Padre Chevalier), que foi superior do Seminário por muitos anos. Há no Joaquim Távora uma rua com seu nome. Nascera na Saint Riquier, Diocese de Amiens, na França, a 22/09/1831.

1901 – julho – 03 – A Igreja do Coração de Jesus é entregue, pelo bispo Dom Joaquim José Vieira, à Ordem dos Capuchinhos, representada pelo seu visitador, reverendo frei Timóteo de Brescia.

1901 – julho – 19 – Morre, aos 57 anos de idade, no Rio de Janeiro, o advogado, escritor, teatrólogo, cearense de Aracati, onde nascera a 10/11/1843, José Avelino Gurgel do Amaral, que hoje é nome de rua no centro de Fortaleza e Patrono na Academia Cearense de Letras – ACL.

1901 – setembro – 05 – Morre, em Castanhão, Pará, o professor de desenho do Liceu do Ceará, Júlio Henriques Braga (Júlio Braga), nascido em Fortaleza, no Pici, em 1868. Serviu como arquiteto na Estrada de Ferro de Baturité e no município de Forataleza. Hoje é nome de rua em Parangaba.

1901 – setembro – 07 – Fundado em Fortaleza o Centro Literário 7 de Setembro.

1901 – novembro – 02 – Surge, em Maranguape, o primeiro jornal espírita do Estado, o Luz e Fé, do Grupo Espírita Verdade e Luz.

1901 – dezembro – 09 – Instalada a Sociedade Protetora Cearense, seguradora de pecúlios para brasileiros e estrangeiros que fora fundada em 13 de junho.

1901 – dezembro – 21 – Publicado em Fortaleza o primeiro número do jornal Intransigente, redatoriado por José de Castro e Fernando Weyne, “para os simples e para os bons e contra os maus”.

1901 – Fundação em Fortaleza da firma de representações Huland & Companhia, de Carl Huland e Luís Correia, na Rua Major Facundo nº 29, depois nº 69.

1901 – Fortaleza tinha 49.882 habitantes, conforme estimativa da época.

1901 – A medição das chuvas caídas sobre Fortaleza durante o ano constatou o índice de 1.541 milímetros.

 

1902

1902 – janeiro – 13 – Toma posse na administração do Correio o coronel José Pinto Coelho de Albuquerque, que fora nomeado a 27/12/1901, em substituição a Joaquim Pinto Chichorro Júnior.

1902 – fevereiro – 01 – Fundada, no Maranguape, a primeira Loja Maçônica daquela localidade, recebendo o nome de Loja Maçônica nº 2.

1902 – fevereiro – 09 a 11 – Os festejos carnavalescos em Fortaleza acontecem nas ruas e nos clubes.

1902 – fevereiro – 13 – Os operários da Estrada de Ferro de Baturité – EFB entram em greve. Param todos os trens.

1902 – fevereiro – 23 – Morre, em Fortaleza, aos 60 anos de idade, no Colégio da Imaculada Conceição, a Irmã Vicência, que no século chamava-se Virgínia Machado dos Santos. Era mineira de Diamantina.

1902 – março – 13 – Publicada, em Fortaleza, a revista Restauração, órgão monárquico dirigido por Guilherme Abreu.

1902 – abril – 04 – Publicado, em Fortaleza, o jornal Cri-Cri. Já havia sido publicado um homônimo no século anterior e seria publicado um outro no ano seguinte.

1902 – abril – 18 – Surge, em Fortaleza, o jornalzinho A Brasa, que em maio mudou o nome para Ronda. Dizia-se “jornalzinho meio sério e meio safado”.

1902 – maio – 13 – Publica-se, em Fortaleza, o jornal hebdomadário O Correio da Semana, sob redação de Antônio Bezerra de Sousa Menezes, Júlio Olímpio da Rocha, Raimundo Guilherme, Francisco Gonçalves e Godofredo Maciel. Em seu nº 18, setembro transforma-se em Libertador, sob redação somente dos dois primeiros.

1902 – maio – 24 – Sai às ruas de Fortaleza o jornalzinho O Tição, impresso na Tipografia de Cunha Ferro & Companhia e dizia ter sua redação na Rua das Casas nº 8888888.

1902 – junho – 08 – Aparece em Maranguape o jornalzinho A Evolução, dirigido por A. Bayma, tendo como redator José Castelar Sombra.

1902 – junho – 25 – Morre, em Fortaleza, aos 59 anos de idade, o comendador e jurista Samuel Felipe de Sousa Uchoa (Samuel Uchoa), hoje nome de rua nas Damas, Bom Futuro e Parreão. Era natural de Riacho do Sangue, depois Frade e hoje é Jaguaretama, onde nasceu em 21/12/1843.

1902 – julho – 12 – Publicado em Fortaleza O Estandarte, órgão católico redatoriado por Joaquim Fabrício, Vicente Mendes e José de Arimatéia Cisne.

1902 – julho – 13 – Instala-se em Fortaleza a Ordem Terceira dos Franciscanos sob a direção espiritual de Frei Mansueto, capelão da Igreja do Sagrado Coração de Jesus.

1902 – agosto – 1902 – Iinaugura-se, em Aquirás, a iluminação pública por gás acetilene, pelo intendente Coronel Francisco Ibiapina.

1902 – agosto – 07 – Inaugura-se, em Fortaleza, o Externato Colombo, tendo à frente os professores Valente de Andrade, Francisco Gonçalves e José Vieira. Ficava na Rua Municipal (Rua Guilherme Rocha) nº 5 (antigo), mas logo se mudou para a esquina da Rua Floriano Peixoto com Rua Pedro Pereira. Em 1904 mudou-se novamente, desta feita para a Rua 24 de Maio nº 92, esquina com Rua São Paulo, mesmo local onde estivera o Colégio Nossa Senhora de Lourdes, de Ana Bilhar. Fechou as portas em 1913.

1902 – agosto – 08 – Publica-se em Fortaleza o primeiro número do jornalzinho humorístico Galhofeiro.

1902 – Fundado em Fortaleza o Grêmio Barbosa de Freitas.

1902 – setembro – 07 – Inaugura-se a Avenida 7 de Setembro, urbanizada na administração do coronel Guilherme César da Rocha (Guilherme Rocha), um belo jardim, com árvores altas, rodeados de colunas de concreto com grades de ferro, um cata-vento e uma caixa dágua, além dos combustores, a atual Praça do Ferreira, antiga Feira Nova, que teve a segunda reforma em 1920, na administração Godofredo Maciel, com a retirada dos quiosques e montagem de uma nova praça com mosaicos, jardins, coreto, etc. Em 1933/34 foi levantada a Coluna da Hora quando era prefeito Raimundo Girão; em 1949 o Abrigo Central, na época de Acrísio Moreira da Rocha; em 1966 é derrubado o Abrigo Central e em 1967 a Coluna da Hora, destruída a praça e feita uma nova de péssimo gosto, na administração José Walter Barbosa Cavalcante; em 1991 a praça é reconstruída e devolvida ao público, na administração de Juraci Viera Magalhães.

1902 – setembro – 08 – Publicado, em Fortaleza, o jornal O Pão dos Pobres, ógão católico da Sociedade de São Vicente, com a finalidade de suprir a caixa da sociedade. À sua frente estava José Martins F. de Vasconcelos.

1902 – setembro – 10 – Nomeado, Juiz Federal no Ceará, o bacharel Manuel Armindo Cordeiro, escolhido numa lista tríplice.

1902 – setembro – 14 – Lançada a pedra inicial do Colégio Jesus Maria José, destinado aos meninos pobres, na Rua Coronel Ferraz nº 120. Hoje é o prédio da Escola Nossa Senhora Aparecida.

1902 – novembro – 09 – funda-se, em Fortaleza, a Sociedade Artística Beneficente.

1902 – novembro – 15 – Assume a Presidência da República, Francisco de Paula Rodrigues Alves, tendo na vice-presidência Afonso Augusto Moreira Pena (Afonso Pena), em substituição a Manoel Ferraz de Campos Sales e Francisco de Assis Rosa e Silva.

1902 – dezembro – 06 – Publicado, em Fortaleza, o primeiro número do jornal Liberdade, que tinha como redator o jornalista que se assinava apenas Antônio José de Melo.

1902 – dezembro – 08 – Aparece, em Fortaleza, o jornal hebdomadário Horizonte Católico, com artigo de apresentação assinado por José Lino da Justa.

1902 – dezembro – 18 – Fincada primeira estaca da Ponte Metálica, pela firma Walter Max Floriano & Cia., de Glasgow, Inglaterra, com estrutura metálica importada de Londres, lastro de madeira, que serviria como porto por mais de 20 anos. A construção da ponte esteve a cargo dos engenheiros Hildebrando Pompeu de Sousa Brasil e Roberto Bleasby vindo do Pará em 1893 fixando-se aqui, segundo planos do engenheiro Domingos Sérgio Sabóia. Era para facilitar o movimento de pessoas e cargas no porto de Fortaleza ao tempo da administração do presidente Campos Sales. A construção só foi concluída em 26/05/1906. A Ponte Metálica era dotada de escada móvel para subida e descida de passageiros que não merecia a menor segurança, e guindastes para as cargas de mercadorias. Os navios ficavam ao largo enquanto lanchas, botes e alvarengas faziam o percurso entre eles e a ponte. Serviu por mais de 10 anos, mas deteriorou-se pela maresia e foi reconstruída na década de 20, sendo inaugurada em 24/02/1928 com o nome de Viaduto Moreira da Rocha já em concreto armado, sob fiscalização do engenheiro Francisco Sabóia de Albuquerque, da IFOCS (atual DNOCS).

1902 – dezembro – 20 – Publicado em Fortaleza, o jornalzinho O Fiscal.

1902 – Incendiou-se o sobrado do coronel José Eustáquio Vieira, na esquina da Rua Formosa (Rua Barão do Rio Branco) com Rua Senador Alencar, onde morava o comendador Luís Ribeiro da Cunha. Antes fora o Matadouro e hoje é o Palácio Guarani.

1902 – Inaugura-se, na Rua Guilherme Rocha nº 34, na Praça do Ferreira, a Alfaiataria Francesa, de propriedade de Gervásio Gurgel do Amaral.

1902 – Fundada em Fortaleza a Casa Menescal, de propriedade de Antônio da Justa Menescal, com endereço na Rua Pedro Borges nº 6, na Praça do Ferreira. Era livraria e perfumaria, vendendo louças, vidros, espelhos, miudezas, mobílias, tapetes, artigos para homens, missais breviários, cálices, banquetas, cibórios, turíbulos, lâmpadas, medalhas, terços, escapulários, imagens, etc.

1902 – Fundada em Fortaleza a livraria, papelaria e tipografia Casa Americana, que tinha depósito de artigos dentários e vendia ainda máquinas de escrever e de calcular, louças, vidros e perfumaria. Ficava na Rua Major Facundo nº 186/196 (antigos), na Praça do Ferreira.

1902 – Surge a Fábrica de Redes Iracema, de Manuel Franco, localizada na Rua Sena Madureira nº 267 (antigo).

1902 – Fortaleza contava neste ano com uma população de 51.442 habitantes.

1902 – As chuvas caídas sobre a cidade de Fortaleza durante todo o ano foram medidas nos pluviômetros das estações meteorológicas, constatando-se um índice de apenas 858 milímetros.

 

1903

1903 – janeiro – 01 – Morre, no Rio de Janeiro, o conselheiro João Antônio de Araújo Freitas Henriques, 30º presidente do Ceará.

1903 – janeiro – 17 – Sai o primeiro número do jornal matutino O Rascunho. Naquela época os jornais eram vespertinos.

1903 – janeiro – 24 – Toma posse, no comando do Batalhão de Segurança, o coronel do Exército João de Castro Pinheiro.

1903 – fevereiro – 01 – Publicado, em Fortaleza, o jornalzinho caricato O Democrata, com redação na Rua Senador Pompeu nº 85.

1903 – fevereiro – 01 – Também é publicado, em Fortaleza, o jornal Cri-Cri, de propaganda da Sapataria Cirino.

1903 – fevereiro – 08 – Reinaugurada a Capela de Nossa Senhora da Conceição, na Pavuna, Pacatuba, após reconstrução.

1903 – fevereiro – 21 – Reunem-se, na Associação Comercial de Fortaleza, com o fim de dotar o Ceará com uma Academia Livre de Direito (Faculdade de Direito), vários elementos da sociedade, que elegem diretor o comendador Antônio Pinto Nogueira Acioli.

1903 – fevereiro – 22 a 24 – Ocorrem nos clubes e nas ruas da Cidade, os festejos carnavalescos.

1903 – março – 01 – Tem início em nossa terra, o ensino superior, com a instalação da Faculdade de Direito do Ceará, no governo Acioli e logo em seguida, com a Faculdade de Farmácia e Odontologian (1916). Depois viria a Escola de Agronomia.

1903 – março – 13 – Morre, em Fortaleza, o médico Venâncio Ferreira Lima, que trabalhava na Santa Casa de Misericórdia e na Câmara Municipal.

1903 – março – 14 – Publicada, em Fortaleza, a revista Boemia dos Novos, literária, com redação de Vicente de Arruda Gondim ( V. de Arruda Gondim), José Clodoveu de Arruda Coelho (Clodoveu Coelho) e Meira Filho. Era mensal e impressa na Tipografia Minerva.

1903 – março – 29 – Funda-se em Fortaleza o Recreio Dramático, sociedade de amadores destinada a amadores teatrais.

1903 – abril – 08 – Aparece em Fortaleza o jornal Unitário, editado por Cunha Ferro & Cia., redatoriado por João Brígido dos Santos e Hermenegildo de Brito Firmeza (H. Firmeza). Encerrou suas atividades em 1918. Depois reapareceu em 2ª fase.

1903 – abril – 15 – Ocorre um eclipse total do sol e a Real Sociedade Astronômica de Londres envia ao Ceará uma comissão para observar o fenômeno.

1903 – abril – 21 – Publicada em Fortaleza a revista A Pátria, órgão do Centro Literário Sete de Setembro.

1903 – maio – 16 – Fundada, na Praça da Matriz nº 7, em Parangaba, a Padaria Natalense, de José Pedra Natalense.

1903 – maio – 27 – Fundado em Fortaleza o Instituto Acadêmico Clóvis Bevilaqua pelos alunos da Academia de Direito do Ceará (Faculdade de Direito), que tem como presidente Filgueira Linhares; secretários Álvaro Adolfo e Arruda Gondim; tesoureiro José Rodrigues de Carvalho; orador Henrique Castriciano.

1903 – junho – 08 – Morre, no Rio de Janeiro, o engenheiro militar Artur de Moraes Pereira, nascido em Fortaleza no dia 23/09/1852.

1903 – junho – 15 – Em Fortaleza, é publicado, sob a direção de João de Alencar Araripe, o jornal Brasil. Dizia-se “órgão dos oprimidos”.

1903 – julho – 12 – Morre, no Rio de Janeiro, aos 83 anos incompletos, o ex-senador, médico Liberato de Castro Carreira, hoje nome de praça em Fortaleza (Praça da Estação). Era cearense de Aracati onde nascera a 24/08/1820.

1903 – julho – 15 – Publica-se, em Fortaleza, a revista de agricultura, comércio, ciências e artes A Forja, quinzenal, dirigida por Waldemiro Cavalcante, tendo na gerência Henrique Ferro.

1903 – julho – 22 – Morre, na então Capital Federal, a cidade do Rio de Janeiro, a abolicionista Maria Tomásia Filgueira Lima, que a partir de 1883 figurou como uma das principais figuras da Sociedade das Cearenses Libertadoras em Fortaleza. Alguns biógrafos dão sua morte como sendo em 1902 no Recife. Maria Tomásia nascera a 06/12/1826 em Sobral, CE.

1903 – julho – 31 – Por ocasião da sessão comemorativa do tricentenário da vinda dos primeiros portugueses ao Ceará, foi cantado pela primeira vez, por um coro de alunas da Escola Normal, sob regência do Maestro Zacarias Tomás da Costa Gondim (Zacarias Gondim), com execução pela Banda de Música do Corpo de Segurança Pública do Estado, sob a batuta do clarinetista Raimundo Nonato de Sousa, o Hino do Ceará, composto pelos cearenses Alberto Nepomuceno com letra de Tomás Pompeu Lopes Ferreira (Tomás Lopes).

1903 – agosto – 17 – Fundado, em Fortaleza, o grêmio Amadores Fotográficos.

1903 – outubro – 13 – Ocorre o assentamento da pedra fundamental do Convento dos Padres Capuchinhos na Avenida Duque de Caxias, esquina com Rua Barão de Aratanha, por trás da Igreja do Coração de Jesus, solenidade presidida pelo reverendo Vigário Geral do Bispado, Monsenhor Bruno Rodrigues da Silva Figueiredo.

1903 – outubro – 14 – Fundada em Fortaleza uma associação formada por jovens, denominada Sport Club.

1903 – novembro – 01 – Publica-se, em Fortaleza, o jornal semanário O Tempo, impresso na Tipografia Econômica.

1903 – novembro – 13 – Morre, na cidade do Rio de Janeiro, o servidor do Tesouro Nacional Luís de França de Almeida e Sá, que esteve em Fortaleza em 1895 e 1896, quando ocupou o cargo de Inspetor da Alfândega. Na época, fundou em Fortaleza o Grupo Espírita Fé e Caridade, primeira sociedade espírita do Ceará. Era carioca nascido em 11 de novembro de 1847.

1903 – novembro – 15 – Morre em Fortaleza, após ter vivido longo tempo na Amazônia, o comerciante abolicionista Antônio Afonso de Albuquerque, que exerceu em Fortaleza o cargo de guarda-mor da Alfândega, no qual se aposentou. Nascera em Fortaleza em 1852.

1903 – novembro – 21 – Data que marca o dia da inauguração da Igreja da Imaculada Conceição (Igreja do Pequeno-Grande) na Avenida Santos Dummont, na Praça Figueira de Melo. É em estilo neogótico com telhado agudo apoiado em estrutura metálica importada da Bélgica, conforme informa o arquiteto José Liberal de Castro. A igreja foi construída pelas irmãs francesas que aqui chegaram na segunda metade do Século XIX. Vinham como filhas de caridade de São Vicente de Paulo a convite de Dom Luís Antônio dos Santos, primeiro bispo do Ceará. O templo é dedicado a Nossa Senhora do Carmo. Sua pedra fundamental foi lançada em 1896 pelo padre Pedro Augusto Chevalier (Padre Chevalier). As obras se iniciaram no mesmo ano da pedra inicial, mas logo pararam, reiniciando-se em 1898. O templo foi projetado por Isaac Corrêa do Amaral. A montagem da parte de ferro esteve a cargo do mestre de obras Deodato Leite da Silva.

1903 – novembro – 23 – Falece, em Fortaleza, o bacharel em direito e em Ciências Físicas e Matemáticas e poeta, Joaquim Maia Conde. Fez o curso primário em Maranguape e o secundário no Liceu do Ceará; matriculou-se no Colégio Militar do Ceará, foi transferido para a Escola do Rio de Janeiro e para a do Rio Grande do Sul. Foi colaborador do “Almanaque Luso-Brasileiro” e do “Almanaque de Pelotas”, no Rio Grande do Sul. Deixou inédito um livro de poesias, intitulado “Matizes” e estava compondo um “Dicionário Charadístico”. Nascera em Maranguape, em 04/01/1871.

1903 – dezembro – 01 – Morre, no Rio de Janeiro, o contra-almirante Antônio Pompeu de Albuquerque Cavalcante, que participou da campanha do Paraguai. Era natural de Fortaleza onde nascera a 22/12/1840.

1903 – dezembro – 06 – Inaugurada, em Fortaleza, a linha de bondes do Alagadiço.

1903 – dezembro – 16 – Os jardins da Praça da Sé passam a denominar-se, por força de lei municipal, Avenida Pedro Borges.

1903 – dezembro – 17 – Morre em Fortaleza o magistrado e político Antônio Monteiro do Nascimento Filho, ex-deputado estadual. Era cearense de Quixeramobim nascido em 29/07/1864.

1903 – dezembro – 25 – Inaugura-se a Avenida Nogueira Acioli, ou seja, o jardim da Praça Marquês do Herval (Hoje Praça José de Alencar). O intendente coronel Guilherme César da Rocha (Guilherme Rocha) urbaniza a praça, atual Praça José de Alencar, com seu Jardim Nogueira Acioli. No dia 24/01/1912, com a deposição de Acioli, o povo muda o nome do jardim para Franco Rabelo.

1903 – Ano em que se fundou, em Fortaleza, a casa Esteves & Barroso, trabalhando com representações, consignações e exportação, na Rua General Bezerril nº 146 (antigo), na Praça General Tibúrcio, que teve como sucessores a firmas Júlio Esteves.

1903 – Estimativa feita neste ano acusa que a população de Fortaleza era de 53.051 habitantes.

1903 – O índice encontrado pelos técnicos nos pluviômetros durante o ano de 1903 em Fortaleza acusou apenas 812 milímetros de chuva.

 

1904

1904 – janeiro – 03 – Os estivadores do Porto de Fortaleza (Ponte Metálica) entram em greve por não concordarem com seus alistamentos para a Marinha de Guerra. Foi requisitado o Batalhão de Segurança para obrigá-los a volta ao trabalho, havendo o confronto com resultado de mortos e feridos, ação do capitão do Porto Luís Lopes da Cruz, prestigiada pelo governador Pedro Borges. Por esta razão o governo federal chamou ao Rio de Janeiro o capitão do Porto.

1904 – janeiro – 09 – Publicado o primeiro número do jornal O Diabo, auto cognominado “órgão das areias”, redatoriado por Cão Coxo. Impresso na Tipografia d’Diabo.

1904 – janeiro – 15 – Surge o Instituto de Humanidades, colégio de propriedade do professor Joaquim da Costa Nogueira. Era conhecido por Colégio Nogueira. Ficava na Rua da Assembleia nº 33 (antigo), mas logo se transferiu para a Rua Formosa (Rua Barão do Rio Branco) nº 88 (atual nº 936). Mudou-se em 1910 indo para a Rua Sena Madureira nº 113 (atual nº 854), em frente à Igreja Presbiteriana, na esquina com o Beco dos Pocinhos, onde hoje fica o Centro Empresarial Clóvis Rolim. Em 28/10/1914 seu filho, José de Mendonça Nogueira, é assassinado no sereno de uma festa no Clube dos Diários e o velho professor se desnorteia, passando a viver em função da memória do rapaz, que era um dos esteios da administração do colégio.

1904 – fevereiro – 08 – Fundou-se o Centro Artístico Cearense na Rua Major Facundo nº 141 (antigo), indo depois ocupar o prédio na esquina da Avenida Tristão Gonçalves nº 1008 e Avenida Duque de Caxias, em 28/04/1912. Ali funcionou o Cine Centro e a Escola Pinto Machado, esta, que já vinha de prédio na Rua Major Facundo. O Centro Artístico na ocasião da fundação lançou manifesto à classe artística cearense, conclamando a luta contra os Aciolis.

1904 – fevereiro – 08 – Assume, o novo Capitão do Porto do Ceará, capitão-tenente Joaquim d’Albuquerque Serejo, que substitui o também capitão-tenente Luís Lopes da Cruz, que foi destituído em virtude do morticínio por ele provocado no dia 03/01 durante a greve contra o alistamento na Marinha de Guerra.

1904 – fevereiro – 14 a 16 – Os clubes da Cidade se engalanam para as festas carnavalescas enquanto nas ruas os blocos são atração popular.

1904 – março – 10 – Inaugura-se o Convento dos Capuchinhos, na Avenida Duque de Caxias esquina com Rua Barão de Aratanha, por trás da Igreja do Coração de Jesus, construção sob a responsabilidade do Frei Mansueto. Hoje é a Cúria Provincial.

1904 – março – 13 – Publicado em Maranguape o jornalzinho A Flauta.

1904 – março – 16 – Surge em Fortaleza mais uma publicação, o Jornal do Ceará, órgão político, comercial e noticioso sob a direção de Valdemiro Cavalcante. Era impresso pela Empresa Tipográfica Cearense.

1904 – maio – 01 – Sai, em Fortaleza, o jornal Primeiro de Maio, órgão do Centro Artístico Cearense.

1904 – maio – 14 – Falece em Fortaleza, aos 67 anos de idade, o conselheiro Antônio Joaquim Rodrigues Júnior, vítima de lesão cardíaca. Era cearense de Sobral onde nascera a 12/03/1837 e exerceu a presidência do Poder Legislativo em 1869. Existe na Aldeota uma rua em sua homenagem.

1904 – maio – 15 – Publicado, em Fortaleza, o primeiro número do jornal literário O Guarani, mensário redatoriado por Renato Barroso, com gerência de Eutímio Lopes da Costa tendo por secretário Francisco C. Moreira.

1904 – maio – 29 – Publica-se em Fortaleza, o periódico literário e noticioso O Germinal, que tinha como redatores Álvaro Bomílcar da Cunha, Bezerra Filho, Álvaro Adolfo, Joaquim Olímpio da Rocha, Joaquim Fabrício e José Vieira. Saía semanalmente. Era impresso na Tipografia Minerva de Assis Bezerra. Durou apenas até setembro.

1904 – maio – 29 – Assume o vigariato da freguesia de São José de Fortaleza, o monsenhor João Alfredo Furtado (Monsenhor Furtado), que ficaria até 1925.

1904 – julho – 06 – Publicado, em Fortaleza, o primeiro número do jornal O Galhato, “órgão político desabusado”.

1904 – julho – 12 – Assume, pela segunda vez, a Presidência do Estado do Ceará, o comendador Antônio Pinto Nogueira Acioli.

1904 – julho – 12 – Toma posse, na Chefia de Polícia, o jurista Francisco de Oliveira Memória.

1904 – julho – 14 – Fundação da Revista Escolar órgão do Instituto de Humanidades, do Professor Joaquim da Costa Nogueira.

1904 – julho – 26 – A Biblioteca Pública é anexada à Faculdade Livre de Direito, funcionando no andar térreo da Assembleia Legislativa, na Rua São Paulo.

1904 – julho – 26 – Fundada em Fortaleza, a Liga Feminista Cearense, primeira manifestação pública em defesa da mulher cearense.

1904 – agosto – 20 – Sai a Lei nº 768 que autoriza a construção do Teatro José de Alencar.

1904 – setembro – 08 – Sai às ruas em Fortaleza, o jornalzinho A Catita.

1904 – setembro – 13 – A forma arrendatária da Estrada de Ferro de Baturité – EFB passa a denominar-se Novis Porto & Companhia, pelo decreto nº 5.313 no qual o negociante Possidônio da Silva e seu irmão Joaquim da Silva Porto se uniram a Alfredo Novis.

1904 – setembro – 14 – Publicado em Fortaleza, o jornalzinho A Agulha, redatoriado por Zé Onileda, evidentemente um anagrama de José Adelino. Dizia ter escritório na Rua da Bala.

1904 – setembro – 28 – Morre, no Amazonas, aos 32 anos de idade, o compositor e poeta cearense de Uruburetama, João Quintino da Cunha, irmão do poeta José Quintino da Cunha (Quintino Cunha). Nascera no dia 11/03/1872.

1904 – outubro – 08 – Publicado, em Fortaleza, o primeiro número do jornal crítico O Raios-X, de oposição ao governo oligárquico de Nogueira Acioli.

1904 – outubro – 20 – Fundada, a firma Álvaro de Castro Correia, que em 1944 passou à sociedade anônima. Ficava em prédio próprio na esquina da Rua Major Facundo nºs 44/46 (antigos, atual 125) com Rua Castro e Silva nºs 62/66 (antigos).

1904 – novembro – 07 – Morre, no Rio de Janeiro, o desembargador Francisco de Faria Lemos, pernambucano do Recife nascido a 23/12/1828, ex-presidente da Província do Ceará, ex-Chefe de Polícia no Ceará, ex-desembargador do Tribunal de Relação do Ceará.

1904 – novembro – 21 – Aparece, em Fortaleza, o jornal pornográfico A Navalha, impresso pela Tipografia Cunha, de Terra & Companhia, com endereço na Rua Formosa nº 33. Um exemplar desse jornal hoje poderia ser distribuído em qualquer ambiente, pela inocência do que era chamado de pornográfico.

1904 – novembro – 22 – O comerciante português João de Pontes Medeiros (Coronel João Pontes) adquire de Gerson Gradhvoll 620 ações da Empresa Telefônica do Ceará assumindo o controle acionário da mesma.

1904 – novembro – Surge em Fortaleza, a loja A Moda do Dia, de propriedade de Teofredo Cavalcante de Castro Viana (Teofredo Goiana).

1904 – dezembro – 01 – Ocorrem eleições para a Assembleia Legislativa de 30 deputados.

1904 – dezembro – 02 – Morre, na madrugada, em Fortaleza, aos 37 anos de idade, o lazarista Alfredo Otoni de Carvalho, vice-reitor do Seminário de Fortaleza. Era mineiro de nascimento.

1904 – dezembro – 08 – Assume o comando da Escola de Aprendizes Marinheiros do Ceará, o capitão-tenente Joaquim d’Albuquerque Serejo, em substituição ao capitão-tenente Luís Lopes da Cruz.

1904 – dezembro – 11 – Morre, em Fortaleza, o padre Leandro Teixeira Pequeno. Ordenou-se no Seminário Episcopal do Ceará, atual Seminário da Prainha, no dia 30/11/1878. Foi vigário de Mombaça no período de 1884 a 1888. Nascera em Icó, Ce, em 02/02/1855.

1904 – dezembro – 22 – Está em Fortaleza o escritor Euclides da Cunha, que estava a bordo do paquete Alagoas, em viagem ao norte do País.

1904 – dezembro – 24 – Acontece a primeira partida regulamentar de futebol em Fortaleza, no Passeio Público, entre a equipe denominada extra-oficialmente Foot-ball Club, composto de rapazes da sociedade fortalezense e a equipe formada por ingleses residentes em Fortaleza, com reforço de ingleses tripulantes de um navio britânico que se encontrava no porto, sendo denominado de Ingleses. Os cearenses foram derrotados pelo escore de 2×0.

1904 – A Tipografia Minerva muda-se da Travessa da Assembleia (Rua São Paulo) nº 41 para a Rua Major Facundo nº 111 e 113 (antigos), em prédio alugado.

1904 – Fundação da Fábrica Santa Elisa, de fiação, de Antônio Diogo Vital de Siqueira, tendo-se iniciado no quintal de sua casa. Depois vamos encontra-la como Fábrica de Fiação Santa Elisa, funcionando em grande prédio na quadra entre a Avenida Tristão Gonçalves, Boulevard Duque de Caxias nº 1206 e Boulevard do Imperador, da firma A. D. Siqueira & Filho.

1904 – A antiga firma Marques da Silva & Companhia, fabricante de cigarros que iniciou no Boulevard Visconde de Cauípe (Avenida da Universidade) passando depois para o Boulevard Duque de Caxias nº 11 (antigo), perde seu proprietário principal, ficando como sucessores Marcos de Lima, que prossegue fabricando as marcas tradicionais Novo Mundo, Republicanos, Cabeça de Negro, Peito de Vaca, As Quatro Ligas, Primaveras e Bostock. Era a Fábrica de Cigarros Fortaleza

1904 – Fortaleza contava, neste ano, com 54.711 habitantes, conforme estimativa na época.

1904 – Este ano trouxe melhores chuvas para Fortaleza. Os aparelhos dos técnicos acusaram 1.128 milímetros.

 

1905

1905 – janeiro – 01 – Publicado em Fortaleza o jornal A Reação, hebdomadário sob a redação de João Batista de Melo Rabelo. Era impresso nas oficinas do Jornal do Ceará.

1905 – janeiro – 04 – Funda-se em Fortaleza, a sociedade esportiva União e Ginástica, instalada em junho.

1905 – janeiro – 08 – Inaugurada a loja maçônica Porangaba, que teve à frente a figura do venerável Casimiro Ribeiro Brasil Montenegro (Casimiro Montenegro).

1905 – janeiro – 22 – Inaugura-se, em Fortaleza, a Escola Jesus Maria José sob os auspícios de Dom Joaquim José Vieira, para os meninos desvalidos, dirigida por irmãs de Caridade. A construção se iniciou em 14/09/1902, na Rua Coronel Ferraz ao lado da Igreja do Pequeno-Grande, compreendendo todo o quarteirão da Rua Visconde de Sabóia até a Rua do Pocinho. Depois, funcionou no prédio, o Serviço de Profilaxia, o Cine Paroquial, a Rádio Assunção Cearense, Organizações O Gabriel, a Marcosa e hoje é a Escola Nossa Senhora Aparecida.

1905 – janeiro – 22 – Publicada em Fortaleza a revista Bric-a-brac, redatoriada por J. Nogueira.

1905 – janeiro – 29 – Morre, no Rio de Janeiro, escrevendo um artigo, o abolicionista, médico e jornalista José Carlos do Patrocínio (José do Patrocínio), aos 51 anos de idade, conhecido como o “Tigre da Abolição”. Esteve em Fortaleza em dezembro de 1883. Era fluminense de Campos nascido no dia 09/10/1853.

1905 – fevereiro – 05 – Publicado, em Fortaleza, o primeiro número do jornal humorístico e crítico O Ferrão.

1905 – fevereiro – 10 – Morre, com a idade de 61 anos, no Rio de Janeiro, vitimado por síncope cardíaca, o general de brigada Antônio Carlos da Silva Piragibe (General Piragibe), cearense de Icó nascido a 13/06/1843. Era comendador da Ordem da Rosa. Participou da Campanha do Paraguai. Hoje é nome de rua na Parquelândia e Amadeu Furtado.

1905 – fevereiro – 14 – Fundada em Fortaleza a Sociedade Cooperativa de Responsabilidade Ltda., por iniciativa do Centro dos Proprietários de Fortaleza. Iniciou suas atividades em 28 de junho. Funcionava em prédio da Rua Formosa (Rua Barão do Rio Branco), hoje nº 775. Em 1938 mudou o nome para Banco dos Proprietários; depois fundiu-se com o Banco Industrial do Ceará – BIC.

1905 – março – 05 a 07 – O carnaval foi comemorado nas ruas e nos clubes da Capital.

1905 – abril – 18 – Funda-se em Fortaleza o Clube Dramático 13 de Maio.

1905 – abril – 25 – Morre, aos 36 anos de idade, a bordo de um navio, no Rio Amazonas, o advogado e literato José Domingues Fontenele (José Fontenele), que nascera na Fazenda Cipoal na comarca de Piracuruca no Piauí em 1869. Foi sepultado em Fonte Boa, na Amazônia.

1905 – maio – 09 – Morre, em Fortaleza, vitimado por tuberculose pulmonar, o jurista e músico Joaquim Lopes de Alcântara Bilhar, membro da Academia Cearense, professor da Faculdade de Direito do Ceará e juiz aposentado. Era cearense do Crato nascido a 27/02/1848 e hoje é nome de rua na Cachoeirinha, em Fortaleza.

1905 – maio – 13 – Morre, na Capital Federal, a cidade de São Sebastião do Rio de Janeiro, no cargo de fiscal da iluminação pública, o tenente. Coronel Jaime Benévolo, cearense de Maranguape nascido em 27/08/1844. Era irmão de Francisco Benévolo, Odilon Benévolo e Elvira Pinho. É hoje nome de rua que se inicia na Praça do Coração de Jesus, terminando na Avenida 13 de Maio.

1905 – maio – 15 – Falece em Fortaleza, aos 67 anos de idade, vítima de ataque cardíaco, o jurisconsulto e publicista Luís Francisco de Miranda (Luís de Miranda), cearense de Sobral nascido em 17/11/1836. Foi homenageado com o nome em rua no Benfica.

1905 – junho – 04 – Fundada, em Fortaleza, a sociedade dançante Os Democratas, presidida por Pedro Samico.

1905 – junho – 11 – Instala-se, em Fortaleza, a União e Ginástica, sociedade esportiva fundada em 04/01/1905.

1905 – junho – 11 – Morre, em Fortaleza, aos 67 anos de idade, o engenheiro militar Henrique Théberge, membro fundador da Academia Cearense de Letras – ACL, diretor do Congresso de Ciências Práticas e sócio honorário da Fênix Caixeiral e do Centro Literário. Foi engenheiro da Estrada de Ferro de Baturité, gerente da Companhia Ferro-Carril e professor do Liceu do Ceará. Era pernambucano do Recife onde nascera a 27/06/1838.

1905 – junho – 24 – Inaugura-se o prédio sede própria da Sociedade Fênix Caixeiral, na Travessa Municipal (Rua Guilherme Rocha) nº 2, na Praça Marquês do Herval, atual Praça José de Alencar, na esquina com General Sampaio, onde hoje se levanta o edifício do SUS.

1905 – julho – 02 – Morre, em Parangaba, o reverendo Urbano da Silva Monte, lente de grego no Liceu do Ceará e capelão do Asilo de Alienados. Era natural de Sergipe.

1905 – julho – 14 – Fundado em Fortaleza o Centro Acadêmico Cearense.

1905 – agosto – 10 – Fundado em Fortaleza o Asilo de Mendicidade do Ceará, criado pela maçonaria cearense com o objetivo de assistir as pessoas que tinham caráter de mendicância. A instituição de caridade foi inaugurada em 10/09/1905. Em 1979, passou a ser chamada de Lar Torres de Melo, por ter sido criada por José Ramos Torres de Melo. Atualmente, é administrado pelo filho do fundador, general Francisco Batista Torres de Melo, mais conhecido como General Torres de Melo. A instituição abriga 250 idosos, sendo a maioria proveniente do Interior do Estado e o restante da Capital.

1905 – agosto – 10 – Morre, na Amazônia, em Porto Artur, no Alto Purus, a bordo do vapor Santo Antônio, o abolicionista, advogado, professor, jornalista e político Martinho Rodrigues de Sousa, Patrono da Academia Cearense de Letras – ACL. Era natural de Canindé onde nascera a 11/11/1848.

1905 – agosto – 26 – Morre, em Fortaleza, vítima de tuberculose, Jovino Guedes Alcoforado, um dos fundadores da república no Ceará. Foi professor do Liceu do Ceará. Era membro da Padaria Espiritual, na qual usava o pseudônimo de Venceslau Tupiniquim. Era cearense de Arneirós nascido a 26/08/1859. Hoje é nome de rua na Aldeota.

1905 – agosto – 27 – Morre, em Fortaleza, o advogado, comerciante, construtor e industrial Antônio Francisco de Paula (Major Quixadá), que ficou assim conhecido por haver um seu homônimo e ele ter residido em Quixadá. Nascera em Fortaleza em 18/04/1830.

1905 – setembro – 08 – Fundado, em Fortaleza, a Sociedade Protetora Vicentina.

1905 – setembro – 10 – Inaugurado o Asilo de Mendicidade do Ceará, fundado por esforços das lojas maçônicas Fraternidade, Igualdade e Amor e Caridade 3ª, na Chácara Amaral, na Avenida Visconde de Cauípe (hoje Avenida da Universidade), depois transferido para a Chácara Virgínia Salgado (Praça Fernandes Vieira, Praça do Liceu, hoje Praça Gustavo Barroso), no bairro do Jacarecanga, com frente para a Rua Júlio Pinto nº 1.832. Hoje é o Lar Torres de Melo. A iniciativa foi do comerciante e maçom José Ramos Torres de Melo.

1905 – setembro – 14 – Surge em Fortaleza o jornal O Esportivo, órgão da sociedade Grêmio Esportivo, sob redação de Mário Rômulo Linhares (Mário Linhares).

1905 – setembro – 29 – Chega a Fortaleza às 11h, o andarilho paulista Sebastião de Campos, que iniciou viagem ao mundo a pé, tendo partido de Campinas, SP, em 15/05/1904.

1905 – outubro – 11 – Aparece em Fortaleza o Jornal do Domingo, órgão recreativo redatoriado por B. Meira Filho.

1905 – outubro – 11 – Sai publicada em Fortaleza a revista A Capital, sob redação de Álvaro Otoni.

1905 – dezembro – 21 – A Farmácia Pasteur, na Rua Major Facundo nº 16, depois 202 (antigos, atual nº 538), na Praça do Ferreira, com frente também para a Rua Formosa (Rua Barão do Rio Branco) nº 203 (antigo), é vendida, por Francisco Alves Linhares Filho, a Eduardo de Castro Bezerra.

1905 – outubro – 29 – Fundada, em Fortaleza, a sociedade Cearense Foot-Ball Club, primeiro clube de futebol.

1905 – outubro – 29 – Publicado em Fortaleza o Eco Artístico, jornal redatoriado por João Ramalho e de propriedade de José Bezerra de Menezes.

1905 – dezembro – 10 – Morre, no Rio de Janeiro, o monsenhor João Cordeiro da Cruz Saldanha, fundador do Instituto Cearense de Humanidades e do asilo do Bom Pastor. Era cearense de Canindé nascido a 12/07/1853.

1905 – Fundada a Fábrica Vitória, de Homero Barbosa Lima & Cia., sucessores da Fábrica de Destilação Santo Antônio, na Rua Senador Alencar nº 16.

1905 – Fundada em Fortaleza a firma Fernandes Júnior & Companhia, de representações.

1905 – A estimativa para 1905 registra a população de Fortaleza em 56.422 habitantes.

1905 – As chuvas caídas sobre a Capital durante o ano tiveram na medição meteorológica, o índice de 1.134 milímetros.

 

1906

1906 – fevereiro – 02 – Fundado em Fortaleza o Externato Coração de Jesus, de Maria Bastos Dantas Ribeiro e Clélia Brígido.

1906 – fevereiro – 25 a 27 – Foram dias dedicados aos festejos carnavalescos nos clubes e nas ruas.

1906 – março – 06 – Morre Joaquim da Silva Porto, um dos sócios da firma Novis Porto & Companhia, administradora da Estrada de Ferro de Baturité – EFB, que muda a razão social para Novis & Porto, conforme decreto nº 5.912.

1906 – março – 25 – Inaugurada, às 9h, com missa oficiada pelo bispo diocesano Dom Joaquim José Vieira, a Igreja de Nossa Senhora do Carmo na então Praça do Livramento, depois Praça Gonçalves Ledo e hoje Praça do Carmo. Seu primeiro capelão foi o monsenhor José Gurgel do Amaral Barbosa, que faleceu no mesmo ano, a dois de junho, sendo substituído pelo padre Luís Bezerra da Rocha, que foi sucedido pelo padre José J. da Rocha. O templo teve planta de autoria do arquiteto Adolfo Herbster. O primeiro sino do templo foi doado por Geminiano Maia (Barão de Camocim) e foi inaugurado em 24/03/1906.

1906 – março – 26 – Organiza-se em Fortaleza a Igreja Presbiteriana Independente do Ceará, sendo publicados seus estatutos no jornal República de 01/07/1907. Fica na Rua Dona Isabel nº 290 e seu fundador foi o reverendo Bento Ferraz.

1906 – abril – 17 – Morre, em Parangaba, aos 38 anos de idade, vítima de tuberculose pulmonar, poeta e prosador Fernando da Costa Weyne (Fernando Weyne), autor do poema “Loucuras”, que musicado por Roberto Xavier de Castro transformou-se na modinha A pequenina cruz do teu rosário. Nascera em São Fernando, Paraguai em 03/09/1868, na época sitiada por tropas brasileiras em guerra ou aquele país. Hoje é nome de rua no Monte Castelo.

1906 – maio – 11 – Falecimento, no Rio de Janeiro, do poeta, orador e músico, major do Exército Frederico Severo, que lutou no Paraguai. É autor do Hino da Cearense Libertadora.

1906 – maio – 26 – Entra em tráfego a ponte construída para servir de porto de Fortaleza, a Ponte Metálica, com projeto de Domingos Sérgio Sabóia. Foi o 4º trapiche que Fortaleza conheceu, sendo o 1º em frente ao Seminário.

1906 – junho – 02 – Morre, vítima de congestão cerebral, o monsenhor José Gurgel do Amaral Barbosa, primeiro capelão da Igreja de Nossa Senhora do Carmo. Foi professor da Escola Normal, vigário de Jaguaruana, Maranguape e da Igreja de São José (Sé) em Fortaleza. Foi cura da Capela Imperial e vigário da Igreja da Candelária, no Rio de Janeiro. Nascera em Aracati, a 31/07/1845.

1906 – junho – 03 – Inaugura-se nesta Capital o Instituto Rádio Eletro Terápico do médico Ribas Cadaval.

1906 – junho – 12 – Chega a Fortaleza e assume, no mesmo dia, a Capitania do Porto do Ceará, o capitão de corveta e capitão de fragata João Perouse Pontes, substituindo Joaquim d’Albuquerque Serejo.

1906 – junho – 15 – Desembarca em Fortaleza o presidente eleito da República, Afonso Augusto Moreira Pena (Afonso Pena), em visita aos Estados do Norte do País.

1906 – junho – 30 – Morre, em Fortaleza, aos 38 anos de idade, o caixeiro, jornalista, funcionário público e poeta Álvaro Dias Martins “Alvarins” (Álvaro Martins), um dos fundadores da Padaria Espiritual e do Centro Literário. É Patrono de Cadeira na Academia Cearense de Letras – ACL. Cearense de Trairi nascera a 14/04/1868, é hoje nome de rua no Jardim América e Damas.

1906 – julho – 29 – Morre, às 7h da manhã, aos 88 anos de idade, em seu sítio no Barro Vermelho (hoje Antônio Bezerra), Teófilo Rufino Bezerra de Menezes, advogado e professor aposentado do Liceu do Ceará, além de deputado provincial e jornalista. É o patrono da Avenida Bezerra de Menezes. Nascera a 05/03/1818 em Jaguaretama.

1906 – agosto – 02 – Embrião do atual Corpo de Bombeiros, nasce em Fortaleza a Seção de Bombeiros, criada pela Lei nº 850.

1906 – setembro – 19 – Aberta a Farmácia Holanda, de Joaquim Brasil de Holanda Cavalcante, na Rua Senador Pompeu nº 100 (antigo).

1906 – outubro – 06 – Surge a revista literária, filosófica, científica e comercial Fortaleza, dirigida por Joaquim Pimenta e Raul Uchoa, tendo com secretários Jaime Alencar e Mário Linhares, gerente, Eurico Matos e tesoureiro Genuíno de Castro.

1906 – outubro – 06 – Morre, aos 66 anos de idade, em Fortaleza, João Eduardo Torres Câmara (João Câmara), jornalista, ex-vereador e ex-deputado. Foi o fundador e editor do Almanaque do Ceará, que a partir desta data passa a ser editado por seu filho Sófocles Torres Câmara (Sófocles Câmara). Hoje é nome de rua na Vila União. Era nascido em Aquiraz, no dia 12/12/1842.

1906 – outubro – 07 – Morre, no Rio de Janeiro, o escritor cearense Domingos Olímpio Braga Cavalcante, autor de Luzia Homem, com 55 anos de idade. Nascera em Sobral no dia 18/09/1850. Hoje é nome de avenida em Fortaleza que se inicia no Joaquim Távora e termina no Otávio Bonfim, atravessando o José Bonifácio e o Benfica. É patrono da Cadeira nº 8 da Academia Cearense de Letras – ACL.

1906 – novembro – 01 – Exibição da primeira pianola, em Fortaleza, na Fênix Caixeiral, de propriedade do comerciante Alfredo da Rocha Salgado (Alfredo Salgado).

1906 – novembro – 15 – Toma posse, na Presidência da República, Afonso Augusto Moreira Pena (Afonso Pena) tendo na vice-Presidência Nilo Procópio Peçanha (Nilo Peçanha).

1906 – dezembro – 08 – Começa a ser publicado em Fortaleza o hebdomadário católico Cruzeiro do Norte, editado por Rufino Gomes de Matos. Tinha redação na Rua do Sampaio nº 9 (Rua General Sampaio)

1906 – dezembro – 27 – A Escola de Aprendizes Marinheiros do Ceará tem novo comandante, o capitão de corveta Augusto Heleno Pereira, substituindo o capitão-tenente Joaquim d’Albuquerque Serejo.

1906 – Fundada em Fortaleza a Fábrica Brasil, da firma Brasil de Matos & Cia, refinaria de açúcar, torrefação de café, fábrica de macarrão e massa de milho.

1906 – Fortaleza contava com uma população de 58.187 habitantes.

1906 – 1.568 milímetros foi o número encontrado nos pluviômetros que mediram as chuvas em Fortaleza durante o ano.

 

1907

1907 – janeiro – 01 – Ascensão do primeiro balão no Ceará, do capitão da Guarda Nacional José Pereira da Luz (Zé da Luz), pernambucano que também foi o primeiro a subir de balão no Rio de Janeiro. Em Fortaleza o balão subiu a partir do pátio do quartel do 2º Batalhão de Infantaria (atual Quartel General da 10ª Região Militar), tinha 12 metros de altura e chamava-se “Brazil”, fora adquirido na Europa e desceu na Praia do Arpoador. A experiência foi repetida no dia seis quando o aeronauta caiu sobre a Santa Casa quebrando uma perna.

1907 – janeiro – 01 – Instalada a Guarda Cívica, em virtude da Lei nº 848 de 01/08/1906.

1907 – janeiro – 01 Instala-se o Instituto de Eletro-Terapia na Rua Major Facundo nº 68 (antigo) sob direção dos doutores Rocha Moreira, Dias Pereira e Aurélio de Lavor.

1907 – janeiro – 01 – Abre-se em Fortaleza a Agência de Revistas Nacionais.

1907 – janeiro – 07 – Surge mais um estabelecimento de ensino em Fortaleza, abre-se o Colégio Nossa Senhora do Carmo, dirigido por Maria Clara de Sousa Marques.

1907 – janeiro – Aparece, em Fortaleza, o primeiro número de Juricidade, revista redatoriada por Manuel Soriano de Albuquerque, Antônio Acioli e Alfredo de Miranda Castro (Alf. Castro).

1907 – fevereiro – 01 – Morre, aos 53 anos de idade, o engenheiro Hildebrando Pompeu de Sousa Brasil, ex-fiscal da Estrada de Ferro de Baturité – EFB e Diretor das Obras Públicas do Estado. Hoje é nome de avenida na Praia do Futuro. Era cearense de Fortaleza nascido no dia 11/12/1853.

1907 – fevereiro – 08 – O Clube Iracema adquire, por compra ao Banco do Ceará, o prédio onde funciona há anos, na Rua Formosa (Rua Barão do Rio Branco) hoje nº 1321, onde depois funcionaram a Faculdade de Farmácia e Odontologia, o Curso de Jornalismo da UFC e hoje é uma agência do Banco do Brasil.

1907 – fevereiro – 10 a 12 – Esses dias são totalmente dedicados aos festejos carnavalescos em Fortaleza.

1907 – março – 17 – Sai o primeiro número do jornalzinho O Eco, redatoriado por Antônio Bezerra de Sousa Menezes, Mozart Catunda, Edgar Cavalcante de Arruda (Edgar de Arruda) e Jorge Severiano Ribeiro.

1907 – março – Abre-se a Farmácia Mota, na Rua 24 de Maio nº 24 (antigo), esquina com Rua Guilherme Rocha, do farmacêutico Turíbio Mota.

1907 – abril – 27 – Assume o novo Capitão do Porto do Ceará, o capitão de corveta Odorico Pinto da Silva Leal, promovido a capitão de fragata durante o mandato. Ele substitui o capitão de fragata João Perouse Pontes.

1907 – maio – 13 – Começa a demolição do palacete do coronel José Eustáquio Vieira, onde morou o comendador Luís Ribeiro da Cunha, na esquina da Rua Senador Alencar com Rua Formosa (Rua Barão do Rio Branco), para iniciar a construção do Palácio Guarani.

1907 – maio – 23 – Morre, em Messejana, o político Tristão Antunes de Alencar Rodovalho, tenente coronel da Guarda Nacional, irmão de Rufino Antunes de Alencar Rodovalho (Rufino de Alencar). Fora presidente da Comissão Abolicionista de Messejana. Nascera no Exu, PE, em 1824.

1907 – maio – 28 – Chega à Fortaleza, vindo da Bahia, o 9º Batalhão de Infantaria – 9ºBI, sob o comando do major João Emygdio Ramalho, que se instala no quartel antes ocupado pelo 2º Batalhão de Infantaria, hoje pela 10ª Região Militar.

1907 – junho – 01 – Fundado o Instituto São Luís, em Pacoti, que em 1916 se transferiu para Fortaleza, passando a funcionar em prédio da Avenida do Imperador nº 605, esquina com Rua Liberato Barroso. Foi fundado e dirigido pelo professor Francisco de Menezes Pimentel.

1907 – junho – 20 – Fortaleza assiste a um grande incêndio que devora a mercearia de José Carvalho, na esquina da rua Formosa (Barão do Rio Branco), com a travessa das Trincheiras (Rua Liberato Barroso).

1907 – junho – 26 – A Fábrica de Cigarros Fortaleza, nascida com a firma Marques da Silva & Companhia e que passou para Marcos de Lima perde, mais uma vez seu titular, passando e pertencer a Viúva Marcos de Lima, Mariana Gurgel de Lima. Neste ano lança a marca Cigarros La Morena.

1907 – julho – 08 – Morre, aos 84 anos de idade, em Fortaleza, o padre Justino Domingues da Silva, cearense de Sobral, nascido a 28/01/1823, que exerceu a presidência do Poder Legislativo em 1858-1861.

1907 – julho – 12 – Inaugurado o Primeiro Grupo Escolar, funcionando na Rua Formosa (Rua Barão do Rio Branco), indo depois para a parte sul da Praça Marquês do Herval (Praça José de Alencar), que tinha como diretora a professora Ana Facó.

1907 – julho – 28 – Morre, no Rio de Janeiro, aos 72 anos de idade, o agrimensor, professor e senador Joakim de Oliveira Catunda (Senador Catunda), cearense de Santa Quitéria, nascido em 02/12/1834. Um dos fundadores do Instituto do Ceará (Histórico, Geográfico e Antropológico). É hoje nome de rua no bairro do Benfica.

1907 – agosto – 09 – Assume o comando do Batalhão de Segurança o coronel do Exército Alípio Lopes de Lima Barros.

1907 – setembro – 11 – A Escola de Aprendizes Marinheiros do Ceará muda de comandante, quando entra o capitão de corveta Alberto Carlos da Cunha, em substituição ao também capitão de corveta Augusto Heleno Pereira.

1907 – setembro – 16 – A Capitania do Porto do Ceará, tem novo comando. Assume, em substituição ao capitão de fragata Odorico Pinto da Silva Leal, o capitão de corveta Aprogio Antero de Azevedo.

1907 – setembro – 27 – Realiza-se a compra, pela Escola de Aprendizes Marinheiros do Ceará, do prédio da Fábrica de Curtumes, no Jacarecanga, na Avenida Filomeno Gomes nºs 30.

1907 – setembro – Surge, em Fortaleza, uma casa especialista em artigos religiosos, a Rosa dos Alpes, de propriedade da firma Carvalho & Companhia Ltda., de João Carvalho e Júlio Ventura, na Rua Floriano Peixoto nº 165 (antigo, atual nº 789) com frente também para a então Rua Coronel Bezerril nº 166, atual Rua General Bezerril, mudando-se para o nº 173 (antigo, atual nº 543) esquina com Rua Municipal nº 32 (Guilherme Rocha nº 60) em agosto de 1928. Além de artigos religiosos como imagens, harmônios, tapetes, coroas mortuárias, batinas, paramentos, etc., a loja vendia também gramofones, vitrolas, discos, artigos de papelaria, bilhares e pertences, camas, artigos para alfaiataria, bandeiras, artigos esportivos, máquinas de escrever, geladeiras, cofres, chapéus, tecidos, etc. O sócio João Carvalho faleceu em 1938, ficando à frente do estabelecimento seu filho Rubens Carvalho, que mudou a loja para a mesma rua nº 789 e dez anos depois, 1948, para a Rua Major Facundo nº 713 até fechar definitivamente, em 07/02/1975.

1907 – outubro – 04 – Morre, em Fortaleza, o desembargador Manuel de Sousa Garcia, pernambucano do Recife nascido a 08/03/1829. Exerceu em Fortaleza o cargo de Secretário da Chefatura de Polícia em 1890 e Chefe de Polícia.

1907 – outubro – 12 – Morre, no Rio de Janeiro, o ex-vereador e comerciante Joaquim da Cunha Freire (Barão de Ibiapaba), nascido em Caucaia em 18/10/1827. Presidiu mais de uma vez a Província. Hoje é nome de rua no Otávio Bonfim.

1907 – outubro – 14 – O sanitarista Rodolfo Marcos Teófilo (Rodolfo Teófilo) vacina os moradores do Morro do Moinho e arredores, em virtude de ter sido ali inaugurado no mês anterior um isolamento para variolosos pelo governo estadual de Nogueira Acioli tendo como inspetor de higiene o médico Meton da Franca Alencar.

1907 – novembro – 07 – Assume, interinamente, o cargo de Presidente do Estado, o Secretário do Interior e Vice-Presidente José Pompeu Pinto Acioli (José Acioli), em substituição a seu pai, presidente Antônio Pinto Nogueira Acioli.

1907 – dezembro – 13 – Morre, em Fortaleza, o advogado, orador e professor de música, maestro Zacarias Tomás da Costa Gondim (Zacarias Gondim), cearense de Sobral nascido em 29/12/1851. Hoje é nome de rua no Montese.

1907 – Fortaleza contava no final do ano com uma população de 60.007 habitantes.

1907 – Volta a cair o índice pluviométrico, que mede as chuvas em Fortaleza. Apenas 734 milímetros foram registrados neste ano. Outra seca.

 

1908

1908 – janeiro – 01 – Surge em Fortaleza a Revista Comercial, órgão da Associação Comercial do Ceará.

1908 – janeiro – 05 – Publica-se em Fortaleza a revista Terra da Luz, da intelectualidade cearense, sob a direção de Joaquim Pimenta.

1908 – janeiro – 05 – Estréia, no teatrinho João Caetano, o Cinematógrafo Pathé Fréres, de propriedade da empresa Oliveira Coelho & Companhia.

1908 – janeiro – 15 – Iniciam-se os trabalhos de construção da Escola Pio X, na Avenida Duque de Caxias nº 191/201, na Praça Coração de Jesus, que seria inaugurada em 05/07 do mesmo ano.

1908 – janeiro – Surge, em Fortaleza, a firma Álvaro Dias, de venda de tecidos por atacado.

1908 – janeiro – 06 – No teatrinho João Caetano estréia o Cinematógrafo New York.

1908 – fevereiro – 28 – Reassume o governo o comendador Antônio Pinto Nogueira Acioli, recebendo o cargo das mãos de seu filho o Secretário do Interior e Vice-Presidente do Estado José Pompeu Pinto Acioli (José Acioli), que vinha ocupando o cargo interinamente.

1908 – março – 01 a 03 – São dias dedicados aos festejos carnavalescos nos clubes, nas ruas e em casas de família.

1908 – abril – 25 – Inaugura-se o novo Quartel da Divisão de Cavalaria do Estado, na Rua 25 de Março, próximo ao riacho Pajeú.

1908 – abril – 26 – Fundado, em Fortaleza, uma associação denominada Ceará Atlético Clube, tendo como fim o desenvolvimento físico dos seus associados.

1908 – maio – 03 – São realizadas eleições municipais em todo o Estado.

1908 – junho – 03 – Morre, no Rio de Janeiro, aos 86 anos de idade, o Conselheiro Tristão de Alencar Araripe, ministro aposentado do Supremo Tribunal de Justiça. Foi presidente do poder legislativo. Filho de Tristão Gonçalves de Alencar nascera no Icó dia 07/10/1821. Hoje é nome de rua no Centro de Fortaleza, José Bonifácio indo até o Bairro de Fátima, com o nome de Rua Conselheiro Tristão.

1908 – junho – 03 – Morre, pela manhã, em Fortaleza, vítima de tuberculose pulmonar, o bacharel em Ciências Jurídicas e Sociais, Alfredo Severino Braga Duarte (Alfredo Duarte), cearense de Sobral nascido em 29/11/1860.

1908 – junho – 06 – Iniciam-se as obras de construção do Theatro José de Alencar, em local que toma parte do quartel do Batalhão de Segurança, na Rua Liberato Barroso, na Praça Marquês de Herval, hoje Praça José de Alencar.

1908 – junho – 07 – Estréia, no teatrinho do Clube Iracema, o Cinematógrafo falante, da Empresa Fontenele & Companhia.

1908 – junho – 12 – Morre o professor Lino de Sousa Encarnação (Lino Encarnação), diretor do Colégio Partenon Cearense, em Fortaleza. Hoje é nome de rua na Parquelândia. Nascera no Ipu no dia 28/12/1851.

1908 – junho – 15 – Falece em Fortaleza, aos 66 anos de idade, o desembargador Paulino Nogueira Borges da Fonseca, presidente do Instituto do Ceará (Histórico, Geográfico e Antropológico) desde sua fundação e membro da Academia Cearense de Letras – ACL. É hoje nome de rua no Benfica. Era cearense de Fortaleza nascido a 27/02/1842.

1908 – julho – 03 – Aparece em Fortaleza o jornal Gazeta da Tarde, fundada e dirigida pelo jornalista Carlos Acioli Sá (Carlos Sá).

1908 – julho – 05 – Inaugura-se o prédio da Escola Pio X, na Avenida Duque de Caxias nº 191/201, na Praça Coração de Jesus. Na época chamava-se Escola Dominical Pio X.

1908 – julho – 12 – Termina um mandato do comendador Antônio Pinto Nogueira Acioli e começa o outro mandato, ficando ele no governo por oito anos até ser deposto em 1912.

1908 – julho – 12 – Assume o cargo de Chefe de Polícia, o desembargador Félix Cândido de Sousa Carvalho.

1908 – julho – 16 – Muda o comando do 9º Batalhão de Infantaria, do Exército, saindo o major João Emygdio Ramalho e assumindo o tenente-coronel Francisco Benévolo.

1908 – agosto – 15 – Assume a Presidência do Instituto do Ceará (Histórico, Geográfico e Antropológico), Thomaz Pompeu de Sousa Brasil, substituindo Paulino Nogueira Borges da Fonseca.

1908 – agosto – 26 – Inaugurado o primeiro cinema fixo em Fortaleza, pois até então haviam passado vários tipos de cinemas itinerantes. Instalado pelo italiano Victor Di Maio, inaugura-se o Teatro Art-Nouveau, ou Cinematógrafo Art-Nouveau, ou ainda Cinema Di-Maio, no “Maison Art-Nouveau”, na esquina da Rua Municipal (Guilherme Rocha) com Rua da Palma (Major Facundo). O programa inaugural exibiu o filme “As vítimas do dever”, da Ambrósio.

1908 – outubro – 01 – A Escola de Aprendizes Marinheiros do Ceará – EAM, muda-se da Avenida Alberto Nepomuceno para prédio no Jacarecanga, onde funcionou a Fábrica de Curtumes, na hoje Avenida Filomeno Gomes nº 30.

1908 – outubro – 02 – Morre, no Rio de Janeiro, o filólogo Fausto Carlos Barreto (Fausto Barreto), aos 56 anos incompletos. É Patrono da Cadeira nº9 da Academia Cearense de Letras – ACL. Nascera em São João dos Inhamuns, hoje Tauá, CE, no dia 19/12/1852.

1908 – outubro – 08 – Assume o cargo de Capitão do Porto do Ceará, o capitão de corveta Ernesto Mafaldo de Oliveira, que vem substituir Aprogio Antero de Azevedo, do mesmo posto.

1908 – outubro – 18 – Morre, em Manáus, AM, aos 23 anos de idade, a escritora romancista e poetisa Emília Freitas, abolicionista, cearense de Jaguaruana nascida em 11/01/1855. Hoje é nome de rua no Padre Andrade.

1908 – novembro – 19 – O presidente da República, Afonso Moreira Pena (Afonso Pena) oficializa o dia 19 de novembro como Dia da Bandeira.

1908 – dezembro – 23 – Assume o cargo de comandante da Escola de Aprendizes Marinheiros do Ceará, o capitão-tenente Severino da Costa Oliveira Maia, substituindo o capitão de corveta Alberto Carlos da Cunha.

1908 – dezembro – 26 – Inaugura-se o Palácio Guarani, da Associação Comercial de Fortaleza – ACF, no local do antigo Matadouro Público, que depois foi um sobrado do coronel José Eustáquio Vieira, onde morou o comendador Luís Ribeiro da Cunha, incendiado em 1902. Foi adquirido pelo Geminiano Maia (Barão de Camocim), que era Presidente da ACF e que construiu o palácio. Depois nele estiveram o Bank of London (Bank London) (07/03/1910), Banco dos Importadores (1925), a Boate Guarani, o Clube dos Diários, o Banco do Estado do Ceará – BEC e atualmente lá está a BCP-Telecomunicações. Fica na esquina da Rua Barão do Rio Branco nº 726 com Rua Senador Alencar.

1908 – São publicados dois álbuns impressos em Nancy, França, com vistas do Ceará, um, tamanho 27x32cm e outro 25x16cm, ambos sob o título Álbum de Vistas do Estado do Ceará, Brasil – 1908, iniciativa dos Irmãos Boris.

1908 – Surge, em Fortaleza, a firma Júlio Esteves, sucessores de Esteves & Barroso, de representações, com endereço na Rua General Bezerril nº 146 (antigo), na Praça General Tibúrcio.

1908 – A população de Fortaleza era de 61.884 habitantes.

1908 – As chuvas caídas sobre Fortaleza, durante todo o ano foram medidas, nos pluviômetros das estações meteorológicas, constatando-se um índice de 1.018 milímetros.

1908 – Fundada a Padaria Palmeira, de Ferreira da Silva & Companhia Limitada.

 

1909

1909 – janeiro – 01 – Toma posse a diretoria da Associação Comercial do Ceará, composta por: Presidente: Geminiano Maia (Barão de Camocim); Vice-presidente: José Gentil Alves de Carvalho; Diretor-secretário; Maximiano Leite Barbosa; Tesoureiro: Ismael Fiúza Pequeno; Diretores: Vicente da Silva Porto, João Tibúrcio Albano, J. R. da Costa, Henrique J. de Oliveira, João José V. da Costa, J. Perdigão Bastos, Adolfo Quixadá, José M. Villar, Prisco Cruz, Joaquim Sá, Zacarias da Silva Bayma, Antônio de Matos Porto, A. B. de Holanda Cavalcante e J. F. da Costa Marques Dias.

1909 – janeiro – 12 – Falece, na vila Seabra, rio Juruá, o major Raimundo Antônio Borges, que ocupou no Ceará os cargos de secretário do Liceu do Ceará, procurador dos Feitos da Fazenda Estadual e diretor da Escola Normal.

1909 – fevereiro – 19 – Morre, aos 32 anos de idade, vítima de apendicite, o poeta, bacharel em Direito e ex-deputado Antônio Fiúza de Pontes, vítima de apendicite. Era membro do Centro Literário. Era cearense de Lavras da Mangabeira nascido em 14/06/1876. Hoje é nome de rua na Aldeota.

1909 – fevereiro – 21 a 23 – Ocorrem os festejos carnavalescos em Fortaleza nas residências, nos clubes e nas ruas.

1909 – março – 01 – Funda-se em Fortaleza, na Praça 14 de Março (Praça Fernandes Vieira), o Instituto Cearense, de propriedade e direção do professor Anacleto Cavalcante Pereira de Queirós.

1909 – março – 18 – Morre, em Petrópolis, aos 72 anos de idade, o médico Vicente Cândido Figueira de Sabóia (Visconde de Sabóia). Era cearense de Sobral, onde nascera a 13/04/1836. Hoje é nome de Rua no centro de Fortaleza.

1909 – março – 20 – Publica-se, em Fortaleza, o jornal Correio da Tarde, sob a direção de Jaime Carneiro Leão de Vasconcelos (Jaime de Vasconcelos), Alberto Fiuza Montezuma (Alberto Montezuma) e Artur Rocha.

1909 – março – 28 – O primeiro automóvel a circular em Fortaleza, foi importado pela Empresa Auto-Transporte Cearense, de propriedade de Meton de Alencar e Júlio Pinto do Carmo. O carro tem a marca Rambler, chegou ao porto de Fortaleza (Ponte Metálica) no dia 26/03, sendo seu primeiro chofer (motorista) John Peter Bernard e depois Rafael Dias Marques, caixeiro da Casa Bordalo.

1909 – abril – 01 – São lançados, pela Fábrica Iracema de Cigarros, de Philomeno Gomes & Filho, na Praça do Ferreira, feitos com fumo Esmeralda, os Cigarros Comerciais.

1909 – abril – 03 – Publicado em Fortaleza o jornal A Mutuca, periódico crítico sob a direção de Paixão Filho e Rodrigues Santos.

1909 – abril – 15 – Morre, aos 67 anos de idade, o comendador Vulpiano Cavalcante de Araújo, comerciante que exerceu vários cargos públicos. Era fortalezense nascido a 03/04/1842.

1909 – abril – 21 – A Câmara Municipal de Fortaleza muda o nome da Rua Formosa para Rua Barão do Rio Branco, em homenagem ao aniversário daquele diplomata. É o 6º nome que tem a rua: Rua Nova, Rua Formosa, Rua Dom Luís, Rua Nº 1, Rua Paes de Carvalho e Rua Barão do Rio Branco.

1909 – abril – 27 – Parte para o Paraná o 9º Batalhão de Infantaria do Exército.

1909 – maio – 24 – Funda-se, em Fortaleza, a Sociedade Protetora dos Animais, com 202 sócios, em solenidade no salão nobre da Intendência Municipal, sob a presidência do coronel Guilherme Rocha.

1909 – maio – Instala-se, em Fortaleza, o Tiro Cearense 38, com quartel na Rua Sena Madureira. Depois se mudou para a Rua General Sampaio.

1909 – junho – 01 – Inaugurado o segundo cinema fixo de Fortaleza, o Cassino Cearense, da Empresa Carvalho & Companhia, ou Cinema J. Pinto, ou ainda Cinematógrafo Rio Branco, na Rua Major Facundo nº 64 (antigo, atual 290), onde depois se levantou o Edifício J. Lopes. Era nos fundos da Casa Palhabote, que tinha frente para a Rua Barão do Rio Branco nº 57 (antigo, atual 795). Era de Júlio Pinto do Carmo. O programa de inauguração trouxe a fita “O sonho de Dranem”, da Pathé-Frères.

1909 – junho – 14 – Morre, aos 62 anos de idade, o presidente da República, Afonso Augusto Moreira Pena (Afonso Pena), mineiro de Santa Bárbara do Mato Dentro, ficando em seu lugar o vice-presidente Nilo Procópio Peçanha (Nilo Peçanha).

1909 – agosto – 31 – Criada, pela Lei nº 987, a Chefatura de Polícia.

1909 – setembro – 04 – Inaugura-se o Cinema Rio Branco, em prédio na Rua Barão do Rio Branco nº 71 e 73 (antigos), com a fita “O filho pródigo”, da Pathé-Frères. Era de propriedade de Roberto Muratori e Antônio Mesiano.

1909 – outubro – 21 – Aprovado o regulamento para organização da Inspetoria de Obras Contra as Secas – IOCS, que em 1919 passa a ser Inspetoria Federal de Obras Contra as Secas – IFOCS em 28/12/1945, pelo Decreto 8.486, passa a denominar-se Departamento Nacional de Obras contra as Secas – DNOCS. Seu primeiro inspetor foi o engenheiro Miguel Arrojado Ribeiro Lisboa (Arrojado Lisboa), que assumiu no dia 01/11/1909. A seca que castiga o Nordeste fez com que o governo imperial enviasse, no período de 1877/79, uma comissão de engenheiros que determinaram a perfuração de poços, a construção de estradas de ferro e de rodagem e o armazenamento d’água. Outras comissões aqui vieram e foram extintas, até esta aprovação.

1909 – outubro – 30 – Morre em Fortaleza, às 9h30min, aos 39 anos de idade, o comerciante José Perdigão Bastos (José Bastos), na sua residência na Rua 24 de Maio. Nascera no dia 20/09/1870. Hoje existe em sua homenagem em Fortaleza, a Avenida José Bastos, que se inicia a partir do final da Avenida Carapinima e termina no Siqueira, atravessando o Rodolfo Teófilo, Bela Vista, Damas, e Parangaba.

1909 – novembro – 01 – Assume como primeiro inspetor da Inspetoria de Obras Contra as Secas – IOCS (Hoje Departamento Nacional de Obras Contra as Secas – DNOCS), com sede no Rio de Janeiro, o engenheiro Miguel Arrojado Ribeiro Lisboa (Arrojado Lisboa).

1909 – novembro – 11 – Criada a Escola de Aprendizes Artífices do Ceará pelo Decreto 7.649. Instalou-se em 24/05/1910, na Rua da Praia, mudando-se depois para a Praça Marquês do Herval (hoje Praça José de Alencar). Se transformaria na Escola Industrial de Fortaleza e depois na Escola Técnica Federal do Ceará, Centro Federal de Educação Tecnológica do Ceará – Cefet-Ce. E hoje é o Instituto Federal de Educação, Ciência e Tecnologia do Ceará – IFCE e atualmente está na Avenida 13 de Maio nº 2081, Benfica, tendo uma filial na Aldeota, na Rua Nogueira Acioli nº 621.

1909 – novembro – 12 – Assume o cargo de Capitão do Porto do Ceará, interinamente, o capitão-tenente Virgílio de Mesquita Barros, em substituição ao capitão de corveta Ernesto Mafaldo de Oliveira.

1909 – novembro – 15 – Inaugura-se o Tiro Cearense, na Aldeota, subúrbio de Fortaleza, sob a presidência do coronel Lindolfo Cícero Gondim.

1909 – novembro – 16 – Assume a Capitania do Porto do Ceará o capitão de fragata Jeronymo Rebello de Lamare, em substituição ao capitão-tenente Virgílio de Mesquita Barros, que vinha respondendo interinamente pelo cargo.

1909 – novembro – 18 – Rescindido o contrato de arrendamento da firma e Novis & Porto em relação à Estrada de Ferro de Baturité – EFB pelo decreto nº 7.662, que também determina que se mude a denominação para Rede de Viação Cearense – RVC.

1909 – novembro – 22 – O advogado Manuel Matos Corrêa de Menezes assume o cargo de Chefe de Polícia do Estado.

1909 – novembro – Os fabricantes de cigarros, Philomeno Gomes & Filhos, lançam, em 1909, a marca Tiro Cearense.

1909 – A população de Fortaleza, neste ano era de 63.820 habitantes.

1909 – Durante todo o ano as chuvas caídas em Fortaleza acusaram, nos pluviômetros, 1.140 milímetros.

 

1910

1910 – janeiro – 01 – Após uma ausência de sete meses reaparece em Fortaleza o jornal Correio da Tarde, dirigido por Jaime Carneiro Leão de Vasconcelos (Jaime de Vasconcelos), Alberto Fiúza Montezuma (Alberto Montezuma) e Artur Rocha..

1910 – janeiro – 06 – Estréia, no Cinema Rio Branco, na Rua Barão do Rio Branco nº 71 e 73 (antigos), a Companhia de Marionetes de propriedade de Enrico Salice.

1910 – janeiro – 08 – Surge a Tipografia Comercial, de Carlos Jatahy, na então Praça José de Alencar (não é a atual), espaço hoje entre o prédio do Correio Central e o da agência metropolitana do Banco do Brasil.

1910 – fevereiro – 03 – A Estrada de Ferro de Baturité – EFB, que vinha sendo administrada por Novis & Porto, passa a ser administrada pela firma South American Railway Construction Company Limited – Sarccol, passando a ter na direção os engenheiros Francis Reginald Hul (Mr. Hull), William Huggins e J. Lorimer e passando a denominar-se Rede de Viação Cearense – RVC.

1910 – fevereiro – 06 a 08 – Ocorrem nas ruas, nas casas e nos clubes de Fortaleza, os festejos carnavalescos.

1910 – fevereiro – 25 – Assume o comando da Escola de Aprendizes Marinheiros do Ceará, o capitão-tenente Miguel de Castro Caminha, substituindo Severino da Costa Oliveira Maia, do mesmo posto.

1910 – março – 07 – Instala-se, em Fortaleza, o London and Brazilian Bank Limited, que teve permissão para abrir caixas filiais em Fortaleza e São Luís, pelo decreto nº 7.857, de 10/02/1910. Instalou-se no andar térreo do Palácio Guarani, na Rua Barão do Rio Branco nº 84 (antigo, atual 732), esquina com Rua Senador Alencar. Depois se mudou para prédio na esquina da Rua Barão do Rio Branco com Rua São Paulo.

1910 – março – 25 – Publicado o primeiro número do jornal O Bandeirante, literário, moral e noticioso dirigido por José de Mendonça Nogueira. Sua redação ficava na Rua Barão do Rio Branco nº 88 (antigo).

1910 – abril – 23 – Estréia da troupe de Brandão Sobrinho no Cinema Rio Branco, na Rua Barão do Rio Branco nº 71 e 73 (antigos),.

1910 – maio – 10 – Surge em Fortaleza a associação Cruzada dos Novos.

1910 – março – 18 – Assume a Presidência do Estado o funcionário público, presidente da Assembleia Legislativa, coronel Belisário Cícero Alexandrino.

1910 – maio – 18 para 19 – O globo terrestre atravessa a cauda do cometa de Halley, sendo visto durante vários meses com grande brilho no Ceará. Em Fortaleza, infelizmente, choveu torrencialmente e na passagem não foi observado o cometa.

1910 – maio – 23 – Inaugura-se, em Fortaleza, o forno crematório da municipalidade, no local onde hoje fica a Secretaria Regional – I, (SER-I), da Prefeitura Municipal de Fortaleza, onde funcionou a Sumov, entre a estação de trem do Otávio Bonfim e a Praça dos Libertadores, da igreja de Nossa Senhora das Dores. O forno fora encomendado à casa comercial John Lilly and Sons, de Manchester, em 1909. Depois, o forno foi desativado e transferido para a estrada que é hoje a Avenida Sargento Hermínio.

1910 – maio – 24 – Instalada a Escola de Aprendizes Artífices do Ceará, criada pelo Decreto 7.649, de 11/11/1909, sob a direção de José Pompeu de Sousa Brasil, funcionando na Rua da Praia (Avenida Pessoa Anta). Mudou-se depois para a Praça Marquês do Herval (Praça José de Alencar) e ainda para a avenida 13 de Maio. Se transformaria na Escola Industrial de Fortaleza e depois na Escola Técnica Federal do Ceará, Centro Federal de Educação Tecnológica do Ceará – Cefet-Ce. e hoje é o Instituto Federal de Educação, Ciência e Tecnologia – IFECT e atualmente está na Avenida 13 de Maio nº 2081, Benfica, tendo uma filial na Aldeota, na Rua Nogueira Acioli nº 621.

1910 – maio – 28 – Abre-se uma exposição dos trabalhos do pintor Aurélio de Figueiredo no Palcete Guarani, sede da Associação Comercial do Ceará, na esquina da Rua Barão do Rio Branco com Rua Senador. Alencar.

1910 – junho – 17 – Inauguração oficial do Theatro José de Alencar, cujas obras vinham desde 1908, com a execução de hinos pela Banda Sinfônica do Batalhão de Segurança, sob a regência dos maestros Luigi Maria Smido e Henrique Jorge Ferreira Lopes, logo após discurso proferido por Júlio César da Fonseca, que recebeu o presidente, comendador Antônio Pinto Nogueira Acioli. Fica na Rua Liberato Barroso, no lado sul da antiga Praça Marquês do Herval (atual Praça José de Alencar), entre o Batalhão de Segurança e a Escola Normal (hoje entre seu jardim e o IPHAN). A parte metálica, no estilo art-nouveau, foi importada do Reino Unido, fabricada por Walter Max Farlene & Co., de Glasgow, na Escócia. Foi projetado pelo engenheiro-militar Bernardo José de Melo. As pinturas internas foram feitas por J. Paula Barros e Raimundo Ramos Filho (R. Ramos).

1910 – junho – 19 – Funda-se, no salão da Fênix Caixeiral, na esquina da Rua General Sampaio com Rua Guilherme Rocha, o Centro Espírita Cearense.

1910 – junho – 23 – Inauguração artística do Theatro José de Alencar, com a peça O Dote, de Artur Azevedo, pelo elenco da atriz Lucília Perez.

1910 – julho – 16 – Estréia da Companhia de Acrobatas Japoneses, no teatro do Cinema Rio Branco, na Rua Barão do Rio Branco nº 71 e 73 (antigos), sob direção de Franco Olimecha.

1910 – julho – 11 – Falecimento do farmacêutico Antônio Paes da Cunha Mamede, aos 101 anos de idade, às 14h, em casa da Rua 24 de Maio, sendo enterrado no Cemitério de Parangaba. Cunha Mamede era proprietário da Farmácia Mamede, que fica nas mão de Catão Paes da Cunha Mamede (Catão Mamede), também farmacêutico. Antônio Paes da Cunha Mamede era nascido na Vila de Cameica, Portugal, em 01/07/1809.

1910 – julho – 31 – Data em que foi colocada a primeira pedra do Prédio Vicentino da Sociedade de São Vicente de Paulo, na Praça Coração de Jesus. O edifício ficou pronto, em 21/07/1912, e trazia em seu salão principal uma alegoria, feita pelo pintor Raimundo Ramos, ou R. Ramos, o Ramos Cotoco, infelizmente desaparecida.

1910 – agosto – 01 – Aprovado o estudo para construção de uma estrada de ferro de Fortaleza para Itapipoca, visando a ligação da Rede de Viação Cearense – RVC com a de Sobral.

1910 – agosto – 14 – Inaugura-se a Igreja dos Remédios (Igreja de Nossa Senhora dos Remédios), na antiga avenida do Benfica, atual Avenida da Universidade. Foi levantada por promessa feita pelo comerciante português João Antônio do Amaral, que doou o terreno, mas não viu a igreja pronta, pois faleceu logo depois da doação (05/05/1878). Sua esposa, dona Maria Corrêa do Amaral, tomou a frente da empreitada e assentou a pedra fundamental, em 08/12/1878, às 17h, já em terreno doado por Joaquim Álvaro Garcia. A construção demorou muito e sua inauguração deu-se em 1910, embora o templo já funcionasse desde o início do século. Em 31/05/1917, houve a entrega do templo aos Padres Lazaristas. Em 1934, passou a ser paróquia, no arcebispado de Dom Manuel, e o primeiro pároco foi o padre Guilherme Vaessen. Até 1926, a igreja era só a nave central, mas em 1927 foram inaugurados os dois corredores laterais, custeados pelo benfeitor José Gentil Alves de Carvalho, e a colocação do relógio de quatro faces na torre da igreja, vindo da torre do Cristo Redentor. Em 1936, houve uma grande reforma que mexeu com as colunas internas.

1910 – agosto – 14 – Morre, em Juazeiro do Norte, aos 67 anos de idade, professor latinista, abolicionista José Joaquim Teles Marrocos (José Marrocos), cearense do Crato nascido em 26/11/1842.

1910 – setembro – 07 – Funda-se, num dos bancos da Praça do Ferreira, a Academia Rebarbativa, por José Gil Amora, Otacílio Ferreira de Azevedo (Otacílio de Azevedo), Genuíno de Castro, Carlos Gondim, Luís de Castro, João Coelho Catunda, Carlos Severo de Sousa Pereira, Francisco de Paula Aquiles, Josias de Castro Goiana (Josias Goiana) e outros, “agremiação de boêmia, de humorismo, de pilhéria e de blague” que teve vida efêmera.

1910 – setembro – 11 – Funda-se em Fortaleza a sociedade dançante Clube Caixeiral, com a diretoria formada por: Presidente – José Barreto; Vice – Antônio Uchoa Mourão; 1º Secretário – Antônio Rolim; 2º Secretário – Gustavo Augusto da Frota Braga (Gustavo Braga); Tesoureiro – Estêvão Mosca de Carvalho; Adjunto de Tesoureiro – Raimundo Janja de Magalhães (Raimundo Magalhães); tendo como diretores: Emílio Sá, Pedro Façanha de Sá, Joaquim Vieira Sobrinho, José Aureliano de Holanda, Lourenço Sá, Pedro Façanha de Sá, Joaquim Vieira Sobrinho, José Aureliano de Holanda e Isac Rodrigues Barros.

1910 – setembro – 22 – Estréia no Theatro José de Alencar a grande Companhia Dramática Lucília Peres, com a peça “O Dote”, de Artur Azevedo, escrita especialmente para esta Companhia.

1910 – setembro – 29 – Morre, em Fortaleza, o conhecido industrial coronel Bernardino Proença, português naturalizado brasileiro, dono da Fábrica Proença, de sabões e óleo vegetal. Ficaram à frente da fábrica sua viúva, filhos e genros.

1910 – outubro – 15 – Assume o cargo de Capitão do Porto do Ceará, pela segunda vez como interino, o capitão-tenente Virgílio de Mesquita Barros, substituindo o capitão de fragata Jeronymo Rebello de Lamare.

1910 – outubro – 22 – O capitão-tenente Virgilio de Mesquita Barros entrega o cargo de Capitão do Porto do Ceará, ao titular capitão de corveta Bernardino José Coelho.

1910 – novembro – 15 – Assume a Presidência da República o marechal Hermes Rodrigues da Fonseca (Hermes da Fonseca), que destituiu os presidentes de Estado que destoavam de sua política, sendo o Ceará um dos atingidos em 1914. Substituiu Nilo Procópio Peçanha (Nilo Peçanha). Seu vice-Presidente é Wenceslau Braz Pereira Gomes.

1910 – novembro – 21 – Mais uma vez assume interinamente o cargo de Capitão do Porto do Ceará, o capitão-tenente Virgilio de Mesquita Barros, substituindo o capitão de corveta Bernardino José Coelho.

1910 – dezembro – 08 – Fundada a sociedade literária Arcádia dos Quinze, com sede na Rua Sena Madureira nº 42 (antigo). Seu primeiro presidente foi José Augusto Lopes Filho.

1910 – dezembro – 31 – Morre Confúcio Augusto Pamplona (Confúcio Pamplona) pioneiro da telefonia no Ceará, proprietário da Casa Confúcio, onde vendeu gramofones, kinetoscópios e outros aparelhos patenteados por Thomas Alva Edison do qual era distribuidor. Nascera em Fortaleza no dia 22/02/1860.

1910 – A inauguração da Padaria Universal, de João Tavares de Sousa, na Rua Rufino de Alencar nº 83 antigo (atual nº 121), local hoje ocupado pela Panificadora Estrela.

1910 – Neste ano da passagem do cometa de Halley, a Fábrica de Cigarros Iracema, de Philomeno Gomes & Filhos, lança a marca de cigarros Fim do Mundo, em maços roliços.

1910 – Surgiu a firma R. de Castro Bezerra, com o Laboratório de Biologia Clínica Ltda., na Rua Castro e Silva nº 162.

1910 – Aparece a Fábrica Modelo de cigarros, da firma Caminha & Ferreira, na Rua Major Facundo 44, com os Cigarros Condôr, sim, era Condor com circunflexo no segundo “O”, Cigarros Caminheiros, Cigarros Nº 1, etc.

1910 – Abre-se, em Fortaleza, a Casa Bayma, de modas, tecidos, miudezas em grosso e a varejo, na Rua Floriano Peixoto nº 147/149 (antigos, hoje 470), da firma Silva & Bayma.

1910 – Fortaleza contava com uma população de 65.816 habitantes.

1910 – Chove muito em Fortaleza durante o ano. Os pluviômetros medem 2.049 milímetros.

 

1911

1911 – janeiro – 01 – Sai o 1º número do jornal classista A Evolução, órgão oficial da União Tipográfica Cearense.

1911 – janeiro – 07 – Começa a funcionar o Colégio Nossa Senhora da Assunção, dirigido pela professora Cristina Arruda Gondim.

1911 – janeiro – 11 – Morre, em Parangaba, o tenente-coronel Alfredo da Costa Weyne (Alfredo Weyne), cearense de Fortaleza nascido a 23/03/1842. Hoje é nome da Praça da Matriz de Parangaba.

1911 – janeiro – 15 – Assume o comando do Batalhão de Segurança o tenente-coronel Ernesto Ramos de Medeiros, daquela corporação.

1911 – janeiro – 21 – A Capitania do Porto do Ceará recebe seu novo comandante, o capitão de corveta Ernesto Mafaldo de Oliveira, que ocupa o cargo pela segunda vez.

1911 – fevereiro – 25 – Morre em Fortaleza, na Rua Major Facundo nº 162, o coronel Joaquim José de Sousa Sombra, aos 91 anos de idade, jornalista, deputado provincial. Foi Agente Consular de Portugal em Maranguape; Comissário de endemias de febre amarela, varíola e cólera-morbus. Construiu a igreja Matriz de Maranguape, e conseguiu o ramal ferroviário daquela cidade. Cearense de Russas, nascera a 06/09/1816.

1911 – fevereiro – 26 – Inaugura-se o palco do Polytheama, cine-teatro que só inaugurou o cinema, em 2 de julho do mesmo ano. Pertencia à Empresa Rola, Irmão & Companhia e tinha endereço na Avenida 7 de Setembro (Praça do Ferreira) nº 12 (antigo). Ficava na Rua Major Facundo, no local hoje ocupado pelo Edifício São Luís.

1911 – fevereiro – 26 a 28 – Dias inteiramente dedicados aos festejos carnavalescos em Fortaleza.

1911 – março – Neste mês sai o primeiro número da publicação Ceará Revista, com redação na Rua Floriano Peixoto nº 54 (antigo), editada pela Academia Rebarbativa, tendo por redatores Genuíno de Castro, José Gil Amora e João Catunda.

1911 – abril – 01 – Surge a firma de Luiz Severiano Ribeiro, Casa Ribeiro, de cinema, livraria e papelaria, gramofones e discos, louças, vidros, artigos religiosos, mobílias espelhos e tapetes e fábrica de gelo, na Rua Major Facundo nº 75 (antigo, atual 532).

1911 – maio – 08 – Cria-se a Usina de Luz e Força do Passeio Público, da firma The Ceará Tramway Light & Co., para alimentar os bondes, que eram de tração animal e passariam a ter tração elétrica.

1911 – maio – 24 – Inaugura-se o quartel da Polícia Militar, no Outeiro.

1911 – maio – Sai em Fortaleza o primeiro número da revista literária Camélia.

1911 – junho – 21 – O presidente Antônio Pinto Nogueira Acioli inicia as obras de abastecimento de água e esgoto sanitário de Fortaleza, com a montagem de duas caixas d’água de ferro, na Praça Visconde de Pelotas (depois Praça da Bandeira e hoje Praça Clóvis Bevilaqua) e inicia a implantação dos canos, para fornecimento de água encanada e esgotos, à Cidade, tendo à frente o engenheiro João Felipe Pereira, trabalho interrompido com a revolta de 24/01/1912.

1911 – julho – 02 – Inaugura-se a sala de projeções do Cine-Teatro Polytheama, da empresa Rola, Irmão & Companhia, na Rua Major Facundo, na Praça do Ferreira, com o filme “Pedra”, da Pathé-Frères.

1911 – julho – 09 – Instala-se, no templo de Nossa Senhora do Carmo, pelo monsenhor Pedro Hermes Monteiro, a Conferência de Santo Afonso Maria de Gregório, que funcionou naquele templo até 30/12/1984.

1911 – julho – 18 – Funda-se a Sociedade de História e Geografia do Ceará, com o número limitado de 20 sócios, admitindo senhoras.

1911 – julho – 26 – Inicia-se, indo até o dia 30, a Reunião dos Excelentíssimos Reverendíssimos Bispos do Norte do Brasil, com sede em Fortaleza, com a presença de oito bispos, um prelado, um vigário um arcebispo e um primaz.

1911 – julho – 30 – Morre, no Rio de Janeiro, aos 34 anos de idade, José Nava, médico. Foi membro da Padaria Espiritual, onde usava o pseudônimo de Gil Navarra. Pai de Pedro Nava.

1911 – agosto – 16 – Manuel Soriano de Albuquerque, Antônio Augusto de Vasconcelos e Antônio Arruda fundam o Curso de Ciências e Línguas, de acordo com os programas de admissão das escolas de direito, medicina e engenharia, farmácia e odontologia. Funcionava na Rua Sena Madureira nº 42 e era secretariado por Vicente de Arruda Gondim (Vicente Gondim).

1911 – agosto – 28 – O capitão de corveta Ernesto Mafaldo de Oliveira deixa o cargo de Capitão do Porto do Ceará com o capitão-tenente Virgilio de Mesquita Barros, que assume interinamente, pela 4ª vez.

1911 – setembro – 09 – Chega o novo titular da Capitania do Porto do Ceará, Antônio da Silva Braga, que assume, recebendo o cargo do interino Virgilio de Mesquita Barros.

1911 – outubro – 02 – Morre, em Fortaleza, Raimundo Bizarria, cearense de Tauá, jornalista e poeta radicado na Bahia. Publicou vários livros. Hoje é nome de rua no Jardim Iracema.

1911 – outubro – 05 – Funda-se, em Fortaleza, na Rua Senador Pompeu nº 262 (antigo), a Escola Polymáthica do Ceará, por Manuel Soriano de Albuquerque e Antônio Augusto de Vasconcelos.

1911 – outubro – 29 – Morre, no Rio de Janeiro, com a idade de 63 anos, o bacharel e intelectual, ex-deputado, Tristão de Alencar Araripe Júnior, cearense de Fortaleza onde nascera no dia 27/06/1848. Era membro da Academia Brasileira de Letras – ABL e do Instituto Histórico Brasileiro. Hoje é nome de rua no Cambeba.

1911 – dezembro – 06 – Fundada a Escola Humanidade Nova, no sobrado do Barão de Ibiapaba, esquina da Rua Major Facundo nºs 216/220, com Rua Senador Alencar, por Boanerges de Queirós Facó (Boanerges Facó), Moacir Caminha, Francisco Irineu de Araújo Filho (Irineu Filho), Clóvis Vasconcelos e Valdivino Tabosa Freire. Fechou no ano seguinte.

1911 – dezembro – 21 – Lançamento do nome do coronel Marcos Franco Rabelo como candidato à presidência do Estado do Ceará em substituição a Accioly.

1911 – dezembro – 23 – Inaugurada a linha de bondes de tração animal do Tiro Cearense, na Aldeota.

1911 – Surge a Tabacaria Hildebrando, de Francisco Hildebrando de Arruda, na Rua Floriano Peixoto nº 12-A, na então Praça José de Alencar, hoje Largo do Correio, entre outras com a marca de Cigarros Phenistas.

1911 – Funda-se, em Fortaleza, a Casa Ponte, por Vicente F. Ponte, com comércio em grosso de estivas, miudesas, ferragens, louças, calçados e artigos para sapateiros.

1911 – A estimativa populacional para este ano acusou 65.875 habitantes em Fortaleza.

1911 – As chuvas que banharam Fortaleza durante o ano atingiram na medição pluviométrica 1.479,9 milímetros.

 

1912

1912 – janeiro – 01 – Abre-se, em Fortaleza, a Casa Petrópolis, mercearia de estivas em grosso e a retalho, na Rua Major Facundo nº 131 (antigo), de J. Sobreira.

1912 – janeiro – 07 – Inaugura-se, na Praça do Ferreira, o Café-Restaurante Heráclito, de propriedade da firma Heráclito A. de Sousa & Companhia.

1912 – janeiro – 09 – Chega em Fortaleza, a bordo do vapor “Pará”, procedente do Rio de Janeiro, o coronel José Faustino da Silva, para assumir como inspetor da 4ª Região Militar – 4ªRM, recentemente nomeado pelo governo federal. Recebe o cargo das mãos do capitão Jacinto Torres Júnior, que ocupava o cargo interinamente.

1912 – janeiro – 09 – Publica-se em Fortaleza o primeiro número do Jornal da Manhã, órgão matutino, independente, de propriedade e direção do jornalista Luís Santos.

1912 – janeiro – 14 – A Liga Feminista Pró Rabelo promove uma passeata em prol da candidatura do coronel Marcos Franco Rabelo à Presidência do Estado, saindo o préstito do Passeio Público às 16h.

1912 – janeiro – 21 – Realiza-se a “Passeata das Crianças pró-candidatura Franco Rabelo ao Governo Estadual. Já haviam acontecido duas outras, a “das moças” e a “das Senhoras”, promovidas pela Liga Feminina Pró-Rabelo. Esta, a das crianças, foi dissolvida pela cavalaria do governo de Acioli, resultando mortos e feridos.

1912 – janeiro – 24 – Após muita confusão nas ruas de Fortaleza, quando da realização de passeata pró-candidatura Franco Rabelo, é deposto o então presidente do Estado, Comendador Antônio Pinto Nogueira Acioli, sendo incendiadas, pela população, as casas do presidente Acioli, na esquina da Travessa Municipal (Rua Guilherme Rocha) com Rua 24 de Maio, e a do intendente coronel Guilherme César da Rocha (Guilherme Rocha), que fechava a Travessa Municipal na altura da hoje Praça Gustavo Barroso (Praça do Liceu). Também foi incendiada a Fábrica Progresso, do comendador Acioli. Substitui interinamente no governo, o coronel Antônio Frederico de Carvalho Mota, e na Intendência, João Marinho de Albuquerque Andrade. O Comendador Antônio Pinto Nogueira Acioli nascera em 11/10/1840 no Icó, CE. Foi deputado e Senador do Império e da República. Governou o Ceará em três quadriênios. Guilherme César da Rocha nascera em Fortaleza, CE, no dia 16/08/1846. Foi agente do Loide Brasileiro no Ceará e Intendente de Fortaleza deixando várias obras entre elas a primeira urbanização da Praça do Ferreira, Praça Marquês do Herval (atual Praça José de Alencar) e Praça Caio Prado (Praça da Sé).

1912 – janeiro – 24 – O comandante do Batalhão de Segurança (Polícia Militar do Ceará-PMC), coronel Raimundo Augusto Borges entrega o cargo ao major João da Costa Pinheiro.

1912 – janeiro – 26 – Assume o cargo de Chefe de Polícia do Estado, cargo equivalente ao hoje Secretário de Segurança Pública e Defesa da Cidadania, o jurista João Batista Vieira.

1912 – janeiro – 26 – Morre, assassinado, em Natal, RN, o advogado Antônio Acioli, cearense de Fortaleza nascido em 06/11/1880. O assassino tencionava matar seu pai, o comendador Antônio Pinto Nogueira Acioli, que fugia após ser deposto.

1912 – janeiro 29 – A Rua Municipal passa a chamar-se Rua 24 de Janeiro, em homenagem à revolta que depôs o governo Acioli. Hoje chama-se Rua Guilherme Rocha.

1912 – janeiro – 30 – Em todo o Estado eleições para escolha de um senador e dez deputados federais.

1912 – janeiro – 31 – Ato do Governo Estadual muda o nome do Batalhão de Segurança para Batalhão Militar do Ceará que é reorganizado. Hoje é a Polícia Militar do Ceará.

1912 – janeiro – Surge no cenário comercial de Fortaleza a Funilaria São José, de propriedade de H. R. de Oliveira, na Rua Floriano Peixoto nº 217 (antigo).

1912 – fevereiro – 03 – Chega, no paquete “Orion”, o 51º Batalhão de Caçadores, sob o comando do major José Cândido Rodrigues, vindo de São João D’El Rei, Minas Gerais, aquartelando-se por tempo indeterminado no quartel do Batalhão de Segurança, no Outeiro.

1912 – fevereiro – 03 – Presta juramento e toma posse, no cargo de Intendente Municipal, João Marinho de Albuquerque Andrade.

1912 – fevereiro – 04 – Surge em Fortaleza o jornal 24 de Janeiro, publicação bi-semanal redatoriada por Boanerges de Queirós Facó (Boanerges Facó), Moacir Caminha, Francisco Irineu de Araújo Filho (Irineu Filho) e Paulo Domingues.

1912 – fevereiro – 09 – Chega o 3º Bispo do Ceará, Dom Manuel da Silva Gomes, que toma posse no dia oito de dezembro.

1912 – fevereiro – 11 – Sai, em Fortaleza, o primeiro número O Ceará Livre, publicação bi-semanal da candidatura do coronel Marcos Franco Rabelo.

1912 – fevereiro – 13 – Começa a circular, em Fortaleza, a Folha do Povo, jornal diário de Hermenegildo de Brito Firmeza (H. Firmeza) e Adonias Lima que, em 1920, transformou-se no Diário do Ceará, órgão oficial do governo Justiniano de Serpa e cuja publicação encerrou-se em 1930. A sede era na Rua Barão do Rio Branco hoje nº 1260.

1912 – fevereiro – 13 – Morre, às 10h, em Porangaba (Parangaba), o comerciante, abolicionista, coronel João da Costa Bastos (coronel João Bastos), português nascido em Cabeceira de Bastos a 01/05/1839. Foi sepultado no Cemitério de São João Batista em Fortaleza.

1912 – fevereiro – 18 a 20 – Ocorrem na Cidade os festejos carnavalescos nos clubes e nas ruas.

1912 – fevereiro – 24 – Surge em Fortaleza o jornal O Libertador, patriota, de um grupo de rabelistas, destinado à propaganda da candidatura do coronel Marcos Franco Rabelo.

1912 – fevereiro – 25 – Chega no porto de Fortaleza (Ponte Metálica) o vapor “Bahia”, que traz o jornalista Manuel Solon Rodrigues Pinheiro (Solon Pinheiro), cearense residente no Amazonas.

1912 – fevereiro – 25 – Morre, aos 37 anos de idade, o engenheiro civil, matemático Oto de Alencar e Silva, um dos maiores matemáticos do Brasil e também músico. Nascera a 03/08/1874 em Fortaleza. Em sua homenagem existe hoje em Fortaleza a Rua Oto de Alencar, no Jacarecanga.

1912 – fevereiro – 29 – Assume o comando da 4ª Região Militar, sediada em Fortaleza, o coronel Celestino Alves Bastos, que chegara no dia anterior a bordo do navio “Alagoas”, procedente do Sul. Substituiu o coronel José Faustino da Silva.

1912 – fevereiro – Instalou-se, em prédio na Rua Floriano Peixoto nº 262 (antigo, atual 470), a firma Lundgren & Cia. Ltda., com as casas A Pernambucana, que foi incendiada em 18/08/1942, no quebra-quebra, na época da 2ª Guerra Mundial. O endereço na época era Praça José de Alencar nº 74.

1912 – março – 01 – O pessoal da Rede de Viação Cearense – RVC entra em greve por melhora de salários e garantia de empregos.

1912 – março – 07 – Funda-se, no Colégio Humanidade Nova, no sobrado do Barão Ibiapaba, na esquina da Rua Major Facundo com Rua Senador Alencar, onde hoje fica uma agência do Bradesco, o Centro Tipográfico Cearense, deliberando ao mesmo tempo não cooperarem seus membros com a candidatura do general Bezerril Fontenele, bem como impedir o aparecimento do jornal A Tribuna, órgão da dita candidatura.

1912 – março – 09 – Assume a Inspetoria de Obras Contra as Secas – IOCS (hoje Departamento Nacional de Obras Contra as Secas – DNOCS), o engenheiro José Aires de Sousa, substituindo Miguel Arrojado Ribeiro Lisboa (Arrojado Lisboa).

1912 – março – 10 – O aviador Gianfelice Giano cai por terra, quando tentava subir ao ar num aparelho Bleriot, ao fazer sua 1ª ascensão, nada sofrendo, no Sport Cearense, Campo do Prado (espaço hoje ocupado pelo Centro Federal de Educação Tecnológica do Ceará – Cefet, ex-Escola Técnica Federal do Ceará). No mesmo mês, no dia 31, consegue elevar-se ao ar, sendo aplaudido pela pequena multidão presente.

1912 – março – 12 – Entram em greve os tipógrafos de Fortaleza, exigindo aumento de salários e diminuição das horas de trabalho.

1912 – março – 14 – Funda-se em Fortaleza o Clube dos Repórteres, primeira entidade da classe jornalística no Ceará, de duração efêmera. Instalou-se no dia 23.

1912 – março – 15 – Chega ao porto de Fortaleza (Ponte Metálica), às 10h da manhã, o vapor “Manaus”, trazendo a bordo o tenente coronel Marcos Franco Rabelo, candidato do povo à Presidência do Ceará para o quadriênio 1912-1916.

1912 – março – 24 – Domingo, funda-se em Fortaleza, a Associação dos Oficiais Barbeiros, ficando a posse da diretoria para a sessão a realizar-se no domingo seguinte.

1912 – março – 27 – Chega a Fortaleza 49º Batalhão de Caçadores, procedente do Recife, PE, comandado pelo coronel Jesuíno de Albuquerque, com um efetivo de 679 praças e trazendo duas metralhadoras.

1912 – abril – 08 – Mudam-se os escritórios da Fábrica de Charutos Havaneza para Rua Sena Madureira nº 25-27 (antigos), prédio anexo à fábrica e seu proprietário, J. Fernandes avisa que seus charutos “Turcos” encontram-se à venda na charutaria da Maison Art Nouveau, na esquina da Rua Major Facundo com Rua Guilherme Rocha, na Praça do Ferreira.

1912 – abril – 11 – Acontecem eleições para Presidente do Estado, tendo como candidatos o General Bezerril Fontenele e o tenente coronel Marcos Franco Rabelo, saindo vencedor este segundo, com esmagadora maioria, pois enquanto o general Bezerril obtem 210 votos, Franco Rabelo tem 1.491.

1912 – abril – 25 – Deixa o exercício do cargo de inspetor da 4ª Região Militar o coronel Celestino Alves Bastos, sendo substituído pelo coronel Jesuíno de Albuquerque.

1912 – abril – 25 – Assume, o comando do 49º Batalhão de Caçadores, o major Cirilo Fernandes, substituindo o coronel Jesuíno de Albuquerque.

1912 – abril – 28 – Inaugurado o prédio do Centro Artístico Cearense, na esquina da Avenida Tristão Gonçalves nº 1008 com Avenida Duque de Caxias. Hoje nada mais existe do prédio, no local há a extensão da firma Acal.

1912 – maio – 09 – Lançamento da pedra fundamental da usina e casa das máquinas para bondes (Tramways) elétricos de Fortaleza, da The Ceará Tramway Light & Co., no Passeio Público (Usina). A Estação Central era no chamado calçamento de Messejana, depois Boulevard Visconde do Rio Branco, entre a Rua Padre Valdivino e a Rua da Bomba (hoje Rua João Brígido).

1912 – maio – 29 – Morre, em Fortaleza, aos 50 anos de idade, o bacharel em direito Antônio Adolfo Coelho de Arruda (Antônio Arruda), cearense de Sobral nascido a 28/02/1862. É hoje nome de rua no bairro Cristo Redentor (Tirol).

1912 – junho – 06 – São transferidos os direitos da Companhia Ferro-Carril do Ceará (bondes de tração animal), já da firma J. Pontes & Companhia, para a The Ceará Tramway Light & Cº Ltd.

1912 – junho – 10 – Fundado o Centro Espírita Cearense, na Rua Teresa Cristina nº 255. Em 1955 transformou-se em União Espírita Cearense, com sede na Avenida Tristão Gonçalves nº 1695.

1912 – junho – 10 – O Batalhão Militar do Estado (hoje Polícia Militar do Ceará) muda-se para o prédio da Praça Márquez do Herval (Praça José de Alencar).

1912 – junho – 17 – Parte desta Capital o 49º Batalhão de Caçadores – 49BC, com destino à Paraíba, deixando lugar para o aquartelamento do 56º Batalhão de Caçadores.

1912 – junho – 17 – Chega a Fortaleza, no paquete Minas Gerais, o 56º Batalhão de Caçadores – 56ºBC, sob o comando do coronel Olímpio Agobar de Oliveira, que por superioridade hierárquica assume o cargo de Inspetor da 4ª Região Militar sucedendo ao tenente-coronel José Caetano de Farias.

1912 – junho – 18 – O tenente-coronel José Caetano de Farias assume o comando do 51º Batalhão de Caçadores – 51ºBC, substituindo o major José Cândido Rodrigues.

1912 – junho – 19 – Embarca na Ponte Metálica, de regresso a Pernambuco, o 49º Batalhão de Caçadores, a bordo do vapor “Minas Gerais”.

1912 – junho – 30 – O Jornal da Manhã encerra seu concurso de beleza feminina dando como eleitas as senhoritas Núbia Bayma (1564 votos), Alice Napoleão (1377) e Edith Lima (1371).

1912 – junho – São lançados os Cigarros Libertador, alusão ao futuro presidente do Estado, coronel Marcos Franco Rabelo, cujo retrato figura na frente da carteira (maço).

1912 – julho – 01 – Inauguração em Fortaleza do Hotel Nóbrega, da firma Nóbrega & Cabral, localizado nos altos da Mercearia Guedes, na Rua Major Facundo nº 46 (antigo).

1912 – julho – 08 – Funda-se, em sessão solene no Clube Iracema, a Confederação Estudantal, sob a presidência de Manuel Soriano de Albuquerque.

1912 – julho – 10 – Iniciam-se, obedecendo ao decreto 9.657, os trabalhos de construção da via férrea de Fortaleza a Itapipoca, visando unir a Rede de Viação Cearense – RVC, à de Sobral.

1912 – julho – 12 – Deixa a administração do Estado o coronel Antônio Frederico de Carvalho Mota, assumindo, interinamente, o presidente da Assembleia, coronel Belisário Cícero Alexandrino, até entregar ao coronel Marcos Franco Rabelo.

1912 – julho – 14 – Chega a esta capital, no vapor “Maranhão”, o coronel Marcos Franco Rabelo, presidente eleito do Estado, obtendo brilhante recepção popular nas ruas. No mesmo dia assume a administração do Estado, às 14h, recebendo o governo das mãos do presidente da Assembleia, coronel Belisário Cícero Alexandrino.

1912 – julho – 14 – Surge em Fortaleza o jornal político A Imprensa, editado pela Tipo-Litografia a Vapor sob direção de Eugênio Gadelha.

1912 – julho – 18 – Assume como Intendente Municipal de Fortaleza, Ildefonso Albano.

1912 – julho – 19 – Assume a Chefia de Polícia deste Estado Álvaro Teixeira de Sousa Mendes (Álvaro Mendes). O cargo equivale hoje ao de Secretário de Segurança Pública e Defesa da Cidadania.

1912 – julho – 19 – Assume o comando da 3ª Região Militar sediada em Fortaleza, o capitão Antônio Ferreira Dias, comandante da 2ª Companhia isolada de caçadores.

1912 – julho – 21 – Inaugura-se o Prédio Vicentino, da Sociedade de São Vicente de Paulo, na Rua Jaime Benévolo nº 51, na Praça Coração de Jesus, com uma bonita alegoria pintada por Raimundo Ramos Filho (R. Ramos) “Ramos Cotoco”, no salão principal, pintura que desapareceu com as reformas realizadas nas administrações posteriores.

1912 – julho – 31 – Embarca com destino a São João Del Rei, Minas Gerais, o 51º Batalhão de Caçadores.

1912 – agosto – 03 – Em Fortaleza o dueto Os Geraldos, que estréia no palco do Cine Teatro Polytheama. O dueto era formado por Geraldo Magalhães e uma mulher que variava. Já estiveram na dupla Nina Teixeira, Alda Soares e Margarita.

1912 – agosto – 08 – Falece nesta Capital o tipógrafo Felipe da Cunha Bezerra, sócio do Centro Tipográfico Cearense.

1912 – agosto – 11 – Falece em Fortaleza, com mais de 90 anos de idade, o mestre pedreiro José Morcego.

1912 – agosto – 14 – Fundada em Fortaleza a Ordem da Cruz Vermelha, com o fim de pugnar em prol das classes desamparadas, que hoje são chamadas de excluídos.

1912 – agosto – 14 – Encerrado o concurso de elegância do Jornal do Ceará, que elege Olindina Montezuma (com 1.460 votos), Cecy Cruz (1.319) e Laura Monte (1.015).

1912 – agosto – 17 – Demitido, da diretoria da Escola de Aprendizes Artífices, Sebastião Cavalcante, sendo substituído por Joaquim Lino da Silveira Filho.

1912 – agosto – 18 – Fundada em Fortaleza a Sociedade Deus e Mar, associação benemérita composta de homens do mar, que mereceu entre outras coisas, uma marca de cigarros. Seu primeiro presidente foi Cândido Elisiário da Cunha.

1912 – agosto – 20 – Morre João Adolfo Barcelos, entusiasta que batalhou pelo levantamento da estátua do general Sampaio erguida na Praça Castro Carreira inaugurada em 24/05/1900 e que após peregrinação está nos jardins da 10ª Região Militar.

1912 – agosto – 28 – Exonerado do comando do Batalhão Militar do Estado (hoje Polícia Militar do Ceará), o 1º tenente João da Costa Pinheiro sendo substituído pelo 2º tenente Alípio Lopes Lima Barros.

1912 – setembro – 03 – Nomeado, para a direção da Escola de Aprendizes Artífices, o jornalista Hermenegildo de Brito Firmeza (H. Firmeza), do jornal Folha do Povo.

1912 – setembro – 07 – Com festa solene, inaugura-se o Sport Cearense, com exibição hípica no hipódromo do Benfica, conhecido depois como Prado, local hoje ocupado pelo Centro Federal de Educação Tecnológica do Ceará – Cefet, exEscola Técnica Federal do Ceará. Foi o primeiro estádio oficial de Fortaleza.

1912 – setembro – 07 – Inaugura-se o novo Cinema Di Maio, na Maison Art-Nouveau, na esquina da Rua Guilherme Rocha com Rua Major Facundo, na Praça do Ferreira.

1912 – setembro – 07 – Reinaugura-se, no Passeio Público, o Café Caio Prado, em quiosque de ferro e madeira.

1912 – setembro – 08 – Inaugurado, na Rua Major Facundo, o Bar Vitória, de propriedade de Homero Barbosa Lima & Companhia.

1912 – setembro – 09 – Morre, em Fortaleza, o coronel José Gomes Barbosa, antigo comerciante e presidente da Beneficente Portuguesa Dous de Fevereiro.

1912 – outubro – 10 – Acontece um eclipse parcial do sol, que se inicia às 9h25min, atingindo seu ponto máximo às 10h44min e terminando às 12h.

1912 – outubro – 12 – Fundada a associação Recreio Literário, que tem como presidente Mílton Mourão Matos, tesoureiro Abdon Silva Góes e secretário Edmundo Vitoriano Pereira.

1912 – outubro – 14 – Segunda-feira, é publicado, como suplemento do jornal “Folha do Povo”, o tablóide intitulado Parte Oficial, ano I, nº 1, órgão oficial do governo de Marcos Franco Rabelo.

1912 – outubro – 20 – Funda-se em Fortaleza a União dos Carpinteiros, tendo Antônio Porfírio do Carmo como seu primeiro presidente.

1912 – outubro – 27 – Fundada mais uma associação de classe, a União dos Pedreiros, sob a presidência de Antônio Cândido.

1912 – outubro – 27 – Toma posse, na Capitania do Porto do Ceará, o capitão-tenente Virgílio de Mesquita Barros, pela 5ª vez como interino, substituindo desta vez o capitão de corveta Antônio da Silva Braga.

1912 – outubro – Fundado em nossa Capital, o Rio Negro Foot-ball Club.

1912 – novembro – 09 – A Sociedade Artística Beneficente de Fortaleza, inaugura sua nova sede, na Rua Barão do Rio Branco nº 223 (antigo)

1912 – novembro – 10 – Inaugura-se, na Praça Caio Prado nº 7, a Lavanderia Cearense, propriedade de Manuel Franco & Cia.

1912 – novembro – 26 – Morre, em Fortaleza, Canuto Procópio de Sousa, oficial reformado do extinto Batalhão de Segurança do Estado.

1912 – dezembro – 01 – Irrompe, violento incêndio no prédio sede em Fortaleza da Inspetoria de Obras Contra as Secas – IOCS (hoje Departamento Nacional de Obras Contra as Secas – DNOCS), Palacete do coronel Carvalho Mota, na esquina da Rua General Sampaio com Rua Pedro Pereira, destruindo dezenas de importantes documentos e projetos. O incêndio foi considerado criminoso havendo várias prisões de funcionários e engenheiros.

1912 – dezembro – 08 – Toma posse, solenemente, em Fortaleza, o 3º Bispo do Ceará, Dom Manuel da Silva Gomes.

1912 – dezembro – 24 – São criadas mais cinco cadeiras no Instituto do Ceará (Histórico, Geográfico e Antropológico), que passam a ser ocupadas por cinco ilustres membros de nossa sociedade: Manuel Soriano de Albuquerque, Rodolfo Marcos Teófilo (Rodolfo Teófilo), Bruno Rodrigues da Silva Figueiredo (Monsenhor Bruno), Antônio Teodorico da Costa Filho e Álvaro Otacílio Nogueira Fernandes (Álvaro Fernandes).

1912 – Fundada a Fábrica Aliança, de panificação mecânica, de R. Feijó, na Avenida Tristão Gonçalves nºs 122/130 (atuais 282/290), esquina com Rua São Paulo nºs 258/264 (antigos). Produzia as bolachas “Avenida”, “Cearense” “Biju”, “Maria”, “Soda” “Água e sal”, “Estrela” e “Ceará”. Depois pertenceu a Manuel Marques da Cunha, da firma Cunha & Companhia Limitada.

1912 – Era de 70.000 a quantidade de habitantes existentes em Fortaleza, no ano, conforme estimativa realizada na época.

1912 – Volta a chover muito em Fortaleza durante o ano. Foram acusados nos pluviômetros, 2.663,2 milímetros de chuva.

 

1913

1913 – janeiro – 04 – Fundado o Colégio Cearense Sagrado Coração, pelos esforços do cônego Climério Chaves, padre Misael Gomes da Silva, monsenhor Otávio de Castro e monsenhor José Alves Ribeiro Quinderé (Monsenhor Quinderé). Funcionou na Rua da Amélia nº 146 (Rua Senador Pompeu), Rua 24 de Maio, na praça Marquês do Herval (atual Praça José de Alencar), onde depois esteve a Rádio Iracema, indo depois para a Rua Barão do Rio Branco, no local onde hoje se levanta o Edifício Diogo e por fim foi para prédio próprio na Avenida Duque de Caxias nº 37(antigo, hoje 101), em 1917. Em 1916, a administração passara para os Irmãos Maristas, sendo seu primeiro diretor o Irmão Epifânio. Em 1931, editou a revista Verdes Mares….

1913 – janeiro – 14 – Morre, em Fortaleza, aos 68 anos de idade, o médico e professor João da Rocha Moreira (João Moreira), sendo sepultado no Cemitério de São João Batista. Era cearense de Fortaleza, nascido em 01/02/1845.

1913 – fevereiro – 02 – Surge, em Fortaleza, a Socialistas Obreiros Liberais, sociedade de amparo e auxílio mútuo às classes proletárias, inaugurando-se na Rua Senador Pompeu nº 77, sendo aclamado presidente Honório Teixeira.

1913 – fevereiro – 02 a 04 – O carnaval em Fortaleza é comemorado normalmente.

1913 – fevereiro – 09 – Fundada, no Boulevard Visconde de Cauípe (Avenida da Universidade), a Padaria Literária. O primeiro presidente foi Cornélio Diógenes. No ano seguinte mudou-se para a Rua General Bezerril nº 7 (antigo).

1913 – fevereiro – 20 – Fundado o Centro Médico Cearense, que se instala solenemente no dia 25/03 do mesmo ano, inspiração do Guilherme Chambly Studart (Barão de Studart). Funcionou em prédio na Rua Pedro I nº 997 e na Rua Sena Madureira nº 853. A primeira diretoria do Centro Médico Cearense foi composta por: Presidente – Barão de Studart; 1º Vice Presidente – Francisco de Paula Rodrigues; 2º Vice Presidente – João Marinho de Albuquerque Andrade; 3º Vice Presidente – Eduardo da Rocha Salgado (Eduardo Salgado); Secretário Geral – Manoel Teófilo Gaspar de Oliveira; 1º Secretário – Afonso de Pontes Medeiros; 2º Secretário – Rodolfo Bezerra de Menezes; Tesoureiro – Gentil Pedreira; Oradores – José Lino da Justa e Álvaro Otacílio Nogueira Fernandes (Álvaro Fernandes); Presidente Honorário – Rufino de Alencar Rodovalho.

1913 – março – 12 – O Batalhão de Segurança passa a denominar-se Batalhão Militar. Hoje é a Polícia Militar do Ceará.

1913 – março – 15 – Morre, aos 66 anos incompletos, o abolicionista Joaquim José de Oliveira Filho, livreiro. Era natural de Fortaleza onde nascera a 21/03/1847.

1913 – março – 18 – Fundado o Clube dos Diários, nascido de uma dissidência do Clube Iracema, e que se instalou no dia 23, no Palácio Guarani, no mesmo local antes ocupado pela Associação Comercial do Ceará. Depois juntou-se ao Clube Iracema, denominando-se Clube Diários-Iracema.

1913 – abril – 06 – Bênção e inauguração, da Capela mandada construir por Alfredo da Rocha Salgado (Alfredo Salgado), no Jacarecanga, com missa rezada pelo Bispo Dom Xisto Albano, a Igreja de Nossa Senhora dos Navegantes, no Boulevard Jacarecanga, hoje Avenida Filomeno Gomes. Depois foi demolida e construída outra no local.

1913 – maio – 13 – A Tertúlia Clóvis Bevilaqua é fundada por estudantes da Faculdade de Direito, com sede em casa da Rua Barão do Rio Branco nº 52, altos, tendo como primeiro presidente José Campos de Góis Teles.

1913 – maio – 19 – Fundado, às expensas do Governo Estadual, por iniciativa do médico Abdegado da Rocha Lima, sendo secretário do interior do Estado o Frota Pessoa o Instituto de Proteção e Assistência à Infância do Ceará, funcionando em prédio na Rua Major Facundo, esquina com Pedro I, local depois ocupado pela Labofarma e pelo Núcleo de Educação para o Trabalho da Legião Brasileira de Assistência – LBA, que Posteriormente mudar-se-ia para a Avenida Soriano Albuquerque nº 230, no Joaquim Távora.

1913 – maio – 19 – O coronel Guilherme César da Rocha (Guilherme Rocha) toma posse no cargo de administrador do Correio, para o qual fora nomeado no dia 15, substituindo o coronel José Pinto Coelho de Albuquerque.

1913 – maio – 27 – Morre em Fortaleza o advogado e jornalista na função de juiz substituto federal, Antônio de Amorim Garcia, nascido em Fortaleza no dia 29/09/1850.

1913 – junho – 11 – Fundada a Faculdade de Letras, pelos professores Manuel Soriano de Albuquerque, Antônio Augusto de Vasconcelos e Epaminondasda Frota, funcionando em prédio na Rua Barão do Rio Branco nº 52.

1913 – junho – 19 – Funda-se, sob os auspícios do Sr. Arcebispo Metropolitano, o Círculo dos Operários Católicos de Fortaleza, tendo à frente o padre Jerônimo de Castro.

1913 – junho – 24 – Assentamento da primeira pedra do novo prédio da Fênix Caixeiral, na esquina da Rua 24 de Maio nº 446 com Rua Guilherme Rocha nº 648, local antes ocupado pela residência do Presidente Antônio Pinto Nogueira Acioli, incendiada quando de sua deposição da Presidência do Estado em 24/01/1912.

1913 – julho – 14 – Sai o primeiro número da revista mensal, Tertúlia, órgão da Tertúlia Clóvis Bevilaqua.

1913 – julho – 15 – Morre, na Suíça, aos 33 anos de idade, o poeta, cientista e jornalista Tomás Pompeu Lopes Ferreira (Tomás Lopes), autor dos versos do Hino do Ceará, que recebeu música de Alberto Nepomuceno. Tem seu nome hoje numa rua da Praia de Iracema. Era cearense de Fortaleza onde nascera a 16/11/1879.

1913 – agosto – 01 – Assume a Inspetoria de Obras Contra as Secas – IOCS (hoje Departamento Nacional de Obras Contra as Secas – DNOCS) o engenheiro Aarão Leal de Carvalho Reis (Aarão Reis), em substituição a José Aires de Sousa.

1913 – agosto – 14 – Instalada a agência do Banco do Brasil em Fortaleza, sob a direção do Conselheiro João Alfredo Correia de Oliveira, numa casa na Rua Barão do Rio Branco, tendo como gerente Francisco Barbosa de Paula Pessoa, passando em julho de 1914 para o Palacete Brasil; na Rua General Bezerril na Praça General Tibúrcio; em 1925, foi para a esquina da Rua São Paulo com Rua Floriano Peixoto nº 434, em sede própria; e em 07/03/1942 para outra sede própria, na Praça Waldemar Falcão (hoje agência metropolitana José de Alencar) e finalmente para a Avenida Duque de Caxias, esquina com Rua Barão do rio Branco, na Praça do Carmo.

1913 – agosto – 15 – Sai o primeiro número do jornal O Trabalho.

1913 – agosto – 16 – Publicado o primeiro número do jornal Ceará Operário.

1913 – agosto – 18 – Iniciada a construção do novo prédio da Fênix Caixeiral, na esquina da Rua Guilherme Rocha com Rua 24 de Maio, local antes ocupado pela residência do ex-presidente Antônio Pinto Nogueira Acioli.

1913 – agosto – 19 – Morre, aos 69 anos de idade, o médico Manuel Sátiro de Oliveira Dias (Sátiro Dias), ex-presidente da Província, ex-deputado, baiano de Inhambupe onde nascera a 12/01/1844. Existe hoje uma rua com seu nome no Bom Futuro e Parreão.

1913 – agosto – 24 – Colocada a pedra fundamental do monumento a Pedro II, na Praça Caio Prado (Da Sé).

1913 – setembro – 01 – Assume o comando da Capitania do Porto do Ceará, o capitão de corveta Fernando Araripe, substituindo o capitão-tenente Virgílio de Mesquita Barros, que vinha respondendo interinamente pelo cargo.

1913 – setembro – 07 – Inaugura-se, solenemente, na Praça Caio Prado (Praça da Sé), a estátua de D. Pedro II, feita com subscrição pública. Na ocasião vários oradores usaram da palavra. No pedestal do monumento a data está errada, isto é, 1912. É obra do artista Auguste Maillard, fundida por H. Gonot, de Paris. O pedestal foi feito por João Nogueira, e o contramestre José Nunes.

1913 – setembro – 21 – Inaugura-se, em Fortaleza, na esquina da Rua Major Facundo com Rua Guilherme Rocha, nos baixos do Sobrado do Comendador Machado, o Café Riche, propriedade de Alfredo da Rocha Salgado (Alfredo Salgado) e Luiz Severiano Ribeiro (Sênior).

1913 – setembro – 24 – Toma posse, no cargo de Chefe de Polícia do Estado, o advogado José Martins de Freitas.

1913 – outubro – 09 – Início, precisamente às 16h30min, do funcionamento da Usina do Passeio Público e dos bondes de tração elétrica, da The Ceará Tramway Light & Co., em substituição aos de tração animal, sendo a primeira linha do Joaquim Távora, que saía da Praça do Ferreira pela Rua Major Facundo, dobrava à esquerda na Rua Pedro I e ia até o Parque da Liberdade, dobrando à direita na Avenida Visconde do Rio Branco e voltando pela mesma avenida, Rua Pedro I, dobrando à esquerda na Rua Floriano Peixoto e chegando na Praça do Ferreira. Mas os bondes puxados a burros ficariam ainda por algum tempo, administrados também pela Light.

1913 – novembro – 20 – Os trabalhos da Estrada de Ferro Fortaleza a Itapipoca (linha norte) são suspensos.

1913 – dezembro – 01 – Chega em Fortaleza, procedente do Recife, o 49º Batalhão de Caçadores composto de 60 praças sob o comando do major Cândido Borges Castelo Branco. O batalhão já estivera em Fortaleza.

1913 – dezembro – 04 – Toma posse, no comando da Capitania dos Portos, o capitão-tenente Gd PM João Tavares Iracema, em caráter interino, substituindo o capitão de corveta Fernando Araripe, titular do cargo.

1913 – dezembro – 06 – Funda-se em Fortaleza a sociedade Paz e Caridade, organizada por um grupo de senhoras da sociedade cearense, com a diretoria: Presidente – Amélia Salgado; 1ª Vice Presidente – Raimundo Burlamaqui Freire; 2ª Vice Presidente – Alfa Albano; 1ª Secretária – Graziela Ribeiro; 2ª Secretária – Mocinha Frota; 3ª Secretária – Carlota Moraes; e Tesoureira – Maria Júlia Albano.

1913 – dezembro – 11 – Inaugura-se a linha de bondes de tração elétrica da linha do Alagadiço, que saindo da Praça do Ferreira pela Rua Major Facundo dobrava à direita na Rua Clarindo de Queirós indo até a Praça Paula Pessoa (São Sebastião), Avenida Bezerra de Menezes e voltando pelo mesmo caminho até chegar a Rua Clarindo de Queirós, onde segue até a Praça do Carmo, dobrando na Avenida Duque de Caxias e entrando pela Rua Floriano Peixoto para voltar à Praça do Ferreira.

1913 – dezembro – 12 – Morre, em Fortaleza, o guarda-livros e professor João de Alencar Araripe (João Araripe), que fez parte do Centro Literário e era vice-presidente da Fênix Caixeiral. Era cearense de Fortaleza.

1913 – dezembro – 29 – Surge em Fortaleza sob direção de Franklin Ribeiro Rego o hebdomadário Liberdade, órgão dos funcionários públicos.

1913 – A Fábrica Modelo de cigarros, lança em 1913, os Cigarros Mucuripe.

1913 – Fortaleza contava com uma população de 71.058 habitantes.

1913 – Caíram sobre Fortaleza chuvas medidas pelos técnicos, que somaram 1.905,7 milímetros.

 

1914

1914 – janeiro – 10 – Desembarca em Fortaleza o 48º Batalhão de Caçadores, sob o comando do tenente-coronel Artur Adacto Pereira de Melo.

1914 – janeiro – 12 – Deixa o cargo de Capitão dos Portos, o capitão-tenente Gd PM João Tavares Iracema, que vinha respondendo interinamente, passando para o 1º tenente José Sérgio Ferreira, também interino.

1914 – janeiro – 12 – Inaugurada a linha de bondes de tração elétrica da linha da Praia, dia em que circulou pela última vez um bonde de tração animal (puxado por burros), sendo o último da linha do Alagadiço, guiado pelo bolieiro Fialho. O caminho de ida da linha da Praia era pela Rua Floriano Peixoto, Rua Castro e Silva, Praça da Sé, Avenida Alberto Nepomuceno, Avenida Pessoa Anta, Avenida Almirante Tamandaré e Rua Tabajaras, voltando pelas mesmas vias até a Praça da Sé, onde toma a Travessa Crato, Rua General Bezerril e Rua Guilherme Rocha, chegando na Praça do Ferreira.

1914 – janeiro – 22 – Assume o comando da Escola de Aprendizes Marinheiros do Ceará, o capitão-tenente Benedito Ernesto Nunes Leal, que substitui o também capitão-tenente Miguel de Castro Caminha.

1914 – fevereiro – 02 – O 1º tenente José Sérgio Ferreira entrega o comando da Capitania dos Portos, a que vinha respondendo interinamente, ao capitão de corveta Alfredo Amâncio dos Santos, novo titular do cargo.

1914 – fevereiro – 03 – Morre, aos 45 anos de idade, o jornalista e político Valdemiro Cavalcante, bacharel em Direito, membro da Padaria Espiritual onde usou o pseudônimo de Ivan d’Ashoff e da Academia Cearense de Letras – ACL. É hoje nome de rua no Rodolfo Teófilo. Era cearense de Granja nascido a 26/01/1869.

1914 – fevereiro – 09 – Deixa o comando das forças federais sediadas em Fortaleza (49º Batalhão de Caçadores – 49BC) o major Cândido Borges Castelo Branco, rumo ao Recife.

1914 – fevereiro – 14 – O Círculo de Operários e Trabalhadores Católicos São José é fundado sob os auspícios do Arcebispado.

1914 – fevereiro – 14 – Inaugurada mais uma linha de bondes de tração elétrica, desta feita, a do Outeiro que vai pela Rua Floriano Peixoto, Travessa Crato, Rua Sobral, Rua São José, Rua Visconde de Sabóia, Rua Coronel Ferraz, Avenida Santos Dumont, Colégio Militar, onde volta pelo mesmo caminho.

1914 – fevereiro – 22 – Morto em combate, em Miguel Calmon, defendendo o governo Franco Rabelo dos jagunços de Juazeiro, o capitão José da Penha Alves de Sousa (J. da Penha), militar nascido a 13/05/1875 em Angicos, RN. Existe hoje uma herma em sua homenagem, na Praça José Bonifácio, sem nenhuma inscrição. A antiga Rua São Luís, por proposta do vereador João José Vieira da Costa, mudou o nome para Rua J. da Penha.

1914 – fevereiro – 22 a 24 – Dias dedicados aos festejos carnavalescos nas ruas e nos clubes.

1914 – fevereiro – Surge o jornal O Norte Philatelista, específico para colecionadores de selos do correio, impresso na Tipografia Moderna.

1914 – março – 05 – A The Ceará Light & Power Cº Ltd. suspende o tráfego dos bondes, em virtude da falta de segurança, pela ameaça da invasão dos jagunços de Juazeiro do Norte, para derrubar o Governo Estadual. Também são fechados os colégios, as repartições públicas, casas de diversões, indústrias e o comércio, pelo mesmo motivo. A cidade estava cheia de trincheiras.

1914 – março – 06 – Morre, em Fortaleza, o 1º tenente honorário da Armada, Francisco José do Nascimento, o popular Chico da Matilde, ou Dragão do Mar, prático-mor, aos 75 anos incompletos, abolicionista, membro da Cearense Libertadora. É hoje homenageado com seu nome em uma rua da Praia de Iracema, no Centro Cultural do Estado, em duas emissoras de rádio e em uma corrida tradicional de jangadas. Era cearense de Canoa Quebrada, Aracati, nascido a 15/04/1839.

1914 – março – 09 – O Governo da República decreta estado de sítio, para o Ceará, em virtude da revolta vinda de Juazeiro do Norte, conhecida como Sedição de Juazeiro, que pretendia depor o presidente do Estado Marcos Franco Rabelo.

1914 – março – 10 e 11 – Chegam os revolucionários de Juazeiro do Norte às cidades de Porangaba (Parangaba) e Messejana, chamados Jagunços..

1914 – março – 14 – O Governo da República decreta intervenção no Estado do Ceará, nomeando para Interventor o coronel Fernando Setembrino de Carvalho, comandante da guarnição Federal, que assumiu no dia 15.

1914 – março – 15 – Toma posse no cargo de Chefe de Polícia do Estado o desembargador João Firmino Dantas Ribeiro.

1914 – março – 17 – Assume, como novo Intendente Municipal, o coronel Casimiro Ribeiro Brasil Montenegro (Casimiro Montenegro) substituindo Ildefonso Albano.

1914 – março – 18 – Seguem em trens de volta para Juazeiro os revolucionários que estiveram em Porangaba (Parangaba) e Messejana, no dia 18/03/1914.

1914 – março – 19 – Inaugurada a Casa Vênus, dos irmãos César Kayatt e Carlos Kayatt, na Rua Floriano Peixoto nº 80 (antigo, depois 276), antiga Praça José de Alencar, atual largo do Correio. Depois foi vendida para a firma João Asfor & Companhia.

1914 – abril – 02 – Surge o Diário do Estado, o primeiro jornal do Ceará a usar linotipo. Era dirigido por Álvaro da Cunha Mendes (A. C. Mendes) e redatoriado por Manuel Soriano de Albuquerque. Em 1920, deixou de circular.

1914 – abril – 05 – Nasce a Associação dos Merceeiros, entidade de classe fundada por 14 modestos merceeiros, em um pequeno prédio da Rua Floriano Peixoto, tendo em sua primeira diretoria: Presidente – Francisco Menezes Ramos; Secretário Rabino Façanha de Oliveira; Tesoureiro – Luís Albuquerque.

1914 – abril – 14 – Fundado o clube União Recreativa, com o fito de promover aos associados piqueniques, passeio e danças.

1914 – abril – 14 – Morre em Fortaleza o farmacêutico Catão Paes da Cunha Mamede (Catão Mamede), ex-deputado e ex-vereador e arquiteto. Dirigiu, com seu irmão Antônio Paes da Cunha Mamede, a Farmácia Mamede. Era Paraibano nascido em 28/12/1829. Hoje é nome de rua na Aldeota. Em seu lugar ficou na farmácia seu filho Mário Mamede.

1914 – abril – 16 – Morre, aos 76 anos de idade, o advogado, poeta, crítico literário, jurista e filólogo Heráclito de Alencastro Pereira da Graça (Heráclito Graça), cearense de Icó, onde nascera a 18/10/1837. Era filho de José Pereira da Graça (Barão de Aracati). Patrono da Cadeira nº 12 da Academia Cearense de Letras – ACL. Existe hoje a Avenida Heráclito Graça, prosseguimento da Avenida Duque de Caxias em sua homenagem. Fora o 37º Presidente da Província.

1914 – abril – 20 – Chega a Fortaleza, procedente de Juazeiro do Norte, em um trem expresso, o médico Floro Bartolomeu da Costa, chefe da chamada Sedição de Juazeiro, causa da deposição do coronel Marcos Franco Rabelo. Com ele vieram 400 jagunços para se engajarem no Batalhão de Polícia do Estado.

1914 – abril – 20 – Assume o cargo de engenheiro chefe do Distrito Telegráfico de Fortaleza, o telegrafista Jocelin Cardoso.

1914 – abril – 25 – Falecimento na Capital Federal, do comerciante, coronel José Bruno Menescal, chefe da firma J. Bruno & Filhos. Seria sepultado somente em maio.

1914 – abril – Morre, aos 73 anos de idade, o político e advogado João Paulino de Barros Leal, cearense de Quixeramobim nascido a 22/06/1840. É hoje nome de rua em Fortaleza.

1914 – maio – 01 – Sai em Fortaleza o primeiro número do jornal A Lucta.

1914 – maio – 04 – Assassinado quando se dirigia de Fortaleza para Caucaia, onde residia, o político Antônio José Correia, ex-intendente municipal e suplente de juiz municipal de Caucaia. Era cearense de Caucaia nascido a 17/05/1839.

1914 – maio – 06 – Morre, aos 59 anos de idade, o bacharel em Direito Virgílio Augusto de Moraes, um dos fundadores do Instituto do Ceará (Histórico, Geográfico e Antropológico). Era cearense de Sobral onde nascera a 21/12/1845. Hoje é nome de rua em Fortaleza.

1914 – maio – 10 – Instala-se a Associação dos Merceeiros, entidade de classe fundada por 14 modestos merceeiros, em um pequeno prédio da Rua Floriano Peixoto em 5 de abril.

1914 – maio 10 – Realiza-se o enterro do corpo do comerciante José Bruno Menescal, chegado, embalsamado, do Rio de Janeiro, onde falecera no dia 25 do mês anterior. Era o chefe da firma J. Bruno & Filhos.

1914 – maio – 12 – Falece nesta Capital Vicente da Silva Porto, diretor da Associação Comercial do Ceará e sócio da firma Silva Porto & Companhia.

1914 – maio – 15 – Procede-se em todo o Estado a eleição para presidente, vice-presidente e deputados, tendo comparecido 566 eleitores.

1914 – junho – 02 – Fundado o Rio Branco Foot-ball Club, tendo como presidente Gilberto Gurgel. A indumentária seria camisas lilases e calções brancos. A reunião ocorre na Avenida Tristão Gonçalves nº 6 e os fundadores são: Gilberto Gurgel do Amaral, Walter Jansen Barroso, Raimundo Justa (Ninito Justa), Newton Rola, Bolívar Purcell, Aluízio Borges Mamede, Orlando Olsen, José Elias Romcy, Isaías Façanha de Andrade, Raimundo Padilha “Mundico”, Rolando Emílio, Meton de alencar Pinto (Meton Pinto), Gothardo Augusto de Moraes (Gotardo Moraes), Artur de Albuquerque, Cicinato Costa, Carlos Calmon e Eurico Medeiros. Um ano depois se transformaria no Ceará Sporting Club.

1914 – junho – 10 – Inaugurada a Casa Parente, por Inácio Gomes Parente (Inácio Parente), no velho sobrado do comendador Machado, onde hoje se levanta o Edifício Excelsior. Em 1923, mudou-se para a Rua Major Facundo. Em 08/09/1936, inaugurou o Edifício Parente, no estilo Art-Deco, obra do arquiteto Sylvio Jaguaribe Ekman, que também o construiu. Aí já era Casa Parente Importadora S. A., contando, logo depois, com outras firmas como Lojas Vox Ltda. (nesta, o autor comprou muitos discos), Top’s Lanches Ltda. e Vox Publicidade Ltda. Em 1979, mudou-se para a Avenida Aguanambi e também Rua Major Facundo 897.

1914 – junho – 24 – Assume a Presidência do Estado do Ceará o coronel Benjamin Liberato Barroso (Benjamin Barroso), eleito no mês anterior.

1914 – julho – 01 – Instalada, em casa na Rua Barão do Rio Branco nº 187 (antigo), proximidades hoje, dos fundos do Cine São Luiz, a Pensão Familiar, da firma Cordeiro & Companhia, de Mme. Emma Adelia Ruedin Gonthier e João Cordeiro de Almeida. Anos depois pertenceu a Elisa Barbosa e mais adiante ao tenente Agrício Dias.

1914 – julho – 06 – O Bispado concede licença a Pedro da Silva Dantas (Pedro Dantas), para erigir um oratório no lugar Boa Esperança (Matagalinha), hoje Dias Macedo.

1914 – julho – 13 – Morre, no Rio de Janeiro, aos 44 anos de idade, o ex-deputado estadual, engenheiro militar Oscar de Miranda Feital (Oscar Feital), também compositor e exímio flautista. Era radicado em Fortaleza onde ensinou no Liceu do Ceará e onde se casou. Foi um dos fundadores do Asilo de Mendicidade de Fortaleza em 1905. Com a deposição de Acioli e assunção de Franco Rabelo, foi embora para o Rio de Janeiro, sua terra natal onde nascera a 07/03/1870.

1914 – agosto – 05 – Sai a Lei nº 1.190, que muda a denominação de Intendente Municipal para Prefeito.

1914 – setembro – 02 – Toma posse, no comando da Escola de Aprendizes Marinheiros do Ceará, o capitão-tenente Olavo Coutinho Marques, substituindo Benedito Ernesto Nunes Leal, do mesmo posto.

1914 – setembro – 05 – Morre, às 9h30min, em Fortaleza, aos 37 anos de idade, o jornalista, advogado e professor Manuel Soriano de Albuquerque, membro do Instituto do Ceará (Histórico, Geográfico e Antropológico). Seu enterro realiza-se às 16h30min no Cemitério São João Batista. Era pernambucano de Água Preta, onde nascera no Engenho Frescundim a 08/01/1877 no Engenho Frescundim. Em sua homenagem existe hoje a Avenida Soriano de Albuquerque no Joaquim Távora e Dionísio Torres.

1914 – setembro – 05 – Publicado o primeiro número do Diário Oficial do Ceará, do governo estadual.

1914 – outubro – 22 – Partida final do primeiro Campeonato Cearense de Futebol, sendo Campeão, o time Rio Branco Foot-ball Club ao derrotar o Rio Negro pelo escore de 1 x 0. O Rio Branco formou com Aldo Silva, Speedy e Garcia; Célio, Carlito e Gotardo Augusto de Moraes (Gotardo) Moraes; José Abreu, Meton Pinto, Meton, Olsen e Raimundo Justa (Ninito). O Rio Negro fomou com Casimiro, Brasil e J. Bruno; Ademar, Zazá e Brígido; Walter, Cabral, Lúcio Bauerfeldt, Hiro e Mamede. O árbitro da partida foi José Silveira. O gol foi marcado por Olsen.

1914 – outubro – 28 – Assassinado, na porta do Clube dos Diários, por Xisto Bivar, caixeiro da Livraria e Papelaria Cearense, o jovem José de Mendonça Nogueira, professor do Instituto de Humanidades do Professor Joaquim da Costa Nogueira, de quem era filho. O assassino foi absolvido no 3º julgamento.

1914 – outubro – 29 – Toma posse, no cargo de Chefe de Polícia do Estado, o político paraibano José de Borba Vasconcelos, jornalista e advogado.

1914 – outubro – 30 – Assume o novo comandante da Capitania dos Portos do Ceará, capitão de corveta Cyro Câmara Cardoso de Menezes, em substituição ao também capitão de corveta Alfredo Amâncio dos Santos.

1914 – novembro – 15 – Toma posse, como Presidente da República, Wenceslau Brás Pereira Gomes, que fora vice de Hermes da Fonseca. Tinha como vice-Presidente Urbano dos Santos Costa Araújo.

1914 – novembro – 19 – Morre, no Rio de Janeiro, aos 88 anos de idade, o bacharel em direito Gonçalo de Almeida Souto (Gonçalo Souto), latinista, nasceu em Fortaleza no dia 12/05/1826 e exerceu a presidência do Poder Legislativo por duas vezes. Hoje é nome de rua na Vila União.

1914 – novembro – 21 – Assassinado a faca, por José Arnaud Brígido, na Pensão Familiar, João Demétrio de Menezes, redator do Diário do Ceará, de Álvaro da Cunha Mendes (A. C. Mendes).

1914 – dezembro – 28 – O Batalhão Militar passa a denominar-se Regimento Militar do Estado. Hoje é a Polícia Militar do Ceará.

1914 – No local do antigo prédio do Ensino Mútuo, na esquina sudeste da Rua Floriano Peixoto nº 565, com Rua Guilherme Rocha, o comerciante e banqueiro José Gentil Alves de Carvalho contratou a firma Rodolfo F. da Silva & Filho, para construir o Palacete Ceará, com planta de João Sabóia Barbosa. Consta que foi construído por Eduardo Pastor. Por muitos anos, o palacete abrigou no seu andar térreo o Rotisserie Sportman, restaurante, sorveteria, café e casa de chá de Efrem Gondim, com orquestra regida pelo maestro e compositor Antônio Moreira, o Moreirinha, e na parte superior, o Clube Iracema. Em 1922, o palacete é ampliado, em dois blocos, pelo lado da Rua Floriano Peixoto, e o Rotisserie instala um salão de bilhares. Foi, na década de 30, sede da Secretaria do Interior e Justiça do Estado. No dia 10/05/1946, a Caixa Econômica Federal do Ceará adquire o prédio vizinho (Palacete Iracema), esquina da Rua Guilherme Rocha com Rua General Bezerril e em 26/12/1955 a Caixa comprou o Palacete Ceará, instalando ali sua agência, que ainda hoje lá funciona. No dia 08/07/1982, o prédio é devorado por um incêndio, restando apenas sua fachada. Foi planejada sua demolição para levantar um prédio moderno, mas a grita do povo, dos arquitetos e da imprensa fez com que os dirigentes da Caixa reconsiderassem o plano e o prédio foi reconstruído.

1914 – Assinado o primeiro contrato comercial de A. Santos & Companhia, de Alcides de Castro Santos (Alcides Santos) e Alberto Jacques Klein, entrando depois Alberto Jaime do Amaral. Em 1919, passou a representar a Ford Motor Company. Funcionava na Rua General Bezerril, na Praça General Tibúrcio.

1914 – O alargamento das ruas e o alinhamento das calçadas é obra realizada na administração do Intendente Ildefonso Albano, que também reforma totalmente a Praça General Tibúrcio, refazendo todas as fachadas das casas da Rua General Bezerril, que foram recuadas.

1914 – Surge em Fortaleza a Destilaria Aguiar, de Adolfo Aguiar, na Rua Barão do rio Branco nº 274 (antigo).

1914 – Fortaleza contava com uma população de 72.132 habitantes.

1914 – As chuvas que banharam a cidade de Fortaleza durante o ano, atingiram, na medição pluviométrica, 1.914,5 milímetros.

 

1915

1915 – janeiro – 04 – Muda de comando o Regimento Militar do Estado, assumindo o coronel do Exército João Torres Cruz.

1915 – janeiro – 10 – Fundada pelo médico Manuelito da Rocha Moreira (Manuelito Moreira), a Maternidade Dr. João Moreira, instalada numa das dependências da Santa Casa de Misericórdia. Posteriormente mudou-se para prédio próprio, na Avenida do Imperador, na Praça da Lagoinha.

1915 – fevereiro – 05 – Surge em Fortaleza, a firma A. Porto & Cia, de Antônio de Matos Porto e Antônio Nunes Valente, com a Casa Aporto, na Rua Major Facundo nº 260.

1915 – fevereiro – 06 – Inaugurada mais uma casa de projeção cinematográfica em Fortaleza, o Amerikan Kinema, com o filme “Sangue Azul”, da Nordisk Films, de Copenhague. Era de Meireles & Companhia.

1915 – fevereiro – 14 – Inaugura-se o Teatro São José, do Círculo Operário Católico, na Rua 25 de Março entre a Rua Rufino de Alencar, a Rua Franco Rabelo e a Rua Boris, com frente para Praça do Cristo Redentor. Hoje, com a abertura da Avenida Marechal Castelo Branco (Leste-Oeste), desapareceu a Rua Franco Rabelo que ficou no leito da avenida.

1915 – fevereiro – 14 a 16 – Dias dedicados ao carnaval.

1915 – março – 02 – Surge o primeiro número do jornal Correio do Ceará, de Álvaro da Cunha Mendes (A. C. Mendes), com sede na Rua Conde D’Eu nº 183. Em 1937 foi adquirido pelos Diários Associados.

1915 – março – 19 – Inaugura-se, nos altos da Santa Casa de Misericórdia, por iniciativa do médico Manuelito da Rocha Moreira (Manuelito Moreira), a Maternidade Dr. João Moreira, fundada no dia 10 de janeiro do mesmo ano e que, em 1929, passa para prédio próprio na Praça da Lagoinha (atual Praça Capistrano de Abreu).

1915 – abril – 07 – Fundado, pelas Irmãs Dorotéias, o Colégio de Nossa Senhora do Sagrado Coração.

1915 – abril – 21 – Criada a Paróquia de Nossa Senhora do Carmo, desmembrada da Freguesia do Patrocínio, e da freguesia do Senhor Bom Jesus dos Aflitos, de Parangaba, na gestão do bispo Dom Manuel da Silva Gomes. Seus limites são: “Partindo do Alto da Balança no ponto de interseção do divisor das águas com a estrada de Messejana e por esta à Rua D. Pedro, seguindo pela mesma rua até a Rua Barão do Rio Branco; seguindo até a Rua Santa Teresa até a Praça Paula Pessoa atravessando-a em diagonal seguindo pela estrada de Soure até o ponto de interseção com o córrego do Alagadiço Grande, na Ponte do Machado; vai em linha reta até encontrar as Damas, no oitão da casa de Joaquim Felício de Almeida e Castro e daí até novamente o Alto da Balança”. Limita-se então com o Curato da Sé, com a freguesia do Patrocínio e com a freguesia de Parangaba. O primeiro vigário foi o cônego Henrique Raulino Mourão, que tomou posse no dia 25.

1915 – abril – 25 – Assume como primeiro vigário da Freguesia de Nossa Senhora do Carmo, no dia da instalação daquela paróquia, o cônego Henrique Raulino Mourão (cônego Mourão), em solenidade presidida pelo bispo Dom Manuel da Silva Gomes.

1915 – abril – 27 – Chega em Fortaleza o 46º Batalhão de Caçadores – 46ºBC, alojando-se no quartel contíguo à Fortaleza de Nossa Senhora da Assunção, que foi guarnecida pela 1ª Bateria Independente do 3º Distrito de Artilharia da Costa, sob o comando do capitão Bernardino Chaves. O 23º BC originou-se do 36º Batalhão de Infantaria, criado em Manaus, AM, em 1889 que em 1908, passou a denominar-se 46º Batalhão de Caçadores – 46º BC.

1915 – maio – Funda-se, em Fortaleza, o Stela Foot-ball Club, tendo na presidência Alcides de Castro Santos (Alcides Santos).

1915 – maio – 30 – Fundada a Liga Metropolitana Cearense de Futebol, que teve na presidência interina Alcides de Castro Santos (Alcides Santos), presidente do Stela. Foi escolhido para presidente da Liga, Heitor Augusto Borges e para vice Clodoveu Moraes. Os clubes fundadores foram: Stela, Ceará (que oficialmente ainda era Rio Branco), Rio Negro e Maranguape.

1915 – junho – 02 – No primeiro aniversário do Rio Branco Foot-ball Club, seus diretores resolvem mudar o nome para Ceará Sporting Club, – nome que já vinha sendo usado extra-oficialmente – bem como sua indumentária, que era de camisas lilases e calções brancos, passa a ser preto e branco.

1915 – junho – 03 – Assume, a Capitania dos Portos do Ceará, o capitão de fragata Rodolpho Gustavo de Alvarim Costa, substituindo o capitão de corveta Cyro Câmara Cardoso de Menezes.

1915 – junho – 10 – Instala-se o Colégio de Nossa Senhora do Sagrado Coração (Dorotéias), em uma chácara no Boulevard Visconde do Rio Branco nº 2078. Aos poucos foi sendo construído o prédio, por volta de 1924 a 1929. Sua primeira superiora foi Madre Luzia Lemos.

1915 – junho – 24 – Inaugurado festivamente o novo prédio da Fênix Caixeiral, na esquina da Rua 24 de Maio com Rua Guilherme Rocha nº 648, na Praça José de Alencar, no local onde antes ficava a residência do presidente Antônio Pinto Nogueira Acioli. À época a Fênix era administrada por Joaquim Magalhães. Foi construído pelo arquiteto Augusto Lopes sob a direção do engenheiro Antero Freitas do Amaral. O projeto foi de J. Paula Barros.

1915 – julho – 12 – Abre-se em Fortaleza a Ourivesaria Abílio, de propriedade de Abílio Silva Tavares, na Rua Guilherme Rocha nº 115 (antigo).

1915 – julho – 14 – Fundado o América Futebol Clube que realiza seu primeiro jogo no dia 20 contra o Atheneu, de Natal, RN, vencendo por 22×0. O ponta Napoleão fez 11 gols e o goleiro que sofreu os gols foi João Fernandes Campos Café Filho, conhecido por Café, futuro presidente do Brasil.

1915 – agosto – 22 – Morre, em Fortaleza, o médico e literato José Cabral de Alencar, o Abdhul Assur da Padaria Espiritual, cearense de Baturité nascido a 14/01/1877 e hoje é nome de rua que abrange Parangaba e Itaóca.

1915 – setembro – 01 – A Governo da União assume a direção da Rede de Viação Cearense – RVC, com o engenheiro Enrique Eduardo Couto Fernandes, em substituição aos administradores da South American.

1915 – setembro – 09 – Morre, em Fortaleza, aos 79 anos de idade, o ex-senador, desembargador José Joaquim Domingues Carneiro, cearense de Jucás onde nasceu em 03/09/1836 que foi presidente do Poder Legislativo Estadual em 1891 e senador em 1909-1911.

1915 – setembro – 15 – Morre, aos 48 anos de idade, o pintor e boêmio Antônio Rodrigues, ou A. Roiz, como se assinava. Era retratista a carvão. Antes de ser pintor foi barbeiro de profissão. Nascera em 15/07/1867. Hoje é nome de rua no Jardim América.

1915 – setembro – 20 – Toma posse no Instituto do Ceará (Histórico, Geográfico e Antropológico), o historiador Álvaro Gurgel de Alencar (Álvaro de Alencar).

1915 – setembro – 21 – Toma posse, à frente da Inspetoria de Obras Contra as Secas – IOCS (hoje Departamento Nacional de Obras Contra as Secas – DNOCS), pela Segunda vez, o engenheiro José Aires de Sousa, substituindo o engenheiro Aarão Leal de Carvalho Reis (Aarão Reis).

1915 – setembro – 22 – Morre, em Fortaleza, o desembargador Joaquim Pauleta Bastos de Oliveira, ex-chefe de polícia. Era cearense de Saboeiro onde nascera a 04/07/1841.

1915 – outubro – 05 – Fundada em Fortaleza a Associação dos Cirurgiões Dentistas, iniciativa dos odontólogos Mozart Catunda Gondim e Raimundo Gomes.

1915 – outubro – 10 – Estudantes fundam o Recreio Literário Soriano de Albuquerque, agremiação que se reunia em casa de Carlos Sidou, na Rua Conselheiro Tristão. Homenagem ao jornalista e professor Manuel Soriano de Albuquerque.

1915 – novembro – 10 – A bula Catholico e Religionis Bonum, eleva o Bispado do Ceará a Arcebispado Metropolitano, sendo o primeiro arcebispo Dom Manuel da Silva Gomes, nascido na Bahia. Foi o terceiro bispo do Ceará e o primeiro Arcebispo. Na sua gestão foi demolida a Igreja de São José, nossa Catedral, em 1938.

1915 – dezembro – 07 – Termina o primeiro campeonato oficial de futebol (hoje Campeonato Cearense de Futebol) realizado em Fortaleza, promovido pela Liga Metropolitana Cearense de Futebol, reunindo os times Ceará Sporting Club, Stela, Rio Negro e Maranguape. Sagrou-se Campeão o Ceará Sporting Club, ao derrotar o Stela pela contagem de 2×1, no Campo do Prado. O Ceará Sporting Club formou com: Aldo Silva, Meton Pinto, Garcia; Raimundo Justa “Ninito”, Silveira e Rola; Abreu, Pacatuba, Humberto Ribeiro, Gotado Augusto de Moraes (Gotardo Moraes) e Guilherme. O Stela formou com: Gilberto, O. Cabral e Oscar Loureiro; Carlos Alberto, João da Frota Gentil (João Genti) e Clóvis; Pedro Riquet, Clodoveu, J. Bruno, Walter Jansen Barroso (Walter Barroso) e Walter Olsen. O juiz da partida foi Lúcio Bauerfeldt. Os gols foram marcados por Humberto Ribeiro e Pacatuba para o Ceará e Pedro Riquet para o Stela.

1915 – dezembro – 23 – Inaugura-se o Cinema Riche na Praça do Ferreira, com a película italiana “O Jóquei da morte”, reinaugurado no ano seguinte aos quatro de março. Era de Luiz Severiano Ribeiro.

1915 – Mais uma seca assola a região em 1915, e a Capital é invadida por flagelados. Como hoje, em 1915, foram pedidas esmolas nas ruas do Rio de Janeiro, então Capital Federal, para os flagelados do Norte. A Casa Edison, de Frederico Figner, no Rio de Janeiro, lança, na época, um disco onde está em uma das faces, a canção de Eduardo das Neves, “Pobres Flagelados”, cantada pelo autor, com acompanhamento de cavaquinho e violão, alusivo ao fato de se estarem angariando esmolas para os “flagelados do Norte” na então Capital Federal.

1915 – Fundada em Fortaleza, neste ano, a Tinturaria, Lavanderia e Chapelaria Modelo.

1915 – Fundou-se neste ano a Faculdade de Medicina, no Liceu do Ceará, por iniciativa do major Francisco de Sá Roriz, mas ficou só na idéia.

1915 – Ingressa no Instituto do Ceará (Histórico, Geográfico e Antropológico), o médico e orador José Lino da Justa.

1915 – Fundado neste ano o time de futebol, Sam Christovam Sport Club, em Fortaleza.

1915 – Fortaleza contava com uma população de 73.223 habitantes.

1915 – Um ano de seca, como dissemos acima e como tal, em Fortaleza caíram chuvas que foram medidas pelos técnicos em meteorologia, que encontraram o índice de apenas 583,4 milímetros.

 

1916

1916 – janeiro – 01 – Promulgado o Código Civil Brasileiro, de autoria do cearense Clóvis Bevilaqua.

1916 – janeiro – 01 – Registrada, na Junta Comercial do Ceará, a loja de calçados A Bota Universal, na Rua Major Facundo nº 236 (antigo), esquina com Rua Liberato Barroso, de Marcílio Viana.

1916 – janeiro – 01 – Abre-se o Park Royal, loja de modas, tecidos e miudezas, pertencente a R. Liberato, na então Praça José de Alencar, ou seja, em frente ao hoje largo do Correio.

1916 – fevereiro – 14 – Morre, aos 70 anos de idade, o bacharel em Direito Manuel Ambrósio da Silveira Torres Portugal, ex-deputado provincial e geral, nascido em Aquirás no dia 07/12/1845.

1916 – fevereiro – 15 – Morre, aos 29 anos de idade, o bacharel em Ciências Jurídicas e Sociais, professor Alberto Fiúza Montezuma (Alberto Montezuma), cearense da Baturité nascido a 05/10/1886. É hoje nome de rua na Vila União.

1916 – fevereiro – 24 – O Partido Republicano Cearense muda o nome para Partido Republicano Democrata, ficando o diretório central constituído por Tomás de Paula Rodrigues, José Lino, Joaquim Olímpio de Paiva, Moreira da Rocha, Álvaro Otacílio Nogueira Fernandes (Álvaro Fernandes), Hermenegildo de Brito Firmeza (H. Firmeza) e Costa Sousa.

1916 – fevereiro – 28 – A Capitania dos Portos do Ceará tem novo comando quando o capitão de fragata Rodolpho Gustavo de Alvarim Costa entrega o cargo ao interino, 2º tenente José Delfino Pinheiro.

1916 – fevereiro – 29 – Lançado, em Fortaleza, o mensário A Gazetilha.

1916 – março – 05 a 07 – Os festejos carnavalescos neste ano foram fraquíssimos em virtude da seca do ano anterior e a Cidade estar cheia de flagelados.

1916 – março – 10 – Assume a Capitania dos Portos do Ceará o 1º tenente Pedro Augusto Bittencourt, interinamente, recebendo o cargo das mãos do 2º tenente José Delfino Pinheiro.

1916 – março – 12 – Fundação, da Faculdade de Farmácia e Odontologia do Ceará, de iniciativa particular sob liderança do odontólogo Raimundo Gomes e o major Sá Roriz. São também fundadores Pedro Veríssimo, Mozart Catunda, e Afonso Pontes. A sede é em prédio na esquina das Rua Major Facundo com Rua São Paulo, altos, onde, no ano seguinte se instalaria, na parte térrea, a Livraria e Papelaria Humberto. Foi reconhecida em 31/01/1940 e em 1950 foi desmembrada em Faculdade de Farmácia e Bioquímica e Faculdade de Odontologia da UFC.

1916 – março – 18 – O jornalista Raimundo Janja Magalhães (Raimundo Magalhães) lança o primeiro número de A Semana.

1916 – março – 29 – Morre, em Fortaleza, o monsenhor Pedro Leopoldo de Araújo Feitosa, nascido em Arneirós em 1855.

1916 – março – Pelágio Rodrigues de Oliveira, José Teixeira de Abreu e Abílio Rodrigues de Oliveira fundam a Padaria Lisbonense; na Rua Pedro Borges, a Padaria Industrial, na Rua Senador Pompeu nº 400/406 (antigos, atual 1514/1534); e na Avenida Visconde do Rio Branco nº 628 (antigo, hoje 1728) a Padaria Lisboa, na com a firma Abreu, Oliveira & Cia. Os produtores já vinham com produtos de panificação desde 1875.

1916 – abril – 02 – publicado em Fortaleza o jornalzinho A Nota.

1916 – abril – 05 – O 1º tenente Pedro Augusto Bittencourt, que vinha respondendo interinamente pela Capitania dos Portos do Ceará, entrega o cargo ao novo titular, capitão de corveta Américo de Azevedo Marques.

1916 – abril – 10 – O 1º tenente Pedro Augusto Bittencourt, assume o comando da Escola de Aprendizes Marinheiros do Ceará, em substituição ao capitão-tenente Olavo Coutinho Marques.

1916 – maio – 01 – Desaba forte temporal sobre Fortaleza no dia por volta das 22h, fazendo-se sentir seus efeitos, sobretudo no mar, que destrói várias embarcações que se encontravam ancoradas.

1916 – maio – 07 – Ocorrem eleições municipais em todo o Estado.

1916 – maio – 14 – Circula o primeiro número de A Conquista, órgão oficial do Recreio Literário Soriano de Albuquerque, dirigido por Abel Parente, Hugo Vitor Guimarães e R. Ribeiro. Sua sede ficava na Rua Nova da Cruz na Vila Carlos (atual Rua Jaime Benévolo).

1916 – maio – 28 – Morre, aos 41 anos de idade, o médico Eduardo Borges Mamede “Dr. Mamedinho”, que clinicava na Capitania dos Portos e na Santa Casa de Misericórdia. Nascera em Fortaleza no dia 10/02/1875.

1916 – junho – 12 – O 1º tenente Pedro Augusto Bittencourt deixa o comando da Escola de Aprendizes Marinheiros do Ceará, assumindo o capitão de corveta Luís Perdigão.

1916 – junho – 24 – Instalado o Terceiro Grupo Escolar, criado por ato de 15 de abril do mesmo ano, funcionando na Rua do Seminário (hoje Avenida Monsenhor Tabosa).

1916 – julho – 04 – Surge a Avenida Atlântica, que unia a Alfândega à Ponte Metálica. Depois se chamou Avenida Epitácio Pessoa, Avenida três de Outubro e hoje se chama Avenida Almirante Tamandaré.

1916 – julho – 12 – Assume as rédeas do Estado, o novo Presidente eleito, João Tomé de Sabóia e Silva, engenheiro civil, eleito em substituição a Benjamin Liberato Barroso (Benjamin Barroso).

1916 – agosto – 06 – Campeão pela segunda vez (bi-campeão) o time Ceará Sporting Club de futebol, ao vencer o Maranguape em jogo realizado no Campo do Prado, campeonato promovido pela Liga Metropolitana Cearense de Futebol.

1916 – agosto – 25 – Restaurada pela Lei nº 1348 a Chefatura de Polícia, que passa a funcionar na Rua Municipal (Guilherme Rocha), no Palacete Ceará. A mesma lei criou quatro delegacias regionais, a do 1º Distrito, na Rua Municipal (Guilherme Rocha), e a do 2º Distrito, na Rua General Sampaio, ficando as outras duas para serem instaladas.

1916 – agosto – 25 – Reiniciam-se os trabalhos da Estrada de Ferro de Fortaleza a Itapipoca (Linha Norte).

1916 – setembro – 05 – Assume, o exercício do cargo de Chefe de Polícia do Estado, o juiz José Eduardo Torres Câmara.

1916 – setembro – 06 – Criado, em Fortaleza, o Arquivo Público do Ceará, vinculado à Biblioteca Pública.

1916 – setembro – 15 – Publicado em Fortaleza o primeiro número de O Jornal, periódico dirigido por Gomes de Matos, com redação na Rua Barão do Rio Branco nº 147 (antigo).

1916 – setembro – 28 – Instala-se o Quarto Grupo Escolar na Rua Sena Madureira, criado por ato de cinco de julho do mesmo ano.

1916 – setembro – 30 – Instala-se o Segundo Grupo Escolar, funcionando em prédio na esquina da Rua Clarindo de Queirós, na Praça de Pelotas.

1916 – outubro – 06 – A Chefatura de Polícia muda-se, no dia seis de outubro de 1916, do Palacete Ceará para o Palacete Iracema na esquina da Rua General Bezerril com Rua Guilherme Rocha, fundos do Palacete Ceará.

1916 – outubro – 07 – Surge em Fortaleza, a exemplo do que vinha ocorrendo na Rio de Janeiro, a Hora Literária, com reuniões realizadas no Clube dos Diários.

1916 – outubro – 08 – Fundada uma associação com o fim de difundir o ensino da língua universal do médico e ligüista russo Lázaro Zamenhof, o Esperanto Klubo Cearense, que tinha como presidente o jornalista, telegrafista e esperantista Demócrito Rocha.

1916 – outubro – 20 – O pintor, compositor, poeta e cantor Raimundo Ramos Filho, conhecido como Ramos Cotoco, por ter nascido sem o ante braço, e que se assinava R. Ramos morre, em Fortaleza, aos 45 anos de idade. Hoje existe uma rua em sua homenagem erradamente com o nome de Rua Ramos Cotoco, no Papicu, que deveria ser ou Raimundo Ramos ou R. Ramos, nunca Ramos Cotoco, que era um apelido não aceito pelo homenageado. Nascera a 21/05/1871.

1916 – outubro – 25 – Morre o empresário Geminiano Maia (Barão de Camocim), aracatiense de 02/02/1847. Grande comerciante e proprietário em Fortaleza era dado a obras filantrópicas. É hoje nome de rua no centro de Fortaleza.

1916 – novembro – 04 – Falece em Fortaleza, aos 76 anos de idade, o coronel da Guarda Nacional Paulino Joaquim Barroso (Paulino Barroso), cearense de Canindé nascido a 17/07/1839. Era comerciante e fazendeiro. Em Fortaleza foi comerciante e mordomo da Santa Casa de Misericórdia.

1916 – novembro – 11 – Chegam, em Fortaleza, os médicos Juan Guiteras e Henry Carter, da Comissão Rockfeller para o estudo da febre amarela.

1916 – novembro – 23 – Morre em Fortaleza o coronel Agapito Jorge dos Santos (Agapito dos Santos), professor aposentado do Liceu do Ceará e ex-deputado federal. Pernambucano de Santo Antão, mais tarde Vitória, nascera em 24/03/1853. É hoje nome de rua no centro de Fortaleza e foi nome de colégio.

1916 – dezembro – 04 – Morre o empresário Júlio Pinto do Carmo, um dos pioneiros do cinema no Ceará, que trouxe o primeiro automóvel do Ceará em 1909. Nascera em Icó, CE, em 01/01/1878.

1916 – dezembro – 10 – Fundada, em Fortaleza, a Liga das Senhoras Católicas.

1916 – dezembro – 11 – Fundado em Fortaleza o Tiro Brasileiro General Tibúrcio.

1916 – dezembro – 27 – Decretada a falência do Banco do Ceará, requerida pelo The National City Bank of New York.

1916 – dezembro – 30 – Começa a circular em Fortaleza o jornalzinho carnavalesco O Pierrot.

1916 – dezembro – Surge em Fortaleza, a firma Antônio Gabriel & Irmão, com a Casa Iracema, de miudezas, na Rua General Bezerril nº 241.

1916 – Inaugurado neste ano o Cemitério de São Vicente de Paula, no Mucuripe, construído com a “campanha do vintém”, iniciada pelo hanseniano “Seu” Arcanjo e em terreno doado por Manuel Jesuíno.

1916 – Ano da fundação do Colégio La Ruche de Emma Adélia Ruedin Gonthier, a famosa Madame Gonthier, que antes teve um outro estabelecimento, o Colégio Nossa Senhora das Vitórias, o qual dirigia ao lado de Maria Mendes.

1916 – Fundado mais um time de futebol em Fortaleza, o Riachuelo Sport Club.

1916 – Surge em Fortaleza o Ecritório de Representações e Conta Própria de Aires Granjeiro & Cia., agentes da The London Assurance e Companhia de Seguros Imperial.

1916 – Lançada no comércio de Fortaleza a nova marca de Cigarros João Thomé, da Fábrica Iracema, de Philomeno Gomes & Filhos, homenagem ao presidente do Estado João Tomé de Sabóia e Silva, que assumira no dia 12 de julho do mesmo ano.

1916 – Fortaleza teve um aumento de 1.107 habitantes, passando sua população para 74.330 pessoas.

1916 – Regularizam-se as chuvas e em Fortaleza é encontrado o índice de 1.831,9 milímetros.

 

1917

1917 – janeiro – 12 – Inaugura-se mais um cinema em Fortaleza, o Cinema da Estação, próximo à estação de bondes, na hoje Avenida Visconde do Rio Branco, nº 2.406, com o filme “Caçadores da noite”.

1917 – janeiro – 16 – Morre, às 20h30min, no Rio de Janeiro, sendo sepultado no Cemitério de São Francisco Xavier, o filósofo cearense Raimundo de Farias Brito, aos 54 anos de idade. Era cearense de São Benedito, onde nascera a 24/07/1863.

1917 – janeiro – 21 – Fundado em Fortaleza, com 28 sócios, o Grêmio Literário Cearense, sendo seu primeiro presidente Pancrácio Lima de Castro e Silva e secretário, Clodoaldo Pinto de Mesquita. Funcionava provisoriamente na Escola de Operários Secundária, na Rua Major Facundo nº 256 (antigo).

1917 – janeiro – 27 – Toma posse, no comando da Escola de Aprendizes Marinheiros do Ceará, o 1º tenente Pedro Augusto Bittencourt, pela segunda vez, substituindo o capitão de corveta Luís Perdigão.

1917 – fevereiro – 11 – Inaugura-se outra casa de projeção cinematográfica em nossa Capital, o Cinema Tiro Cearense, no Passeio Público, com o filme “Dançarina”.

1917 – fevereiro – 13 – Alberto Eloy da Costa reabre a Farmácia Teodorico, na Rua Major Facundo nº 120 (antigo, atual 312). Existiu no Século IXX uma Farmácia Teodorico, do farmacêutico José Eloy da Costa, formado na Faculdade da Bahia.

1917 – fevereiro – 14 – Abre-se o Cinema São José, ainda existente, como teatro, na Praça Senador Machado (hoje Praça do Cristo Redentor), o Teatro São José.

1917 – fevereiro – 18 a 20 – Os clubes e as casas residenciais são, dominados pelo espírito carnavalesco.

1917 – fevereiro – 22 – Morre, às 11h30min, aos 57 anos de idade, em Fortaleza, o professor Antônio Xisto Albano (Dom Xisto Albano), Bispo titular de Bethsaida. Nascera em Fortaleza no dia 06/08/1859.

1917 – fevereiro – 24 – Morre, em Manaus, Amazonas, o jornalista e político Manuel Solon Rodrigues Pinheiro (Solon Pinheiro). Nascera em Cachoeira, hoje Solonópole, no dia 17/03/1816. Hoje é nome de rua que nasce no Centro de Fortaleza, atravessa o bairro de José Bonifácio e termina no Bairro de Fátima.

1917 – fevereiro – 26 – Assume o comando da Escola de Aprendizes Marinheiros do Ceará o capitão-tenente Raimundo Beltrão Pontes, em substituição ao 1º tenente Pedro Augusto Bittencourt.

1917 – fevereiro – 26 – Morre, afogado, no Aracati, onde era sócio gerente de uma fábrica de tecidos, o médico e industrial José Leite Barbosa. Nascera em Fortaleza no dia 14/08/1863.

1917 – fevereiro – 27 – Fundada em Fortaleza, a Livraria Humberto, de Humberto Ribeiro, na Rua Major Facundo nº 132 (antigo, atual 354), esquina com Rua São Paulo.

1917 – março – 01 – Instalado o Serviço de Fiscalização e Inspeção de Veículos, sob direção do 2º tenente da Guarda Cívica João de Medeiros Bastos, subordinado à 1ª Delegacia de Polícia.

1917 – março – A Faculdade de Farmácia e Odontologia lança, em Fortaleza, seu órgão oficial, a revista Polymathica, mensal.

1917 – maio – 30 – Francisco Philomeno Ferreira Gomes adquire da viuva Mariana Gurgel de Lima a Fábrica de Cigarros Fortaleza, que ficava na Praça José de Alencar, 120 e juntamente com seus filhos Pedro Philomeno Gomes e Godofredo Messias Ferreira Gomes constitui  uma sociedade mercantil denominada Gomes & Messias,  fundando a Fábrica Iracema.

1917 – junho – 06 – Por iniciativa dos Irmãos Maristas é fundado o Curso Comercial do Colégio Cearense que mudou de nome após seis anos de atividades, passando a chamar-se Escola de Comércio Padre Champagnat. Foi oficializada em 23/09/1933. Em 1940 passou a ser dirigida pelo professor Antônio Martins Filho que novamente mudou o nome do estabelecimento para Academia Comercial Padre Champagnat em 1941. Em 1946 a direção passa ao professor Oscar Costa de Sousa (Oscar Costa Sousa) que em 1971 entrega a Miguel Elpídio Dantas Silveira e José Geovani Gomes.

1917 – junho – 23 – O Arcebispo Dom Manuel da Silva Gomes funda, sob os auspícios da Liga das Senhoras Católicas Brasileiras, o Dispensário dos Pobres do Outeiro da Prainha.

1917 – julho – 08 – Morre em Campinas, São Paulo, o bispo Dom Joaquim José Vieira, que foi o segundo Bispo do Ceará. Nascera em Itapetininga, SP, em 17/01/1836. Hoje é nome de rua na Aldeota.

1917 – julho – 14 – Marca a inauguração do Cine Teatro Majestic Palace (Cine Majestic), sendo o dia 14, do palco, com a apresentação da transformista italiana Fátima Miris e dia 20 do cinema, com a película “L’Amica”. Cinema e teatro construído pelo comerciante Plácido Barbosa de Carvalho (Plácido Carvalho) na segunda década do Século XX. O cinema sonoro só chegou no Majestic no dia 23/04/1932, com o filme Anjos do Inferno. No dia 04/04/1955 irrompe um incêndio no edifício Majestic fechando provisoriamente o cinema. Em 01/01/1968 outro incêndio fecha o Cine Majestic, desta vez para sempre, pois destruiu a sala de projeção. O Cine Majestic tinha uma sala de projeção que também era um teatro, toda em ferro como o Theatro José de Alencar. Tinha 650 cadeiras no térreo, nos dois andares onde ficavam os camarotes e na geral. No local do Edifício Majestic foi levantado o Edifício Lobrás, projeto do arquiteto Armando Farias.

1917 – julho – 14 – Data da fundação da Associação dos Funcionários Públicos do Ceará, que teve como primeiro presidente o desembargador João Firmino Dantas Ribeiro.

1917 – agosto – 03 – Inauguração da nova linha de trens partindo do Jacarecanga indo encontrar-se com o antigo caminho na altura do Benfica, na avenida Carapinima, desativando a linha que passava no centro da Cidade na Avenida Tristão Gonçalves. Popularmente chamou-se “linha nova“. O curioso é que o antigo traçado corresponde ao do atual metrô em construção, só que este é subterrâneo. Na ocasião é inaugurada a Estação do Matadouro, depois Otávio Bonfim.

1917 – setembro – 02 – Fundado, em Fortaleza, pela Liga das Senhoras Católicas, o Dispensário dos Pobres e o Patronato Maria Auxiliadora.

1917 – setembro – 08 – Assume a Presidência da República, interinamente, por viagem de Wenceslau Brás Pereira Gomes, o vice-Presidente Urbano dos Santos Costa Araújo.

1917 – setembro – 17 – Morre, aos 85 anos incompletos, em Fortaleza, o médico Rufino Antunes de Alencar Rodovalho (Rufino de Alencar). Era pernambucano de Exu nascido a 09/11/1832. Em sua homenagem existe uma rua com seu nome no Centro de Fortaleza.

1917 – outubro – 05 – Morre, na cidade do Rio de Janeiro, então Capital do País, onde procurava cura para pertinaz doença, o poeta Josias de Castro Goiana (Josias Goiana), cearense nascido em Fortaleza no dia 18/01/1890.

1917 – outubro – 09 – Reassume a Presidência da República após viagem ao exterior, Wenceslau Brás Pereira Gomes.

1917 – outubro – 10 – Assassinado por pistoleiros, em Pedra, Alagoas, aos 54 anos de idade, o industrial cearense de Ipu, onde nasceu a 05/06/1863, Delmiro Augusto de Farias Cruz Gouveia (Delmiro Gouveia) proprietário da Companhia Agro-Fabril Mercantil. Hoje a cidade de Pedra tem seu nome.

1917 – outubro – 12 – Inauguradas a Estação Ferroviária de Barro Vermelho (Antônio Bezerra) a 7.506m da Estação Central e a Estação Ferroviária de Soure (Caucaia), distando 19.600m, ambas fazendo parte da Estrada de Ferro Fortaleza a Itapipoca (Tronco Norte).

1917 – outubro – 16 – Iniciados os trabalhos de retirada dos trilhos de trens da Avenida Tristão Gonçalves, no centro da cidade.

1917 – outubro – Armado, na Praça da Lagoinha, o Circo Valparaizo, que tinha como principais atrações Alexandre Seysel e Salustiano Barbosa.

1917 – novembro – 15 – Funda-se, em Fortaleza, uma filial da Cruz Vermelha Brasileira.

1917 – novembro – 29 – Morre, aos 36 anos de idade, o cearense de Pereiro, nascido em 30/07/1881, capitão-tenente da Marinha, Francisco Dias Ribeiro, autor dos versos da canção militar “Cisne Branco”, em música de Manuel Antônio do Espírito Santo. Tem em Fortaleza seu nome em uma rua na Praia de Meireles.

1917 – dezembro – 08 – Gradua-se, na Faculdade de Direito do Ceará, Solange de Paula Bastos, a primeira mulher a graduar-se naquela faculdade.

1917 – O Ceará Sporting Club pela terceira vez consecutiva, sagra-se Campeão Cearense de Futebol (tri-campeão).

1917 – Lançada nova marca de cigarros, pela Fábrica Iracema, os Cigarros Zita, que vinham em carteira com 20 cigarros e 30 palitos de fósforos. Também a Fábrica de cigarros Modelo, de Caminha & Irmão, lança seis marcas: Turuna, 40, Macacão, 25, Condor, todos em maços roliços e Aliados, em carteira, estes, alusivos à Grande Guerra.

1917 – Ano do lançamento das Gotas Artur de Carvalho, em vidros cilíndricos, acondicionados em caixinhas também cilíndricas e com a fotografia do farmacêutico Joaquim Artur de Carvalho (J. Artur de Carvalho). Ainda existem, mas em caixas cúbicas e sem a fotografia do seu criador, já fabricada por outro laboratório. São conhecidos como “gotas amargas”.

1917 – A população de Fortaleza era de 75.454 habitantes.

1917 – As chuvas em Fortaleza durante o ano alcançaram o índice meteorológico de 1.787,1 milímetros.

 

1918

1918 – fevereiro – 04 – Morre, em Sobral, o magistrado Antônio Ibiapina, que nasceu em Sobral a 07/02/1858. Foi Patrono na Academia Cearense de Letras – ACL.

1918 – fevereiro – 10 a 12 – O carnaval ocorre nesses dias na Cidade, de forma normal.

1918 – fevereiro – 17 – Transita por Fortaleza, de viagem para sua terra natal, o Maranhão, o escritor Henrique Maximiano Coelho Neto (Coelho Neto).

1918 – março – 02 – Morre, em Fortaleza, o coronel Guilherme César da Rocha (Guilherme Rocha), que exercia o cargo de administrador do Correio. Foi prefeito de Fortaleza. Nascera a 16/08/1846 em Fortaleza. Hoje é nome de rua no centro da Cidade que vai até o Jacarecanga.

1918 – março – 30 – Fundada, em Fortaleza, a Escola de Agronomia do Ceará, iniciativa particular.

1918 – abril – 09 – Encontrado morto em seu quarto, no Rio de Janeiro, Luiz Tibúrcio de Freitas, que foi membro da Padaria Espiritual, usando o nome de Lúcio Jaguar.

1918 – abril – 14 – Toma posse, na Cadeira nº 26 do Grêmio Literário Cearense, o poeta Otacílio Ferreira de Azevedo (Otacílio de Azevedo), sendo recepcionado por Pancrácio Lima.

1918 – abril – 24 – Morre, aos 77 anos de idade, o ex-chefe de polícia, ex-deputado, ex-senador, 2º vice-presidente do Estado, militar Antônio Joaquim Guedes de Miranda. Combateu na Guerra do Paraguai. Era fortalezense nascido em 31/12/1840.

1918 – abril – 26 – Morre, vítima de câncer, no Recife, PE, o comerciante Joaquim de Oliveira Torres (Joaquim Torres). Nascera em San Martin do Dume, Portugal, em 1853. Era pai de Jerônimo de Oliveira Torres (Jerônimo Torres) e Dionísio de Oliveira Torres (Dionísio Torres). Hoje é nome de rua no bairro de Joaquim Távora.

1918 – abril – 28 – Assume, a Cadeira nº 8 do Grêmio Literário Cearense, o escritor Luís Cavalcanti Sucupira (Luís Sucupira), sendo saudado por Euclydes Vasconcelos César (Euclides César).

1918 – maio – 01 – Data da instalação da Escola de Agronomia do Ceará, de iniciativa particular, encampada pelo Governo Estadual em 1935 e pelo Federal em 1942. Fora fundada a 30/03/1918.

1918 – maio – 10 – Instala-se, em Fortaleza, a filial cearense da Cruz Vermelha Brasileira.

1918 – maio – 14 – Assume o cargo de administrador do Correio, Bernardo Café Filho, substituindo a o coronel Guilherme César da Rocha (Guilherme Rocha) que havia falecido.

1918 – maio – 24 – Inaugura-se a Estação Ferroviária da Pajuçara, distando 19,041km da Estação Central.

1918 – junho – 09 – Firmado contrato entre a firma Benjamin Torres & Companhia, de Benjamim de Oliveira Torres e a Cervejaria Brahma para representação daquela marca no Ceará. Depois passaria para a firma Coelho & Peixoto, sucessores da mesma firma, tendo à frente Sebastião Coelho Filho, sócio nas duas firmas.

1918 – julho – 01 – Assume, interinamente, o cargo de Capitão dos Portos do Ceará, o 1º tenente Artur da Cruz Ferreira, em substituição ao titular, capitão de corveta Américo de Azevedo Marques.

1918 – julho – 10 – Morre, aos 42 anos de idade, o bacharel em Direito Eduardo Tomé de Sabóia (Eduardo Sabóia), ex-professor da Faculdade de Direito do Ceará, ex-deputado federal e jornalista. Foi membro da Padaria Espiritual. Nascera em Fortaleza em 01/05/1876. É hoje nome de rua no Papicu.

1918 – julho – 12 – Morre, aos 66 anos de idade, em Fortaleza, Pedro Tomás de Queirós Ferreira (Pedro de Queirós), bacharel em Direito, jornalista, desembargador. Era cearense de Beberibe, onde nascera a 13/09/1851. Hoje é nome de rua na Parquelândia.

1918 – julho – 14 – Fundado, por Carlos Torres Câmara (Carlos Câmara), o Grêmio Dramático Familiar, no Boulevard Visconde do Rio Branco nº 2406. Com a morte de seu fundador, em 1939, desapareceu.

1918 – julho – 14 – Reorganizada a Associação dos Merceeiros, fundada em 05/04/1914 e instalada em 10/05/1914.

 

1918 – julho – 14 – Toma posse, no Grêmio Literário Cearense, o jornalista Gilberto Pessoa Torres Câmara (Gilberto Câmara), na Cadeira nº 15, tendo como padrinho Demóstenes Braga.

1918 – agosto – 04 – Lançada, com a presença do Presidente do Estado, engenheiro João Tomé de Sabóia e Silva, do Arcebispo Metropolitano Dom Manuel da Silva Gomes e de Guilherme Chambly Studart (Barão de Studart), a pedra fundamental do prédio destinado ao Instituto Pasteur do Ceará, na Avenida Bezerra de Menezes.

1918 – setembro – 10 – Morre, em Fortaleza, o jornalista e beletrista Rufino Gomes de Matos, cearense de Icó.

1918 – setembro – 12 – Morre, em Quixeramobim, CE, onde se encontrava em tratamento de saúde, aos 29 anos de idade, o poeta e jornalista Vasco Benício de Castelo Branco, cearense de Baturité nascido a 09/01/1889.

1918 – setembro – 14 – Surge a Fábrica Santa Maria, de Manuel J. Lima, que depois seria Fiação e Tecelagem Santa Maria Ltda., na Avenida Duque de Caxias nº 345, esquina com Rua da Assunção. Fechou em 1964.

1918 – setembro – 17 – A Capitania dos Portos do Ceará tem novo comando quando o comandante interino 1º tenente Artur da Cruz Ferreira entrega o cargo ao novo titular, o capitão de corveta Tomás Aquino de Freitas.

1918 – setembro – 24 – Abre-se em Fortaleza a loja de tecidos e miudezas de Aziz Kalil Jereissati e Nagib Kalil Jereissati que formam a firma Aziz K. Jereissati & Irmão, na Rua Major Facundo nº 119.

1918 – setembro – 28 – Chega ao porto de Fortaleza (ponte metálica), procedente do sul, o vapor Ceará, do Lloyd Brasileiro, trazendo a influenza espanhola ou gripe epidêmica para nosso Estado.

1918 – outubro – 07 – Morre, em Fortaleza, aos 66 anos de idade, o engenheiro civil Antônio Epaminondas da Frota, ex-diretor do Liceu do Ceará, cearense de Santana do Acaraú.

1918 – outubro – 13 – Sai, em Fortaleza, o primeiro número de A Semana, de Otávio Memória, jornal político, literário, noticioso e independente.

1918 – outubro – 18 – Fundado o Fortaleza Sporting Club, que na década de 50 passou a chamar-se Fortaleza Esporte Clube.

1918 – outubro – 23 – Morre, em Fortaleza, o general de brigada Francisco Benévolo, maranguapense irmão de Jaime Benévolo, Odilon Benévolo (Tenente Benévolo) e de Elvira Pinho.

1918 – novembro – 04 – Criado o Gabinete de Identificação e Estatística que funciona no palacete da Chefatura de Polícia na Rua Guilherme Rocha.

1918 – novembro – 12 – Dia de festas em todo o Estado do Ceará, pelo término da Primeira Guerra Mundial.

1918 – novembro – 15 – Deveria assumir a Presidência da República o candidato eleito Francisco de Paula Rodrigues Alves, mas este estava enfermo, com a chamada gripe espanhola e assumiu seu vice Delfim da Costa Moreira (Delfim Moreira).

1918 – novembro – 23 – Assume interinamente, o cargo de Capitão dos Portos do Ceará o 1º tenente Leonel de Magalhães Bastos, substituindo o capitão de corveta Tomás Aquino de Freitas.

1918 – novembro – 28 – Assume, o cargo de Prefeito de Fortaleza, em substituição ao coronel Casimiro Ribeiro Brasil Montenegro (Casimiro Montenegro), o engenheiro militar Rubens Monte. O cargo até então de Intendente, passa a denominar-se Prefeito, obedecendo à Lei nº 190 de 05/08/1914.

1918 – dezembro – 15 – Toma posse na Cadeira nº 12 do Grêmio Literário Cearense, Carlos Carneiro Leão de Vasconcelos (Carlos Vasconcelos), recepcionado por Wulmar Borges.

1918 – dezembro – 17 – Morre o ex-notário público de Fortaleza Luís Xavier de Castro, que substituiu o velho tabelião Feijó. Era cearense de Fortaleza nascido em 01/067/1848.

1918 – dezembro – 27 – A Inspetoria de Obras Contra as Secas – IOCS (hoje Departamento Nacional de Obras Contra as Secas – DNOCS) tem novo inspetor quando assume o engenheiro José Luís Mendes Diniz, substituindo José Aires de Sousa. Foi em sua administração que a IOCS ganhou um F em sua sigla, passando a denominar-se Inspetoria Federal de Obras Contra as Secas – IFOCS.

1918 – dezembro – Pela quarta vez consecutiva é Campeão Cearense de Futebol (tetra-campeão) o Ceará Sporting Club em dezembro de 1918, no campeonato promovido pela Liga Metropolitana Cearense de Futebol.

1918 – dezembro – Fundada, em Fortaleza, a firma Kalil Otoch & Filhos, com os sócios: Kalil Otoch, Francisco Habib Otoch, Jorge Otoch, José Otoch e Teófilo Otoch, com a Agência Dodge.

1918 – O professor Joaquim da Costa Nogueira já refeito dos efeitos que lhe causaram a morte de seu filho em 1914, abre novo estabelecimento de ensino, o Colégio Nogueira, funcionando em prédio da Rua General Sampaio, atual nº 1148, prédio que fora sede do Tiro Cearense. Com sua morte no dia 21/07/1935 desapareceu o estabelecimento.

1918 – A população de Fortaleza subiu para 76.595 habitantes.

1918 – Fortaleza recebeu durante o ano, chuvas que, medidas por técnicos acusaram índice de 1.810,1 milímetros.

 

1919

1919 – janeiro – 01 – O barbeiro Joaquim Teófilo Cordeiro de Almeida abre, na Rua Major Facundo nº 180 (antigo, atual 486), na Praça do Ferreira, o restaurante e tabacaria A Gruta.

1919 – janeiro – 07 – A Lei nº 3674 em seu artigo 65 diz: “Fica o Governo autorizado a crear um Collegio Militar no Estado do Ceará, conforme o typo dos Collegios Militares de Barbacena e de Porto Alegre.”

1919 – janeiro – 16 – Morre em Fortaleza o Padre Joaquim Franklin Gondim. Nascera em Lavras da Mangabeira, CE., em 18/04/1872. Ordenou-se em Fortaleza.

1919 – janeiro – 19 – Morre no Rio de Janeiro, vítima da gripe espanhola, o presidente da República eleito e que não chegou a tomar posse, Francisco de Paulo Rodrigues Alves, ficando na Presidência seu vice Delfim da Costa Moreira (Delfim Moreira).

1919 – janeiro – 29 – O comandante da Escola de Aprendizes Marinheiros do Ceará, capitão-tenente Raimundo Beltrão Pontes, passa o posto ao seu substituto César Augusto Machado da Fonseca, do mesmo posto.

1919 – janeiro – 29 – Sai o Decreto nº 13.451 que organiza o ensino militar e torna efetiva a criação do Colégio Militar do Ceará, que tem na direção o tenente coronel de engenharia Marciano de Oliveira e Ávila.

1919 – fevereiro – 17 – Assume o comando da Capitania dos Portos do Ceará, pela segunda vez como titular, agora como capitão de fragata Cyro Câmara Cardoso de Menezes – na primeira vez era capitão de corveta – substituindo o 1º tenente Leonel de Magalhães Bastos que vinha comandando interinamente.

1919 – fevereiro – 24 – Abre-se em Fortaleza, na Rua Floriano Peixoto nº 171 (antigo), a Casa Olsen, da firma Olsen & Irmão, dos sócios Walter Olsen e Orlando Olsen, vendendo tecidos, armarinhos e artigos masculinos.

1919 – fevereiro – Publicado em Fortaleza o jornal O Regional, órgão do Grêmio Literário Paula Ney, redatoriado por Elias Malmann e dirigido por José Bezerra de Menezes.

1919 – março – 02 a 04 – As casas, os clubes e as ruas estão cheias de fantasiados em virtude da ocorrência do carnaval.

1919 – março – 07 – Dom Manuel da Silva Gomes funda a Arquidiocese de Fortaleza e a Obra das Vocações Sacerdotais sob o patrocínio de São José.

1919 – março – 08 – Surge, em Fortaleza, o número um do jornalzinho O Raio, embora no texto diga que já existia ha cinco anos. Seu redator-chefe assinava-se Mercúrio.

1919 – março – 26 – Instala-se, no prédio da antiga Escola Militar do Ceará, na Praça Benjamin Constant (da Bandeira), o Colégio Militar do Ceará, criado de acordo com o decreto legislativo de sete de janeiro e o executivo do dia 29 do mesmo mês. Inicia as aulas em 1º de junho.

1919 – abril – 03 – Chega em Fortaleza o astrônomo Henrique Morize, diretor do Observatório Astronômico do Rio de Janeiro, a fim de preparar elementos precisos para a observação do eclipse solar de 29 de maio em Sobral.

1919 – abril – 06 – Publicado, em Fortaleza, o jornal A Palavra, órgão do Grêmio Literário Machado de Assis.

1919 – abril – 07 – Instalado o Grupo Escolar Modelo, instituído por ato de 27 de março do mesmo ano. Depois foi o Nono Grupo Escolar e o Décimo Grupo Escolar e Grupo Escolar Visconde do Rio Branco (onde o autor destas linhas, Nirez, teve a honra de ter como professor o maestro Euclides da Silva Novo). O prédio, que fica na esquina com a Rua Padre Valdivino, foi obra do arquiteto carioca Armando Oliveira.

1919 – abril – 14 – Surge mais uma sociedade esperantista em Fortaleza, trata-se da Nova Samideanaro, com o fim de difundir em nossa sociedade os conhecimentos da língua internacional auxiliar, o Esperanto. Sua sede ficava na Avenida Tristão Gonçalves nº 246.

1919 – abril – 20 – Chegam em Fortaleza Andrew Thompson e Daniel Wise, membros da Comissão Americana Carnegie Institution, para observar o eclipse solar de 29 de maio. Hospedaram-se na Pensão Bitu.

1919 – abril – 20 – Publicado, em Fortaleza, o Jornal das Moças, com vários sonetos, entre eles “Retratando-me”, de Cândido Castelo Branco e “O Ébrio”, de F. Saldanha Fontenele.

1919 – maio – 03 – Sai à publicidade o jornal Estado do Ceará, do grupo político conservador, sob direção de José Pompeu Pinto Acioli (José Acioli). Era impresso na Tipografia Gadelha & Filho.

1919 – maio – 11 – Abre-se ao público a Padaria Duas Nações na Rua Barão do Rio Branco nº 48 (antigo, atual 632), pertencente a Luís Gonçalves. Em 1903 existia uma Padaria Duas Nações, pertencente a Manuel Nunes Siqueira, na Rua Sena Madureira nº 115 (antigo), que se mudou para a Rua Barão do Rio Branco nºs 26 e 28 (antigos), em 1906.

1919 – maio – 26 – Instala-se no mesmo prédio onde funciona o Segundo Grupo Escolar, o Quinto Grupo Escolar.

1919 – maio – 29 – Eclipse total do sol acorre. Para observar o acontecimento vieram uma comissão brasileira chefiada por Henrique Morise, uma comissão inglesa composta dos astrônomos C. D. Crommelin e D. G. Davidson, do Observatório de Greenwich e outra americana composta de técnicos da Carnegie Institution, de Washington, Daniel Wise e Andrew Thompson. O ponto escolhido para as observações foi a cidade de Sobral. Em Fortaleza o eclipse teve início às 9h3min e terminou às 9h5min3seg.

1919 – junho – 01 – Inaugura-se o Colégio Militar de Fortaleza criado pelo Decreto nº 13.541 de 29 de janeiro do mesmo ano no mesmo prédio onde estivera a Escola Militar no Século anterior. O Colégio Militar de Fortaleza funcionou por 19 anos, fechando em 1938, sendo o patrimônio entregue ao Ministério da Educação que instalou no mesmo prédio um estabelecimento civil, o Colégio Floriano que permaneceu por apenas dois anos.

1919 – junho – 01 – Chega em Fortaleza uma missão médica encarregada de fazer a profilaxia da febre amarela, chefiada pelo médico Oliveira Borges.

1919 – junho – 08 – Morre, em Messejana, o padre Pedro de Abreu Pereira, vigário, nascido em Maria Pereira, hoje Mombaça, a 02/10/1839 e ordenou-se em Fortaleza em 29/11/1874.

1919 – junho – 15 – Fundado, no Clube dos Diários, no Palácio Guarani, o Guarany Foot-ball Club, de Fortaleza, do qual faziam parte Antônio Pinheiro, José Vidal da Silva, Raimundo Cearense, Mozart Pinheiro, Francisco Gomes, Raimundo Girão (futuro historiador), Júlio Craveiro, Moacir Sampaio, Eurico Costa Sousa e Mário Cavalcante.

1919 – junho – 16 – Assume o exercício do cargo de Chefe de Polícia do Estado, o jurista Pergentino Augusto Maia. Equivale hoje a Secretaria de Segurança Pública e Defesa da Cidadania.

1919 – junho – 26 – Instalado, na Rua Senador Jaguaribe, o Dispensário dos Pobres, fundado e mantido pela Liga das Senhoras Católicas, tendo na direção Amélia Barroso Salgado.

1919 – julho – 01 – Abre-se a papelaria e fábrica de carimbos Atelier Royal, de Alexandre Paiva, na Rua Barão do Rio Branco nº 147 (antigo).

1919 – julho – 03 – Funda-se em Fortaleza, a União e Prosperidade dos Redeiros, com o fim de promover o bem estar e conforto de seus associados, funcionando na Rua Barão de Aratanha, 540.

1919 – julho – 06 – Publicado em Fortaleza o Jornal da Moda, semanário de literatura e humorismo. Era impresso na Tipografia Comercial.

1919 – julho – 08 – Morre, em Manaus, aos 54 anos de idade, o bacharel em direito, abolicionista, republicano e jornalista, Abel de Sousa Garcia (Abel Garcia). Era membro da Cearense Libertadora. Nascera no dia 23/11/1864 em Fortaleza. Hoje é nome de rua na Vila União.

1919 – julho – 09 – Assinado pelo Vice-presidente Delfim Moreira da Costa Ribeiro e pelo ministro da Viação e Obras Públicas, Afrânio de Melo Franco, o Decreto nº 13.687, Regulamento da Inspetoria Federal de Obras Contra as Secas – IFOCS, antiga Inspetoria de Obras Contra as Secas – IOCS, publicado no Diário Oficial da União no dia 13. Hoje chama-se Departamento Nacional de Obras Contra as Secas – DNOCS. Eram atribuições da repartição fazer estudos meteorológicos, geológicos, hidrométricos e topográficos; cultura de essências florestais e de plantas forrageiras; construção de estradas de rodagem; perfuração de poços; construção de açudes; barragens submersíveis; prática da piscicultura; levantamento cartográfico da região; conservação, exploração e fiscalização de obras do governo federal; e celebração de contratos e acordos.

1919 – julho – 14 – Publica-se em Fortaleza o jornal semanal Ceará Socialista, órgão do Partido Socialista Cearense, com redação na Rua Major Facundo nº 256. Seus diretores eram: Eurico Pinto, Gastão Gonçalves da Justa (Gastão Justa), Joaquim Alves de Oliveira e Raimundo Ramos.

1919 – julho – 15 – Marca a inauguração da Escola de Música Alberto Nepomuceno, depois Conservatório de Música Alberto Nepomuceno, pelo maestro Henrique Jorge Ferreira Lopes. Funcionou não sabemos onde, passando para o Instituto Epitácio Pessoa, na Rua Barão do Rio Branco, mudando-se depois para a mesma rua nº 520, residência de Francisco Paurilo Barroso. Branca Rangel foi a primeira diretora, sendo secretariada pelo acadêmico Paulo Sarasate Ferreira Lopes.

1919 – julho – 27 – Surge o Centro Industrial Cearense, associação composta de industriais nacionais e estrangeiros residentes no Estado, que teve como seu primeiro presidente Tomás Pompeu de Sousa Brasil Filho, no salão da repartição dos Correios.

1919 – julho – 28 – Assume, pela primeira vez um nordestino, a Presidência da República, o paraibano Epitácio Lindolfo da Silva Pessoa (Epitácio Pessoa), que deu grande impulso às obras no Nordeste. Fora eleito presidente Francisco de Paula Rodrigues Alves, que tomaria posse em 15/11/1918, mas adoeceu e assumiu seu vice-Presidente Delfim da Costa Moreira (Delfim Moreira) até a assunção de Epitácio que o conservou como vice.

1919 – julho – Aparece em Fortaleza a peste bubônica, trazida do Rio Grande do Sul. Dos 135 casos surgidos durante o ano 34 foram fatais. A comissão técnica do médico Oliveira Borges prestou relevantes serviços na ocasião.

1919 – agosto – 02 – Abre-se a Relojoaria e Lunetaria Artur, depois Casa Artur de propriedade de Artur Scalera, na Rua Floriano Peixoto nº 258 (antigo).

1919 – agosto – 24 – Surge em Fortaleza mais um jornalzinho, desta feita O Gato, crítico e pilhérico que tem como redator Gatão.

1919 – setembro – 14 – Fundada, em Maranguape, a Sociedade Artística Maranguapense.

1919 – setembro – 20 – Morre, aos 26 anos de idade, em Fortaleza, Deodato Pinto, cearense nascido em Milagres.

1919 – setembro – 27 – Fundado o Salão Juvenal Galeno, nos 83 anos do poeta – depois seria a Casa de Juvenal Galeno – um dos principais redutos da intelectualidade cearense, em casa na Rua General Sampaio nº 1128, no Centro de Fortaleza.

1919 – setembro – Funda-se, em Fortaleza, a Fundição Ceará, de José Baltazar Lopes Barreira (Baltazar Barreira), funcionando na Rua Dom Luís s/n, com escritório na Rua Major Facundo nº 182.

1919 – outubro – 12 – Instala-se solenemente, o Instituto Pasteur, com discurso do Presidente da Associação Oswaldo Cruz, Guilherme Chambly Studart (Barão de Studart), na Avenida Bezerra de Menezes, no Alagadiço.

1919 – outubro – 12 – Fundada em Fortaleza, na Avenida José Bastos, esquina com Avenida Bezerra de Menezes, a Usina Gurgel, da firma Teófilo Gurgel Valente, em solenidade que contou com a presença do presidente do Estado, João Tomé de Sabóia e Silva, o governador do Arcebispado, monsenhor Joaquim Ferreira de Melo, o presidente da Associação Comercial do Ceará, coronel José Gentil Alves de Carvalho, o diretor da Rede Viação Cearense, Henrique Eduardo Couto Fernandes, etc. Seria depois Usina Ceará ou Siqueira Gurgel.

1919 – outubro – 19 – Fundado em Fortaleza o Centro Cearense de Propagação Católica, que depois se transformaria na Liga dos Moços Católicos Cavalheiros de Cristo e posteriormente na União dos Moços Católicos.

1919 – outubro – 24 – Morre, em Fortaleza, o humanista, pedagogo e professor José de Barcelos da Silva Sobrinho, cearense de Baturité, onde nascera em 07/07/1843.

1919 – outubro – 31 – Morre o professor Leonel Serafim Freire Chaves (Leonel Chaves), que lecionava Economia Política na Faculdade de Direito do Ceará. Um dos fundadores do Círculo Católico de Fortaleza. Nascera em Limoeiro do Norte a 12/06/1873.

1919 – novembro – 05 – Sai à publicidade o jornal literário e noticioso O Caixeiro, semanário de propaganda do comitê Caixeiral. A redação ficava na Rua General Sampaio nº 120 (antigo).

1919 – novembro – 04 – Acontece a primeira aplicação do soro anti-rábico, em Fortaleza, no Instituto Pasteur.

1919 – novembro – 15 – Inaugurada a Herma de J. da Penha, na Praça Marquês do Herval (atual Praça José de Alencar). Homenagem ao capitão riograndense do norte José da Penha Alves de Sousa (J. da Penha) que se integrou à política cearense, morrendo em combate contra os jagunços na chamada Sedição de Juazeiro. A escultura é de J. A. Correia Lima. A colocação da herma foi realizada sob orientação do arquiteto Jacinto Gomes de Matos (Jacinto Matos), formada por dois blocos de granito e uma base de alvenaria, trazendo a inscrição: “A Liberdade não morre” – “A Justiça não perece” – “1875 – 1914”. Depois a herma foi retirada daquele logradouro e hoje se encontra na Praça José Bonifácio (do quartel da Polícia) num pedestal comum, de alvenaria e sem nenhuma inscrição, sendo confundida com o patrono da praça.

1919 – novembro – 24 – Em Fortaleza é sentido um tremor de terra acompanhado de forte estrondo seguido de ventania, às 3h05min da manhã com duração de três segundos, sendo sentido também em outras localidades do Estado.

1919 – dezembro – 11 – O 46º Batalhão de Caçadores passa a denominar-se 23º Batalhão de Caçadores – 23BC, pelo Decreto nº 13.916. Seu 1º comandante foi o coronel Felipe Antônio da Fonseca Galvão.

1919 – Morre, neste ano, em São Luís do Maranhão, o pintor, fotógrafo e arquiteto José de Paula Barros, um dos que decoraram o Theatro José de Alencar.

1919 – Lançamento, neste ano, dos cigarros da marca Stella, fabricados pela Fábrica Iracema de Cigarros.

1919 – O Ceará Sporting Club mais uma vez ganha o campeonato da Liga Metropolitana Cearense de Futebol, sagrando-se Penta-Campeão Cearense de Futebol.

1919 – Fundado o Laboratório de Pesquisas Clínicas, do médico Carlos da Costa Ribeiro, para diagnósticos bacteriológicos, parasitológicos, químicos, biológicos etc., na Rua Barão do Rio Branco nº 158 (antigo, atual 928).

1919 – Ficou pronto o Açude Acarape, construído pela Inspetoria Federal de Obras Contra as Secas – IFOCS, (hoje Departamento Nacional de Obras Contra as Secas – DNOCS), para abastecer Fortaleza de água tratada.

1919 – A população de Fortaleza era de 77.753 habitantes.

1919 – As chuvas que banharam Fortaleza no ano atingiram a medição pluviométrica de apenas 539,7 milímetros, sendo considerado um ano de grande seca.

 

1920

1920 – janeiro – 01 – Assume o comando do 23º Batalhão de Caçadores – 23BC, o coronel Felipe Antônio da Fonseca Galvão.

1920 – janeiro – 12 – Assume o cargo de Diretor da Inspetoria Federal de Obras Contra as Secas – IFOCS (hoje Departamento Nacional de Obras Contra as Secas – DNOCS), pela segunda vez, o engenheiro Miguel Arrojado Ribeiro Lisboa (Arrojado Lisboa), substituindo o engenheiro José Luís Mendes Diniz.

1920 – janeiro – 20 – Morre, no Rio de Janeiro, Henrique C. Samico, benemérito Cearense.

1920 – janeiro – 29 – Morre, em Lausanne, Suiça, aos 80 anos de idade, o engenheiro de portosZózimo Bráulio Barroso (Zózimo Barroso), cearense de Aracati nascido em 04/04/1839.

1920 – janeiro – Surge, em Fortaleza, a Casa André, de miudezas, louças e vidros, pertencente a João de Almeida, na Rua Floriano Peixoto nº 168.

1920 – fevereiro – 15 a 17 – O povo brinca nas ruas e nos clubes o carnaval.

1920 – fevereiro – 21 – Abre-se, em Fortaleza, a Casa Síria, da firma Amin Ary & Filhos, composta por Amin Ary, Wadih Ary e Nagib Ary, negociando com tecidos e miudezas, na Rua Major Facundo nº 166 (antigo).

1920 – fevereiro – 29 – Circula a revista Fortaleza, quinzenária, literária e mundana, de Aldo Prado e Coelho Garcia.

1920 – fevereiro – Ano bissexto, ou seja, fevereiro teve 29 dias e como o dia 1º foi um domingo, ele teve cinco domingos.

1920 – março – 19 – Instalada em Fortaleza a Confederação dos Pescadores do Ceará, que rege as 18 Colônias de Pescadores existentes no Estado. Em Fortaleza as colônias existentes eram: Z-1 (Praia do Peixe ou Iracema), Z-2 (Mucuripe) e Z-12 (Praia dos Arpoadores).

1920 – março – 23 – Fundada oficialmente, depois de várias reuniões dos principais dirigentes do nosso futebol, entre eles Alcides Queijado, Alcides de Castro Santos (Alcides Santos), Clóvis Eduardo de Alencar Matos (Clóvis Matos), Edmar Vilar, Eurico Salgado Duarte e Oscar Araripe, a Associação Desportiva Cearense – ADC, da qual faziam parte os clubes Bangu, Ceará Sporting Club, Guarany e Fortaleza Esporte Clube. Seu primeiro presidente foi Sílvio Gentil de Lima. Depois seria transformada em Federação Cearense de Desportos.

1920 – abril – 06 – A Rede de Viação Cearense – RVC passa a ser administrada pela Inspetoria Federal de Obras Contra as Secas – IFOCS, hoje Departamento Nacional de Obras Contra as Secas – DNOCS, em função da construção das grandes barragens do Nordeste, obedecendo ao Aviso nº oito.

1920 – abril – 13 – Morre o poeta, prosador, humorista e desenhista chargista, José Gil Amora (Amorinha), cearense de Fortaleza nascido em 18/02/1883.

1920 – abril – 29 – Cai, sobre Fortaleza, chuva torrencial que inunda a cidade e derruba casas.

1920 – maio – 01 – Surge a União Geral dos Trabalhadores do Ceará, associação de trabalhadores assalariados, artífices e jornaleiros.

1920 – maio – 19 – Por iniciativa do capitão de corveta Frederico Vilar, comandante do cruzador José Bonifácio, instalam-se, oficialmente, as Colônias Cooperativas dos Pescadores Cearenses, ato celebrado no Círculo de Operários Católicos São José.

1920 – maio – 20 – Reaparecem casos de peste bubônica em Fortaleza.

1920 – maio – Aberta em Fortaleza a loja de venda de tecidos e miudezas Casa Açucena, de propriedade de José Abdala.

1920 – junho – 04 – Instala-se, em Fortaleza, o Patronato de Nossa Senhora Auxiliadora, das Operárias, tendo na presidência Maria Amélia de Sousa e no Conselho Protetor, Ilma Moreira da Rocha.

1920 – julho – 09 – Circula, em Fortaleza, O Tacape, de propaganda nacionalista, dirigido por Sílvio Júlio.

1920 – julho – 12 – Assume a Presidência do Estado o Doutor em Direito Justiniano José de Serpa (Justiniano de Serpa) para o quadriênio de 1920-1924 e como prefeito assume Godofredo Maciel, substituindo o engenheiro militar Rubens Monte.

1920 – julho – 18 – Lançamento do primeiro número de A Pátria, órgão do Grêmio Literário e Cívico do Colégio Militar do Ceará.

1920 – agosto – 03 – Morre, em Fortaleza, aos 54 anos de idade, o poeta Ulisses Bezerra, o Frivolino Catavento, da Padaria Espiritual. Era cearense de Arneirós. Hoje é nome de avenida na Cidade do Funcionário.

1920 – agosto – 05 – Assume o novo Capitão dos Portos do Ceará, o 1º tenente Leonel de Magalhães Bastos, interinamente, pela segunda vez, substituindo o capitão de fragata Cyro Câmara Cardoso de Menezes.

1920 – agosto – 09 – O 1º tenente Leonel de Magalhães Bastos passa o comando da Capitania dos Portos, para o titular do cargo, capitão-tenente Rodolfo Marques de Carvalho e Oliveira.

1920 – agosto – 16 – Morre, aos 69 anos de idade, no Convento dos Capuchinhos de Fortaleza, o irmão leigo frei Serafim de Pisogno, nascido em 23/04/1851.

1920 – agosto – 26 – Assume o cargo de Chefe de Polícia o poeta humorista ipuense Abílio Martins. Equivale hoje ao cargo de Secretário de Segurança Pública e Defesa da Cidadania.

1920 – agosto – 27 – Inaugura-se, nos Correios, o serviço de Colis Postaux, com a primeira remessa que chegou do Rio de Janeiro, de onde foi despachada no dia 21.

1920 – agosto – 29 – Fundada, em Fortaleza, a Federação Literária Cearense.

1920 – setembro – 01 – Sai o primeiro número do Diário do Ceará, resultado da fusão dos jornais Folha do Povo e O Estado do Ceará, ficando à frente do novo jornal Hermenegildo de Brito Firmeza (H. Firmeza), Pedro de Brito Firmeza (Pedro Firmeza), Antônio Luís de Drumond Miranda (Antônio Drummond) e Clóvis Eduardo de Alencar Matos (Clóvis Matos).

1920 – setembro – 05 – Fundado o Clube Caixeiral, sediado no palacete da Fênix Caixeiral, na esquina da Rua Guilherme Rocha com Rua 24 de Maio, na Praça Marquês do Herval (hoje Praça José de Alencar). Fora fundado em 11/09/1910 um Clube Caixeiral.

1920 – setembro – 12 – Fundada a sociedade de resistência Associação Gráfica do Ceará, funcionando na Rua Senador Pompeu 257 (antigo).

1920 – setembro – 27 – Dentro das comemorações dos 84 anos do poeta Juvenal Galeno Teófilo da Costa e Silva, é inaugurada a Rua Juvenal Galeno, iniciando na Praça Paula Pessoa (São Sebastião) em direção ao poente. É hoje o início da Avenida Bezerra de Menezes. Existe no Benfica outra Rua Juvenal Galeno.

1920 – setembro – Reabre-se, na Rua Major Facundo nºs 186/188, na Praça do Ferreira, a Casa Americana, livraria, papelaria, tipografia, armarinhos, miudezas e artigos masculinos, da firma Sousa, Gentil & Companhia, formada por Alberto Costa Sousa, Ana Gentil Barbosa e José Campos Paiva. Fora fundada em 1902.

1920 – outubro – 16 – Funda-se, em Fortaleza, o Centro de Estudos Juvenal Galeno, que se chamaria posteriormente Academia dos Novos.

1920 – outubro – 16 – Morre, no Rio de Janeiro, aos 56 anos de idade, o compositor e maestro cearense de fama internacional Alberto Nepomuceno. Foi o introdutor do nacionalismo em nossa música. É autor da música do Hino do Ceará, com versos de Tomás Pompeu Lopes Ferreira (Tomás Lopes). Nascera a 06/07/1864, em Fortaleza, em casa na Rua Senador Pompeu. Hoje é nome de avenida no centro de Fortaleza e Patrono na Academia Cearense de Letras – ACL.

1920 – outubro – 20 – Morre, no Rio de Janeiro, o primeiro vice-presidente do Ceará, Virgílio Brígido, um dos fundadores do Instituto do Ceará (Histórico, Geográfico e Antropológico). Nascera a 24/04/1854 em Santa Cruz, hoje Cruz, em Itapajé.

1920 – outubro – 24 – Lançamento da pedra fundamental do edifício do Círculo de Operários e Trabalhadores Católicos São José, com a presença do Arcebispo Metropolitano Dom Manuel da Silva Gomes e do Presidente do Estado, Justiniano José de Serpa (Justiniano de Serpa), na Praça Senador Machado (hoje Praça do Cristo Redentor), ficando o prédio com frente para a Rua 25 de Março, os fundos para a Rua Boris, o lado esquerdo para a Rua Franco Rabelo e o direito para a Rua Rufino de Alencar nº 362.

1920 – outubro – 29 – Surge a Academia dos Novos, sob a presidência de Aristóteles Bezerra; já havia surgido outra agremiação com o mesmo nome em abril, que tinha Rubens Falcão como presidente e que depois mudaria o nome para Academia Polymáthica.

1920 – novembro – 01 – Instala-se em Fortaleza a Guarda Noturna, criada para substituir em parte a Guarda Cívica.

1920 – novembro – 11 – Fundado como América Foot-ball Clube, o atual América Futebol, Comércio Indústria e Representações Ltda., sob a presidência de Crisanto Moreira da Rocha.

1920 – novembro – 15 – Inaugurada a Estação Ferroviária de Arara (Boqueirão da Arara), da linha norte.

1920 – novembro – 17 – Instala-se, em Fortaleza, o Crédito Popular São José, sociedade cooperativa de responsabilidade limitada, na sede do Círculo Católico de Fortaleza, sob os auspícios de Dom Manuel da Silva Gomes, arcebispo metropolitano, com a direção de Antônio Ildefonso de Araújo. Depois iria para prédio na esquina da Rua Guilherme Rocha nº 15 (antigo, atual 17) com Rua General Bezerril nº 177 (antigo). Depois se transformou no Banco Popular de Fortaleza S/A – Banfort.

1920 – novembro – 17 – Ocorre em Fortaleza as solenes exéquias por Alberto Nepomuceno, maestro cearense falecido na Capital Federal no dia 16 de outubro. Alberto Nepomuceno nasceu em Fortaleza, em casa na Rua Senador Pompeu, no dia 06/07/1864, mudando-se com a família em 1872 para o Recife, PE, voltando a Fortaleza em 1884, seguindo no ano seguinte para a Capital Federal, o Rio de Janeiro.

1920 – dezembro – 11 – Assume o comando do Regimento Militar do Estado o coronel do Exército, Gustavo Frederico Bentermuller.

1920 – dezembro – 12 – Encerramento do Campeonato Cearense de Futebol com a vitória do Fortaleza Sport Club ao derrotar o Guarani pelo escore de 2×0 no Campo do Prado. O Campeonato deixa de ser promovido pela Liga Metropolitana Cearense de Futebol, passando a ser da Associação Desportiva Cearense – ADC.

1920 – dezembro – 25 – Publicado o primeiro número do jornal A Voz do Gráfico.

1920 – dezembro – 26 – Morre, em Fortaleza, Demétrio de Castro Menezes, fundador do Grupo Espírita Fé e Caridade na Rua Major Facundo nº 80 (antigo, atual 424).

1920 – dezembro – 31 – A Avenida Atlântica recebe nova denominação numa homenagem ao presidente do País, passando a chamar-se Avenida Epitácio Pessoa. Hoje é a Avenida Almirante Tamandaré.

1920 – Na administração de Godofredo Maciel são destruídos os quiosques da Praça do Ferreira (Café Java, Café Elegante, Restaurante Iracema e Café do Comércio e um da Light) e procedida uma nova reforma, tendo quase no centro um coreto não coberto que seria substituído em 1925 por outro coberto.

1920 – Surge em Fortaleza a firma Importadora A. Barbosa S. A., que depois abriria a casa Auto Volante.

1920 – Inaugurado neste ano o prédio do Instituto Pasteur, na Avenida Bezerra de Menezes, no bairro do Alagadiço. Depois lá residiu o médico e político José Waldemar de Alcântara e Silva.

1920 – Fundada a Serraria Viana, de Agostinho de Paula Viana (Agostinho Viana), na Avenida Tristão Gonçalves nº 174 antigo, atual 406 e Rua Guilherme Rocha nº 266 antigo, atual 748, na Praça da Lagoinha (atual Praça Capistrano de Abreu), depois passou à firma Viana & Irmão, composta por Agostinho de Paula Viana (Agostinho Viana) e Raimundo Paula Viana.

1920 – Fundada a Fábrica de Bebidas Nacionais, de Raul Amora Gadelha, funcionando na Rua Floriano Peixoto nº 250.

1920 – Morre, no Recife, PE, o bacharel Francisco Teixeira de Sá, que governou a província do Ceará em 1873-1874. Nascera em Recife, em 1835.

1920 – A população de Fortaleza era de 78.536 habitantes, conforme censo oficial realizado naquele ano.

1920 – Em Fortaleza, durante o ano, chove 1.928,3 milímetros de acordo com as informações pluviométricas da época.

 

1921

1921 – janeiro – 01 – Surge A Tribuna, jornal dirigido por Manuel do Nascimento Fernandes Távora e que tinha como redatores Elcias Lopes, Gomes de Matos, Ademar do Nascimento Fernandes Távora (Ademar Távora) e Renato Viana. Saiu de circulação em 1924.

1921 – janeiro – 01 – Abre-se, em Fortaleza a Farmácia Fonseca, na Rua Floriano Peixoto nº 130 (antigo), na velha Praça José de Alencar, hoje largo do Correio, de João Studart da Fonseca.

1921 – janeiro – 01 – Registrada na junta Comercial do Ceará a Farmácia Galeno, de Joaquim Studart da Fonseca, na Rua Major Facundo nº 214 (antigo, atual 566), na Praça do Ferreira. A farmácia já era antiga tendo pertencido a F. A. Perdigão Nogueira.

1921 – janeiro – 01 – Funda-se em Fortaleza a Padaria Modelo, de A. R. Ventura, na Rua General Sampaio nº 107 (atual 683). Em 1936 foi vendida para João Martins Canito que em 1970 vendeu para Massas Alimentícias Modelo Ltda.

1921 – janeiro – 01 – Abre-se, em Fortaleza, a Farmácia Brasil, de Arnóbio P. de Mendonça, na Rua Floriano Peixoto nº 195 (antigo), no prédio antes ocupado pela empresa telefônica. Usava o endereço: Praça do Ferreira nº 195.

1921 – janeiro – 02 – Novamente está à frente dos destinos da Capital, Ildefonso Albano, como novo prefeito que assume neste dia, substituindo Godofredo Maciel.

1921 – janeiro – 12 – Transferida a farmácia fundada por Rodolfo Teófilo, para o farmacêutico Antônio Gonzaga, que muda o nome do estabelecimento para Drogaria Gonzaga, funcionando na Rua Barão do Rio Branco nºs 56/58 (antigos, atual 936). Depois foi Farmácia Gonzaga.

1921 – janeiro – 13 – Morre, vítima de ataque cardíaco, aos 63 anos de idade, o comerciante João de Pontes Medeiros (Coronel João Pontes), português nascido na Ilha de São Miguel em 14/07/1857. Adquiriu em 1904 a maioria das ações da Empresa Telefônica de Fortaleza, passando a dirigi-la. Foi também proprietário da Companhia Ferro-Carril, de bondes de tração animal. Existe hoje, uma praça com seu nome no Monte Castelo.

1921 – janeiro – Surge, em Fortaleza, a Garage Elite, com três frentes, Rua Barão do Rio Branco nºs 51/53 (antigo), Rua Castro e Silva e Rua Major Facundo nº 48 (antigo), propriedade de João Tomé de Sabóia e Silva, gerenciada por Amaro Coelho Cintra. O prédio foi construído pelo arquiteto Jacinto Gomes de Matos (Jacinto Matos). Hoje o prédio abriga o Palácio das Diversões – Bar, restaurante e sinuca.

1921 – janeiro – 24 – Inaugurada na Avenida Duque de Caxias, em frente à Igreja de Nossa Senhora do Carmo, o monumento a Nossa Senhora da Paz, adquirido através de subscrição pública iniciada em 1912, por iniciativa de comissão chefiada por Milton Sousa Carvalho e Adolfo Gonçalves de Siqueira. Ficava no passeio, no meio da avenida. Depois foi transferida para o patamar da Igreja de Nossa Senhora do Carmo.

1921 – janeiro – 25 – Morre o educador Odorico Castelo Branco, fundador do Instituto Miguel Borges, que após sua morte passou a chamar-se Colégio Castelo Branco, em sua homenagem. Nascera em 1876.

1921 – janeiro – 31 – Fundada em Fortaleza a Farmácia Normal, na Rua Major Facundo nº 220, na Praça do Ferreira, propriedade de Jaime Studart. No início do século houve uma Farmácia Normal, do farmacêutico João Lourenço de Castro Silva.

1921 – fevereiro – 01 – Nasce em Fortaleza a firma Salgado, Filho & Companhia, do comerciante Alfredo da Rocha Salgado (Alfredo Salgado), seu filho José Salgado e seu sobrinho Eurico Salgado Duarte que fica à frente da Casa Inglesa, antes da firma R. Siglehurst & Co. de Liverpool.

1921 – fevereiro – 06 – Assume a Paróquia de Nossa Senhora do Carmo o padre Plácido Alves de Oliveira, em substituição ao cônego Henrique Raulino Mourão.

1921 – fevereiro – 06 a 08 – Festejos na Cidade acontecem dedicados ao carnaval.

1921 – fevereiro – 20 – Realiza-se em todo o País, eleições para senador e deputado, sendo os mais votados em Fortaleza João Tomé de Sabóia para o senado e Hugo Carneiro para a câmara.

1921 – fevereiro – 24 – A Capitania dos Portos do Ceará muda de comando quando o titular do cargo, capitão-tenente Rodolpho Marques de Carvalho e Oliveira, entrega o cargo ao interino, 1º tenente Leonel de Magalhães Bastos, que assume pela terceira vez.

1921 – fevereiro – 25 – Na madrugada irrompe um incêndio que devora a Alfaiataria Guimarães, de propriedade de Alfredo Guimarães, destruindo-a completamente. Ficava na Rua Major Facundo na Praça do Ferreira, entre a Farmácia Normal e a Farmácia Galeno.

1921 – março – 06 – Assume o comando da Escola de Aprendizes Marinheiros do Ceará o capitão-tenente Mário Emílio de Carvalho, substituindo o também capitão-tenente César Augusto Machado da Fonseca.

1921 – março – 06 – Reinaugura-se, na Praça do Ferreira, agora em prédio de alvenaria, o Café Java, sob orientação de Edilberto Silva.

1921 – março – 11 – Falecimento, em Fortaleza, do advogado, ex-deputado federal e abolicionista Frederico Augusto Borges, aos 67 anos de idade. Nascera a 07/04/1853 em Fortaleza.

1921 – março – Funda-se, em Fortaleza , a Companhia Industrial de Algodões e Óleos – CIDAO S. A., pelo engenheiro cearense Trajano Sabóia Viriato de Medeiros (Trajano de Medeiros). Os escritórios tinham endereço na Rua Adolfo Caminha nº 200.

1921 – abril – 01- Surge – e não é mentira – em Fortaleza, a Casa Almeida, na Rua Major Facundo nº 212 (antigo), na Praça do Ferreira, da firma Almeida & Companhia, formada por José Joaquim de Almeida Filho e Paulo Urbano de Almeida.

1921 – abril – 11 – Morre em Fortaleza o advogado e professor Francisco de Assis Bezerra de Menezes, “Dr. Bezerrinha”, que lecionava na Faculdade de Direito. Ex-deputado provincial. Nascera em Quixeramobim no dia 06/05/1854.

1921 – abril – 14 – Morre, no Rio de Janeiro, aos 80 anos, o comendador Antônio Pinto Nogueira Acioli, cearense de Icó, nascido no dia 11/10/1840, antigo presidente do Ceará de 1896 a 1912. Foi o último senador da Monarquia. Existe em Fortaleza uma rua em sua homenagem, na Aldeota.

1921 – abril – 17 – Entra em circulação a revista humorística e literária Ceará Social, impressa na Tipografia Moraes, sob direção de Gastão de Merimac, Jalf e Brian d’Orville.

1921 – abril – 22 – Fundado o Sindicato dos Trabalhadores do Porto, associação de beneficência e socorro mútuo, mantendo uma escola proletária em sua sede na Rua Rufino de Alencar s/n.

1921 – abril – 25 – Morre em Belém do Pará o jornalista e cônego Raimundo Ulisses Penafort, nascido em Jardim, Ceará, no dia 25/11/1855. Era membro da Academia Cearense de Letras – ACL.

1921 – abril – Aparece, em Fortaleza, a Alfaiataria Santabaia, de Álvaro A. Santabaia, na Rua Barão do Rio Branco nº 157 (antigo, atual 992). Depois se dividiu em Alfaiataria Leão da Moda e Casa Santabaia.

1921 – maio – 08 – Inaugura-se o Café Emygdio, da firma Rolando Emygdio & Irmão, na Praça do Ferreira, na esquina da Rua Major Facundo com Rua Guilherme Rocha.

1921 – maio – 20 – Deixa o comando do 23º Batalhão de Caçadores – 23BC o coronel Felipe Antônio da Fonseca Galvão.

1921 – maio – 24 – Inaugurado, às 16h, em Fortaleza, o prédio do Patronato Maria Auxiliadora, anexo ao Dispensário dos Pobres, com solenidade presidida pelo arcebispo metropolitano Dom Manuel da Silva Gomes, com a presença do presidente do Estado, Justiniano José de Serpa (Justiniano de Serpa). O Patronato tem na presidência Maria Amélia de Sousa e no Conselho Protetor, Ilma Moreira da Rocha.

1921 – maio – Jerônimo de Oliveira Torres (Jerônimo Torres) abre sua Fábrica de Chapéus de Sol, na Rua Pedro Borges nº 30 (antigo), esquina com Rua Major Facundo, na Praça do Ferreira.

1921 – junho – 07 – Começa a circular o jornal Gazeta do Ceará, de propaganda da candidatura de Artur Bernardes e J. J. Seabra à presidência e vice-presidência da República, radatoriado por F. Rocha Lima e L. Costa Andrade.

1921 – junho – 08 – Abre-se em Fortaleza a loja denominada A Maranhense, armarinho, miudezas e tecidos, pertencente à firma Chuairy, Ary & Cia, formada por Salim Milhem Chuary, José Salim Ary e Nadra Salim Ary, funcionando na Rua Major Facundo nº 100 (antigo).

1921 – junho – 11 – Funda-se, em Fortaleza, a União Beneficente de Trabalhadores Ambulantes de Fortaleza, com sede na Rua Castro e Silva nº 423 (antigo).

1921 – junho – 11 – Começa a circular em Fortaleza o jornal O Palinuro, órgão dos estudantes do Liceu do Ceará, dirigido por César Teles de Magalhães (César Magalhães) e redatoriado por Aldo Prado e Deusdedit Araújo.

1921 – junho – 12 – Sai o primeiro número do jornal O Combate, órgão da Federação dos Trabalhadores do Ceará.

1921 – junho – 29 – Sai o primeiro número da revista Heliópolis, hebdomadária de ciências, letras e artes, impressa na Gráfica do Diário do Estado.

1921 – junho – Funda-se, em Fortaleza, a Casa São José, de louças, vidros, metais, alumínio, etc., da firma H. R. de Oliveira, na Rua Floriano Peixoto nº 734.

1921 – junho – Surge em Fortaleza, a Livraria e Papelaria Humberto, de Humberto Ribeiro, na Rua Major Facundo nº 354.

1921 – junho – A antiga Fábrica Santa Isabel, de Joaquim Sá, de beneficiamento de café, açúcar e milho, passa a denominar-se Torrefação Santa Isabel, funcionando na Rua Floriano Peixoto nº 703.

1921 – julho – 01 – Funda-se em Fortaleza a Tipografia Moderna, na Rua Barão do Rio Branco nº 130 (antigo), de propriedade de F. Carneiro.

1921 – julho – 22 – Assassinado com quatro tiros, na Praça do Ferreira, às 21h30min, aos 21 anos de idade, o poeta e jornalista Mário da Silveira, por Olavo Gomes do Rego (Olavo Rego), que nem sequer foi preso e foi absolvido em julgamento realizado em 1926. O enterreo ocorre no dia seguinte, à tarde, no Cemitério São João Batista. Mário da Silveira era cearense de Fortaleza onde nascera a 17/09/1899.

1921 – julho – Sai em Fortaleza o primeiro número de Argos, publicação filosófica, científica e literária dirigida por Ermínio Araújo, Aluísio Araripe de Faria Coimbra (Aluísio Coimbra), Antônio Faustino Nascimento, Carlos Sidou e Hugo Victor de Guimarães e Silva.

1921 – agosto – 01 – Inaugura-se em Fortaleza a Casa Baiana, de miudezas e tecidos, na Rua Major Facundo nº 157 (antigo), de propriedade de Nahmi Jereissati.

1921 – agosto – 05 – Morre, em Senador Pompeu, o poeta Temístocles Machado, que pertenceu à Padaria Espiritual e ao Centro Literário. Nascera em Limoeiro do Norte no dia 25/08/1874.

1921 – agosto – 08 – Fundada a casa comercial J. Tomé de Sabóia, pelo engenheiro João Tomé de Sabóia e Silva, na Rua Major Facundo 126, esquina com Rua Castro e Silva.

1921 – agosto – 13 – Assume a Capitania dos Portos do Ceará o novo titular do cargo, capitão de corveta Vicente Augusto Rodrigues, que recebe o cargo das mãos do interino 1º tenente Leonel de Magalhães Bastos.

1921 – agosto – 21 – Publicado o primeiro número de O Guarany, jornal semanal de propaganda nacionalista dirigido por B. Pontes. Era semanal.

1921 – agosto – 26 – Em Fortaleza os artistas João Teixeira Guimarães (João Pernambuco) e José Luís Calazans Rodrigues (Jararaca), que dão recital no Salão Juvenal Galeno, depois Casa de Juvenal Galeno.

1921 – agosto – 28 – Morre em Fortaleza, às 4h da madrugada, aos 80 anos de idade, o abolicionista, poeta, escritor e historiador Antônio Bezerra de Sousa Menezes, membro da Academia Cearense de Letras – ACL, um dos fundadores do Instituto do Ceará (Histórico, Geográfico e Antropológico) e vice-presidente da Cearense Libertadora. Era cearense de Quixeramobim onde nascera a 21/02/1841. Hoje é nome de bairro em Fortaleza.

1921 – setembro – 01 – Aparece em Fortaleza a Farmácia Cruz Vermelha, de propriedade de Onulfo Câmara, localizada na Rua Floriano Peixoto nº 104 (antigo, atual 408). Depois se mudou para a Rua Liberato Barroso nº 214, quando já pertencia a Laís Bivar Câmara.

1921 – setembro – 07 – Inaugura-se, na Rua Major Facundo nº 594, na Praça do Ferreira, no local onde antes funcionou a Livraria Oliveira, do português Joaquim de Oliveira, o Cine Moderno, do grupo Luiz Severiano Ribeiro, com o filme alemão “Carmen”, com Pola Negri. Tinha bonita fachada com duas torres em estilo neomouro, uma marquise de 1/4 de cúpula em vidro colorido (vitral) sobre a porta principal. A sala de projeção ficava de frente para a rua, com uma geral ao fundo, tendo antes uma sala de espera bem ornamentada. As cadeiras, em número de 709, eram sofás confortáveis, de couro preto. No dia 25/05/1930 o Cine Moderno exibiu seu último filme mudo. Ele foi o primeiro cinema de Fortaleza a adotar a sonorização, passando ali a primeira fita com som: Broadway Melody, da Metro Goldwyn, no dia 19/06/1930. O Cine Moderno foi fechado no dia 21/05/1968 e o prédio foi vendido pelos herdeiros de Plácido Barbosa de Carvalho (Plácido de Carvalho), para o comerciante e industrial Edson Queiroz. Lá foi instalada a loja Samasa que já não existe, dando lugar a uma loja de bingos.

1921 – setembro – 08 – Morre, em Redenção, o escritor e padre Francisco Valdivino Nogueira (Padre Valdivino), membro do Instituto do Ceará (Histórico, Geográfico e Antropológico) e da Academia Cearense de Letras – ACL, foi vigário em várias localidades. Era cearense de Limoeiro do Norte onde nascera em 24/04/1866. Hoje é nome de rua na Aldeota e Joaquim Távora, em Fortaleza.

1921 – setembro – 04 – Batida a primeira estaca da ponte provisória do viaduto de Fortaleza, obra da companhia inglesa Norton Griffiths Cª (Ponte dos Ingleses), cujo nome oficial é Viaduto Lucas Bicalho, conhecida hoje por Ponte dos Ingleses.

1921 – setembro – Funda-se, em Fortaleza, a Casa Coelho, de estivas e gêneros alimentícios, na Rua Conde D’Eu nº 493, de propriedade de Manuel Coelho da Silva.

1921 – outubro – 02 – Renuncia o vigariato da Igreja de Nossa Senhora do Carmo o padre Plácido Alves de Oliveira, por motivo de doença, sendo nomeado para substituí-lo, o monsenhor Antônio Tabosa Braga (Monsenhor Tabosa).

1921 – outubro – 12 – Publicado o primeiro número de A Clava, revista sob a direção de Antônio Gomes, Monteiro Sousa e Nogueira Lima, todos alunos do Colégio Militar.

1921 – outubro – 13 – Morre, em Castanhal, PA, aos 70 anos de idade, o padre Luís de Sousa Leitão, cearense de Quixeramobim nascido em 27/03/1851, que exerceu a presidência do Poder Legislativo cearense em 1888.

1921 – outubro – 14 – Morre, aos 91 anos de idade, cego, o coronel João Brígido dos Santos, jornalista e político. Nasceu no Espírito Santo, na vila de São João da Barra, no dia 03/12/1829. É hoje nome de rua no Joaquim Távora e Dionísio Torres; a antiga Rua da Bomba. Em sua homenagem foi dado seu nome à cadeira nº 14 da Academia Cearense de Letras – ACL; e o Paço Municipal de Fortaleza hoje tem o nome de Palácio João Brígido.

1921 – outubro – 31 – Pela Lei nº 1913, o município de Parangaba, ex-Porangaba, antiga Arronches, é anexado ao de Fortaleza, transformando-se em distrito e levando consigo o distrito de Barro Vermelho (hoje Antônio Bezerra).

1921 – outubro – 31 – A Lei nº 1913, desta data, anexa o município de Messejana ao de Fortaleza, passando a distrito.

1921 – outubro – O português Manuel Nunes Siqueira abre a Padaria Triunfo, na esquina da Rua Senador Pompeu nº 236 (antigo, atual nº 1058) com Rua Liberato Barroso. No local hoje se levanta o Edifício Triunfo com uma loja de tecidos no andar térreo.

1921 – novembro – 04 – Promulgada a Reforma da Constituição do Estado do Ceará.

1921 – novembro – 04 – Na reforma da Constituição o Tribunal da Relação passa a ter a denominação de Superior Tribunal de Justiça.

1921 – novembro – 05 – O Regimento Militar do Estado, passa a chamar-se Força Pública Militar do Ceará. Hoje é a Polícia Militar do Ceará.

1921 – dezembro – 10 – Anexada à Prefeitura Municipal de Fortaleza – PMF, a Prefeitura de Messejana.

1921 – dezembro – 12 – A Prefeitura de Porangaba (Parangaba) é anexada à Prefeitura Municipal de Fortaleza – PMF.

1921 – dezembro – 18 – Abre-se em Fortaleza a Farmácia Catão, na Rua Major Facundo nº 241 (antigo), propriedade do farmacêutico R. Codes.

1921 – dezembro – 18 – Circula o primeiro número do Ceará-Jornal, semanário literário, humorístico e noticioso dirigido por B. Pontes e Caetano Figueiredo e redatoriado por Paulo do Rio, com redação na Rua General Bezerril nº 183 (antigo).

1921 – dezembro – 21 – Morre, em Fortaleza, o advogado e professor Pompílio Cordeiro da Cruz (Pompílio Cruz), ex-deputado, cearense de Canindé nascido em 06/01/1861. Foi sepultado no Cemitério São João Batista.

1921 – dezembro – 25 – O Fortaleza Sport Club sagra-se Campeão Cearense de Futebol pela segunda vez consecutiva (bi-Campeão).

1921 – Surge a firma Pascoal de Castro Alves, em casa na Rua Princesa Isabel.

1921 – Introdução do meio fio ou fio de pedra nas calçadas de Fortaleza, na gestão do Intendente Ildefonso Albano.

1921 – 81.160 habitantes era a população da cidade de Fortaleza neste ano.

1921 – Muita chuva caiu sobre Fortaleza no ano. Os pluviômetros acusaram o índice de 2.098 milímetros.

 

1922

1922 – janeiro – 01 – O Centro Cearense de Propaganda Católica reorganiza-se e se transforma na Liga dos Moços Católicos Cavalheiros de Cristo. Depois seria a União dos Moços Católicos.

1922 – janeiro – 01 – Inaugurada a Farmácia Carneiro, de Antônio M. Carneiro, na Rua Major Facundo nº 250, depois se mudou para a Avenida Visconde do Rio Branco nº 2037.

1922 – janeiro – 20 – Inaugura-se a Loja Centenário, de tecidos e miudezas, de Antero Coelho de Araújo, na Rua Major Facundo nº 40 (antigo), na Praça do Ferreira.

1922 – janeiro – 29 – Circula, em Fortaleza, o primeiro número do jornal Brazila Vivo, escrito em esperanto.

1922 – fevereiro – 04 – Inscrita, na Confederação Brasileira de Desportos – CBD, a Associação Desportiva Cearense – ADC.

1922 – fevereiro – 26 a 28 – Dias dedicados aos festejos carnavalescos, naquele ano denominado “carnaval da Independência”, por ser 1922 o ano do primeiro Centenário da Independência do Brasil.

1922 – março – 01 – A Padaria Imparcial é aberta ao público, na Rua Senador Pompeu nº 300 (antigo, atual 1232), de propriedade de Silvério Nossa Abreu. Hoje no local está a farmácia Pague-Menos centro.

1922 – março – 02 – Inaugura-se em Fortaleza, a Casa Joana D’Arc, mercearia de primeira ordem, na Rua Barão do Rio Branco nº 234 (antigo, atual 498), da firma Silva & Filho, formada por Francisco Xavier da Silva e Oséas Leitão da Silva. Depois pertenceu à firma Paulo Matos & Companhia Ltda., de Aguinaldo Cabral e Paulo Matos de Oliveira.

1922 – março – 04 – A Associação dos Merceeiros do Ceará inicia a publicação de O Merceeiro, órgão oficial da entidade.

1922 – março – 15 – Abre-se, em Fortaleza, a loja A Independência, de José Mota Sobrinho, na Rua Floriano Peixoto nº 256. Clara influência dos festejos do Centenário da Independência.

1922 – março – 15 – Abre-se em Fortaleza a Casa Maranguape, na Rua Pedro Borges nºs 42/44, na Praça do Ferreira, de Agapito Sales.

1922 – março – 21 – Luiz Severiano Ribeiro reinaugura o Cine Polytheama, que havia adquirido da Empresa Rola, Irmão & Companhia, na Praça do Ferreira, com o filme O dever de todo filho.

1922 – abril – 22 – Aparece, no comércio fortalezense, A Formosa Cearense, loja de modas, tecidos, calçados e alfaiataria, de Cunto & Companhia, dos sócios Salvador Cunto, Vicente Cunto e José Cozza Cunto, na Rua Floriano Peixoto nº 205 (antigo, atual 635), no Edifício Itália, na Praça do Ferreira.

1922 – abril – 27 – Exonerado do cargo de diretor da Rede de Viação Cearense – RVC, o engenheiro Enrique Eduardo Couto Fernandes.

1922 – abril – 28 – Toma posse, no comando da Força Pública Militar do Ceará, o tenente do Exército Brasileiro, Lanes José Bernardo Júnior.

1922 – maio – 09 – Assume a direção da Rede de Viação Cearense – RVC, o engenheiro Luciano Martins Veras (Luciano Veras), substituindo o engenheiro Enrique Eduardo Couto Fernandes.

1922 – maio – 15 – Surge a Farmácia Popular, na Rua General Sampaio nº 352 (antigo, atual 1355), de propriedade de Silva Filho.

1922 – junho – 29 – Começa a circular o jornal católico O Nordeste, com redação na Rua General Bezerril nº 156 (antigo), na Praça General Tibúrcio, sob a administração de Antônio Ildefonso de Araújo e redatoriado por Manuel Antônio de Andrade Furtado e José Martins Rodrigues.

1922 – junho – 29 – Instituído o Hino do Centro Artístico Cearense, com versos de Renato Viana e música de do maestro Euclides da Silva Novo, em festa realizada na sede da agremiação, na esquina da Avenida Tristão Gonçalves com Avenida Duque de Caxias. O hino foi tocado e cantado às 13h, no início da festa e no encerramento.

1922 – julho – 08 – Chega em Fortaleza o saxofonista cego Ladário Teixeira, que fez várias apresentações no Clube Iracema, no Palacete Ceará, sempre com muito sucesso. Ele foi um dos aperfeiçoadores do saxofone.

1922 – julho – 17 – Reúnem-se, no Palácio do Governo, os intelectuais para procederam à reorganização da Academia Cearense de Letras – ACL, ocasião em que são eleitos presidente honorário, Justiniano José de Serpa (Justiniano de Serpa) e presidente, Tomás Pompeu de Sousa Brasil Filho.

1922 – julho -22 – O Ceará Sporting Club, às 20h, inaugura sua nova sede, na Rua Senador Pompeu.

1922 – julho – 23 – Inaugurado o Café Ivan, na Rua Senador Alencar nº 48 (antigo), gerenciado por Armando Vale Weyne.

1922 – julho – 23 – Lançada a pedra fundamental, na então Praça Senador Machado (hoje Praça do Cristo Redentor), da Torre do Cristo Redentor, para comemorar a passagem do Centenário da Independência do Brasil. Usou da palavra o arcebispo Dom Manuel da Silva Gomes.

1922 – julho – 29 – Inaugura-se, às 19h, no andar térreo do Palacete Ceará, na Rua Floriano Peixoto nº 565, o Rotisserie Sportaman, de propriedade do comerciante Efrem Gondim, restaurante, sorveteria, café e casa de chá, com orquestra regida pelo maestro e compositor Antônio Moreira, o Moreirinha. Depois pertenceu à firma Jereissati & Companhia. Hoje o local é ocupado pela Caixa Econômica Federal que adquiriu o prédio.

1922 – julho – 30 – Fundado em Fortaleza, às 13h, no salão de honra do Liceu do Ceará, a Associação dos Estudantes Cearenses, tendo na presidência Joaquim Hélio Caracas.

1922 – julho – 31 – Morre, em Fortaleza, o comerciante Adolfo Quixadá, criador da Companhia Quixadá, que funcionava em prédio na Rua Major Facundo nº 424. Era sobralense nascido em 12/05/1871, filho de Antônio Francisco de Paula, conhecido por Major Quixadá.

1922 – agosto – 01 – Abre-se a Farmácia Universal, de J. Furtado & Cia, firma composta por Maria de Lourdes de Azevedo J. Furtado e Zenóbia Quixadá Furtado, funcionando na Rua Major Facundo nº 252 (antigo).

1922 – agosto – 01 – Surge no cenário comercial de Fortaleza a Casa Pinto, de Miguel Xavier Pinto, na Rua Guilherme Rocha nº 73 (antigo).

1922 – agosto – 11 – Iniciada, pelo governo Justiniano de Serpa, a construção do prédio da Escola Normal no centro da praça em frente à Igreja do Pequeno-Grande e Colégio da Imaculada Conceição, hoje Praça Figueira de Melo. A Escola Normal funcionava à época em prédio na Rua Liberato Barroso, esquina com Rua 24 de Maio, na antiga Praça Marquês do Herval, hoje Praça José de Alencar, onde funciona hoje o IPHAN.

1922 – agosto – 25 – O Presidente Justiniano José de Serpa (Justiniano de Serpa) baixa o Decreto nº 1971, instituindo oficialmente o pavilhão estadual que deve ser idêntico ao nacional, substituindo-se o globo azul por um branco no qual deverá figurar as Armas do Estado. A bandeira fora criada pelo comerciante João Tibúrcio Albano que ao hastear a bandeira do Maranhão, terra de sua esposa, em sua residência, achou por bem ladeá-la com a Bandeira do Ceará, mas esta não existia e ele resolveu a situação colocando a bandeira nacional com as Armas (escudo) do Ceará no lugar do globo azul. Nasceu assim a Bandeira do Ceará.

1922 – setembro – 04 – Decola, em Nova Iorque, com destino ao Rio de Janeiro, o Sampaio Corrêa, avião pilotado pelo cearense Euclides Pinto Martins e o norte-americano Walter Hinton. Com um acidente no caminho, chegou ao Rio em 08/02/1923.

1922 – setembro – 07 – Dia do Centenário da Independência do Brasil, no governo de Justiniano de Serpa, o Parque da Liberdade ganhou o nome de Parque da Independência, ocasião em que ganhou também a estátua do índio quebrando os grilhões, ou seja, o Brasil libertando-se de Portugal, em cima do portão principal, sendo reinaugurado. No local da estátua havia uma outra, de Apolo, que fora presenteada ao Ceará pelo Estado do Pará em 1890.

1922 – setembro – 07 – Mudou de nome a Praça Comendador Coelho (conhecida como Praça dos Coelhos), que passou a denominar-se Praça José Bonifácio.

1922 – setembro – 07 – Dia do Centenário da Independência do Brasil, inaugura-se a sede social do América Foot-ball Club, na Rua Senador Pompeu nº 117.

1922 – setembro – 07 – Dia do Centenário da Independência do Brasil é reinaugurado o chalé da administração da Rede de Viação Cearense – RVC, após reforma.

1922 – setembro – 07 – Dia do Centenário da Independência do Brasil, os festejos do Centenário da Independência do Brasil em Fortaleza foi comemorado intensamente, sendo as casas iluminadas de cima abaixo, com alusões à grande festa.

1922 – setembro – 07 – Dia do Centenário da Independência do Brasil, abre-se a Foto Sales, na Praça do Ferreira, de Tertuliano Sales Dantas, jovem fotógrafo pernambucano formado na Foto Olsen. Esteve na Rua Pedro Borges e também na Rua Major Facundo nº 584.

1922 – setembro – 08 – Data da instalação solene da Academia Cearense de Letras – ACL, no salão de honra do Clube Iracema no Palacete Ceará, presidida por Justiniano de Serpa, intelectual que ocupava na época a Presidência do Ceará.

1922 – setembro – 10 – Inaugurado o Café Centenário, antigo Café Benfica, na Avenida Benfica (atual Avenida João Pessoa), próximo ao cruzamento com a Rua Padre Francisco Pinto.

1922 – setembro – 11 – Morre, no Rio de Janeiro, aos 71 anos de idade, o abolicionista, médico, ex-governador e ex-senador Pedro Augusto Borges (Pedro Borges), cearense de Fortaleza nascido no dia 29/04/1851. Hoje é nome de rua que se inicia na Rua Sena Madureira e termina na Rua Major Facundo na Praça do Ferreira, no coração de Fortaleza, continuação da Rua do Pocinho.

1922 – setembro – 25 – Inaugura-se, na Cadeia Pública, um cinema para os presos, no andar superior, com o filme “Feliz equívoco”, em 6 atos.

1922 – setembro – 29 – Surge em Fortaleza a Fundição Mundoca, na Rua 24 de Maio nº 303 (antigo), de propriedade de Leopércio de Almeida Freire.

1922 – outubro – 03 – Inaugurada, na Rua General Bezerril nº 117 (antigo, atual nº 319), na antiga Praça José de Alencar (hoje Praça Waldemar Falcão), a Farmácia Juliana, de Juliana Cavalcante, ocasião em que foi entronizado um quadro do Sagrado Coração de Jesus, pelo monsenhor Liberato Dionísio da Costa.

1922 – outubro – 07 – Toma posse no cargo de comandante da Escola de Aprendizes Marinheiros do Ceará, o capitão de corveta Miguel de Castro Caminha, substituindo o capitão-tenente Mário Emílio de Carvalho.

1922 – outubro – 09 – Fundada, no salão nobre do Clube Iracema, a Associação da Imprensa do Ceará, que tinha na presidência o médico e orador José Lino da Justa.

1922 – outubro – 13 – Chegam, de volta a Fortaleza, os jangadeiros que foram ao Rio de Janeiro para a comemoração do Centenário da Independência do Brasil. Os jangadeiros eram: J. Bernardino de Paula, Francisco Pereira da Silva, Francisco Silva da Costa, Manuel F. de Almeida, Francisco C. da Costa, Possidônio F. Barbosa, Luís R. da Costa e Antônio F. Barbosa. As duas jangadas que os acompanharam chamavam-se Ypiranga e Justiniano de Serpa.

1922 – outubro – 18 – Distribuído o “Almanak Silveira” para o ano de 1923, oferecido pelo farmacêutico João Rocha Moreira, agente em Fortaleza do Elixir Nogueira.

1922 – outubro – O Ceará Sporting Club vence a partida final do Campeonato Cearense de Futebol sagrando-se Campeão, ao vencer o Fortaleza Esporte Clube por 4×1 no Campo do Prado.

1922 – novembro – 01 – Criada, pelo Decreto nº 15.970, Artigo nº 25, a Delegação do Tribunal de Contas.

1922 – novembro – 01 – Reinaugura-se em Fortaleza a Farmácia Pasteur, da firma Eduardo Bezerra & Companhia, formada por Eduardo de Castro Bezerra, Tertuliano Vieira e Sá e Raimundo Freitas Ramos, em prédio na Rua Major Facundo, na Praça do Ferreira, onde hoje está a Binoca. Depois pertenceu aos sócios Raimundo Freitas Ramos e José Moacir Bezerra, passando depois a João Moisés Pereira, quando já ficava na Rua General Sampaio nº 1100.

1922 – novembro – 12 – Instituída, pela Lei nº 2.038, a Justiça Militar do Estado do Ceará.

1922 – novembro – 12 – A Academia dos Novos muda seu nome para Academia Polymáthica, passando a ter como presidente Euclydes Vasconcelos César (Euclides César). Funcionou de início na Rua Major Facundo nº 144 (antigo), logo passando para os altos da Farmácia Teófilo, na esquina de Guilherme Rocha nº 17 (antigo) com Barão do Rio Branco nºs 94, depois 178/180 (antigos, atual 936) e finalmente na Rua Barão do Rio Branco nº 794. A Polimática foi tão popular que surgiram os cigarros Polymathicos”, da fábrica de cigarros São Lourenço, de J. Markan, depois Beleza & Cia. Ltda, em 1928.

1922 – novembro – 15 – Instala-se a Associação da Imprensa do Ceará e assume sua diretoria que tem à frente o médico e orador José Lino da Justa.

1922 – novembro – 15 – No Rio de Janeiro, assume a presidência da República, o autoritário Artur da Silva Bernardes (Artur Bernardes), que governou todo o período em estado de sítio. Seu vice-presidente era Urbano Santos mas faleceu antes da posse, assumondo em seu lugar Estácio Albuquerque Coimbra (Estácio Coimbra).

1922 – dezembro – 15 – Inaugurada, no Palacete Oriano, na Rua Senador Pompeu, a Pensão Napoleão, propriedade de Napoleão Franco Pereira.

1922 – novembro – 22 – Instala-se em Fortaleza, a oficina de alfaiataria de Venâncio Moura & Irmão, firma composta por Venâncio Pereira de Moura e Domingues Pereira de Moura, a Alfaiataria Moura, na Travessa da Boa Vista (Rua Floriano Peixoto) nº 8 (antigo).

1922 – novembro – 30 – Inaugura-se a parada ferroviária no Matadouro, depois foi construída a estação do Matadouro, que recebeu posteriormente o nome de Otávio Bonfim. Já foi demolida.

1922 – dezembro – 17 – O arcebispo metropolitano de Fortaleza, Dom Manuel da Silva Gomes, benze, solenemente, os quatro grandes sinos da Igreja de Nossa Senhora da Conceição da Prainha, batizados de Centenário, Brasil, Ceará e Fortaleza.

1922 – dezembro – 18 – Inaugura-se, às 13h, a Casa Avenida, de propriedade da firma Mário Campos & Cia., na Rua Major Facundo nº 170, vizinho ao Café Riche.

1922 – dezembro – 20 – Sobrevoa Fortaleza, o avião “Sampaio Correia-II”, no qual viajam os pilotos Euclides Pinto Martins, cearense e o americano Walter Hinton, que empreendem o “raid” Nova Iorque – Rio de Janeiro.

1922 – dezembro – 24 – Construída para comemorar a passagem do Centenário da Independência do Brasil, a torre do Cristo Redentor deveria ter sido inaugurada no dia 07/09/1922, mas só o foi neste dia às 17h. Os construtores foram os mestres Antônio Machado, Domingos Reis e Severino Moura, que foram os próprios arquitetos e engenheiros. Sua pedra fundamental fora lançada no dia 23/07/1922, na então Praça Senador Machado (hoje Praça Cristo Redentor). Na ocasião da inauguração falou o arcebispo Dom Manuel da Silva Gomes. Estavam presentes o presidente do Estado Justiniano de Serpa, o prefeito de Fortaleza coronel Adolfo G. Siqueira e o deputado estadual Rubens Monte. A torre mede 35m de altura, com 3m de circunferência. A estátua do Cristo foi esculpida por José Rangel Sobrinho e José Maria Sampaio. Ainda hoje no pé do monumento a placa dá a data errada de 07/09/1922 como inauguratória.

1922 – dezembro – 31 – Inaugurada, próximo ao antigo Matadouro de Fortaleza, a Estação Ferroviária do Matadouro, depois denominada de Otávio Bonfim. Foi demolida.

1922 – A primeira estação radio-telegráfica de Fortaleza instalou-se na Praia do Peixe (Praia de Iracema) – ainda existe a casa onde ficava a estação – tendo seus escritórios no prédio da Fênix Caixeiral, na Praça Marquês do Herval (atual Praça José de Alencar), na Rua General Sampaio, esquina com Rua Guilherme Rocha, onde hoje fica o edifício do SUS.

1922 – Ingressa no Instituto do Ceará (Histórico, Geográfico e Antropológico), o padre Rodolfo Ferreira da Cunha.

1922 – Fundada em Fortaleza, a Associação Estadual dos Escoteiros Cearenses, filiada à Associação Brasileira de Escotismo, com sede em São Paulo. Seu primeiro presidente foi o professor Lourenço Filho.

1922 – Comanda o 23º Batalhão de Caçadores – 23BC, o coronel Tertuliano de Albuquerque Potiguara “Itororó” (Tertuliano Potiguara), herói da 1º Guerra Mundial (1914-1918).

1922 – São terminadas as obras do Açude Jangurussu, construído no Sítio Jangurussu, de João Francisco Ribeiro Neto, em Messejana, pela Inspetoria Federal de Obras Contra as Secas – IFOCS, hoje Departamento Nacional de Obras Contra as Secas – DNOCS.

1922 – No ano do Centenário da Independência do Brasil, Fortaleza contava, conforme estimativa da época, com uma população que atingia os cem mil habitantes, totalizando 104.852 almas.

1922 – Fortaleza recebeu chuvas que medidas pelos meteorologistas tiveram o índice de 1.675 milímetros.

 

1923

1923 – janeiro – 01 – Registrada a firma Aprígio Coelho de Araújo, com o estabelecimento A Cearense, na esquina da Rua Floriano Peixoto nº 219/223, com Rua Pedro Borges, olhando para a Praça do Ferreira. Em 1930 foi reinaugurada após reforma e em 1939 mudou-se para a Rua Barão do Rio Branco nºs 1068/1074.

1923 – janeiro – 01 – Instala-se, na esquina da Rua Senador Pompeu nº 174 (antigo, atual 882) com Rua Guilherme Rocha, a Padaria Palmeira, da firma Ferreira da Silva & Cia. Ltda. de Firmino Ferreira da Silva e Albano Ferreira da Silva, que além de panificação abraçava também o ramo de torrefação com o Café Palmeira. Antes desta instalação já existia o estabelecimento.

1923 – janeiro – 01 – Na Rua Major Facundo nº 229 (antigo), surge a Alfaiataria Talhe Elegante, de Álvaro Medeiros.

1923 – janeiro – 02 – O prédio construído para abrigar o Grupo Escolar do Benfica fica pronto. Sua instalação dá-se no mesmo dia. Depois passou a denominar-se Grupo Escolar Rodolfo Teófilo. Hoje abriga o a Faculdade de Economia, Administração, Ciências Atuarias, Contabilidade e Secretariado – FEACCS (que já foi Faculdade de Economia, Administração, Atuaria e Contabilidade – FEAAC, Faculdade de Ciências Econômicas) da UFC. O arquiteto do prédio foi José Gonçalves da Justa. Fica localizado na Avenida Visconde de Cauípe (hoje Avenida da Universidade) nº 2.431. Após a mudança do estabelecimento de ensino para outra rua próxima em 20/08/1956, o prédio passou a abrigar o Museu Antropológico (hoje Museu do Ceará) e o Instituto do Ceará; dez anos depois foi feita uma permuta com a Universidade Federal do Ceará e o Instituto passou a funcionar na Rua Barão do Rio Branco na Praça do Carmo, onde ainda está e o museu foi para prédio na Avenida Barão de Studart, passando o prédio a acolher os cursos de Economia, Administração e Ciências Contábeis. Hoje o Museu do Ceará está no prédio da antiga Assembleia Provincial depois Assembleia Legislativa, na Rua São Paulo. O Grupo Escola do Benfica, que depois chamou-se Grupo Escolar Rodolfo Teófilo, hoje denomina-se Escola de Ensino Fundamental e Médio Rodolfo Teófilo.

1923 – janeiro – 02 – Instala-se o Grupo Escolar do Norte de Cidade, funcionando no antigo prédio da Escola Normal, na Praça Marquês do Herval (hoje Praça José de Alencar), o prédio é hoje ocupado pelo IPHAN.

1923 – janeiro – 02 – Abre-se, em Fortaleza, a Casa Lusitana, de ferragens e miudezas, na Rua Floriano Peixoto nº 155 (antigo), da firma Gonçalves & Torres, formada por Manuel Gonçalves dos Santos e Manuel Rodrigues Torres.

1923 – janeiro – 06 – Assume a administração do Correio, Manuel Sátiro, que fora nomeado em comissão por decreto de 06/12/1922, substituindo Bernardo Café Filho.

1923 – janeiro – 12 – Antônio Escudeiro de Almeida e José Antônio da Silva fundam a firma Almeida & Silva que instala a Padaria Imperial na Avenida Joaquim Távora (Avenida Visconde do Rio Branco) nº 806 (antigo, atual 2178). Em 1934 passou a pertencer ao português Manuel Dias Branco (M. Dias Branco).

1923 – janeiro – 20 – Morre, no Rio de Janeiro, em acidente na explosão de uma caldeira, aos 42 anos, o engenheiro, bacharel em Ciências Físicas e Matemáticas, polígrafo, romancista, poeta, ensaísta, Carlos Carneiro Leão de Vasconcelos (Carlos Vasconcelos). Era cearense de Granja nascido em 11/09/1881. Em sua homenagem existe uma rua na Aldeota e Dionísio Torres.

1923 – janeiro – 23 – Inaugura-se em Fortaleza a Fábrica Santelmo, de velas e artefatos de cera, na Rua Barão do Rio Branco nº 210 (antigo), da firma Fernandes & Franco Ltda., formada por Manuel Fernandes Júnior e Paulo Franco de Oliveira.

1923 – janeiro – 25 – Fundada em Fortaleza a Associação Cearense dos Chaufeurs – ACC.

1923 – janeiro – 28 – Assassinado a tiros, na Praça do Ferreira, o chefe político, coronel Gustavo Augusto de Lima, por Raimundo de Aquino.

1923 – janeiro – 29 – Registrada na Junta Comercial a loja Bastidor da Moda, de tecidos, modas e miudezas, na Rua Liberato Barroso nº 6 (antigo), de propriedade de Mário Simplício Damasceno.

1923 – fevereiro – 03 – O Cine Pio X, na Avenida Duque de Caxias nº 191/201, na Praça do Coração de Jesus, inaugura-se com o filme A rainha dos brilhantes e, posteriormente, estréia seu palco.

1923 – fevereiro – 08 – Chega ao Rio de Janeiro, o avião Sampaio Corrêa-II, com o aviador cearense Euclides Pinto Martins e o norte-americano Walter Hinton, que saíram de Nova Iorque em 17/08/1922. O primeiro Sampaio Corrêa sofreu um acidente sendo substituído.

1923 – fevereiro – 11 – Primeiro dia de carnaval, aparece em Fortaleza, o bloco Os Polymathicos. O carnaval ocorre nos dias 11, 12 e 13.

1923 – fevereiro – 17 – Fundado o Centro dos Exportadores, na Avenida Alberto Nepomuceno, nº 77, tendo como primeiro presidente Alfredo da Rocha Salgado (Alfredo Salgado), vice-presidente Adrien Seligman, secretário, Alberto Jacques Klein. O Centro era formado pelas firmas Salgado, Filho & Companhia; A. D. Siqueira & Filho; Boris Frères & Cie, G. Gradwohl & Fils; J. Lopes & Companhia; Camilo & Companhia; Myrtil, Lima & Companhia; Arruda & Companhia Ltda.; Ommundsen & Martins Ltda.; Albert Beday; Dugan, Hood & Companhia Inc.; Boris, Siqueira, Lima & Companhia; Rossbach Brasil Company e José Arruda.

1923 – fevereiro – 22 – Morre em Fortaleza a empresária Virgínia da Rocha, proprietária da Casa Bordalo, de calçados, aos 90 anos de idade.

1923 – fevereiro – 28 – Inaugura-se em Fortaleza a loja denominada A Libertadora, de tecidos, modas e armarinho, da firma Cunha & Monteiro, de Manuel da Cunha Pereira e Manuel Monteiro da Silva, na Rua Floriano Peixoto nº 160, esquina com Rua Pará. Antes já houvera uma loja “A Libertadora”.

1923 – março – 17 – Fundada a União Síria, funcionando em prédio na Rua Major Facundo nº 55 (altos). Depois, a União Síria juntou-se à União Libanesa, formando a União Sírio-Libanesa, quando se mudou para a Avenida Santos Dumont, esquina com Rua João Cordeiro. Quando mudou o nome para Clube Líbano Brasileiro, em 1947, mudou-se para a Avenida Santos Dumont, esquina com Avenida Barão de Studart, onde esteve até mudar-se para a sede própria, na Rua Tibúrcio Cavalcante nº 271.

1923 – março – 18 – Sai o primeiro número da revista A Jandaia.

1923 – março – 30 – Fundada, em Fortaleza, a loja de tecidos e perfumaria El Contado, de Cauby Ribeiro & Cia, firma formada por Cauby Ribeiro e Luíza Francisca da Silva, na Rua Floriano Peixoto nº 181 (antigo).

1923 – março – 19 – Assume o comando do 23º Batalhão de Caçadores – 23BC, o tenente-coronel Jacinto da Cunha Leal, substituindo o coronel Tertuliano de Albuquerque Potiguara “Itororó” (Tertuliano Potiguara).

1923 – abril – 03 – Circula o primeiro número do Jornal do Comércio, do Partido Republicano Conservador, chefiado por José Pompeu Pinto Acioli (José Acioli), redatoriado por Raimundo Arrais. Com a vitória da Revolução de 1930, ele desapareceu.

1923 – abril – 22 – Inaugurado o Campo do Alagadiço, de futebol, em Fortaleza, reinaugurado no dia 28/08/1927. Era de propriedade da Associação Desportiva Cearense – ADC, que arrendou em 1928 ao Sport Club Maguari. Ficava nas proximidades da Igreja de São Gerardo, na Avenida Bezerra de Menezes.

1923 – maio – 03 – Fundação do Grêmio Pio X, teatro que descobriu vários talentos de nossa terra, entre eles o Pequeno Edison (Edison Alcântara Filho). Já funcionava como cinema.

1923 – maio – 15 – Surge, na Rua Major Facundo nº 220, na Praça do Ferreira, a fotografia e Papelaria Orion, de propriedade de João Ribeiro Pessoa (J. Ribeiro).

1923 – junho – 12 – Tendo que se ausentar por motivo de doença, o presidente Justiniano José de Serpa (Justiniano de Serpa) passa o cargo para Ildefonso Albano, substituindo este, na Prefeitura, o presidente da Câmara, Adolfo Gonçalves de Siqueira.

1923 – junho – 15 – O comandante da Capitania dos Portos do Ceará, capitão de corveta Vicente Augusto Rodrigues, entrega o comando para o capitão-tenente César Augusto Machado da Fonseca, que assume interinamente.

1923 – junho – 19 – Morre José Maria Vóssio Brígido, que usava o pseudônimo de Mogar Jandira, na Padaria Espiritual.

1923 – junho – 25 – Sobrevoa Fortaleza um hidroavião Junker D-218, alemão, que realizava o raide Havana-Buenos Aires. Em sua homenagem repicou o sino da Igreja de Nossa Senhora do Patrocínio.

1923 – junho – 26 – Assume o comando da Força Pública Militar do Ceará, o tenente-coronel José Honorato do S. Carneiro, daquela corporação.

1923 – julho – 04 – Morre, no dia em que completava 42 anos de idade, o filólogo Antônio Ferreira dos Santos, membro da Academia Cearense de Letras – ACL. Era cearense de Fortaleza nascido a 04/07/1881.

1923 – julho – 05 – Sai às ruas de Fortaleza o primeiro número do jornal O Esporte, pioneiro do jornalismo desportivo no Ceará.

1923 – julho – 11 – Morre, em Montauban, França, aos 41 anos de idade, o poeta, professor e diplomata cearense de Fortaleza, nascido em 12/04/1882, José d’Abreu Albano (José Albano). Seus restos mortais repousam no cemitério de Montauban. Existe uma rua com seu nome no Benfica.

1923 – julho – 29 – Mais uma agremiação literária surge em Fortaleza, desta feita a Renascença, fundada no salão nobre da Fênix Caixeiral. Funcionava nos altos da Farmácia Meton, na esquina da Rua Guilherme Rocha com Rua Barão do Rio Branco e seu primeiro presidente foi Luís de Moraes Correia.

1923 – julho – 30 – Falece, aos 67 anos de idade, o conhecido Manuel Cavalcante Rocha (Manezinho do Bispo), que foi porteiro do Palácio do Bispo por muitos anos. Era popular por suas “tiradas” e livretos que publicava no “Correio do Ceará” e em livretos. Nascera em Pernambuco no dia 12/05/1856.

1923 – julho – 31 – Abre-se, em Fortaleza, a Casa Avenida, na Rua Major Facundo nº 170 (antigo), de Francisco Fiúza de Almeida.

1923 – agosto – 01 – Por decreto, é nomeado Diretor do Colégio Militar do Ceará, o tenente coronel Eudoro Corrêa, da arma da artilharia.

1923 – agosto – 01 – Morre, no Rio de Janeiro, aos 67 anos de idade, o presidente do Estado do Ceará; bacharel em Direito Justiniano José de Serpa (Justiniano de Serpa), que estava lá em busca de remédios para sua moléstia. Era cearense de Aquirás, onde nascera a 06/01/1856. Existe uma rua em sua homenagem no Otávio Bonfim e Benfica.

1923 – agosto – 11 – Lançada a pedra fundamental do Instituto Epitácio Pessoa, sob as bênçãos do arcebispo metropolitano Dom Manuel da Silva Gomes.

1923 – setembro – 06 – Fundada, em Fortaleza, a Associação dos Panificadores do Ceará.

1923 – setembro – 13 – Assume o comando da Escola de Aprendizes Marinheiros do Ceará, o capitão-tenente Leonel Romualdo da Silva Porto, substituindo o capitão de corveta Miguel de Castro Caminha.

1923 – setembro – 16 – Funda-se, em Fortaleza, a União Síria, clube presidido por Rabbi Elias Romcy.

1923 – setembro – 26 – Morre, repentinamente, vítima de colapso cardíaco, em Caucaia, às 11h, aos 40 anos incompletos, o Chefe de Polícia do Estado, Abílio Martins, cearense de Ipu nascido em 21/11/1883, ex-deputado estadual que também era poeta e humorista. Hoje é nome de rua em Fortaleza. Substituiu-o interinamente o jornalista José de Carvalho Lima até a nomeação de novo Chefe.

1923 – setembro – 29 – Publicado, em Fortaleza, o primeiro número de A Voz do Porto, jornal oficial do Sindicato dos Portuários.

1923 – outubro – 03 – Lançada a pedra fundamental do Grupo Escolar Fernandes Vieira, em Fortaleza, na Rua Oto de Alencar, no Jacarecanga. O prédio seria construído pelo arquiteto carioca Armando Oliveira. Na ocasião usou da palavra o orador Antônio Teodorico da Costa Filho.

1923 – outubro – 08 – Toma posse, no exercício do cargo de Chefe de Polícia do Estado, o piauiense de Luzilândia, advogado José Pires de Carvalho.

1923 – outubro – 09 – Assume o comando do 23º Batalhão de Caçadores – 23BC, o tenente-coronel Gustavo Frederico Bentenmuller em substituição ao tenente-coronel Jacinto da Cunha Leal.

1923 – outubro – 12 – A Empresa de Diversões Artísticas inaugura o Recreio Iracema, casa de espetáculos situada na Avenida Visconde de Cauípe (Avenida da Universidade) nº 1023 (antigo), no Benfica, com apresentações teatrais e cinema.

1923 – outubro – 12 – Assentada a pedra fundamental do Grupo Escolar da Estrada de Messejana, hoje Visconde do Rio Branco.

1923 – outubro – 14 – Lançada a pedra fundamental da Maternidade Dr. João Moreira, na Praça da Lagoinha.

1923 – outubro – 15 – Morre, aos 38 anos de idade, o bacharel em Direito Edgar Augusto Borges (Edgar Borges), ex-secretário da fazenda, ex-deputado estadual. Era cearense de Fortaleza nascido a 15/09/1885. Hoje é nome de rua no centro de Fortaleza.

1923 – novembro – 01 – José Maria V. de Almeida abre, na Praça Castro Carreira, na Rua General Sampaio nºs 17/21 (antigos, atual 445), a Padaria Central.

1923 – novembro – 01 – Abre-se, em Fortaleza, a Farmácia Pereira, da firma Pereira & Irmão, formada por Frederico da Fonseca Pereira e Francisco da Fonseca Pereira, localizada na Rua Floriano Peixoto nº 159 (antigo).

1923 – novembro – 09 – Morre, aos 69 anos de idade, o industrial Francisco Filomeno Ferreira Gomes. Nascera na Fazenda Salgadinho, em Santana do Acaraú a 15/08/1854. Foi um dos maiores fabricantes de cigarros de Fortaleza.

1923 – novembro – 12 – Falece em Jaguaruana, terra que o viu nascer em 06/02/1854, o padre Antônio Cândido da Rocha.

1923 – novembro – 15 – Ocorre o assentamento da primeira pedra do Quartel da Força Pública de Fortaleza (Polícia Militar), na antiga Praça Senador Coelho (Praça José Bonifácio). Até então a Polícia era aquartelada em prédio na Praça Marquês do Herval (hoje Praça José de Alencar), no local onde hoje fica o jardim do Theatro José de Alencar.

1923 – novembro – 15 – Morre, em Fortaleza, aos 33 anos de idade, o pintor paisagista Lucas Ferreira do Nascimento (Lucas Nascimento).

1923 – dezembro – 02 – Partem, da frente da sede da Fênix Caixeiral, na Praça Marquês do Herval (hoje Praça José de Alencar), os escoteiros cearenses Manuel Bastos de Oliveira, José Limaverde Sobrinho e Artur Batista Nepomuceno, com o intuito de tentar travessia, a pé, por nove estados, indo até São Paulo.

1923 – dezembro – 14 – A The London & River Plate Bank Ltd. incorpora o London & Brazilian Bank Ltd., fusão que resulta na mudança da razão social para Bank of London & South America Limited, que tinha agência em Fortaleza na esquina da Rua Barão do Rio Branco nº 84 (antigo, atual 726) com Rua Senador Alencar, no Palácio Guarani, hoje está com uma placa de “aluga”.

1923 – dezembro – 23 – Inaugurada, no governo Ildefonso Albano, parte do prédio destinado a abrigar a Escola Normal, no centro da Praça Figueira de Melo, depois Instituto de Educação Justiniano de Serpa.

1923 – Morre neste ano, em Parangaba, o tenente honorário do Exército José Martiniano Peixoto de Alencar, veterano da Guerra do Paraguai. Nascera em Fortaleza a 18/09/1841.

1923 – Foram construídas as casas que hoje formam a Gentilândia, pertencentes ao coronel José Gentil Alves de Carvalho, com trabalho do agrimensor Fernando de Castro Lima, irmão de Herman Lima.

1923 – Este ano deixou Fortaleza com uma população de 107.357 habitantes.

 

1924

1924 – janeiro – 01 – Abre-se, em Fortaleza, A Mala Paraense, fábrica de malas e maletas de Fausto Lopes, na Rua Barão do Rio Branco nº 104 (antigo).

1924 – janeiro – 01 – Aparece, em Fortaleza, mais uma casa comercial, o Centro Mercantil, na Rua Barão do Rio Branco nº 236 (antigo), de propriedade de Manuel Lopes de Melo.

1924 – janeiro – 01 – Fecha suas portas o Café Riche, de Jucá & Ramon, nos baixos do sobrado do Comendador Machado, que tinha nos andares superiores o Hotel Central, em virtude da demolição do prédio para ser erigido o edifício Excelsior Hotel, do comerciante Plácido Barbosa de Carvalho (Plácido de Carvalho).

1924 – janeiro – 02 – Registrada a firma Paulo Moraes & Filhos, formada pelos sócios Jader Augusto de Moraes, Paulo Augusto de Moraes e Célio Augusto de Moraes com armarinho, miudezas, perfumaria e instrumentos musicais, Torre Eiffel, na Rua Major Facundo nº 88, depois 152 (antigos, atual 402). A loja já existia no início do Século XX, mas mudou-se para esta sede em 1911.

1924 – janeiro – 09 – Abre-se em Fortaleza, o Bazar Cearense, de tecidos e miudezas, da firma Jucá, Irmão & Companhia, formada pelos sócios Leonel Jucá Bezerra, José Jucá Bezerra, José Jorge Bezerra e Juarez de Melo Jucá, localizado em prédio na Rua Floriano Peixoto nº 230 (antigo).

1924 – janeiro – 21 – Estréia, no Theatro José de Alencar, a Companhia de Operetas Vitória Soares, apresentando a peça “Sinhá”, trazendo em seu elenco o tenor Vicente Celestino e a atriz Laís Areda.

1924 – janeiro – 24 – Grande incêndio destrói o prédio sede do Ceará Sporting Club, a mercearia de Rios & Companhia a Sapataria Catete e a Alfaiataria Cyrino, todos na Rua Senador Pompeu esquina com Rua São Paulo nº 125, ficando a sede do Ceará Sporting Clube nos altos.

1924 – janeiro – 25 – Fundada em Fortaleza a Associação dos Chauffeurs do Ceará – ACC, que se instalaria em 19 de julho. Os fundadores foram Mozart Pinto Damasceno, Henrique Diniz, Mário Pinto de Mendonça, Mário Oton do Amaral Henriques, Raimundo Vieira, Antônio Barbosa, Raimundo Barbosa, Rodolfo Tomé da Cunha, Francisco Alexandre da Silva, Celso Lopes, Paulo Barros, Pedro Tabosa, Francisco Joaquim da Silva, Luís Gonzaga Nogueira, Antônio Santos Barreto, José Coelho, Renato Carneiro, Francisco Gomes do Nascimento e José Correia de Vasconcelos.

1924 – janeiro – 27 – Realiza-se a cerimônia de benzimento e inauguração do edifício sede do Banco do Brasil, na esquina da Rua Floriano Peixoto nº434 com Rua São Paulo. O prédio foi construído pela firma paraense J. S. de Freitas & Companhia, sendo arquiteto Alípio de Lemos, no local onde foi o prédio da Sapataria Bordalo.

1924 – janeiro – 30 – Inaugura-se, às 18h, a Fábrica de Gelo Cristal, da firma J. Sidou & Companhia Ltda., proprietária do Restaurante Moderno na Rua Major Facundo nº 230 (atual 604), na Praça do Ferreira, vizinho ao Cine Moderno. Ficou depois conhecida como Sorveteria Cristal ou Confeitaria Cristal.

1924 – janeiro – 31 – Acontece a inauguração da chancelaria e festa de recepção pelo Consulado de Portugal no Ceará e Rio Grande do Norte, na Rua Major Facundo nº 216 (antigo), na Praça do Ferreira, nos altos da Farmácia Normal. O novo cônsul Júlio do Amaral assumiu no dia 15.

1924 – janeiro – O Fortaleza Sport Club sagra-se Campeão Cearense de Futebol de 1923, ao encerrar o Campeonato Cearense de Futebol no Campo do Alagadiço.

1924 – fevereiro – 01 – Inaugura-se, pela manhã, o Instituto Araripe Júnior, estabelecimento de ensino primário e secundário na Rua 24 de Maio próximo à Praça Marquês do Herval (Praça José de Alencar), sob a direção do professor Aluísio Araripe de Faria Coimbra (Aluísio Coimbra).

1924 – fevereiro – 01 – Abre em Fortaleza, a Casa Canindé, da firma Monteiro, Pinto & Companhia Ltda., dos sócios Vicente Alves Monteiro, Álvaro Alves Monteiro e Antônio Pinto de Mesquita, na Rua Floriano Peixoto nº 58 (antigo), especializada na venda de malas, redes e artigos de viagem.

1924 – fevereiro – 02 – O primeiro número da revista Iracema (existiram várias revistas com este nome), revista literária.

1924 – fevereiro – 07 – Apresenta-se em concerto o flautista alemão Walter Schulz. No Theatro José de Alencar, com início às 20h30min.

1924 – fevereiro – 16 – Novo comandante na Capitania dos Portos do Ceará, quando o interino capitão-tenente César Augusto Machado da Fonseca entrega o comando ao também interino capitão-tenente Leonel Romualdo da Silva Porto.

1924 – fevereiro – 17 Acontece, em Fortaleza, como em todo o Estado e o País, eleições federais, transcorrendo na mais perfeita ordem.

1924 – fevereiro – 19 – Morre, aos 74 anos de idade, Dom Jerônimo Tomé da Silva, cearense de Sobral nascido a 12/06/1849, doutor em Teologia e em Filosofia, arcebispo primaz do Brasil, professor, patrono da Cadeira nº 13 da Academia Cearense de Letras – ACL. Nascera em Sobral a 12/06/1849. Hoje é nome de rua no Otávio Bonfim e Benfica.

1924 – fevereiro – 25 – Inaugura-se, às 16h, a Ponte Dr. Justiniano de Serpa, sobre o Rio Cocó, na estrada de Messejana. O Rio Cocó nasce na Serra da Aratanha e tem um curso de 48km.

1924 – março – 01 – Renasce, na Rua Major Facundo nº 455, esquina com Rua Guilherme Rocha, o Café Emygdio, da firma Emygdio Irmão & Cia., formada pelos irmãos gêmeos Estevam Emygdio de Castro, José Emygdio de Castro e Galdina Emygdio de Castro, que também abriram o Café Sport, na esquina da Rua Major Facundo nº 616, com Rua Liberato Barroso e o Café dos Comerciários, na Rua Major Facundo nº 203. O Café Emygdio fechou em 1942, mas a firma continuou com outras atividades, como representações e conta própria, na Rua Major Facundo nº 708.

1924 – março – 02 a 04 – Os festejos carnavalescos em Fortaleza ocorrem normalmente.

1924 – março – 06 – Às 20h, fundou-se em Fortaleza, no prédio da Repartição Geral do Telégrafo – RGT, o Instituto Politécnico do Ceará, como sociedade cooperativa de responsabilidade limitada, que posteriormente criou a Escola Politécnica, cujo primeiro presidente foi Vitoriano Borges de Melo.

1924 – março – 09 – No salão nobre da Fênix Caixeiral em Fortaleza, é fundada, às 15h, a Rádio Clube Cearense, e assume a primeira diretoria, que tem como diretor-presidente o engenheiro Elesbão de Castro Veloso (Elesbão Veloso); diretor-secretário, Carlos da Costa Ribeiro; diretor-tesoureiro, Antônio Eugênio Gadelha; diretores técnicos, Clóvis Meton de Alencar, Alfredo Euterpino Borges e Tomaz Pompeu Filho. Conselho Fiscal, João de Carvalho Góes, Humberto Monte e Joaquim Antônio Viana Albano.

1924 – março – 10 – A Capitania dos Portos do Ceará tem novo comandante quando o interino capitão-tenente Leonel Romualdo da Silva Porto passa o cargo ao capitão de corveta Edgar Antônio Lynch.

1924 – março – 16 – O Decreto nº 16.403 do presidente da República Artur Bernardes devolve a Rede de Viação Cearense – RVC, que estava sob administração da IFOCS, para o Ministério da Viação e Obras Públicas – MVOP.

1924 – março – 22 – Inaugurada, às 16h, a herma do presidente Justiniano de Serpa, na Praça Figueira de Melo, iniciativa do governo estadual.

1924 – março – 23 – Inaugura-se em Fortaleza mais uma casa de hospedagem, a Pensão Chic, da firma Holanda & Carmo, no centro da cidade.

1924 – março – 24 – A Pernambucana inaugura sua sede própria na Rua Floriano Peixoto nº 74 (antigo, depois 470), na então Praça José de Alencar, depois Praça Capistrano de Abreu, hoje Largo do Correio, instalada no mesmo local em que esteve em fevereiro de 1912.

1924 – março – 25 – Inaugurado, em sessão solene no Theatro José de Alencar, dirigida pelo presidente Ildefonso Albano, o Instituto Politécnico, havendo eleição e posse da primeira diretoria.

1924 – março – 25 – Inaugura-se, às 16h, na estrada Fortaleza-Messejana, a Ponte Francisco Sá, sobre o Rio Cocó.

1924 – março – 28 – Fundada em Fortaleza a Fábrica Santo Antônio, de fiação e tecidos, de Monteiro, Andrade & Companhia Ltda., firma formada por Vicente Alves Monteiro, Álvaro Alves Monteiro, Manuel Leiria de Andrade e João Cesário de Andrade, na Rua Antônio Pompeu, antiga Rua Prado Velho. Encerrou suas atividades na década de 50, quando já pertencia à empresa A. D. Siqueira & Filhos.

1924 – abril – 01 – Raimundo Guilherme Santos (R. Guilherme Santos) “Dico Guilherme” abre a loja denominada Crysanthemo, de modas, miudezas e novidades, na Rua Guilherme Rocha nº 56 (antigo, depois 124), na Praça do Ferreira. Fez lançamento de postais com vistas de Fortaleza, lançados em 1931.

1924 – abril – 02 – Realiza-se no Teatro José de Alencar o recital do tenor português Almeida Cruz, apresentado pelo cônsul de Portugal, Júlio do Amaral.

1924 – abril – 03 – Morre Benoit Levy, negociante francês radicado no Ceará a muitos anos.

1924 – abril – 03 – Apresentam-se, em recital do Theatro José de Alencar, a pianista francesa René Florigny e o violista russo Ivan Tcherkassoff.

1924 – abril – 04 – Morre, aos 74 anos de idade, Arnulfo Augusto Pamplona (Arnulfo Pamplona), cearense de Aracati. Foi presidente da Câmara Municipal de Fortaleza e diretor do Clube Iracema. Foi o introdutor do telefone em Fortaleza.

1924 – abril – 05 – Começa a circular A Revista, periódico de Elias Malmann e Mílton Firmeza.

1924 – abril – 05 – A Rede de Viação Cearense – RVC deixa de ser subordinada ao IFOCS e volta à jurisdição do Ministério da Viação, em virtude do Aviso nº 150G.

1924 – abril – 08 – Criada a Escola Politécnica do Ceará, pelo Instituto Politécnico do Ceará, iniciando as aulas no dia 15 de maio do mesmo ano, tendo como diretor o engenheiro Thomaz Pompeu de Sousa Brasil Sobrinho (Tomás Pompeu Sobrinho).

1924 – abril – 10 – Chegam a Fortaleza notícias de que as águas do Rio Jaguaribe inundam a cidade de Aracati, fechando seu comércio e deixando dezenas de desabrigados.

1924 – abril – 12 – Morre, em circunstâncias misteriosas, na Capital Federal, o piloto cearense Euclides Pinto Martins, aos 32 anos de idade. Era cearense de Camocim nascido em 15/04/1892. Apareceu morto com um tiro na cabeça. Em sua homenagem foi dado ao Aeroporto de Fortaleza seu nome.

1924 – abril – 23 – Aparece na Aldeota mais uma casa diversional, o Ceará Country Club, fundado pela colônia inglesa, localizada na Avenida Barão de Studart nº 825, em terreno adquirido pelo Fortaleza Tênnis and Country Club à viúva do comendador Antônio Pinto Nogueira Acioli, dona Maria Teresa de Sousa Acioli em 06/12/1922. Sua primeira diretoria era formada por E. M. O. Scott, F. W. Hebblethwaite, J. G. Evans, W. Smith, T. G. Mac Reddie, J. H. Russel, M. Lê Roy, C. P. Matthews, B. C. Purcell, Alfred Ury, Marcel Levy, Myrtil Meyer e H. R. King.

1924 – abril – 23 – Fundada, em Fortaleza, a Sociedade Cearense de Agricultura, sob presidência de Thomaz Pompeu de Sousa Brasil Sobrinho (Tomás Pompeu Sobrinho).

1924 – abril – 25 – Morre, na sua Granja Bonfim, em Guaramiranga, aos 64 anos de idade, o abolicionista Isaac Corrêa do Amaral (Isaac Amaral), projetista e construtor, bacharelado em Humanidades na Alemanha. Era cearense de Fortaleza onde nascera a 18/09/1859. É hoje nome de rua no Dionísio Torres e São João do Tauape.

1924 – abril – 27 – Sai o primeiro número da revista Ceará Ilustrado, magazine semanal ilustrado sob direção de Demócrito Rocha.

1924 – abril – 30 – Falece, em Fortaleza, o desembargador Francisco Antônio de Oliveira Praxedes. Fez os estudos preparatórios no Liceu de Fortaleza, indo em 1866 para o Recife. Matriculou-se na Faculdade de Direito de Olinda, onde diplomou-se em 1871. No mesmo ano regressou a Fortaleza, onde fundou, com o Arcelino Queirós Lima, o Ginásio Cearense. Abraçou a idéia republicana, apoiando Quintino Bocaiúva e outros próceres adversários da monarquia. Dias depois ajudou a fundar o Clube “Democracia Cearense”e o jornal “A Revolução”, impresso numa tipografia de propriedade do Clube, situada na Rua das Flores (Rua Castro e Silva) nº 35. Foi Promotor Público nas Comarcas de Fortaleza e Viçosa. Juiz Municipal de Piracuruca e Batalha, PI, de Canindé e do Crato. Desembargador do Tribunal da Relação do Ceará. Nascera em Maranguape, a 18/11/1846.

1924 – maio – 01 – Assume o cargo de Chefe de Polícia de Fortaleza (Secretário de Polícia e Segurança Pública), o advogado Romeu Coelho Martins (Romeu Martins).

1924 – maio – 01 – Abre-se, em Fortaleza, a Tinturaria Italiana, de Ângelo Marino, também chapelaria e lavanderia, na Rua Floriano Peixoto nº 265 (antigo, atual 772).

1924 – maio – 06 – Pavoroso incêndio destrói, à noite, a Sapataria 22, de propriedade de Modesto Costa na Rua Guilherme Rocha nº 157(antigo).

1924 – maio – 10 – Apresenta-se em Fortaleza, no palco do Cine-Teatro Majestic, o grupo Os Carolinos, formado pelos atores Sílvio Lage, Ada Egas e Rosita, a Portuguesa. Apresentaram burletas, canções e duetos sertanejos.

1924 – maio – 11 – O prédio da Escola Pio X, dos frades capuchinhos fica pronto e sua inauguração dá-se nesse dia, pelo Frei Marcelino de Milão, na Avenida Duque de Caxias nº 191/201, na esquina com a Rua Barão de Aratanha.

1924 – maio – 24 – A Faculdade de Farmácia e Odontologia do Ceará muda-se para prédio na Rua Barão do Rio Branco nº 309 (antigo, atual 1.321), anteriormente ocupado pelo Clube Iracema. Atualmente no local existe uma agência do Banco do Brasil.

1924 – junho – 03 – A Associação Desportiva Cearense – ADC realiza a primeira sessão na nova sede, na Rua Barão do Rio Branco, esquina com Rua Guilherme Rocha, altos.

1924 – junho – 10 – Aparece, em Fortaleza, a Casa Ibiapaba, de propriedade de Antônio Felício Ribeiro, na Rua Floriano Peixoto nº 38 (antigo).

1924 – junho – 16 – Sai, em Fortaleza, o primeiro número da Revista Social.

1924 – junho – 24 – Fundado, em casa no bairro do Alagadiço, o Sport Club Maguari, por José Freitas Barbosa, Raimundo Freitas Barbosa e João Freitas Barbosa (irmãos) e ainda Armando Guilherme da Silva e Hugo Saunders.

1924 – junho – 27 – Inaugurado, em Fortaleza, o Instituto Epitácio Pessoa, na Rua Barão do Rio Branco, destinado à instrução pública, sendo entregue à Arquidiocese pela Comissão Central do Centro Cívico Epitácio Pessoa. O projeto do prédio foi de Rodolfo F. da Silva & Filho.

1924 – junho – Instala-se, na Praça de Pelotas (depois Praça da Bandeira e hoje Praça Clóvis Bevilaqua), o Circo Sampaio.

1924 – julho – 01 – Abre-se, na Rua Guilherme Rocha nº 183 (antigo), na Praça do Ferreira, o Empório da Moda, da firma Fontenele & Sabóia, de Izauro Fontenele e José Freire de Sabóia.

1924 – julho – 04 – Abre-se a Farmácia Laureta, da firma M. Laureta Monteiro & Companhia, formada por Laureta Carneiro Monteiro e Júlia Carneiro Monteiro, na Rua Senador Pompeu nº 176 (antigo).

1924 – julho – 05 – Morre o antigo comerciante, coronel João Tibúrcio Albano, proprietário da loja A Libertadora (1880) e criador da bandeira do Ceará. Era cearense de Fortaleza onde nascera a 11/08/1860, filho do Barão e da Baronesa de Aratanha. Existe no planalto do Pici uma rua com seu nome.

1924 – julho – 05 – Assume o comando da Escola de Aprendizes Marinheiros do Ceará, o capitão-tenente Pedro Augusto Bittencourt, em substituição a Leonel Romualdo da Silva Porto, do mesmo posto.

1924 – julho – 07 – Inaugurada, na Rua do Córrego (atual Rua Pinto Madeira), a Escola Profissional, com a presença do presidente do Estado, Ildefonso Albano. A escola era dirigida por Virgílio Gomes de Oliveira.

1924 – julho – 08 – Inaugura-se, na Praça Figueira de Melo, o Dispensário Oswaldo Cruz, destinado ao tratamento da lepra e de doenças venéreas, sendo dirigido pelos médicos João Otávio Lobo e Atualpa Barbosa Lima.

1924 – julho – 08 – Lançada a pedra fundamental do edifício da Tesouraia de Fazenda (Secretaria da Fazenda), na Rua da Praia (atual Avenida Alberto Nepomuceno), época em que já estavam concluídas as fundações.

1924 – julho – 10 – Inauguração do prédio do Grupo Escolar Visconde do Rio Branco, na avenida do mesmo nome, esquina com Rua Padre Valdivino. O grupo fora criado pelo Decreto nº 1.635, de 04/11/1918, instituído por ato de 27/03/1919, com o nome de Grupo Modelo, recebendo em 1922 a denominação de 9º e 10º Grupo. Em 1930 mudou o nome para Grupo Joaquim Távora.

1924 – julho – 12 – Toma posse, no cargo de Presidente do Estado do Ceará, o desembargador José Moreira da Rocha. No cargo de vice-presidente, assume o médico Manuelito da Rocha Moreira (Manuelito Moreira).

1924 – julho – 12 – Assume o exercício do cargo de Chefe de Polícia do Estado, o comendador José Pires de Carvalho. Equivale a hoje o cargo de Secretário de Segurança Pública e Defesa da Cidadania.

1924 – julho – 12 – Abre-se, em Fortaleza, a filial da casa comercial Au Bom Marché, de tecidos, modas e confecções, na Rua Floriano Peixoto nº 143 (antigo). A matriz ficava em Boa Viagem.

1924 – julho – 13 – Fundada a União dos Moços Católicos, advinda do Centro Cearense de Propaganda Católica (19/10/1919) e da Liga de Moços Católicos Cavalheiros de Cristo (1922), tendo na presidência Alfredo Eugênio de Sousa.

1924 – julho – 13 – Fundação da Sociedade Cearense de Agrônomos, sob a presidência de Antônio Araripe.

1924 – julho – 16 – Volta à função de Prefeito Municipal de Fortaleza, Godofredo Maciel, nomeado pelo presidente do Estado.

1924 – julho – 16 – Nomeado, Delegado de Polícia de Fortaleza (cargo hoje equivalente a Secretário de Segurança Publica e Defesa da Cidadania), Virgílio Gomes de Oliveira.

1924 – julho – 17 – Inaugura-se o prédio destinado a servir de sede à Polícia Marítima.

1924 – julho – 19 – Instala-se a Associação dos Chauffeurs do Ceará – ACC, fundada em 25/01/1924, que logo passa a influir culturalmente, fazendo surgir a marca de “Cigarros ACC”. Os fundadores foram Mozart Pinto Damasceno, Henrique Diniz, Mário Pinto de Mendonça, Mário Oton do Amaral Henriques, Raimundo Vieira, Antônio Barbosa, Raimundo Barbosa, Rodolfo Tomé da Cunha, Francisco Alexandre da Silva, Celso Lopes, Paulo Barros, Pedro Tabosa, Francisco Joaquim da Silva, Luís Gonzaga Nogueira, Antônio Santos Barreto, José Coelho, Renato Carneiro, Francisco Gomes do Nascimento e José Correia de Vasconcelos.

1924 – julho – 19 – Morre, vítima de ferimentos recebidos no dia cinco, na revolta chefiada pelo general Isidoro Dias Lopes, o capitão Joaquim do Nascimento Fernandes Távora (Joaquim Távora), aos 43 anos de idade. Nascera no Jaguaribe Mirim, CE, em 15/07/1881. Hoje é nome de bairro em Fortaleza.

1924 – agosto – 01 – Fechado, pela censura imposta pelo estado de sítio, o jornal A Tribuna, de propriedade de Manuel do Nascimento Fernandes Távora.

1924 – agosto 01 – Surge em Fortaleza a Casa Veneza, de calçados, da firma Francisco Ângelo & Irmãos, do comendador Francisco De Francisco di Ângelo, representante consular da Itália em Fortaleza, e seus irmãos Braz de Francisco di Ângelo e Salvador De Francisco di Ângelo, na Rua Floriano Peixoto nº 136 (antigo, atual 452).

1924 – agosto – 01 – Toma posse, interinamente, na direção da Rede de Viação Cearense – RVC, o engenheiro Teógenes Rocha, substituindo o engenheiro Luciano Veras.

1924 – agosto – 01 – Aparece a Movelaria Elegante, na Rua Floriano Peixoto nº 264, de propriedade de Francisco Musy.

1924 – agosto – 03 – Inaugura-se, na Praça da Sé, na esquina da Avenida Alberto Nepomuceno com Rua Rufino de Alencar, no prédio onde funcionou o Hotel Central, o Serviço de Saneamento e Profilaxia Rural. Funcionou na Praça Marquês do Herval (hoje Praça José de Alencar), onde teve um posto profilático. Em uma sala do mesmo prédio, na mesma ocasião, instalou-se a Liga Cearense Pró-Alfabetismo e Higiene.

1924 – agosto 03 – Instala-se o Instituto Politécnico do Ceará, no prédio da Fênix Caixeiral, na Rua Guilherme Rocha nº132 (antigo), esquina com Rua Guilherme Rocha, onde hoje levanta-se o edifício do SUS.

1924 – agosto – 15 – Inaugura-se, na Rua Antônio Pompeu (antiga Prado Velho), a Fábrica de Fiação Santo Antônio, de Monteiro, Andrade & Companhia Ltda. formada por Vicente Alves Monteiro, Álvaro Alves Monteiro, Manuel Leiria de Andrade e João Cesário de Andrade.

1924 – agosto – 25 – Lançada a pedra fundamental da Igreja de São Gerardo Majela, no Alagadiço.

1924 – setembro – 05 – Abre-se em Fortaleza o estabelecimento denominado Trianon, loja de miudezas e novidades, na Rua Guilherme Rocha nº 92 (antigo), de propriedade de Manuel Guilherme, artista que se assinava Emme Guilherme.

1924 – setembro – 06 – Sai às ruas, em Fortaleza, a revista A Noite, redatoriada por Juarez Castelo Branco, tendo como diretor José Deusdedit Mendes (J. Deusdedit Mendes).

1924 – setembro – 07 – Abre-se a II Exposição de Pintura Regional, no Salão da Foto Walter, na Rua Coronel Guilherme Rocha nº 106, com trabalhos de Otacílio Ferreira de Azevedo (Otacílio de Azevedo), Walter Severiano, Gerson Faria, José Lauro Catunda, Manuel Guilherme (Emme Guilherme), Queirós e Sá Roriz. Ficou conhecido como Salão de 24.

1924 – setembro – 07 – Publicado, em Fortaleza, o primeiro número do Boletim da Sociedade Cearense de Agricultura, impresso na Tipografia Iracema, na Rua Major Facundo nº 67 (antigo, atual 666), sob direção do professor Francisco de Menezes Pimentel.

1924 – setembro – 30 – Criada a repartição de Saneamento e Obras Públicas do Estado do Ceará.

1924 – setembro – 30 – Abre-se a Auto Viação Suburbana Ltda., de exploração de serviços de transportes de cargas e passageiros.

1924 – setembro – Reabre-se a Alfaiataria Cyrino, na Rua das Flores (atual Rua Castro e Silva) nº 74 (antigo), de propriedade de R. Cyrino Lopes, que se incendiara em janeiro.

1924 – outubro – 01 – Abre-se, em Fortaleza, o Preço Fixo, de miudezas, novidades, representações, consignações por conta própria, da firma Lemos & Ovale, de Caio Lustosa de Lemos e Valdemar de Aragon y Ovale, na Rua Barão do Rio Branco nº 180 (antigo).

1924 – outubro – 02 – Estréia, em Fortaleza, a Companhia de Teatro Viriato Correia, no Teatro José de Alencar, com a comédia “Zuzu”, em 3 atos, com destaque para a cantora Otília Amorim e para Augusto Aníbal.

1924 – outubro – 02 – Assume a direção da Rede de Viação Cearense – RVC, o engenheiro Demóstenes Rockert.

1924 – outubro – 04 – Iniciam-se, no Passeio Público, grandes quermesses em prol da Santa Casa de Misericórdia, com os concursos de beleza feminina e o de fealdade masculina.

1924 – outubro – 08 – Surge no comércio de Fortaleza a Casa Germânia, de ferragens, tintas óleos e vernizes, de Cabral Ribeiro & Companhia, dos jovens José Cabral Ribeiro e Pedro Cabral Ribeiro, na Rua Floriano Peixoto nº 238, depois 819.

1924 – outubro – 10 – Morre, em Manaus, o padre Antero José de Lima, aos 79 anos de idade, cearense de Arneiroz, nascido em 31/12/1845, que exerceu a presidência do Poder Legislativo do Ceará em 1884-1885.

1924 – outubro – 10 – Abre-se, em Fortaleza, a Papelaria e Tipografia Renascença, na Rua Castro e Silva nºs 76/78, da firma A. Prado & Companhia, formada por Aldo Prado e Francisco Prado. Depois foi simplesmente Livraria Renascença, já nas mãos do livreiro Luís Carvalho Maia (Luís Maia), na Rua Major Facundo nº 746.

1924 – outubro – 12 – Realiza-se, nos altos de prédio na Rua Major Facundo nº 55 (antigo, atual nº 758), a fundação do Centro dos Importadores de Fortaleza, tendo na presidência, o coronel João Batista Lopes, na vice-presidência o coronel José Francisco Alves Teixeira e na gerência Francisco Floriano Delgado Perdigão.

1924 – outubro – 12 – Funda-se, no Instituto Menezes Pimentel, a associação Recreio Literário 12 de Outubro, tendo na presidência Domingos B. Barroso. Deve ser uma homenagem ao Recreio Literário fundado em 12/10/1912.

1924 – outubro – 12 – Sai em Fortaleza o primeiro número da revista A Razão, sob direção de Antônio Mendes, gerenciada por Antônio de Albuquerque, tendo como redatores Antônio Luís de Drumond Miranda (Antônio Drummond), J. Melo Nunes e Paulo Elpídio de Menezes, para defesa dos funcionários públicos.

1924 – outubro – 15 – Fundada em Fortaleza a firma, Guimarães & Cia Ltda.

1924 – outubro – 17 – A antiga Pensão Atlântica, após grande reforma, passa a denominar-se Pensão Japonesa, no mesmo local, Avenida Sena Madureira nº 1111, oferecendo marmitas com entrega em domicílio.

1924 – outubro – 24 – Morre, em Fortaleza, o médico Leônidas Porto, aos 38 anos de idade.

1924 – outubro – 28 – A Força Pública Militar do Ceará muda sua denominação para Regimento Policial do Ceará. Hoje é a Polícia Militar do Ceará.

1924 – outubro – Editado o fox-trot, letra e música de De Castro e Sousa, Op. 9, Garça Branca, pela Ceará Musical de Antônio Mouta & Companhia, oferecido à senhorita Candinha Martins.

1924 – novembro – 06 – Criado, pelo Decreto Federal nº 16.665, o Conselho Penitenciário do Estado do Ceará, que só se instalaria em 24/01/1927.

1924 – novembro – 08 – Publicado em Fortaleza o jornalzinho O Chicote, semanal.

1924 – novembro – 11 – Em Fortaleza a conhecida e elogiada declamadora Margarida Lopes de Almeida, que se apresenta no Teatro José de Alencar.

1924 – novembro – 16 – Inaugurado o relógio de quatro faces da coluna do Centenário (Cristo Redentor), mas em virtude do balanço da torre teve que ser retirado sendo depois levado para a torre da Igreja dos Remédios, onde ainda está.

1924 – novembro – 23 – Funda-se, pelo Centro dos Importadores de Fortaleza, o Banco dos Importadores de Fortaleza, como Cooperativa de Responsabilidade Limitada, que se instalaria no ano seguinte, tendo como diretor-gerente Francisco Floriano Delgado Perdigão.

1924 – novembro – 23 – Começa a circular a revista O Estímulo, órgão do Recreio Literário 12 de Outubro, mantido pelos alunos do Instituto Menezes Pimentel ou Instituto São Luís de Fortaleza.

1924 – novembro – 28 – Os escoteiros cearenses Artur Batista Nepomuceno, Manuel Bastos de Oliveira e José Limaverde Sobrinho, chegam à Capital Paulista, destino previsto quando partiram, a pé, de Fortaleza, no dia 02/12/1923.

1924 – novembro – 30 – Publicada a Revista do Instituto Politécnico do Ceará, ano I, nº1, que tinha como editor o engenheiro Thomaz Pompeu de Sousa Brasil Sobrinho (Tomás Pompeu Sobrinho).

1924 – novembro – Lançado o tango argentino Alma Dilacerada, com música de autoria de Hilda Marçal Matos, Op. 1, e versos de Júlio Sobreira Filho, sendo editada em partitura para piano e canto pela Casa Editora Ceará Musical, de Antônio Mouta & Companhia, na Rua Barão do Rio Branco nº 182 (antigo), com oferecimento à D. Maria Joana Brígido Borba, digna esposa do major Virgílio Borba.

1924 – dezembro – 01 – Registrada na Junta Comercial do Ceará, a firma R. Liberato & Companhia, de Raimundo Liberato de Carvalho e Amadeu de Carvalho Rocha, com a Casa Amadeu, na Rua Major Facundo nº 192 (antigo, hoje 510), na Praça do Ferreira, local hoje ocupado pelo Cine São Luiz.

1924 – dezembro – 05 – Surge em Fortaleza a Refinaria Portinho, torrefação de café, refinaria de açúcar, beneficiamento de cereais, estivas e miudezas, da firma Viúva José da Silva Porto & Companhia, de Rosita Pereira Campos Porto e Antônio de Pádua Bezerra, na Rua General Sampaio nºs 41/45, na Praça Castro Carreira.

1924 – dezembro – 07 – Morre o professor Anacleto Pereira Cavalcante de Queirós, aos 64 anos de idade. Era cearense de Morada Nova. É nome de rua na Parquelândia, Parque Araxá e Rodolfo Teófilo.

1924 – dezembro – 11 – O Capitão dos Portos do Ceará, capitão de corveta Edgar Antônio Lynch, passa o comando ao interino, capitão-tenente César Augusto Machado da Fonseca, que assume pela segunda vez o cargo.

1924 – dezembro – 19 – A Rua do Sampaio, Rua dois de Novembro, Rua Guagiru e Rua Porangaba, passam a denominar-se Rua Dona Bárbara de Alencar, Rua Padre Antonino, Rua Demétrio Menezes e Rua Senador Machado, respectivamente. E a Praça Senador Machado muda para Praça do Cristo Redentor.

1924 – dezembro – 24 – Assume o comando da Força Pública Militar do Ceará, o coronel João Fonteles Linhares, daquela corporação.

1924 – dezembro – 24 – Estabelece-se em Fortaleza a Farmácia Meton, de Guilherme Ellery, na Rua Barão do Rio Branco nº 94, depois 178 (antigo, atual 936), esquina com Rua Guilherme Rocha, nº 17 (antigo) antiga Farmácia Teófilo. No mesmo local antes foi a Farmácia Albano.

1924 – Surge a firma Sinval Pinheiro Bastos, armazém de estivas, louças, ferragens e miudezas além de depósito de bebidas, na Rua Coronel Bezerril nº 545.

1924 – A Tipografia Moraes é vendida a Artur Esteves. Depois se transformaria na Tipografia Progresso.

1924 – Inaugura-se, na Praia do Peixe, atual Praia de Iracema, o Cine Beira Mar.

1924 – São lançados os Cigarros Deus e Mar, da Fábrica Iracema de Cigarros, homenagem à associação de homens do mar fundada em 1912.

1924 – Contava Fortaleza com uma população de 109.922 habitantes.

 

1925

1925 – janeiro – 01 – Surge a Casa Crateús, indústria de bebidas, estivas e miudezas, na Rua Floriano Peixoto nº 270 (antigo), da firma Rezende & Companhia Ltda., formada por Francisco Resende, Rodolpiano Carvalho Melo, José Cândido de Queirós e Francisco Napoleão Melo.

1925 – janeiro – 01 – Inaugurada em Fortaleza a Fábrica de Tijolos, Sílica e Calcáreos, da firma L. Gonzaga & Cia. Ltda.

1925 – janeiro – 02 – Entra em funcionamento a Caixa Popular, clube de mercadorias por sorteios, da firma Ceará Comercial e Industrial Ltda., formada por Vicente Vieira Carneiro, Raimundo Barros Filho, José de Sampaio Barros e Antônio Moura, na Rua Floriano Peixoto nº 282 (antigo).

1925 – janeiro – 02 – Serafim T. Brandão funda a Padaria Feliz Aurora, indústria de panificação, na Rua 24 de Maio nº 305 (antigo).

1925 – janeiro – 15 – Abre-se a Casa São Francisco, da firma Abreu & Companhia, de Alberico de Abreu Lage e Maria de Lourdes Pamplona Costa, na Rua Barão do Rio Branco nº 288 (antigo).

1925 – janeiro – 22 – Começa a circular em Fortaleza o jornal Bric-à-Brac, redatoriado por J. Nogueira, Arruda Gondim e Junqueira Guarani.

1925 – janeiro – 25 – Fundado, sob os auspícios da Associação dos Merceeiros, a sociedade cooperativa de responsabilidade limitada Crédito Auxiliar dos Merceeiros.

1925 – fevereiro – 01 – Jamil Ásfora abre sua casa de venda de tecidos e miudezas A Primavera, na Rua Floriano Peixoto nº 59 (antigo).

1925 – fevereiro – 01 – Inaugura-se em Fortaleza a casa de calçados A Bota Elegante, de propriedade de Luís do Carmo Filho, na Rua Liberato Barroso nº 8 (antigo).

1925 – fevereiro – 05 – Nomeado pelo arcebispo metropolitano de Fortaleza, Dom Manuel da Silva Gomes, monsenhor Luís de Carvalho Rocha (Luís Rocha), vigário da freguesia de São José de Fortaleza, em substituição ao monsenhor João Alfredo Furtado (Monsenhor Furtado) que ali estivera desde 29/05/1904.

1925 – fevereiro – 07 Inaugura-se o novo prédio da firma Frota & Gentil com a Casa Bancária Frota & Gentil que a partir de 1931 passou a denominar-se Banco Frota & Gentil, na esquina da Rua Floriano Peixoto com Rua Senador Alencar. O projeto é de autoria do engenheiro João Sabóia Barbosa. Posteriormente o banco consorciou-se com o Banco do Comércio e Indústria de Minas Gerais – Comind, que faliu sendo depois ocupado pelo Banorte e hoje é uma agência do banco paulista Bandeirantes.

1925 – fevereiro – 08 – Abre-se a exposição do pintor Vicente Rosal Ferreira Leite (Vicente Leite) e do escultor José Rangel Sobrinho, na sede do Clube Iracema, no Palacete Ceará, na Praça do Ferreira, esquina da Rua Floriano Peixoto com Rua Guilherme Rocha.

1925 – fevereiro – 10 – Chegam a Fortaleza, de regresso da viagem que empreenderam a pé na travessia Ceará-São Paulo, os escoteiros cearenses, José Limaverde Sobrinho, Manuel Bastos de Oliveira e Artur Batista Nepomuceno. Na viagem andaram 5.184km.

1925 – fevereiro – 12 – O Instituto Politécnico do Ceará muda-se para o palacete da Fênix Caixeiral, onde estavam instaladas a Escola Politécnica e a Escola de Agronomia do Ceará.

1925 – fevereiro – 17 – Surge a firma Lima & Albuquerque, de representações e conta própria, importação de automóveis, e máquinas, na Rua São Paulo nº 97 (atual 303), mudando-se depois para a Rua Barão do Rio Branco nº 123 (antigo, atuais 910/914).

1925 – fevereiro – 22 a 24 – Os festejos carnavalescos em Fortaleza ocorrem, nos clubes e nas ruas.

1925 – março – 05 – Ocorre a inauguração oficial da tubulação adutora da água do Acarape, em Fortaleza, do abastecimento dágua de Fortaleza.

1925 – março – 07 – Circula o primeiro número da revista literária e de mundanismo, Fanfarra, dirigida por Coelho Garcia e redatoriada pelo poeta e escritor Edgar Ramos de Alencar (Edigar de Alencar), o gerente era Sérvulo Monteiro da Silva. Era impressa pela Casa Editora Tipografia Modelo.

1925 – março – 13 – Incêndio no Boulevard Visconde de Cauípe (Avenida da Universidade), nº 683 (numeração antiga), devorando a Fábrica de Redes Iracema, da firma Melo & Nogueira, de Casimiro de Melo e Benjamin Nogueira, matando duas pessoas.

1925 – março – 14 – Aparece a firma Alves, Medeiros & Companhia, importadora, na Rua Major Facundo nº 114, tendo como sócios Antônio Augusto Alves, Paulo Hortêncio de Medeiros e Myrtil Meyer.

1925 – março – 15 – O Campeonato Cearense de Futebol de 1924, promovido pela Associação Desportiva Cearense, encerra-se quando o Fortaleza Sport Club vence por 6×3 o Ceará Sporting Club, no Campo do Alagadiço, sagrando-se Bi-Campeão.

1925 – março – 15 – Inaugura-se, às 11h, a Maison Chic, elegante restaurante de propriedade da firma Euclides, Bessa & Companhia, de Euclides Bessa e José Lopes de Sousa. Benzeu-a o monsenhor João Alfredo Furtado (Monsenhor Furtado).

1925 – março – 16 – Morre, aos 42 anos de idade, a bordo de um trem que vinha do interior, o poeta Ulisses Castelo Branco, funcionário da Secretaria da Fazenda, cearense de Pacoti nascido em 14/03/1883.

1925 – março – 22 – Inaugurada a potente máquina impressora do jornal “O Nordeste”.

1925 – abril – 01 – Mário Teixeira de Abreu funda a Padaria Ideal, panificadora, na Rua Barão do Rio Branco nº 194 (antigo). Depois foi vendida a David Eusébio Ferreira, que mudou para a esquina da Rua Guilherme Rocha nºs 846-884, com Avenida do Imperador, na Praça da Lagoinha (atual Praça Capistrano de Abreu). Desde 1944 pertence à firma J. Neto & Cia.

1925 – abril – 12 – Instala-se a Cooperativa de Responsabilidade Limitada, fundada em 23/11/1924 pelo Centro dos Importadores de Fortaleza que depois se transformaria no Banco dos Importadores de Fortaleza, sob a presidência do coronel José Francisco Alves Teixeira, que tinha como diretor gerente Francisco Floriano Delgado Perdigão. Funcionava em prédio na Rua Major Facundo nº 55. Depois mudou-se para a Rua Barão do Rio Branco nº732, Palácio Guarani.

1925 – abril – 15 – Inaugura-se, no Prado, o Circo de Touros, da Empresa Moacir Carvalho.

1925 – maio – 01 – Reinaugura-se, em Fortaleza, a Fábrica Italiana, antiga Fábrica Italiana a Vapor de Massa Alimentícia e Padaria, indústria de panificação e massas alimentícias, na Rua Pedro Borges nºs 34/38 (antigos, hoje 108), esquina com Rua General Bezerril nºs 196/198 (antigos, hoje 552), da firma T. Ferreira & Companhia, de O. Ferreira & Companhia, Manuel Nunes Siqueira e Antônio Gonçalves Onofre. Depois seria a Padaria Italiana, de Ângelo Ratacaso e, a partir do quebra-quebra (18/08/1942), a Padaria Nordestina, que depois se transformou em supermercado com o nome de A Nordestina. Já não existe.

1925 – maio – 04 – Morre, no Rio de Janeiro, aos 22 anos de idade, a bailarina cearense Maria Alves Alencar (Iracema de Alencar).

1925 – maio – 07 – Muda de denominação a principal praia de Fortaleza quando, por Decreto, a Praia do Peixe passa a chamar-se Praia de Iracema.

1925 – maio – 24 – Reinauguração da Avenida 7 de Setembro (Praça do Ferreira), com discurso do prefeito municipal Godofredo Maciel. Na reforma houve a transferência da caixa d’água para o Parque da Independência, colocação de mosaico em todo o piso e construção de novo coreto, agora coberto.

1925 – maio – 24 – Funda-se, em prédio da Rua Barão do Rio Branco nº 557, 1º andar, a Associação dos Agentes Comerciais do Ceará.

1925 – maio – 25 – Instala-se, em Fortaleza, o Crédito Auxiliar dos Merceeiros (Sociedade Cooperativa de Responsabilidade Ltda.), sob os auspícios da Associação dos Merceeiros do Ceará, na Rua Floriano Peixoto nº 46 (antigo).

1925 – maio – 28 – Inicia-se a exploração da Salina Vila Velha, à margem do Rio Ceará, pela firma A. J. Carvalho & Companhia, dos sócios Antônio Joaquim de Carvalho e Augusto de Sales Guerra.

1925 – maio – 31 – Sai, em Fortaleza, o 1º número da revista A Razão, católica, dirigida por J. J. de Sá Leitão e redatoriada por Rubens Macedo e A. Gondim.

1925 – junho – 01 – Abre-se em Fortaleza a loja de calçados Bota Americana, na Rua Major Facundo nº 138 (antigo), da firma S. Albino & Companhia, formada por Samuel Albino de Oliveira e Otávio Albino de Oliveira.

1925 – junho – 03 – Fundada a Casa Odeon, alfaiataria com seção de calçados na Rua Major Facundo nº 240 (antigo), da Viúva Andrade & Filho.

1925 – junho – 07 – O primeiro número do jornal O Ceará é publicado, sob direção Júlio de Matos Ibiapina (J. Ibiapina), tendo na gerência Rodolfo Ribas.

1925 – junho – 07 – Apresenta-se em Fortaleza, em festival artístico, com acompanhamento de piano por Ester Salgado da Fonseca, o saxofonista cego Ladário Teixeira.

1925 – junho – 12 – Publicado em Fortaleza, O Sport, dirigido por José Leite Brasil. Homenagem aos campeões mundiais de futebol.

1925 – junho – 16 – Inaugurada a nova sede do Superior Tribunal de Justiça, na Rua Barão do Rio Branco nº 1200, sendo o prédio benzido pelo arcebispo Dom Manuel da Silva Gomes. Na ocasião usaram da palavra os desembargadores Álvaro Gurgel de Alencar (Álvaro de Alencar), José Feliciano Augusto de Ataíde (Feliciano de Ataíde), Gustavo Augusto da Frota Braga (Gustavo Braga) e Félix Cândido de Sousa Carvalho.

1925 – junho – 20 – Circula o último número de Fanfarra, periódico de letras, artes e mundanismo que surgira em 07/03/1925. Saíram apenas sete números. Era dirigida por Coelho Garcia e redatoriada pelo poeta e escritor Edgar Ramos de Alencar (Edigar de Alencar), e gerenciada por Sérvulo Monteiro da Silva. Era impressa pela Casa Editora Tipografia Modelo.

1925 – junho – 23 – Morre, em Fortaleza, Joaquim Manuel de Simões, sócio majoritário da firma Simões, Filho & Companhia e que foi por 20 anos cônsul de Portugal.

1925 – junho – 24 – Surge em Fortaleza a Padaria Iracema, de Antônio de Oliveira, sucessor de Oliveira & Jerônimo, na Avenida Dom Manuel nºs 335/337 (antigos) esquina com Avenida Santos Dumont.

1925 – junho – 27 – Lei municipal muda o nome da Rua da Praia, que passa a denominar-se Avenida Pessoa Anta, homenagem ao coronel João de Andrade Pessoa Anta, um dos sacrificados em 1825, no Centenário de sua morte.

1925 – junho – 28 – Lançada em partituras o fox-trot O Banco, de autoria de João Gabriel Perboyre Quinderé (J. Perboyre Quinderé), dedicado aos freqüentadores do Banco da Avenida 7 de Setembro (Praça do Ferreira).

1925 – junho – 29 – Inaugura-se, às 15h, na Santa Casa de Misericórdia, o serviço de Raios X.

1925 – junho – 30 – Assume o cargo de Capitão dos Portos do Ceará, o capitão-tenente Leonel de Magalhães Bastos, pela quarta vez, interinamente, substituindo o também capitão-tenente César Augusto Machado da Fonseca. Nas vezes anteriores seu posto era de 1º tenente.

1925 – julho – 01 – Funda-se a firma Exportadora Cearense Ltda., funcionando na Rua Dragão do Mar nºs 60/72.

1925 – julho – 01 – Surge em Fortaleza a firma Álvaro Weyne, de Álvaro Nunes Weyne, de comissões, representações e conta própria, com endereço na Rua Barão do Rio Branco nº 67 (antigo).

1925 – julho – 01 – Aberta a Farmácia Amazonas, na Rua Major Facundo nº 246 (antigo), da firma J. Lourenço & Companhia, de João Lourenço de Castro e Silva e José Nogueira Sampaio.

1925 – julho – 01 – Funda-se, em Fortaleza, a Farmácia São Paulo, de A. Teófilo Marçal, na Rua Major Facundo nº 242 (antigo).

1925 – julho – 01 – Fundada a Farmácia São José, da firma J. Gurgel & Cia, formada por Jaime Gurgel do Amaral e Carlos Gurgel do Amaral, na Rua Major Facundo nº 277 (antigo).

1925 – julho – 14 – Criada a Associação Cearense de Imprensa – ACI, com a denominação de Associação dos Jornalistas Cearenses.

1925 – julho – 17 – Devorada por um incêndio a Farmácia Fênix, localizada na Rua Floriano Peixoto.

1925 – julho – 17 – Surge em Fortaleza a Federação das Classes Artísticas e Operárias do Ceará, iniciativa do presidente do Centro Artístico Cearense, Rosendo de Albuquerque Moura.

1925 – julho – 22 – Inaugurado o Asilo do Bom Pastor, destinado ao abrigo de moças que incorriam no ato de engravidar sem casamento. Localiza-se na Avenida Filomeno Gomes, s/nº, hoje seria ao lado do Liceu do Ceará.

1925 – julho – 30 – Vítima de infecção paratífica, morre, às 18h30min, aos 41 anos de idade, o engenheiro civil Otávio Bonfim, chefe de tráfego da Rede de Viação Cearense – RVC. Nascera em 1884. É hoje nome de bairro e foi de estação ferroviária.

1925 – agosto – 03 – A Biblioteca Pública do Estado, por força de lei, é desmembrada da Faculdade de Direito, passando a ser uma repartição autônoma.

1925 – agosto – 08 – Criado, pela Lei nº 2253, um Pelotão de Bombeiros, subordinado ao comando do Regimento Policial do Ceará.

1925 – agosto – 18 – Falece, em Limoeiro do Norte, aos 24 anos, o professor, jornalista, prosador e poeta, cônego Climério Chaves, vigário naquela localidade, um dos fundadores do Colégio Cearense. Nascera em Limoeiro do Norte a 04/07/1875.

1925 – agosto – 20 – Morre em Fortaleza, aos 79 anos de idade, o escriturário do Tesouro Raimundo Torcápio Ferreira, sendo sepultado no Cemitério de São João Batista. Nascera em 12/08/1846 em Cascavel, CE.

1925 – agosto – 21 – Sai o primeiro número de A Noite, dirigido por Juarez Castelo Branco.

1925 – agosto – 26 – Toma posse, no comando do 23º Batalhão de Caçadores – 23BC, o tenente-coronel Vicente Francelino de Albuquerque, substituindo o tenente-coronel Gustavo Frederico Bentenmuller.

1925 – agosto – 26 – Morre, em Fortaleza, pobre e esquecido, o pintor autor do quadro “Fortaleza Liberta”, feito em 1884, comemorando a libertação dos escravos no Ceará e que se encontra hoje no Museu do Ceará, José Irineu de Sousa. Morou muitos anos no Pará. Nascera em Fortaleza a 25/03/1850.

1925 – agosto – 28 – A Escola Normal passa a denominar-se Escola Normal Pedro II.

1925 – agosto – 28 – A firma Moraes & Companhia funda, em Fortaleza, a Livraria Ribeiro, na Rua Guilherme Rocha nº 198 (antigo), na Praça do Ferreira.

1925 – agosto – 31 – Abre-se a Casa Alemã, da firma A. Frota & Companhia, de Ananias Frota de Vasconcelos e Cora Jandira Ribeiro Lima, na Rua Guilherme Rocha nºs 75/77 (antigos).

1925 – agosto – Aparece em Fortaleza nova marca para os fumantes, os Cigarros Polymathicos, da Fábrica de Cigarros São Lourenço, de Beleza & Companhia Ltda. Em 1911 fora fundada em Fortaleza a Escola Polymática e em 1920 surgiu a Academia dos Novos que mudou o nome para Academia Polymatica.

1925 – setembro – 05 – Toma posse a 1ª diretoria da Associação Cearense de Imprensa – ACI, eleita no dia 23/08, que tem como presidente César Teles de Magalhães (César Magalhães).

1925 – setembro – 16 – Estréia, às 20h30min, em Fortaleza, o Circo Sampaio, da Empresa Moacir Carvalho, armado na Praça de Pelotas (hoje Clóvis Bevilaqua).

1925 – setembro – 22 – Inaugura-se uma nova linha de bondes elétricos em Fortaleza, a Praia de Iracema, que tem o mesmo caminho da antiga linha da Praia.

1925 – setembro – 24 – Promulgada uma nova Constituição do Estado e os membros da Assembleia são recebidos em Palácio, pelo presidente José Moreira da Rocha.

1925 – setembro – 16 – Funda-se, na Rua Floriano Peixoto nº 272 (antigo), a Foto Brasil, do russo Benjamin Angert. Sua instalação deu-se no dia 26. Depois foi casa vendedora de artigos fotográficos, na Rua Guilherme Rocha nº 180, com o nome de Estabelecimentos Angert.

1925 – setembro – 26 – Assume o cargo de Capitão dos Portos do Ceará o capitão de corveta João Soares de Pinna, substituindo o interino capitão-tenente Leonel de Magalhães Bastos.

1925 – setembro – Inaugurada, em Fortaleza, a Casa Popular, de estivas cereais e miudezas, de Aprígio Soares, na Rua Senador Pompeu nº 236 (antigo).

1925 – outubro – 01 – Inaugura-se a loja A Samaritana, na Rua Guilherme Rocha nº 104 (antigo, atual 116), da firma A. F. Pinto, de Antônio Ferreira Pinto . Depois pertenceu a Odília Campos de Araújo, na Rua Liberato Barroso nº 112.

1925 – outubro – 09 – Sai o primeiro número de Terra da Luz, órgão do Grêmio Literário Clóvis Monteiro, do Colégio Castelo Branco, tendo como redator-chefe Walder Studart e redatores Eduardo Mamede e Hugo Firmeza, com gerência a cargo de Cândido Costa.

1925 – outubro – 16 – Aparece em Fortaleza, a Tipografia Popular, da firma Silva & Companhia, dos sócios Otávio da Silva Costa e Jaime Sisnando, na Rua Floriano Peixoto nº 278 (antigo).

1925 – outubro – 18 – Benzida, às 7h30min, a imagem e a Igreja de São Gerardo Majela, no Alagadiço, sendo inaugurada.

1925 – outubro – 18 – Em Fortaleza a atriz e cantora Alda Garrido, que vem como diretora de uma companhia teatral que se apresenta no Theatro José de Alencar.

1925 – outubro – 19 – Morre, aos 79 anos de idade, pela manhã, em sua residência, o desembargador Antônio Sabino do Monte, professor de direito e Procurador Geral do Estado. Ex-presidente da Paraíba. Era cearense de Sobral nascido em 11/07/1846. Hoje é nome de rua no São João do Tauape.

1925 – outubro – 21 – Cesário Franklin e José Felício de Holanda formam a firma Franklin & Holanda, abrindo a Padaria Pedro II, no bairro do Otávio Bonfim, antigo Matadouro.

1925 – outubro – 28 – Funda-se em Fortaleza a Padaria Fracfort, da firma P. Afonso & Companhia, pertencente a Paulo Afonso de Oliveira e Francisco Veríssimo da Silva, situada na Rua Dona Teresa nº 236 (antigo).

1925 – novembro – 01 – Encerra-se o Campeonato Cearense de Futebol daquele ano, com a partida entre o Ceará Sporting Club e o Fortaleza Sport Club, no Campo do Alagadiço, com o resultado de 2×1 para o Ceará que é o Campeão.

1925 – novembro – 04 – Morre, em Fortaleza, o compositor e maestro Raimundo Donizetti Gondim Filho, natural de Sobral, nascido em 29/09/1882.

1925 – novembro – 07 – Sai às ruas o primeiro número da revista Política, redatoriada pelos escritores Adauto de Alencar Fernandes (Adauto Fernandes) e Atualpa Barbosa Lima.

1925 – novembro – 13 – Chega a Fortaleza o poeta paulista Guilherme de Almeida.

1925 – novembro – 17 – Abre-se em Fortaleza a Casa Albuquerque, de modas, miudezas e armarinhos, na Rua Floriano Peixoto nº 146 (antigo), de Francisco de Oliveira Albuquerque.

1925 – novembro – 20 – Surge em Fortaleza a Galeria Elegante, casa de venda de molduras, vidros, quadros e artigos religiosos, na Rua Guilherme Rocha nº 100 (antigo), de Guilherme Pedro da Silva.

1925 – dezembro – 12 – Surge em Fortaleza mais um clube de mercadorias por sorteios, denominado Caixa do Povo, na Rua Floriano Peixoto nº 246 (antigo), da firma Timóteo & Miranda, composta por José Bruno de Miranda e Teodomira Timóteo de Lima.

1925 – dezembro – 23 – A Rua da Marinha, ladeada pelo muro do Cemitério São João Batista, passa a denominar-se Rua Cândido Maia, homenagem ao abolicionista e administrador do referido cemitério.

1925 – dezembro – 23 – A Alfaiataria Francesa, fundada em 1902, na Rua Floriano Peixoto nº 157 (antigo), aparece pertencendo a G. Gurgel & Companhia, formada por Gervásio Gurgel do Amaral e Francisco de Holanda Galvão.

1925 – Para construção dos desvios da Rede de Viação Cearense – RVC, é demolido o Paiol de Pólvora que ficava no início da atual Rua Dona Teresa, antiga Rua do Paiol, sendo retirados 17 mil m3 de areia.

1925 – Após reorganização, iniciada no ano do Centenário, no governo de Justiniano de Serpa, a Cadeia Pública recebe nova denominação: Casa de Detenção.

1925 – Fortaleza tinha, conforme estimativa da época, uma população de 112.549 habitantes.

 

1926

1926 – janeiro – 01 – Fundada em Fortaleza a Caixa da Fortuna, clube de sorteios de José C. Jucá, na Rua Major Facundo nº 167.

1926 – janeiro – 02 – Instala-se, na Praça de Pelotas (hoje Praça Clóvis Bevilaqua), o Circo Floriano, que tem como principal atração o atleta Floriano Peixoto, seu dirigente.

1926 – janeiro – 02 – Fundada, em Fortaleza, a Casa Guanabara, da firma J. Mitoso & Filho, com os sócios: José Mitoso e Moacir Esteves Mitoso, na Rua Senador Pompeu.

1926 – janeiro – 02 – Abre-se em Fortaleza a casa A Pirapora, de venda de tecidos e miudezas, na Rua Senador Pompeu nº 287 (antigo), de propriedade de José Otoch.

1926 – janeiro – 15 – Decretado, pelo Governo Federal, estado de sítio no Ceará, em virtude dos acontecimentos no Maranhão e Piauí e agora no Ceará. O capitão Juarez do Nascimento Fernandes Távora (Juarez Távora), que havia sido preso no Piauí, transita pelo porto de Fortaleza, detido no navio “Rodrigues Alves”.

1926 – janeiro – 16 – Sai às ruas, em Fortaleza, o primeiro número do panfleto semanal A Farpa redatoriado por João Perboyre e Silva, Wulmar Borges e Djacir de Lima Menezes (Djacir Menezes), todos acadêmicos de direito. A direção era de Plácido Aderaldo Castelo (Plácido Castelo).

1926 – janeiro – 20 A 7ª Região Militar, sediada no Recife, é transferida para Fortaleza, chegando aqui o coronel Felizardo Toscano de Brito, titular daquela região.

1926 – janeiro – 21 – Chega em Fortaleza o 23º Batalhão de Caçadores – 23BC, que estava combatendo os revoltosos no Maranhão.

1926 – fevereiro – 01 – Abre-se em Fortaleza a casa Auto Volante, da firma A. Barbosa & Companhia, vendendo acessórios e lubrificantes para automóveis, de propriedade de Carlos Garcia Juaçaba (Carlos Juaçaba) e Antônio Barbosa.

1926 – fevereiro – 01 – Abre-se em Fortaleza a Farmácia Magalhães, de J. M. Belém Carneiro, na Rua Floriano Peixoto nº 234 (antigo, atual 721).

1926 – fevereiro – 05 – Um incêndio destrói a mercearia de Frutuoso Afonso de Lima, Cabo Velho, no Boulevard Visconde do Rio Branco, esquina com Rua Pedro I.

1926 – fevereiro – 14 – Inaugura-se, no primeiro dia de carnaval, armado na Praça Visconde de Pelotas (atual Praça Clóvis Bevilaqua), o Coney Island Park.

1926 – fevereiro – 14, 15 e 16 – Dias dedicados à Folia de Momo (carnaval).

1926 – fevereiro – 17 – Quarta-feira de cinzas, era fundada a Livraria Comercial, na Rua Major Facundo nº 151 (antigo, atual 430), da firma Quinderé & Cia., de Luís Quinderé Ferreira e Meton de Alencar Gadelha. Depois a firma foi vendida a terceiros e Luís Quinderé abriu a Livraria Quinderé.

1926 – fevereiro – 23 – Estréiam, no Cine Teatro Majestic, os cançonetistas Os Geraldos, formado por Geraldo Magalhães e Nina Teixeira. Gravaram muitos discos na famosa Casa Edson, de Fred Figner.

1926 – fevereiro – 24 – A estação ferroviária Matadouro passa a chamar-se Otávio Bonfim.

1926 – fevereiro – 26 – Fundado o Banco de Crédito Caixeiral, da Fênix Caixeiral, tendo como primeiro presidente Carlos Pinho Vasconcelos. Depois, passou a chamar-se Banco de Crédito Comercial S. A. Sua instalação foi no dia 13 de maio do mesmo ano, na Rua Floriano Peixoto nº 426 (atual 752).

1926 – março – 01 – Divulgado o resultado final do concurso do jornal O Ceará através de sua seção “Jazz-band”, de elegância feminina, no qual tira 1º lugar Laura Campelo, 2º lugar, Cornélia Fontenele da Silveira e 3º lugar Denise Vieira.

1926 – março – 08 – Morre, no Rio de Janeiro, aos 50 anos de idade, o médico baiano Floro Bartolomeu da Costa, deputado federal pelo Ceará. É hoje nome de rua no São João do Tauape.

1926 – março – 14 – A Light inaugura o trecho de linha de bondes que vai da Praça Fernandes Vieira até a Escola de Aprendizes Marinheiros do Ceará, com o nome de Jacarecanga, indo pela Rua Guilherme Rocha e Avenida Filomeno Gomes, fazendo ponto nesta e voltando pelo mesmo caminho.

1926 – março – 26 – Em votação durante sessão na Associação dos Jornalistas Cearenses, é criada a Escola de Gazeteiros Padre Mororó, que no mês seguinte iniciaria as aulas.

1926 – março – 27 – Sai o primeiro número do Dodge Jornal, órgão lítero-humorístico de propaganda da firma Camilo & Companhia, sob direção de Raimundo de Menezes.

1926 – março – 30 – Morre, no Rio de Janeiro, o ex-presidente do Ceará e marechal reformado, José Freire Bezerril Fontenele (General Bezerril), aos 76 anos de idade. Nascera em Viçosa do Ceará, no dia 09/03/1850. É hoje nome de rua no Centro de Fortaleza.

1926 – abril – 01 – Funda-se, em Fortaleza, a loja O Gabriel, de Gabriel Leônidas Jardim, armarinho de miudezas e artigos religiosos na Rua Senador Alencar nº 46 (antigo), depois se mudou para a Rua Floriano Peixoto nº 256.

1926 – abril – 01 – Morre, com 52 anos de idade, o poeta e bacharel de direito Alfredo de Miranda Castro (Alf. Castro). Era natural do Recife, Pernambuco, onde nascera a 30/11/1873 e pertencia a Academia Cearense de Letras – ACL. Exerceu o cargo de Procurador da República no Ceará.

1926 – abril – 01 – É fundada, e é verdade, pelo tipógrafo Raimundo Nonato Farias Esteves (Raimundo Esteves), em prédio na Rua do Rosário, a Tipografia Progresso. Oriunda da Tipografia Moraes, que fora adquirida por Artur Esteves. Depois, mudou-se para a Rua General Bezerril nº 183 (antigo) e já como R. Esteves Gráfica Ltda. para a Rua Senador Pompeu nº 754. Hoje a Tiprogresso é uma moderna editora, nas mãos de Geraldo Esteves, filhos e sobrinhos.

1926 – abril – 03 – Inaugura-se, na Rua dos Pacajus nº 71, com fundos para a Praia de Iracema nº 20, o Restaurante Beira Mar, de propriedade da firma Ramon & Barbosa, formada por Ramon Romero de Castro e Antônio Barbosa, que ficou conhecido como Restaurante do Ramon. Ramon Romero de Castro veio do Pará em 1914, iniciando aqui dirigindo o restaurante Art Nouveau, de José Rola.

1926 – abril – 06 – Aparece no comércio fortalezense uma empresa de melhoramentos e propaganda comercial denominada A Intermediária, da firma Oliveira, Vidal, Weyne, formada pelos sócios Júlio de Oliveira Filho, Lauro Reis Vidal, Armon Demon de Vale Weyne e Vicente de Paula Padilha, na Rua Barão do Rio Branco nº 121 (antigo). Foi a primeira empresa publicitária do Ceará.

1926 – abril – 07 – Abre-se em Fortaleza a Moldura Cearense, loja de molduras, vidros, espelhos e quadros, localizada na Rua Pedro Borges nº 36 (antigo), na Praça do Ferreira, pertencente à firma Medeiros & Moura Ltda., composta pelos sócios Arnaldo Pacheco de Medeiros e Georgina Menezes de Moura.

1926 – abril – 08 – A Escola de Gazeteiros Padre Mororó, fundada pela Associação dos Jornalistas Cearenses, hoje Associação Cearense de Imprensa – ACI, promove sua aula inaugural, quando compareceram apenas 15 alunos.

1926 – abril – 17 – No Cinema Moderno realiza-se festival em benefício de Vito di Maio, um dos introdutores do cinematógrafo no Brasil e fundador do primeiro cinema fixo de Fortaleza, instalado na Rua Major Facundo, na Praça do Ferreira, quase esquina com a Rua Guilherme Rocha. Vito di Maio estava cego, velho e pobre.

1926 – abril – 21 – Morre, de repente, Vito di Maio, coincidentemente na calçada do prédio onde instalou seu cinema em 1909 e que foi o primeiro de Fortaleza.

1926 – abril – 21 – Instala-se, em Fortaleza, a Escola de Gazeteiros Padre Mororó, cuja aula inaugural ocorreu no dia oito e teve apenas 15 alunos. É promovida a festa de instalação com o intuito de aumentar a freqüência.

1926 – abril – 22 – Adquirido a Carlota Gouveia de Miranda Cavalcante, pelo Crédito Popular São José, o terreno na Rua da Aldeiota (hoje Rua Nogueira Acioli), na Praça Benjamin Constant (hoje Praça da Bandeira), para construção da residência dos padres jesuítas. A mesma proprietária doou parte do terreno para ser construída a Igreja do Cristo Rei.

1926 – abril – 26 – Lançado o livro Outras Terras, Outras Gentes, de autoria do escritor Raimundo de Menezes.

1926 – maio – 02 – Funda-se o Grêmio dos Estudantes Fenistas, da Fênix Caixeiral, dirigido por Adolfo Arruda.

1926 – maio – 03 – Inaugurado oficialmente, iniciando às 15h, o serviço de abastecimento de água e esgoto em Fortaleza, pelo presidente do Estado, desembargador José Moreira da Rocha, aos pés das caixas dágua na Praça de Pelotas (hoje Praça Clóvis Bevilaqua). Com a deposição de Acioli, foram suspensos os trabalhos de esgoto e fornecimento de água de Fortaleza, os canos ficaram expostos, danificando-se. A água encanada vinha do açude Acarape, trabalho executado sob a direção do engenheiro Vitoriano Borges de Melo.

1926 – maio – 06 – Falecimento, em Fortaleza, do militar reformado Lucas Evangelista, veterano da Guerra do Paraguai.

1926 – maio – 13 – Morre, em Fortaleza, o vereador Antônio de Alencar Araripe. Nascera em Pereiro, CE., em 15/11/1897.

1926 – maio – 13 – Instala-se, em Fortaleza, o Banco de Crédito Caixeiral (depois Banco de Crédito Comercial), dirigido por Oscar Barbosa e gerenciado por Diógenes Vasconcelos, em prédio na Rua Floriano Peixoto nº 426.

1926 – maio – 15 – Surge em Fortaleza o Café Cascatinha, também botequim, na Rua Major Facundo nº 137 (antigo), propriedade de Nagib Ary.

1926 – maio – 18 – Surge o álbum Terra Cearense, organizado por Napoleone Savastano e redatoriado pelo jornalista Gilberto Pessoa Torres Câmara (Gilberto Câmara), em duas línguas: português e italiano.

1926 – maio – 21 – Morre, em Fortaleza, aos 62 anos incompletos, o escritor e engenheiro Benedito Façanha Sidou (Benedito Sidou), pertencente ao quadro de técnicos da Inspetoria Federal de Obras Contra as Secas – IFOCS (hoje DNOCS). Nascera em Cascavel, CE, no dia 12/06/1864.

1926 – maio – 21 – Instala-se em Fortaleza o Banco Mútuo do Sorteio, propriedade da firma Drumond Nogueira, de Belém do Pará.

1926 – maio – 29 – Inaugurada a Casa Pratt, explorando o ramo de máquinas de escrever.

1926 – junho – 07 – Anunciada a instalação, em Fortaleza, da Empresa Cearense de Anúncios – ECA, de Rogério de Alencar & Cia, segunda empresa publicitária de nossa terra, com endereço na Rua Major Facundo nº 220 (antigo), na Praça do Ferreira.

1926 – junho – 11 – Estabelece-se uma fábrica de tecidos, da firma Frota, Siqueira & Cia. Ltda., que no ano seguinte passa a ser Frota & Gomes Ltda. e em 1928, com a morte de um dos sócios, passou a ser Gomes & Cia Ltda., que inaugurou a Fábrica de Tecidos São José, na Avenida Tomás Pompeu nº 506 (hoje Avenida Filomeno Gomes), no Jacarecanga. Depois foi S. A. Philomeno Indústria e Comércio.

1926 – junho – 12 – Morre, no Rio de Janeiro, DF, o Almirante Raimundo Frederico Kiappe da Costa Rubim (Almirante Rubim), que comandou a Escola Aprendizes Marinheiros do Ceará no período 11-13/07/1886. Nascera em 27/06/1856. Hoje existe em Fortaleza a Rua Almirante Rubim, no Montese e Parangaba, em sua homenagem.

1926 – junho – 16 – A Travessa da Boa Vista, próxima a Praça do Ferreira, passa a denominar-se Rua Pará.

1926 – junho – 17 – Lei municipal muda o nome da continuação da Rua Guilherme Rocha, no Jacarecanga, a partir da atual Praça do Liceu, para Avenida Demóstenes Rockert. Seria inaugurada em 1928. É hoje a Avenida Francisco Sá.

1926 – junho – 22 – Morre, com a idade de 71 anos, a professora e poetisa Ana Facó, nascida em Beberibe em 10/04/1855. No bairro Álvaro Weyne existe hoje a Rua Ana Facó.

1926 – junho – 29 – Sai o primeiro número de O Maguary, órgão do Sport Club Maguary de Fortaleza, redatoriado por J. M. Lima, L. Matos, José Cursino de Sena e O. Bessa.

1926 – junho – 30 – Inaugura-se, em Fortaleza, a Estação Telegráfica do Ceará, da Repartição Geral dos Telégrafos – RGT, chefiada por Manuel Carlos Cabral.

1926 – junho – Sai o primeiro número do jornal O Combate, político independente do jornalista Agostinho de Paula Viana (Agostinho Viana).

1926 – julho – 03 – Inaugura-se, na Rua Floriano Peixoto nº 213 (antigo), na Praça do Ferreira, a Camisaria Universal, de Pereira Júnior & Companhia Ltda., firma formada pelos sócios Alfredo Pereira Júnior e Josué M. de Figueiredo, sendo, na ocasião, entronizado um quadro do Sagrado Coração de Jesus pelo padre Geminiano Bezerra de Menezes.

1926 – julho – 03 – Circula em Fortaleza o primeiro número da revista Bataclan, redatoriada por Rogério de Alencar.

1926 – julho – 09 – Inaugurada oficialmente a Fábrica de Curtume Cearense Ltda, no Jacarecanga, de propriedade de Francisco Lorda, Francisco Moreira de Azevedo, G. Gradvohl & Fils. e J. Arruda & Irmão. A fábrica já vinha funcionando há quase um ano, na Avenida Tomás Pompeu (hoje Avenida Filomeno Gomes) nºs 516/562.

1926 – julho – 11 – Passa por Fortaleza o hidro-avião Buenos Aires, em que os aviadores argentinos Duggan e Olivero realizam o raide Nova York – Buenos Aires.

1926 – julho – 16 – Inaugurado, às 13h, o Crédito Operário Mercantil (Casa dos Milhões), clube de sorteios, na Rua Floriano Peixoto nº 170. Depois seria transformada em uma agência de venda de revistas e jornais.

1926 – julho – 18 – O Matadouro Modelo é inaugurado, na administração do desembargador José Moreira da Rocha, sendo prefeito Godofredo Maciel, autorizado o contrato da construção, pela lei municipal nº 126, de 29/12/1924. O prédio foi benzido pelo monsenhor Antônio Tabosa Braga (Monsenhor Tabosa). Ficava no bairro do Barro Preto ou Tauape, hoje Jardim América, no mesmo local onde está o Colégio Paulo VI, na Rua Jorge Dummar, em frente à Praça Humberto de Campos (hoje Praça Delmiro Gouveia). Ali foi o sítio Tauape, de Manuel Romualdo Holanda, que o vendeu a Antônio Diogo Vital de Siqueira e Abel Ribeiro.

1926 – julho – 21 – Circula em Fortaleza o primeiro número um do jornal O Ceará… Moleque, de orientação humorística redatoriado por Juvenal e Rabelais. Era semanal.

1926 – julho – 24 – Inaugura-se, às 15h, na Rua da Alfândega (Pessoa Anta) nº 14 (antigo) a Fábrica São Bernardo, para beneficiamento de algodão e extração de féculas, da firma Gonçalves Jucá.

1926 – julho – 27 – Preso, pelas forças federais, o jornalista Álvaro da Cunha Mendes (A. C. Mendes), enquadrado por crime capitulado na Lei de Imprensa, por publicação de um artigo, denunciando corrupção na Inspetoria Federal de Obras contra as Secas – IFOCS, no quartel do 23º Batalhão de Caçadores – 23BC, na Avenida Alberto Nepomuceno, hoje quartel general da 10ª Região Militar – 10ª RM. Era o governo Artur Bernardes, no qual Francisco Sá era ministro da Viação e Obras Públicas a quem era afeto a IFOCS.

1926 – julho – A fábrica de cigarros Beleza & Garcez lança a nova marca, Dados.

1926 – agosto – 02 – Chega a Fortaleza, a bordo do navio “Pará”, o candidato a presidente da República Washington Luís Pereira de Souza, sendo recebido pelo presidente do Estado, desembargador José Moreira da Rocha e o prefeito Godofredo Maciel. É-lhe oferecido um banquete de 150 talheres, no Theatro José de Alencar.

1926 – agosto – 02 – Sai, em experiência, um auto-ônibus, adquirido pela Empresa Matadouro Modelo à firma Camilo & Companhia, representante dos carros Dodge. Faria a linha da Praça do Ferreira ao Matadouro Modelo. Foi a primeira linha de ônibus de Fortaleza.

1926 – agosto – 04 – Mais uma associação literária surge em Fortaleza, o grêmio Hora Intelectual, fundado por um grupo de alunos da Faculdade de Direito do Ceará.

1926 – agosto – 15 – Encerra-se o Campeonato Cearense de Futebol, no Campo do Alagadiço, quando o Fortaleza Esporte Clube sai Campeão.

1926 – agosto – 15 – Inaugurada em Fortaleza a Capela do Colégio Cearense, sendo celebrante o monsenhor João Alfredo Furtado (Monsenhor Furtado).

1926 – agosto – 21 – Sai A Comarca, em Fortaleza, revista dirigida por Antônio Batista Fontenele (A. Batista Fontenele), proprietário, tendo como redator-chefe Ferreira Porto.

1926 – agosto – 24 – Destruído por um incêndio o armazém de algodão de Isac Teles de Menezes, situado na Rua Floriano Peixoto.

1926 – agosto – 26 – Funda-se, em Fortaleza, o Instituto dos Contadores e Guarda-Livros do Ceará, em reunião presidida por Francisco Riquet.

1926 – agosto – 28 – Chega em Fortaleza o soprano lírico Margarida Simões, que se apresenta no Theatro José de Alencar, no dia 31.

1926 – agosto – 31 – Publicada a revista Gotas de Orvalho, das normalistas do Instituto Santa Dorotéia (Colégio de Nossa Senhora do Sagrado Coração) de Fortaleza, dirigida por Lígia Alencar, gerenciada por Lucinda Pires, tendo como vice-gerente Eleonor Rosa e redatoras, Olívia Sampaio Xavier Rodrigues, Aurélia Inês T. Ferrer e Maria Bezerra Saraiva.

1926 – setembro – 07 – Funda-se, em Fortaleza, o Progresso Foot-ball Club.

1926 – setembro – 19 – Morre em Fortaleza o catedrático da Faculdade de Direito Antônio Antonele de Castro Bezerra (Antonele Bezerra), aos 32 anos incompletos. Era cearense de Pacoti nascido em 04/11/1894 e hoje é nome de rua no Meireles, onde funcionou por muitos anos a Câmara Municipal de Fortaleza.

1926 – setembro – 21 – Morre o advogado e professor Antonele Bayma.

1926 – setembro – 24 – Surge a Garage Mazine, da firma Gomes Freire & Cia., de carros de aluguel, todos da marca americana Packard, na Rua Pedro Borges nº 203, na Praça do Ferreira. O chefe da firma era Waldemar Gomes Freire, conhecido por Mazine, que foi o pioneiro na comercialização de gás butano em 1947, vendida depois para Edson Queiroz em 1951. Existia, na Rua São Paulo nº 53, altos, uma Garage Mazine, com garage e oficinas na Rua dos Coelhos (atual Domingos Olímpio), no Benfica.

1926 – outubro – 09 – Inaugura-se, na Praça do Ferreira, o Café Expresso, da firma César Kayatt & Irmão, formada por César e Carlos Kayatt.

1926 – outubro – 12 – Inaugura-se a Estação Ferroviária da Floresta, hoje Estação Ferroviária Álvaro Weyne de onde parte o Ramal Ferroviário da Barra do Ceará, também inaugurado naquela ocasião.

1926 – outubro – 17 – Inaugura-se em Fortaleza, às 10h, na Rua Major Facundo, esquina com São Paulo, a Farmácia Globo, da firma Sampaio & Teles, dos farmacêuticos José Nogueira Sampaio e Raimundo Guimarães Teles. Depois funcionou na Rua Floriano Peixoto nº 601, na Praça do Ferreira. Pertenceu também a Barros Moreno & Campos Ltda.

1926 – outubro – 19 – Morre, em Fortaleza, o coronel Teófilo Gurgel Valente, um dos fundadores da Usina Gurgel. Hoje é nome de rua no Monte Castelo e Farias Brito.

1926 – outubro – 23 – Morre, no Rio de Janeiro, aos 46 anos de idade, o compositor Sátiro Lopes de Alcântara Bilhar (Sátiro Bilhar), cearense de Baturité nascido no dia 27/02/1848. Hoje é nome de rua na Cachoeirinha.

1926 – outubro – 27 – Encerra-se o Campeonato Cearense de Xadrez de 1926, promovido pelo Clube Enxadrístico dos Diários, saindo vencedor Nestor Barbosa, ficando em 2º lugar José Pompeu e em 3º Valter Olsen.

1926 – outubro – 30 – Suspenso o estado de sítio no Ceará.

1926 – outubro – 30 – Inaugura-se, no 2º Plano do Passeio Público, a III Exposição Pecuária do Ceará.

1926 – novembro – 01 – Assume a direção da Rede de Viação Cearense – RVC o engenheiro Adelmar de Melo Franco, que substitui o engenheiro Demóstenes Rockert.

1926 – novembro – 04 – Muda de comando o 23ºBatalhão de Caçadores – 23ºBC, quando assume o tenente Juarez Vasconcelos substituindo o capitão Atualpa de Alencar Lima.

1926 – novembro – 08 – Inaugura-se o Café José de Alencar, propriedade de Dão Rodrigues de Oliveira.

1926 – novembro – 14 – Lançada a pedra fundamental da Igreja de Santa Teresinha do Menino Jesus, no Arraial Moura Brasil.

1926 – novembro – 14 – Morre, em Santos, SP, o médico Domingos José Nogueira Jaguaribe Filho, ex-deputado geral, autor de vários livros sobre assuntos históricos, agrícolas e filosóficos. Nascera em Fortaleza em 02/11/1847.

1926 – novembro – 14 – Segue para o estado do Maranhão, a bordo do vapor “Pará”, o 23º Batalhão de Caçadores – 23BC, com um efetivo de mais de 600 homens, sob o comando do tenente-coronel Vicente Francelino de Albuquerque.

1926 – novembro – 15 – Realiza-se, em todo o Estado, eleição dos prefeitos e em Fortaleza, a de um vereador.

1926 – novembro – 15 – Assume a Presidência da República, Washington Luís Pereira de Sousa, em substituição a Artur da Silva Bernardes (Artur Bernardes). Seu vice-presidente é Fernando Melo Viana.

1926 – novembro – 20 – Estréia, o Circo Imperial Japonês, armado na Praça Visconde de Pelotas (atual Praça Clóvis Bevilaqua).

1926 – novembro – 21 – Inaugura-se a sede da Associação dos Alfaiates, prédio na Rua Major Facundo nº 211 – sobrado.

1926 – novembro – 21 – Incêndio destrói as casas comerciais Fernandes Júnior & Companhia de Paulo Franco. 1926 – novembro – 23 – Toma posse a 2ª diretoria da Associação Cearense de Imprensa – ACI, tendo à frente o jornalista Gilberto Pessoa Torres Câmara (Gilberto Câmara), eleita no dia 19.

1926 – dezembro – 1º – Estréia, no Teatro José de Alencar, a Companhia de Operetas de Vicente Celestino, onde, além de Vicente, vinha Pedro Celestino, seu irmão.

1926 – dezembro – 8 – A pedra fundamental da Igreja da Piedade foi lançada às 14h, na Praça Barão de Aquiraz, discursando na ocasião o Arcebispo Metropolitano Dom Manuel da Silva Gomes.

1926 – dezembro – 11 – Instituído, pelo jornal Correio do Ceará, o concurso da Rainha dos Estudantes.

1926 – dezembro – 24 – Morre o padre Luís Bezerra da Rocha, que fora o segundo capelão da Igreja de Nossa Senhora do Carmo. Foi lente do Seminário de Fortaleza, pároco em Redenção, codjutor de Cascavel e vigário de Messejana. Nascera a 19/08/1850 em Baturité.

1926 – dezembro – 28 – Morre, com a idade de 62 anos, em Guaiuba, o médico, compositor, poeta, músico, teatrólogo, jornalista e pintor Carlos Severo de Sousa Pereira, sendo ali sepultado. Nascera a 04/11/1864 em Fortaleza. Hoje é nome de rua no bairro Farias Brito.

1926 – dezembro – 31 – Denominada Rua José Avelino o trecho da Rua do Chafariz, compreendido entre os armazéns da praia (Rua Icó) e o término da linha de bondes da Praia de Iracema.

1926 – O compositor e pianista Mozart Gondim Ribeiro (Mozart Ribeiro) consegue gravar duas músicas em discos de 78 rotações na fábrica Odeon, tendo como intérprete a American Jazz-Band Sílvio de Sousa, no disco 123.152/3 com “Arlesiana” e “Velettes”, dois fox-trotes.

1926 – Surge mais uma firma comercial em Fortaleza, José Carneiro da Silveira e Fernando de Alencar Pinto formam a Silveira Alencar Ltda., representantes da General Motors.

1926 – Inaugurado o Cine Centro, no prédio do Centro Artístico Cearense, na esquina da Avenida Tristão Gonçalves nº 338, com Avenida Duque de Caxias. O prédio não mais existe.

1926 – Surge em Fortaleza uma mercearia de primeira ordem chamada Leão do Sul.

1926 – Surge a Fábrica Phoenix, de calçados, de Vicente F. Ponte.

1926 – Em Fortaleza, choveu 1.455,2 milímetros.

1926 – Fortaleza tinha uma população de 107.984 habitantes, sendo 83.973 em Fortaleza, 12.911 em Parangaba e 11.100 em Messejana.

 

1927

1927 – janeiro – 01 – Inaugurado o Quartel da Cavalaria da Força Pública (Polícia Militar), no Barro Vermelho (Antônio Bezerra), conhecido por muitos anos como Esquadrão de Cavalaria da Polícia.

1927 – janeiro – 06 – Fundado o Educandário Cearense, sob direção dos professores Moacir Caminha e Carminha Loiola Caminha.

1927 – janeiro – 11 – Morre, aos 66 anos de idade, o médico João Marinho de Albuquerque Andrade, cearense de Sobral que foi prefeito de Fortaleza e deputado federal. Existe em sua homenagem uma rua no Arraial Moura Brasil.

1927 – janeiro – 12 – Proclamada Rainha dos Estudantes do Ceará, a senhorita Suzana de Alencar Guimarães, que obteve 6.995 votos, ficando em segundo lugar Hortência J. Alencar, com 3.302 votos e em terceiro Ester Corrêa, com 1.370 votos. O concurso foi instituído pelo jornal Correio do Ceará.

1927 – janeiro – 13 – Sai em Fortaleza o primeiro número da revista Terra de Sol, órgão do Grêmio Lítero-Social Gustavo Barroso, redatoriada por Cândido Costa, tendo como diretor Hugo Firmeza e gerente Hermes Barroso.

1927 – janeiro – 18 – Reinaugura-se a Casa Avenida, na Rua Major Facundo nº 198 (antigo), na Praça do Ferreira, entre o Politeama e a Farmácia Pasteur, loja de confecções, gravatas, sombrinhas, etc., de Francisco Fiúza de Almeida.

1927 – janeiro – 24 – Instala-se o Conselho Penitenciário do Estado do Ceará, criado pelo Decreto Federal nº 16.665, de 06/11/1924, que teve como primeiro presidente Francisco Gomes Parente.

1927 – janeiro – 27 – Reassume o comando do 23ºBatalhão de Caçadores – 23BC, o capitão Aderbal de Castro e Silva, que estava sendo substituído interinamente pelo tenente Juarez de Vasconcelos.

1927 – janeiro – 30 – Chega a Fortaleza, a bordo do navio “Bahia”, o ex-presidente do Ceará general Benjamin Liberato Barroso (Benjamin Barroso).

1927 – fevereiro – 02 – Morre, atropelado por um automóvel, no Botafogo, Rio de Janeiro, aos 70 anos de idade, o capitalista cearense, coronel Antônio Frederico de Carvalho Mota, que governou o Ceará em 1912. Era cearense de Granja nascido em 1857. É hoje nome de rua no Parque Araxá e Rodolfo Teófilo.

1927 – fevereiro – 05 – O Cartório Silveira Marinho muda-se para a Rua Major Facundo nº 147.

1927 – fevereiro – 06 – Inaugura-se o Laboratório de Pesquisas Biológicas, sob a direção do médico Edmundo Monteiro Gondim e do professor químico Cláudio Nogueira, na Rua Floriano Peixoto nº 245 (antigo).

1927 – fevereiro – 08 – Chega em Fortaleza o jornalista e poeta Manuel Bandeira, que veio instalar uma sucursal da Agência Brasileira, agência telegráfica de notícias. Foi recepcionado na Associação Cearense de Imprensa – ACI, em sessão presidida por Gilberto Pessoa Torres Câmara (Gilberto Câmara) que o saudou.

1927 – fevereiro – 09 – Nomeado Reitor do Seminário Arquiepiscopal de Fortaleza o Padre Tobias Dequit, substituindo o Padre Guilherme Waessen.

1927 – fevereiro – 10 – Encontra-se em Fortaleza o pianista cearense João Souto Menor, radicado em Cachoeira do Sul, RS, que à noite realiza concerto de piano no Theatro José de Alencar. Para a ocasião compôs o tango “Estephania”, dedicado aos 12 anos do jornal “Correio do Ceará”.

1927 – fevereiro – 11 – Inaugura-se, na Rua Major Facundo nº 183 (antigo), na Praça do Ferreira, o Bar Rio Branco, para venda de bebidas, chocolate, café e frios.

1927 – fevereiro – 19 – Sai às ruas de Fortaleza, O Conchavo, jornal humorístico cheio de trocadilhos.

1927 – fevereiro – 24 – Publicado em Fortaleza o jornal O Párias, orientado por Moésia Rolim e Djacir de Lima Menezes (Djacir Menezes). Era quinzenário.

1927 – fevereiro – 24 – Realiza-se em Fortaleza eleições para senador e deputado federal, comparecendo às urnas 1.762 eleitores dos mais de seis mil inscritos.

1927 – fevereiro – 26 – Muda o comando na Capitania dos Portos do Ceará, quando assume interinamente o cargo o capitão-tenente Leonel de Magalhães Bastos, pela quinta vez, substituindo o capitão de corveta João Soares de Pina.

1927 – fevereiro – 27 – Primeiro dia de carnaval, é coroada, na Fênix Caixeiral, a Rainha dos Caixeiros, senhorita Ruth Albuquerque, sendo saudada pelo jornalista Demócrito Rocha em nome da imprensa.

1927 – fevereiro – 27 e 28 – O carnaval é festejado nos dois primeiros dias dedicados à folia de Momo.

1927 – março – 01 – Prosseguem os festejos momescos neste último dia de carnaval.

1927 – março – 01 – Pleno carnaval, instala-se em Fortaleza, a Sociedade Editora São Francisco das Chagas.

1927 – março – 03 – Instala-se, na Farmácia Pasteur, na Rua Major Facundo, na Praça do Ferreira, o Consultório de Lactentes, a cargo do médico pediatra Abdenago Rocha Lima.

1927 – março – 04 – Ocorre o primeiro sorteio da Loteria do Ceará, com a presença da imprensa, convidada pelos concessionários Frederico Pontes, Cândido Azevedo e José Tomé.

1927 – março – 06 – Fundado, em Fortaleza, às 13h, o Partido da Mocidade, na sede da Escola de Agronomia, na Praça Marquês do Herval, atual Praça José de Alencar. O Conselho diretor era formado por Eduardo Pessoa Câmara (Eduardo Câmara), Renato de Almeida Braga (Renato Braga), Moésia Rolim, Valdo Vasconcelos, Lauro Reis Vidal (Lauro Vidal), Sócrates Bonfim, Walter Pompeu, Plácido Aderaldo Castelo (Plácido Castelo), Djacir Menezes, Jáder Moreira de Carvalho (Jader de Carvalho), Clínio Porto Mendonça, Geógrafo Amora, Josias Santiago, Luís Sampaio, J. Batista Cavalcante, José Perales, Antônio Soares, Josa Luz, José Augusto Lopes, José Sales Lopes, João Monteiro, Desidério Costa, Pedro Jerônimo de Sousa (Pedro de Sousa), Constantino Camelo, Artur Castelo Benevides, Rodolfo Ribas, Orlando Marinho, Alfeu Faria de Aboim (Alfeu Aboim), Demócrito Rocha, João Ribeiro Ramos, Valdir Osório, Antônio Gouveia Filho, Luís de Castro e Silva e Oscar Leite.

1927 – março – 14 – Suspensas as obras do Viaduto Lucas Bicalho (Ponte dos Ingleses), que vinha sendo construído pela firma inglesa Norton Griffiths & Co., Ltda., que construiu apenas 255 metros de estacadas com 100 metros de estrado.

1927 – março – 15 – Assume, no Rio de Janeiro, a diretoria da Inspetoria Federal de Obras Contra as Secas – IFOCS (hoje Departamento Nacional de Obras Contra as Secas – DNOCS), o engenheiro José Palhano de Jesus, em substituição a José Aires de Sousa.

1927 – março – 21 – Pela primeira vez o departamento de Correios recebe uma mala postal via aérea, quando um avião da esquadrilha americana lança sobre a Praça de Pelotas (hoje Praça Clóvis Bevilaqua), a mala postal nº 77, procedente do Rio de Janeiro.

1927 – março – 23 – Ocorre um assalto na Avenida Alberto Nepomuceno na hora do almoço, na agência do Loide Brasileiro, sendo levada grande importância em dinheiro.

1927 – março – 27 – Assalto ocorre, na Casa Avenida de onde são furtados também dinheiro e jóias de um mostruário de Krause & Cia.

1927 – março – 27 – São inauguradas duas bombas de gasolina da Standard Oil Company Of Brazil, ficando uma na esquina da Rua Major Facundo com Rua Pará e outra na Praça Marquês do Herval (atual Praça José de Alencar).

1927 – março – 28 – Morre, no Rio de Janeiro, a educadora cearense Ana Lopes de Alcântara Bilhar (Ana Bilhar). Era cearense de Fortaleza e hoje é nome de rua no Meireles.

1927 – março – 28 – Incêndio na Mercearia João Henrique, na Rua Floriano Peixoto nº 241 (antigo).

1927 – março – 29 – Estréia do Circo Tatali, armado na Praça de Pelotas (atual Clóvis Bevilaqua), tendo como principais atrações, os palhaços Carrapicho e Bacalhau.

1927 – março – 31 – Inaugura-se, no Benfica, a Casa da Congregação da Missão, dos padres Lazaristas, sob a direção do padre Guilherme Vaessen.

1927 – abril – 01 – Toma posse na direção da Rede de Viação Cearense – RVC, o engenheiro Abraão de Oliveira Leite, substituindo o engenheiro Adelmar de Melo Franco.

1927 – abril – 06 – Iniciada em Fortaleza a arborização com fícus-benjamim em toda a Rua Major Facundo.

1927 – abril – 20 – Inaugura-se o novo prédio da Padaria Lisbonense, na Rua Pedro Borges nº 25 (antigo, atuais 151/157). A Padaria Lisbonense surgiu em 1916 na Rua Senador Pompeu e fechou definitivamente em 10/10/1983. No local da Lisbonense, na Rua Pedro Borges hoje fica o Shopping Lisbonense.

1927 – abril – 20 – Assume o comando da Capitania dos Portos do Ceará, o titular do cargo, capitão de corveta João Cândido Martins Filho, em substituição ao capitão-tenente Leonel de Magalhães Bastos, que vinha respondendo interinamente.

1927 – abril -20 – Assume o comando do 23º Batalhão de Caçadores – 23BC, o coronel Luís Sombra.

1927 – abril – 23 – A mercearia de primeira ordem A Brasileira, de Brasil de Matos & Cia., cujo principal sócio era Ernesto Brasil de Matos, é fundada, trazendo como novidade para o Ceará, um moinho elétrico de torrefação de café à vista do freguês, na Rua Floriano Peixoto, nº 17 (antigo, atual 535), próximo à Praça do Ferreira. Produzia o Café Baturité.

1927 – abril – 25 – São presos os jornalistas João Perboyre e Silva, Plácido Aderaldo Castelo (Plácido Castelo), Paulo Sarasate Ferreira Lopes e Otávio Facundo Bezerra, redatores do jornal A Farpa, em virtude de publicação de matéria considerada injuriosa pelo governo do Estado.

1927 – abril – 27 – Rezada missa na Igreja de Nossa Senhora do Rosário, às 6h30min, em sufrágio da alma da professora Ana Bilhar, falecida ha 30 dias na Capital Federal.

1927 – abril – 27 – Assume o cargo de Delegado de Polícia da Capital (equivale hoje a Secretário de Segurança Pública e Defesa da Cidadania) Vicente de Paula Pessoa, em substituição a Alfredo Weyne que se demitira.

1927 – maio – 01 – Passa a circular pela manhã, o jornal “O Nordeste”, que saía à tarde.

1927 – maio – 03 – Solene coroação da senhorita Suzana de Alencar Guimarães, como Rainha dos Estudantes, ocasião em que usaram da palavra Luís de Moraes Correia, Plácido Aderaldo Castelo (Plácido Castelo), João Perboyre e Silva e João Gabriel Perboyre Quinderé. As princesas foram Hortência de Alencar e Ester Corrêa. O concurso é uma promoção do jornal Correio do Ceará.

1927 – maio – 04 – Inaugura-se a Livraria Seleta, encampada pela Sociedade Editora São Francisco das Chagas, administrada por Ananias Frota, na Rua Major Facundo.

1927 – maio – 05 – Terminado o trabalho, pela Prefeitura Municipal de Fortaleza, de arborização da Rua Floriano Peixoto e Rua Major Facundo. Vai ser iniciada a arborização da Rua Barão do Rio Branco. Infelizmente hoje nada resta desse trabalho, todas as árvores foram cortadas, com raríssimas e honrosas exceções.

1927 – maio – 13 – Circula o primeiro número da revista Renascença, dirigida por Raimundo Gomes, Almino Loiola de Alencar e Cauby de Assis Bezerra (Cauby Bezerra).

1927 – maio – 13 – Inaugurado o restaurante Gruta Boa Vista, de propriedade de M. Jesuíno & Companhia, na Travessa Boa Vista nº 6 (Rua Floriano Peixoto).

1927 – maio – 13 – Sai o primeiro número da revista A Época, sob direção de Nilo Carleial, Carlos de Oliveira Ramos e Vinícius Ribeiro. A redação ficava na Rua Barão do Rio Branco nº 237 (antigo).

1927 – maio – 14 – Após grande reforma, reabre a Farmácia Pasteur, agora denominada Farmácia e Drogaria Pasteur, passando a ter duas entradas, pela rua Major Facundo, em frente à Praça do Ferreira e pela Rua Barão do Rio Branco.

1927 – maio – 15 – Inicia-se, às 8h, o tráfego de veículo suburbano, de Fortaleza a Cajazeiras, pela Auto Viação Suburbana, partindo do final do chamado calçamento de Messejana, hoje Avenida Visconde do Rio Branco. Eram dois carros com os passageiros, puxados por um trator Simplex. Depois passou a fazer a linha até Messejana e por fim até o Euzébio.

1927 – maio – 15 – Estréia, armado na Praça do Colégio Militar (atual Praça da Bandeira), o Circo Moraes Vantonats, com várias atrações.

1927 – maio – 18 – Encontra-se em Fortaleza o pintor pernambucano Baltazar da Câmara, que fará exposição de suas pinturas no Clube dos Diários, juntamente com o pintor cearense Vicente Rosal Ferreira Leite (Vicente Leite).

1927 – maio – 19 – Inaugura-se em Soure (Caucaia), um campo de futebol, com o jogo entre as equipes do Sport Club Maguari, de Fortaleza e o Caucaia, de Soure, saindo este vencedor por 1×0.

1927 – maio – 19 – Inaugurada a Estação Telefônica de Parangaba.

1927 – maio – 22 – Fundada a Aliança dos Carpinteiros, que tem à frente João Araújo Lima.

1927 – maio – O cometa Grigg Sksellerup, 12 magnitude é visto durante os meses de maio e junho em Fortaleza na constelação de Orion.

1927 – junho – 01 – O jornalista Demócrito Rocha, redator do jornal “O Ceará”, às 17h, é agredido por um grupo de 12 oficiais da Polícia Militar, na Rua Major Facundo, altura do nº 377, entre a Rua São Paulo e Rua Guilherme Rocha.

1927 – junho – 01 – A Comissão de Febre Amarela muda-se, do prédio da Rua Pedro I, para a Rua São Bernardo nº 105 (hoje Rua Pedro Pereira).

1927 – junho – 01 – O Consulado Português no Ceará, localizado em Fortaleza na Rua Barão do Rio Branco nº 21, altos, comunica a posse do Sr. Francisco José da Ponte e Horta como Encarregado dos negócios daquele País em nosso Estado.

1927 – junho – 05 – A Associação Desportiva Cearense – ADC, inaugura no Benfica (Prado), o seu novo “stadium”, Sport Cearense, que ficou conhecido por Campo do Prado, já existente ali desde 1912, no local onde hoje está o Centro Federal de Educação Tecnológica do Ceará – Cefet-Ce, ex-Escola Técnica Federal do Ceará – ETFC, que já foi Escola Industrial e antes foi Escola Aprendizes Artífices. A inauguração deu-se à tarde, com um torneio entre as equipes dos times Ceará Sporting Clube, Sport Club Maguari, Guarani, Fortaleza Esporte Clube, Nacional, Brasil, América Futebol Clube e Fluminense.

1927 – junho – 07 – O jornal O Nordeste, que deixara de ser vespertino, passando a matutino, passa a circular duas vezes ao dia, pela manhã e à tarde.

1927 – junho – 14 – Passa no porto de Fortaleza (Ponte Metálica), a bordo do navio “Pedro I”, o general Cândido Mariano da Silva Rondon (Cândido Rondon), com destino ao Norte do País.

1927 – junho – 20 – Instala-se, a Academia de Comércio do Ceará, em prédio na esquina da Rua 24 de Maio com Rua São Paulo.

1927 – julho – 05 – A Prefeitura Municipal de Fortaleza – PMF inicia a plantação de árvores em redor do Parque da Independência (depois Parque da Liberdade).

1927 – julho – 08 – O prefeito municipal sanciona a Lei nº 232 que manda fazer o prolongamento da Avenida Demóstenes Rockert até a Barra do Ceará.

1927 – julho – 10 – Sai o primeiro número do jornal Gazeta de Notícias, fundado por Antônio Luís de Drumond Miranda (Antônio Drummond), Clóvis Eduardo de Alencar Matos (Clóvis Matos), Mílton Firmeza, Théo Cabral e Gastão Gonçalves da Justa (Gastão Justa). Em 11/06/1930 Drumond foi assassinado e assumiu a direção Kerginaldo Cavalcante de Albuquerque. Em 1958 o controle acionário passou para o Grupo J. Macedo, tendo à frente Darcy Costa e Durval Ayres. Em 13/08/1972 saiu seu último número como diário. Depois seria semanário, fase na qual fomos colaboradores, numa nova administração do Grupo Macedo e Empresa O Povo. Depois foi suplemento de O Povo e por fim fechou.

1927 – julho – 17 – Inaugurado o Palace Hotel, de Efrem Gondim – o mesmo proprietário do Rotisserie Sportman – na Rua Major Facundo nº 2/24, esquina com Rua João Moreira nº 207, em frente ao Passeio Público. A reforma iniciada em 1925 que acrescentou mais um pavimento ao prédio do antigo Hotel de France ficou pronta no dia 14. O prédio pertencia à Imobiliária José Gentil que o alugou ao comerciante Efrem Gondim. Hoje pertence à Associação Comercial.

1927 – julho – 25 – Amanhece morto, assassinado, próximo à estação ferroviária de Otávio Bonfim, o vulto popular conhecido por João Grosso.

1927 – agosto – 07 – Acontece uma prova de natação, da Ponta do Mucuripe à Praia de Iracema, sendo vencida pelo desportista José Pinto (também campeão de box). Em segundo lugar chegou José Brady.

1927 – agosto – 10 – Instalada, pela Confederação dos Pescadores do Ceará, a Escola Primária Saldanha da Gama, dirigida pela professora Alzira Pio de Farias, destinada aos filhos de pescadores.

1927 – agosto – 13 – Morre, aos 73 anos de idade, na cidade do Rio de Janeiro, vítima de broncopneumonia, o escritor historiador João Capistrano Honório de Abreu (Capistrano de Abreu), cearense nascido no Sítio Columinjuba, Maranguape, em 23/10/1853. Hoje é nome de praça em Fortaleza, a antiga Praça da Lagoinha e Praça Comendador Teodorico.

1927 – agosto – 19 – Acontece um leilão de liquidação da Casa São José, de H. R. Oliveira, na Praça do Ferreira, tendo à frente o leiloeiro Ciríaco Rocha. Foram vendidos o estoque e as instalações.

1927 – agosto – 21 – Inaugurada na Praia de Iracema a Estação Rádio-Telegráfica “Ceará”, da Repartição Geral dos Telégrafos – RGT, sob a direção de Augusto Mena Barreto. Ainda existe a casa onde funcionava o escritório.

1927 – agosto – 22 – A agência de revistas e jornais Casa dos Milhões é vendida para José Edésio de Albuquerque. Ficava na Rua Floriano Peixoto nº 170.

1927 – agosto – 26 – Assume o comando do Regimento Policial do Ceará, o major Tomaz Maciel Pinheiro, pertencente àquela corporação.

1927 – agosto – 28 – Reinaugurado o Campo do Alagadiço, de futebol. Ficava por trás da atual Igreja de São Gerardo.

1927 – agosto – Surge, neste mês, em Fortaleza, a Casa Ary, com tecidos por atacado, na Rua Major Facundo nº 394, da firma Irmãos Ary, formada por José Salim Ary e Nadra Salim Ary.

1927 – setembro – 07 – Circula, em Fortaleza, o jornal Novidades, editado pela Empresa Cearense de Anúncios, tendo como redator-chefe Raimundo de Menezes e diretor técnico Murilo Sá.

1927 – setembro – 12 – A mercearia de 1ª ordem, Casa Joana D’Arc, muda-se para a Rua Barão do Rio Branco nº 236 (antigo). Depois iria para a Rua Floriano Peixoto nº 483.

1927 – setembro – 14 – Manuel Rodrigues dos Santos toma posse na presidência da associação Deus e Mar.

1927 – setembro – 25 – Inaugura-se, às 9h, a Padaria Rio Branco, da firma Franklin Holanda & Companhia, de Luís de Holanda e José de Holanda, na Rua Barão do Rio Branco nº 194 (antigo, depois 236).

1927 – outubro – 08 – Publicado o primeiro número do jornal O Ceará… Por Dentro, dirigido por J. Ibiapaba e redatoriado por Abo Ruim. É uma sátira ao jornal O Ceará, dirigido por J. Ipiapina e redatoriado por Alfeu Faria de Aboim (Alfeu Aboim).

1927 – outubro – 15 – O Centro de Cultura Intelectual surge com o nome de Academia de Ciências e Letras, mas logo muda, instalando-se. Seu primeiro presidente foi Clóvis do Rego Monteiro (Clóvis Monteiro).

1927 – outubro – 16 – Aparece em Fortaleza o jornal O Figurino, que tem como redatores Elias Malmann e Walter Pompeu de Sousa Magalhães.

1927 – outubro – 21 – Morre, em Fortaleza, Isidor Brown, antigo proprietário do Hotel de France, na Rua João Moreira nº 207, sendo sepultado no dia seguinte.

1927 – outubro – 22 – Publicado em Fortaleza o jornal Notícias da Gazeta, dirigido por R. N. Menezes e gerenciado por A. Cunha.

1927 – outubro – A firma Álvaro Weyne transforma-se em Álvaro Weyne & Companhia, de representações e conta própria, agentes das máquinas Piratininga Ltda., de São Paulo, de beneficiar e prensar algodão, funcionando na Rua Floriano Peixoto nº 143, firma formada por Álvaro Nunes Weyne (Álvaro Weyne) e Júlio Rodrigues.

1927 – novembro – 11 – Inaugurado o Cine União, na Rua Barão do Rio Branco, no prédio do Instituto Epitácio Pessoa (hoje nº 1826), da União dos Moços Católicos, com o filme “Mistério das 13 chaves”, da Pathé.

1927 – novembro – 11 – Também é inaugurado o Cine Grêmio Dramático Familiar, na Avenida Visconde do Rio Branco, com o filme “Fama e fortuna”, da Fox.

1927 – novembro – 17 – Destruída por um incêndio a Farmácia Globo, na Rua Major Facundo nº 129 (antigo), esquina com Rua São Paulo.

1927 – novembro – 27 – Inaugurado o prédio da Secretaria da Fazenda, na Rua da Praia (hoje Avenida Alberto Nepomuceno), Rua Gerson Gradwohl, Travessa Maranguape e Rua Adolfo Caminha, às 16h, na administração do desembargador José Moreira da Rocha. O prédio foi benzido pelo monsenhor Antônio Tabosa Braga (Monsenhor Tabosa). O projeto é do arquiteto José Gonçalves da Justa. A pedra fundamental fora lançada em 08/07/1924.

1927 – novembro – 27 – Inaugurada a Gruta de Nossa Senhora de Lourdes, no lado direito da Igreja de Nossa Senhora dos Remédios, no Boulevard Visconde de Cauípe (atual Avenida da Universidade), no Benfica.

1927 – novembro – 29 – Fundada a União e Progresso, sociedade beneficente dos empregados da Ceará Light & Power Co.

1927 – dezembro – 01 – Criado em Fortaleza mais um time de futebol, o Atlântico Clube.

1927 – dezembro – 06 – Reinstala-se, em Fortaleza, a Casa Vênus, da firma César Kayatt & Irmão, dos irmãos César Kayatt e Carlos Kayatt, na Rua Floriano Peixoto nº 276.

1927 – dezembro – 09 – Pela primeira vez, um avião pousa em Fortaleza, o 118 da Latecoere, Compagnie Générale Aero-Postale, pilotado por Paulo Vachet e que desceu na Praia de Iracema. A viagem era de estudos para estabelecimento de uma linha postal entre Buenos Ayres e Belém do Pará. Prosseguiu viagem no dia seguinte. O avião era um aparelho com motor de 300 HP, três lugares e velocidade média de 150 km/h.

1927 – dezembro – 13 – Morre a Madre Maria Tomásia, Superiora do Asilo de Alienados de Fortaleza desde 1900.

1927 – dezembro – 16 – Lançado o Almanaque do Estado do Ceará para 1928, dirigido por Sófocles Torres Câmara (Sófocles Câmara).

1927 – dezembro – 24 – Circula em Fortaleza, a revista Atualidade, que tinha como redator-chefe Max Monteiro, diretor, Jaime Silva e redatores, Humberto Costa e Haley Castelo Branco.

1927 – dezembro – 25 – Inaugurado o prédio de nº 155, na Rua Major Facundo, depois nº 407, onde passa a funcionar a Sociedade Editora São Francisco das Chagas, que mantinha o jornal “O Nordeste” e a Livraria Seleta. A bênção foi oficiada pelo arcebispo Dom Manuel da Silva Gomes, que discursou, seguido pelo médico João Amadeu Furtado.

1927 – dezembro – 27 – Entregue ao povo, pela Municipalidade, o trecho da Rua Pedro Borges entre a Rua Governador Sampaio e a Rua Sena Madureira, chamado de Beco dos Pocinhos, com grande bueiro, muros e paralelepípedo na rua. Na verdade é a Rua do Pocinho.

1927 – Neste ano a Tipografia Minerva, de Francisco de Assis Bezerra de Menezes, muda-se da Rua Major Facundo para prédio próprio na Rua Barão do Rio Branco nº 788.

1927 – Surge neste ano a Fundição Americana, de Francisco Soares da Costa, na Avenida Benfica (hoje da Univerdsidade), nº 2262.

1927 – Inauguração do Centro Espírita Fé, Esperança e Caridade, no bairro do Pirambu.

1927 – Neste ano surge em Fortaleza o Partido Comunista do Brasil – PCB, seção do Ceará.

1927 – Choveu em Fortaleza durante o ano, 1.275,7 milímetros.

1927 – Fortaleza tinha uma população de 117.995 habitantes.

 

1928

1928 – janeiro – 01 – Toma posse a nova diretoria da Associação Cearense de Imprensa – ACI, tendo na presidência o jornalista Gilberto Pessoa Torres Câmara (Gilberto Câmara).

1928 – janeiro – 01 – Abre-se, na Rua Major Facundo nº 242 (antigo), a Casa Pio, propriedade de Pio Rodrigues.

1928 – janeiro – 02 – Toma posse, no comando da Escola de Aprendizes Marinheiros do Ceará o capitão-tenente, Luís Carneiro da Rocha em substituição ao também capitão-tenente Pedro Bittencourt.

1928 – janeiro – 03 – Inaugura-se, em Fortaleza, na Rua da Praia (atual Avenida Alberto Nepomuceno), em frente à Secretaria da Fazenda, o Café Gato Preto.

1928 – janeiro – 04 – Morre, na cidade do Rio de Janeiro, o cearense Luís Carlos da Silva Peixoto, alto funcionário aposentado do Tesouro Nacional e ex-deputado provincial do Ceará no biênio 1880-1881.

1928 – janeiro – 07 – Sai às ruas o primeiro número do jornal O Povo, de Demócrito Rocha, que tinha sede na Rua General Bezerril nº 158, na Praça General Tibúrcio. No dia nove de junho do mesmo ano mudou-se para a Rua Barão do Rio Branco nº 239; em 13/09/1930 passa para a Rua Major Facundo nº 252; em 11/08/1941 vai para a Rua Senador Pompeu nº 1082 e em 22/09/1973 muda-se para a Avenida Aguanambi nº 40 (hoje 282), inaugurando a nova sede em 1974.

1928 – janeiro – 14 – Inaugurada, na Rua Antônio Pompeu nº 486, a Padaria Ceará, da firma Monteiro & Borges, de Ildefonso Monteiro Filho.

1928 – janeiro – 18 – Inaugura-se, em Fortaleza, a loja A Columbia, na Rua São Paulo nº 53-B, entre a Casa Petrópolis e o Banco do Brasil, da firma Fernandes & Cia Ltda., da qual faziam parte Fernandes Júnior e Antônio Muratori, especializada na venda de vitrolas, discos, material fotográfico e rádios.

1928 – janeiro – 20 – Fundado o Centro dos Retalhistas, idéia surgida nas mentes de Almir Rodrigues, Valdemiro Saraiva da Silva, Joaquim Costa Josino e José Martins de Castro. Sua primeira diretoria era assim formada: Presidente – Joaquim da Costa Josino; secretário – Alfredo de Sousa; tesoureiro – Alfredo Aguiar; Diretoria – Almir Rodrigues, Valdemiro Saraiva da Silva, Luís Francisco de Oliveira, José Martins, Oscar Bráulio e Garcia e Idelfonso Bezerra Monteiro.

1928 – janeiro – 21 – Assume, o cargo de comandante da Escola de Aprendizes Marinheiros do Ceará, o capitão-tenente Luís Carneiro Rocha Soares Dias, substituindo Pedro Augusto Bittencourt, do mesmo posto.

1928 – janeiro – 24 – Inaugura-se a nova Ponte Metálica, agora denominada Viaduto Desembargador Moreira da Rocha, homenagem ao governador do Estado, que a inaugurou. O monsenhor Antônio Tabosa Braga (Monsenhor Tabosa) deu a bênção. Usou da palavra, o engenheiro construtor da obra, Francisco Sabóia. A antiga ponte era de ferro com lastro de madeira, daí o nome de Ponte Metálica. Esta inaugurada, é de concreto armado.

1928 – janeiro – 25 – Circula o primeiro número do jornal A Esquerda, do poeta, jornalista e político Jáder Moreira de Carvalho (Jáder de Carvalho), como redator-secretário Torres de Melo e como gerente F. Carvalho de Holanda.

1928 – janeiro – 30 – Nomeado para chefiar a delegação do Tribunal de Contas do Estado, o advogado Álvaro Bomílcar da Cunha.

1928 – janeiro – Surge em Fortaleza a firma de panificação e massas alimentícias de Ângelo Ratacazo, na Rua General Bezerril nº 552.

1928 – janeiro – Termina o Campeonato Cearense de Futebol de 1927, que tem como Campeão o Fortaleza Esporte Clube, que vencera no ano anterior, sagrando-se assim, Bi-Campeão.

1928 – fevereiro – 02 – Após reforma, às 7h, é reinaugurada a Igreja São Bernardo, na Rua Senador Pompeu, esquina com Rua São Bernardo (Rua Pedro Pereira).

1928 – fevereiro – 07 – Surge a Loja Maçônica Fortaleza nº 3, em sessão realizada na Faculdade de Farmácia e Odontologia do Ceará, na Rua Barão do Rio Branco nº 309 (atual nº 1321), tendo como venerável Teodoro Cabral. Depois ela passou a funcionar na Avenida do Imperador nº 125.

1928 – fevereiro – 14 – Inaugurada, em Fortaleza, na Rua Senador Pompeu nº 4 (antigo), a Padaria Princesa do Norte, de Argemiro Carvalho e Francisco Carvalho.

1928 – fevereiro – 17 – Morre o capitalista Raimundo Frota, sócio da firma Frota & Gentil, grande protetor das associações pias e instituições de caridade. Hoje é nome de rua na Barra do Ceará.

1928 – fevereiro – 19 a 21 – São dedicados aos festejos carnavalescos.

1928 – fevereiro – 20 – Grande incêndio em pleno carnaval destrói completamente três casas comerciais na Rua Floriano Peixoto, na Praça do Ferreira, as lojas A Capital, de Braga & Irmão, Estiva & Miudezas, de J. Leopoldino da Silva e Casa Germânia, de José Cabral Ribeiro.

1928 – fevereiro – 24 – Reinaugurado o prédio do Fórum, reformado pelo prefeito Godofredo Maciel.

1928 – fevereiro – 25 – Surge, em Fortaleza, a revista Iracema, de orientação literária.

1928 – fevereiro – 26 – Reinaugurada a casa comercial Auto Volante, de propriedade de Carlos Garcia Juaçaba (Carlos Juaçaba) e Antônio Barbosa, agora na Rua Pará nº 15, esquina com Rua Major Facundo nº 167 (antigos).

1928 – março – 04 – Funda-se a Escola de Música Carlos Gomes, iniciativa dos maestros Edgar Nunes Freire, e Luigi Maria Smido, na Rua Senador Pompeu nº 202 (antigo, atual 954) Gilberto Câmara fez o discurso inaugural.

1928 – março – 15 – Encontrado assassinado, o porteiro da Pensão Randal, Américo Martins.

1928 – março – 19 – Às 19h30min surge a Grande Loja Simbólica Escocesa Soberana para o Ceará, que teve como 1º Grão Mestre, Álvaro Nunes Weyne (Álvaro Weyne), em prédio na Rua Major Facundo nº 25 (antigo). Posteriormente passou a chamar-se Grande Loja Maçônica do Estado do Ceará.

1928 – março – 21 – O coronel Domingos Braga Filho (coronel Mingueira), de Itapipoca, é assassinado na Praça do Ferreira, por Prismilau de Sousa Teixeira, a punhaladas.

1928 – março – 25 – Inaugura-se a Avenida Demóstenes Rockert, ocasião em que discursa o acadêmico Moésia Rolim. Hoje é a Avenida Francisco Sá.

1928 – abril – 07 – Morre Antônio Virgulino de Sousa, proprietário da Pensão Internacional.

1928 – abril – 09 – Fundado em Fortaleza o Clube dos Caçadores, com a diretoria: presidente, coronel Eduardo de Castro Bezerra (Eduardo Bezerra); vice-presidente, Damião Fernandes; secretário, Aldo Prado e tesoureiro, tenente Irapuan Freitas.

1928 – abril – 10 – Realizam-se eleições municipais em Fortaleza.

1928 – abril – 11 – Inaugura-se e Escola Modelo, na administração do presidente de Estado, desembargador José Moreira da Rocha.

1928 – abril – 21 – Às 15h30min, no salão nobre do Clube dos Diários, realiza-se a coroação da Rainha dos Estudantes Cearenses, senhorita Maria Helena Martins, que recebe o cetro e coroa da rainha anterior, senhorita Suzana de Alencar Guimarães. Eleita em concurso promovido pelo jornal A Esquerda, era aluna do Liceu do Ceará e filha do Capitão dos Portos, João Cândido Martins Filho e d. Suzana Martins.

1928 – abril – 21 – A terra treme em Fortaleza, às 21h53min, sendo sentido nos bairros do Outeiro (Aldeota), Alagadiço (São Gerardo) e Porangaba (Parangaba), durante dez segundos.

1928 – abril – 22 – Inaugurado o jardim e bosque construídos pela Prefeitura Municipal de Fortaleza, na esplanada do Quartel do 23º Batalhão de Caçadores – 23BC, atualmente ocupado pela 10ª Região Militar, na Avenida Alberto Nepomuceno.

1928 – abril – 29 – Posse de Bernardo Café Filho na administração dos Correios do Estado.

1928 – abril – 30 – Inaugurada a Casa de Saúde São Lucas, sob a direção do médico pediatra Abdenago da Rocha Lima, na Avenida Tristão Gonçalves, ao lado da Praça da Lagoinha (atual Praça Capistrano de Abreu).

1928 – abril – Reabre-se em Fortaleza a ourivesaria, relojoaria e ótica O Cancão, de Raimundo de Melo Falcão, na Rua Guilherme Rocha nº 96 (antigo, atual 200).

1928 – maio – 01 – Morre, aos 73 anos de idade, o professor, jornalista e abolicionista, João Lopes Ferreira Filho, membro da Cearense Libertadora, que foi deputado no Império e na República, cearense de Cascavel, nascido a 10/08/1854, um dos fundadores do Clube Literário. Existe hoje na Aldeota uma rua em sua homenagem, a Rua Deputado João Lopes.

1928 – maio – 01 – Fundada a Associação das Filhas de Maria do Patronato Nossa Senhora Auxiliadora, pela Irmã Margarida Breves.

1928 – maio – 07 – Deixa o comando do 23º Batalhão de Caçadores – 23BC, o coronel Luís Sombra, sendo substituído interinamente pelo capitão Alves Távora, aguardando a chegada do tenente-coronel Guilherme Ribeiro da Cruz.

1928 – maio – 12 – Realizam-se eleições para escolha do Presidente do Estado para o período 1928-1932, sendo eleito José Carlos de Matos Peixoto.

1928 – maio – 17 – Às 8h30min foi lançada a pedra fundamental da Igreja do Cristo Rei, na Praça Benjamin Constant (hoje Praça da Bandeira), inaugurada em 29/05/1930. Na ocasião foi celebrada uma missa campal pelo padre Paulino Vieulledent, superior da Companhia de Jesus. Foi a primeira igreja católica sem cruz no topo, em Fortaleza.

1928 – maio – 18 – Assumem o cargo de Chefe de Polícia do Estado, interinamente, o advogado Mozart Catunda Gondim e de Delegado de Polícia, Estêvão Mosca de Carvalho. A Chefia de Polícia equivale a hoje Secretaria de Segurança.

1928 – maio – 19 – Viaja ao Recife o presidente do Estado, desembargador José Moreira da Rocha, assumindo interinamente o cargo seu substituto legal, Eduardo Henrique Girão (Eduardo Girão), presidente da Assembleia Legislativa.

1928 – maio – 21 – Assume o comando da Guarda Cívica, o tenente Luís David de Sousa, substituindo o capitão Raimundo Espinheiro.

1928 – maio – 25 – Eleita Rainha dos Funcionários Públicos em Fortaleza, Luzia Neri Camelo, funcionária do Telégrafo Nacional, ficando como princesas Helena Monteiro Osório, da Inspetoria Federal de Obras Contra as Secas – IFOCS e Alzira Pinto, da Secretaria da Fazenda, em concurso promovido pelo jornal “Gazeta de Notícias”.

1928 – maio – 26 – O presidente do Estado, desembargador José Moreira da Rocha envia telegrama do Recife, ao advogado Eduardo Henrique Girão (Eduardo Girão), seu substituto, renunciando à Presidência do Estado.

1928 – junho – 01 – Inaugura-se a Fábrica São José, da firma Gomes & Cia., composta por Padro Philomeno Ferreira Gomes (Pedro Filomeno) e seu irmão Francisco Otávio Philomeno Ferreira Gomes, no Jacarecanga

1928 – junho – 06 – Toma posse, no cargo de Inspetor de Veículos de Fortaleza, o tenente Porfírio de Lima Filho.

1928 – junho – 11 – Toma posse, no comando do 23º Batalhão de Caçadores – 23BC, o tenente-coronel Guilherme Ribeiro da Cruz, recebendo o cargo das mão do capitão Alves Távora, que respondia interinamente.

1928 – junho – 12 – Fundada a Empresa São Paulo, de transportes (ônibus), de Anastácio Mendes Braga (Tácio Braga), fazendo a linha Fortaleza-Maranguape.

1928 junho – 12 – Reveste-se de brilhantismo a cerimônia de posse do novo prefeito de Fortaleza, Álvaro Nunes Weyne (Álvaro Weyne). Godofredo Maciel, entrega o cargo a seu sucessor pronunciando discurso onde faz ligeiro repasso de sua atuação à frente dos negócios relativos à prefeitura e saúda o novo chefe do município. Falam ainda o Euclydes Aires, presidente da Câmara e o presidente da ACI, Gilberto Câmara.

1928 – junho 13 – Assaltada e roubada, em Fortaleza, a Padaria Lusitânia, no bairro do Arraial Moura Brasil.

1928 – junho – 22 – Reinaugura-se a Fábrica Italiana Eletro Mecânica, de massas alimentícias, em Fortaleza.

1928 – junho – 25 – Lei municipal nº 208 proíbe a venda a litro dos artigos sólidos como feijão, arroz, farinha, sal, goma, milho, etc. A lei entra em vigor no dia 01/01/1929. Nunca foi cumprida, ainda hoje se compra feijão verde, murici, etc, em latas de um litro.

1928 – junho – 27 – Dado ao jardim recém inaugurado em frente ao quartel do 23º Batalhão de Caçadores – 23BC, na Avenida Alberto Nepomuceno, o nome de Jardim General Tomás Cordeiro. É onde hoje fica a 10ªRegião Militar.

1928 – julho – 04 – Morre, em Fortaleza, Francisco Salgado, agente da companhia de seguros “A Equitativa”. Hoje é patrono de rua no bairro Álvaro Weyne.

1928 – julho – 06 – Falecimento, aos 82 anos, do capitão Antônio Leite Barbosa, veterano da Guerra do Paraguai.

1928 – julho – 12 – Toma posse, no Governo Estadual, José Carlos de Matos Peixoto, eleito no último pleito, recebendo o cargo das mãos de Eduardo Henrique Girão (Eduardo Girão). Seria o último Presidente do Estado. Depois viriam os governadores. À noite houve um baile de gala comemorativo da ocasião oferecido pelo Clube Iracema, que funcionava nos altos do Palacete Ceará. O presidente recém empossado chegou às 23h sendo recebido pela porta da Rua Guilherme Rocha pela Banda de Música do Regimento Policial (hoje Polícia Militar).

1928 – julho – 14 – Publicado em Fortaleza, o jornal Germinal, órgão da Sociedade Literária Visconde de Taunay, do Colégio Militar. Era dirigido por Jé Góis de Campos Barros e redatoriado por Nogueira Paes, Oscar Pereira e Anderson Mascarenhas.

1928 – julho – 23 – Toma posse no comando do Regimento Policial do Ceará, o capitão do Exército Brasileiro, Edgar Facó.

1928 – julho – 23 – Criada, pela Lei nº 2.576, a Secretaria de Polícia e Segurança Pública que viria substituir a antiga Chefatura de Polícia e é criada a 2ª Delegacia em Fortaleza. Hoje é Secretaria de Segurança Pública e Defesa Social.

1928 – julho – 25 – Morre, aos 66 anos de idade, Raimundo Francisco Ribeiro (Raimundo Ribeiro), antigo magistrado e lente da Faculdade de Direito. É hoje nome de rua no Autran Nunes. Nascera em Baturité no dia 24/05/1861. Pai do urbanista José Otacílio Sabóia Ribeiro.

1928 – julho – 31 – Inaugurada, em Fortaleza, a Farmácia Modelo, na Rua Floriano Peixoto nº 146, de propriedade de Vieira Sá & Cia.

1928 – julho – Iniciam-se em Fortaleza a exibição de filmes à tarde, com o nome de seção matiné – apesar do horário – no Cine Moderno, da Empresa Luiz Severiano Ribeiro.

1928 – julho – Lançada pela fábrica de cigarros Beleza & Garcez, Fábrica Iracema, a marca Cigarros Dr. Matos Peixoto, presidente do Estado.

1928 – julho – Sai o primeiro número de A Tela, “revista de arte, literatura e mundanismo”, publicada pela Tipografia Urânia, com redação e oficinas na Rua Barão do Rio Branco nº 237.

1928 – agosto – 01 – Ficam prontas as instalações da Colônia Leprosário de Canafístula, em Canafístula, hoje Antônio Diogo, distrito de Redenção.

1928 – agosto – 05 – Chega a Fortaleza a Caravana Democrática liderada por Assis Brasil para o lançamento da candidatura de Maurício Paiva de Lacerda (Maurício de Lacerda), composta por Assis Brasil, Maurício Paiva de Lacerda (Maurício de Lacerda), Nereu Ramos, David Doff Lessa, Dante Delmonte, Roberto Macedo e Ildefonso Simões Lopes Filho.

1928 – agosto – 07 – A Prefeitura Municipal de Fortaleza, que funcionava em prédio na Rua Barão do Rio Branco nº 1594, na Praça do Carmo, onde hoje está o Instituto do Ceará (Histórico, Geográfico e Antropológico), muda-se para prédio na Praça da Sé.

1928 – agosto – 07 – Destruída por um incêndio, em Fortaleza, a Farmácia Pereira, da firma Pereira & Irmão, na Rua Floriano Peixoto nº 159 (antigo).

1928 – agosto – 09 – Inaugura-se a Colônia Leprosário de Canafístula – hoje Antônio Diogo, com verba doada pelo industrial Antônio Diogo Vital de Siqueira – sendo seu primeiro diretor o médico Antônio Alfredo da Justa (Antônio Justa). O primeiro vigário foi monsenhor Antônio Tabosa Braga (Monsenhor Tabosa). A primeira Superiora da instituição só chegou no dia 1º de setembro. Canafístula, pertencente à Redenção, hoje se chama Antônio Diogo e a Colônia hoje se chama Leprosário Antônio Diogo.

1928 – agosto – 11 – Assume o comando da Escola de Aprendizes Marinheiros do Ceará, o capitão-tenente Aníbal do Prado Carvalho, substituindo Luís Carneiro da Rocha Soares Dias, do mesmo posto.

1928 – agosto – 12 – A firma Ribeiro, Pedreira & Companhia inaugura a linha de ônibus Fortaleza-Maranguape.

1928 – agosto – 15 – Reinaugurada, com missa celebrada pelo padre capelão José Barbosa Magalhães, após reforma, a Capela de São Francisco de Paula, na Avenida Bezerra de Menezes nº2590, na Vila Góes. Fora construída em 1865. A reforma e ampliação foi procedida por Braz de Francesco Ângelo.

1928 – agosto – 16 – Assume o comando da Escola de Aprendizes Marinheiros do Ceará, o capitão-tenente Aníbal do Prado Carvalho.

1928 – agosto – 22 – A loja Rosa dos Alpes, de João Carvalho, muda-se da Rua Floriano Peixoto nº 165 com fundos para a Rua General Bezerril nº 166, para a esquina da Rua Floriano Peixoto nº 155 (antigo), atual nº 543, com Travessa Municipal nº 32 (Guilherme Rocha nº 60), na Praça do Ferreira. Local onde depois estiveram o Café Globo, os Armazéns Paissandu, a Aplub e hoje está no térreo a Contágio Confecções e nos altos o Restaurante Le Scale.

1928 – agosto – 26 – Encerra-se o Campeonato Cearense de Futebol, com a partida entre Fortaleza Esporte Clube e Esporte Clube Maguari, no Campo do Alagadiço, com a vitória de 2×0 para o Fortaleza Esporte Clube que se sagra Tri-Campeão.

1928 – agosto – 26 – Fundado, em Fortaleza, mais um clube de futebol, o José de Alencar Foot-ball Club.

1928 – agosto – 26 – Passa por Fortaleza a jangada que faz o raide Aracati-Belém, patrocinada pela Sociedade de Estivadores da Borracha no Pará. Os pilotos da jangada são os pescadores Bernardino Fernando do Nascimento e José Isidóro dos Santos.

1928 – agosto – 27 – A Secretaria de Polícia e Segurança Pública – SPSP inicia sua mudança, para o prédio da Rua Barão do Rio Branco nº 1594, na Praça do Carmo, onde esteve a Prefeitura Municipal de Fortaleza. Hoje o prédio é ocupado pelo Instituto do Ceará (Histórico, Geográfico e Antropológico).

1928 – agosto – 30 – Morre, em uma rua de Fortaleza, aos 46 anos de idade, Floriano Serra, proprietário da Farmácia Flora.

1928 – agosto – Abre-se, em Fortaleza, a Marmoraria Maia, de Sebastião Tavares da Silva, na Rua Barão do Rio Branco nº 1169.

1928 – setembro – 01 – Morre, em Fortaleza, Odele de Paula Pessoa, que participou das passeatas na campanha pró-candidatura de Franco Rabelo em 1912.

1928 – setembro – 05 – Funda-se, em Fortaleza, o Grupo Espírita Auxiliar dos Pobres, na residência de Antônio Alves Linhares, no bairro da Estação, contando no início vultos como Euclydes Vasconcelos César (Euclides César), José Borges dos Santos, Secundino Ferreira Passos, Manuel Coelho da Silva, José Bezerra Filho e Manuel Coelho Freire. A primeira diretoria assumiria no ano seguinte.

1928 – setembro – 06 – A The Ceará Light & Power Cº Ltd., anuncia que colocará seus ônibus em circulação, como concorrentes de outras empresas.

1928 – setembro – 07 – Funda-se a União Marítima Beneficente que tem à frente João Pio de Farias.

1928 – setembro – 09 – Inaugura-se o campo de futebol do José de Alencar Futebol Clube, no Arraial Moura Brasil, com a partida entre o clube proprietário e o Flamengo, vencendo o segundo por 2×1.

1928 – setembro – 12 – Morre, em Fortaleza, aos 73 anos de idade, o coronel Aprígio Quixadá, almoxarife da Prefeitura Municipal de Fortaleza.

1928 – setembro – 16 – Inugura-se, em Fortaleza, na Avenida Demosthenes Rockert (atual Avenida Francisco Sá), no bairro do Urubu a Fábrica de Fiação e Tecidos Baturité, da firma José Pinto do Carmo & Filho, Ltda., de José Pinto do Carmo e seu filho Osiel Pinto do Carmo.

1928 – setembro – 18 – Chega em Fortaleza o maestro Antônio Francisco Braga, professor do Instituto Nacional de Música do Rio de Janeiro, que fará apresentações no Teatro José de Alencar.

1928 – setembro – 21 – Criada a Guarda Cívica de Fortaleza, destinada exclusivamente ao policiamento urbano.

1928 – setembro – 21 – Morre, em Maranguape, aos 63 anos de idade, José de Moura Cavalcante, o Silvino Batalha da Padaria Espiritual.

1928 – setembro – 26 – O Presidente do Estado, José Carlos da Matos Peixoto, sanciona a Lei nº 2.606, que cria a Imprensa Oficial do Estado, com a incumbência de editar o Diário Oficial, entre outras coisas, mas ficou só no papel.

1928 – setembro – 27 – Tomam posse, no Instituto do Ceará (Histórico, Geográfico e Antropológico), Carlos Studart Filho, Thomaz Pompeu de Sousa Brasil Sobrinho (Tomás Pompeu Sobrinho) e Eusébio Néri Alves de Sousa (Eusébio de Sousa).

1928 – setembro – 29 – Encontra-se em Fortaleza o compositor e instrumentista Ernani Braga, que dará recital no Theatro José de Alencar.

1928 – setembro – 30 – Realiza-se, em todo o Estado, votação para a Câmara Federal, sendo candidatos o desembargador José Moreira da Rocha, ex-presidente do Ceará e Maurício Paiva de Lacerda (Maurício de Lacerda).

1928 – setembro – Fundado o Laboratório Malvyl S. A., do farmacêutico Dionísio de Oliveira Torres (Dionísio Torres), com sede na depois Rua Joaquim Torres nºs 1 a 7 (hoje 74) e escritórios na Rua Floriano Peixoto nº 752, indústria de perfumaria.

1928 – outubro – 01 – Chega em Fortaleza, a bordo do navio “Itaimbé”, os jangadeiros que empreenderam a travessia Aracati-Belém.

1928 – outubro – 05 – Morre, em Fortaleza, aos 65 anos de idade, o capitalista e industrial coronel Arlindo Gondim.

1928 – outubro – 09 – Falece, em Fortaleza, aos 56 anos de idade, o maestro Henrique Jorge Ferreira Lopes, fundador do Conservatório de Música Alberto Nepomuceno, pai dos jornalistas Paulo Sarasate Ferreira Lopes e de João Jacques Ferreira Lopes. O féretro do maestro saiu de sua residência na Rua Barão do Rio Branco nº 298 para o Cemitério de São João Batista. Hoje Henrique Jorge é nome de bairro. Nascera em 10/02/1872 em Fortaleza.

1928 – outubro – 10 – Incluída, no alistamento eleitoral, Carmelita Barcelos Aboim, a primeira mulher eleitora do Ceará, esposa do jornalista Alfeu Faria de Aboim (Alfeu Aboim).

1928 – outubro – 12 – Termina a prova iniciada no dia 15 de setembro, de dança, vencendo Edson Martins, que dançou 637 horas seguidas.

1928 – outubro – 17 – Termina o serviço de empedramento da Praça dos Voluntários procedido pela Prefeitura Municipal de Fortaleza – PMF.

1928 – outubro – 25 – Morre o acadêmico Lauro Torres de Melo, secretário da Fênix Caixeiral e redator do jornal Diário do Ceará.

1928 – outubro – 26 – Transita pelo porto de Fortaleza (Ponte Metálica), o escritor e deputado maranhense Humberto de Campos, que vem a terra e almoça no Palácio da Luz.

1928 – outubro – 27 – Toma posse no cargo de delegado fiscal do Tesouro Nacional, no Ceará, o advogado Romero Estelita Cavalcante Pessoa, nomeado pelo presidente Washington Luís, solenidade em que usou da palavra o advogado Enéas Carneiro, delegado que sai.

1928 – outubro – 29 – Morre, no Rio de Janeiro, aos 67 anos de idade, o coronel Marcos Franco Rabelo, ex-presidente do Estado. Foi nome de rua em Fortaleza até a abertura da Avenida Marechal Castelo Branco (Avenida Leste-Oeste). Era cearense de Fortaleza onde nascera no dia 25/04/1861.

1928 – outubro – 30 – Sai às ruas o primeiro número do jornal O Phenixta, órgão do Partido Fenista Independente.

1928 – outubro – 31 – Inaugura-se, em Fortaleza, a Casa de Saúde César Cals, em prédio localizado na Avenida do Imperador nºs 528-545, na Praça da Lagoinha (atual Praça Capistrano de Abreu), tendo o arcebispo Dom Manuel da Silva Gomes oficiado a bênção.

1928 – novembro – 05 – Morre José Brown, sócio da firma Pinto & Companhia, proprietária da Casa Mundlos, em Fortaleza.

1928 – novembro – 15 – Eleições em todo o Estado para escolha do governador.

1928 – novembro – 15 – Entregue ao público a nova Praça Marquês do Herval (atual José de Alencar), remodelada na gestão do prefeito Álvaro Nunes Weyne (Álvaro Weyne).

1928 – novembro – 16 – Morre em Fortaleza o jornalista, poeta, farmacêutico, político e professor Joaquim Frederico Rodrigues de Andrade, cearense de Acaraú nascido a 20/07/1867. Após intensa vida em São Paulo e Rio de Janeiro, fixou-se em Fortaleza onde atuou na imprensa e foi eleito deputado.

1928 – novembro – 15 – Publicado em Fortaleza O Bandeirante, órgão do Centro Jackson de Figueiredo, filiado a União dos Moços Católicos, dirigido por Lincoln Mourão Matos. Sua redação ficava na Rua Barão do Rio Branco nº 319.

1928 – dezembro – 10 – Inaugura-se, na Praça do Ferreira, a nova casa de artigos de eletricidade, denominada Empório Elétrico, de propriedade de José Oscar Coelho, Joaquim Sebastião Ferreira e Omar Coelho.

1928 – dezembro 16 – Colocado, no lado norte da Avenida 7 de Setembro (Praça do Ferreira), um gradeado de ferro para nele serem afixadas as principais notícias dos jornais diários de Fortaleza. Foi logo apelidado pela população, como “placar”.

1928 – dezembro – 16 – No salão nobre do Clube Iracema é fundada a Associação Civil dos Empregados Federais no Ceará. Presidente – José Pinto Cavalcante; Vice-presidente – Paulo Marinho de Carvalho; 1º Secretário – Luís Cavalcante Sucupira (Luís Sucupira); 2º secretário – Francisco Silveira; Tesoureiro – Luís Cavalcante; Diretores – Raimundo de Alencar Araripe (Raimundo Araripe), Carlos Studart Gurgel, Júlio Viana da Silva Tavares, José Pamplona, Lauro Pamplona, Álvaro Alves de Sá, George Moreira Pequeno, João Alves de Moura, Sófocles Torres Câmara (Sófocles Câmara), Jaime Gaspar de Oliveira, Alberto de Albuquerque Monteiro, José de Moura Freire; e Orador – Hortêncio de Alcântara Filho. A solenidade foi presidida pelo coronel Adolfo Gonçalves de Siqueira. Hoje chama-se Associação Civil dos Servidores Públicos no Ceará.

1928 – dezembro – 19 – Denominada de Rua Adolfo Herbster a via que une o Boulevard Visconde de Cauípe (atual Avenida da Universidade) à Rua Marechal Deodoro, no Benfica.

1928 – dezembro – 19 – Inaugura-se, na antiga Rua Juvenal Galeno, hoje Avenida Bezerra de Menezes, em frente à Praça dos Libertadores, no Otávio Bonfim, a Padaria São Sebastião, da firma Monteiro, Filho & Irmão, de José Monteiro, Francisco Bezerra e João Bezerra.

1928 – dezembro – 22 – Morre, no Rio de Janeiro, aos 42 anos de idade, a compositora e pianista cearense de Guaramiranga, Branca Lopes de Alcântara Bilhar (Branca Bilhar). Nascera em Guaramiranga, CE, em 1886.

1928 – dezembro – 28 – O bairro do Outeiro passa a chamar-se Santos Dumont (atual Aldeota) e a Rua da Trindade muda para Rua Solon Pinheiro.

1928 – dezembro – 31 – Morre, no Rio de Janeiro, o médico José Cardoso de Moura Brasil, aos 83 anos incompletos, filho de Caixa, hoje cidade de Iracema, no município de Pereiro, CE, onde nascera a 10/02/1846. É hoje nome de bairro em Fortaleza e é patrono de cadeira da Academia Cearense de Medicina. Tem um busto no Passeio Público.

1928 – dezembro – 31 – Último dia do ano, é inaugurada em Fortaleza a Confeitaria Glória, da firma Almeida & Martins, pertencente a André Almeida e Antônio Martins Filho, na esquina da Rua Floriano Peixoto com Rua Pará, baixos do Paço da Intendência Municipal.

1928 – dezembro – Sai o primeiro número da Revista dos Industriais, mensário de propriedade de V. Carneiro, dirigida por Francisco A. Carneiro e redatoriada por Walter Pompeu de Sousa Magalhães. A redação ficava na Rua Major Facundo nº 162 (antigo). A impressão era feita na Empresa Gráfica Meton Gadelha.

1928 – dezembro – Surge, em Fortaleza, a firma José Pinto do Carmo & Filho Ltda., com os quotistas José Pinto do Carmo e Osiel Pinto do Carmo, na Avenida Francisco Sá nº 2401, com a Fábrica Baturité, de fiação e tecidos.

1928 – Funda-se a primeira emissora do Ceará, a Rádio Educadora Cearense, de vida efêmera, funcionando na esquina da Rua General Sampaio (nº 118) com Rua Meton de Alencar e que chegou a transmitir jogos realizados na Praça de Pelotas (atual Praça Clóvis Bevilaqua), que ficava em frente. Tinha em seu quadro nomes como Pierre Pereira da Luz (Pierre Luz) que foi o primeiro locutor, Sebastião Coelho, Antônio de Alencar Santiago (Antony Santiago), Francisco Hill Odorico de Moraes (Hill Moraes), Augusto Mena Barreto, Tomás Marques Dias, Francisco José Odorico de Moraes, Egídio Coelho, Luís Spíndola, Jeferson Braun, Achiles Arrais, Antônio de Oliveira Braga, J. Miranda Lopes, Renato F. Cardoso, Francisco Flósculo Barreto, Benjamin Falcão e Osvaldo Fernandes. Ouve anteriormente a Rádio Clube Cearense, mas não chegou a ir ao ar.

1928 – Inaugurado em Fortaleza o Cine Recreio-Iracema, no Boulevard Visconde de Cauípe (Avenida da Universidade) nº 1023, no Benfica, com o filme “Vampiro relâmpago”, da Pathé Exchange.

1928 – Surgem os ônibus de propriedade de Oscar Pedreira, que apesar de bem recebidos pela população, são mal recebidos pela Light que abre processo acusando a nova empresa de usar seus trilhos.

1928 – Neste ano é lançada a marca de Cigarros Princesa, pela fábrica Araken de cigarros, de Diogo Vital de Siqueira.

1928 – A população de Fortaleza neste ano era de 120.817 habitantes.

 

1929

1929 – janeiro – 01 – Toma posse a nova diretoria da Associação Cearense de Imprensa – ACI, que mantém na presidência o jornalista Gilberto Pessoa Torres Câmara (Gilberto Câmara).

1929 – janeiro – 02 – As placas de destino dos bondes de Fortaleza das linhas Alagadiço e Outeiro vêm com novas denominações: São Gerardo e Santos Dumont, respectivamente.

1929 – janeiro – 09 – Conforme determinação da Prefeitura de Fortaleza, fica denominada Rua Francisco Salgado a via na Praça Fernandes Vieira, lado leste perpendicular à rua São Paulo, chamando-se hoje Rua Oto de Alencar. Hoje a Rua Francisco Salgado existe no antigo bairro da Floresta, atual Álvaro Weyne e Padre Andrade.

1929 – janeiro – 12 – Inaugura-se a estação rádio-telegráfica da Agência Americana, na Chácara Iracema, em São Gerardo.

1929 – janeiro – 14 – Criado, em Fortaleza, o Posto de Socorro aos Banhistas, subordinado à Inspetoria de Polícia Marítima.

1929 – janeiro – 16 – A estudante Stella Bezerra, segundanista da Escola Normal Pedro II (atual Justiniano de Serpa) é eleita Rainha dos Estudantes Cearenses de 1929, com 5.490 votos, ficando em segundo lugar a acadêmica de Direito, senhorinha Auri Moura Costa, com 3541 votos, e terceiro lugar a escritora Rachel de Queirós, com 1.178 votos.

1929 – janeiro – 17 – Publicada no Diário do Ceará a Lei nº 2606 do dia 26/09/1928, criando a Imprensa Oficial do Estado, lei que nunca saiu do papel.

1929 – janeiro – 17 – Com as presenças do governador José Carlos de Matos Peixoto e do Prefeito de Fortaleza, Álvaro Nunes Weyne (Álvaro Weyne), a Ceará Gas Company inaugura, na Praça General Tibúrcio, novo sistema de iluminação de Fortaleza com os novos combustores da iluminação pública que compõem-se de lâmpadas de seis focos cada uma, com camisas incandescentes; cada luz é de alto poder iluminativo, não carecendo de uma vara de acender, pois o acendimento e o apagamento são dependentes de um dispositivo automático.

1929 – janeiro – 24 – São lançados, pela firma Beleza & Garcez, os Cigarros Iole, com distribuição de cheques dentro das carteiras (maços), resgatáveis no Banco dos Merceeiros.

1929 – janeiro – 26 – Instala-se, em Fortaleza, o Centro dos Proprietários.

1929 – fevereiro – 01 – Morre, aos 44 anos de idade, cego, o poeta, cantor e violonista Amadeu Xavier de Castro, cearense de Fortaleza nascido a 12/10/1884. Foi funcionário da Secretaria de Interior e Justiça.

1929 – fevereiro – 10 a 12 – O carnaval este ano cai nesses dias.

1929 – fevereiro – 12 – O prefeito de Fortaleza, Álvaro Nunes Weyne (Álvaro Weyne), inaugura os novos combustores de iluminação pública da Avenida Sete de Setembro, Praça do Ferreira.

1929 – fevereiro – 13 – Circula, quarta-feira de cinzas, o primeiro número da Revista do Município, fundada por Euzébio Néri Alves de Sousa (Eusébio de Sousa).

1929 – fevereiro – 21 – Abre-se o Congresso de Prefeitos do Ceará pelo presidente José Carlos Matos Peixoto.

1929 – fevereiro – 28 – Morre, aos 74 anos de idade, o abolicionista João Batista Perdigão de Oliveira, um dos fundadores do Instituto do Ceará (Histórico, Geográfico e Antropológico). Foi homenageado com seu nome em uma rua em Parangaba, Rua Perdigão de Oliveira, antigo Beco Novo. Nascera em 23/08/1854, em Fortaleza.

1929 – março – 01 – Lançada a primeira pedra da Igreja de Nossa Senhora das Dores, no Otávio Bonfim, e a do Convento dos Franciscanos, com as presenças do Bispo Dom Manuel da Silva Gomes e do monsenhor Antônio Tabosa Braga (Monsenhor Tabosa), em frente à Avenida Bezerra de Menezes.

1929 – março – 02 – Encerramento do Concurso de Beleza, com a vitória da candidata Maria Nazareth Silveira, Miss Fortaleza, com 10.884 votos, que passa a ser Miss Ceará.

1929 – março – 10 – Sai o primeiro número do jornal A Razão, político, noticioso independente dirigido pelo advogado Raimundo do Monte Arrais. O proprietário era Vicente Carneiro o secretário e redator era Alfeu Faria de Aboim (Alfeu Aboim) tendo na gerência Godofredo de Alencar.

1929 – março – 11 – Toma posse, no cargo de Capitão dos Portos do Ceará, o capitão de corveta Mário Hecksher, substituindo João Cândido Martins Filho, do mesmo posto.

1929 – março – 16 – Circula o jornal A Lanterna, que se dizia “órgão da iluminação da opinião pública”.

1929 – março – 19 – Sob a direção do médico César Cals de Oliveira, é inaugurada, na Praça da Lagoinha, a Maternidade Doutor João Moreira, que até então funcionava nos altos da Santa Casa de Misericórdia, com as presenças de Dom Manuel da Silva Gomes, Raimundo Brasil Pinheiro de Melo, prefeito de Fortaleza, Álvaro Nunes Weyne (Álvaro Weyne), Manuel Antônio de Andrade Furtado, Edgard Borges, Manuel do Nascimento Fernandes Távora, Demócrito Rocha, Luís Caracas, Guilherme Chambly Studart (Barão de Studart), Meton de Alencar, Adalberto de Moraes Studart (Adalberto Studart); Narcisa Borges Moreira, Ilza Diogo Oliveira, Edith Girão, Felícia Girão, Laura Salgado e Stella Matos.

1929 – março – 19 – Roubado, à noite, o automóvel do médico. Eliezer Studart da Fonseca, que logo é encontrado abalroado em um banco no Parque da Independência (Parque da Liberdade). O ladrão, o primeiro no gênero, em Fortaleza, foi Milton Sombra de Melo (Pirulito) que apenas queria dar uma volta de carro. Foi perdoado.

1929 – março – 24 – Segue para o Rio de Janeiro a Miss Ceará Maria Nazareth Silveira, para concorrer ao título de Miss Brasil.

1929 – abril – 02 – Inaugurado o Grupo Escolar do Alagadiço, sob a direção da professora Iclécia de Sousa Brasil, que funcionará na antiga Vila Nous Autres, na Avenida Bezerra de Menezes.

1929 – abril – 06 – Sai o primeiro número do jornal Maracajá (que se dizia revista), dirigido por Paulo Sarasate Ferreira Lopes, Mário de Andrade (do Norte) e Antônio Garrido (pseudônimo de Demócrito Rocha), do Grupo Maracajá, que no mesmo ano recebe a visita do autor do poema “Cobra Norato”, poeta Raul Bopp.

1929 – abril – 06 – Morre, aos 76 anos, o jornalista, político, bacharel e professor Tomás Pompeu de Sousa Brasil Filho, membro da Academia Cearense de Letras – ACL. Hoje existe uma rua na Aldeota com seu nome: Rua Tomás Pompeu. Era cearense de Fortaleza onde nasceu no dia 30/06/1852.

1929 – abril – 06 – Assume a Presidência do Instituto do Ceará (Histórico, Geográfico e Antropológico), Guilherme Chambly Studart (Barão de Studart), substituindo Thomaz Pompeu de Sousa Brasil que faleceu.

1929 – abril – 07 – Decidida, numa reunião no Clube Iracema, a fundação do Aero Clube Cearense, iniciativa do comerciante Manuel Fernandes Júnior e do capitão Walter Pompeu de Sousa Magalhães. Foi fundado, mas não vingou. O existente atualmente é o Aero Clube do Ceará. A sede seria na Rua General Bezerril nº 390, na Praça General Tibúrcio. A primeira diretoria era constituída por: Presidente: Manuel Fernandes Júnior; 1º vice: Álvaro Nunes Weyne (Álvaro Weyne); 2º vice: Otávio Filomeno Gomes; 1º secretário: Jáder Moreira de Carvalho (Jáder de Carvalho); 2º secretário: Aldo Prado; 1º tesoureiro: Júlio Viana da Silva Tavares; 2º tesoureiro: Cornélio Diógenes; orador: João Perboyre e Silva.

1929 – abril – 08 – Criada pelo Decreto Estadual Nº 1.251, a Escola Profissional do Regimento Policial do Estado, depois Escola Profissional da Força Pública. No governo do Estado estava José Carlos Matos Peixoto e no comando da Força Pública, o Capitão do Exército Brasileiro, comissionado Coronel de Polícia Militar Edgard Facó. É hoje a Academia de Polícia Militar General Edgard Facó

1929 – abril – 20 – Circula em Fortaleza o primeiro número do jornal vespertino A Tarde, dirigido por José Bruno de Miranda e Manuel Miranda e redatoriado por Atualpa Barbosa Lima.

1929 – abril – 20 – Pelo navio ”Pedro II”, chega a Fortaleza a Estátua de José de Alencar, a ser inaugurada na Praça Marquês do Herval, hoje, Praça José de Alencar.

1929 – abril – 21 – Inaugura-se, na então Rua Dona Isabel, a nova Enfermaria da Força Pública do Estado do Ceará, hoje Hospital da Polícia Militar, na esquina com a Rua Domingos Olímpio tomando todo o quarteirão que vai da Rua Princesa Isabel até à Rua Dona Teresa, em novo prédio inaugurado em 1966.

1929 – abril – 21 – Morre, no Rio de Janeiro, o juiz municipal de Fortaleza, José Eduardo Torres Câmara, aos 61anos de idade. Erudito em assuntos históricos. Nascera em Fortaleza no dia 13/07/1867. Foi Chefe de Polícia do Estado. Existe uma rua com seu nome na Aldeota, continuação da Rua Pinto Madeira.

1929 – abril – 30 – São inauguradas as Escolas Reunidas do Boulevard Visconde do Rio Branco, dirigidas pela professora Amélia Pereira Pequeno.

1929 – abril – 30 – Pelo vapor Almirante Jaceguay, chega a Fortaleza o escultor paulista Humberto Cozzo, a quem – depois de rigoroso concurso – foi confiada a confecção do monumento a José de Alencar. Humberto Cozzo veio assistir à inauguração da estátua do escritor cearense na praça Marquês de Herval (hoje, Praça José de Alencar).

1929 – abril – Aparece a Alfaiataria Francesa, em novo endereço, na Rua Major Facundo nº 697, da firma Monteiro & Holanda, formada por Joaquim Monteiro de Lima e Francisco Holanda Galvão.

1929 – maio – 01 – Inaugura-se a Estátua de José de Alencar no centro da Praça Marquês do Herval (depois Praça José de Alencar), no estilo Art Déco. A estátua foi uma iniciativa do jornalista Gilberto Pessoa Torres Câmara (Gilberto Câmara) e foi financiada pelo comendador Francisco De Francesco Di Ângelo (Francisco Ângelo) correspondente consular italiano no Ceará. O escultor foi Humberto Bartolomeu Cozzo (Humberto Cozzo). A praça continuou como Marquês do Herval.

1929 – maio – 03 – Coroação da Rainha dos Estudantes, Stela Bezerra, tendo como princesas Rachel de Queirós e Auri Moura Costa. A comissão da escolha foi formada pelos jornalistas Adauto de Alencar Fernandes (Adauto Fernandes), Paulo Sarasate Ferreira Lopes, Djacir de Lima Menezes (Djacir Menezes) e Antônio Filgueiras Lima.

1929 – maio – 05 – O pintor cearense Vicente Rosal Ferreira Leite (Vicente Leite) abre exposição de pintura no Liceu de Artes e Ofícios do Rio de Janeiro.

1929 – maio – 25 – Morre, aos 64 anos de idade, o professor e jornalista Cândido Jucá, cearense de Maranguape nascido em 11/03/1865. No Rodolfo Teófilo existe hoje a Rua Cândido Jucá.

1929 – maio – 27 – Organiza-se em Fortaleza a Manufatura Aseptol, da firma Oliveira & Companhia, que tem como sócios César Cals de Oliveira e Meton de Alencar. Depois passou para o Laboratório Eduardo Bezerra, para o Laboratório Belém Carneiro e em 1961 foi adquirido por José Dias Vasconcelos, do Laboratório Madrevita.

1929 – maio – 30 – Surge a Tribu Cearense de Antropofagia, fundada na redação do jornal O Povo, na Rua Barão do Rio Branco nº 239. Na primeira eleição o presidente foi Jáder Moreira de Carvalho (Jáder de Carvalho) e o secretário, Paulo Sarasate Ferreira Lopes.

1929 – maio – Uma árvore histórica em Fortaleza é derrubada, sob os protestos da opinião pública, o Oitizeiro do Rosário, na administração do prefeito Álvaro Nunes Weyne (Álvaro Weyne), que antes da derrubada mandou fotografá-lo – triste consolo!. Algumas tentativas já haviam sido feitas, sendo as principais a de 1862 quando a Câmara Municipal resolveu alinhar as ruas e a outra foi em 1912 quando o povo e a imprensa impediram o crime. Desta feita a desculpa é que atrapalhava o trânsito de carros e hoje, ironicamente o local é um calçadão somente para pedestres. Ficava na esquina da Rua Guilherme Rocha com Rua General Bezerril.

1929 – junho – 01 – Reinauguração do Restaurante Art Nouveau, de Gilberto Góis Ferreira, na Praça do Ferreira, na esquina da Rua Guilherme Rocha com Rua Major Facundo.

1929 – junho – 09 – Inaugura-se, às 10h, na Praia Formosa, ou Praia do Magarefe, em terreno de Manuel Borges Teles (Manuelito Borges) o Náutico Atlético Cearense, sendo, no mesmo dia, eleita sua primeira diretoria, que tinha na presidência Pedro Coelho de Araújo. Os demais membros eram: Júlio Coelho de Araújo (vice-presidente), Ademísio Barreto Vieira de Castro (primeiro secretário), Fernando Fernandes de Melo, Raul Farias de Carvalho (tesoureiro), Wandemberg Gondim Colares, Wilson Secundino do Amaral (Wilson Amaral), José Pompeu de Arruda, Renato Serra, Tomé Coelho de Araújo e José Brasil.

1929 – junho – 09 – Surge, em Fortaleza, o primeiro número de Cine-Revista, de curta duração.

1929 – junho – 18 – Morre, em Fortaleza, Alexandre Paiva, proprietário da tipografia denominada Atelier Royal.

1929 – junho – 21 – Fundado em Fortaleza, pelo teatrólogo Paschoal Carlos Magno, um Comitê Pró-Casa do Estudante, que ficará sob orientação de Rachel de Queirós, Suzana Alencar Guimarães e os acadêmicos da Faculdade de Direito do Ceará, Paulo Sarasate Ferreira Lopes, Jáder Moreira de Carvalho (Jáder de Carvalho), Plácido Aderaldo Castelo (Plácido Castelo) e Virgílio de Brito Firmeza (Virgílio Firmeza).

1929 – junho – 26 – Morre, em Fortaleza, o abolicionista coronel José Corrêa do Amaral (José do Amaral), aos 81 anos de idade. Foi membro da Cearense Libertadora e hoje é nome de rua no Meireles. Nascera em Fortaleza no dia 23/08/1847.

1929 – julho – 05 – Toma posse, no Instituto do Ceará (Histórico, Geográfico e Antropológico), José da Cunha Sombra Filho (José Sombra).

1929 – julho – 06 – Circula em Fortaleza o primeiro número do jornal A Reação, sob direção de Américo Palha, redatoriado por Solon Farias e gerenciado por José Edésio de Albuquerque.

1929 – julho – 12 – Inaugura-se a Enfermaria da Guarda Cívica de Fortaleza, em prédio localizado na esquina da Rua Sena Madureira com Rua Monsenhor Furtado, prédio depois ocupado pela 25ª Circunscrição de Recrutamento do Exército – 25ªCR e hoje substituído por moderno edifício da Telemar,

1929 – julho – 22 – Morre o vice-presidente do Estado e Diretor do Serviço de Profilaxia Rural, médico Demóstenes Alves de Carvalho (Demóstenes Carvalho). Cearense de Iguatu nascido em 1902. Hoje é nome de rua no Carlito Pamplona e Monte Castelo.

1929 – julho – 29 – Falece, em Fortaleza, aos 70 anos, monsenhor João Alfredo Furtado (Monsenhor Furtado), vigário geral da Arquidiocese de Fortaleza. Foi capelão do Asilo do Bom Pastor e professor do Liceu do Ceará, Escola Normal, Colégio Castelo Branco e Colégio Militar. Excelente orador. Era cearense de Guaraciaba do Norte nascido em 15/09/1868.

1929 – julho – 31 – Inspirado na defesa dos interesses econômico-políticos dos trabalhadores, que sofrem o jugo esmagador da burguesia brasileira e do imperialismo anglo-americano, é fundado, em Fortaleza, o Bloco Operário e Camponês, tendo como presidente José Joaquim de Lima Pernambuco.

1929 – agosto – 01 – Entram em greve os empregados da The Ceará Tramway Light & Power Co., recebendo apoio dos gráficos que contribuem com 10% de seus salários.

1929 – agosto – 03 – Inaugura-se, na Rua da Alfândega (Avenida Pessoa Anta), esquina com a Rua Almirante Jaceguai, na Praça Almirante Saldanha, a Fábrica Myrian, da firma C. N. Pamplona & Cia., primeiro estabelecimento no Ceará a extrair óleo de oiticica através de maquinaria apropriada. C. N. Pamplona é Cândido Narbal Pamplona.

1929 – agosto – 04 – Inaugurado oficialmente o bairro São Gerardo, no Alagadiço, com a presença do Prefeito Álvaro Nunes Weyne (Álvaro Weyne) que discursou na ocasião.

1929 – agosto – 04 – Inaugura-se, na Rua Floriano Peixoto nº 155, uma nova casa de modas, a Ceará Chic, da firma Correia Barbosa & Companhia Ltda.

1929 – agosto – 07 – Fundada a Federação das Associações do Comércio e Indústrias do Ceará – FACIC, reorganizada em 07/11/1933 e considerada de utilidade pública em 24/04/1935.

1929 – agosto – 07 – A Prefeitura Municipal de Fortaleza – PMF muda-se do prédio da Rua Barão do Rio Branco nº1594, na Praça Gonçalves Ledo (hoje Praça do Carmo) para a nova sede, na Praça Caio Prado (Praça da Sé), ao lado da Catedral, de propriedade do capitalista Plácido Barbosa de Carvalho (Plácido de Carvalho). No palacete da Praça Gonçalves Ledo ficará a Secretaria de Polícia e Segurança Pública, o Gabinete de Identificação, a Inspetoria de Veículos e a Primeira Delegacia de Polícia, ficando nos baixos a Guarda Cívica.

1929 – agosto – 15 – No Rio de Janeiro, é diplomada, pelo Conselho Superior de Belas Artes a escultora cearense Iaiá Castro, candidatando-se ao prêmio de viagem à Europa, com o seu trabalho denominado ”Primeira Observação de História Natural”.

1929 – agosto – 16 – Inaugura-se, na Praça do Ferreira, a Confeitaria Aliança, da firma Feijó, Pimentel & Cia.

1929 – agosto – 19 – No Theatro José de Alencar, Berenice Moraes é eleita Miss Praia de Iracema e aclamada Miss Fortaleza. Berenice é filha do jornalista Tancredo Moraes e da escritora Adília de Albuquerque Moraes.

1929 – agosto – 25 – Aparece o primeiro número da Revista Policial, com notícias relativas aos acontecimentos policiais do Estado, sob orientação do advogado Mozart Catunda Gondim, tendo como diretor-presidente João Perboyre e Silva, diretor secretário Porfírio de Lima Filho e diretor técnico José Ribamar Perez Lima. Será mensal, saindo nos últimos dias de cada mês.

1929 – agosto – 27 – Chegam a Fortaleza os jangadeiros cearenses Bernardino Fernandes do Nascimento e José Isidoro de Sousa, na jangada Sete de Setembro, fazendo o “raide” Aracati-Belém. Prosseguem viagem no dia 29.

1929 – setembro 04 – O comandante do 23º Batalhão de Caçadores – 23BC, coronel Guilherme Ribeiro da Cruz transmite o comando ao major Alfredo Lúcio Pereira, conhecido por Coca-Chico.

1929 – setembro – 05 – São reinauguradas as Escolas Reunidas do Arraial Moura Brasil.

1929 – setembro – 05 – Assume a primeira diretoria do Grupo Espírita Auxiliar dos Pobres, tendo na presidência Manuel Felix de Moura Amazonas; vice: José Soares da Costa; 1º secretário: Lauro Pinto; tesoureiro: Manuel Coelho da Silva; adjunto: Manuel Lucas da Silva; bibliotecário: José Braga Mendes.

1929 – setembro – 06 – Instalada a Federação das Associações do Comércio e Industrias do Ceará – FACIC.

1929 – setembro – 07 – Surge neste ano, na Rua Dona Tereza Cristina 673, a Igreja Evangélica Assembleia de Deus, sob a presidência do pastor Antônio Rego Barros. A igreja vinha se organizando desde 1915, necessitando de um obreiro, cargo que foi confiado ao pastor Adriano de Almeida Nobre, que em 1922 é substituído.

1929 – setembro – 09 – Realiza-se prova de natação do Farol do Mucuripe à Ponte Metálica, saindo vencedor Wandemberg Gondim Colares, seguido de Wilson Amaral, Pedro Araújo e Francisco Conrado da Silva.

1929 – outubro – 10 – Morre, em Fortaleza, aos 84 anos de idade, o coronel Belisário Cícero Alexandrino, cearense de Icó nascido em 20/04/1845, antigo presidente da Assembleia Legislativa que ocupou a presidência do Estado na transição de Acioli para Franco Rabelo.

1929 – outubro – 13 – Irrompe grande incêndio na Torrefação Iracema, da firma Magalhães & Companhia Ltda., na Praça Capistrano de Abreu (Lagoinha), em prédio pertencente ao coronel Plácido Barbosa de Carvalho (Plácido de Carvalho).

1929 – outubro – 17 – Osvaldo Studart Filho associa-se a Eurico de Almeida Monte e fundam a firma Studart & Cia. Ltda., pioneiros revendedores da Ford em Fortaleza.

1929 – outubro – 19 – Morre, no Rio de Janeiro, RJ, o militar, político, matemático Marcos Franco Rabelo, da Academia Cearense de Letras – ACL.Nascera no Rio de Janeiro, RJ, em 26/04/1861.

1929 – outubro – Surge em Fortaleza a loja As Torres, alfaiataria e artigos masculinos e de esporte, na Rua Floriano Peixoto nº 159 (antigo, atual 523), de José Ramos Torres de Melo.

1929 – novembro – 04 – O Regimento Policial do Ceará passa a denominar-se Força Pública do Estado. Hoje é a Polícia Militar do Ceará.

1929 – novembro – 05 – Toma posse, no Instituto do Ceará (Histórico, Geográfico e Antropológico), o advogado, sociólogo e escritor Álvaro Bomílcar da Cunha.

1929 – novembro – 21 – Estréia, à noite, na Praça Visconde de Pelotas (hoje Praça Clóvis Bevilaqua), o Circo Internacional.

1929 – novembro – 28 – José Torquato Praxedes Passos e Júlio de Siqueira Carvalho fundam a firma J. Torquato & Cia., de ferragem em grosso e a varejo. Depois se transformou em sociedade anônima.

1929 – dezembro – 01 – Encerra-se o Campeonato Cearense de Futebol, sagrando-se Campeão o Esporte Clube Maguari. Entre os jogadores campeões, estava Alísio Borges Mamede, o futuro médico pediatra.

1929 – dezembro – 15 – Criado o Carmelo de Fortaleza, pelas irmãs Antônia do Menino Jesus, Cecília Maria do Espírito Santo e Joaquina de Jesus Sacramento, vindas de Santa Teresa, no Rio de Janeiro, instalando-se em casa na Praça do Cristo-Rei (atual Praça da Bandeira). Em 1949 mudaram-se para a Avenida Visconde do Rio Branco onde ficaram até 1974. Hoje estão no bairro Dias Macedo.

1929 – dezembro – 19 – Assume o comando do 23º Batalhão de Caçadores – 23BC, o tenente-coronel Pedro Ângelo Corrêa, substituindo o major Alfredo Lúcio Pereira “Coca-Chico”.

1929 – dezembro – 24 – Inaugurado, na Praça Gonçalves Ledo (atual Praça do Carmo), o Jardim Demóstenes de Carvalho.

1929 – dezembro – 31 – Grande incêndio irrompe no prédio de três andares da Rua Barão do Rio Branco nº 172 (antigo), esquina com Rua Municipal (Rua Guilherme Rocha), consumindo o Hotel Avenida, a Casa Primor, A Fascinadora, Alfaiataria Job e a Relojoaria Cancão, deixando ainda grandes prejuízos na Casa Zenith e em A Samaritana. O local é onde fica hoje a loja o Edifício Vitória, que tem no térreo a loja A Esmeralda.

1929 – Fundado, no Mucuripe, o Centro Espírita Ismael Caridade e Luz.

1929 – Surge mais um time de futebol em Fortaleza, o Orion Futebol Clube, clube fundado a partir da dissidência de jogadores do então tri-campeão, Fortaleza EC, e liderados pelos irmãos Machado (Moacir, Jandir, Juraci e Caranã).

1929 – O ano em que se instalou, em prédio na Rua Floriano Peixoto atual nº 621, na Praça do Ferreira, a Livraria Alaor, de José Alaor de Albuquerque, depois Distribuidora Alaor de Publicações Ltda.

1929 – Instala-se, por iniciativa de Edgar Facó, a Escola Profissional da Força Pública, futura Academia de Polícia, desativada em 1931 e reaberta em 1934. Em 1940 chamou-se Escola de Quadros, em 1948, Grupamento Escola. Em 1954 foi Grupamento Escola Edgar Facó e em 1971 ganhou a atual denominação, Academia de Polícia Militar General Edgar Facó.

1929 – Fundada, em Fortaleza, a loja de modas, tecidos e perfumaria A Gávea, de Júlio Coelho de Araújo, na Rua Guilherme Rocha nº 171, no mesmo prédio do Restaurante Chic e da “Maison Art-Nouveau”.

1929 – A população de Fortaleza neste ano era de 123.707 habitantes.

 

1930

1930 – janeiro – 02 – Empossada a nova diretoria da Associação Cearense de Imprensa – ACI, com o jornalista Aldo Prado na presidência. Tinha sido eleito o jornalista João Perboyre e Silva, que renunciou antes da posse.

1930 – janeiro – 03 – Encontra-se em Fortaleza o ator, compositor e cantor Vicente Celestino, que se despede com a peça Malucos de Parangaba, levado à cena pela Companhia Brandão Sobrinho.

1930 – janeiro – 05 – Posse da nova diretoria da União dos Moços Católicos, tendo na presidência Joaquim Caminha de Sá Leitão.

1930 – janeiro – 06 – Morre, em Fortaleza, aos 63 anos de idade, o coletor federal em Messejana, José Firmino Gadelha.

1930 – janeiro – 06 – Inauguradas duas enfermarias na Santa Casa da Misericórdia, para tuberculosos, construídas sob as expensas do coronel Juvenal de Carvalho. Foram demolidas em 1948 para dar lugar à ampliação daquela casa.

1930 – janeiro – 07 – Morre Rodolfo Ferreira da Silva, um dos proprietários da Serraria Rodolfo, na Rua General Sampaio nº 329.

1930 – janeiro – 09 – Fundada a Liga Suburbana de Sports Cearenses, com os clubes Flamengo, Independência, José de Alencar, Sem Rival, Progresso, Iracema, Internacional e União, tendo na presidência Aristides Capibaribe.

1930 – janeiro – 13 – Morre, em Fortaleza, o médico e jornalista Atualpa Barbosa Lima, aos 46 anos de idade, cearense de Fortaleza onde nasceu no Barro Vermelho (Antônio Bezerra).

1930 – janeiro – 13 – Falecimento do escrivão da 2ª Delegacia de Polícia, Isaías Gomes de Melo.

1930 – janeiro – 15 – Inaugurado o Externato General Eudoro Corrêa, fundado pela Associação dos Funcionários do Colégio Militar do Ceará. Na ocasião falou Henrique Autran.

1930 – janeiro – 22 – Morre, em Fortaleza, o antigo comerciante Evaristo Maia.

1930 – janeiro – 22 – Falecimento em Fortaleza o missionário Frei Odilon Gelhaus, este, nascido na Alemanha.

1930 – janeiro – 23 – Morre, aos 88 anos de idade, em Aracaju, Sergipe, Tomás Gomes da Silva, antigo magistrado em Fortaleza.

1930 – janeiro – 24 – O Colégio Nogueira, do professor Joaquim da Costa Nogueira, muda-se para prédio na Rua 24 de Maio nº 139 (antigo).

1930 – janeiro – 25 – Egberto de Paula Pessoa Rodrigues funda a Serraria Fortaleza, vendida posteriormente a Rodrigues & Carneiro Ltda. e depois a Francisco Soares Pinto. Ficava na Rua Senador Pompeu nº 1575/79 mudando-se depois para o nº 2508.

1930 – janeiro – 27 – Morre, em Fortaleza, o violinista Tancredo Furtado de Mendonça.

1930 – janeiro – 30 – No prédio da Associação dos Merceeiros são instaladas as Escolas Reunidas da Praça Gonçalves Ledo. Na ocasião falaram Moreira de Sousa, Helena Gomes de Matos e Leandro Lira. A Praça Gonçalves Ledo é a atual Praça do Carmo.

1930 – fevereiro – 02 – Inaugura-se o Abrigo-Hospital Dr. Demóstenes de Carvalho, no bairro de São Gerardo, fundado por Samuel Felipe de Sousa Uchoa (Samuel Uchoa), chefe do Serviço de Saneamento e Profilaxia Rural.

1930 – fevereiro – 14 – Chega a Fortaleza a Caravana da Aliança Liberal, chefiada por Batista Luzardo, fazendo propaganda da chapa Getúlio Vargas e João Pessoa. Faziam parte da caravana Raul Bittencourt, Gustavo Capanema, Cônego Marcos Pena, Paulo Duarte, Cônego Matias Freire e os jornalistas José Abreu, Paulo Mota Lima, Manuel Gonçalves e Henrique Figueiredo.

1930 – março – 01 – Ocorre em Fortaleza, como em todo o resto do País, eleições para Presidente da República, Vice-Presidente, Senador e Deputados Federais. Os candidatos à Presidência eram Júlio Prestes, da situação e Getúlio Dorneles Vargas (Getúlio Vargas). Fortaleza tinha há época, 7.500 eleitores. Foi a mais fraudilenta das eleições em todo o País, resultando na eleição do candidato da situação, Júlio Prestes, que não chegou a assumir em virtude do levante de 1930.

1930 – março – 01 – Assume a Paróquia de Nossa Senhora do Carmo, o monsenhor José de Lima Ferreira, substituindo monsenhor Antônio Tabosa Braga (Monsenhor Tabosa).

1930 – março – 02 a 04 – Foram dias dedicados inteiramente aos festejos carnavalescos nas casas, clubes e ruas da Cidade.

1930 – março – 04 – No bairro da Vila Monteiro, o ladrão Manuel Correia Lucas, conhecido como Rafaelzinho, recebe a tiros a polícia que o foi prender e é morto pela mesma.

1930 – março – 06 – Começa a funcionar o Ginásio São João sob a direção do professor César de Adolfo Campelo, na avenida Santos Dumont nº 1169, no bairro Santos Dumont (Aldeota) na antiga Vila Quixadá, casa construída por Adolfo Quixadá e que foi usada como residência dos presidentes de Estado. Em 02/02/1943 passou a ser Colégio São João. Em 1976, foi vendido para a Organização Farias Brito, mudando o nome para Farias Brito-Aldeota/1. Hoje no local existe um Supermercado Pão de Açúcar.

1930 – março – 10 – Morre o deputado estadual e homem de letras, Antônio Augusto de Vasconcelos, aos 77 anos de idade. Foi fundador da Academia Cearense de Letras – ACL e do Instituto do Ceará (Histórico, Geográfico e Antropológico). Hoje é nome de rua em Fortaleza, a Rua Antônio Augusto. Era cearense de Maranguape, onde nasceu a 23/12/1852.

1930 – março – 11 – Assassinado, aos primeiros minutos da madrugada, no Benfica, em Fortaleza, aos 43 anos de idade, o poeta Carlos Gondim, autor de Poemas do Cárcere. Nascera em Coité, hoje Aratuba, no dia 06/12/1886.

1930 – março – 14 – Morre, no Rio de Janeiro, aos 43 anos de idade, o cônego Plínio Teixeira Pequeno, cearense de Icó nascido a 27/11/1886.

1930 – março – 16 – Morre, em Fortaleza, vítima de congestão pulmonar, em conseqüência de desastre automobilístico, que o fez padecer por cinco anos, aos 78 anos de idade, o coronel Solon da Costa e Silva, ex-proprietário da Empresa Ferro-Carril, de bondes puxados a burro, sócio da firma Solon & Valente. Era cearense de Rio Formoso, Pacatuba, nascido em 08/02/1852. Existe hoje, atravessando os bairros de José Bonifácio e Fátima, a Rua Coronel Solon, em sua homenagem.

1930 – março – 19 – Morre, aos 68 anos de idade, em Fortaleza, Ildefonso Gurgel Nogueira, antigo comerciante nesta Capital.

1930 – março – 21 – Ocorre um incêndio na Mercearia Santa Teresinha na Travessa do Mercado.

1930 – março – 25 – Inauguração das grandes reformas ocorridas no Colégio da Imaculada Conceição.

1930 – março – 26 – Morre, aos 44 anos de idade, o teatrólogo Leopoldo Barreto de Fontoura, inspetor do Colégio Militar e autor da peça São João na Roça, encenada pelo grêmio Pio X.

1930 – março – 26 – Lançada a partitura do sugestivo fox-trot, para piano, Ninita, de autoria do musicista Euclides Silva Novo. A partitura, foi editada pelo ”Ceará Musical”, trazendo na capa a fotografia de Ninita Caracas (Miss Moderno) a quem foi dedicada.

1930 – março – 28 – Incêndio na Praia de Iracema, iniciado à uma hora da manhã, destrói totalmente o chalet de madeira, em que funcionavam no térreo, a mercearia e o Café de José Lima de Castro e, no pavimento superior, a ”garçoniére” conhecida por Consulado do Inferno, habitada pelos rapazes José da Gruta, Raimundo Maia, Joaquim Ferreira e Emile Palestine. A casa era de propriedade de José Moreira, a mesma em que durante muitos anos funcionou o Café do Comércio, na Praça do Ferreira e que, sendo de madeira, foi transferida para o novo bairro e ali remontada. Os rapazes, que estavam dormindo, perderam quase todos os bens materiais.

1930 – março – 29 – Incêndio destrói o Café e Mercearia Maranguape, de propriedade de José de Lima Castro, na Rua José Avelino.

1930 – março – 30 – Inaugura-se o novo prédio do Dispensário dos Pobres.

1930 – março – 30 – Morre, em Fortaleza, o farmacêutico Antônio Gonzaga Cordeiro de Almeida, proprietário do Laboratório Gonzaga e tesoureiro da Ordem Terceira Franciscana.

1930 – abril – 02 – Na Pensão Portuguesa o agente comercial Amâncio Leite assassina a mundana Luzia Gomes e em seguida suicida-se.

1930 – abril – 06 – Morre afogado, no Rio Beberibe, no Recife, o médico e jornalista cearense César Teles de Magalhães, (César Magalhães) aos 23 anos de idade. Foi um dos fundadores da Associação Cearense de Imprensa – ACI. Era cearense de Baturité nascido em 11/10/1905.

1930 – abril – 07 – Sai o resultado final da apuração do concurso para Miss Fortaleza. A vencedora concorrerá ao título de Miss Ceará, Miss Brasil e depois Miss Universo. O resultado foi: Alba Ferreira, 61.437 votos; Magnólia de Sousa Cavalcante, 31.057 votos; sendo proclamada Miss Fortaleza, Alba Ferreira.

1930 – abril – 08 – No embarque do deputado Manuel Moreira da Rocha (Manuel Onça) muitas pessoas estavam no viaduto Moreira da Rocha (Ponte Metálica) fazendo com que o peso causasse o desabamento de parte do piso, projetando ao mar dezenas de pessoas saindo várias feridas. Entre as vítimas estavam: deputado Pedro de Brito Firmeza (Pedro Firmeza), Álvaro Nunes Weyne (Álvaro Weyne), prefeito de Fortaleza, deputado Costa Sousa e senhora, Arthur Salgado e senhora, uma sobrinha do deputado Moreira da Rocha, madame Romero Estellita, senhorinhas Stella e Helena Rubens, Almir de Matos Peixoto, Sílvio Gentil de Lima, deputado Ruy Guedes e senhora, Wicar de Paula Pessoa, Marcello Benevides, coronel Adolfo Gonçalves Siqueira (Adolfo Siqueira), Acrísio Moreira da Rocha, Guilardo Moreira da Rocha, Leandro Lira, Carlos Perdigão de Oliveira, engenheiro dos Correios e Telégrafos, José Lino da Silveira e senhora, Salles Correia, Edgard de Alencar, secretário da Assembleia e Luís Costa.

1930 – abril – 15 – Posse da nova diretoria do Centro Acadêmico Clóvis Bevilaqua, tendo na presidência Elpídio Prata.

1930 – abril – 19 – Morre, aos 88 anos de idade, o capitão Manuel Rodrigues dos Santos Moura, veterano da Guerra do Paraguai.

1930 – abril – 22 – Reassume a chefia da Rede de Viação Cearense – RVC, o engenheiro Abraão de Oliveira Leite, substituindo ao engenheiro José Caminha Muniz, que ocupava o cargo interinamente.

1930 – abril – 24 – Estréia a Companhia de Operetas Brandão Sobrinho que esteve recentemente em Fortaleza, com “Mazurca Azul”, trazendo novamente o tenor Vicente Celestino.

1930 – abril – 27 – Morre, em Fortaleza, José Joaquim de Farias Júnior, professor aposentado da Escola de Aprendizes Marinheiros do Ceará e antigo secretário da Capitania do Porto.

1930 – maio – 10 – Inicia-se, no Passeio Público, a Festa das Nações, quermesses distribuídas por pavilhões que homenageiam diversos países.

1930 – maio – 13 – Grande incêndio, destrói totalmente, na Praça Capistrano de Abreu (atual Praça Waldemar Falcão), a Casa Paraíba, de propriedade de José Gomes de Melo.

1930 – maio – 17 – Morre, nesta capital, aos 97 anos de idade, o abolicionista João Carlos da Silva Jatahy (Carlos Jatahy), nascido a 11/08/1842.

1930 – maio – 21 – Sob a presidência de Manuel Leiria de Andrade, reuniram-se na residência do escritor Walter Pompeu de Sousa Magalhães, os membros organizadores da Academia Cearense de Letras – ACL, Manuel Leiria de Andrade, Jáder Moreira de Carvalho (Jáder de Carvalho), Euclydes Vasconcelos César (Euclides César), Mozart de Brito Firmeza (Mozart Firmeza), Dolor Uchoa Barreira (Dolor Barreira), Luís Cavalcante Sucupira (Luís Sucupira), Emygdio Barbosa, Raimundo Renato de Almeida Braga (Renato Braga) e Antônio Furtado Bezerra de Menezes. Secretariaram a sessão Walter Pompeu de Sousa Magalhães e Luís Cavalcante Sucupira (Luís Sucupira). A diretoria efetiva ficou constituída de: Presidente de Honra – José Carlos de Matos Peixoto; Presidente Efetivo – Antônio Sales; Vice-presidente – Antônio Martins de Aguiar e Silva (Martinz de Aguiar); Secretário – Walter Pompeu de Sousa Magalhães; 1º Secretário – Luís Cavalcante Sucupira (Luís Sucupira); 2º Secretário – Elias Mallmann; Tesoureiro – Euclydes Vasconcelos César (Euclides César); Bibliotecário – Joel de Lima Linhares (Joel Linhares). A ACL havia sido organizada em 1922, quando recebeu a atual denominação, mas haviam ficado muitas pendências.

1930 – maio – 24 – Entregue ao público a Praça Marquês do Herval (hoje Praça José de Alencar), com sua parte central totalmente remodelada, em virtude da colocação da estátua do escritor.

1930 – maio – 25 – O Náutico Atlético Cearense promove, uma maratona com início em Pedreira, a três quilômetros de Maranguape, terminando em Fortaleza na Praça Marquês do Herval, atual Praça José de Alencar. O vencedor foi Wilson Amaral.

1930 – maio – 28 – A população de Fortaleza fica embevecida com a passagem nos céus do dirigível alemão Graff Zeppelin, ocasião em que quase toda a população ficou nas ruas.

1930 – maio – 29 – Ocorre a bênção da Igreja do Cristo-Rei, na Rua Nogueira Acioli, em frente a atual Praça da Bandeira, dos padres Jesuítas. Foi a primeira igreja católica sem uma cruz no topo.

1930 – maio – 29 – Inaugura-se, no Leprosário de Canafístula (hoje Antônio Diogo), a creche para os filhos dos doentes internados, com a presença do presidente do Estado, José Carlos Matos Peixoto.

1930 – maio – 30 – Morre, em Fortaleza, Amarílio Normando, proprietário do Bar do Passeio Público.

1930 – junho – 01 – Encerrado o Campeonato Cearense de Futebol de 1930, que se realizou no Campo do Prado, sendo Campeão o time Orion.

1930 – junho – 01 – Inaugurado o serviço de restaurante dos trens da Rede de Viação Cearense – RVC que fazem a linha Fortaleza-Crato.

1930 – junho – 04 – Com 2.123 votos, a escritora e estudante Rachel de Queirós, filha do casal Daniel-Clotilde Queirós, e aluna do Colégio da Imaculada Conceição, é eleita Rainha dos Estudantes do Ceará. Princesas – senhoritas Esther Fiúza, Letícia Ferreira Lima e Neyde Paula Lima Verde.

1930 – junho – 05 – Toma posse, no Instituto do Ceará (Histórico, Geográfico e Antropológico), Júlia Carneiro Leão de Vasconcelos (Júlia Vasconcelos), a primeira mulher a ser eleita para aquele sodalício.

1930 – junho – 06 – Instala-se a Sociedade de Estudos Pedagógicos sob a presidência do professor Francisco de Menezes Pimentel.

1930 – junho – 06 – Morre em Fortaleza o engenheiro agrônomo da Inspetoria Federal de Obras Contra as Secas e professor da Escola de Agronomia, Archias Medrado. Foi quem fez os cálculos da ferragem do Excelsior Hotel.

1930 – junho – 07 – Circula o último número do jornal O Ceará, de Júlio de Matos Ibiapina (J. Ibiapina). Coincidentemente, surgira no dia 07/06/1925.

1930 – junho – 08 – Lançado o romance da escritora cearense Rachel de Queirós, aproveita o reflexo social da seca de 1915, O Quinze, sendo noticiado em todos os jornais e recebendo repercussão nacional.

1930 – junho – 09 – Fundada, no Salão Juvenal Galeno, a Academia de Letras do Ceará (não é a Academia Cearense de Letras), presidida pelo advogado e escritor Adonias Lima.

1930 – junho – 10 – Instala-se a Câmara Municipal de Fortaleza, ocasião em que o prefeito Álvaro Nunes Weyne (Álvaro Weyne) lê sua mensagem.

1930 – junho – 11 – Às primeiras horas da noite é assassinado, com seis tiros, em sua mesa de trabalho, o jornalista Antônio Luís de Drumond Miranda (Antônio Drummond), diretor de Gazeta de Notícias, na Rua Barão do Rio Branco nº 128, aos 48 anos incompletos, por Virgílio Gomes de Oliveira, juiz municipal. Drummond era pernambucano do Recife, ode nascera a 30/11/1872 e radicou-se em Fortaleza exercendo a política, a advocacia e o jornalismo de maneira destemida. Era bacharel em Direito e hoje é nome de rua no Monte Castelo.

1930 – junho – 12 – Funerais do jornalista Antônio Luís de Drumond Miranda (Antonio Drummond), diretor da ‘‘Gazeta de Notícias’’. O côche partiu da sua residência, na Rua Senador Pompeu, nº 206, seguindo-lhe mais de cem automóveis e quatro ônibus. No Cemitério São João Batista, à beira do túmulo, falaram os jornalistas Terêncio Guedes e Américo Palha, o estudante Geraldo Lemos e o gráfico Antônio Ramos.

1930 – junho – 13 – Acontece a festa da bênção da Igreja de Nossa Senhora das Dores, dos padres Franciscanos, no Otávio Bonfim.

1930 – junho – 16 – A Destilaria Aguiar, de propriedade de Ilkens Aguiar, na Rua Floriano Peixoto, é destruída por um incêndio.

1930 – junho – 19 – Inaugurado o cinema sonoro em Fortaleza, no Cine Moderno – que vinha desde 1921 apresentando fitas mudas – com o filme Broadway Melody, da Metro, no processo Vitaphone.

1930 – junho – 21 – Em festa no Theatro José de Alencar, a Srta. Alba Ferreira, eleita Miss Fortaleza, é proclamada Miss Ceará.

1930 – junho – Lei municipal nº 361, denomina o jardim da Praça Comendador Teodorico (da Lagoinhaatual Capistrano de Abreu), de Jardim Tomás Pompeu e a estrada de Fortaleza a Porangaba (Parangaba) de Avenida Washington Luís (atual Avenida João Pessoa). A inauguração deu-se no dia seis de julho.

1930 – junho – 26 – Inaugura-se, o Cine Phoenix, na sede da Fênix Caixeiral, na Praça Marquês do Herval, atual Praça José de Alencar, com o filme “Gente de circo”, da Metro Goldwin-Mayer.

1930 – julho – 01 – Funda-se a Casa Bancária J. F., sob a responsabilidade de José Francisco (Coronel), na Rua Major Facundo nº 700. Foi fundada no Crato em 04/07/1893 e saqueada pelos jagunços de Juazeiro do Norte em 1914. Reabriu em Fortaleza com negócios de tecidos e transformou-se em casa bancária em 1930.

1930 – julho – 06 – Inauguração da estrada de concreto entre Fortaleza e Porangaba (Parangaba), construída pela Inspetoria Federal de Obras Contra as Secas – IFOCS (hoje Departamento Nacional de Obras Contra as Secas – DNOCS), falando na ocasião em nome da Inspetoria, Coelho Cintra. Trata-se da hoje Avenida João Pessoa. O concreto citado está ainda lá, só que sob o asfalto.

1930 – julho – 09 – Pela manhã, o jornalista cearense Agostinho de Paula Viana (Agostinho Viana), que fundara o jornalzinho Combate, é chamado à 1ª Delegacia de Polícia, para onde o respectivo delegado manda igualmente buscar toda a edição do dia, daquele semanário. Diz-se que o fato se prende a transcrições dos jornais do Rio de Janeiro, julgadas ofensivas ao governador do Ceará, José Carlos de Matos Peixoto.

1930 – julho – 12 – Inauguração, na gestão do prefeito Álvaro Nunes Weyne (Álvaro Weyne), da Praça Comendador Teodorico (Praça da Lagoinha)atual Praça Capistrano de Abreu) com o Jardim Tomás Pompeu, tendo ao centro uma fonte importada, toda em bronze trabalhado, ornamentada de cavalos e sereias. O arquiteto responsável pela obra foi Rubens Franco. Ali existiu uma pequena lagoa que sumia durante as secas. Depois foi colocada uma caixa d’água e feita uma cacimba (poço)para alimentar as máquinas ferroviárias que passavam pelo “Trilho de Ferro” (atual Avenida Tristão Gonçalves). Antes era uma praça de areia, sem urbanização nenhuma, onde os escravos apanhavam água numa pequena lagoa existente no centro e que de seca em seca foi desaparecendo. Em 1850 foi cavado um poço forrado de aduelas de madeira. Com a inauguração dos poços do Benfica em 1860, a cacimba (poço) foi abandonada e o lixo da cidade passou a ser colocado ali. Em 1884 a estrada de ferro mandou aterrar o restante da lagoa com areia do morro Croatá a fim de preservar a população do alastramento do cólera-morbus. Foi levantado um cata-vento e uma caixa d’água para abastecimento das locomotivas que passavam pelo Trilho de Ferro, como era denominada a hoje Avenida Tristão Gonçalves. Hoje existe, no centro da praça, uma estátua sem nome, de autoria de H. Leão Veloso, e na parte que fica a sudeste, uma herma com os dizeres: “Ao Dr. Abdenago da Rocha Lima, homenagem do Instituto de Proteção e Assistência à Infância, no Cinqüentenário de sua fundação, 19/05/1963”.

1930 – julho – 17 – Vítima de um desastre de avião, falece, aos 25 anos de idade, em Rio Pardo, no Rio Grande do Sul, o Oficial do Exército, tenente aviador Eilson Barros de Oliveira, cearense de Redenção. Era irmão do médico Edmílson Barros de Oliveira.

1930 – julho – 18 – Com a presença de Mr. Frederick Anderson, representante da Nyrba, em Fortaleza, inaugura-se, na Barra do Ceará, às 14h, o Aeroporto da Nirba, para amerrissagem de hidroaviões da Nirba do Brasil S.A. O primeiro aparelho a partir da nova rampa foi o